Templates by BIGtheme NET
Home » Fornos de Algodres

Fornos de Algodres

Voluntários para o projeto da Cultura em Rede

O Município de Fornos de Algodres procura voluntários que pretendam representar o Município no projeto da Cultura em Rede (2019).

Este ano o projeto de capacitação será na área da Música, estando a produção sob direção da Coruja do Mato.

Este projeto pretende divulgar e promover uma performance artística,  enquadrada numa linguagem musical, para que através de melodias e canções sejam despertadas as memórias e vivências locais.

Se estás interessado em receber mais informações sobre o projeto contacta-nos, até 30 de abril, preenchendo este questionário:

Eu Quero Participar no Projeto da Música da Rede Cultural CIMBSE

Operação Páscoa na estrada até 22 de abril

A Guarda Nacional Republicana (GNR), amanhã, dia 19 de abril, pelas 11:00 horas, irá efetuar uma ação de sensibilização e fiscalização rodoviária, no âmbito da Operação “Páscoa”, a qual terá lugar nas portagens dos Carvalhos, na A1, sentido sul/norte, e onde estará presente o Secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves.

Prevendo-se um aumento significativo do fluxo de tráfego, até ao dia 22 de abril, a GNR irá intensificar o patrulhamento e a fiscalização nos principais eixos rodoviários, com o objetivo reduzir os índices de sinistralidade e de apoiar os utentes das vias, proporcionando-lhes uma deslocação em segurança.

A GNR, através dos Comandos Territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito, terá especial preocupação com os comportamentos de risco dos condutores, sobretudo os que ponham em causa a sua segurança e a de terceiros.

Assim, os militares estarão particularmente atentos:

  • A manobras perigosas;
  • À correta sinalização e execução de manobras de ultrapassagem, de mudança de direção e de cedência de passagem;
  • À utilização indevida do telemóvel;
  • À condução sob a influência do álcool e substâncias psicotrópicas;
  • Ao excesso de velocidade;
  • À incorreta ou não utilização do cinto de segurança e/ou dos sistemas de retenção para crianças;
  • Às condições de segurança dos veículos.

No período de 18 a 22 de abril, prevendo-se um aumento significativo do fluxo de tráfego, a Guarda Nacional Republicana (GNR) irá intensificar o patrulhamento e a fiscalização nos principais eixos rodoviários, com o objetivo reduzir os índices de sinistralidade e de apoiar os utentes das vias, proporcionando-lhes uma deslocação em segurança.

Tradicionalmente, esta época carateriza-se pela reunião das famílias e por corresponder ao período de férias escolares e profissionais de muitos Portugueses, provocando geralmente um aumento significativo do tráfego rodoviário, em consequência das deslocações de inúmeras pessoas dos locais de residência habitual para as regiões de origem. Ainda a contribuir para o aumento do tráfego, particularmente nos itinerários principais de ligação ao país vizinho, prevê-se que um grande número de cidadãos de nacionalidade espanhola aproveitem a ocasião para visitar o nosso país.

A GNR, através dos Comandos Territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito, terá especial preocupação com os comportamentos de risco dos condutores, sobretudo os que ponham em causa a sua segurança e a de terceiros.

Assim, os militares estarão particularmente atentos:

  • A manobras perigosas;
  • À correta sinalização e execução de manobras de ultrapassagem, de mudança de direção e de cedência de passagem;
  • À utilização indevida do telemóvel;
  • À condução sob a influência do álcool e substâncias psicotrópicas;
  • Ao excesso de velocidade;
  • À incorreta ou não utilização do cinto de segurança e/ou dos sistemas de retenção para crianças;
  • Às condições de segurança dos veículos.

Para que os condutores tenham uma Páscoa em segurança, a GNR aconselha a que:

  • Efetuem um planeamento cuidado das viagens, evitando os períodos do final do dia, quando se prevê maior intensidade de tráfego;
  • Descansem convenientemente antes de efetuar a viagem e, pelo menos de 2 em 2 horas, ou sempre que sintam necessidade, efetuem paragens para descansar;
  • Adequem a velocidade às condições climatéricas, ao estado da via e ao volume de tráfego;
  • Mantenham a calma em situações de elevada intensidade de tráfego, que possam obrigar à circulação a baixa velocidade;
  • Evitem manobras que possam resultar em embaraço para o trânsito ou contribuir para a ocorrência de acidentes;
  • Adotem uma condução atenta e defensiva, para que contribuam para a redução dos índices de sinistralidade rodoviária.

Centro de Portugal com milhares de turistas no fim de semana da Páscoa

O fim de semana da Páscoa vai ser globalmente positivo para a atividade turística no Centro de Portugal, que vai registar taxas de ocupação elevadas. Essa é a indicação que resulta de um inquérito feito às unidades hoteleiras e de turismo em espaço rural, conduzido pelo Turismo Centro de Portugal nos últimos dias.

Os dados, recolhidos até ao dia 17 de abril, mostram que a procura para estes dias é grande em todo o território do Centro de Portugal, com a taxa de ocupação a atingir, na globalidade da região, os 76% na sexta-feira e os 71% no sábado. Na amostra, correspondente a cerca de um terço dos estabelecimentos hoteleiros e de turismo no espaço rural da região, há 80 empreendimentos que neste momento já têm a lotação esgotada em pelo menos um dos dias deste período.

A procura provocará um impacto particularmente expressivo na sub-região Beiras e Serra da Estrela, que apresenta uma taxa de ocupação de 82%, na sexta-feira, e de 77%, no sábado, e na sub-região Oeste, com respetivamente 82% e 77%,.

Mas esta será também uma Páscoa muito estimulante para os empresários de turismo das sub-regiões de Coimbra (80% na sexta-feira e 73% no sábado), Aveiro (77% e 73%), Castelo Branco (71% e 74%), Médio Tejo (72% e 67%) e Viseu (70% e 66%).

Estes números demonstram a grande diversidade de oferta que caracteriza a região. As Regiões de Coimbra, Viseu, Aveiro, Castelo Branco e Leiria, as Beiras e Serra da Estrela, o Médio Tejo ou o Oeste oferecem experiências muito diferentes a quem as visita, desde a neve à natureza e ao mar, a cultura e a religião, as aldeias e o Património da Humanidade, a gastronomia e os vinhos. O facto de todas apresentarem taxas de ocupação elevadas por esta altura é um sinal da vitalidade da região como um todo.

A Câmara Municipal de Fornos de Algodres é parceira da Campanha Nacional “Por um país com bom ar”

A Câmara Municipal de Fornos de Algodres marcou presença no dia 12 de abril de 2019, na cerimónia de evocação do primeiro Dia Nacional do Ar, instituído pela Resolução de Conselho de Ministros n.º 64/2019 em reconhecimento da importância da componente ambiental Ar. A sessão de assinatura de protocolo de cooperação com a Agência Portuguesa do Ambiente, decorreu no Castelo de São Jorge, em Lisboa, e contou com a presença do Senhor Vereador Bruno Costa.

No âmbito do lançamento da campanha nacional “Por um país com bom ar” foram assinados protocolos de cooperação com municípios, juntas de freguesias, associações ambientais e empresas de transportes públicos, na presença do Senhor Ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes. A Câmara Municipal de Fornos de Algodres foi uma das instituições que assumiu este compromisso para a implementação de medidas que contribuam para a melhoria da qualidade do ar no Concelho de Fornos de Algodres.

O ar é um recurso essencial e determinante na qualidade de vida, com repercussões diretas e indiretas no ambiente. A sua gestão requer uma abordagem integrada, com a articulação de políticas e medidas ao nível setorial e entre os vários níveis de governação, assim como, a participação de toda a sociedade.

O  Vereador evidenciou que o objetivo deste protocolo de cooperação para o Concelho de Fornos de Algodres, terá como principal objetivo: “alertar e sensibilizar os nossos Munícipes para a responsabilidade e compromisso com a proteção da qualidade do ar, nomeadamente evitando Queimas e Queimadas.”

A campanha nacional conta os seguintes embaixadores e embaixadoras: Rui Nabeiro, Rui Veloso, Joaquim de Almeida, André Sardet, Cuca Roseta e Naíde Gomes.

Seja Consciente, Pense no Ambiente.

Follow us on Facebook

4ª Edição do Orçamento Participativo de Fornos de Algodres

O Município de Fornos de Algodres lançou a 4ª Edição do Orçamento Participativo com um valor global de 30.000€. Tal como nas anteriores edições, os munícipes podem apresentar uma proposta para a sua localidade, desde que a mesma tenha um custo igual ou inferior a 10.000€.

Assim sendo, todos os cidadãos nascidos durante ou antes de 2007 e com ligação ao concelho, poderão desde o dia 15 de abril até 15 de maio, apresentar a sua proposta online em https://euparticipo.cm-fornosdealgodres.pt/.

Acima de tudo, com este projeto o município tem como objetivos:

  • Fomentar a participação da comunidade;
  • Promover o debate entre eleitos, técnicos e comunidade;
  • Contribuir para uma educação de cidadania participativa, responsável e inclusiva;

Logo que apresentadas as propostas online, todos os munícipes que não tenham acesso à Internet, poderão apresentar e votar as melhores propostas nas Sessões Participativas que decorrerão em todas as localidades.

De seguida, o OP entra na fase de votação final dos projetos. Assim, os cidadãos votarão online e presencialmente nas 3 melhores propostas. A votação online decorrerá de 2 a 15 de julho e a votação presencial será dia 29 de julho em todas as localidades.

As anteriores edições deram origem a projetos extraordinários, e 2019, não será excepção.

Dia Mundial da Saúde celebrado em Fornos de Algodres

O Dia Mundial da Saúde foi celebrado com uma atividade do Município de Fornos de Algodres com a equipa da Biblioteca Municipal Maria Teresa Maia Gonzalez, , com a participação do Centro de Saúde através de uma equipa constituída por uma enfermeira e três estagiárias. O tema que abordaram foi a boa alimentação e cuidados com a mesma, para termos uma vida saudável e através de jogos, passaram a mensagem.

Por:MFA

 

Avisos e Domingo de Ramos- Ano C

PREPARAR AS CELEBRAÇÕES PASCAIS

A Congregação para o Culto divino publicou, em Janeiro de 1988, uma “Carta circular” que retoma, explicita e particulariza as normas litúrgicas relativas à preparação e celebração das Festas Pascais e sugere oportunos temas da catequese do máximo interesse para a vivência da Páscoa. Destacamos algumas propostas:

1. “Tal como a semana tem o seu início e o seu ponto culminante na celebração do Domingo, sempre caracterizado pela sua índole pascal, assim também o centro culminante de todo o ano litúrgico refulge na celebração do sagrado Tríduo Pascal da Paixão e Ressurreição do Senhor, preparada pela Quaresma e prolongada na alegria dos cinquenta dias seguintes“. (Carta circular, Preparação e celebração das Festas pascais [PCFP], nº 2). Toda a pastoral e, assim, a pastoral litúrgica, devem brotar da e convergir para a celebração anual da Páscoa.

2. “A caminhada anual de penitência da Quaresma é o tempo de graça durante o qual se sobe à santa montanha da Páscoa. O tempo da Quaresma, com a sua dupla característica, prepara quer os fiéis quer os catecúmenos em ordem à celebração do mistério pascal… Os fiéis, dedicando-se com mais assiduidade a escutar a Palavra de Deus e a uma oração mais intensa, e mediante a penitência, preparam-se para renovar as suas promessas baptismais. (PCFP, nº 6)

3. “Toda a iniciação cristã comporta um carácter eminentemente pascal enquanto é a primeira participação sacramental na Morte e na ressurreição de Cristo. Por esta razão convém que a Quaresma adquira o seu carácter pleno de tempo de purificação e de iluminação…; a própria Vigília Pascal há-de ser tida como o momento mais adequado para celebrar os Sacramentos da iniciação” (PCFP, nº 7).

4. “…Os pastores recordem aos fiéis a importância que tem para fomentar a sua vida espiritual a profissão da fé baptismal que, “terminado o exercício da Quaresma”, são convidados a renovar publicamente na Vigília Pascal” (PCFP, nº 8). Este é o programa próprio da Quaresma.

5. Durante a Quaresma há que organizar uma catequese para os adultos… Ao mesmo tempo, estabeleçam-se celebrações penitenciais… (PCFP, nº 9).

6. “O tempo da Quaresma é também tempo apropriado para levar a cabo os ritos penitenciais, a modo de escrutínios… também para as crianças, já baptizadas, antes de se abeirarem pela primeira vez do Sacramento da Penitência” (PCFP, nº 10).

7. “Deve ministrar-se, sobretudo nas homilias do Domingo, a catequese do mistério pascal e dos sacramentos…” (PCFP, nº 12).
8. “Os pastores exponham a Palavra de Deus mais a miúdo e com maior empenho, nas homilias dos dias feriais, nascelebrações da Palavra de Deus, nas celebrações penitenciais, nas pregações especiais próprias deste tempo, nas visitas que façam às famílias ou a grupos de famílias para a sua bênção. Os fiéis participem mais frequentemente nas Missas feriais e, se isso não lhes for possível, serão convidados para ao menos ler, em família ou privadamente, as leituras do dia” (PCFP, nº 13).9. “A Igreja celebra todos os anos os grandes mistérios da redenção humana, desde a missa vespertina da Quinta-feira “In Cena Domini” até às vésperas do domingo da ressurreição. Este espaço de tempo é justamente chamado o “tríduo do crucificado, do sepultado e do ressuscitado” e também tríduo pascal, porque com a sua celebração se torna presente e se cumpre o mistério da Páscoa, isto é, a passagem do Senhor deste mundo ao Pai. Com a celebração deste mistério a Igreja, por meio dos sinais litúrgicos e sacramentais, associa-se em íntima comunhão com Cristo seu Esposo” (PCFP, nº 38).
10. “É muito conveniente que as pequenas comunidades religiosas, quer clericais, quer não, e as outras comunidades laicais participem nas celebrações do t r í d u o pascal nas igrejas maiores. De igual modo, quando em algum lugar é insuficiente o número dos participantes, dos ajudantes e dos cantores, as celebrações do tríduo pascal sejam omitidas e os fiéis reúnam-se noutra igreja maior. Também onde mais paróquias pequenas são confiadas a um só sacerdote, é oportuno que, na medida do possível, os seus fiéis se reúnam na igreja principal para participar nas celebrações. Para o bem dos fiéis, onde ao pároco é confiada a cura pastoral de duas ou mais paróquias, nas quais os fiéis participam em grande número e podem ser realizadas as celebrações com o devido cuidado e solenidade, os mesmos párocos podem repetir as celebrações do tríduo pascal, respeitando-se todas as normas estabelecidas” (PCFP, nº 43). “Nestas comunidades, embora muitas vezes pequenas e pobres, ou dispersas, está presente Cristo, por cujo poder se unifica a Igreja una, santa, católica e apostólica” (LG 26)
11. “É desejável que, segundo as circunstâncias, seja prevista a reunião de diversas comunidades numa mesma igreja, quando, por razão da proximidade das igrejas ou do reduzido número de participantes, não se possa ter uma celebração completa e festiva. Favoreça-se a participação de grupos particulares na celebração da vigília pascal, na qual todos os fiéis, formando uma única assembleia, possam experimentar de modo mais profundo o sentido de pertença à mesma comunidade eclesial. Os fiéis que, por motivo das férias, estão ausentes da própria paróquia sejam convidados a participar na celebração litúrgica no lugar onde se encontram” (PCFP, nº 94).

14-04-2019

UMA PASTORAL PARA GARANTIR A UNIDADE SACRAMENTAL DO TRÍDUO PASCAL

A unidade do Tríduo Pascal é uma unidade histórica e sacramental porque representa o mistério pascal que S. Agostinho chamou de “Tríduo de Cristo, crucificado, sepultado e ressuscitado”. É uma unidade litúrgica, porque as suas celebrações estão muito relacionadas com estes três acontecimentos: a antecipação sacramental da morte na Última Ceia ao entardecer de quinta-feira santa, o drama do Calvário na sexta-feira santa, a contemplação da sepultura durante o sábado, e a Ressurreição na passagem da noite para o dia do domingo da Ressurreição. Em algumas comunidades paroquiais, devido à falta de padres, celebra-se somente na quinta-feira santa e no Domingo de Páscoa. Em alguns sítios, há celebrações da Palavra no dia da Instituição da Eucaristia com a distribuição da sagrada comunhão! Noutros, a liturgia de sexta-feira santa consiste numa celebração da palavra, presidida por um leigo, fundamentando-se na seguinte ideia: se não há consagração, não há necessidade de sacerdote! Proliferam “vigílias” pascais, a começar pela tarde com a duração de uma “normal” missa vespertina e com uma redução do número das leituras propostas. Fala-se na celebração de “vigílias” pascais para grupos específicos de espiritualidade, retirando os seus membros das comunidades paroquiais! Outra “novidade” é a multiplicação dos círios pascais na Vigília Pascal para significar as diversas comunidades numa única assembleia. Afinal, o círio representa Cristo Ressuscitado ou comunidades? O que fazer? O que se deve corrigir? O Tríduo Pascal é uma grande celebração com diversos momentos. Três são centrais e alguns complementares. Centrais: a missa da Ceia do Senhor, a celebração solene da Paixão e a Vigília Pascal. Complementares: adoração na noite de quinta para sexta-feira santas, alguma parte da Liturgia das Horas, nas manhãs de sexta-feira e Sábado Santos. A continuidade destas três celebrações manifesta-se no seguinte: não se despede a assembleia ao concluir a liturgia de quinta-feira santa, mas temos a trasladação da reserva eucarística. Esta reserva da Eucaristia é a que se vai comungar, depois da adoração da cruz, no dia seguinte. Na sexta-feira santa não há saudação inicial e, no final, não se despede a assembleia. A desnudação do altar no fim da missa de quinta-feira santa introduz-nos na entrega plena de Cristo na sua Paixão até à sua “descida aos infernos”. Num clima de contemplação, o Tríduo Pascal vai sendo, pouco a pouco, um momento de espera e de preparação para o encontro com o Ressuscitado na Vigília Pascal. Assim, é conveniente que se estabeleça e se promova uma continuidade. Para tal:

1º Nas comunidades paroquiais, o Tríduo Pascal seja completo: a missa da Ceia do
Senhor, a Celebração da Paixão e a Vigília Pascal.

2º Todas as celebrações sejam presididas pelo sacerdote.

3º As celebrações ocorram na mesma igreja por causa da repercussão que a liturgia tem sobre o espaço litúrgico, que permite apreciar os diversos mistérios que se estão a celebrar. Por exemplo, a desnudação do altar não é uma acção meramente funcional; esse altar representa Cristo na sua entrega total e plena. O mesmo altar revestido de uma forma festiva representará Cristo, Cordeiro Pascal.

4º Nas comunidades paroquiais onde não é possível as celebrações do Tríduo Pascal, poder-se-á cultivar a oração da Liturgia das Horas, pela qual, como acontece com os sacramentos, se actualiza também o mistério pascal. O Ofício Divino não é uma realidade paralela ou alternativa à Eucaristia, ou às celebrações do Tríduo, mas é uma forma de participação que se deve promover onde não são possíveis as celebrações do Tríduo Pascal.

5º Nas comunidades onde existem tradições da Semana Santa (procissões, via-sacra ao vivo, sermões), não haja competições com as celebrações litúrgicas no que respeita à marcação de horários, mas que sirvam para a oração e para a contemplação do mistério pascal de Cristo, a sua morte, sepultura e ressurreição, acompanhado pela sua Mãe, Maria de Nazaré.

6º Recordemos que o Tríduo Pascal “não é de preceito”, o que não supõe assegurar de qualquer maneira a sua celebração em todos os lugares. O ideal será assegurar a celebração do Domingo de Ramos e do Domingo de Páscoa, enquanto o Tríduo Pascal seja celebrado no local onde se congrega a maioria dos fiéis e que permita uma celebração espiritual, cuidada e participativa. O mistério pascal actualiza-se sacramentalmente na celebração da Eucaristia e de uma forma sequencial, anualmente, no Tríduo Pascal. Como não é concebível a separação dos mistérios da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo, também não é admissível a celebração do Tríduo de um modo que não seja completo. Não se retirem elementos destas celebrações, como se fossem celebrações paralelas nem se multipliquem as celebrações sem as suficientes condições de assistência de fiéis, cuidando da liturgia e nas horas correspondentes. Sobre isto, é urgente iniciar e promover um caminho de sensibilização dos fiéis…o que não é nada fácil, mas não impossível!

http://www.liturgia.diocesedeviseu.pt/

Ano C - Tempo da Quaresma - Domingo de Ramos - Boletim Dominical

 

AF Guarda- Resultados da 1ªdivisão -ronda 24

Teve lugar mais uma ronda do Distrital maior da AF Guarda, com a turma do E.Almeida a causar alguma surpresa ao vir alcançar 3tres pontos frente ao Fornos de Algodres.

Já o Celoricense recebeu e venceu o Soito por três bolas a zero.

 

Os Vilanovenses- S. Romão-0-1

Manteigas – G.Figueirense-

Celoricenses- Soito-3-0

Trancoso – Gouveia- 2-1

Fornos Algodres- E.Almeida-2-4

Vilar Formoso -Aguiar Beira

Sabugal- Vila Cortez Mondego

 

Jovens fornenses brilharam em Vila Nova Tazém

Teve lugar mais um torneio convivio de jovens jogadores da AF Guarda, assim em Vila Nova de Tazém, fizeram mais uma excelente participação.

Desta forma, estes jovens da ADFA, lutaram, jogaram e arrecadaram bons resultados.

Assim em 4 jogos, obtiveram 3 triunfos  e um empate.

foto:ADFA BT

Ciclismo:Daniel Mestre vence no Fundão e passa a liderar

Teve lugar neste sábado, a segunda etapa que ligou Manteigas ao Fundão do GP Internacional Beiras e Serra da Estrela, com triunfo de Daniel Mestre (W52-FC Porto) que face a este resultado subiu á liderança da prova.

Nesta etapa ficaram a seguir Vicente García de Mateos (Aviludo-Louletano) e  Edwin Ávila (Israel Cycling Academy).

Este domingo, decorre a última etapa que liga Celorico da Beira à Covilhã, com passagem por diversas localidades como Fornos de Algodres, Gouveia e Torre, terminando na Covilhã.

foto:AMCB

 

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar