Templates by BIGtheme NET
Home » Aguiar da Beira (page 5)

Aguiar da Beira

Valongo abriu o Campeonato Portugal de Trial 4×4

Valongo é uma espécie de oásis na Área Metropolitana do Porto e assume-se como a capital do desporto outdoor. Dispõe de um Centro de BTT,  Centro de Trail Running e percurso equestres.   Também ao nível do desporto motorizado, como o trial e o enduro, estão criadas as condições para uma prática segura nestas belíssimas serras.

É por isso natural que, ano após ano, o concelho seja escolhido para o arranque do Campeonato Portugal de Trial 4×4.

Cláudio Ferreira chega campeão e sai na frente

Depois de 3 horas verdadeiramente duras levou a melhor o campeão absoluto da modalidade. Cláudio Ferreira (auto Higino) chegou a Valongo com a vantagem do seu lado e confirmou o favoritismo. Liderou desde cedo e com 11 voltas venceu na classe Super Proto e em termos Absolutos. Naturalmente Cláudio Ferreira e João Lucas são os líderes da classe Absoluto e da Super Proto com 25 pontos.

Na segunda posição da Super Proto, a 1 volta do líder, ficou Laurindo Mendonça (Sem Stress)  Foi a primeira vez do madeirense na dura pista de Valongo e para a posteridade ficam boas recordações. Uma pista muito dura e 2 pódios: foi 2.º na classe Super Proto e 3.º em termos Absolutos.

Outro madeirense completa o pódio da classe Super Proto. Depois de muitas modificações este foi o primeiro teste para o Crawler Jimny 4×4 de Sérgio Ferreira (Full Stress), que vai fazer todo o CPT4x4 2019.

De navegador a piloto

Na classe Proto, Marcelo Lopes (Team Lucrofusão) chegou, viu e venceu. Depois de um ano de ausência do campeonato, o ex-navegador chegou a Valongo acompanhado pelo experiente Miguel Costa e deu muita luta ao campeão, somando ao ouro da Proto a prata termos  Absolutos. Saem de Valongo com os 25 pontos da vitória e 1 ponto extra pela vitória no prólogo. Lideram por isso a classe Proto com 26 pontos.

            Rui Rocha (Team RJ69) também está de regresso à competição. O piloto de Arouca teve um dia muito agitado com um capotanço no prólogo e vários problemas mecânicos durante a resistência. Mesmo assim completou 9 voltas à pista e conseguiu o segundo lugar da classe Proto.

Bruno Fernandes (Team JMF) completa o pódio em Proto. Depois de ter sido operado a um joelho há apenas 6 semanas o piloto correu algo condicionado. Ainda assim terminou com as mesmas voltas do segundo classificado, mas gastou mais 4 minutos e 33 segundos.

Classe Extreme dominada por famílias

Carlos Gomes (Team Rafael e Gomes) estreou-se no Campeonato Portugal de Trial 4×4 e não podia pedir melhor para o arranque. Em dia de aniversário, e acompanhado pelo filho, venceu a classe Extreme.

Na segunda posição ficou Miguel Abreu (MCP Team), também acompanhado pelo filho. A equipa completou 4 voltas com o Jeep Wrangler.

Destaque para a participação da equipa 169, com Lígia Romão (GSTeam) aos comandos de um BMW e navegada pelo companheiro Luís Silva.

Promoção anima espetáculo

A presença de veículos menos preparados também já habitual na competição… no total foram 9 as equipas presentes do Campeonato Portugal Promoção Trial 4×4.

Na Promoção o bicampeão de 2016 e 2017, João Fernandes (Jovi Team), voltou à competição e mostrou que ainda não perdeu o jeito. Venceu com uma enorme vantagem e mostrou já à partida deste campeonato que veio para ganhar.

Destaque ainda para as vitórias de Carlos Martins e João Pinto (Reciclopeças Team) na classe UTV/Buggy e da dupla Tiago Costa e Rodrigo Pinto (Super Print) em FUN.

A segunda prova do Campeonato Portugal de Trial 4×4 é já no fim de semana de 6 e 7 de abril, no Crato.

AF Guarda-Resultados do Campeonato Distrital da 1ªDivisão

G.Figueirense caminha para o título

A seis rondas do final da prova, o G.Figueirense passou num teste complicado diante do Vila Cortez, por cinco bolas a três e aproveitando os deslizes dos mais diretos perseguidores, tem o titulo ali ao lado.

Por sua vez o Manteigas a jogar em casa não foi além de uma derrota diante dos Vilanovenses, por duas bolas a uma.

O Aguiar da Beira visitou o Sabugal e também saiu derrotado por duas bolas a uma. O Celoricense veio empatar a Fornos, numa partida muito equilibrada com os keepers a terem horas de muito trabalho, assim um empate a duas bolas.

JORNADA 20

Manteigas- Os Vilanovenses-1-2

Vilar Formoso- Desportiva do Soito- 1-0

Fornos de Algodres- SC Celoricense- 2-2

Trancoso- AD São Romão- 2-0

Vila Cortez- Ginásio Figueirense- 3-5

SC Sabugal- Aguiar da Beira- 2-1

CD Gouveia- Estrela Almeida- 6-0

CLASSIFICAÇÃO
1º G.Figueirense- 55
2º Manteigas -42
3º Aguiar da Beira- 39
4º Celoricense -33
5º Gouveia -33
6º Trancoso -32
7º Vila Cortes -31
8º AD Fornos -24
9º Os Vilanovenses -23
10º São Romão – 19
11º Vilar Formoso- 16
12º Soito -15
13º Sabugal -15
14º Almeida -13

Avisos e Liturgia do 1º Domingo da Quaresma (Ano C)

Na passada quarta-feira, iniciámos o tempo da Quaresma com o rito da imposição das cinzas. Este é um tempo favorável para fazer uma revisão da nossa vida: como estou a dar testemunho de cristão nas minhas palavras, nas minhas acções, em casa, no trabalho, com os amigos e nas minhas responsabilidades profissionais e sociais? Estas semanas da Quaresma são também uma oportunidade para conhecer melhor o mistério de Cristo, para aprender a Verdade de Cristo, para reencaminhar a vida segundo o Evangelho e viver com alegria a dignidade de filhos de Deus.

Todos os anos, a Quaresma conduz-nos à Páscoa, ou seja, à paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo e ao seu regresso ao Pai. Regressa ao Pai levando no seu corpo os sinais da Paixão. Vivamos com intensidade este tempo quaresmal para celebrarmos alegremente a Páscoa deste ano. Que a Páscoa de Cristo seja também a nossa Páscoa. Para que tal aconteça, é necessário viver a nossa vida segundo a vontade de Jesus, o Filho de Deus, que se entregou por nós na cruz, na alegria e no entusiasmo da sua Ressurreição.

10-03-2019

Pelas leituras bíblicas, a Quaresma deste ano está marcada pela misericórdia. Bem sabemos que Deus é misericórdia; foi assim que Se foi revelando no decorrer da história da humanidade. Mas para sentir este Deus misericordioso, é necessário assumir que somos pecadores, pedir-lhe perdão e procurar mudar a nossa vida. Deus concede a sua misericórdia generosamente a todo aquele que está arrependido. Depende de nós abrir o nosso coração à misericórdia de Deus, ou seja, com um coração contrito, humilde, disposto para começar de novo e voltar ao caminho recto, deixando a vida e os caminhos do pecado.

Neste primeiro domingo da Quaresma, somos convidados a fazer deserto, a rever e a centrar a nossa vida naquilo que é essencial e mais importante, ou seja, na fé que devemos professar com a boca e com a vida. Na primeira leitura, Moisés pedia ao povo de Israel para fazer a profissão de fé ao oferecer as primícias diante do altar do Senhor. E hoje somos convidados a fazer o mesmo. A profissão de fé não é uma lista de “verdades para acreditar” ou de “preceitos para cumprir”. Para o povo de Israel era o recordar das maravilhas que Deus fez quando o libertou da escravidão do Egipto. Para nós, é voltar a experimentar nesta Páscoa a liberdade trazida pela morte e ressurreição de Cristo, que nos libertou da escravidão do pecado e da morte e nos faz participantes de uma nova vida: uma vida de santidade e de graça, uma vida de liberdade e de plenitude. Não podemos ter saudades das “cebolas do Egipto”, mas voltar a agradecer a liberdade dos filhos de Deus que nos foi dada no dia do nosso Baptismo.

A narração das tentações de Jesus é para nós um aviso. Durante o deserto da nossa vida, a nossa fé será tentada pelas forças do mal, pelo demónio. Seremos tentados nos três pontos mais fracos que todos carregamos como herança do pecado original: ter, poder e desejo de triunfo. O que fazer? Cristo ensina-nos a vencer as tentações, através dos seguintes meios: a oração, a Palavra de Deus, o jejum, a vigilância, o desprendimento e a humildade. Como é importante rezar sempre com a Bíblia entre as mãos! O jejum é a forma de nos afastarmos de tudo aquilo que não agrada a Deus: ambição, ganância, vícios, egoísmo, inveja. A vigilância ajuda-nos a estar atentos e a dar conta por onde o mal nos quer atacar. O desprendimento das coisas faz-nos bem para nos enchermos de Deus, porque quanto mais vazio está o coração de uma pessoa, mais precisa de coisas para comprar, possuir e consumir. A humildade será sempre a arma eficaz contra o nosso orgulho e egoísmo.

Todos somos tentados! Jesus foi tentado mas não pecou. As tentações não são pecado! Todos temos a tentação do egoísmo, da riqueza, do poder, da fama, do prazer, da indiferença, do desespero, da falta de confiança em Deus! Tantas vezes falhamos na solidariedade, na justiça, no serviço aos outros! Em todas as tentações há o perigo de nelas cairmos, mas também são boas ocasiões de amadurecimento, de redescobrir o verdadeiro sentido da vida, são oportunidades para crescermos na fé e na entrega das nossas vidas a Deus.

Ano C - Tempo da Quaresma - 1º Domingo - Boletim Dominical

 

Violência doméstica com números elevados em Portugal

Se souber de casos, denuncie

Só em 2019, já temos diversos casos de violência doméstica, cada vez existem mais diariamente, nas mais diversas índoles, face a isso, o luto nacional pelas vítimas da violência doméstica, foi assim assinalado por todo País.

Face a isso, deixamos aqui algumas dicas no caso de conhecer casos de violência doméstica, e não ter receio de denunciar, porque isso pode salvar vidas.

Quando alguém é vítima de violência, está numa situação difícil, que pode ser traumática. É importante o apoio de familiares e amigos.

Uma pessoa é vítima de violência quando sofre um ataque contra a sua integridade física ou mental, que põe em risco a sua vida ou causa sofrimento físico ou emocional.

Podem ainda ser consideradas vítimas indiretas os familiares e amigos que prestam apoio direto à vítima e todas as pessoas que a ajudem durante a situação de violência.

Existem diversos tipos :

  • violência emocional: qualquer comportamento do(a) companheiro(a) que visa fazer o outro sentir medo ou inútil. Usualmente inclui comportamentos como: ameaçar os filhos; magoar os animais de estimação; humilhar o outro na presença de amigos, familiares ou em público, entre outros.
  • violência social: qualquer comportamento que intenta controlar a vida social do(a) companheiro(a), através de, por exemplo, impedir que este(a) visite familiares ou amigos, cortar o telefone ou controlar as chamadas e as contas telefónicas, trancar o outro em casa.
  • violência física: qualquer forma de violência física que um agressor(a) inflige ao companheiro(a). Pode traduzir-se em comportamentos como: esmurrar, pontapear, estrangular, queimar, induzir ou impedir que o(a) companheiro(a) obtenha medicação ou tratamentos.

A violência doméstica funciona como um sistema circular – o chamado Ciclo da Violência Doméstica – que apresenta, regra geral, três fases:

1. aumento de tensão: as tensões acumuladas no quotidiano, as injúrias e as ameaças tecidas pelo agressor, criam, na vítima, uma sensação de perigo eminente.

2. ataque violento: o agressor maltrata física e psicológicamente a vítima; estes maus-tratos tendem a escalar na sua frequência e intensidade.

3. lua-de-mel: o agressor envolve agora a vítima de carinho e atenções, desculpando-se pelas agressões e prometendo mudar (nunca mais voltará a exercer violência).

Sintomas de vítima de Violência Doméstica:

  • Tem medo do temperamento do seu namorado ou da sua namorada?
  • Tem medo da reação dele(a) quando não têm a mesma opinião?
  • Ele(a) constantemente ignora os seus sentimentos?
  • Goza com as coisas que lhe diz?
  • Procura ridicularizá-lo(a) ou fazê-lo(a) sentir-se mal em frente dos seus amigos ou de outras pessoas?
  • Alguma vez ele(a) ameaçou agredi-lo(a)?
  • Alguma vez ele(a) lhe bateu, deu um pontapé, empurrou ou lhe atirou com algum objeto?
  • Não pode estar com os seus amigos e com a sua família porque ele(a) tem ciúmes?
  • Alguma vez foi forçado(a) a ter relações sexuais?
  • Tem medo de dizer “não” quando não quer ter relações sexuais?
  • É forçado(a) a justificar tudo o que faz?
  • Ele(a) está constantemente a ameaçar revelar o vosso relacionamento?
  • Já foi acusado(a) injustamente de estar envolvida ou ter relações sexuais com outras pessoas?
  • Sempre que quer sair tem que lhe pedir autorização?

7 Maravilhas Doces de Portugal, prazo até 17 de março

Devido ao elevado número de candidaturas de todo o país, que estão neste momento a ser submetidas na plataforma online, para a eleição das 7 Maravilhas Doces de Portugal®, o prazo acaba de ser prolongado até 17 de março, à meia noite. Pela primeira vez é possível incluir 7 candidatos numa só proposta de candidatura.

As categorias a concurso são: Doces de Território, Bolo de Pastelaria, Doce de Colher e Doce à Fatia, Biscoitos e Bolos Secos, Doces Festivos, Doces de Fruta e Mel e Doces de Inovação. A grande aposta deste ano é na Inovação à base de produtos endógenos, incentivando ao empreendedorismo local. A tradição, a importância económica, social e cultural dos doces são também critérios preponderantes.

A oitava edição das 7 Maravilhas em Portugal® volta a reinventar-se e este ano os candidatos são votados por cada um dos 18 distrito e duas regiões autónomas, com 20 programas de daytime em direto a realizar nos meses de julho e agosto. Haverá nesta fase 7 candidatos por distrito e regiões autónomas, num total de 140 doces candidatos, sendo que de cada programa na RTP sai um pré-finalista que passa às semifinais.

Uma novidade desta edição é a existência de um Grande Júri, órgão de deliberação constituído por 7 figuras do espaço mediático, que será responsável pela da repescagem de 8 candidatos que se irão juntar aos 20 pré-finalistas.

Os 28 pré-finalistas são divididos por sorteio pelas duas semifinais, nos dias 24 e 31 de agosto, dois programas em direto na RTP1, transmitidos em horário nobre. Em cada semifinal são apurados os 7 doces, aqueles que tenham mais votos contabilizados. Nesta fase os 7 elementos do Grande Júri assumem grande preponderância, comentando e provando os Doces.

A Gala Finalíssima decorre a 7 de setembro de 2019 e será transmitida pela RTP1, em horário nobre. Dos 14 finalistas apurados vão ser eleitos 7 doces pelos portugueses como 7 Maravilhas de Portugal®.

Sobre as 7 Maravilhas®

A eleição das 7 Maravilhas Doces de Portugal® é a oitava edição realizada desde 2007, com concursos que têm por tema os grandes valores da Identidade Nacional:

7 Maravilhas de Portugal (Património Histórico), em 2007

7 Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo (Património Histórico), em 2009

7 Maravilhas Naturais de Portugal, em 2010

7 Maravilhas da Gastronomia, em 2011

7 Maravilhas – Praias de Portugal, em 2012

7 Maravilhas de Portugal – Aldeias, em 2017

7 Maravilhas à Mesa, em 2018

O Conselho Científico é um órgão constituído para apoiar a Organização do Concurso na elaboração do regulamento, na verificação das candidaturas e nas tomadas de decisão, tendo o objetivo de libertar a Organização de quaisquer tomadas de posição face aos candidatos a concurso, assegurando por isso, a máxima idoneidade, independência e equidistância do processo. As 7 Maravilhas Doces de Portugal® contam com os seguintes membros no Conselho Científico:

ACPP – Associação Cozinheiros Profissionais de Portugal;

AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal;

APN – Associação Portuguesa de Nutrição;

FPCG – Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas;

Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural;

RIPTUR – Rede de Instituições Públicas do Ensino Superior com Cursos na área do Turismo;

Turismo de Portugal – Escolas.

GNR- Operação “Carnaval 2019” – Balanço

A Guarda Nacional Republicana, entre os dias 1 e 5 de março, realizou uma operação de intensificação do patrulhamento e fiscalização rodoviária em todo o Continente, a qual foi orientada para as vias que conduziam aos locais onde tradicionalmente ocorrem festividades carnavalescas, com o objetivo de combater a sinistralidade rodoviária, regular o trânsito e garantir o apoio a todos os utentes das vias, proporcionando-lhes uma deslocação em segurança.

Durante esta operação a GNR fiscalizou 24 464 condutores tendo detendo 818 condutores com excesso de álcool, dos quais 238 foram detidos por possuírem uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 1,2 g/l, sendo ainda detidos 62 condutores por falta de habilitação legal para conduzir.

No mesmo período, a GNR registou 6 485 infrações, das quais se destacam:

·         1 623 por excesso de velocidade;

·         373 por falta de inspeção periódica;

·         291 por anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização;

·         237 por utilização indevida do telemóvel durante a condução;

·         230 por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças;

·         183 por falta de seguro de responsabilidade civil obrigatório;

·         72 por anomalias nos pneus.

 

No que diz respeito à sinistralidade rodoviária, a GNR, na sua área de responsabilidade, registou:

·         964 acidentes;

·         Cinco mortos, dos quais:

o   Três condutores resultantes de despistes (dois motociclos e um veículo ligeiro de mercadorias);

o   Um condutor de um veículo ligeiro de passageiros, devido a uma colisão;

o   Um peão (atropelamento).

·         30 feridos graves;

·         326 feridos leves.

IA Sub-17-AF Guarda vence AF Beja na ronda final

Neste período de Carnaval, Associação de Futebol de Coimbra organiza, com a égide da FPF, neste período de Carnaval, o Torneio Interassociações de futsal feminino sub-17, com a Seleção da Guarda a vencer na derradeira prova, diante de Beja por 9-4.

Nas restantes partidas, Portalegre 0-5 Guarda; Guarda 2-0 Santarém

Já Viseu 2-5 Coimbra; Castelo Branco 0-1 Viseu; Viseu 3-9 Madeira; Algarve 4-1 Viseu

GNR- Detido por violência doméstica em Aguiar da Beira

Aguiar da Beira – Detido por violência doméstica

O Comando Territorial da Guarda, através do Núcleo de Investigação e de Apoio a Vítimas Específicas (NIAVE), ontem, dia 26 de fevereiro, deteve um homem com 58 anos, por violência doméstica, no concelho de Aguiar da Beira.

No âmbito de um processo de violência doméstica, que decorria há dois dias, em que o suspeito agredia física e psicologicamente a sua esposa, de 65 anos, os militares deram cumprimento a um mandado de detenção e realizaram três buscas, das quais uma busca domiciliária, uma num armazém agrícola e uma busca em viatura, tendo resultado na apreensão do seguinte material:

·         Sete facas de fabrico artesanal;

·         Cinco virotões;

·         Quatro miras telescópicas;

·         Quatro punhais;

·         Três facas de arremesso;

·         Duas armas de ar comprimido;

·         Um arco;

·         Uma faca de abertura automática;

·         12 detonadores pirotécnicos;

·         2,5 quilos de pólvora negra;

·         Um frasco com cerca de 600 gramas de pólvora de caça grafitada;

·         Duas velas de gelamonite;

·         23 metros de cordão detonante;

·         Seis metros de cordão lento.

O detido, ficou nas instalações da GNR e foi presente a primeiro interrogatório judicial no Tribunal Judicial da  Comarca de Trancoso.

Avisos e liturgia do 7º Domingo Comum (Ano C)

Ao falarmos da “novidade do Cristianismo” ocorre-nos à mente tanto a “novidade da vida” – que recebemos no Baptismo e faz de nós uma nova criatura – como um “novo “agir” que se caracteriza pelo amor e deriva da autoridade do Baptismo. Nas leituras deste Domingo vem ao de cima a proclamação do amor aos inimigos como sinal distintivo do cristão. Este amor tão difícil, porque tão contrário às inclinações espontâneas do coração humano ferido pelo pecado, já tem as raízes na revelação do Antigo Testamento. É certo que o amor do próximo, exigido pelo Antigo Testamento, restringe-se ao povo de Israel e aos estrangeiros no meio dele. Mas não pode fechar-se dentro do círculo dos amigos. Tem de abrir-se ao próximo, seja ele quem for. Mais ainda, tem de ser um amor ao próprio inimigo a quem se deve ajudar, perdoar e alimentar, como ensinam os profetas e alguns livros sapienciais. Nas Leituras deste Domingo, vemos claramente a evolução da exigência do amor aos inimigos do Antigo para o Novo Testamento. Lemos em Tobias: “Não faças aos outros o que não queres que te façam a ti” (Tob 4, 15). Lemos no Evangelho de hoje: “Faz aos outros o que desejarias que eles te fizessem”.

Na 1ª Leitura do primeiro Livro de Samuel deparamos não só com uma exortação ao amor dos inimigos, mas também com um exemplo flagrante e emocionante deste amor. Saul, roído de inveja, põe-se a caminho com um exército, para se vingar de David, cujos sucessos e simpatia, junto do povo, ele não consegue aceitar. David parte ao encontro de Saul com o seu lugar – tenente Abisaí. Proporciona-se a David uma magnífica ocasião para linchar o seu adversário. A tentação de Abisaí, para cometer o crime, é forte e quase irresistível. David, porém, possuído do temor de Deus, resiste à tentação com a valentia e a nobreza de um espírito superior. Vence a violência, o rancor, o ódio e a vingança, perdoando ao seu inimigo e poupando-lhe a vida. Arrebata-lhe a espada, mas não lhe decepa a cabeça. Apodera-se do seu cantil, mas não lhe derrama o sangue.

24-02-2019

Jesus, no evangelho de hoje, vai mais longe não se contentando com um amor – perdão, mas propondo um amor – misericórdia. O amor – perdão consiste em deixar de fazer o mal ao inimigo que nos ofende. O amor – misericórdia lança-nos dentro do coração do próprio inimigo, para lhe dar o nosso amor. O amor – perdão diz-nos para não pagar o mal com o mal. O amor – misericórdia impele-nos a pagar o mal com o bem. Por isso, o Senhor enumera uma série de atitudes próprias do amor aos inimigos, que devem ser o distintivo da novidade da vida do cristão. Quando um inimigo nos odeia devemos amá-lo, procurando fazer-lhe o bem. Quando nos amaldiçoa, devemos dizer bem dele ou, ao menos, rezar por ele. A oração sincera pelos inimigos é já uma forma positiva e eficaz de os amar. Quando nos bate e nos rouba, devemos socorrê-lo e ajudá-lo. E porquê? Porque amar a quem nos ama, fazer bem a quem nos faz bem, emprestar a quem nos empresta, também o fazem os pagãos e os pecadores. Não é preciso ser cristão para amar assim. O discípulo de Cristo tem de amar, fazer bem e emprestar sem esperar nenhuma recompensa. É assim que seremos semelhantes a Deus, que faz todo o bem tanto aos justos como aos injustos. É assim o amor – misericórdia. Jesus, em São Mateus, diz-nos: “Sede perfeitos como é perfeito o vosso Pai que está nos céus”. Mas diz-nos em São Lucas: “Sede misericordiosos como o vosso Pai é misericordioso”. O motivo é o mesmo: para serdes filhos do Pai; para serdes filhos do Altíssimo, que o mesmo é dizer: para serdes cristãos. O amor aos inimigos, que o Senhor nos propõe, não é só um amor – perdão, mas um amor – misericórdia. Não basta não julgar para não ser julgado; não basta não condenar para não ser condenado; não basta perdoar para ser perdoado; é preciso amar com o dom do nosso próprio coração.

Na 2ª Leitura, São Paulo diz-nos que nos devemos comportar não à imagem do primeiro Adão, que é terreno e feito do pó e só entende o amor natural, ou seja, o amor que espera recompensa. Devemos amar como Cristo, o último Adão, que é espiritual e vem do céu. O Seu amor é como o do Pai, “cheio de misericórdia”. A novidade do Cristianismo é “amar como Jesus amou”.

Ano C - Tempo Comum - 7º Domingo - Boletim Dominical

Resultados do Campeonato da 1ªDivisão Distrital AF Guarda

JORNADA 19

Os Vilanovenses- Fornos de Algodres-1-0

Vilar Formoso- Manteigas-1-3

SC Celoricense – Trancoso-1-1

AD São Romão- SC Sabugal 1-2

Ginásio Figueirense- CD Gouveia-2-1

Aguiar da Beira- Vila Cortez- 2-1

Desportiva do Soito- Estrela Almeida-2-0

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar