Templates by BIGtheme NET
Início » Aguiar da Beira » Avisos e Liturgia do 18ºDomingo Comum (Ano C)

Avisos e Liturgia do 18ºDomingo Comum (Ano C)

Vivemos num mundo onde a economia é a primeira preocupação. Falam-nos constantemente de economia. Na sociedade, reina a palavra “crise” que veio depois de uns anos de prosperidade. Hoje, a gestão do dinheiro e o controlo da banca fazem com que nem em todas as partes do mundo se viva ao mesmo ritmo e, dentro de cada país, há aqueles que nunca saem da crise. Bem sabemos que cada período de prosperidade é acompanhado de negócios obscuros, acabando em processos nos tribunais. As vítimas são sempre as pessoas simples que, tantas vezes, foram enganadas. Para nossa admiração e surpresa, os autores destas jogadas financeiras saem, na maior parte das vezes, inocentes e sem pena para cumprir!

Jesus não apresenta um plano económico. O texto do evangelho diz-nos que alguém procura que Jesus tome partido numa situação de partilhas entre irmãos que não terá corrido bem: “Mestre, diz a meu irmão que reparta a herança comigo”. E Jesus deixa bem claro que não veio para ser mediador, nem tem um plano económico para oferecer, aconselhando os presentes: “Vede bem, guardai-vos de toda a avareza; a vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens”.

04-08-2019

Vivemos indignados pela crise: quem entra no jogo financeiro obscuro e desleal esmaga os honestos, os simples e os indefesos. Como se enganaram tantas pessoas com a ilusão do enriquecimento rápido! Tantas pessoas sofrem, porque, iludidos e enganados, perderam tudo. Os ricos são cada vez mais ricos e os pobres são cada vez mais pobres. Aqueles que entraram no jogo “sujo” financeiro tornaram-se ainda mais poderosos. Que grande é a distância entre eles e aqueles que perderam tudo nesta história.

Perante esta realidade, o que fazer? Jesus convida-nos a uma renovação profunda, porque a nossa indignação perante a crise pode trazer o mal e o espírito de vingança aos nossos corações. É necessário, portanto, entrar num processo de renovação que vá mais além das resoluções dos tribunais, que são imprescindíveis, colocando-nos num caminho de uma nova vida. É muito importante relativizar tudo o que se refere ao mundo do dinheiro. Na primeira leitura do livro do Coelet, é dito: “Vaidade das vaidades: tudo é vaidade. Que aproveita ao homem todo o seu trabalho? Todos os seus dias são cheios de dores e os seus trabalhos cheios de cuidados e preocupações; e nem de noite o seu coração descansa. Quem trabalhou com sabedoria, ciência e êxito, tem de deixar tudo a outro que nada fez”. No evangelho, através de uma parábola, Jesus ensina-nos a encontrar o verdadeiro valor das coisas deste mundo. Perante uma excelente colheita, o homem rico pensou em gozar a vida: “descansa, come, bebe, regala-te”. Mal sabia que naquela noite iria morrer. Por isso, Jesus afirma: “guardai-vos de toda a avareza: a vida de uma pessoa não depende da abundância dos seus bens”. Na segunda leitura, São Paulo reforça estas palavras de Jesus, dizendo: “fazei morrer o que em vós é terreno: imoralidade, impureza, paixões, maus desejos e avareza”. Nunca fecharmo-nos em nós próprios, nunca juntarmo-nos aos poderosos por interesse, nunca pensar em ficar com os bons e justos com o pretexto de segurança. Apesar de tudo, Jesus sempre disse que Deus ama este mundo, apesar de tudo o que nele existe e nunca alimentou divisões.

Jesus não condena o dinheiro. Ele convida-nos a não ser escravos do “ter”, mas a colocar-nos ao lado dos que têm pouco ou nada têm; a não ser escravos do “poder”, mas a praticar a partilha; a não ser escravos do “parecer”, porque as falsas aparências não levam ao reino dos Céus. É muito mais importante ser rico aos olhos de Deus.

http://www.liturgia.diocesedeviseu.pt/

Ano C - Tempo Comum - 18º Domingo - Boletim Dominical

Enviar Comentário

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar