Templates by BIGtheme NET
Home » Tag Archives: cultura

Tag Archives: cultura

Protocolo de geminação cultural onde figura Pinhel

O Município de Pinhel  foi o  representante de Portugal na geminação cultural ao abrigo do programa Erasmus 2020 – Europe for Citizens (Europa para os Cidadãos), que contou com representações da Hungria, da Alemanha, da Eslováquia, da Grécia, de Itália e de Espanha.

Foi assinado na passada sexta-feira, em Padrón (Santiago de Compostela / Espanha), o protocolo que oficializa esta nova geminação cultural. Em representação do Município de Pinhel esteve a Vice-Presidente da Câmara Municipal, Daniela Capelo.

Salienta-se, que a intenção desta iniciativa conjunta é desenvolver projetos de mobilidade destinados a jovens e a seniores, assim como a funcionários públicos, tendo por base a partilha de experiências, de conhecimentos e de boas práticas enquanto cidadãos europeus.

Por:MP

Espetáculo da Rede ARTÉRIA estreia 30 de junho

Estreia na Guarda a 7 de julho
A estreia do primeiro espetáculo da Rede ARTÉRIA — um projeto de intervenção sócio-cultural que articula produção de conhecimento científico, com participação da comunidade e criação artística —  junta episódios e estilhaços das vidas, públicas e privadas, reais e imaginadas, que o património da Rua da Sofia e zona envolvente alberga, albergou ou poderá albergar.
Sofia, Meu Amor!  é o primeiro espetáculo da Rede ARTÉRIA e vai ser apresentado em Coimbra, em sessões únicas, nos dias 30 de junho (sábado, 18h) e 1 de julho (domingo, 15h e 18h30). É uma criação da Trincheira Teatro, apresentada em percurso na Rua da Sofia e zona envolvente, com entrada livre sujeita a reserva obrigatória, devido a limitações da lotação, para o número 919 612 123.

A Rede ARTÉRIA é um projeto de intervenção sócio-cultural, com coordenação artística do Teatrão e académica do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, que combina produção de conhecimento científico, participação da comunidade e criação artística. Durante dois anos, o Artéria, cofinanciado pelo Centro 2020 – Programa Operacional Regional do Centro. vai criar e fazer circular espetáculos em oito concelhos da Região Centro – Belmonte, Coimbra, Figueira da Foz, Fundão, Guarda, Ourém, Tábua e Viseu. A Rede junta artistas convidados a trabalhar nos contextos de cada um desses locais com os municípios, instituições académicas, agentes e estruturas sociais / culturais.

Uma das formas de intervenção prevista, são projetos cujos epicentros são os centros urbanos de matriz histórica, determinados pela importância do património edificado que  contêm e nos quais se cruzam várias dimensões temporais, nomeadamente a possibilidade de encontro da memória local com a necessidade de injetar modernidade no património e de o assumir e viver no  tempo presente.

A Rua da Sofia, classificada pela UNESCO como Património Mundial no conjunto Universidade de Coimbra, Alta e Sofia foi o espaço escolhido para a intervenção no concelho de Coimbra, com o desafio de procurar uma nova relação entre os habitantes/ utilizadores deste espaço e através da sua  participação no ARTÉRIA procurar que ajam em sua defesa, o valorizem e com isso melhorem a relação de autoestima.

A Rede Artéria começou o seu trabalho em Coimbra em 2016, com a realização de workshops, onde se efetuou a representação de tudo o que opera quotidianamente na Rua da Sofia, num mapeamento que envolveu habitantes, lojistas, associações e institutos.  A intenção foi envolver ativamente toda a comunidade na construção posterior da intervenção artística que agora estreia. Com metodologias das ciências sociais, o trabalho desenvolvido partiu, numa primeira fase, de uma dinâmica em que a comunidade partilhou acontecimentos, personalidades, estórias inscrevendo-os em duas  linhas: passado e presente da Rua. Numa segunda fase, trabalhou-se sobre como projetar a linha do futuro, estimulando o conhecimento sobre a história da Rua, o património, identificando o que cada um conhecia ou não.

A posterior conceção, montagem e apresentação do espetáculo de dramaturgia original,  a criar a partir dos materiais recolhidos nestas sessões de trabalho, foi entregue à Trincheira – Associação Cultural e Recreativa, formada em 2014 por um grupo de profissionais de Teatro e Educação. E, desde novembro, mudados para a Rua da Sofia, aos elementos da Trincheira, juntaram-se outros artistas profissionais, do teatro e outras áreas. O apelo à comunidade local teve vários graus de participação, desde o apoio à criação, através da colaboração nos processos de trabalho, ao apoio à produção, e ainda a possibilidade de integração no elenco do espetáculo.

Sofia, Meu Amor! tem direção de Pedro Lamas e João Paiva, dramaturgia original de Jorge Palinhos, cenografia e figurinos de Filipa Malva. Aos atores da Trincheira juntam-se elementos das Classes de Teatro do Teatrão e do Curso de Artes do Espetáculo do Colégio São Teotónio.

 

Alcafache vencedora das Marchas Populares em Mangualde

Depois de uma noite intensa com o calor a manter-se ao longo do desfile, estiveram sete marchas a concurso, perante uma plateia a rondar os dois milhares de pessoas pelas estimativas da organização.

A Marcha de Alcafache foi a grande vencedora da noite, outras marchas foram distinguidas nas diversas categorias.

Desfilaram no eixo central da cidade, terminando no largo junto à central de camionagem.

Participaram Santiago Cassurrães, Alcafache, Espinho, Quintela de Azurara, Abrunhosa – a – Velha, Mesquitela/Mourilhe e AMA (Associação Mangualde Azurara).

Esta uma organização do Município de Mangualde.

Peça teatral “Os Mentirosos”em Penalva do Castelo

A vila de Penalva do Castelo recebeu, na noite de 14 de abril, a peça teatral “Os Mentirosos” de Pedro Ventura Cabral – uma encenação do Teatro Olimpo, de Ansião, interpretado pelos atores Ricardo Vinagre e Casimiro Simões.

Os presentes encheram a sala multiusos da Loja de Cidadão, onde a alegria, boa disposição e risos foram uma constante. A comédia satiriza a importância da mentira na manutenção da paz social e do normal funcionamento da sociedade… Trata-se afinal de contas de uma sucessão de peripécias provocadas por algumas mentiras, aquelas pequenas mentiras, aparentemente inofensivas, que marcam o nosso dia-a-dia, sem causar estragos…

Por:Mun.PC

3º Encontro de Poesia em Pinhel

No próximo sábado, dia 24 de março, o Movimento Poético de Pinhel promove o seu 3º Encontro de Poesia.
A iniciativa vai ter lugar na Casa da Cultura, durante o período da manhã, prosseguindo com uma visita a Alverca da Beira no período da tarde.
De referir que este, 3º Encontro visa assinalar a comemoração internacional da Poesia, da Primavera e da Árvore, celebrando igualmente o 3º aniversário do Movimento Poético.
Este ano, a iniciativa integra ainda uma homenagem ao poeta Joaquim Maia Gabriel, que viveu em Alverca da Beira.

Guarda é candidata a Capital Europeia da Cultura 2027

A Guarda é candidata a Capital Europeia da Cultura 2027. O primeiro passo foi dado esta semana com a apresentação do grupo de trabalho que irá laborar na candidatura, coordenado por José Amaral Lopes. Esta candidatura que se pretende ser agregadora de vontades tem à sua frente um caminho que se adivinha «tão difícil, quanto estimulante». Para o presidente da Câmara da Guarda, Álvaro Amaro,trata-se de «uma candidatura de um território, de uma cidade transnacional e transfronteiriça e não da Guarda isoladamente».

Por:MG

Moita Flores apresentou o seu livro em Trancoso

Semana de Leitura em Trancoso

Foi apresentado, na tarde desta sexta-feira, em Trancoso, o novo livro de Francisco Moita Flores “Mataram o Sidónio”, inserido na Semana de Leitura, que relata o assassínio do Presidente da República Sidónio Pais, ocorrido em 1918.

Fundamentado em documentos da época, o escritor reconstrói o homicídio do Presidente-Rei, utilizando as técnicas forenses e que, de certa forma, continuam a ser reproduzidas em séries televisivas de grande divulgação sobre as virtualidades da polícia científica.

Nesta apresentação estiveram presentes alunos e docentes do Agrupamento de Escolas de Trancoso.

Francisco Moita Flores, ao apresentar o seu livro, referiu não só alguns momentos importantes da sua vida que serviram de motivação para a escrita, como também abordou a importância da leitura e da escrita, citando ao longo do seu discurso frases relacionadas com o ato de ler, de forma a incentivar os alunos presentes no auditório.

Por:Mun.Trancoso

Livro “Mangualde desde o pós-Segunda Guerra Mundial (1953-2015). Estado Novo, Democracia e Integração Europeia”,apresentado

Foi lançado neste sábado, dia 3 de fevereiro, o livro “Mangualde desde o pós-Segunda Guerra Mundial (1953-2015). Estado Novo, Democracia e Integração Europeia”, uma obra de João Paulo Avelãs Nunes e Marcos Branco com coordenação de António Tavares. A sessão decorreu a meio da manhã, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Mangualde, e contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Mangualde, João Azevedo, dos autores João Paulo Avelãs Nunes e Marcos Branco e do coordenador António Tavares.

 A obra é uma monografia historiográfica que pretende contribuir para um melhor conhecimento e para uma compreensão acrescida da evolução de Mangualde – localidade, concelho e região – nas últimas décadas do século XX até aos nossos dias. Trata-se de uma proposta que visa reconstituir e interpretar a história recente de Mangualde que interesse a diversos públicos, mas sem ignorar as exigências da historiografia que predomina na atualidade nos países com regimes democráticos ou demoliberais abertos.

A obra é, por isso, um ensaio historiográfico acerca do tempo presente e é, também, uma forma de comemorar e celebrar Mangualde. É editada pela Câmara Municipal de Mangualde e pela ArqueoHoje.

Por:MM

Gentes do Alto Mondego com Maestro Jan Cober visitaram Fábrica de Instrumentos na Holanda

No âmbito do projeto do Alto Mondego-Rede Cultural, que envolve os Municípios de Nelas, Mangualde, Fornos de Algodres e Gouveia, representantes dos quatros municípios, autarcas, técnicos e alguns maestros representantes das Filarmónicas, juntamente com Jan Cober visitaram a Holanda.

Para além de ouvir a orquestra a entoar alguns temas, visitaram a fábrica de instrumentos , com a possibilidade de aprender sempre algo no que toca a esta área musical.

Assim desta forma este projeto foi elaborado em várias vertentes da cultura, sendo a primeira a parte da música.

Foto:JL

“Sábados de manhã” na Biblioteca em Penalva

A Biblioteca Municipal de Penalva do Castelo apresenta um cartaz cultural para os sábados de manhã .

No primeiro “Sábados na Biblioteca“ de janeiro, celebram o “Dia dos Reis”, com uma narrativa em que os Reis do Oriente serão protagonistas! “Mais depressa Reis Magos, mais depressa”, é um dos contos que integra «O cavalinho de pau do Menino Jesus», um livro escrito por Manuel António Pina, que nos dá a conhecer o percurso dos três (atrasados) Reis Magos desde a Arábia até Belém.

» No dia 13 de janeiro, viajam pelo mundo mágico de “Os Segredos dos Dragões”, escrito por António Mota. Neste livro, o autor apresenta-nos um homem que vivia com os seus dois filhos, por sinal nada parecidos, o mais velho dos quais tinha nascido cego. Um dia, sentindo que os seus dias de vida estavam a terminar, o pai pediu ao filho mais novo para nunca abandonar o irmão cego e para repartir com ele tudo o que tinha amealhado ao longo da vida. No entanto, poucos dias depois do pai ter partido, o filho mais novo acordou a pensar de forma diferente! E arquitetou um plano para se ver livre do irmão cego, e assim ficar com todos os bens… só não contou com os dragões…

» Já no terceiro sábado é “Max e Achebiche, uma história muito fixe”, também da autoria de António Mota. Este livro pertence à coleção Gramofone, que tem como objetivo aliar o prazer de ler bons textos à aprendizagem divertida de regras de gramática e fonética. Neste volume da coleção, a história situa-se numa sala de aula, onde Max passou os últimos quatro anos da sua vida …

» No quarto  sábado de janeiro, apresentam um livro que no seu interior “tem ratos, gatos, monstros, bruxas, corujas, palhaços com alergias, moleiros sem farinha, uma avó bem penteada, balões, estrelas, muita ventania e uma grande vontade de ajudar!”. Intitula-se “Acho Que Posso Ajudar”, foi escrito por David Machado e ilustrado por Mafalda Milhões.

Por:BMPC

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Ao continuar a utilizar o site, você concorda com a utilização de cookies. Mais Informação

As definições de cookies neste site são definidas como "permitir cookies" para lhe dar a melhor experiência de navegação possível. Se você continuar a usar este site sem alterar suas configurações de cookies ou clicar em "Aceitar" abaixo, em seguida, você concorda com isso.

Fechar