Templates by BIGtheme NET
Home » Serra (page 30)

Serra

Doentes devem ir às consultas e tratamentos urgentes alerta a secção Centro da Ordem dos Médicos

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos faz um apelo para que ninguém deixe de recorrer aos cuidados de saúde, recomendando aos doentes com doenças crónicas ou casos súbitos e complexos para que continuem a ir às consultas e aos tratamentos médicos.

O apelo surge na sequência dos receios que a população enfrenta face à Covid-19 mas o presidente da Secção Regional do Centro ressalta que nas unidades de saúde, quer nos cuidados de saúde primários quer nas unidades hospitalares, existem circuitos bem organizados para atender os doentes sem sintomatologia Covid-19. “A vida de um doente com a Covid-19 tem o mesmo valor que a vida de um doente sem a Covid-19. Em caso de doença, não podemos recear. Temos de procurar respostas quando estivermos doentes”, diz Carlos Cortes.

O especialista faz este alerta para quem está debilitado e com algum tipo de restrição para que recorra à linha SNS 24 (808 24 24 24), de modo a que se encontrem as melhores respostas clínicas. Sublinha ainda que ninguém deve evitar de recorrer às urgências em caso de situação grave.

Outros apelos: Um deles é dirigido também às grávidas, para quem a vigilância de rotina (que inclui a ida às consultas, a realização de ecografias, a realização de análises e outros exames) é fundamental.

Há muitas situações em que não se deve evitar de ir ou adiar tratamentos”, refere Carlos Cortes, “designadamente as doenças do foro cardiovascular e oncológico”, alertando para o perigo de poderem vir a existir muitas mortes devido ao adiamento e cancelamento de consultas e outros atos médicos.

“Temos de evitar que o pós Covid-19 seja dramático. Há vidas para salvar por causa desta infeção pandémica, mas há outras a salvar com inúmeras patologias, como os doentes oncológicos ou os transplantados”, alerta Carlos Cortes.

 

 

 

GNR atenta à proteção das vítimas mais vulneráveis

No contexto atual de pandemia COVID-19, e em complemento de todas as ações que vêm sendo desencadeadas por todo o seu dispositivo, no sentido de garantir o cumprimento das normas decretadas pelo Estado de Emergência, a Guarda Nacional Republicana tem estado particularmente atenta à evolução de determinados fenómenos criminais, visando sobretudo proteger os mais vulneráveis, como os idosos que vivem sozinhos, ou isolados ou sozinhos e isolados e as vítimas de violência doméstica.
Nesse sentido, no mês de março de 2020, a Guarda registou 938 denúncias por violência doméstica (menos 26% do que em período homólogo de 2019 – e não como, por lapso, foi hoje referido na Conferência de Imprensa conjunta, a que alude o comunicado em anexo), tendo detido 76 suspeitos e apreendido 97 armas (dados provisórios). Ainda assim, conscientes que o período de maior isolamento social pode suscitar um desfasamento mais acentuado entre o número de denúncias e o número de crimes praticados, a GNR, através dos Núcleos de Investigação a Apoio a Vítimas Específicas (NIAVE), tem intensificado os contactos com as vítimas identificadas, no sentido de promover, se necessário for, um ajustamento das medidas de proteção das vítimas. A GNR recorda que se trata de um crime público, pelo que qualquer pessoa pode denunciar, devendo ser privilegiado o recurso ao Sistema de Queixa Eletrónica (https://queixaselectronicas.mai.gov.pt/).
De igual modo, a Guarda tem reforçado as ações junto dos idosos, sobretudo dos cerca de 41 mil que, durante a Operação Censos Sénior 2019, foram sinalizados como vivendo sozinhos ou isolados ou sozinhos e isolados, procurando contribuir para a prestação de um necessário apoio social e para a sensibilização face à tendência para o aumento do número de crimes de burla (467, durante o mês de março de 2020, o que corresponde um aumento de 52%, face ao período homólogo de 2019), que incidem sobretudo sobre a população mais vulnerável, como é o caso dos idosos.
Ainda neste âmbito, realça-se que está em fase de implementação o Programa 65 Longe+Perto, o qual visa, através das Secções de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário (SPC), em primeira linha, a promoção do contacto telefónico com todo os idosos sinalizados, procurando identificar situações que, por força da fase de maior isolamento social, justifiquem uma abordagem ao nível psicológico, para a qual serão disponibilizados psicólogos do Centro Clínico da GNR, numa segunda linha de apoio.

COVID-19 – Medidas propostas pelo PSD de Trancoso ao Municipio local

Em comunicado, a Concelhia do PSD de Trancoso reuniu com o Presidente da Câmara , Amílcar Salvador , e apresentou um conjunto de medidas de âmbito social e económico para fazer face à crise provocada pela epidemia Covid-19.

Face a isso, referem que Trancoso, tal como todo o País, vive hoje uma situação excecional de emergência nacional
provocada pela pandemia Covid–19, o que resultou numa crise sanitária de grandes dimensões
com evidentes consequências sociais e económicas, as quais já se traduzem numa degradação
inevitável das condições em que funciona a economia local.
Esta é uma luta de todos contra um inimigo sem rosto, mas que causa sofrimento e coloca em
causa a nossa sobrevivência.
O PSD de Trancoso vem publicamente mostrar total solidariedade em relação aos trancosenses e
sinalizar um enorme reconhecimento pela forma como os cidadãos e cidadãs do concelho estão
a cumprir as regras de recolhimento nas respetivas habitações, cumprindo assim as restrições
impostas pelo Estado de Emergência em vigor.
Tudo indica que no horizonte se está a formar uma das maiores crise económicas de sempre,
senão mesmo a maior, cuja duração e efeitos são ainda imprevisíveis, e perante a qual é também
necessário, ao nível local, adotar medidas concretas de apoio tanto às famílias como às
empresas. Tempos extraordinários exigem medidas excecionais.
O Partido Social Democrata propôs assim que a Câmara Municipal de Trancoso prepare um
Plano de Apoio às Famílias e Empresas Covid-19. Este deve assentar na criação de um fundo
financiado pela maior parte da verba inscrita no orçamento municipal para despesas com as
festas, eventos e algumas obras de carácter não essencial previstas para 2020, num valor que
ronda os 600 000€. Esta seria uma utilização eficiente de uma verba prevista para eventos que
não se deverão realizar no presente ano.
O objetivo deste fundo seria o de minimizar as perdas resultantes da suspensão, total ou parcial,
da atividade de diversas empresas e apoiar a recuperação do tecido comercial e industrial local
após superada a crise sanitária. O fundo deverá ainda apoiar as famílias mais carenciadas e as
IPSS do concelho. A propósito da ação social, apelamos ao executivo municipal que pressione as
autoridades competentes para que também nos lares do concelho sejam realizados os testes à
Covid-19 em curso em várias unidades de todo o país mas que, infelizmente, até agora, ainda
não chegaram a Trancoso.
Acreditamos que a prioridade da ação política passa pela promoção do bem estar das pessoas e,
nesse sentido, todos os recursos disponíveis do município devem ser colocados ao dispor dos
seus munícipes.

PROPOSTA – MEDIDAS DE APOIO ÀS FAMÍLIAS E EMPRESAS – COVID-19

O PSD Trancoso  apresentou um conjunto de propostas com o objectivo de mitigar os
efeitos da crise na vida das famílias, do comércio e das empresas.
Área social e famílias:
1. Atribuir um apoio financeiro suplementar a todas as IPSS do concelho, por forma a ajudar na
prestação de cuidados aos idosos e a pessoas vulneráveis que necessitem de apoio social e que
estão à sua guarda;
2. Distribuição, em complemento e em articulação com a Segurança Social, de equipamentos de
proteção individual às Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho;
3. Disponibilização, em articulação com a Administração Regional de Saúde do Centro, de
alojamento em unidades hoteleiras da cidade para que os profissionais de saúde e proteção civil
que estão na linha da frente no combate à COVID-19 possam optar por não regressar às suas
casas depois do trabalho, reduzindo o risco de contaminação;
4. Criar uma Bolsa de Voluntários que poderá integrar desde logo estudantes da área da saúde
que assim o pretendam, pois muitos estudantes universitários regressaram a casa neste período,
para ajudar na prestação de serviços nos Lares do concelho e para apoiar todos os idosos que
não tenham possibilidades de se deslocar a farmácias, supermercados e outros estabelecimentos
de bens de primeira necessidade;
5. Atribuir um apoio financeiro suplementar às Juntas de Freguesia do concelho de modo a que
estas possam reforçar o apoio social prestado aos mais carenciados;
6. Fornecimento das refeições escolares, almoço e lanche, em regime de take-away, a todas as
crianças do Ensino Pré-escolar e do 1.o Ciclo do Ensino Básico que delas necessitem;
7. Disponibilização, em articulação com os Agrupamentos de Escola, de computadores/tablets,
acesso à TDT e acesso móvel à internet aos alunos do 1.o, 2.o e 3.o Ciclos do Ensino que não
disponham destes equipamentos, assegurando a promoção de igualdade de oportunidades e o
acompanhamento do Plano Nacional de Ensino à Distância;
8. Apoiar as Associações Humanitárias de Bombeiros do concelho a suportarem os custos com
pessoal em virtude da redução drástica ocorrida na realização de transportes de doentes não
urgentes, assegurando total capacidade de resposta neste contexto de pandemia,
nomeadamente para que o transporte de doentes urgentes não seja afetado;

9. Redução da taxa do IMI para o ano de 2021.
Atividade económica e empresas:
10. Pagamento imediato a todos os fornecedores locais os valores em dívida relativos a
fornecimentos ou prestações de serviços realizados até à primeira quinzena de março,
contribuindo assim para reforçar a liquidez das empresas;
11. Acordar com a empresa Águas da Teja uma redução do custo das tarifas da água em pelo
menos 25% e até ao final do ano de 2020. Isentar ainda o pagamento por igual período aos
cidadãos com comprovada carência económica;
12. Assegurar junto da empresa Águas da Teja a impossibilidade de cortes do fornecimento de
água a cidadãos e empresas durante o período em que esteja em vigor o estado de emergência;
13. Isentar do pagamento das taxas de recolha de RSU, a todas as famílias e empresas do
concelho até final do corrente ano;
14. Elaborar um REGULAMENTO DE APOIO À ECONOMIA LOCAL que contemple a atribuição de um
apoio pecuniário por posto trabalho, no montante mínimo de 250€, a todas os estabelecimentos
comerciais, industriais e prestadores de serviços que por força da imposição do Estado
Emergência viram a sua atividade suspensa e por período de tempo equivalente à respetiva
suspensão obrigatória da atividade;
15. Isentar os vendedores do Mercado Municipal, vendedores ambulantes e feirantes do
pagamento de taxas durante o ano de 2020, prorrogável para o ano de 2021 se a situação assim
o exigir;
16. Isentar os estabelecimentos de restauração e bebidas do pagamento de ocupação e
utilização privada do espaço público com esplanadas, bem como licenças de publicidade durante
todo o ano de 2020, prorrogável para o ano de 2021 se a situação assim o exigir;
17. Suspender todos os prazos relativos ao licenciamento de obras para evitar incumprimentos
por força do Estado de Emergência.

Covid-19-Operações nacionais de intensificação do patrulhamento pela PSP e GNR

A Guarda Nacional Republicana e a Polícia de Segurança Pública irão realizar, a partir de dia 9 e até ao próximo dia 13 de abril, segunda-feira, operações de intensificação do patrulhamento, ações de sensibilização e fiscalização, em todo o Território Nacional, em estreita articulação, cooperação e colaboração, com o objetivo de apoiar a população e garantir o cumprimento das normas do Estado de Emergência e as que especificamente vigorarão nesta janela temporal específica.

Covid-19-Centro de Saúde de Gouveia vai receber doentes sem sintomalogia grave

O Centro de Saúde de Gouveia reúne assim condições, em termos de instalações, para operacionalizar a necessária diferenciação de circuitos de doentes;
É primordial assegurar condições de segurança para utentes e profissionais, possível através da referida separação;
Deliberou o Conselho de Administração da ULS da Guarda que, a partir de terça-feira, dia de 7 abril de 2020, os doentes suspeitos para COVID – 19 dos concelhos de Gouveia, Seia e Fornos de Algodres, sem sintomatologia grave, passarão a ser avaliados no âmbito da ADC – Comunidade de Gouveia que sucederá À ADC – Comunidade Seia.
A ADC – Comunidade Gouveia irá funcionar nas instalações atualmente destinadas ao SAP (Rua Dr. Mário Gomes Figueira – 6290 – 370 Gouveia), ficando o SAP a funcionar no espaço de ambulatório (bloco cinzento).
Mais se informa que no dia 7 de abril de 2020, terça-feira, se procederá à alteração do horário de funcionamento das ACD – Comunidade Guarda, Gouveia, Trancoso e Pinhel. As quatro ADC – Comunidade irão passar a funcionar das 9h às 13horas e das 14h às 19horas, todos os dias da semana.

Por:ULS Guarda

Programa Extraordinário de Apoio “Salvaguarda”lançado pelo Município local

Face a esta situação de emergência o Município da Guarda vai promover e aplicar de imediato Medidas Extraordinárias para mitigação dos impactos sociais e económicos decorrentes da Pandemia por COVID-19. São medidas de apoio às famílias, ao comércio local, às instituições e às empresas, no sentido de promover a proteção e manutenção dos postos de trabalho, e combater o impacto negativo na vida das famílias e instituições do concelho da Guarda.

São 26 medida que integram o “SALVAGUARDA”- Programa Extraordinário de Apoio num total de 850 mil euros na sua aplicação, ao qual acresce mais 1 milhão e meio de euros para pagamento a fornecedores, relativos aos meses de janeiro, fevereiro e março, ajudando assim na sua liquidez. Estas medidas visam assegurar uma resposta adequada à situação de emergência que se vive localmente, estando prevista a sua revisão sempre que a situação assim o exigir.

Este programa surge pela emergência de Saúde Pública de âmbito internacional declarada pela Organização Mundial de Saúde a 30 de janeiro de 2020, posteriormente classificada de Pandemia a 11 de março, e, entretanto, com a declaração nacional do Estado de Emergência e da sua subsequente renovação. É necessário, pois, a aplicação de medidas extraordinárias e de caráter urgente no concelho da Guarda, para minimizar os impactos desta situação contingencial.
O Município criou assim um programa nas mais distintas áreas, para apoiar o tecido social e económico do concelho, que a seguir se mencionam:

1. Redução de 30% sobre tarifas de água, saneamento e RSU, nos meses de abril e maio, a todas as famílias, IPSS’s e empresas do concelho.
A percentagem pode ser aumentada mediante acordo obtido com a ‘Águas de Portugal’;

2. Pagamento imediato a todas as empresas que forneceram a Câmara Municipal até ao dia 31 de março de 2020, por forma a injetar mais de 1 milhão de euros na economia;

3. Entrega de equipamentos de proteção individual às IPSS’s do concelho que funcionem como Estruturas Residenciais para Pessoas Idosas (ERPI’s) e Lares de Acolhimento;

4. Comparticipação na realização de testes PCR para a Covid-19, em colaboração com laboratório local, aos cidadãos do concelho referenciados pela Linha de Saúde 24 e pela ARS do Centro;

5. Isenção ou redução de rendas habitacionais em fogos municipais:
• Os arrendatários poderão solicitar a redução do valor da renda, em 50%, por diminuição de rendimentos do agregado ou quebra de rendimentos, subsequente, devidamente comprovada.
• Os arrendatários poderão solicitar a isenção do valor da renda, por situação de perda de rendimentos, motivada por desemprego superveniente, devidamente comprovado;

6. Isenção e creditação dos valores já pagos na área da educação às famílias, desde a data em que foi determinado o encerramento das escolas e Jardins de Infância (ATL e Componente de Apoio à Família, refeições, prolongamento de horário e atividades nas interrupções letivas) até à reabertura das mesmas;

7. Antecipação para o mês de abril do pagamento total dos apoios anuais concedidos às Associações Humanitárias e de Solidariedade Social, do Concelho da Guarda, no âmbito dos Regulamentos em vigor;

8. Pagamento de 75% do valor total dos Acordos de Execução às Juntas de Freguesia do Concelho, durante o mês de abril;

9. Pagamento imediato às Juntas de Freguesia do Concelho no valor de 50% dos Acordos de Cooperação celebrados para o presente ano, por forma a avançarem com as obras previstas;

10. Isenção do pagamento das taxas relativas a publicidade a todos os estabelecimentos comerciais que se encontrem encerrados, com exceção de bancos, instituições de crédito e seguradoras, até 31 de maio de 2020;

11. Isenção integral dos pagamentos de rendas, concessões, taxas ou outros rendimentos devidos ao Município, por espaços comerciais/serviços, que se encontrem encerrados, instalados em espaços municipais ou no domínio publico municipal até 31 de maio de 2020;

12. Redução do valor, em cinquenta por cento (50%), das rendas, concessões, taxas ou outros rendimentos devidos ao Município, por espaços comerciais/serviços, que se encontrem abertos, instalados em espaços municipais ou no domínio publico municipal até 31 de maio de 2020;

13. Isenção do valor das taxas relativas a venda ambulante de produtos alimentares, até 31 de maio de 2020, como forma de apoio aos comerciantes e incentivo à prestação deste serviço que beneficia as pessoas que residem em zonas mais isoladas e não servidas por transportes ou estabelecimentos comerciais de produtos alimentares, contribuindo ainda para que as pessoas fiquem em casa e não se desloquem a zonas de maior concentração comercial;

14. Redução de 50% do pagamento pela utilização do parque TIR da PLIE, até 31 de maio;

15. Isenção do pagamento de parquímetros existentes na cidade até 31 de maio de 2020;

16. Isenção do pagamento do primeiro semestre do Cartão Municipal de Residente;

17. A disponibilização, em articulação com a ULS da Guarda, de alojamento em unidades criadas para o efeito na cidade da Guarda para os profissionais de saúde, elementos da Proteção Civil, Bombeiros Voluntários e a funcionários dos lares residenciais que venham a necessitar;

18. Disponibilização de um centro de acolhimento para doentes vitimas da Covid19, que estejam em recuperação;

19. Disponibilização de alojamento temporário para utentes de lares e ERPI’s em unidade para o efeito, em caso de evacuação por contaminação Covid-19;

20. Disponibilização de computadores a todos os alunos com comprovada carência económica, em estreita colaboração com os Agrupamentos de Escolas, a fim de poderem acompanhar as aulas à distância;

21. Disponibilização de um serviço de apoio de acesso a medicamentos e a bens alimentares, denominado “Ações Falam Mais que Palavras”, a todos os cidadãos pertencentes a grupos vulneráveis, idosos, doentes crónicos, pessoas isoladas ou com problemas de saúde e/ou mobilidade e sem apoio familiar;

22. Entrega de Kits alimentares aos alunos dos escalões A e B, a frequentar o ensino pré-escolar e primeiro ciclo, ao longo do terceiro período;

23. Criação, no âmbito do Espaço Empresa e Apoio ao Investidor, de uma equipa de apoio às empresas, designadamente, micro, pequenas e médias empresas, tendo em vista assegurar a informação e aconselhamento sobre todos os apoios existentes, não só no decurso da pandemia, como também no período subsequente, tendo em vista promover a recuperação económica e o relançamento do tecido empresarial;

24. Dinamização do lançamento de empreitadas programadas no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano, com redução do prazo médio de pagamentos a fornecedores e empreiteiros;

25. Apoio aos órgãos de comunicação social, sediados na Guarda, assegurando publicidade institucional nos meses de abril e maio;

26. Re-agendamento, sempre que possível, dos espetáculos e atividades culturais cancelados no âmbito da pandemia.

Casa do Concelho de Gouveia em Lisboa fazem apelo à comunidade gouveense para angariação de donativos

Em comunicado, a Casa do Concelho de Gouveia em Lisboa, veio solicitar solidariedade com o próximo, face à calamidade mundial, as vidas estão em suspenso devido a uma pandemia inesperada que  está a criar dúvidas e incertezas no dia de amanhã.

“O mundo e o país não estavam preparados para este atentado à sobrevivência humana. Gouveia é um dos concelhos mais envelhecidos do país, um concelho com fracos recursos de vária ordem. É verdade que todos precisamos, o mundo precisa, o país precisa, mas é momento de olharmos, nós conterrâneos, pela nossa terra, pelas nossas raízes.

Infelizmente estamos a viver um momento que durará por tempo inderterminado. Não sabemos quando terminará esta época difícil, esperamos que seja rápido e seguramente que todos ficaremos bem. No entanto, até lá, temos de ser solidários, unidos em torno desta luta contra algo que não conseguimos ver com os nossos olhos.

A Casa do Concelho de Gouveia, representação do concelho de Gouveia em Lisboa, tem a obrigação moral de se juntar a esta luta, de ajudar, que por pouco que seja, possa ser muito. Apelamos a todos aqueles que possam contribuir neste momento dificil, ajudar os que na linha da frente estão a SALVAR VIDAS.

Estão a fazer falta materiais e equipamentos de protecção como: máscaras, luvas, álcool-gel, batas de protecção e outro materiais. Estes materiais estão em constante necessidade.

Os Bombeiros Voluntários de Gouveia estão a precisar destes materiais e equipamentos, é por isso que nos colocamos ao serviço daqueles que querem doar alguns euros, poucos que sejam, mas que poderão fazer toda a diferença.

Tal como em 2017, por ocasião dos incêndios que assolaram a zona centro e devastaram pastagens no concelho de Gouveia, a Casa do Concelho de Gouveia angariou algumas centenas de euros que permitiram comprar fardos de palha para os pastores, também agora faremos chegar a sua pequena ajuda, o seu pequeno donativo, àqueles que mais precisam.

Para que TODOS possamos ajudar os Bombeiros Voluntários de Gouveia e outras instituições do nosso concelho:

Donativo Pandemia – Gouveia 2020
Casa do Concelho de Gouveia
IBAN: PT50 0035 0355 0001 8162 2309 2

Quem quiser entregar os donativos em material, poderá fazê-lo diretamente nas instalações dos Bombeiros Voluntários de Gouveia ou via transportadora.

Queríamos ainda aproveitar para a aqueles que possam fazer voluntariado, o Municipio de Gouveia procura pessoas que queiram ajudar nos lares do concelho. O Municipio de Gouveia está ainda disponível para contratar enfermeiros, pelo que, os interessados deverão entrar em contacto direto com o município (tel.: 238 490 210)”.

Plataforma sobre restaurantes e outro comércio local em Mangualde

Está disponível uma plataforma com informação georreferenciada sobre os estabelecimentos comerciais e outros serviços que estão abertos no concelho durante o período em que vigora o Estado de Emergência. Esta plataforma, permite a consulta por tipo de estabelecimento, por freguesia, morada ou nome do estabelecimento, numa iniciativa da Câmara Municipal de Mangualde, em parceria com as Juntas de Freguesia e a Associação Empresarial de Mangualde.

Mapa aqui:https://www.cmmangualde.pt/servicos-e-estabelecimentos-abertos/

Com a capacidade de funcionamento em dispositivos fixos ou móveis, a plataforma estará em permanente atualização. Para o efeito, está disponível na página do município, um formulário de adesão dirigido aos comerciantes que pretendam registar o seu negócio. No caso de ser detetada alguma informação incorreta, os contributos deverão ser enviados para o endereço eletrónico do gabinete de sistemas de informação geográfica sig@cmmangualde.pt.

Recorda-se que só estão disponíveis os estabelecimentos e os serviços que estejam a operar no cumprimento estrito da legislação aplicável, nomeadamente o Decreto n.º 2-A/2020 de 20 de março, nomeadamente, os serviços de primeira necessidade ou considerados essenciais.

Covid-19-AHRESP realizou inquérito às empresas

Foi realizado um inquérito no âmbito do COVID-19 às empresas:

do alojamento turístico e da restauração e bebidas. Principais conclusões:
• Cerca de 75% das empresas refere que estão encerradas;
• 1/3 das empresas não conseguiu pagar salários em março;
• Cerca de 50% das empresas vão avançar para o lay-off;
• Das empresas que vão avançar para lay-off, 70% refere que não conseguem pagar salários em abril se a Segurança Social não entregar o apoio a tempo;
• Cerca de 77% das empresas não recorreram a apoios financeiros;
• Das 23% empresas que o fizeram, a linha de apoio do Turismo de Portugal foi a mais referenciada (56%);
• Cerca de 58% das empresas refere que as linhas de apoio financeiro não são adequadas às necessidades das empresas, e indicam apoios a fundo perdido e isenção de impostos como as principais soluções para apoiar o tecido empresarial;
• 80% das empresas estima zero vendas em abril e maio;
Para ver inquérito na íntegra consulte o Site AHRESP: https://ahresp.com/2020/04/conclusoes-do-inquerito/

Deslocações de trabalhadores na Páscoa – Para que seja possível circular fora do concelho de residência permanente entre 9 a 13 de abril, é necessária uma declaração. AHRESP disponibiliza minutas.

Mapas de Férias –Conselho de Ministros aprovou medidas excecionais, entre as quais a possibilidade do mapa de férias dos trabalhadores ser aprovado e afixado até 10 dias após o termo do estado de emergência.

Suspensão de admissão de hóspedes na Madeira

Sobre as medidas apresentadas pela AHRESP:

Apoio a Fundo Perdido às Empresas – Urgência reforçada pelos exemplos que têm sido reportados de operações bloqueadas ou recusadas pelo Sistema Bancário/Sociedades de Garantia Mútua.

Lay-off – Apoio efetuado através da Segurança Social nos 2/3 da remuneração ilíquida do trabalhador deve ser de 90%.

Campanha “Todos por Todos – Porque os doentes oncológicos vão precisar mais de si” da LPCC

O Núcleo Regional do Centro da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC.NRC) lança a campanha de angariação de fundos “Todos por Todos – Porque os doentes oncológicos vão precisar mais de si”, com o objetivo de adquirir mais bem alimentares, bem como equipamentos hospitalares e de proteção individual, a serem entregues ao IPO de Coimbra, outras Unidades Hospitalares, Centros de Saúde, lares e residências de idosos de toda a região centro, enquanto decorrer esta fase crítica. Logo que os aspetos logísticos estejam mais normalizados, a LPCC.NRC quer reforçar o apoio aos doentes oncológicos e suas famílias (diretamente ou através de estruturas locais de apoio).
Para o presidente do Núcleo Regional do Centro da LPCC, Vítor Rodrigues: “ao proteger os profissionais de saúde estamos a proteger os doentes oncológicos e seus familiares. A AJUDA DE TODOS É FUNDAMENTAL PARA REFORÇAR O APOIO”.
Esta angariação é apenas parte do processo total em marcha. Dá continuidade ao plano estruturado de ação que a LPCC.NRC tem em curso para a Região Centro, cujo esforço orçamental chegou, até ao momento, aos 145 mil euros de aquisição de materiais e bens. Alguns foram já entregues, outros já encomendados e outros o serão à medida que forem sendo identificados e haja disponibilidade no mercado.
De momento, a campanha “Todos por Todos – Porque os doentes oncológicos vão precisar mais de si” já angariou mais de 23 mil euros. Arranca com o apoio da empresa Pereira & Santos – Cash & Carry que atribuiu o donativo inicial de 22.323,20 euros. A título simbólico, os membros da Direção do Núcleo Regional do Centro da LPCC (QUE SÃO VOLUNTÁRIOS) contribuíram também com um donativo GLOBAL de 700€.
Os contributos para esta campanha podem continuar a ser feitos através da página www.ligacontracancro.pt/tpt. Os donativos devem ser efetuados através da conta solidária: IBAN: PT50 0035 0528 00022158130 64 ou endereçando donativos em espécie (contactos para o efeito: 239 487 490 ou 918 539 741).

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar