Templates by BIGtheme NET
Home » Serra

Serra

4.ª Edição do “Elos – Festival Literário de Nelas 2019”

Terminou,  4.ª Edição do “Elos – Festival Literário de Nelas 2019”, com a realização de um atelier de Reciclagem de Papel e construção de livro por Lia Alvadia e participação do Teatro Habitus e da ContraCanto, Associação Cultural, no Mercado Municipal. À noite, o Auditório Maria José Cunha, na FLL, encheu, com uma plateia atenta e entusiasta, para Descobrir Camilo.

A sessão iniciou com as boas-vindas de Rui Fonte, coordenador da Biblioteca da FLL, seguido de umas breves palavras do Dr. Carlos Torres, Presidente da Administração da FLL, e do Dr. Borges da Silva, Presidente da Câmara Municipal de Nelas, que encerrava, assim, o “ELOS – Festival de Literário”, ao mesmo tempo que dava o mote para o espetáculo: “Descobrir Camilo”, dos Vítor Blue. Música e poesia, no seu estado puro, legítimo, belo. A terminar, as sábias palavras do Prof. Doutor Carlos Mota Cardoso, um Camiliano de excelência.

Por:MN

AF Guarda- Resultados da Ronda 22 -1ªdivisão

Ginásio Figueirense novo Campeão

Uma tarde de festa para o Ginásio Figueirense, que se sagrou o novo campeão distrital da AF Guarda, 2018/19, após ter sido derrotado pela margem mínima em Trancoso, beneficiou da igualdade a zero entre Manteigas e S.Romão.

Ronda 22

Vila Cortez- Gouveia- 2-1

Fornos- Aguiar da Beira- 0-3

Trancoso- G.Figueirense- 1-0

Vilanovenses- Soito- 0-0

Sabugal- E.Almeida- 3-1

Manteigas – S.Romão- 0-0

V.Formoso- Celoricense -0-2

 

Classificação:

1-Gin. Figueirense-58

2-Aguiar Beira—-45

3 -Ass. D. Manteigas-44

4-S.C.Celoricense—37

5-V.Cortez Mondego–35

6-D. Trancoso—35

7-Gouveia—33

8–Fornos Algodres–27

9-Vilanovenses—24

10-São Romão–20

11–Vilar Formoso–19

12–Desp.Soito—19

13 -Sc Sabugal –18

14–Estrela Almeida–14

 

Fruição artística na Escola nas Conversas de Café na Guarda

Vai ter lugar, na Guarda, mais concretamente no Café – Concerto do TMG, mais uma edição das Conversas de Café, a realizar na sexta-feira, dia 29 de março, às 21h30,  com entrada livre com o  professor e investigador Paulo Morais-Alexandre, a atriz e encenadora Rita Lello e os professores Norberto Gonçalves e António Prata Coelho .

“A fruição artística na Escola: desafios pedagógicos” é o tema desta quarta iniciativa do Ciclo “Conversas de Café”, estando a próxima já agendada para o próximo dia 26 de abril sob o tema “A Diáspora: patrimónios da emigração na região da Guarda”.

A iniciativa é organizada pela Comissão Executiva da Candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura e a Câmara Municipal da Guarda, tendo como principal objetivo promover a participação e o envolvimento da comunidade em geral na discussão pública e reflexão dos temas que integram o conteúdo da estratégia e proposta de programa da Candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura 2027.

4º Encontro de Poesia em Pinhel

A poesia em destaque!!

No próximo sábado, dia 23 de março, faz um ano, que o Movimento Poético de Pinhel promoveu o seu 3º Encontro de Poesia.

Face a isso, o Movimento Poético de Pinhel,  vai realizar o seu 4º Encontro de Poesia na localidade do Juízo dia 23 de Março das 15 às 18,00 H.

 

 

Turismo bate recordes na região Centro

A atividade turística no Centro de Portugal iniciou o ano de 2019 a bater recordes absolutos. O mês de janeiro de 2019 foi o melhor mês de janeiro de sempre na região desde que há registos, de acordo com os números publicados pelo INE – Instituto Nacional de Estatística.

O INE indica que, em janeiro de 2019, o total de dormidas na região cresceu 7,2%, em comparação com janeiro de 2018 – um sinal muito promissor para o que será o ano de 2019. No total, contabilizaram-se 294 mil dormidas em janeiro no Centro de Portugal, mais 19,8 mil do que no mesmo mês do ano anterior, que tinha registado 274,2 mil dormidas. Em janeiro de 2017, o total de dormidas tinha sido de 212,1 mil.

Pela primeira vez num mês de janeiro, as dormidas por parte dos visitantes estrangeiros ultrapassaram as 100 mil, totalizando 103 mil. Em janeiro de 2018 tinham sido 90,6 mil, o que significa que houve um aumento de 13,7 por cento. Comparativamente, o crescimento nas dormidas de estrangeiros no global do país foi de 3,1%. Ou seja, em janeiro, as dormidas de estrangeiros cresceram quatro vezes mais no Centro de Portugal do que no total do país!

Por outro lado, a procura do Centro de Portugal pelos visitantes nacionais também continua a crescer. Em janeiro de 2019, assinalaram-se na região 191 mil dormidas de visitantes nacionais, mais 4% que em janeiro de 2018.

O Centro de Portugal regista igualmente números muito positivos nos restantes indicadores registados pelo INE. É o caso do total de hóspedes, que entre janeiro de 2018 e janeiro de 2019 subiu 5,9%, para 190,7 mil, da taxa de ocupação, que subiu 4,5%, e da estadia média, de 1,52 para 1,54.

A nível das receitas, em janeiro de 2019 observou-se um forte crescimento nos proveitos totais da atividade turística no Centro de Portugal. Em comparação com o mesmo mês de 2018, os proveitos totais subiram 9,1%, aproximando-se dos 15,8 milhões de euros. Um indicador que demonstra que a aposta dos empresários da área do turismo na região é cada vez mais rentável.

“Os primeiros números do ano, agora divulgados pelo INE, deixam antever que 2019 vai ser mais um ano histórico para a atividade turística no Centro de Portugal”, comentou Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal. “Registo com muito satisfação que a região subiu em todos os indicadores estatísticos em janeiro, com particular veemência nas dormidas de visitantes de fora do país e nos proveitos totais. São dados que dão grande alento aos empresários que apostam na região”, acrescentou.

Feira Medieval decorre em 31 de maio, 1 e 2 de junho em Pinhel

Na habitual reunião do Executivo da Câmara Municipal de Pinhel

na ordem de trabalhos, o destaque foi para a aprovação das normas de funcionamento da Feira Medieval, evento agendado para os dias 31 de maio, 1 e 2 de junho.

Foi aprovada também a proposta de construção de uma rotunda na Av. Carneiro de Gusmão, no local onde agora existe o cruzamento que dá acesso ao Jardim de Infância e à Escola do 1º Ciclo.

Ainda foi apreciada e aprovada por unanimidade a proposta de assinatura de um protocolo de cooperação com a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género no âmbito da Estratégia Nacional para a Igualdade e a Não Discriminação – 2018-2030 “Portugal + Igual”.

Eduardo Cabrita apadrinha apresentação da nova Plataforma de Emergência e Proteção Civil Intermunicipal

Vai ter lugar a apresentação pública da nova Plataforma de Emergência e Proteção Civil Intermunicipal, desenvolvida pelas Comunidades Intermunicipais (CIM) Viseu Dão Lafões e Região de Coimbra, que se realiza na próxima sexta-feira, 22 de março, pelas 14h30, na Quinta do Vale Minhoto, em Tondela, já ser presidida por Eduardo Cabrita, Ministro da Administração Interna.

Participam também na cerimónia Rogério Mota Abrantes, Presidente da CIM Viseu Dão Lafões, e João Ataíde, Presidente da CIM Região de Coimbra.

Segundo Nuno Martinho, Secretário Executivo da CIM Viseu Dão Lafões, “uma das virtudes deste projeto assenta no facto de dois territórios terem desenvolvido uma plataforma tecnológica comum de apoio ao planeamento e gestão de riscos no âmbito da proteção civil que permitirá aos agentes terem informação de qualidade de forma agregada”.

Refere ainda que a plataforma prevê também “o envolvimento e participação das principais entidades e agentes de proteção civil, localizados nos 33 municípios integrantes das referidas Comunidades Intermunicipais, uma vez que está preparada para apoiar, em tempo real, as operações e a tomada de decisão das equipas de proteção civil e das forças de segurança em momentos de resposta a fenómenos de emergência”.

Jorge Brito, Secretário Executivo intermunicipal da Região de Coimbra, destaca que “a implementação integrada da plataforma no território das duas comunidades intermunicipais permite uma interoperacionalidade inédita neste vasto território da Região Centro do país, tanto na prevenção de catástrofes como nas decisões críticas da ação da proteção civil intermunicipal das duas NUT III do centro do país”.

Acrescenta que “tendo em conta o aumento dos riscos, nomeadamente devido às alterações climáticas, estamos a implementar esta ferramenta tecnológica de apoio à decisão na prevenção de catástrofes – que por natureza não se atêm a fronteiras -, disponibilizando informação em tempo real aos municípios e agentes da proteção civil da Região de Coimbra e Viseu Dão Lafões

CDS quer saber qual vai ser a redução tarifária nos municípios das CIM Beiras e Serra da Estrela e da Beira Baixa

Os deputados do CDS-PP Hélder Amaral, Patrícia Fonseca, João Rebelo e Ana Rita Bessa questionaram  as Comunidades Intermunicipais das CIM Beiras e Serra da Estrela e da Beira Baixa no sentido de saber quais os Municípios que têm transportes públicos, qual vai ser a redução tarifária em cada um Municípios e que investimento representa esta redução para cada um deles.

O Governo anunciou esta semana que o Programa de Apoio à Redução Tarifária (PART) nos transportes públicos vai atingir os 116 M€, com as autarquias a colocarem 12 M€, mais do que o inicialmente previsto.

De acordo com o Ministro do Ambiente e da Transição Energética, além das duas Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto, 23 Comunidades Intermunicipais (CIM) fizeram propostas para aplicação das verbas.

Por sua vez, o Primeiro-Ministro afirmou, em declarações a órgãos de comunicação social, que não é verdade que a redução tarifária seja exclusiva de Lisboa ou do Porto, e respetivas áreas metropolitanas, mas que se trata de um programa nacional ao qual aderiram todas as CIM.

O Primeiro-Ministro garantiu mesmo que em 18 CIM haverá, já a partir do próximo dia 1 de abril, redução nos tarifários dos respetivos títulos de transporte, o que, afirmou, significa que 85% da população portuguesa poderá beneficiar desta redução de tarifários.

3ª Off Road Bridgestone / First Stop Marrocos

O Clube Escape Livre vai organizar a terceira edição do Off Road Bridgestone / First Stop Marrocos, um passeio todo terreno turístico e de lazer recheado de exotismo, que mostra as tradições e cultura do reino marroquino ao sabor do todo terreno. O evento, que decorre de 25 de abril a 5 de maio, foi ontem apresentado na oficina First Stop João Serras, em Frielas, concelho de Loures.

Dado o sucesso dos anos anteriores, o Clube Escape Libre vai levar 22 equipas ao Reino de Marrocos para um novo percurso e novas descobertas. A aposta e a promessa do clube da Guarda são simples: 10 dias de umas mini férias carregadas de adrenalina e exotismo ao volante dos 4×4, paisagens únicas e uma experiência cultural que fica na memória de todos, pelos melhores motivos. O passeio já esgotou as suas inscrições e a organização já está a aceitar pedidos para 2020.

O 3º Off Road Bridgestone Marrocos aposta num programa diversificado, que dá a conhecer as mais diversas povoações com as suas gentes e costumes mais tradicionais, a dureza e a beleza da travessia de desertos e das mais altas montanhas marroquinas, a gastronomia, os aromas e os sabores mais típicos. Por outro lado, para contrastar com a descoberta dos lugares mais típicos, oferece o alojamento em algumas das melhores unidades hoteleiras do Reino de Marrocos a proporcionar o merecido descanso e segurança.

Entre os pontos a visitar estão Chefchaonuen, a cidade azul, as ruínas romanas de Voloubilis e a Floresta de Cedros e os célebres macacos desta região. O programa tem ainda como momentos altos a passagem na “Catedral”, no Médio Atlas e no Alto Atlas, a mais de 3000m de altitude, o alojamento rural na aldeia de Ait Bouguemez, a passagem nas gargantas do Dadés e do Todra, o almoço num oásis, o percurso nas dunas do Erg Chegaga, o jantar e dormida em acampamento no deserto.

Na apresentação, Luis Celínio, presidente do Clube Escape Livre, referiu que “Foi irrecusável o desafio lançado pelos participantes que, nas edições anteriores, nos deram um feedback extraordinário desta aventura. Na verdade, aliar o todo terreno com a possibilidade de visitar esta região mediterrânica e todas as suas características naturais e culturais é um sonho transformado em realidade para os que ingressam nesta aventura. Depois, é também um grande desafio e um privilégio faze-lo acompanhado dos parceiros Bridgestone e First Stop, e ao volante da nova Classe X, a pick up mais moderna no mercado.

PSD Guarda lançou comunicado

A SUPREMA FORÇA DOS VOTOS E A DESAVERGONHADA ‘POLÍTICA COSTISTA’
A partir do próximo dia 1 de abril, data que não podia ser mais sugestiva (!), o Governo decreta a boa nova de que os passes para a utilização dos transportes públicos da Área Metropolitana de Lisboa sofrem uma redução substancial. Quem os usar dentro de cada concelho próximo da capital vai pagar apenas 30€ e quem quiser fazê-lo em todos os concelhos da região vais pagar somente 40€, poupando umas centenas de euros por ano relativamente ao preço atual. Vistas as coisas pela rama, não deve haver quem não concorde com elas. Todos devemos pagar menos para usufruir de bens essenciais, como é o caso dos transportes. Mas quem se predispuser a fazer uma análise mais aprofundada, arrepia-se com a medida, que parecendo correta e óbvia, pode ser, em boa verdade, uma das piores iniciativas de política pública dos últimos anos, bem ao nível dos ‘desvarios socráticos’. Como é evidente, se não estivéssemos em ano eleitoral, o Governo não se atreveria a propô-la, como não se atreveu nos três anos anteriores, por saber que a memória é curta e facilmente ultrapassável pela realidade. Mas o que agora importa é comprar votos, mesmo que o país venda a sua dignidade e hipoteque, uma vez mais, o seu futuro. Para António Costa, primeiro está o seu partido e o seu projeto de poder, Portugal vem muito depois. Esta medida de subsidiação, sendo positiva para uma boa parte da população de Lisboa (vai alargar-se ao Porto, onde também se vota muito!), por ter impacto direto no seu bolso, é, ainda assim, quadruplamente injusta. Desde logo porque não diferencia os que têm recursos económicos e podem pagar mais, daqueles que os não têm e devem pagar menos. Para o Governo, quem ganha 6000€ por mês deve pagar de passe social o mesmo que paga quem ganha 600€, o que é incompreensível. Depois porque a redução do custo destes passes é suportada pelo Orçamento de Estado, leia-se, por todos os contribuintes, incluindo os das regiões onde não há transportes públicos dignos desse nome, que são a maioria, e que não usam os da capital regularmente. Ou seja, quem financia este bónus de cerca de 150 milhões de euros anuais para Lisboa e para o Porto, que já têm um PIB per capita superior à média europeia, é o resto do país, o país pobre, que tem um PIB per capita na ordem dos 70% dessa média, o que é um absurdo. Depois ainda, porque não havendo em Lisboa e Porto uma rede de transportes públicos moderna e competitiva (faltam autocarros, comboios, barcos, carruagens de metro e até parques de estacionamento de veículos próximos das estações para os respetivos utilizadores), não faz sentido simular-se um incentivo às pessoas para usarem esses transportes, sem que antes se aposte no incremento da sua oferta. Dito de outro modo, o Governo inverte prioridades, não resolve nenhum problema de forma estrutural e começa a refeição pela sobremesa, pois a melhoria das condições dos transportes exige investimentos em equipamentos que estão a ser erradamente canalizados para subsidiar passes. Por último, porque se trata de um presente egoísta do Governo e envenenado para os portugueses. Têm em vista apenas os próximos meses e é politicamente impossível de reverter, deixando para quem vier a seguir o problemático ónus de encontrar solução para uma quebra de receitas muito sensível. Como o que se dá hoje se paga amanhã a peso de ouro, vamos todos ter a crença de que daqui a algum tempo não estejamos, uma vez mais, vergados ao chamamento de uma outra qualquer Troika pela mão irresponsável do Partido Socialista. Mas o Governo lá saberá. Pelos vistos, os tempos das vacas magras, aquelas que não voam, foi lá atrás. Agora, já há dinheiro para muito mais. Se assim é e como festa é festa, todos têm o direito de dançar ao som da mesma música.
Por isso mesmo, se António Costa quiser ser politicamente sério, tratando os portugueses de
forma similar e proporcionada, tem de ser consequente e coerente. O mínimo que se lhe exige
é que baixe (não se lhe pede que elimine) o preço dos transportes dos portugueses do interior
do país, que também os há. Afinal, a mobilidade é para todos. Quem não tem Metro, Carris,
Transtejo e afins, e mesmo não tendo quase nada, tem, porém, uma necessidade, a de se
deslocar. Ora, como não há portugueses de primeira e de segunda, espera-se que o Governo
compense em igual medida (50%) quem não reside em Lisboa e no Porto, promovendo de
imediato a redução do custo dos bilhetes de comboios da CP e das portagens das SCUT´S,
designadamente nas A23 e A25, no resto do país. Não gasta tanto, não é tão injusto e não dá a
ideia que só faz política para brindar com os eleitores dos grandes centros urbanos.
Por Comissão Política Distrital do PSD

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar