Templates by BIGtheme NET
Home » Gouveia (page 10)

Gouveia

Doentes devem ir às consultas e tratamentos urgentes alerta a secção Centro da Ordem dos Médicos

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos faz um apelo para que ninguém deixe de recorrer aos cuidados de saúde, recomendando aos doentes com doenças crónicas ou casos súbitos e complexos para que continuem a ir às consultas e aos tratamentos médicos.

O apelo surge na sequência dos receios que a população enfrenta face à Covid-19 mas o presidente da Secção Regional do Centro ressalta que nas unidades de saúde, quer nos cuidados de saúde primários quer nas unidades hospitalares, existem circuitos bem organizados para atender os doentes sem sintomatologia Covid-19. “A vida de um doente com a Covid-19 tem o mesmo valor que a vida de um doente sem a Covid-19. Em caso de doença, não podemos recear. Temos de procurar respostas quando estivermos doentes”, diz Carlos Cortes.

O especialista faz este alerta para quem está debilitado e com algum tipo de restrição para que recorra à linha SNS 24 (808 24 24 24), de modo a que se encontrem as melhores respostas clínicas. Sublinha ainda que ninguém deve evitar de recorrer às urgências em caso de situação grave.

Outros apelos: Um deles é dirigido também às grávidas, para quem a vigilância de rotina (que inclui a ida às consultas, a realização de ecografias, a realização de análises e outros exames) é fundamental.

Há muitas situações em que não se deve evitar de ir ou adiar tratamentos”, refere Carlos Cortes, “designadamente as doenças do foro cardiovascular e oncológico”, alertando para o perigo de poderem vir a existir muitas mortes devido ao adiamento e cancelamento de consultas e outros atos médicos.

“Temos de evitar que o pós Covid-19 seja dramático. Há vidas para salvar por causa desta infeção pandémica, mas há outras a salvar com inúmeras patologias, como os doentes oncológicos ou os transplantados”, alerta Carlos Cortes.

 

 

 

GNR atenta à proteção das vítimas mais vulneráveis

No contexto atual de pandemia COVID-19, e em complemento de todas as ações que vêm sendo desencadeadas por todo o seu dispositivo, no sentido de garantir o cumprimento das normas decretadas pelo Estado de Emergência, a Guarda Nacional Republicana tem estado particularmente atenta à evolução de determinados fenómenos criminais, visando sobretudo proteger os mais vulneráveis, como os idosos que vivem sozinhos, ou isolados ou sozinhos e isolados e as vítimas de violência doméstica.
Nesse sentido, no mês de março de 2020, a Guarda registou 938 denúncias por violência doméstica (menos 26% do que em período homólogo de 2019 – e não como, por lapso, foi hoje referido na Conferência de Imprensa conjunta, a que alude o comunicado em anexo), tendo detido 76 suspeitos e apreendido 97 armas (dados provisórios). Ainda assim, conscientes que o período de maior isolamento social pode suscitar um desfasamento mais acentuado entre o número de denúncias e o número de crimes praticados, a GNR, através dos Núcleos de Investigação a Apoio a Vítimas Específicas (NIAVE), tem intensificado os contactos com as vítimas identificadas, no sentido de promover, se necessário for, um ajustamento das medidas de proteção das vítimas. A GNR recorda que se trata de um crime público, pelo que qualquer pessoa pode denunciar, devendo ser privilegiado o recurso ao Sistema de Queixa Eletrónica (https://queixaselectronicas.mai.gov.pt/).
De igual modo, a Guarda tem reforçado as ações junto dos idosos, sobretudo dos cerca de 41 mil que, durante a Operação Censos Sénior 2019, foram sinalizados como vivendo sozinhos ou isolados ou sozinhos e isolados, procurando contribuir para a prestação de um necessário apoio social e para a sensibilização face à tendência para o aumento do número de crimes de burla (467, durante o mês de março de 2020, o que corresponde um aumento de 52%, face ao período homólogo de 2019), que incidem sobretudo sobre a população mais vulnerável, como é o caso dos idosos.
Ainda neste âmbito, realça-se que está em fase de implementação o Programa 65 Longe+Perto, o qual visa, através das Secções de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário (SPC), em primeira linha, a promoção do contacto telefónico com todo os idosos sinalizados, procurando identificar situações que, por força da fase de maior isolamento social, justifiquem uma abordagem ao nível psicológico, para a qual serão disponibilizados psicólogos do Centro Clínico da GNR, numa segunda linha de apoio.

PAN quer garantir apoios aos estudantes universitários

Em comunicado, o PAN decidiu levar à Assembleia da República dois assuntos relativos aos estudantes universitários. A COVID-19 é o nome oficial, atribuído pela Organização Mundial da Saúde, à doença provocada por um novo coronavírus (SARS-COV-2). Decorrente da declaração de emergência de saúde pública de âmbito internacional, pela Organização Mundial de Saúde, no dia 30 de janeiro de 2020 e à classificação do vírus como uma pandemia, no dia 11 de março de 2020, mostra-se essencial adoptar medidas de contingência para a epidemia e de tratamento do COVID-19, atendendo à proliferação de casos registados de contágio.
Perante o cenário em que nos encontramos, e na sequência de um parecer do Centro Europeu para Prevenção e Combate às Doenças, que recomenda aos Estados-membros da União Europeia o encerramento imediato dos estabelecimentos de todos os graus de ensino.
Para a frequência universitária, muitos estudantes encontram-se deslocados da sua área de residência familiar, tendo que garantir alojamento noutras respostas de alojamento públicos e privados. Devido à necessidade de isolamento social a que o
país está sujeito, muitos destes alunos viram-se obrigados a regressar às suas residências familiares de origem, deixando de poder ocupar os referidos alojamentos.
Em paralelo, não é possível, para já, possível antever o regresso às aulas e actividades presenciais. Uma vez que este contexto que vivemos tem um impacto significativo ao nível do rendimento das famílias, não parece adequado que os alunos
e famílias se vejam obrigados a pagar as residências estatais e a pagar a totalidade do valor associado ao alojamento privado para fins universitários.
No sentido de ajustar todas estas situações à atual realidade, considera o PAN, que no que respeita ao alojamento de estudantes em residências e respostas universitárias de natureza pública, devem estes pagamentos ser suspensos até que
seja possível retomar as aulas e atividades presenciais.
Numa lógica de solidariedade repartida, e desde que acauteladas as possibilidades das famílias com estudantes universitários a cargo, e dos estudantes independentes, deverão os pagamentos de prestações de alojamento universitário de carácterprivado, ser sujeitos a medidas excecionais de apoio.
Assim, nos termos constitucionais e regimentais aplicáveis, as deputadas e o deputado do PAN apresentam o seguinte projeto de lei:
Artigo 1.o
Objeto

A presente Lei procede à aprovação de medidas excepcionais relativas ao pagamento das prestações devidas pelo alojamento em residência universitária de natureza pública, decorrente da pandemia da doença COVID-19.

Artigo 2o

Alojamento universitário de natureza pública

Durante o período de vigência das medidas de prevenção, contenção, mitigação e tratamento da COVID-19, fica suspenso o pagamento das prestações devidas pelo alojamento em residência universitária de natureza pública.

Artigo 3.o
Entrada em vigor. A presente lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação.

Estando actualmente na fase mais perigosa desta pandemia, a fase de mitigação, e sabendo que estamos ainda num processo muito incerto quanto à evolução e proximidade de alcance do pico máximo, é muito pouco provável que, independentemente de outras medidas que se venham a tomar, as actividades lectivas e não lectivas presenciais possam ocorrer antes de Maio, pelo que terão que ser garantidas com urgência, medidas alternativas ao ensino presencial, que
garantam a continuidade das aprendizagens com qualidade, acessibilidade e inclusão de todos nas instituições do ensino superior.
Ainda que com pouco tempo e reduzida preparação para esta situação, houve várias instituições de ensino superior que demonstraram uma enorme capacidade de adaptação, mobilização e continuidade das actividades, mantendo a proximidade
virtual com os estudantes, recorrendo a meios digitais de diferentes características e potencialidades. A título de exemplo, a Universidade de Coimbra abriu um canal de comunicação com os alunos, em conjunto com a Associação Académica de Coimbra, para estes poderem manifestar os constrangimentos sentidos com o ensino a distância. Verificando-se que alguns alunos tinham dificuldade em assistir às aulas nestes termos, esta Universidade comprou já mais de 60 tablets e cartões de dados, para garantir a continuidade do ensino. Atendendo à situação actual, é cada vez mais forte a hipótese de as aulas presenciais no ensino superior continuarem suspensas no segundo semestre. Por exemplo, o director da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa informou ontem que não serão retomadas as actividades lectivas presenciais até ao final do segundo semestre devido à pandemia de COVID-19. Em paralelo, parece quase inevitável um ajuste do calendário escolar de forma a garantir as aprendizagens dos estudantes.
Uma vez que este contexto que vivemos tem um impacto significativo ao nível do rendimento das famílias. Reconhecendo esta problemática, têm sido adoptadas diversas medidas que visam suspender o pagamento de determinadas prestações
como forma de aliviar as despesas mensais dos agregados familiares. De facto, muitas famílias sofreram reduções no seu vencimento, sendo fundamental garantir que continuam a conseguir fazer face às despesas do dia-a-dia. De acordo com
notícias divulgadas pela Comunicação Social, existem institutos politécnicos que, reconhecendo que o valor das propinas representa uma fatia bastante significativa dos rendimentos das famílias, estão a prolongar o seu prazo de pagamento, como o Instituto Politécnico de Setúbal (IPS). Também a Universidade da Madeira (UMa) anunciou no dia 19 de Março um período de carência de dois meses para o pagamento de propinas. No dia 21 de Março, a Associação Académica de Coimbra
(AAC) endereçou um pedido de suspensão imediata desta prestação ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. À mesma entidade, a Federação Académica do Porto (FAP) enviou uma carta aberta, que apela à eliminação dos juros de mora,entre outras medidas.
Face ao exposto, consideramos essencial a adopção de medidas que garantam o ensino a distância, eliminando as desigualdades que existem a este nível, fazendo garantir a cobrança de propinas destes aspectos anteriormente elencados, ao
mesmo tempo os prazos para pagamento de propinas no ensino superior devem ser ajustados, de acordo com a evolução da crise sanitária.
Assim, nos termos constitucionais e regimentais aplicáveis, as deputadas e o deputado do PAN apresentam o seguinte projecto de lei:
Artigo 1.o
Objecto

A presente lei garante o ensino à distância e adapta os prazos para pagamento de propinas no ensino superior, com o objectivo de combater as desigualdades que subsistem e proteger os rendimentos dos estudantes e das suas famílias.

Artigo 2.o

Pagamento de propinas em contexto da COVID-19

1 – Até ao final do mês de Abril, o Governo, em articulação com as Instituições do Ensino Superior, adapta os prazos para pagamento das propinas em conformidade com a evolução da crise sanitária.
2- A cobrança de propinas só pode ser efectuada nos casos em que as Instituições do Ensino Superior garantem o ensino a distância.
Artigo 3.o
Regulamentação

O Governo procede à regulamentação do disposto na presente lei no prazo de 5 dias a contar da sua entrada em vigor.

Artigo 4.o
Entrada em Vigor

A presente lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação.

Covid-19-Operações nacionais de intensificação do patrulhamento pela PSP e GNR

A Guarda Nacional Republicana e a Polícia de Segurança Pública irão realizar, a partir de dia 9 e até ao próximo dia 13 de abril, segunda-feira, operações de intensificação do patrulhamento, ações de sensibilização e fiscalização, em todo o Território Nacional, em estreita articulação, cooperação e colaboração, com o objetivo de apoiar a população e garantir o cumprimento das normas do Estado de Emergência e as que especificamente vigorarão nesta janela temporal específica.

Covid-19-Centro de Saúde de Gouveia vai receber doentes sem sintomalogia grave

O Centro de Saúde de Gouveia reúne assim condições, em termos de instalações, para operacionalizar a necessária diferenciação de circuitos de doentes;
É primordial assegurar condições de segurança para utentes e profissionais, possível através da referida separação;
Deliberou o Conselho de Administração da ULS da Guarda que, a partir de terça-feira, dia de 7 abril de 2020, os doentes suspeitos para COVID – 19 dos concelhos de Gouveia, Seia e Fornos de Algodres, sem sintomatologia grave, passarão a ser avaliados no âmbito da ADC – Comunidade de Gouveia que sucederá À ADC – Comunidade Seia.
A ADC – Comunidade Gouveia irá funcionar nas instalações atualmente destinadas ao SAP (Rua Dr. Mário Gomes Figueira – 6290 – 370 Gouveia), ficando o SAP a funcionar no espaço de ambulatório (bloco cinzento).
Mais se informa que no dia 7 de abril de 2020, terça-feira, se procederá à alteração do horário de funcionamento das ACD – Comunidade Guarda, Gouveia, Trancoso e Pinhel. As quatro ADC – Comunidade irão passar a funcionar das 9h às 13horas e das 14h às 19horas, todos os dias da semana.

Por:ULS Guarda

Casa do Concelho de Gouveia em Lisboa fazem apelo à comunidade gouveense para angariação de donativos

Em comunicado, a Casa do Concelho de Gouveia em Lisboa, veio solicitar solidariedade com o próximo, face à calamidade mundial, as vidas estão em suspenso devido a uma pandemia inesperada que  está a criar dúvidas e incertezas no dia de amanhã.

“O mundo e o país não estavam preparados para este atentado à sobrevivência humana. Gouveia é um dos concelhos mais envelhecidos do país, um concelho com fracos recursos de vária ordem. É verdade que todos precisamos, o mundo precisa, o país precisa, mas é momento de olharmos, nós conterrâneos, pela nossa terra, pelas nossas raízes.

Infelizmente estamos a viver um momento que durará por tempo inderterminado. Não sabemos quando terminará esta época difícil, esperamos que seja rápido e seguramente que todos ficaremos bem. No entanto, até lá, temos de ser solidários, unidos em torno desta luta contra algo que não conseguimos ver com os nossos olhos.

A Casa do Concelho de Gouveia, representação do concelho de Gouveia em Lisboa, tem a obrigação moral de se juntar a esta luta, de ajudar, que por pouco que seja, possa ser muito. Apelamos a todos aqueles que possam contribuir neste momento dificil, ajudar os que na linha da frente estão a SALVAR VIDAS.

Estão a fazer falta materiais e equipamentos de protecção como: máscaras, luvas, álcool-gel, batas de protecção e outro materiais. Estes materiais estão em constante necessidade.

Os Bombeiros Voluntários de Gouveia estão a precisar destes materiais e equipamentos, é por isso que nos colocamos ao serviço daqueles que querem doar alguns euros, poucos que sejam, mas que poderão fazer toda a diferença.

Tal como em 2017, por ocasião dos incêndios que assolaram a zona centro e devastaram pastagens no concelho de Gouveia, a Casa do Concelho de Gouveia angariou algumas centenas de euros que permitiram comprar fardos de palha para os pastores, também agora faremos chegar a sua pequena ajuda, o seu pequeno donativo, àqueles que mais precisam.

Para que TODOS possamos ajudar os Bombeiros Voluntários de Gouveia e outras instituições do nosso concelho:

Donativo Pandemia – Gouveia 2020
Casa do Concelho de Gouveia
IBAN: PT50 0035 0355 0001 8162 2309 2

Quem quiser entregar os donativos em material, poderá fazê-lo diretamente nas instalações dos Bombeiros Voluntários de Gouveia ou via transportadora.

Queríamos ainda aproveitar para a aqueles que possam fazer voluntariado, o Municipio de Gouveia procura pessoas que queiram ajudar nos lares do concelho. O Municipio de Gouveia está ainda disponível para contratar enfermeiros, pelo que, os interessados deverão entrar em contacto direto com o município (tel.: 238 490 210)”.

Novos casos no Distrito da Guarda

Celorico com mais 1 caso

Aos poucos o distrito da Guarda vai tendo novos casos, em Celorico da Beira , surgiu mais um caso, na localidade de Fornotelheiro, em Pinhel são 14 casos já confirmados, Gouveia passa a ter 12, Seia tem 4, Trancoso tem 9, Almeida tem 7, a Guarda com 4 e Foz côa tem 76.

Depois ainda existe um leque de Concelhos que não apresenta casos.

Estado de Emergência renovado até 17 de abril

O Estado de Emergência foi renovado e clarifica a restrição ao direito de resistência e abrange a área da educação, prevendo a imposição de aulas à distância.
O Presidente da República, Marcelo Ribeiro de Sousa, colocou de forma clara estas duas alterações, com mais 15 dias, que vai funcionar até ao final do dia 17 de abril.
Logo como se pode ler num dos artigos do diploma: “Fica impedido todo e qualquer ato de resistência ativa ou passiva exclusivamente dirigido às ordens legítimas emanadas pelas autoridades públicas competentes em execução do presente estado de emergência, podendo incorrer os seus autores, nos termos da lei, em crime de desobediência”.
No distrito da Guarda, já existem mais de uma centena de casos confirmados, um pouco por todos os concelhos.

Uma das medidas que vão estar a vigorar é que de  quinta-feira Santa até segunda-feira de Páscoa, a circulação em Portugal vai estar limitada ao concelho de residência. Sendo de preferência sozinho, seja a pé ou de carro.

Covid-19- Nerga alberga segundo centro de testes na Guarda

A Unidade Local de Saúde da Guarda em parceria com NERGA – Associação Empresarial da Região da Guarda, colocaram a funcionar o Segundo Centro de Testes COVID -19 na área de abrangência da ULS da Guarda.
A este Centro de Testes ao COVID19 (Drive Thru) têm apenas acesso pessoas sinalizadas através do SNS24, ADC – Comunidade ou com contacto prévio expresso da Unidade de Saúde Pública da ULS da Guarda/ DGS. O teste não é efetuado a quem não preencher este requisito.
São regras fundamentais de segurança para acesso a este Centro:
– Acesso através da entrada devidamente sinalizada;
– Não sair do veículo, uma vez que, o teste é efetuado com as pessoas no interior dos veículos;
– Não poderá deslocar-se para fora da zona limitada ao Centro de Testes, por questões de segurança.
A ULS da Guarda fica agradecida pela disponibilidade e empenho do NERGA na cedência de instalações.

 

Covid-19- Seis casos confirmados em Gouveia

Segundo comunicado do Município de Gouveia, que dava conta da existência de um utente do Lar da Santa Casa da Misericórdia de Gouveia infetado pelo Coronavírus (COVID – 19), após realização de testes para despistagem em todos os utentes, funcionários da instituição e bombeiros que fizeram o transporte do primeiro paciente infetado, face a isso informam que:
Foram feitos 95 testes e confirmados 6 (seis) casos positivos de infeção por Coronavírus (COVID – 19);
Todos as pessoas testadas estão a cumprir quarentena, independentemente de terem tido resultados positivos ou não, e não apresentaram, até este momento, quaisquer sintomas da infeção;
Encontram-se já em curso as medidas de separação e isolamento entre infetados e não infetados.

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar