Templates by BIGtheme NET
Home » Saúde » Sanatório Sousa Martins classificado como conjunto de interesse público

Sanatório Sousa Martins classificado como conjunto de interesse público

O antigo Sanatório Sousa Martins foi classificado
como conjunto de interesse público

A classificação foi hoje publicada
através portaria em Diário da República, assinada pelo secretário de
Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier. O conjunto classificado está
localizado no Parque da Saúde, área que já se encontra protegida.

O
texto que sustenta a classificação refere que o antigo Sanatório Sousa
Martins, projectado no início do século XX por Raul Lino «foi a primeira
instituição criada de raiz para a assistência a doentes com
tuberculose, tendo -se constituído como um complexo hospitalar de
referência nas áreas social, científica e arquitetónica», realçando que
«o clima favoreceria a cura de doenças respiratórias graves». O
sanatório, ampliado entre 1950 e 1955, insere -se «num extenso parque
concebido de acordo com o gosto romântico e revivalista da época, onde
se distribuem espaços exuberantemente ajardinados, lagos, fontes, grutas
e recantos pitorescos.
Entre os edifícios principais, exemplos
dgrande qualidade de arquitetura do ferro, destacam -se, pela sua
autenticidade, o pavilhão D. Amélia e, particularmente, o pavilhão D.
António de Lencastre, verdadeiro ex -libris do conjunto».
A
classificação destaca ainda que «os quartos possuem amplas varandas ou
“galerias de cura”, com boa exposição solar, e ainda instalações
sociais, cozinha, sala de jantar e consultório, contando ainda o
pavilhão de primeira classe com jardim de inverno, biblioteca, barbeiro e
dentista». A estes pavilhões juntam -se os edifícios da administração,
farmácia, laboratório, posto de radiologia, capela neo -gótica, chalets,
pombal e lavandaria. O texto justifica que a classificação do Antigo
Sanatório «reflecte os critérios relativos ao caráter matricial do bem,
ao génio do respetivo criador, ao seu interesse como testemunho notável
de vivências ou factos históricos, ao seu valor estético, técnico e
material intrínseco, à sua conceção arquitetónica, urbanística e
paisagística, à sua extensão e ao que nela se reflete do ponto de vista
da memória coletiva, e às circunstâncias suscetíveis de acarretarem
diminuição ou perda da perenidade ou da integridade do bem».
fonte:Terras da Beira

Enviar Comentário

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar