Templates by BIGtheme NET
Início » Author Archives: cprimavera

Author Archives: cprimavera

AF Viseu –Campeonato da Divisão de Honra   6ªjornada

Grupo Norte

Nespereira FC – SC Lamego-3-2

CD Cinfães – Paivense-0-1

Lamelas – GD Resende- 1-0

Moimenta da Beira – GD Parada- 2-0

Classificação:

1º- GD Resende- 15

2º-Lamelas-13

3º-Moimenta da Beira-12

4º-SC Lamego-8

5º-Paivense-6

6º-CD Cinfães-6

7º-GD Parada-4

8º-Nespereira FC-3

 

Centro

Oliv. Frades – SC Penalva do Castelo-1-1

Carvalhais FC – Sátão-2-0

Lusitano Fc Vildemoinhos –  Campia- 5-0

Roriz –  Sampedrense-0-0

Classificação:

1º-Lusitano Fc-12

2º-Oliv.Frades-11

3º-Carvalhais-10

4º-Sátão-10

5º-SC Penalva do Castelo-8

6º-Sampedrense-6

7ºRoriz-4

8º-Campia-3

 

Sul

Canas Senhorim – SL Nelas-1-2

Vale de Açores – GD Mangualde-2-0

Moimenta Dão – Molelos-3-2

Carregal do Sal – Mortágua FC-0-1

Classificação:

1º-Mortágua FC-18

2º-SL Nelas-11

3º-Vale de Açores-10

4º-Canas Senhorim-9

5º-Molelos-7

6º-GD Mangualde-6

7º-Moimenta Dão-5

8º-Carregal do Sal-1

AF Guarda- Taça Distrital 2ªDivisão 2ªjornada Séries: A e B

Série A

CF Os Vilanovenses – Paços Serra- 6-1
Manteigas – S. Romão- 0-7
Classificação:
1º- S.Romão-6
2º-Os Vilanovenses-6
3º-Paços Serra-0
4º-Manteigas-0
Série B
SC Vilar Formoso- SC Mêda- 1-3
GC Figueirense- ARD Nespereira-3-3
Classificação:
1º-ARD Nespereira-4
2º-SC Mêda-3
3º-SC Vilar Formoso-3
4º-GC Figueirense-1

AF Guarda — Campeonato Distrital 1ªDivisão 6ªjornada

Freixo Numão – Casal Cinza-1-0

AD Fornos de Algodres – SC Sabugal-3-1

SC Celoricense – UD Os Pinhelenses-2-1

Soito – Aguiar da Beira-0-2

Vila Cortez – VF Naves-2-1

GD Trancoso – Guarda DFC-0-0

Estrela Almeida – Foz Côa-1-5

 

Avisos e Liturgia do 30ºdomingo do Tempo Comum- ano B

a)         Nos últimos Domingos, fomos reflectindo sobre alguns requisitos dados por Jesus Cristo a quem O quiser seguir, ou seja, ser seu discípulo. Neste Domingo, encontramos a figura do cego Bartimeu que é um exemplo-tipo do verdadeiro discípulo. Ele está em boas condições para compreender tudo o que sucederá a Jesus em Jerusalém. Depois de uma purificação progressiva, está em condições de “ver” o mistério de Jesus como salvador e redentor que com a sua vida e a sua morte revela o Pai.

 

b)        Quais são as condições para ser um discípulo perfeito? Bartimeu pede esmola: é pobre, não se pode mexer, está sozinho à beira do caminho, é cego, vive nas trevas. No caminho, junto dele, passa Jesus e os seus discípulos e muita gente para Jerusalém a fim de celebrarem a Páscoa. Bartimeu é o exemplo do homem que necessita da salvação, tendo consciência das suas limitações; não é como um rico que pode usar das suas coisas e das pessoas em função dos seus interesses. Ele faz aquilo que aprendeu toda a vida: mendiga, pede que alguém lhe resolva a sua situação para poder continuar a viver. Quando Bartimeu se apercebe que Jesus se aproxima, começa a fazer a sua profissão de fé. Chama por Jesus com um dos títulos messiânicos: “Filho de David”. Para ele, Jesus não é uma pessoa qualquer, mas Aquele por quem todos ansiavam: o Messias, o Salvador. Ao entrar na cidade de Jerusalém, Jesus também será reconhecido como Filho de David. A este título, Bartimeu acrescenta: “tem piedade de mim”. A partir da fé, implora misericórdia. Como já tinha acontecido com as crianças, todos aqueles que rodeavam Jesus “repreendiam-no para que se calasse”, ou seja, todos estes ainda não tinham aberto os olhos da fé como Bartimeu estava a fazer naquele momento. Encorajado pela fé, “gritava cada vez mais” o seu pedido. A resposta de Bartimeu ao chamamento de Jesus é imediata: a resposta à vocação cristã tem de ser pronta. De seguida, tem uma atitude de discípulo, quando reconhece Jesus como mestre e lhe pede o que nenhum outro, poderoso ou rico, lhe podia dar: ver. Quando Jesus o cura, salienta que foi a sua fé que lhe abriu os olhos, o que lhe permitirá compreender o mistério pascal em Jerusalém e assim salvar-se. Mas, para isto é necessário que o discípulo siga Jesus até ao fim, como nos diz o evangelista S. Marcos: “Logo ele recuperou a vista e seguiu Jesus pelo caminho”.

 

c)         O episódio que é narrado no evangelho deste domingo é anunciado profeticamente na primeira leitura. O Senhor é o libertador de todos aqueles que se encontram em necessidade e que, por isso, são vulneráveis: o Senhor reúne cegos, coxos, mulheres que vão ser mães e que simbolizam a dor e a fecundidade, ou seja, são o símbolo do futuro e da esperança; todos estes caminham com dificuldade, mas pela acção do Senhor, todos podem avançar, como nos anuncia o Profeta Jeremias, “por um caminho plano em que não tropecem”. Tudo isto se concretiza em Jesus. Ele dirige-se para Jerusalém onde experimentará a dor e a morte, mas será o lugar onde se manifestará a redenção. Jesus fará, com a sua vida, a experiência do homem. Quem quiser seguir Jesus Cristo deve reconhecer a dor e a morte. Neste percurso para Jerusalém, Jesus para e interessa-se por uma situação de dor, ou seja, não é indiferente a quem tem necessidade e está vulnerável (“Chamai-o”, “Que queres que Eu te faça?”). Assim, ensina aos que O seguem que não se pode passar indiferente diante destas situações. Finalmente, mostra que a verdadeira libertação, aquela que dá sentido à vida, é a fé: “a tua fé te salvou”. Por isso, Jesus é o modelo para todos aqueles que têm a responsabilidade de conduzir as comunidades, para as pessoas que querem ser seus discípulos, os quais têm de saber orientar, dizer uma palavra de esperança e fazer sempre o gesto oportuno.

 

http://www.liturgia.diocesedeviseu.pt/

24-10-2021

Douce France conquista Grande Prémio na 27ª Edição do CineEco

O Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela acaba de anunciar os vencedores da 27ª edição, num ano em que a produção europeia e nacional provou a sua grande vitalidade na abordagem diversa e crítica sobre as temáticas ambientais. O CineEco em Seia fechou as portas ao grande ecrã este sábado, mas parte em itinerância pelo país já nos próximos meses por associações, teatros, universidades e auditórios. A próxima edição do Festival em Seia tem já data marcada e irá realizar-se entre 8 e 15 de outubro

© Elzévir Films – De Deux Choses Lune, “Douce France

Douce France” arrecadou o “Grande Prémio Ambiente – Câmara Municipal de Seia”. A obra de Geoffrey Couanon retrata a aventura ecológica e social de um grupo de jovens estudantes sobre o polémico projeto de construção de um complexo comercial – EuropaCity – na sua terra-natal. Um filme-documentário revelador, que nos leva a refletir sobre os nossos próprios modelos de consumo, a produção agrícola e as escolhas que tomamos, ou não, na nossa comunidade.

O “Prémio Antropologia Ambiental – Zurich Seguros” coube a “Arica”, de Lars Edman, William Johansson Kalén, um documentário sobre o chamado colonialismo tóxico e que dá a conhecer um inédito julgamento transnacional para apurar a responsabilidade de uma empresa de minério sueca, que chegou a exportar milhares de toneladas de lixo tóxico para a cidade chilena, Arica.

Menção Honrosa Longa-Metragem Internacional foi conquistada por Svetlana Rodina, com “Ostrov – Lost Island”.

Na Competição Internacional de Curtas-Metragens, a viagem de um grupo de crianças de colónias extraplanetárias rumo a uma Terra inabitável, “Flight to Earth” de Ignacio Rodó, conseguiu o “Prémio Curta-Metragem Internacional – Turistrela”. Já o “Prémio Educação Ambiental – Associação Mares Navegados” coube ao filme de animação “#fishingtheplastic”, da autoria de Marina Lobo realizadora do igualmente premiado, “Aquametragem” que integrou a competição da 25ª edição do CineEco . Nesta Competição específica, o júri do CineEco 2021 atribuiu 3 Menções Honrosas, a saber: “Migrants” de Hugo Caby, Antoine Dupriez, Aubin Kubiak, Lucas Lermytte, Zoé Devise; “Acorns” de Bradley Furnish e “Centrifugadora” de Ignacio Rodó.

Na Competição de Séries e Reportagens Televisivas, o “Prémio Televisão” rumou para o documentário francês, “Vert de Rage, du charbon dans les poumons (Green Warriors: Coal in the Lugs)” de Martin Boudot que, juntamente com um grupo de cientistas, cidadãos e jornalistas, seguiu na busca pelas provas de contaminação do ar. A Menção Honrosa nesta categoria foi atribuída a “O lado negro do azeite” de Sandra Cóias e Pedro Rego; “Des legumes dans la ville” de Aurelien Francisco Barros e “Migradores de Longa Distância – Entre o Tejo e o Ártico” de Pedro Miguel Ferreira e Joaquim Pedro Ferreira.

Na Competição de filmes e documentários em Língua Portuguesa, o “Prémio Camacho Costa – Lipor” na categoria Longa-Metragem ficou com Márcia Paraíso e Francisco Colombo para o documentário “Sobre Sonhos e liberdade”, filme que aborda o contexto da abolição da escravatura no Brasil, um dos momentos cruciais da história deste país. O “Prémio Curta-Metragem em Língua Portuguesa” foi conquistado por Bruno Lourenço com “Oso”, relato sobre o possível regresso do urso-pardo ao norte de Portugal e os obstáculos criados pelo Homem e pela vontade do urso. As Menções Honrosas ficaram para “A nossa terra, o nosso altar” de André Guiomar e “A Mala” de Diogo Pereira e Angelizabel Freitas, respetivamente nas categorias de Longas-Metragens e Curtas-Metragens.

O jovem senense, Gabriel Ambrósio, conquistou o “Prémio Panorama Regional – Casa da Passarella” com a curta-metragem “Um Quadro de História” sobre a vida das abelhas e do processo de criação de mel. O “Prémio Valor da Água – Águas do Vale do Tejo” seguiu para “Living Water” de Pavel Borecký, um filme que aborda uma bomba-relógio ambiental e a história de luta entre beduínos, engenheiros e agricultores pelo “ouro azul” num dos países mais pobres em termos de recursos de água, a Jordânia.

Júri da Juventude, composto por um painel de 6 jovens, atribuiu os seguintes galardões em todas as competições: Prémio Juventude Longa-Metragem para “Ophir” de Alexandre Berman e Olivier Pollet; Menções Honrosas foram para “Douce France” de Geoffrey Couanon; “Arica” de Lars Edman e William Johansson Kalén. Prémio Juventude Curta-Metragem atribuído a “Flight To Earth” de Ignacio Rodó com as Menções Honrosas para “Acorns” de Bradley Furnish; Prémio Juventude Séries e Reportagens Televisivas para “O lado negro do azeite” de  Sandra Cóias e Pedro Rego com a Menção Honrosa a seguir para “Plástico, o novo continente (episódio 1)” de Catarina Canelas; o Prémio Juventude Longa-Metragem em Língua Portuguesa para “A nossa terra, o nosso altar” de André Guiomar e Prémio para Curtas-Metragens “Para cá do Marão”, José Mazeda, com as Menções Honrosas  para Curtas-Metragens em Língua Portuguesa atribuídas a “O que não se vê” de Paulo Abreu e “Alma” de Mónica Santos; para o Prémio Juventude Panorama Regional, o júri da juventude escolheu premiar “Um Quadro de História” de Gabriel Ambrósio. Nesta categoria, a Menção Honrosa coube a “O Meu Vento é o Norte” de Mariana Silveira.

Portugal, França e Espanha foram os países com maior representação cinematográfica na Competição Oficial da 27ª edição do CineEco que decorreu na Casa Municipal da Cultura de Seia, entre 9 e 16 de outubro. Este ano, o mais antigo festival de cinema ambiental do mundo recebeu 93 filmes de mais de 20 países, uma edição marcada pelo regresso do público às salas de cinema, com todas as sessões praticamente esgotadas ainda que tivessem sido salvaguardadas todas as regras de segurança e higiene recomendadas pela Direção-Geral de Saúde.

«A partir de Seia, cidade pequena do interior de Portugal, continuamos a construir um Festival para todos e a apostar cada vez mais na produção nacional, sem nunca esquecer o que de melhor se faz em todo mundo. O CineEco voltou a trazer à luz do dia algumas das mais prementes temáticas relacionadas com o Ambiente e já é o centro de discussão das problemáticas que assolam as comunidades e que se relacionam com as alterações climáticas; o lixo tóxico, a poluição atmosférica, a falta de água, entre outros temas. Uma palavra para os jovens que regressaram em força e voltaram a marcar a diferença, quer na apresentação de trabalhos em competição, que na forte afluência ao auditório e cineteatro para participarem nas Ecotalks e restantes atividades paralelas», concretiza a Direção do Festival.

PALMARÉS 27ª EDIÇÃO CINEECO

>> COMPETIÇÃO INTERNACIONAL DE LONGAS-METRAGENS

>> GRANDE PRÉMIO AMBIENTE _ Câmara Municipal de Seia

DOUCE FRANCE, Geoffrey Couanon, França, 2020, Documentário (96’)

>> PRÉMIO ANTROPOLOGIA AMBIENTAL _ Zurich Seguros

ARICA, Lars Edman e William Johansson Kalén, Suécia, Chile, Noruega, Bélgica e UK,

2020, Documentário (95’)

>> MENÇÃO HONROSA LONGA-METRAGEM INTERNACIONAL

OSTROV – LOST ISLAND, SVETLANA RODINA, Suíça, 2021, Documentário (93’)

 

>> COMPETIÇÃO INTERNACIONAL DE CURTAS-METRAGENS

>> PRÉMIO CURTA-METRAGEM INTERNACIONAL _ Turistrela

FLIGHT TO EARTH, Ignacio Rodó, Espanha, 2021, Animação (6’)

>> PRÉMIO EDUCAÇÃO AMBIENTAL _ Associação Mares Navegados

#FISHINGTHEPLASTIC, Marina Lobo, Portugal, 2020, Animação (4’)

>> MENÇÃO HONROSA CURTA-METRAGEM INTERNACIONAL

MIGRANTS, Hugo Caby, Antoine Dupriez, Aubin Kubiak, Lucas Lermytte e Zoé Devise,

França, 2020, Animação (8′)

ACORNS, Bradley Furnish, Bradley Furnish, EUA, 2020, Animação (16’)

CENTRIFUGADORA, Ignacio Rodó, Espanha, 2020, Ficção (2’)

 

>> COMPETIÇÃO DE SÉRIES E REPORTAGENS TELEVISIVAS

 

>> PRÉMIO TELEVISÃO

VERT DE RAGE, DU CHARBON DANS LES POUMONS (GREEN WARRIORS: COAL IN

THE LUGS), Martin Boudot, França, 2021, Documentário (49’)

>> MENÇÃO HONROSA TELEVISÃO

O LADO NEGRO DO AZEITE, Sandra Cóias e Pedro Rego, Portugal, 2021,

Documentário (31’)

DES LEGUMES DANS LA VILLE, Aurelien Francisco Barros, França, 2020,

Documentário TV (53’)

MIGRADORES DE LONGA DISTÂNCIA – ENTRE O TEJO E O ÁRTICO, Pedro Miguel

Ferreira e Joaquim Pedro Ferreira, Portugal, 2020, Documentário (52’)

 

 

 

>> COMPETIÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA

 

>> PRÉMIO CAMACHO COSTA | LONGA-METRAGEM EM LÍNGUA PORTUGUESA _ Lipor

SOBRE SONHOS E LIBERDADE, Márcia Paraíso e Francisco Colombo, Brasil, 2020,

Documentário (70’)

>> MENÇÃO HONROSA LONGA-METRAGEM EM LÍNGUA PORTUGUESA

A NOSSA TERRA, O NOSSO ALTAR, André Guiomar, Portugal, 2020,

Documentário (78’)

>> PRÉMIO CURTA-METRAGEM EM LÍNGUA PORTUGUESA

OSO, Bruno Lourenço, Portugal, 2021, Ficção (29’)

>> MENÇÃO HONROSA CURTA-METRAGEM EM LÍNGUA PORTUGUESA

A MALA, Diogo Pereira e Angelizabel Freitas, Portugal, 2021, Ficção (5’)

>> PRÉMIO PANORAMA REGIONAL _ Casa da Passarella

UM QUADRO DE HISTÓRIA, Gabriel Ambrósio, Seia, Portugal, 2021,

Documentário (16’25’’)

>> PRÉMIO VALOR DA ÁGUA _ Águas do Vale do Tejo

LIVING WATER, Pavel Borecký, Suíça, República Checa e Jordânia, 2020,

Documentário (77’)

 

>> JÚRI DA JUVENTUDE

 

>> PRÉMIO JUVENTUDE LONGA-METRAGEM INTERNACIONAL

OPHIR, Alexandre Berman e Olivier Pollet, França e UK, 2020, Documentário (97’)’

>> MENÇÃO HONROSAS JUVENTUDE LONGA-METRAGEM INTERNACIONAL

DOUCE FRANCE, Geoffrey Couanon, França, 2020, Documentário (96’)

ARICA, Lars Edman e William Johansson Kalén, Suécia, Chile, Noruega, Bélgica e UK,

2020, Documentário (95’)

>> PRÉMIO JUVENTUDE CURTA-METRAGEM INTERNACIONAL

FLIGHT TO EARTH, Ignacio Rodó, Espanha, 2021, Animação (6’)

>> MENÇÃO HONROSA JUVENTUDE CURTA-METRAGEM INTERNACIONAL

ACORNS, Bradley Furnish, Bradley Furnish, EUA, 2020, Animação (16’)

>> PRÉMIO JUVENTUDE TELEVISÃO

O LADO NEGRO DO AZEITE, Sandra Cóias e Pedro Rego, Portugal, 2021,

Documentário (31’)

>> MENÇÃO HONROSA JUVENTUDE TELEVISÃO

PLÁSTICO, O NOVO CONTINENTE (EPISÓDIO 1), Catarina Canelas, TVI,

Portugal, 2020, Documentário (17’)

>> PRÉMIO JUVENTUDE LONGA-METRAGEM EM LÍNGUA PORTUGUESA

A NOSSA TERRA, O NOSSO ALTAR, André Guiomar, Portugal, 2020,

Documentário (78’)

>> PRÉMIO JUVENTUDE CURTA-METRAGEM EM LÍNGUA PORTUGUESA

PARA CÁ DO MARÃO, José Mazeda, Portugal, 2020, Ficção (22’)

>> MENÇÃO HONROSA JUVENTUDE CURTA-METRAGEM EM LÍNGUA PORTUGUESA

O QUE NÃO SE VÊ, Paulo Abreu, Portugal, 2020, Experimental/Ensaio (24’)

ALMA, Mónica Santos, Portugal, 2020, Experimental (8’)

>> PRÉMIO JUVENTUDE PANORAMA REGIONAL

UM QUADRO DE HISTÓRIA, Gabriel Ambrósio, Seia, Portugal, 2021,

Documentário (16’25’’)

>> MENÇÃO HONROSA JUVENTUDE PANORAMA REGIONAL

O MEU VENTO É O NORTE, Mariana Silveira, UBI, Covilhã, Portugal, 2021,

Ficção (8’37’’)

Sobre o CineEco

O CineEco é membro fundador e faz parte da direção da Green Film Network, uma plataforma de 40 festivais de cinema ambiental. É organizado há 26 anos pelo Município de Seia e conta com o Alto Patrocínio do Presidente da República e do Departamento de Ambiente das Nações Unidas.

O Ciclo “12 em Rede – Aldeias em Festa” 2021em Idanha

Sabores e iguarias de Idanha-a-Velha inspiram um dia pleno de emoções na Aldeia Histórica

Sob o mote “Nas Terras do Rei Wamba… Há Pão!”, o Ciclo “12 em Rede – Aldeias em Festa” 2021 promove, no próximo dia 30 de outubro, um dia dedicado à gastronomia da Aldeia Histórica, com muitas surpresas e atividades para todos os gostos e idades.

Reza a lenda que, no lugar que hoje conhecemos como a Aldeia Histórica de Idanha-a-Velha, um humilde lavrador chamado Wamba tornou-se rei dos Visigodos (um dos vários povos que passou por aquele território). Ancorada numa paisagem de montado e olival, naquele tempo e até hoje, o sustento dos homens andou sempre de mão dada com a terra.

A gastronomia é, por isso, um dos grandes atrativos da Aldeia Histórica de Idanha-a-Velha, sendo o mote para o décimo evento do Ciclo “12 em Rede – Aldeias em Festa” 2021 que, durante todo o ano, leva animação e cultura às 12 Aldeias Históricas de Portugal.

Com o tema “Nas Terras do Rei Wamba… Há Pão!”, no próximo dia 30 de outubro, visitantes e habitantes podem participar, por exemplo, em workshops para aprender a fazer pão ou “borrachões” (biscoito típico da Aldeia Histórica de Idanha-a-Velha), visitar a mostra de produtos endógenos, ouvir “Estórias de Pão” (atividade direcionada para o público infanto-juvenil), assistir ao lançamento do Fascículo II de receitas desenvolvidas e confeccionadas nos workshops das edições 2020/2021 do Ciclo de eventos “12 em Rede” ou ao showcooking “Ervas e Aromas” com a chef Maria Caldeira de Sousa.

Como, pelo notável conjunto de ruínas que conserva, a Aldeia Histórica de Idanha-a-Velha é uma das mais importantes estações arqueológicas do país, o evento irá incluir, também, momentos lúdico-educativos sobre o tema. Por exemplo, duas visitas ao atelier “MosaicoLab”, que se irão focar no legado da arte do mosaico pela civilização romana, e que pode ser observado em Idanha-a-Velha, e um percurso orientado pela extraordinária coleção epigráfica da Aldeia Histórica. As visitas atelier “MosaicoLab” repetem-se ainda no dia seguinte, domingo, dia 31 de outubro.

Não faltará também um momento musical, com a acordeonista, cantora e compositora Celina da Piedade, cuja sonoridade folk, inspirada no cancioneiro tradicional alentejano, promete terminar o dia de sábado, em grande, na Aldeia Histórica de Idanha-a-Velha.

Devido à pandemia, a participação no evento será limitada e sujeita a inscrição prévia – mas a festa poderá ser sentida e vivida em todo o mundo, via streaming, no Facebook das Aldeias Históricas de Portugal.

A inscrição, que é gratuita, pode ser feita para a totalidade do evento ou apenas para um momento específico, como um concerto ou uma visita guiada – sendo que o limite de participantes dependerá do espaço e da tipologia de cada atividade. Pode inscrever-se para o evento na Aldeia Histórica de Idanha-a-Velha junto do Gabinete de Turismo da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, de forma presencial ou através do número de telefone 277202900 ou do turismo@cm-idanhanova.pt, ou o Posto de Turismo de Idanha-a-Velha, de forma presencial.

O evento é promovido pela Aldeias Históricas de Portugal – Associação de Desenvolvimento Turístico, numa organização do Município de Idanha-a-Nova, Junta de Freguesia da União de Freguesias de Monsanto e Idanha-a-Velha, Associações e Agentes Económicos locais. Uma iniciativa apoiada pelo Centro 2020, Portugal 2020 e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, através do Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos (PROVERE).

Entre nesta festa e viva um dia inesquecível na Aldeia Histórica de Idanha-a-Velha!

Programa do evento e limite de participantes:

30 de outubro
08h – 17h – Vamos ao Forno!
Local: Forno Comunitário
15 pax máx

11h – 12h – Atelier de Borrachões
Local: Forno Comunitário
15 pax máx

10h – 17h – Mostra de Produtos Endógenos
Local: Envolvente da Sé / Lagar de Varas

10h – 12h – Atelier MosaicoLab #1
Local: Largo do Espírito Santo/ Recinto de Festas
10 pax máx

10h – 12h – Estórias de Pão #1
Local: Antiga Casa da Câmara
10 pax máx

10h30 – Receituário Colecionável | Lançamento Fascículo II
Local: Igreja de Sta. Maria /Sé de Idanha-a-Velha
50 pax máx

11h – Visita Orientada| Árvores com História
Início: Porta Norte
12 pax máx

14h – 16h – Visita Atelier MosaicoLab #2
Local: Largo do Espírito Santo/ Recinto de Festas
12 pax máx

14h – 16h – Estórias de Pão #2
Local: Antiga Casa da Câmara
10 pax máx

15h – Showcooking | Ervas e Aromas – entre a História e a Tradição
Local: Palheiros de São Dâmaso
10 pax máx

15h30 – Prova de Bolos de Forno
Local: Forno Comunitário
15 pax máx

16h – Artes de Rua | Rasto – Companhia Erva Daninha
Local: Exterior da Igreja de Sta. Maria /Sé de Idanha-a-Velha

17h15 – Visita Orientada | Valete Vos Viatores
Local: Pavilhão Epigráfico
12 pax máx

21h – Concerto | Celina da Piedade
Local: Igreja de Sta. Maria /Sé de Idanha-a-Velha
Sujeito à lotação do espaço

31 de outubro
Visita Atelier MosaicoLab
Sessão #1 – 10h30
Sessão #2 – 12h30
Local: Largo do Espírito Santo/ Recinto de Festas
12 pax máx

A festa só acaba em novembro!
O Ciclo “12 em rede – Aldeias em Festa” 2021 só termina em novembro! Depois de Idanha-a-Velha, a festa segue para Monsanto, a 6 de novembro.

Nova Plataforma online de promoção da maçã Bravo de Esmolfe

Este novo projeto de valorização e promoção da maçã Bravo de Esmolfe tem assinatura do CEIT – Centro Estratégico de Inovação Territorial.

No dia em que se assinalou o Dia Internacional da Maçã, o CEIT – Centro Estratégico de Inovação Territorial anuncia uma nova plataforma online de promoção da maçã Bravo de Esmolfe, produto único no mundo, originário da freguesia de Esmolfe em Penalva do Castelo.

Segundo Cristóvão Monteiro, presidente executivo do CEIT – Centro Estratégico de Inovação Territorial, este projeto nasce da necessidade de afirmar uma marca territorial
forte que permita relançar o produto, bem como os atores que gravitam ao seu redor.

Esta maçã é uma verdadeira “vitamina” e um fruto cada vez mais procurado, nomeadamente pelos segmentos de saúde e bem-estar. As suas propriedades benéficas
são únicas e estão demonstradas em estudos científicos de diferentes áreas da medicina, explica.

O objetivo passa por criar uma autêntica plataforma de cooperação que alavanque a economia local e regional através da promoção dos produtores, comerciantes e restantes
elementos da cadeia de valor da maçã Bravo de Esmolfe.

Este projeto pretende não só ajudar a promover o produto, mas também alavancar a atividade turística por via da valorização do território, da sua cultura e das suas gentes. A
nova marca e respetiva plataforma online já estão em desenvolvimento e devem ser apresentadas em 2022, depois de um processo de auscultação e envolvimento de todos
os stakeholders.

Para além do impacto que será gerado na economia, este projeto pretende ainda produzir conhecimento científico e fomentar a investigação sobre a origem e as características do produto.

Mangualde recebeu a I Jornada Anual da CPCJ Mangualde

Uma iniciativa, que aconteceu no Auditório da Biblioteca Municipal Dr. Alexandre Alves, foi organizada pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Mangualde (CPCJ), em colaboração com o Município. Foi a “I Jornada Anual da Cpcj Mangualde” , com as intervenções de Marco Almeida, Presidente da Câmara Municipal de Mangualde, e de Fernando Espinha, Presidente da CPCJ de Mangualde, na sessão de abertura.
O segundo momento contou com a intervenção de Ana Gomes, Psicóloga Clínica e co-Fundadora do Projeto “Pais a Bordo”, que abordou o tema “Burnout Parental e os Direitos das Crianças”. Seguindo-se o painel “O direito ao brincar num mundo em mudança, com o orador Carlos Neto, Investigador da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa, e moderação de Tatiana Louro, Psicóloga Clínica. A iniciativa contou, ainda, com um debate.
Durante a tarde, teve lugar uma Mesa Redonda sobre “O Sistema Educacional – a situação de Mangualde”, que contou com diversos intervenientes: Vereador da Educação da Câmara Municipal de Mangualde, Diretor Agrupamento de Escolas de Mangualde, Presidente da Associação de Pais de Mangualde e o Presidente da Associação de Estudantes da Escola Secundária Drª Felismina Alcântara, com moderação de José Miguel Sousa, Diretor do Centro de Formação Edufor Mangualde. Seguindo-se o painel “A Responsabilidade da Comunidade na Promoção dos Direitos da Criança”, com o orador Hélio Bento Ferreira, Coordenador da Equipa Técnica Regional do Centro. Terminando com a realização de um debate.
A sessão de encerramento esteve a cargo de Carlos Peixoto, coordenador do Projeto “Adélia” da CNPDPCJ. Esta ação está inserida na operacionalização do Plano Local de Promoção e Proteção das Crianças e Jovens de Mangualde.

Operação “ECR Veículos Pesados” – Balanço

Entre os dias 11 e 17 de outubro, a Guarda Nacional Republicana (GNR) intensificou a fiscalização aos veículos pesados, orientando as ações para as vias mais críticas à sua responsabilidade, e onde se verifica um maior volume de tráfego deste tipo de veículos, de modo a promover a segurança rodoviária e a diminuição do risco de ocorrência de acidentes de viação.

Desta forma, os militares dos Comandos Territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito que diariamente estiveram empenhados no patrulhamento rodoviário fiscalizaram 2 563 condutores de veículos pesados, registando 2 009 contraordenações, destacando-se as seguintes:

·         855 relacionadas com tacógrafos;

·         304 por excesso de peso;

·         241 por anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização;

·         85 por irregularidades nos pneus;

·         62 por falta de inspeção periódica obrigatória;

·         19 no âmbito do acordo ADR (mercadorias perigosas);

·         14 por uso indevido do telemóvel no exercício da condução.

 

Registaram-se ainda dois crimes no âmbito rodoviário e relacionados com veículos pesados.

7º Trail do Míscaro em Aguiar da Beira a 27 e 28 novembro

Estão abertas as inscrições para a 7ª edição do Trail do Míscaro, inserida no VIII Certame Gastronómico do Míscaro em Aguiar da Beira, distrito da Guarda. O evento desportivo, que promove as condições naturais micológicas, a natureza, o património, as tradições rurais e a solidariedade com a floresta, está de regresso e com as provas competitivas Ultra Trail Médio de 42 km, Trail Longo de 22 km e Trail Curto de 12 km e uma Caminhada também de 12 km.

Após um ano de interrupção devido à pandemia da Covid-19, a organização espera voltar a encher os trilhos do concelho e proporcionar uma experiência diversificada aos participantes.

“Esta é uma experiência desportiva, recreativa e solidária que gira à volta de um produto natural, com elevado valor gastronómico e abundante por essa altura no concelho, o ‘míscaro amarelo’. Durante os percursos da prova, os participantes terão a oportunidade de passar por terrenos onde rebenta este cogumelo selvagem e degustar a iguaria, bem como de outros produtos típicos, para além de poderem desfrutar das belas paisagens e tradições rurais e ainda das diversas atividades a acontecer no Certame Gastronómico do Míscaro, que se realiza nesse fim de semana de novembro. Uma boa ocasião para visitar Aguiar da Beira”.

Também, ao participar nesta corrida e caminhada estará a ser solidário com o meio ambiente, promovendo a sustentabilidade ambiental com a reflorestação e as condições para a germinação dos cogumelos silvestres. O Trail do Míscaro doará uma árvore por cada atleta para a florestação do concelho, tendo já contribuído, nos últimos três anos, para a plantação de sensivelmente mil árvores autóctones no território.

O Trail do Míscaro é “muito mais que uma corrida ou caminhada pela natureza, é uma forma de turismo ativo na natureza que atrai cada vez mais pessoas ao nosso concelho, dignificando e valorizando esta região e o interior do país”.

A presença no Trail do Míscaro 2021 poderá ser garantida até ao dia 22 de novembro, através da inscrição no site www.acorrer.pt. A inscrição, obrigatória, inclui t-shirt oficial, banho, seguro, abastecimentos, almoço, prémios e sorteio de produtos.

O Trail do Míscaro surgiu em 2014 com os objetivos de promover o “trail running” nos trilhos do Concelho de Aguiar da Beira, assim como a divulgação das condições favoráveis do município para a micologia, para a prática de desporto e turismo na natureza e para estilos de vida rurais, saudáveis e de bem-estar. O evento desportivo é uma organização do jornal +Aguiar da Beira, em parceria com a Câmara Municipal. A última edição, em 2019, recebeu 600 atletas.

Da página oficial do evento – www.facebook.com/traildomiscaro, ou do portal acorrer.pt, onde, para além da plataforma de inscrições, consta também o regulamento e todos os pormenores da prova.

Regulamento 7º Trail do Míscaro Aguiar da Beira 2021