Templates by BIGtheme NET
Início » Região

Região

Clube Escape Livre assinala 26 Anos de Utilidade Pública

O Clube Escape Livre assinala 26 Anos de Utilidade Pública, distinção
concedida pelo então Presidente da República, Cavaco Silva, que contou
com o acordo, tal como está estatutariamente determinado, das Câmaras
da região, que têm sido importante apoio da coletividade para o
desenvolvimento da sua atividade.
Atividade que promove e divulga a Guarda e a região através do automóvel,
lema que continua a orientar o dia-a-dia da associação da Guarda.
Apesar das dificuldades, o Clube Escape Livre continua apostado na
divulgação dos lugares, monumentos e belezas da região em que se insere e
espera poder, para o ano, regressar à sua atividade normal e cumprir o
programa que neste momento está em preparação, ao contrário do que
sucedeu este ano, em que muitas das ações previstas tiveram de ser adiadas e algumas canceladas devido às regras que a pandemia impunha e que não eram pagináveis com elevado número de participantes.
Com um trajeto impar na organização de provas, passeios e eventos, que já lhe valeram inúmeras distinções e prémios, sendo a mais recente a medalha de mérito do Município da Guarda, o Clube Escape Livre vai comemorar em 2021
o seu 35º aniversário.

Campanha do Turismo do Centro apela aos portugueses para manterem o “espírito de Natal” e comprarem produtos regionais

Foi apresentado pelo Turismo Centro de Portugal (TCP)  uma campanha de Natal, que tem como principal objetivo agradecer o esforço dos portugueses, num ano em que lhes foi pedido distanciarem-se de quem mais gostam, e incentivá-los a manter o espírito nesta época festiva. Em paralelo, a campanha incentiva à compra e oferta de produtos regionais, como forma de ajudar à recuperação da economia.

A campanha assenta em várias plataformas. No site do TCP (www.turismodocentro.pt) e nas principais redes sociais em que a entidade marca presença está já disponível um pequeno filme promocional de 43 segundos, intitulado “Natal no Centro de Portugal: mantenha o espírito”. A mensagem do filme recorda o quão diferente foi 2020 e pede a todos para que mantenham o espírito neste Natal. “Este ano demos menos beijos, menos abraços. Demo-nos menos. E demos espaço. Distanciámo-nos de quem sempre esteve ao nosso lado. Querido Pai Natal, pode não parecer, mas este ano portámo-nos bem”.

Paralelamente, o TCP lança também hoje um passatempo nas suas páginas de Instagram e Facebook, que visa promover a economia regional e apelar à responsabilidade social de todos.

Para lembrar que o Natal pode e deve ser celebrado, ainda que de forma diferente, os vencedores do passatempo terão a possibilidade de oferecer produtos e experiências da região Centro de Portugal àqueles que mais amam. Assim, e ao contrário do que habitualmente acontece, os prémios não irão contemplar os vencedores do passatempo, mas pessoas por eles designadas – como os avós ou tios que não podem ver nesta altura. O TCP encarrega-se depois de fazer chegar os prémios aos respetivos destinatários. O enfoque é a partilha e a solidariedade, dada a conjuntura económica e social difícil motivada pela atual pandemia.

Ainda no mesmo âmbito, no site do TCP serão publicados nos próximos dias vários artigos com sugestões de compras de produtos e presentes de Natal produzidos na região.

Com esta nova campanha, pretendemos agradecer publicamente ao enorme sacrifício que os portugueses foram obrigados a fazer em 2020. Em nome de uma causa maior, que é a saúde de todos, deixámos de poder abraçar os nossos idosos. O sacrifício foi duro, muitas vezes cruel, mas os portugueses estiveram à altura. Como ilustra o vídeo promocional que hoje apresentamos, pode não parecer, mas este ano portámo-nos bem e é preciso manter o espírito”, explica Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal.

Ao mesmo tempo, queremos com esta campanha incentivar os portugueses a consumirem produtos nacionais, em particular da região Centro. Milhares de empresas e de famílias dependem, mais do que nunca, da solidariedade dos seus concidadãos e não há época do ano mais apropriada para o fazerem do que o Natal”, acrescenta Pedro Machado.

GNR apresentou projeto Teleassistência a pessoas Vulneráveis (PTPV)

O Comando Territorial da GNR da Guarda, no âmbito das comemorações do seu 12º  aniversario, teve lugar, a apresentação digital do projeto Teleassistência a pessoas Vulneráveis (PTPV), em parceria com as Câmaras Municipais do Distrito.

Este Projeto tem como destinatários os cidadãos em situação de dependência, incapacidade, solidão ou isolamento residentes nos Concelhos envolvidos e como tal, se encontrem em situação de especial risco ou vulnerabilidade.

Com a implementação do PTPV pretende-se:

·         Garantir a manutenção da pessoa no seu meio ambiente, com a utilização de um dispositivo eletrónico de apoio, que lhe permite obter assistência permanente em qualquer eventualidade, através de um atendimento personalizado e interessado;

·         Garantir respostas no âmbito da prevenção e promoção da qualidade de vida, ao tentar combater os efeitos negativos das situações de isolamento e solidão;

·         Criação de respostas integradas e aproveitando as sinergias que cada parceiro poderá desenvolver, sobretudo nas componentes fundamentais: security, safety e ação social;

·         A estrutura principal do projeto é desenvolvida em torno das componentes security e safety, sendo a componente social um complemento daquelas. Conforme defendido pelas autarquias, o projeto apenas fará sentido com a inclusão da GNR e monitorização do Call Center através da Sala de Situação do CTer Guarda, uma vez que o objetivo prioritário é garantir a segurança dos utentes, com respostas imediatas e eficazes.

·         Proporcionar uma resposta imediata em situações de emergência ou derivadas destas, bem como o apoio à solidão, a todos os utentes que se encontrem em situação de vulnerabilidade ou dependência, 24 horas por dia e 7 dias por semana;

·         Proporcionar às pessoas em situação de dependência a manutenção da sua autonomia num quadro de normalidade, permanecendo no seu domicílio e desfrutando da mais-valia da integração numa comunidade local;

·         Evitar ou retardar a necessidade de recurso à institucionalização de pessoas em situação de dependência;

·         Efetuar um acompanhamento ativo, com o envolvimento, quando necessário, das redes formal e informal de apoio;

·         Melhorar a qualidade de vida, saúde, a tranquilidade, segurança, autonomia e autoestima dos utentes.

 

Face às restrições impostas pelo Estado de Emergência, por motivo da pandemia COVID-19, a apresentação teve formato digital epode ser consultada na pagina do Facebook – GNR Guarda (https://fb.watch/28JkCnsLWs/).

Programa Apoiar conta com 26 350 candidaturas

Programa Apoiar será em duas modalidades
Salienta-se, também, que teve lugar, no dia 25 de novembro, a abertura de candidaturas a apoios integralmente a fundo perdido, no âmbito do programa Apoiar, num montante global de 750 milhões de euros, que compreende duas modalidades:
– uma primeira, alargada a um vasto conjunto de atividades económicas, incluindo os estabelecimentos de restauração e similares, no sentido de apoiar as micro e pequenas empresas pelas quebras de faturação registadas nos três primeiros trimestres de 2020, relativamente a 2019, com um limite de 20% das quebras de faturação ou 7 500 euros para microempresas e 40 000 para pequenas empresas, sendo estes tetos majorados em 50% para estabelecimentos de animação noturna;
– uma segunda, cumulativa para os estabelecimentos de restauração e similares, no sentido de compensar as quebras de faturação dos fins-de-semana em que vigoram restrições especiais de circulação, com um limite de 20% das quebras de faturação para micro, pequenas e médias empresas, relativamente aos primeiros 44 fins-de-semana do ano de 2020.
O programa Apoiar recebeu, até às 15h00 de 1 de dezembro, um total de 26 350 candidaturas, num montante estimado de apoios de 267 milhões de euros a fundo perdido.
Outras medidas
Para além do programa Apoiar, destacam-se outras medidas de apoio dinamizadas em 2020, designadamente linhas de crédito, o regime de lay-off simplificado, moratórias no arrendamento não habitacional e no crédito bancário, diferimentos de pagamentos ao Estado, o programa Adaptar, o incentivo extraordinário à normalização da atividade económica, o incentivo extraordinário à redução da atividade económica do trabalhador independente, o apoio aos membros de órgãos estatutários, designadamente sócios-gerentes, e o mecanismo de apoio à retoma progressiva da atividade, cujas condições foram alteradas recentemente.
O Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital tem salientado publicamente que compreende a situação difícil que atravessam os setores de atividade mais afetados e recorda que as medidas de apoio à economia são contínuas e evolutivas, atento o impacto da crise junto dos operadores económicos.

Município de Figueira de Castelo Rodrigo apoia comércio local e IPSS

Para fazer face ao agravamento da pandemia e ao impacto económico e social das medidas de restrição impostas pelo novo estado de emergência, o Município de Figueira de Castelo Rodrigo reforçou, esta segunda-feira, o incentivo ao comércio local e implementou medidas de apoio para Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).

A autarquia vai atribuir um apoio financeiro mensal, equivalente ao valor do salário mínimo nacional, a empresas com atividade iniciada há mais de seis meses e prestadores de serviços há mais de um ano que, durante os meses de novembro e dezembro de 2020, comprovadamente, apresentem uma redução de, pelo menos, 50% no valor da faturação, face ao período homólogo do ano anterior. 

O Presidente da Câmara Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo, Paulo Langrouva, explica que “o compromisso é continuar a estimular a economia local, através da injeção de recursos financeiros nos operadores económicos, de forma a mitigar os efeitos da pandemia no nosso tecido empresarial, à semelhança do que fizemos na primeira vaga da pandemia, quando apoiámos as empresas com mais de cem mil euros”.

As medidas foram aprovadas esta segunda-feira, em reunião de Câmara, onde ficou também decidido que a autarquia vai apoiar as Instituições Particulares de Solidariedade Social locais com: dois mil euros àquelas que têm valências de Lar, Centro de Dia e Serviço de Apoio Domiciliário; mil euros àquelas que têm valências de Centro de Dia e/ou Serviço de Apoio Domiciliário; quatro mil euros à Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários Figueirenses.

Relativamente a estes apoios extraordinários, Paulo Langrouva refere que “o agravamento da situação epidemiológica no Concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, designadamente numa Estrutura Residencial para Idosos, leva-nos a querer prevenir e a adotar medidas extensíveis a todas as Instituições Particulares de Solidariedade Social do concelho, de modo a apoiar a aquisição de equipamentos de proteção individual, fundamentais à contenção da propagação do vírus”.

Município de Fornos de Algodres vai ter orçamento global de 9 milhões de euros

Diminuição do Imposto Municipal Sobre Imóveis (IMI), para 0,43%

Teve lugar na tarde desta quarta-feira, em regime misto (videoconferência e presencial), a Reunião de Câmara Extraordinário onde foram debatidos e votados os documentos previsionais para 2021 (orçamento e grandes opções do plano). Da votação resultou uma aprovação por maioria, com votos a favor do PS e um voto contra da Senhora Vereadora do PSD. A Senhora Vereadora Rita Silva, devidamente convocada, faltou à reunião com justificação.

A proposta apresentada pelo Senhor Presidente da Câmara é de um orçamento global de 8.796.892€, sendo 1.161.514€ relativo ao pagamento de divida. Foram igualmente apresentados vários investimentos previstos que se concretizem em 2021 no Concelho de Fornos de Algodres, nomeadamente:

  • Requalificação do Mercado Municipal de Fornos de Algodres – 1.089.596 €;
  • Construção da Área de Acolhimento Empresarial de Juncais – 794.998 €;
  • Requalificação da Rua Dr. Fernando Menano com ligação ao Centro Escolar de Fornos de Algodres – 243.304 €;
  • Requalificação da Escola de Figueiró da Granja – 282.770 € (esta empreitada já se encontra em execução, estando previsto o seu término em meados de 2021).

Todos os investimentos citados pelo Presidente da Câmara já se encontram em fase de concurso, pelo que, no primeiro trimestre de 2021 deverão arrancar as obras.

Outro aspeto importante deste orçamento está focado nas famílias, com a diminuição do Imposto Municipal Sobre Imóveis (IMI), para 0,43%, diminuindo gradualmente nos próximos anos. Após várias tentativas para a diminuição de impostos, só após revisão do PAM, que ocorreu este ano, foi possível obter parecer positivo do Fundo de Apoio Municipal. O Presidente da Autarquia fornense,afirmou que “era nosso objetivo alcançar uma diminuição mais acentuada e em diferentes impostos. No entanto, considerando a pesada divida herdada que condicionou o parecer do Fundo de Apoio Municipal e a atividade diária do Executivo, foi possível alcançar a diminuição no IMI para 0,43%”.

Com a aceitação da descentralização de Educação, outro dos aspetos vertidos no orçamento para 2021 é a ajuda à economia local. A confeção de refeições escolares para todo o Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres passou a ser, em 2020, da responsabilidade da Câmara Municipal, apresentando o orçamento um forte investimento na aquisição de bens aos operadores económicos locais. É objetivo do Executivo Municipal reduzir o número de intermediários na cadeia de distribuição, escoar os produtos locais, bem como garantir uma proximidade geográfica contribuindo para a redução das emissões de CO2.

O orçamento para 2021, à semelhança dos anteriores, está assente em eixos estratégicos de desenvolvimento e contem uma componente extremamente importante para o equilíbrio das diferentes bases: a cooperação institucional. Este orçamento irá permitir, uma vez mais, prosseguir o caminho da cooperação institucional, por exemplo, com as Juntas de Freguesia, as Associações Locais, os Produtores Locais, o Instituto Politécnico da Guarda, o CERVAS, o GEOPARK, a CIMBSE, a AMCB, a ADIRAM, com o Órgão de Gestão do Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres e, essencialmente, com as pessoas do nosso Concelho.

“Este é um orçamento focado nas pessoas, mantendo o rigor e responsabilidade que sempre tivemos.”, sublinha, o Presidente da Câmara Municipal de Fornos de Algodres, Manuel Fonseca

 

.

Pinhel de Natal até 6 de janeiro

E porque apesar de todas as limitações e de todas as contingências, o Natal é Natal,
tempo de esperança e de partilha, o Município de Pinhel vai organizar um conjunto
de iniciativas que obedecerão a todas as regras em vigor, podendo contudo ser
reequacionadas, consoante a evolução da situação epidemiológica do país e do concelho.
O “Pinhel de Natal” tem luz, através das iluminações natalícias
acenderam no passado dia 30, mas também o tradicional “Carrossel Parisiense”, este
ano instalado no “Bosque Encantado” (Parque Municipal da Trincheira), música de vários
géneros e outras animações com destaque para a “Chegada do Pai Natal” (dia 20 de
dezembro), o “Desfile de Mascotes” (dia 21), a Banda Itinerante Os Ajudantes do Pai Natal
(dias 22 e 23), culminando com a tradicional “Fogueira de Natal”, que começará a arder dia 24 de
dezembro, às 17.00h.

Programação:

Carrossel Parisiense
– 1 de dezembro a 6 de janeiro,
no Parque Municipal da Trincheira
(com acesso gratuito, sujeito ao
cumprimento das regras preconizadas pela autoridades de Saúde).
Recital de Natal com Vítor de Sousa (poesia) e Yan Mikirtumov (piano)
– 12 de dezembro (sábado), às 21.00h,
no Cineteatro São Luís.
Um dos mais acarinhados atores portugueses, Vítor de
Sousa, declama poemas natalícios de Fernando Pessoa,
Ary dos Santos, Bocage, António Gedeão, Miguel Torga,Eugénio de Andrade, Natália Correia, David Mourão-Ferreira, Manuel Alegre, José Régio… em diálogo musical com piano que interpreta repertório natalício: carols, tradicionais e clássicos do Natal.
Pais Natal Motards
– 18 de dezembro (sexta-feira), ao longo do dia, a circularem pelo concelho.
Organização: Motoclube Falcões da Estrada, com o apoio do Município de Pinhel.
Concerto Lírico de Natal
– 19 de dezembro (sábado), às 21.00h, na Igreja
de São Luís.
Um concerto em que a música se encarregará de apresentar belos contos de Natal portugueses.

Um convite para ouvir o tenor Paulo Lapa, a Meio-Soprano Patrícia Quinta, o ator Daniel Rocha e o Ensemble Protagonista.

Chegada do Pai Natal
– 20 de dezembro (domingo), às 16.00h, em
local a definir, seguida de desfile até ao “Bosque
Encantado” (Parque Municipal da Trincheira).
Desfile de Mascotes
– 21 de dezembro (segunda-feira), às 16.00h,
com início na zona das Escolas, passagem pela
Rua da República, seguindo até ao “Bosque
Encantado” (Parque Municipal da Trincheira).
Banda Itinerante Os Ajudantes do Pai Natal
– 22 e 23 de dezembro (terça e quarta-feira), ao longo do dia, passando sobretudo pelas
zonas de comércio tradicional.
Fogueira de Natal Motard
– 24 de dezembro (quinta-feira), a partir das 17.00h, junto à Igreja de Santo António.
Organização: Motoclube Falcões da Estrada, com o apoio do Município de Pinhel.

5ª edição do Quartel Electrão já recolheu mais de 1600 toneladas de pilhas e equipamentos eléctricos usados

Os quartéis de bombeiros portugueses de janeiro a outubro, receberam já 1600 toneladas de pilhas, baterias e equipamentos eléctricos usados , no âmbito da campanha “Quartel Electrão”, que terminou no final do mês de Novembro.

Este ano a iniciativa promovida pelo Electrão – Associação de Gestão de Resíduos, decorreu em plena pandemia, mas ainda assim os resultados alcançados até ao momento já superaram as expectativas. Falta ainda contabilizar as recolhas efectuadas durante o mês de Novembro, mas já se pode afirmar que este é um dos melhores resultados de sempre da campanha.

“Trata-se de uma quantidade considerável de resíduos recolhidos num ano atípico em que a pandemia que assolou o mundo nos confinou a quatro paredes. Apesar disso os bombeiros mantiveram-se sempre em alerta. A cumprir o serviço público, em defesa das populações e em proveito do ambiente”, sublinha o director-geral do Electrão – Recolha e Reutilização, Ricardo Furtado.

Este ano o prémio a atribuir à corporação que mais resíduos recolheu é um veículo ligeiro de combate a incêndios tipo florestal. Os resultados finais e os quartéis vencedores serão anunciados em Janeiro de 2021, em cerimónia com formato ainda a definir.

Esta iniciativa tem como objectivo envolver as associações humanitárias de bombeiros voluntários na sensibilização da população para a necessidade de encaminhar os equipamentos eléctricos usados de forma a assegurar a sua descontaminação e reciclagem.

No site www.ondereciclar.pt é possível saber qual é o quartel aderente mais próximo onde pode depositar pilhas, baterias e equipamentos eléctricos usados.

                                             Corrente “Electrão”

A campanha “Quartel Electrão” suscitou o apoio de instituições, como juntas de freguesias e câmaras, que apelaram à entrega de electrodomésticos e outros equipamentos eléctricos em fim de vida como forma de ajudar os soldados da paz da freguesia ou concelho.

Em muitos casos as autarquias colocaram à disposição os estaleiros municipais, para armazenamento dos resíduos, e chegaram mesmo a disponibilizar-se para recolher os velhos equipamentos a pedido, indicando um número para o efeito, como aconteceu este ano em várias localidades do país.

Também as empresas privadas se mobilizaram, um pouco por todo o país, para a entrega de resíduos de equipamentos eléctricos usados a favor dos soldados da paz. As empresas contactaram o Electrão directamente para a recolha desses resíduos, mas solicitaram que essa contabilização fosse associada à corporação da sua área.

                                          75 euros por tonelada

 Como recompensa pelo serviço prestado – que em nenhuma dimensão chega a ser verdadeiramente recompensado – as corporações irão receber 75 euros por cada tonelada de resíduos reunida.

A associação que ficar em segundo lugar terá direito a cinco mil euros convertíveis em equipamentos de protecção florestal. As associações que recolheram mais pilhas terão acesso a 1500 euros em equipamento de protecção florestal. O mesmo para as que recolheram mais lâmpadas.

O Electrão criou ainda um prémio para chamar novos aderentes e incentivar a adesão à campanha por parte de novas associações humanitárias de bombeiros voluntários. A corporação estreante que reuniu a maior quantidade destes resíduos nesta última edição receberá 750 euros em cartões pré-pagos de combustível.

Este ano serão ainda distribuídos prémios por regiões (Norte; Centro, Interior; Lisboa e Vale do Tejo, Sul e Ilhas), que correspondem às áreas de recolha dos equipamentos. Nessas categorias as associações irão receber 750 euros em cartões pré-pagos de combustíveis.

O Quartel Electrão conta já com quatro edições de sucesso. Tradicionalmente os vencedores têm sido premiados com uma ambulância. Na primeira edição, 2011, foram recolhidas 1802 toneladas de equipamentos eléctricos e saiu vencedora a corporação de Mangualde. A associação de Vila Nova de Famalicão sagrou-se campeã em 2015/2016 numa campanha que resultou na recolha de 1087 toneladas de equipamentos usados. Amarante venceu em 2016/ 2017. Nessa edição foram recolhidas 1088 toneladas de equipamentos usados. Amarante voltou a repetir o feito em 2018/2019, edição em que a recolha rendeu 947 toneladas. Globalmente esta campanha já permitiu a recolha de 4892 toneladas de pilhas e equipamentos eléctricos usados.

Figueira de Castelo Rodrigo recebeu terceiro debate do ciclo “Conversas: Guarda2027”.

 

A relação entre a produção/consumo cultural e uma territorialidade alargada foi o mote do terceiro debate do ciclo “Conversas: Guarda2027”.

A sessão, programada para Figueira de Castelo Rodrigo mas realizada em formato webinar por causa dos constrangimentos da COVID19, juntou na tarde de 26 de novembro programadores da Guarda2027, agentes culturais e público em geral a debater “A importância da mobilidade, coesão social e territorial na cultura”.

A mobilidade dificulta a criação e fruição cultural? Em que medida as pontes construídas entre residentes constroem um sentimento de pertença e dão coesão e força a uma proposta de candidatura com escala regional?, foram algumas das questões que mereceram reflexão e discussão, numa região em que a mobilidade física depende em muito da mobilidade automóvel privada.

O envolvimento da população (e da Escola) foi assumido como um dos fatores fundamentais para o sucesso da Guarda2027.  Elisabete Bárbara, professora e diretora do Agrupamento de Escolas de Aguiar da Beira, defendeu-o, testemunhando com a participação dos seus alunos no Concurso BI2047, cujo resultado designou os mandatários da juventude da Guarda2027, “peças-chave importantes numa estratégia de implicar os cidadãos no caminho a percorrer, numa abertura ao exterior do projeto e, por isso, nas estratégias de visibilidade que é preciso adotar”, referiu. Na mesma linha, Victor Afonso, programador da Guarda2027, salientou a importância de “sensibilizar, mobilizar e envolver os cidadãos no trabalho de longa duração que é a formação de públicos”.

Caminhar para uma verdadeira coesão social e territorial implica uma “mudança de paradigma onde a cultura é um bem essencial que gera riqueza e tem de chegar a todos”, defendeu Lara Seixo Rodrigues, programadora da Guarda2027. Para conseguir essa coesão, é crucial fixar pessoas (defendeu Tiago Sami Pereira, programador da Guarda2027) e “trazer pessoas qualificadas, tal como tem conseguido por exemplo o Fundão”, rematou Pedro Almeida responsável na região de uma multinacional pelo acolhimento de talento.

No ar, ficaram dois desafios. José Luis González Prada, da Fundación Rey Afonso Henriques, propôs reforçar o carácter trans-fronteiriço da candidatura e José Luís Martins (programador da guarda2027) defendeu a utilização dos sentimentos e afetos para a criação artística.

A quarta e última sessão das “Conversas:Guarda2027” acontece no dia 10 de novembro de 2020 e fará a conclusão deste ciclo com um debate presencial no Teatro Municipal da Guarda. Serão apresentados os resultados preliminares do inquérito sociológico à população dos 17 municípios da Guarda2027 e os contributos recolhidos durante o processo de reflexão promovido por esta iniciativa.

Distrital do PSD Guarda critica Deputados do PS de votarem contra redução das Portagens

Em comunicado a Distrital do PSD da Guarda, informa que na conferência de
imprensa, se falou sobre a aprovação da proposta que o PSD apresentou em sede do
Orçamento de Estado que vai permitir a redução da taxa das portagens em
50% para todos os veículos de combustão e em 75% para veículos
elétricos, nas ex-SCUTS, A23 e A25.
Para os social democratas do distrito da Guarda, esta redução de 50% é uma
justa compensação para estes territórios de baixa densidade, porque o
Governo beneficiou as grandes áreas metropolitanas com a redução dos
passes sociais, sem que beneficiasse, da mesma forma, estes territórios do
interior.
Pelas mãos do PSD, fez-se agora um pouco de justiça para com os cidadãos
do interior e para com as empresas aqui sediadas. O PSD passou das palavras
aos atos e num ato de coragem conseguiu aquilo que mais nenhum partido
tinha conseguido nos últimos 10 anos, desde que foram introduzidas as
portagens nas ex-SCUTS, referem os social democratas.
Para Carlos Condesso, Presidente da Distrital, “esta redução de 50% nas
portagens vem beneficiar milhares de cidadãos e contribui fortemente para
aliviar os custos de contexto para as empresas, que, a partir do próximo ano,
verão as suas despesas com a utilização destas estradas reduzir para metade.
Esta medida também vem ajudar, e muito, o turismo no interior e todo este
setor. Os valores que estão em vigor são altamente penalizadores e têm
trazido danos avultados à nossa região”, frisa.
Para o Presidente da Distrital, neste processo, esteve muito mal o Governo e,
mais ainda, os deputados eleitos pelo PS ao terem votado contra esta
proposta.

“Com esta posição e esta atitude não terão perdão por parte dos cidadãos do
distrito. Por cá iludem os cidadãos com juras de amor, por lá, pelo Parlamento,
onde é a sério, abandonam quem os elegeu”, refere.
Para Carlos Condesso, o que os deputados do PS do distrito fizeram “foi
um ato de traição para com os cidadãos do distrito e de todo o interior do
país. Deviam pedir desculpa e fazerem um ato de contrição por cederem
aos interesses do partido”, afirmou ainda o líder da Distrital da Guarda do
PSD.
A redução das portagens em 50% nas ex-SCUT, como a A23 e a A25, a
partir de janeiro “não é nenhum drama orçamental, mas um benefício
enorme para quem vive e trabalha no interior do país”, considera Carlos
Peixoto, deputado do PSD.
O eleito pelo círculo da Guarda referiu ainda que esta aprovação é “um
momento histórico” para o interior.
“Agora é possível reduzir as portagens, porque no ano passado o Governo
beneficiou as Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto, com apoios para a
redução dos passes sociais. Este é um benefício de compensação para as
regiões do interior de forma a incentivar a mobilidade e o uso do transporte
individual porque aqui não há transportes públicos”, justificou Carlos Peixoto.
A Distrital do PSD refere também que a Ministra da Coesão Territorial ficou mal
neste processo, “pois o máximo que tinha conseguido relativamente às
portagens, foram umas migalhas. Foi poucochinho!” Aprovar um desconto de
25%, só a partir da 8.ª passagem, é atirar areia para os olhos dos portugueses.
“O facto de não ter ido mais longe, como a própria afirmou, só prova a falta de
peso político no Governo e que o seu ministério se verga aos interesses do
litoral e das grandes áreas urbanas”, concluem.

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar