Templates by BIGtheme NET
Home » Cultura » Conversa com o Prof. Jorge Margarido

Conversa com o Prof. Jorge Margarido

11705064_113941132280264_6118991805630456554_nNo âmbito do lançamento do seu livro “Toleimas e Paranoias nos Arrabaldes da Sé” fomos conversar com o Prof. Jorge Margarido.

Magazine Serrano – O que o levou a escrever livros?

Jorge Margarido – A leitura. Recordo-me de ter de esconder livros por debaixo da almofada ou do sofá, porque a minha mãe, preocupada com os meus olhos, me proibia de ler. Aquando da leitura itinerante da Gulbenkian, apesar de as regras ditarem que cada leitor pudesse vir a requisitar, no máximo, três livros, se acordou, em regime de exceção, que eu pudesse requisitar entre dezoito a vinte e cinco livros por mês. Lia-os todos e disso fazia prova para poder requisitar outros tantos, no mês seguinte, inquirido pela argúcia literária do dinamizador da biblioteca. Mais tarde, no ensino secundário, redigia textos para mim e para outros três colegas, nos testes de avaliação sumativa, às escondidas da professora… Recordo-me da deceção quando algum dos textos destes meus colegas alcançava uma nota superior à do meu, e, pior do que isso, era lido em voz alta como exemplo para os demais, nos quais me incluía. A professora de então disse-me, um dia, que no futuro exerceria a profissão que pretendesse, qualquer que fosse, mas que haveria uma que jamais conseguiria iludir: a de escritor… Pois não o sou, mas gostava… Que me dá um prazer imenso escrever, isso dá! Escrevia para os amigos e oferecia-lhes textos por ocasião dos seus aniversários. Foram estes e a família quem me levou a contactar uma editora… E acabei por assinar um contrato…

MS – O porquê deste tema nesta edição?

JM – Apesar de ser a segunda publicação, na realidade não é a segunda obra escrita e publicada. Esta foi escrita em 2011 e baseia-se numa das minhas obsessões de jovem: a de observar e valorizar as pessoas simples que pululavam a Guarda com as suas riquíssimas histórias de vida… Os sem-abrigo, os “tolos” que deambulavam pela cidade que juntei num enredo armado para as minhas filhas, no dia do seu aniversário (ambas fazem anos a 4 de junho). É um livro muito fácil e de fácil compreensão, que vale, segundo dizem, por isso mesmo: pelo enredo. O anterior, em meu nome, “Uma Lâmpada de Flores Secas”, é um ensaio, uma introspeção que intima a uma leitura mais calma, mais lenta… Consta que agrada a quem não desiste da leitura… Este último, “Toleimas e Paranoias nos Arrabaldes da Sé” vale, sobretudo, pela teia de relações entre as personagens… Quem leu, gostou… Não sei… Há quem diga que se trata de um testemunho onde se assinala o ensaio de um estilo de escrita depurado na “Lâmpada de Flores Secas”… Não sei… Há quem veja intenções para além das palavras…

 MS- Outras publicações já fez, fale-nos um pouco desse trabalho.

14706839_1115385818509224_551409716303615041_oJM – Se tivesse de aconselhar uma obra para uma leitura introspetiva mais intimista, aconselharia “Uma Lâmpada de Flores Secas”. Há outras, mas penso que esta regista, com algum rigor, as características evidentes da minha escrita, que não se consumam (longe disso) no agrado de um leitor específico; é, tão-só, uma questão de autossatisfação… Dá-me imenso prazer escrever! Este é o princípio e o fim da minha ambição. Não tenho “um estilo”… Antes tivesse… Assim, seria “escritor”! Não. Escrevo apenas porque gosto.

MS- No futuro, prevê outras publicações?

JM – Sim… O próximo está escrito e intitula-se “Seis vezes alfa”. Uma história que se repete em seis capítulos, ao longo de dois milénios, sem que a providência a consiga alterar ou a vontade humana a consiga corrigir… Se “Toleimas e Paranoias nos Arrabaldes da Sé” se trata de uma história; “Uma Lâmpada de Flores Secas” é um livro… Já “Seis vezes alfa” será, caso alguma editora se interessar, “o livro”! Não o “livro” de sucesso regulamentado pelas não sei quantas mil vendas no país… Será o “meu” livro, pelo prazer que me deu escrevê-lo.

MS- Como se cativam pessoas para a leitura?

JM – Com o exemplo.

Reportagem de Sofia Pacheco

Enviar Comentário

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar