Templates by BIGtheme NET
Início » Penalva do Castelo

Penalva do Castelo

Município de Penalva do Castelo apoia as famílias nesta fase de pandemia

Face à atual situação de pandemia pela COVID-19 que o mundo, o país e o concelho penalvense  vivem, com todas as consequências sociais e económicas adversas que a mesma tem vindo a acarretar, o Município de Penalva do Castelo está a ajudar as famílias.

Nesse sentido, e tal como aquando do primeiro confinamento, a Câmara Municipal deliberou pela isenção do pagamento das refeições escolares a todos os alunos do Ensino Pré-Escolar e do Primeiro Ciclo do Ensino Básico do concelho durante os meses de janeiro, fevereiro e março, podendo haver lugar à prorrogação da medida.

Durante o período de ensino à distância, a Câmara Municipal, em articulação com o Agrupamento de Escolas e com as entidades com as quais celebrou protocolos de colaboração, tem vindo a assegurar o fornecimento de refeições aos alunos, seja através do serviço takeaway, seja presencialmente, no Agrupamento de Escolas, de acordo com as necessidades das famílias.
Simultaneamente, foram já disponibilizados 30 computadores portáteis de forma a assegurar o ensino à distância de alunos que não dispõem destes equipamento e 24 Webcams, para computadores fixos do Agrupamento de Escolas, de forma a fazer face às necessidades dos alunos que, por motivos legalmente previstos, se encontram a frequentar o regime presencial.

 

Efeitos secundários da Vacina da Covid-19

Segundo avança a DGS, que a vacina contra a COVID-19 pode ter reações secundárias como outro medicamento. A maioria delas são ligeiras e de curto prazo e nem todas as pessoas as identificam.

Todas as vacinas, ao estimular as nossas defesas, podem causar efeitos secundários ligeiros e de curta duração. Alguns indivíduos vacinados contra COVID-19 nos ensaios clínicos, relataram ter sentido:

  • dor no local de injeção;
  • fadiga;
  • dor de cabeça;
  • dores musculares;
  • dor nas articulações;
  • febre.

Outros efeitos como vermelhidão no local da injeção e náuseas ocorreram em menos de 1 em cada 10 casos.

Geralmente, estes efeitos desapareceram ao fim de 24 a 48 horas. Embora a sensação de febre não seja incomum por 2-3 dias, uma temperatura alta é rara e pode indicar que tem COVID-19 ou outra infeção.

Os sintomas após a vacinação normalmente duram menos do que uma semana. Em caso de persistência dos sintomas ou se surgir outra reação que o preocupe, contacte o seu médico assistente ou a Linha SNS24 (808 24 24 24).

Se procurar aconselhamento de um médico, enfermeiro ou farmacêutico, informe-os sobre a sua vacinação para que possam avaliá-lo adequadamente.

Também pode reportar qualquer efeito adverso da vacina através do Portal de Notificação de Reações Adversas (RAM) do INFARMED, I.P.

fonte:DGS

Diocese de Viseu-Renúncia Quaresmal será para Moçambique

Na sua mensagem para a Quaresma, D. António Luciano anunciou o destino da Renúncia Quaresmal, decisão que surgiu depois da auscultação do clero da diocese.

Convidando a um compromisso generoso e a um verdadeiro espírito de partilha e de renúncia, indicou que este ano a Renúncia Quaresmal se destinará:
– Uma parte para «ajudar a Igreja sofredora da Diocese de Pemba, província de Cabo Delgado, Moçambique».
– Outra parte «para socorrer as maiores necessidades da Diocese de Viseu».
A entrega da Renúncia Quaresmal pode ser feita junto das paróquias, do modo que as mesmas indicarem, ou, atendendo à situação de pandemia que vivemos, diretamente para a diocese através da Conta com o IBAN (Millennium bcp): PT50.0033.0000.00001022296.66

Mensagem de D. António Luciano, Bispo da Diocese de Viseu para a Quaresma

diocese viseu

Vivamos um tempo santo

Neste início de Quaresma, D. António Luciano, Bispo da Diocese de Viseu deixa umas palavras sobre este tempo de jejum, traçando vários pontos:
Uma mensagem de fé, esperança e caridade para percorrer um caminho novo
“A Quaresma é um caminho de fé, esperança e caridade” (Papa Francisco) que nos introduz no deserto interior, que nos leva a procurar o sentido verdadeiro de Deus e da vida em autenticidade e profundidade, numa verdadeira comunhão humana e espiritual. É o encontro do Pai misericordioso com o filho pecador e é a experiência única da busca da graça divina, que apaga a miséria e a fragilidade humana. A pandemia do Covid-19 e as suas consequências destaparam-nos e agora como cristãos queremos revestir-nos do homem novo que nos ensina e ajuda a orientar e a procurar a Vida Nova segundo o Espírito. O seguimento de Jesus Cristo leva-nos a fazer a experiência quaresmal iniciando este “tempo favorável da salvação” como caminho provado e cheio de penitência na condução “ao deserto onde Jesus guiado pelo Espírito viveu quarenta dias e quarenta noites em jejum, oração e penitência”.
A perda do sentido e abandono de Deus, vivido pela maioria dos batizados, provoca uma nova pandemia causada pela falta de vivência espiritual do mandamento novo do amor, das bem-aventuranças e das obras de misericórdia. Este enfraquecimento de valores humanos, morais e espirituais leva a que a vida dos cristãos esmoreça no crescimento das virtudes e da santidade. A diminuição da experiência salvífica da fé e do enfraquecimento do mistério da comunhão, da unidade e corresponsabilidade na vida das nossas comunidades cristãs diminui a vitalidade da própria Igreja.
Uma vida nova de graça conduzida pelo Espírito Santo
Viver uma Quaresma diferente, atípica à tradição cristã, de vivência comunitária, é algo de estranho e inaceitável. Só razões de força maior, como a saúde pública de todos nós, pode levar à experiência deste cenário. Nos anos anteriores era um tempo forte marcado de uma espiritualidade e vivências sacramentais, religiosas e pastorais, que agora não se podem realizar. As normas e regras para o confinamento decretadas pelo Governo e pela DGS, exigem que o vírus da pandemia Covid-19 e das suas variantes, nos leve neste tempo litúrgico da Quaresma a aprofundar o espírito bíblico de conversão e de mudança de vida.
Aprendamos a dizer em cada dia: “Tende piedade de mim, Senhor, porque sou pecador” (Sl 50). Este é um momento de cura interior, de resiliência, de esperança profética, que nos convida a escutar a Palavra de Deus e o grito dorido do povo sofredor.
 Um tempo de conversão e renovação espiritual
O anúncio do Evangelho e a proposta da conversão feita por Jesus é uma exigência imprescindível do amor cristão, particularmente na sociedade atual, onde parece que perdemos os próprios fundamentos da visão antropológica, ética e espiritual da existência humana.
A conversão leva-nos à prática da virtude teologal da caridade, porque o nosso “Deus é amor” (1Jo 4,8.16). A caridade, na dupla faceta de amor a Deus e aos irmãos, é a síntese da vida moral do crente. Tem em Deus a sua origem e a sua meta (cf. São João Paulo II, O Terceiro Milénio, nº 50). À crise de civilização, há que responder com a civilização do amor, fundada sobre os valores universais de paz, solidariedade, justiça e liberdade, que encontram em Cristo a sua plena realização (cf. Ibidem, nº 51).
É preciso viver a Quaresma marcada pela mudança interior de cada ser humano, pela necessidade da conversão pessoal e pastoral imposta por esta pandemia, através de uma mudança profunda da prática de vivências humanas e espirituais que exilaram os cristãos na liberdade exígua das suas próprias casas, no teletrabalho, no trabalho em profissões indispensáveis.
Deus continua a falar sempre a cada um nós, quer através da Bíblia, da vida, dos acontecimentos, das pessoas, das propostas online que a própria pastoral diocesana nos oferece a todos e especialmente às famílias.
A Quaresma é o caminho de quarenta dias até à Páscoa do Senhor. É preciso preparar a vida cristã para chegar à celebração do mistério Pascal. São muitos os subsídios diocesanos que nos podem ajudar a alcançar o mandamento novo do amor, a vivência das bem-aventuranças e das obras de misericórdia. Neste tempo de confinamento, Deus permite-nos viver uma experiência em que os condicionalismos bíblicos do êxodo, do exílio, que caracterizaram a vida do povo de Israel, são hoje para nós cristãos um desafio e um compromisso a viver esta Quaresma com alegria, em peregrinação no “tempo favorável da salvação”.
 Meios para viver melhor a Quaresma
A pandemia que está a deixar marcas e dificuldades na vida de cada um de nós, precisa da mensagem e vivência da fé como antídoto para a indiferença religiosa e a falta de solidariedade fraterna para com os mais pobres, doentes e necessitados. A Quaresma que vamos iniciar quarta-feira de cinzas, dia de jejum e penitência, mas também com a realização dos Exercícios Espirituais para os sacerdotes, diáconos e consagrados, são um meio fundamental para vivermos este tempo até à Páscoa, como verdadeiro horizonte de servos humildes e administradores fiéis da Casa do Senhor.
As etapas da Quaresma marcadas por um tempo forte de pregação, de jejum, de abstinência, de penitência, de oração, de retiro espiritual, de vivência da Via-Sacra, de escuta da Palavra de Deus, de renúncia e de partilha, ajudam-nos a nascer de novo, para uma vida nova.
Ao vivermos este Ano dedicado a São José e a partir do dia 19 de março de 2021, Solenidade de São José, olhando para um Ano em que contemplamos a “Família Amoris Laetitiae”, é para nós um grande desafio pastoral a tudo fazer, para renovar, reinventar a Pastoral Familiar no horizonte do “acolher, discernir e acompanhar” as nossas famílias nas suas dificuldades humanas, eclesiais e pastorais. Preparando com alegria o mistério Pascal, convido-vos a um verdadeiro espírito de partilha e de renúncia, assim como aos cristãos das nossas comunidades e pessoas de boa vontade no peditório para a Cáritas, incentivar a partilha do Contributo Penitencial e assumir como caminho de conversão e renovação pastoral o nosso empenhamento e compromisso no peditório generoso da Renúncia Quaresmal, que este ano se destina, uma parte para ajudar a Igreja sofredora da Diocese de Pemba, província de Cabo Delgado, Moçambique, e a outra parte para socorrer as maiores necessidades da Diocese de Viseu.
Buscando a alegria do Mistério Pascal, não deixemos de corresponder a este apelo e mesmo em confinamento das celebrações, não deixemos de corresponder através das nossas paróquias e da Diocese aos apelos que nos estão a ser pedidos.
Vivamos um tempo Santo da Quaresma.
Que a proteção de Nossa Senhora das Dores, de São José, de São Teotónio, São Francisco e Santa Jacinta Marto e da Beata Rita Amada de Jesus nos ajudem nesta Quaresma a cuidar de todos, a rezarmos por todos e a ajudar a todos particularmente àqueles que sofrem e são vítimas da Pandemia Covid-19. Que a vacina chegue bem depressa a todos e seja um sinal de primavera e da verdadeira Páscoa cristã.

Estado de Emergência prolonga-se até dia 1 de março

Depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter sugerido, a Assembleia da República também aprovou a renovação do Estado de Emergência  até ao dia 1 de março, com algumas novidades.

Segundo o Presidente da República, a meta vai ser a Páscoa para  tudo possa melhorar e não piorar, assim espera que nessa altura haja uma redução drástica de casos.

Deste modo, o livros  vão poder ser comercializados , outra das normas é a redução de ruídos, uma vez que está muita gente em teletrabalho durante o dia.

Este novo modelo entra em vigor às 00h00 do dia 15 de fevereiro.

Feira Pastor e do Queijo pode acontecer mais à frente mediante evolução pandémica em Penalva

Em Penalva do Castelo, o queijo é muito importante, assim como a Feira do Pastor e do Queijo para os produtores de queijo do concelho , face a isso , o Município local pretende ainda realizar o certame mais à frente em março ou abril, agora tudo vai depender da evolução da pandemia COVID-19, para que o evento possa acontecer dentro das normas de Segurança emanadas pela Direção-Geral de Saúde (DGS).

“Esta atividade exige enormes sacrifícios aos produtores. A não realização da feira seria um rude golpe nas suas expectativas, podendo levar ao encerramento da atividade de alguns, pois é neste evento que eles faturam e conseguem equilibrar a rentabilidade”, refere Francisco Carvalho, autarca penalvense.

Aproveitando a logística que está implementada, devido à pandemia, para apoio daqueles que não podem deslocar-se para efetuar as compras, também aqui serão apoiados os pequenos produtores que não têm meios de transporte.

Desta forma, o Município procederá à entrega das suas vendas dentro do concelho, ou nos concelhos limítrofes.

A Autarquia disponibilizou a informação necessária que permita aos interessados o contacto com os produtores, existindo outros no concelho:

Queijaria da Casa da Ínsua
Parador Casa da Ínsua,
3550-126 Penalva do Castelo
Tel.: 232 640 110
Email: casadainsua@parador.es
www.montebelohotels.com

Queijaria de Germil
Quinta do Patarrego
3550-093 Germil
Tel.: 232 611 078 / 963 511 237
Email: queijariadegermil@hotmail.com

Isabel Clara Coelho Abrantes Garcia
Rua da Devesa nº35
Matela
3550-221 Matela
Telem.: 967 509 127

Mª Dolores Fonseca Pinto da Silva
Quinta da Cerca – Matela
Tel.: 232 599 173

Mª Adelaide Coelho de Abrantes Ferreira
Matela
Telem.: 917 094 646

Acordo de Cooperação para a Constituição da Rede Intermunicipal das Bibliotecas Viseu Dão Lafões assinado

Foi assinado um acordo de cooperação para a constituição da Rede Intermunicipal das Bibliotecas Viseu Dão Lafões (RIBVDL), pela Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, com os catorze municípios que a integram, e a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB),  fruto de uma parceria desenvolvida pela CIM Viseu Dão Lafões e pela DGLAB, visa a implementação de um serviço de bibliotecas públicas de qualidade no território de Viseu Dão Lafões.

O objetivo da RIBVDL é fomentar a cooperação entre as Bibliotecas Públicas Municipais do território, promovendo a partilha e utilização de recursos e serviços comuns, e contribuir, através da prestação de serviços qualificados e de proximidade, para o desenvolvimento de diferentes literacias, incluindo a digital.

De acordo com o Presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Rogério Mota Abrantes, “Este acordo abre portas a novas oportunidades de qualificação dos serviços e da oferta da rede bibliotecas públicas municipais. Permite, de forma cooperativa e em articulação com todos os municípios, ir ao encontro das necessidades reais da comunidade de Viseu Dão Lafões, promovendo a literacia, o conhecimento, o acesso à informação e a coesão territorial.”

Esta é mais uma Rede Intermunicipal de Bibliotecas, que a DGLAB formaliza, e que se insere na estratégia que preconiza para as bibliotecas públicas, assente no incentivo à criação de redes de bibliotecas de âmbito regional junto das Comunidades Intermunicipais e Áreas Metropolitanas, procurando garantir, desta forma, uma maior articulação entre as várias bibliotecas, tendo em vista a prestação de serviços em rede às populações.

 

Setor da Saúde: Quase 800 reclamações em janeiro

Janeiro passado, mês em que Portugal voltou a um confinamento geral devido ao agravamento da situação pandémica no país, foi o pior mês de sempre relativamente às queixas apresentadas pelos portugueses na área da Saúde. Um estudo do Portal da Queixa revela que foram registadas quase 800 reclamações, naquela que foi a maior média diária de queixas dirigidas ao setor da Saúde, cerca de 25 por dia. O SNS é o maior foco das reclamações e a impossibilidade de ser atendido por um médico é a principal queixa dos portugueses.

De acordo com o estudo analítico desenvolvido pela equipa do Portal da Queixa, entre os dias 1 e 31 de janeiro de 2021, foram registadas na plataforma 787 reclamações. O pior mês que há registo e um recorde em termos de reclamações diárias dirigidas ao setor da Saúde, uma média de 25 por dia. Comparativamente com o período homólogo (janeiro de 2020) – com 455 queixas registadas -, verificou-se um aumento de 73% do número de reclamações, facto que evidencia todas as dificuldades que o setor enfrenta para dar resposta à pandemia de COVID-19.

Relativamente ao TOP 5 das entidades com o maior número de reclamações recebidas, a análise revela que, em janeiro último, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) liderou o foco das queixas (com 186 reclamações registadas no Portal da Queixa). Seguem-se os Hospitais e Centros de Saúde (142), em terceiro os Planos e Seguros de Saúde (135), em quarto os Grupos Privados de Saúde (115) e em quinto, as Farmácias (74).

Entidades foco do maior número de reclamações em janeiro:

Entidades Reclamações
Serviço Nacional de Saúde 186
Hospitais e Centros de Saúde 142
Planos e Seguros de saúde 135
Grupos de Saúde Privados 115
Farmácias 74
Clínicas médicas 29
Laboratórios e analises clínicas 28
Equipamentos e materiais de Saúde 27
Clínicas dentárias 21
Outras 30

Principais motivos de reclamação:

Segundo a análise feita pela maior plataforma de comunicação entre consumidores e marcas do país, as reclamações recebidas espelham, sobretudo, a falta de acompanhamento que os doentes precisam e a preocupação em não conseguir atendimento médico, seja presencial ou por teleconsulta. A “impossibilidade de ser atendido por um médico” é o principal motivo de reclamação, gerando 36% das queixas dirigidas ao setor da Saúde. A “falta de atendimento telefónico” é a segunda causa mais apontada pelos consumidores, perfazendo 34.4% das queixas.

Casos denunciados no Portal da Queixa

A atestar a insatisfação dos portugueses, estão alguns dos casos partilhados no Portal da Queixa em janeiro passado. Carla Amoreira, uma doente que acusou teste positivo para a COVID-19, denunciou na sua reclamação: “ninguém me quis avaliar nos serviços COVID e urgência USLCB”. 

Outra consumidora, Paula Teixeira, reclama ter estado mais de doze horas à espera de uma consulta COVID-19: “Já há 12h30m à espera nas urgências covid-19, tendo vindo a mando da médica da consulta Covid-19 e SNS 24. Não opção própria”. Por seu turno, Inês Almeida, reporta a falta de atendimento telefónico: “Não atendem e chegam a rejeitar chamadas”.

O consumidor e utente António Santos, alerta na sua reclamação para eventuais altas forçadas em doentes com COVID-19: “Alta forçada aos doentes covid apesar de testarem positivos e irem para o lar”.

 

De referir que, em 2020, o total de reclamações dirigidas ao setor da saúde foi de 7.277, um aumento de 80% face a 2019.

 

Covid-19 -Programa Apoiar /Medida Apoiar + Simples para as empresas

Neste tempo de pandemia à necessidade de apoiar financeiramente as empresas afetadas, deste modo, o Governo aprovou ao abrigo do Programa APOIAR, a Medida Apoiar + Simples, tendo em vista preservar a continuidade da atividade económica e do emprego.

Podem candidatar-se à Media Apoiar + Simples, os empresários em nome individual (ENI), sem contabilidade organizada, com trabalhadores a cargo, nos setores abrangidos pelo Programa APOIAR. As candidaturas decorrem de 28 de janeiro de 2021 até ao esgotamento da dotação e o apoio a conceder equivale a 20% do montante da diminuição de faturação da empresa, até ao limite máximo de 4.000€.

Para apresentação de candidaturas, consulte o Aviso n.º 01/SI/2021, de 28 de janeiro.

Projeto turístico Eiras do Dão nas Lages de Sangemil(Penalva do Castelo)

Nasceu um novo empreendimento turístico em espaço rural composto por casas de campo em granito outrora palheiras onde os agricultores da aldeia de Sangemil guardavam a palha e os cereais secos nas eiras ou lages que as circundam. Hoje são um autêntico paraíso para passar uns dias com muita tranquilidade.

Este complexo turístico fica a poucos minutos da cidade, permitem desfrutar do sossego campestre e do bulício urbano. O

sítio perfeito para saborear bons vinhos do Dão, produtos de fumeiro, queijo da serra, pão cozido em forno a lenha, fruta aromática, doces e bolos “.

Uma boa aposta para poder desfrutar das maravilhas da Natureza da Beira.