Templates by BIGtheme NET
Home » Pinhel (page 72)

Pinhel

Tolerância de ponto na região das Beiras

 
Câmaras da Comunidade das Beiras e Serra da Estrela dão tolerância de ponto no dia de Carnaval 

As
15 Câmaras Municipais que integram a Comunidade Intermunicipal das
Beiras e Serra da Estrela decidiram hoje dar tolerância de ponto no dia
de Carnaval.
As
15 Câmaras Municipais que integram a Comunidade Intermunicipal das
Beiras e Serra da Estrela decidiram hoje dar tolerância de ponto no dia
de Carnaval, disse à agência Lusa o presidente daquela entidade, Vítor
Pereira. “Foi uma proposta aprovada por unanimidade e que vai de
encontro à vontade que temos de agir em conjunto e de uniformizarmos,
dentro de aquilo que é possível, os nossos procedimentos e as nossas
práticas”, referiu o autarca, que é simultaneamente presidente da Câmara
da Covilhã. O Governo mantém para este ano o princípio de não conceder
tolerância de ponto na terça-feira de Carnaval (04 de março). No
entanto, estes 15 municípios decidiram em sentido contrário como forma
de “respeitar a tradição do Entrudo” e dar também “sinal de apreço e
motivação aos funcionários”. “Considerámos que é uma medida justa e
correta e que reconhece o esforço e empenho que os nossos funcionários
dedicam às suas tarefas. É um sinal de apreço e que deverá servir para
os motivar, numa altura em que os constantes cortes salariais os trazem
menos satisfeitos”, acrescentou. A Comunidade Intermunicipal das Beiras e
Serra da Estrela é constituída por 12 municípios do distrito da Guarda
(Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de
Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Meda, Pinhel, Seia, Sabugal e
Trancoso) e pelos três municípios da Cova da Beira – distrito de Castelo
Branco – (Belmonte, Covilhã e Fundão).

fonte:Lusa

Força aerea treina na região

– Seia, Trancoso, Guarda, Celorico da Beira, Pinhel, Meda – Entre os
dias 3 e 14 de fevereiro, a Força Aérea Portuguesa vai realizar o seu
exercício anual tático, o Real Thaw 2014 (RT14). O RT14 tem como
principais objetivos qualificar e aprontar as forças participantes no
quadro estratégico dos interesses nacionais e das alianças
internacionais de que o país faz parte.
Para o cumprimento dos objetivos
estão planeadas missões aéreas e terrestres, que decorrerão em Monte
Real, Seia, Trancoso, Guarda, Celorico da Beira, Pinhel, Meda e Lamego,
e que irão testar os militares para operações que possam vir a
realizar.Para que não ocorra um eventual alarme social informa-se, a
pedido da Força Aérea Portuguesa, que essas missões serão efetuadas de 3
a 14 de fevereiro, em horário diurno e noturno, o que poderá, em alguns
casos, causar algum ruido junto das populações atrás mencionadas.
fonte:distrito da guarda

CIM das Beiras e Serra da Estrela escolhe sede

 
CIM das Beiras e Serra da Estrela escolhe sede 

A
escolha de um local para instalar a sede da Comunidade Intermunicipal
das Beiras e Serra da Estrela é um dos dossiês que o presidente daquele
organismo quer ver resolvido nas próximas semanas.
Vítor
Pereira refere que “estão a ser analisadas várias hipóteses na cidade
da Guarda sendo certo que será uma decisão participada embora eu entenda
que a sede deve ficar num sítio nobre; como disse há já alguns locais
em vista e durante as próximas semanas vamos tomar uma decisão para que a
sede seja instalada num espaço diferente do edifício dos paços do
concelho”. Já no que respeita ao quadro de pessoal, Vítor Pereira admite
que o assunto ainda não está encerrado mas alguns dos funcionários das
anteriores comunidades das Beiras e da Serra da Estrela vão transitar
para esta nova estrutura “temos que equacionar que havia funcionários
nas antigas comunidades e portanto temos que tratar essa questão, que em
simultâneo é técnica e humana, e vamos também tratar essa questão do
quadro de pessoal para que, quando a sede estiver apta do ponto de vista
físico a CIM possa iniciar de imediato a sua atividade”. Ainda durante
este mês de janeiro vai ser convocada uma reunião da assembleia
inter-municipal com o intuito de ratificar a escolha de António Ruas,
antigo presidente da câmara de Pinhel e da associação de municípios da
Cova da Beira, para secretário executivo da nova CIM.
fonte:guarda digital

Vítor Pereira disponível para liderar CIM das Beiras e Serra da Estrela

 

Novo edil da Câmara da Covilhã deve ser candidato contra Álvaro Amaro (Guarda) e Paulo Fernandes (Fundão).

Antevê-se
uma disputa a três na corrida pela presidência da novel Comunidade
Intermunicipal (CIM) das Beiras e Serra da Estrela, entidade que vai
integrar 15 concelhos dos distritos da Guarda e de Castelo Branco.
Álvaro Amaro e Paulo Fernandes, autarcas da Guarda e do Fundão, já
tinham manifestado vontade de serem candidatos, mas Vítor Pereira, novo
presidente do município da Covilhã, também está disponível para liderar
aquele órgão. No final da primeira reunião do novo executivo
covilhanense, Vítor Pereira considerou que «estas questões não se
resolvem com afirmações públicas de candidatura», mas sim «em diálogo
profícuo com os parceiros da CIM», defendendo que a Covilhã, «sem
sobranceria e sem querer suscitar animosidade com quem quer que seja,
tem um papel fundamental em todo este processo, tem tido um papel
importante na Comurbeiras e vai tê-lo certamente» na nova CIM. Deste
modo, o autarca garantiu aos jornalistas que «obviamente» não descarta a
possibilidade de também ser candidato, o que considera um «desafio
aliciante e importante na perspetiva do desenvolvimento regional». O
edil confessa-se um «fervoroso adepto da cooperação intermunicipal», daí
que, uma vez eleito presidente da Câmara da Covilhã, dispõe agora da
«oportunidade de pôr em prática esse meu entendimento e penso que é
chegada a hora de dar corpo a essa vontade de cooperar com os nossos
municípios vizinhos e que integram a CIM das Beiras e Serra da Estrela».
De resto, o presidente da Câmara da Covilhã considera que o facto de
ser candidato não irá criar animosidade com o concelho do Fundão,
sustentando que a nova Comunidade tem «vários órgãos», dois
vice-presidentes e que seria «redutor banalizar a importância da
Comunidade à problemática da sede ou da presidência ou
vice-presidência». Para Vítor Pereira, «o mais importante é o que todos
nós, com lealdade e solidariedade, podemos fazer em termos de
cooperação, tendo sempre em vista a coesão territorial e o
desenvolvimento económico e social sustentado da região». O edil advoga
que esta deve ser a prioridade que «mais nos deve preocupar, mais do que
propriamente os cargos em si» e «estou certo que a problemática do
cargo será ultrapassada no âmbito deste espírito». A criação da CIM das
Beiras e Serra da Estrela foi aprovada em março deste ano quando a
Assembleia da República votou o novo mapa de organização territorial que
faz coincidir as CIM com as sub-regiões NUT III. Os 12 concelhos da
Comurbeiras unem-se assim aos três da Serra da Estrela para formar a CIM
das Beiras e Serra da Estrela, que passa a ser constituída pelos
municípios de Almeida, Belmonte, Celorico da Beira, Covilhã, Figueira de
Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Fundão Gouveia, Guarda, Manteigas,
Mêda, Pinhel, Sabugal, Seia e Trancoso. A sua população rondará os 236
mil habitantes.
Covilhã quer organismo com «autonomia» no turismo
Após a reunião do executivo, Vítor
Pereira mostrou-se contra a extinção do Polo de Turismo da Serra da
Estrela e considerou que «o turismo deve ser concebido de uma forma mais
vasta e que não se defende a marca Serra da Estrela com uma
“delegaçãozinha” na Guarda». Recorde-se que no seu discurso de tomada de
posse, Álvaro Amaro, novo presidente da Câmara da Guarda, anunciou que a
cidade vai acolher uma delegação da Serra da Estrela da entidade
regional da Turismo do Centro. O autarca covilhanense realça que a
região de turismo mais antiga do país, com 57 anos, estava sediada na
cidade, defendendo que «devemos continuar a lutar no sentido de que essa
região se mantenha e estamos esperançados que no futuro regresse à
Covilhã e à região um polo, um organismo que tenha autonomia e que não
seja uma pequena “extensãozinha” da Turismo do Centro. Vítor Pereira
considera que se está a assistir à «”litoralização” do turismo» e que a
região «defende-se com um organismo que a valorize, que tenha autonomia e
que não seja um mero representante de uma forma muito diluída de um
organismo tão vasto e tão litoralizado que acolhe mais de 100
municípios». De resto, o edil critica a «lógica» de se fazer coincidir
as delegações com as capitais de distrito, «uma figura obsoleta,
anacrónica do ponto de vista jurídico-administrativo» e que «não é boa
ideia porque estão a relegar para segundo plano municípios como o da
Covilhã com a importância e a projeção que sempre teve no domínio do
turismo». O presidente do município teme que, à semelhança do que já
sucedeu com a ex-Região dos Templários, em Tomar, também os funcionários
do extinto Polo da Serra da Estrela venham a ser despedidos.

Novos órgãos do Município de Pinhel já estão em funções

 

Foi
no Auditório da Câmara Municipal de Pinhel que decorreu, a 13 de
outubro de 2013, o ato público de instalação dos novos órgãos
autárquicos.



Um
a um, os eleitos para a Assembleia Municipal de Pinhel e para a Câmara
Municipal de Pinhel fizeram o juramento público de cumprir com lealdade
as funções que lhes foram confiadas.
Foi a 13 de outubro de 2013, no Auditório da Câmara Municipal de Pinhel, perante uma vasta plateia de pinhelenses e convidados.


No
final, o novo Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura,
usou da palavra para lembrar que os tempos que se avizinham são
difíceis, pelo que será necessário ainda mais trabalho e empenho no
sentido de prosseguir os objetivos delineados para este mandato.
O
autarca agora eleito pretende apostar numa política de proximidade,
proximidade com as pessoas e também com os agentes socioeconómicos do
concelho.
“Temos todos de remar para o mesmo lado”, concluiu Rui Ventura, no dia em que assumiu a cadeira maior da autarquia pinhelense.
Câmara Municipal de Pinhel
Presidente:
Rui Manuel Saraiva Ventura
(eleito pelo PPD/PSD)
Vereadores/as eleitos/as pelo PPD/PSD:
Luís Videira Poço
Irene de Jesus Marques Fortunato da Fonseca
Luís Manuel Monteiro Soares
Maria Lucília Guedes Melo Coelho
Vereadores/as eleitos/as pelo PS:José Vital Tomé Saraiva
Esperança Nunes Fernandes Sequeira Valongo
Assembleia Municipal de Pinhel
Mesa da Assembleia Municipal
Presidente
António Luís Monteiro Ruas (eleito pelo PPD/PSD)
1ª Secretária
Ângela Maria Pinheiro Branquinho Guerra (eleita pelo PDS)
2º Secretário
Alexandre Manuel Pinto Raposo (eleito pelo PSD)
Membros da Assembleia Municipal de Pinhel eleitos pelo Partido Social Democrata (PPD/PSD)
Francisco José Loureiro Baraças
Manuel Alberto Maia Caetano
Maria Matilde Canotilho Coelho Pereira Bispo
Paulo Velho Álvaro
Vítor Manuel Pereira
Paula Cristina Fernandes Ramos Mendo
Alfredo Oliveira Torres
José Manuel Pereira da Cruz
Maria João Santos Videira
Jorge Manuel Matias
Membros da Assembleia Municipal de Pinhel eleitos pelo Partido Socialista (PS)
José da Fonseca Gil
Nuno Miguel da Silva Lopes Bordalo Matias
Júlia Maria Fernandes da Silva
Gonçalo Passos Correia da Cruz
Francisco José Coelho Dias
Maria Irene Gonçalves Martins
Membros da Assembleia Municipal de Pinhel eleitos pelo Partido Popular (CDS-PP)José Manuel Monteiro Saraiva
Membros da Assembleia Municipal de Pinhel eleitos pelo Partido Comunista Português (CDU)Ricardo João Duarte Rodrigues Avelãs Nunes
Freguesias

Presidente da Freguesia de Alverca da Beira / Bouça Cova:
João Pedro Monteiro Ruas
(eleito pelo PPD/PSD)

Presidente da União das Freguesias de Atalaia e Safurdão:
Jorge Manuel Monteiro Castelo
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Vale do Côa:
Manuel de Jesus Soares Branquinho
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Valbom / Bogalhal:
Manuel Lacerda
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Terras de Massueime:
Pedro Ivo Maia Caetano Martins Pires
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Ervedosa:
Henrique de Matos Soares
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Freixedas:
Vítor Manuel Ferreira Monteiro
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Agregação das Freguesias Sul de Pinhel:
Cândida Jesus Pereira Silvério Castro
(eleita pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Lameiras:
Victor António Fernandes Grilo
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Lamegal:
Luís Pedro dos Santos
(eleito pelo PS)
Presidente da Freguesia de Manigoto:
Jorge Miguel Gama Marques
(eleito pelo PS)
Presidente da Freguesia de Alto do Palurdo:
José Caetano Dâmaso
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Pala:
António Manuel Cerdeira Saraiva
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Pinhel:
Carlos Alberto Videira dos Santos
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Pínzio:
Alberto Santos Lourenço
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Vale do Massueime:
Delfim Ribeiro Júlio
(eleito pelo PPD/PSD)
Presidente da Freguesia de Souropires:
José Fernandes
(eleito pelo PS)
Presidente da Freguesia de Vascoveiro:
António Jorge Marques Santinho
(eleito pelo PPD/PSD)

fonte:Gabinete de Comunicação e Relações Públicas

PS/Guarda indignado com possivel fecho de 10 repartições de finanças no distrito da Guarda

PS/Guarda considera lamentável possível fecho de repartições de finanças

De acordo com o mapa da alegada reorganização dos serviços de
finanças, divulgado hoje pelo jornal Diário de Notícias, vão encerrar no
distrito da Guarda as repartições de Aguiar da Beira, Almeida, Celorico
da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Manteigas,
Mêda, Pinhel, Trancoso e Vila Nova de Foz Côa.

A confirmar-se a notícia, ficam apenas em funcionamento as repartições de finanças de Guarda, Seia, Gouveia e Sabugal.
fonte:Lusa

Autarquias 13-Os novos presidentes de Câmara no distrito da Guarda

Distrito da Guarda – Assim ficou o resultado das eleições
Mêda- Anselmo Sousa – PS

Aguiar da Beira: Joaquim António Marques Bonifácio (INDEP)
Almeida: António Baptista Ribeiro (PSD/CDS)
Celorico da Beira: José Francisco Gomes Monteiro (PS)

Fig Castelo Rodrigo: Paulo José Gomes Langrouva (PS)
Fornos de Algodres: António Manuel Pina Fonseca (PS)
Gouveia: Luís Tadeu (PSD/CDS)
Guarda: Álvaro Amaro (PSD/CDS)
Manteigas: José Manuel Custódia Biscaia (PSD)
Pinhel: Rui Manuel Saraiva Ventura (PSD/CDS)
Sabugal: António dos Santos Robalo (PSD/CDS)
Seia: Carlos Filipe Camelo Miranda de Figueiredo (PS)
Trancoso: Amílcar José Nunes Salvador (PS)
Vila Nova de Foz Côa: Gustavo de Sousa Duarte (PSD)

Programa Mais Centro apoia criação de 67 novos postos de trabalho na região

 

Segundo
a CCDRC, os projetos de investimento, aprovados no âmbito do Programa
Valorizar, através do SIALM – Sistema de Incentivos de Apoio Local a
Microempresas, envolvem um incentivo total de 896 mil euros.

O
programa Mais Centro aprovou 56 projetos de investimento de
microempresas do interior da região Centro, que vão criar “67 novos
postos de trabalho”, anunciou hoje a Comissão de Coordenação e
Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC). Segundo a CCDRC, os projetos
de investimento, aprovados no âmbito do Programa Valorizar, através do
SIALM – Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas, envolvem
um incentivo total de 896 mil euros. “A terceira fase de candidaturas,
que encerrou no passado dia 05 de agosto, contemplou um investimento
elegível de 447.464,97 euros, a que corresponde um incentivo total de
896.957,88 euros e a criação de 67 postos de trabalho, apoiados com um
incentivo financeiro de 673.225,34 euros”, refere a fonte em comunicado.
Dos 59 concelhos elegíveis, foram aprovadas candidaturas em ambas as
fases, situadas em 37 concelhos da região Centro. Abrantes, Aguiar da
Beira, Arganil, Belmonte, Carregal do Sal, Castelo Branco, Castro Daire,
Celorico da Beira, Covilhã, Fundão, Góis, Gouveia, Guarda, Lousã,
Mangualde, Manteigas, Miranda do Corvo, Mortágua, Nelas, Oliveira do
Hospital, Penacova, Penamacor, Penela, Pinhel, Proença-a-Nova, Sabugal,
Santa Comba Dão, São Pedro do Sul, Sátão, Seia, Sertã, Sever do Vouga,
Tondela, Trancoso, Vila Nova de Paiva, Vila Nova de Poiares e Viseu
foram os municípios contemplados. “No seu conjunto acumulado, o SIALM
viabiliza assim a concretização de 138 projetos de investimento”,
geradores de 176 postos de trabalho, “através de uma afetação de fundos
comunitários cifrada em cerca de 2,3 milhões de euros”, salienta a CCDRC
na mesma nota. Neste momento está aberta a quarta fase de apresentação
de candidaturas ao SIALM, conclui.

fonte:Lusa

Autárquicas 2013: Retrato político e candidatos – Distrito da Guarda

 Autarquias 2013 ao rubro

Retrato político e candidatos às eleições autárquicas de 29 de setembro de 2013, por concelhos do distrito da Guarda.

AGUIAR DA BEIRA
O PSD aposta no atual vereador Fernando Pires para a presidência
da Câmara Municipal de Aguiar da Beira, uma vez que o atual presidente, o
social-democrata Fernando Andrade, que também é líder da concelhia do
PSD, está a cumprir o terceiro mandato consecutivo e não se recandidata
devido à lei de limitação de mandatos. O social-democrata Fernando
Pires, engenheiro agrícola, que faz parte da atual equipa que gere os
destinos da autarquia, candidata-se para que a direita possa manter a
maioria na Câmara, situação que acontece desde 1989. O PS não apresenta
candidato, mas dá o apoio institucional à candidatura independente de
Joaquim Bonifácio com o lema “Unidos Pela Nossa Terra”, o mesmo
acontecendo com o CDS-PP, que apoia o independente depois de uma
coligação falhada com o PSD. O atual presidente da Junta de Freguesia de
Aguiar da Beira, eleito com as cores do PSD, avança, pela primeira vez,
como independente, para tentar obter a maioria na Câmara, que sempre
foi governada pela direita. Joaquim Bonifácio pode baralhar as contas do
candidato da direita, pois para além de ter sido eleito para a Junta de
Aguiar da Beira pelo PSD também foi, durante cinco mandatos, chefe de
gabinete do atual presidente da Câmara e do seu antecessor Joaquim
Lacerda. A CDU concorre, pela primeira vez, à presidência da Câmara de
Aguiar da Beira, com o professor Paulo Silva.
Candidatos:
PCP-PEV – Paulo Silva
PSD – Fernando Pires
Movimento Unidos Pela Nossa Terra – Joaquim Bonifácio
ALMEIDA

O licenciado em educação física António Baptista Ribeiro, atual
presidente da Câmara Municipal de Almeida, é de novo a aposta da
coligação PSD/CDS-PP para segurar a maioria no executivo municipal.
António Baptista Ribeiro recandidata-se ao terceiro mandato, numa
autarquia que nunca foi presidida pelo PS, mas onde o CDS-PP já liderou
Câmara durante quatro mandatos autárquicos. O PS aposta, pela primeira
vez, na candidatura do dirigente associativo Joaquim Fernandes para
tentar retirar a maioria à coligação PSD/CDS-PP, feito que nunca foi
conseguido pelos socialistas neste município localizado junto da
fronteira com Espanha. Joaquim Fernandes tem uma larga experiência no
mundo associativo, o que poderá ser uma mais-valia para os objetivos que
o PS pretende atingir naquele concelho raiano. O candidato, que foi
fundador e é o atual presidente da direção da Associação Desportiva,
Cultural e Social de Aldeia de São Sebastião, uma localidade situada
próximo da vila fronteiriça de Vilar Formoso, vai tentar o tudo por tudo
para conquistar a autarquia que já foi liderada pelo CDS-PP e pelo PSD,
mas nunca foi gerida pelo PS que nas três eleições autárquicas
anteriores candidatou o economista Orlindo Vicente. A CDU, que detém a
presidência da Junta de Freguesia de Almeida, candidata pela segunda vez
o médico-dentista João Terreiro.
Candidatos:
PCP-PEV – João Terreiro
PS – Joaquim Fernandes
PSD/CDS-PP – António Baptista Ribeiro
CELORICO DA BEIRA
O PS de Celorico da Beira recandidata o engenheiro civil José
Monteiro, atual presidente da Câmara Municipal, ao terceiro mandato
consecutivo, para manter a maioria no executivo que reconquistou ao MPT –
Partido da Terra, em 2005. O PSD, que perdeu a presidência da autarquia
em 1993, coligou-se com o CDS-PP e, juntos, candidatam o independente
Manuel Portugal, professor, licenciado em design e pós-graduado em
administração e gestão escolar, que desempenha as funções de diretor do
Agrupamento de Escolas de Celorico da Beira. Manuel Portugal é a escolha
da direita para recuperar a presidência da autarquia que, em 1993,
transitou para o PS e, em 2001, embora com o mesmo autarca (Júlio
Santos, que em abril de 2002 suspendeu o mandato no âmbito de um
processo judicial que o condenou a pena de prisão que ainda está a
cumprir) passou a ser governada pelo MPT. O candidato do PSD/CDS-PP
almeja a vitória e vai trabalhar para que a autarquia possa virar
novamente à direita, mas não terá a tarefa facilitada num concelho onde o
atual presidente José Monteiro goza de popularidade e é conhecido e
tratado pelos munícipes por ‘Zezé’. A CDU candidata, pela primeira vez, o
guia turístico do Parque Arqueológico do Vale do Côa e dirigente
sindical José Pedro Branquinho.
Candidatos:
PCP/PEV – José Pedro Branquinho
PS – José Monteiro
PSD/CDS-PP – Manuel Portugal
FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO
O licenciado em Direito e técnico superior de Finanças António
Edmundo, atual presidente da Câmara Municipal de Figueira de Castelo
Rodrigo, recandidata-se ao terceiro mandato consecutivo, pelo PSD, para
garantir a presidência da autarquia nas mãos da direita e para “dar
continuidade ao rumo” que imprimiu ao município nos últimos oito anos.
António Edmundo sucedeu, em 2005, ao autarca também social-democrata
Armando Pinto Lopes, de quem foi vereador, e durante dois atos
eleitorais consecutivos obteve a maioria e manteve a liderança da
autarquia no PSD. O PS candidata, pela primeira vez, o economista Paulo
Langrouva, que exerce atualmente as funções de técnico superior no
Instituto de Emprego e Formação Profissional de Pinhel. Com Paulo
Langrouva, o PS tenciona reconquistar a autarquia ao PSD, que regressou
ao poder em 1997, com a derrota do então autarca socialista Fernando
Guerra Bordalo, um prognóstico que não se afigura muito fácil de
concretizar, tendo em conta o trabalho desenvolvido nos últimos anos no
concelho pela atual equipa liderada pelo social-democrata António
Edmundo. A CDU aposta, pela primeira, vez na candidatura do reformado da
função pública Manuel Teixeira, para tentar aumentar, pelo menos, o
número de eleitos na Assembleia Municipal.
Candidatos:
PCP-PEV – Manuel Teixeira
PS – Paulo Langrouva
PSD – António Edmundo
 FORNOS DE ALGODRES
O PSD candidata pela primeira vez o social-democrata João Carlos
Felício da Costa à Câmara Municipal de Fornos de Algodres, onde o atual
presidente, José Miranda, não pode recandidatar-se, por força da lei de
limitação de mandatos. Como José Miranda foi presidente da autarquia
durante quatro mandatos consecutivos e está afastado da corrida, a
candidatura de Carlos Felício da Costa representa uma incógnita em
termos eleitorais, embora tenha a mais-valia da tradição que o PSD tem
no poder autárquico neste concelho. O candidato social-democrata
desempenha as funções de técnico no Centro de Emprego e Formação
Profissional de Viseu, é licenciado em engenharia mecânica e tem
pós-graduação em ambiente, higiene e segurança no trabalho. O PS
candidata, também pela primeira vez, o economista Manuel Fonseca,
funcionário do Instituto Financeiro da Segurança Social, na Guarda,
deputado na Assembleia Municipal de Fornos de Algodres desde 1989, que
já exerceu as funções de vereador no executivo camarário local e poderá
baralhar as contas dos sociais-democratas. O CDS-PP candidata Cristina
Guerra, técnica da administração tributária na repartição de finanças
local, que não tem a ambição de ganhar a presidência da autarquia, mas
acredita que pode ser eleita vereadora e aumentar o número de
representantes do seu partido na Assembleia Municipal. Joaquim Almeida,
bancário reformado, é novamente a aposta da CDU.
Candidatos:
CDS-PP – Cristina Guerra
PCP-PEV – Joaquim Almeida
PS – Manuel Fonseca
PSD – Carlos Felício da Costa
GOUVEIA
Por o atual autarca de Gouveia, o social-democrata Álvaro Amaro,
não se recandidatar devido à lei de limitação de mandatos (é candidato
no município da Guarda), o PSD candidata o vice-presidente da autarquia,
Luís Tadeu, que concorre em coligação com o CDS-PP. Luís Tadeu,
advogado, é a aposta da direita para manter a presidência da autarquia
de Gouveia, que o PSD conquistou há 12 anos ao PS, quando era presidida
por Santinho Pacheco, o socialista que foi o último governador civil da
Guarda. O atual número dois de Álvaro Amaro quer assegurar a liderança
da autarquia, mas terá pela frente, como adversário, o vereador
socialista e presidente da Comissão Política Concelhia local do seu
partido, Armando Almeida, que é, pela segunda vez consecutiva, o
candidato do PS à presidência do município. Armando Almeida, licenciado
em ciências de educação e mestre em administração escolar, que
desempenha atualmente as funções de diretor do Agrupamento de Escolas de
Gouveia, tem como grande objetivo recuperar a presidência do município
serrano para o PS, aspiração que poderá ser vislumbrada pela saída de
cena do ‘dinossauro’ social-democrata Álvaro Amaro. A CDU, que apenas
tem representação na Assembleia Municipal, candidata a técnica
administrativa Fernanda Bernardo, com o objetivo de acabar com a
alternância entre o PS e o PSD neste município.
Candidatos:
PCP-PEV – Fernanda Bernardo
PS – Armando Almeida
PSD/CDS-PP – Luís Tadeu
GUARDA
O PS candidata o advogado José Igreja à presidência da Câmara
Municipal da Guarda, uma vez que o atual presidente, o engenheiro civil
Joaquim Valente, não se recandidatou ao terceiro mandato. Com José
Igreja, o PS pretende garantir a manutenção da presidência da Câmara,
gerida desde as primeiras eleições autárquicas (1976) por este partido. O
PSD, em coligação com o CDS-PP, aposta no economista e atual autarca de
Gouveia, Álvaro Amaro, para tentar conquistar, pela primeira vez, a
presidência do município. Na corrida à Câmara da Guarda está também o
ex-socialista Virgílio Bento, professor de Filosofia e atual vereador do
executivo municipal, que perdeu as eleições diretas com José Igreja e
avança com a candidatura A Guarda Primeiro. Esta candidatura
independente poderá pôr em causa o bastião socialista, pois também
integrar Manuel Baptista Rodrigues, ex-líder concelhio do PSD, que se
demitiu após ter sido indicado pela concelhia para candidato, mas
acabando por ser preterido por Álvaro Amaro. Baltasar Lopes, presidente
da Junta de Freguesia de Aldeia Viçosa também lidera uma candidatura
independente: Juntos pela Guarda. A CDU (Coligação PCP/PEV) candidata o
ambientalista Mário Triunfante Martins para reforçar a presença na
Assembleia Municipal, onde tem dois eleitos, tal como o BE que aposta no
antigo dirigente estudantil Marco Loureiro. Eduardo Espírito Santo
volta nestas autárquicas a vestir a camisola do PCTP-MRPP, partido que
não está representado na Assembleia Municipal.
Candidatos:
BE – Marco Loureiro
PCP-PEV – Mário Triunfante Martins
PCTP/MRPP – Eduardo Espírito Santo
PS – José Igreja
PSD/CDS-PP – Álvaro Amaro
Movimento A Guarda Primeiro – Virgílio Bento
Movimento Juntos Pela Guarda – Baltasar Lopes
MANTEIGAS
Os socialistas e os sociais-democratas de Manteigas repetem os
mesmos cabeças de lista das eleições de 2009 e de 2005: Esmeraldo
Carvalhinho (PS) e José Manuel Biscaia (PSD). Esmeraldo Carvalhinho,
atual presidente da Câmara Municipal de Manteigas, que já foi vereador e
vice-presidente da Câmara Municipal da Guarda nos executivos de Abílio
Curto e de Maria do Carmo Borges, avança com a recandidatura para o
segundo mandato, para tentar manter a maioria do executivo municipal. Em
2009 o socialista venceu as eleições com algum conforto (354 votos),
depois de em 2005 ter perdido o ato eleitoral pela margem mínima – um
voto. Em 2013 os dois adversários políticos voltam a medir forças na
corrida à liderança da autarquia do mais pequeno concelho do distrito da
Guarda, dividido em quatro freguesias e que está totalmente integrado
na área do Parque Natural da Serra da Estrela. O candidato
social-democrata, José Manuel Biscaia, licenciado em sociologia e
administração de empresas, que já foi presidente da Câmara de Manteigas
durante quatro mandatos consecutivos, pretende alcançar a vitória nas
eleições para poder “dar seguimento” ao “trabalho interrompido” há
quatro anos. José Manuel Biscaia perdeu a presidência da autarquia, mas
assumiu o lugar de vereador da oposição ao lado do socialista que o
derrubou do poder em 2009. A CDU (coligação PCP/PEV) candidata, pela
primeira vez, o oficial de registos e notariado Manuel Aldeia.
Candidatos:
PCP-PEV – Manuel Aldeia
PS – Esmeraldo Carvalhinho
PSD – José Manuel Biscaia
MÊDA
O atual vereador da Câmara Municipal de Mêda Anselmo Sousa é o
candidato do PS à autarquia, pelo facto de o presidente do município, o
socialista Armando Carneiro, não se recandidatar ao segundo mandato.
Armando Carneiro, licenciado em humanidades, é a aposta dos socialistas
para manterem a liderança da Câmara Municipal após o partido, em 2009, a
ter conquistado ao social-democrata João Mourato, que foi presidente
durante seis mandatos consecutivos (e agora se candidata, como
independente, pelo PS, à presidência da Assembleia Municipal de Miranda
do Corvo, no distrito de Coimbra). O PSD aposta no ex-vereador Paulo
Amaral, consultor na área termal e mestre em sistemas de informação
geográfica, para reconquistar a presidência do município, tarefa que não
será fácil devido a divisões no seio do partido a nível local, que
levaram ao afastamento de alguns militantes, por discordarem da escolha
do cabeça de lista. O candidato, que atualmente é vogal da Comissão
Política Distrital do PSD da Guarda, concorre pela primeira vez à
presidência da autarquia de Mêda, onde foi vereador do PSD, entre 1997 e
2009, quando era presidida pelo social-democrata João Mourato. Quem
está de regresso ao concelho de Mêda, como candidato pelo PPM, é o
antigo vereador Lemos Damião, que já foi eleito em listas daquele
partido e também pelo PS. O CDS-PP aposta em César Figueiredo, atual
presidente da Junta de Freguesia de Mêda, eleito pelo PS, que foi até há
pouco tempo chefe de gabinete do atual presidente da Câmara. A sua
candidatura poderá contribuir para dividir o eleitorado socialista e
baralhar os resultados finais. A CDU (coligação PCP/PEV) aposta, pela
segunda vez, no empregado de balcão Manuel Frade.
Candidatos:
CDS-PP – César Figueiredo
PCP-PEV – Manuel Frade
PPM – Lemos Damião
PS – Anselmo Sousa
PSD – Paulo Amaral
PINHEL
O PSD candidata, pela primeira vez, o atual vice-presidente da
Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura, à presidência da autarquia, por
o atual autarca social-democrata António Ruas não se recandidatar, por
causa da lei de limitação de mandatos. Rui Ventura, funcionário
autárquico, que já foi chefe de gabinete do atual líder do executivo
municipal, candidata-se com o objetivo de manter a liderança
social-democrata na autarquia de Pinhel e para garantir a “continuidade
do trabalho desenvolvido” nos últimos 12 anos, com a liderança de
António Ruas. O PS de Pinhel tem como cabeça de lista o advogado José
Vital Tomé, que concorre como independente, mas que já teve fortes
ligações ao PSD, tendo sido vereador e presidente da concelhia daquele
partido. José Vital Tomé é o trunfo dos socialistas para tentarem
recuperar a presidência da autarquia, que perderam para os
sociais-democratas em 2001. Pela sua ligação anterior ao partido que
atualmente lidera a Câmara Municipal, o candidato socialista revela-se
uma incógnita em termos de resultados eleitorais. O CDS-PP aposta, pela
primeira vez, no gestor de contas Carlos Gonçalves, que é o atual líder
concelhio do partido, e a CDU candidata, pela terceira vez, o advogado
Joaquim Ferreira.
Candidatos:
CDS-PP – Carlos Gonçalves
PCP/PEV – Joaquim Ferreira
PS – José Vital Tomé
PSD – Rui Ventura
SABUGAL
O PSD do Sabugal aposta no atual presidente António Robalo, que
recandidata ao segundo mandato, para garantir a presidência da Câmara
Municipal. Com a recandidatura do engenheiro eletrotécnico, que antes de
assumir a presidência foi vereador do ex-presidente social-democrata
Manuel Rito, o partido pretende manter a liderança do executivo que
pertence aos sociais-democratas desde 1997. O PSD, que ganhou em 2009
por uma margem de 288 votos, acredita que consegue agora um resultado
mais folgado, pois o atual executivo é composto por três eleitos do PSD,
três do PS e um do MPT – Partido da Terra. O PS, que em 1993 ganhou a
presidência da Câmara do município, que faz fronteira com Espanha, com o
então candidato José Freire, embalado pelos resultados do ato eleitoral
anterior, aposta numa equipa liderada pelo economista António José Vaz
para derrubar o PSD da cadeira do poder. O CDS-PP, que entre 1985 e
1993, com Joaquim Portas, liderou os destinos da autarquia do Sabugal,
aposta no assessor jurídico Filipe Pina Monteiro para tentar regressar
ao poder que desde essa altura tem estado nas mãos de socialistas e de
sociais-democratas. A CDU apresenta pela primeira vez ao eleitorado do
concelho raiano, o professor do primeiro ciclo do ensino básico João
Manuel Aristides Duarte, essencialmente com o objetivo de aumentar a
representatividade na Assembleia Municipal.
Candidatos:
CDS-PP – Filipe Pina Monteiro
PCP/PEV – João Aristides Duarte
PS – António José Vaz
PSD – António Robalo
SEIA
O PS de Seia candidata o atual presidente da autarquia, Carlos
Filipe Camelo, ao segundo mandato autárquico, para manter a liderança do
executivo municipal que o anterior autarca, Eduardo Brito, conquistou
ao PSD nas eleições autárquicas de 1993. O candidato, que é licenciado
pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e presidente da
Comissão Política Concelhia do PS de Seia, volta a candidatar-se para
“dar continuidade ao trabalho feito” no atual mandato autárquico. A
coligação PSD/CDS-PP aposta, pela primeira vez, no professor
universitário Albano Figueiredo, para tentar reconquistar o poder que o
PSD, nas eleições autárquicas de 1993, deixou fugir para o PS e nunca
mais recuperou, e para dar um “rumo estratégico” ao município. Albano
Figueiredo não tem experiência política autárquica, mas promete
trabalhar com “tenacidade” para não deixar ficar mal os dois partidos da
coligação que apostaram na sua escolha para a presidência da Câmara da
segunda maior cidade do distrito da Guarda. A coligação PCP/PEV (CDU)
candidata, pela primeira vez, a empregada de escritório Margarida
Abrantes, essencialmente com o objetivo de “reforçar a presença de
eleitos” da coligação na Assembleia Municipal desta autarquia da Serra
da Estrela.
Candidatos:
PCP-PEV – Margarida Abrantes
PS – Carlos Filipe Camelo
PSD/CDS-PP – Albano Figueiredo
TRANCOSO
O PSD candidata, pela primeira vez, o advogado e vereador João
Rodrigues à presidência da Câmara Municipal de Trancoso, por o atual
presidente, o social-democrata Júlio Sarmento, no poder desde 1985, não
se recandidatar por causa da lei de limitação de mandatos. Com João
Rodrigues, o PSD procura manter a liderança da autarquia da cidade que
foi berço do sapateiro profeta Bandarra e onde o partido tem pergaminhos
na gestão municipal. O PS aposta, pela terceira vez consecutiva, no
professor Amílcar Salvador, atual vereador no executivo municipal, para
tentar derrubar o PSD da presidência da autarquia. Nos dois atos
eleitorais anteriores, o socialista sempre defrontou o social-democrata
Júlio Sarmento e nunca o conseguiu derrubar da cadeira do poder. O atual
cenário é bem diferente do anterior, uma vez que João Rodrigues se
apresenta ao eleitorado pela primeira vez, daí que o PS mantenha a
esperança de poder conquistar a autarquia que nos últimos 28 anos tem
sido fiel a Júlio Sarmento que está a cumprir o último mandato. Amílcar
Salvador volta a ser uma peça fundamental na estratégia socialista para
acabar com o bastião social-democrata neste concelho do norte do
distrito da Guarda. O CDS-PP aposta, pela primeira vez, no empresário
João Mendes, o mesmo acontecendo com a CDU que candidata o assistente
operacional e delegado sindical João Ribeiro.
Candidatos:
CDS-PP – João Mendes
PCP/PEV – João Ribeiro
PS – Amílcar Salvador
PSD – João Rodrigues
VILA NOVA DE FOZ CÔA
O PSD candidata o atual presidente da Câmara Municipal de Vila
Nova de Foz Côa, Gustavo Duarte, ao segundo mandato, na expectativa de
confirmar a maioria no executivo. O engenheiro civil Gustavo Duarte
volta a ser a aposta dos social-democratas para a liderança da autarquia
que tem na sua área de jurisdição o Parque Arqueológico do Vale do Côa
(onde existem achados arqueológicos classificados pela UNESCO como
Património da Humanidade) e o Museu do Côa. Já o PS aposta, pela
primeira vez, no médico Fernando Girão, líder da concelhia local do
partido e ex-presidente da Unidade Local de Saúde da Guarda, para
reconquistar a liderança da autarquia que foi perdida em 2009, quando o
atual presidente, Gustavo Duarte, afastou o socialista Emílio Mesquita. A
Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa foi sempre presidida pela
direita, exceto no mandato de 2005 (quando o socialista Emílio Mesquita
derrubou o PSD do poder). Há quatro anos, o autarca recandidatou-se ao
segundo mandato, mas o eleitorado voltou a ser fiel ao passado e deu a
vitória novamente ao PSD. Desta vez, cabe ao médico Fernando Girão a
tarefa de tentar inverter o ciclo e de colocar novamente o PS na
governação desta autarquia do norte do distrito da Guarda. A arqueóloga
Marta Mendes é, pela primeira vez, a escolha da CDU (coligação PCP/PEV)
para a lista candidata à presidência da Câmara de Foz Côa. O CDS-PP não
apresenta candidato à Câmara, mas concorre à Assembleia Municipal.
Candidatos:
PCP-PEV – Marta Mendes
PS – Fernando Girão
PSD – Gustavo Duarte

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar