Início » Aveiro

Aveiro

She’s Mercedes Off Road Experience estreia-se no Alentejo

As condutoras Mercedes-Benz estão de regresso à aventura para mais uma edição do She’s Mercedes Off Road Experience que promete desafiar a condução num percurso totalmente novo que explora as planícies alentejanas entre Vila Viçosa, Estremoz e Campo Maior, no fim de semana de 19 a 21 de maio.
O She’s Mercedes Off Road Experience, uma aventura da Mercedes-Benz Portugal em colaboração com o Clube Escape Livre, chega à sétima edição voltando a desafiar as condutoras de modelos da marca alemã a aventurarem-se fora de estrada por caminhos nunca antes explorados.

Entre Vila Viçosa, Estremoz e Campo Maior, as aventureiras Mercedes-Benz vão descobrir os caminhos da planície alentejana tendo como base o Alentejo Marmoris Hotel &; SPA e vão colocar à prova os seus automóveis equipados com a excelente
tecnologia 4MATIC.
A mudança tem sido um dos pilares do cada vez maior sucesso do She’s Mercedes Off Road Experience a par das surpresas que a cada edição são lançadas. Depois de uma viagem até ao litoral em 2022, o programa desenhado para estes três dias de
convívio, aventura e desafios no feminino vai, agora, para o Alto Alentejo. E tudo começa com a receção dos participantes no magnífico Alentejo Marmoris Hotel & SPA onde o jantar terá como destaque a riquíssima gastronomia alentejana e por
companhia o belo Cante Alentejano. A certeza de uma noite bem passada!

O dia seguinte começará cedo e levará a caravana a visitar Paço Ducal antes de rumar de Vila Viçosa até Estremoz, atravessando por um percurso de beleza cénica inolvidável, a imponente Serra de Ossa. Um percurso fantástico típico das paisagens e caminhos do Alto Alentejo com alguns desafios inesperados.

O regresso a Vila Viçosa far-se-á atravessando a planície e, como sempre sucede nos eventos do Clube Escape Livre, de mãos dadas com a cultura. As participantes vão
conhecer os “Bonecos de Estremoz”, uma arte com mais de três séculos e património imaterial da Humanidade. Renovar forças com novo repasto no Alentejo Marmoris
Hotel & SPA acompanhado da música do conjunto Prós e Contra e uma noite de sono retemperador vai preparar a caravana para o derradeiro dia de aventura.

Percorrendo os caminhos paralelos à Tapada Real, a caravana do She’s Mercedes Off Road Experience encaminhar-se-á para a raia demandando a vila de Campo Maior,
encostada a Espanha. Tempo então para uma visita ao interessante Centro de Ciência do Café para descobrir que há muito mais para conhecer sobre este grão fruto do
cafeeiro e que nos delicia, quente e forte numa chávena.

A sétima edição do She’s Mercedes Off Road Experience termina com uma visita à Adega Mayor e um almoço retemperador, palco para partilha de experiências e
conhecimentos entre todas as participantes degustando a gastronomia da raia na bonita Quinta das Argamassas.

Serão três dias de intensa aventura, diversão e conhecimento numa viagem pelo Alentejo que, acreditamos, deixará uma forte impressão nas participantes tal como
sucedeu nas seis edições anteriores do She’s Mercedes Off Road Experience.

As inscrições estão abertas em www.escapelivre.com e nos concessionários Mercedes-Benz de todo o país.

Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) reage em comunicado

O Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) dedicou a sua reunião de hoje a dar seguimento ao processo de reflexão, discernimento e ações em curso, a partir da primeira reunião conjunta dos Bispos portugueses realizada após a apresentação do Relatório Final da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais da Igreja Católica em Portugal.

2. As vítimas de abusos sexuais na Igreja Católica em Portugal continuam a ser a nossa prioridade em todo este processo. Reafirmamos a nossa disponibilidade para acolher e escutar as vítimas que o desejarem e mantemos o firme compromisso de assumir as nossas responsabilidades e disponibilizar às vítimas todas as ajudas necessárias para o seu acompanhamento espiritual, psicológico e psiquiátrico, e outras formas de reparação do crime cometido.

3. Estamos a encetar contactos para a criação de um grupo responsável pelo acolhimento e acompanhamento das vítimas. Este grupo operativo, com carácter de autonomia, constituído por pessoas que garantam credibilidade e confiança perante as vítimas, será articulado com a Equipa de Coordenação Nacional e com as Comissões Diocesanas de Proteção de Menores e Adultos Vulneráveis.

4. Reconhecemos o trabalho realizado pelos Bispos e Administradores diocesanos em relação aos suspeitos de abusos, nomeadamente quanto à identificação de situações ainda não esclarecidas, com a ajuda da ex-Comissão Independente e do Grupo de Investigação Histórica dos arquivos. Quando for entregue em finais de abril à Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal (CIRP), a lista com os nomes dos alegados abusadores relativos aos Institutos de Vida Consagrada terá o devido seguimento por parte dos Superiores Maiores das congregações.

5. No decorrer da nossa reunião contámos com a presença online de alguns membros da ex-Comissão Independente para consolidar o trabalho conjunto que tem sido feito com as Dioceses e os Institutos de Vida Consagrada. Renovamos a nossa gratidão pelo trabalho que foi desenvolvido e que tem permitido cruzar informações entre os testemunhos das vítimas e os dados dos arquivos para determinar eventuais responsabilidades e o tipo de abusos cometidos, de modo a adotar as medidas necessárias.

6. As Diretrizes da Conferência Episcopal Portuguesa sobre o abuso de menores e adultos vulneráveis estão a ser revistas tendo em conta as sugestões e recomendações do Relatório Final, à luz do manual de procedimentos (Vademecum) da Santa Sé, revisto em junho de 2022, o qual define o tratamento destes casos e que é seguido por todos os responsáveis eclesiásticos.

7. A “tolerância zero” perante as situações de abusos é assumida pela Conferência Episcopal Portuguesa, respeitando a autonomia de cada Diocese que faz parte da identidade e da presença da Igreja Católica em cada país, também o nosso, onde queremos dar continuidade à missão evangelizadora da Igreja.

8. As Comissões Diocesanas de Proteção de Menores e Adultos Vulneráveis, criadas por determinação do Papa Francisco, estão já em processo de reestruturação e serão constituídas por leigos com competências profissionais necessárias à sua atuação. A par da Equipa de Coordenação Nacional destas comissões, estas são organismos da Igreja em Portugal cada vez mais capacitadas para o adequado tratamento da problemática dos abusos de menores, e com as quais continuamos a contar para implementar políticas de formação, prevenção e acompanhamento, contribuindo para um ambiente mais seguro nos espaços eclesiais.

9. A reações dos católicos e de outros membros da sociedade portuguesa às decisões tomadas na Assembleia Plenária extraordinária de 3 de março foram também alvo da nossa reflexão. Gostaríamos de agradecer e dizer que valorizamos o escrutínio público. Estamos totalmente disponíveis para caminhar com toda a sociedade na erradicação do drama dos abusos sobre menores, no apoio permanente às vítimas e no julgamento dos agressores. Lamentamos que, diante da complexidade do tema, nem sempre tenhamos comunicado as nossas intenções com clareza.

10. Acreditamos que estamos num ponto sem retorno e continuaremos a trabalhar, dando atenção aos muitos indicadores que estão presentes no Relatório Final. O caminho que a Igreja em Portugal está a percorrer, seguindo os passos de um processo que o Papa Francisco indicou para toda a Igreja e que tem por objetivo essencial proteger as vítimas e garantir a segurança e confiança nos ambientes da Igreja Católica, abre portas à esperança e ao compromisso para que comportamentos e atitudes do passado não se voltem a repetir. Entre outros gestos, mantemos o propósito de realizar um memorial e uma jornada nacional de oração pelas vítimas de “abusos sexuais, de poder e de consciência na Igreja” (Papa Francisco) no dia 20 de abril.

Vinhos do Dão Casa da Ínsua premiados com duas medalhas de ouro em Espanha

Os vinhos do Dão Casa da Ínsua somam e seguem com a conquista de mais duas medalhas de ouro.
O júri do prestigiado concurso Catavinum World Wine & Spirits Competition 2023, realizadpela 13.ª vez na cidade de Vitoria- Gasteiz, em  Espanha, não teve dúvidas em atribuir medalhas de ouro ao Vinho Casa da Ínsua Dão Tinto Reserva 2017 e ao Vinho Casa da Ínsua Dão Branco 2022.
Prossegue, assim, o caminho de sucesso dos vinhos produzidos na quinta da Visabeira Turismo em Penalva do Castelo, um dos mais antigos e conceituados produtores de Vinho do Dão, a mais antiga Região Demarcada de vinhos de mesa.
O vinho Casa da Ínsua Tinto Reserva 2017, tributado com 92 pontos, é produzido com as castas Touriga-Nacional, Tinta-Roriz e Alfrocheiro. Estagiou ao longo de 12 meses em barrica de carvalho francês e americano. Este vinho apresenta uma complexidade aromática em harmonia com a barrica, notas frutadas e especiarias. Quanto ao sabor, sobressaem taninos poderosos, complexos e densos, com um final de boca longo e persistente. É um vinho que tem um teor de álcool de 14,5% vol.. Possui grande capacidade de envelhecimento, no entanto pode ser apreciado no momento, acompanhando, idealmente, pratos complexos.
O vinho Casa da Ínsua Branco 2022, que obteve 91 pontos, é um néctar produzido com as castas Encruzado, Malvasia-Fina e Sémillon, com um aroma mineral e vegetal, grande complexidade estrutural e de elevada persistência final, no que ao sabor diz respeito. É um típico vinho de guarda, que se apresenta pronto para se consumir, tendo, contudo, elevado potencial de evolução na garrafa durante os próximos 5 anos. O vinho Casa da Ínsua Branco 2022 é ótimo para acompanhar pratos de peixes gordos e várias carnes brancas e vermelhas.
Recorde-se que a produção de vinho na Casa da Ínsua remonta há mais de 400 anos, quando a quinta foi adquirida para moradia e para a produção agrícola. Ao longo dos séculos a produção vinícola deixou uma marca perene na produção da região, fruto de um processo de constante inovação e apuro da qualidade dos vinhos.

A fruição dos vinhos está ao alcance dos visitantes do Parador Casa da Ínsua que disponibiliza, ao longo do ano, programas de alojamento combinados com atividades ligadas às lides agrícolas da quinta.

Passear pelas extensas vinhas, como a parcela de Touriga-Nacional, várias vezes premiada, perder o olhar nos 30 hectares de terreno que albergam as castas brancas Arinto, Malvazia- Fina, Semillon e Encruzado e as tintas Touriga-Nacional, Cabernet-Sauvignon, Tinta-Roriz, Alfrocheiro e Jaen ou visitar a adega onde se produzem os vinhos tintos, brancos, rosés e espumantes Casa da Ínsua, são apenas algumas das sugestões da unidade de charme, que abre as portas do solar do Século XVIII para receber com história e requinte todos os apreciadores de vinhos, de gastronomia, de queijo Serra da Estrela e de tranquilidade no meio da natureza.

ANAM assinala Dia Internacional da Mulher com debate sobre composição paritária no poder local

Debater a composição paritária nos órgãos municipais e o papel da mulher no poder local, em especial nas Assembleias Municipais, foi o principal objetivo de um debate promovido  pela Associação Nacional de Assembleias Municipais (ANAM), no âmbito do Dia Internacional da Mulher. Este foi um encontro que colocou em discussão a realidade dos Órgãos Municipais e a Composição Paritária, contanto para tal com a participação de Isabel Cruz, Vice-presidente da ANAM, Tânia Ziulkoski, Fundadora do Movimento de Mulheres Municipalistas do Brasil, Clara Marques, Presidente da Assembleia Municipal da Praia, em Cabo Verde e Eva Macedo, investigadora e autora do estudo “A Participação das Mulheres no Poder Local”.

Para Isabel Cruz, Presidente da Assembleia Municipal da Trofa, as questões da paridade nos órgãos municipais têm conhecido, nos últimos tempos, alterações no sentido de tornar efetiva a participação de mulheres ainda que o lugar alcançado por estas seja, muitas vezes, em posições em que não existe um poder efectivo. “Continua a haver falta de igualdade no grau exigência da competência, exigindo-se muito mais a uma mulher para ocupar um cargo de relevo”, acrescenta.

Perante a consciência desta desigualdade são muitos os países que têm vindo a adoptar uma postura mais proativa nas últimas décadas, recorrendo a várias medidas de ação positiva e de participação cívica, em especial nos cargos políticos. Como explica Tânia Ziulkoski “no Brasil a caminhada da mulher na busca por um espaço de atuação na política governamental e partidária é árdua, lenta, sofrida e marcada por descriminação. As mulheres representam 52% do eleitorado, mas governamos apenas com 7% da população. A baixa representatividade feminina na política é um gritante sintoma da desigualdade de género reinante no país”.

Tomando como exemplo a realidade de Cabo Verde, Clara Marques, Presidente da Assembleia Municipal da Praia, considera que “o poder é o factor limitador das mulheres na esfera politica e até económica, uma vez que os detentores desse mesmo poder não estão disposto a abrir mão dele”.

Para Eva Macedo, investigadora e Professora de Direito Constitucional, a constituição de 1976 introduziu a igualdade de género e, na sequência desse desígnio constitucional, é aprovada em 2006 a chamada lei da paridade que vem, a partir dessa altura, estabelecer as chamadas quotas, as quais vêm exigir que nas listas candidatas a determinados órgãos do poder político, houvesse uma representação mínima de 33,3%, de qualquer um dos sexos, uma lei que foi alterada em 2019, elevando esse mínimo de paridade para 40%. Segundo Eva Macedo, importa perceber o que mudou após 17 anos da aprovação destas leis, nomeadamente no que diz respeito à participação política por parte das mulheres, referindo que “a lei da paridade não é aplicável a todos os órgãos do poder nacional, ou seja, é aplicável ao parlamento mas não à eleição do Presidente da República, do primeiro-ministro ou dos membros do governo. A nível local também não é aplicável a todos os órgãos, sendo apenas aplicável aos órgãos colegiais como seja a Câmara Municipal e a Assembleia Municipal. Neste sentido ficam de fora poderes importantes como seja o Presidente da Câmara”.

Sobre a representatividade em órgãos colegiais a ANAM faz contas e revela que, actualmente, avaliando o universo dos 308 Municípios, esta é uma questão que acaba por ser evidente quando avaliados os números de mulheres que se encontram a Presidir as Assembleias Municipais, as quais ascendem a 59 a nível nacional, contando com uma representatividade em todos os distritos. Ainda que o número de Presidentes de Assembleias Municipais seja reduzido, acaba por ser o dobro daquele que representa as mulheres em cargos de Presidentes de Camara que não ultrapassam os 29.

Para Albino Almeida, Presidente da ANAM, a definição de quotas dos partidos e a Lei da Paridade, constituíram um grande passo para a promoção da igualdade de género na política, tendo, sem dúvida, contribuído para aumentar o número de mulheres neste contexto, ainda assim é fundamental que essas mulheres contribuam para a elevação da democracia e fazer o que ainda não foi feito”.

Governo destina verbas do PT2030 à renovação de equipamentos desportivos municipais

O Governo, através dos gabinetes da Ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, com a tutela do Desporto, e da Ministra da Coesão Territorial, disponibiliza verbas para os Municípios se candidatarem à renovação dos equipamentos desportivos municipais, promovendo a eficiência energética e reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa, na área de intervenção da eficiência energética na administração regional e local.

Numa carta enviada aos presidentes dos municípios do Continente, as Ministras Ana Catarina Mendes e Ana Abrunhosa sublinham que o valor indicativo dos apoios a esta área de intervenção, que engloba o universo do edificado sob alçada da administração local e regional, é de 247 milhões de euros, no conjunto dos Programas Regionais, no âmbito do PT2030.

Os equipamentos desportivos municipais são uma forma de estimular a atividade física e desportiva nos territórios e de contribuir para a promoção do desporto escolar e para os índices de bem-estar e saúde de todos os estratos etários. Verifica-se, porém, que são infraestruturas com consumo energético intensivo, representando grandes custos de operação e onde, por isso mesmo, existe margem para progressão em termos de eficiência energética.

Sabendo que as dificuldades e perturbações do mercado mundial da energia reforçaram a necessidade de adotar medidas de eficiência energética, uma vez que os municípios têm sido particularmente afetados pelos custos crescentes da energia, e cujo aumento condiciona o seu orçamento e dificulta a gestão financeira municipal, foram identificadas as seguintes ações para renovações do parque de edifícios existentes:

  • melhoria das componentes passivas da envolvente de edifícios, através, por exemplo, do isolamento térmico das paredes, das coberturas, dos pavimentos e/ou dos envidraçados;
  • melhoria das componentes ativas de edifícios, através, por exemplo, de sistemas de climatização para aquecimento e/ou arrefecimento e de aquecimento de águas sanitárias;
  • substituição de janelas e portas ineficientes por outras (mais) eficientes e sistemas de ventilação e iluminação natural;
  • sistemas de climatização (aquecimento, arrefecimento ou ventilação) e sistemas de gestão inteligente da energia;
  • intervenções que visem a eficiência hídrica e material, incluindo substituição de equipamentos ineficientes por outros (mais) eficientes;
  • intervenções que promovam a incorporação de biomateriais, de materiais reciclados, de soluções de base natural e as fachadas e coberturas verdes e as soluções de arquitetura bioclimática em prédios e edifícios e suas frações autónomas;
  • a instalação de painéis fotovoltaicos e outros equipamentos de produção de energia renovável.

Em paralelo, as Ministras Ana Catarina Mendes e Ana Abrunhosa recordam que, além dos 247 milhões de euros dos Programas Regionais do PT2030, as autarquias locais têm também ao seu dispor um conjunto de instrumentos financeiros, designadamente no âmbito do financiamento europeu, que podem ser também utilizados.

ANAM e ANMP discutem estratégias de reforço do Poder Local

A Associação Nacional de Assembleias Municipais (ANAM) e a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) reuniram recentemente, em Matosinhos, para abordar estratégias de reforço do Poder Local.

O encontro foi marcado por um entendimento comum das duas faces, executivo e deliberativo, do mesmo Poder Local: Câmara Municipal e a Assembleia Municipal, nas quais se conceberam, desenharam e implementaram políticas relacionadas com o serviço de proximidade necessário ao desenvolvimento e promoção das populações.

Esta reunião foi prova do amadurecimento da democracia e do diálogo, também na compreensão da diferença de desígnios de ambos os órgãos, Câmara e Assembleia, no qual devem rever-se todos os que defendem a robustez do Poder Local democrático, também como poder de proximidade.

Feito esse balanço, foram referidos outros assuntos centrais que afetam Portugal e os municípios, como a habitação, a pobreza e as migrações.

Foi ainda discutido a celebração do 50º Aniversário do 25 de Abril e a necessidade de trabalhar em conjunto nas alterações legislativas às leis autárquicas, na promoção de grupos de trabalho e na partilha regular de informação.

A necessidade de promover e partilhar boas práticas, quer dos municípios, quer das assembleias municipais, (já representadas na ANAM em número superior a 200 assembleias) é essencial a um mais eficaz trabalho de valorização das políticas públicas dos municípios, entendendo-se as assembleias municipais, parte integrante dos municípios enquanto órgão deliberativo e participativo, como válvula de segurança que previne e contém os radicalismos populistas, pelo que se deve caminhar, no sentido da complementaridade de ambos os poderes, cada vez mais focadas nos cidadãos.

Como membros da ANAM estiveram presentes o Presidente da Direção, Albino Almeida, os vice-Presidentes Isabel Cruz (Presidente da Assembleia Municipal da Trofa), Fernando Pereira (Presidente da Assembleia Municipal de Barcelos) e Raul Cunha (Presidente da Assembleia Municipal de Fafe), acompanhados por Palmira Macedo, do Conselho Geral da ANAM e Presidente da Assembleia Municipal de Matosinhos, pelo Secretário-geral, António Afonso e Ferreira Ramos, o Coordenador do Centro de Valorização do Eleito Local (CVEL).

XI WINTERFEST com cerca de três centenas de jovens em Fornos de Algodres

Fornos de Algodres acolheu neste fim de semana,o  XI WINTERFEST, com a participação de cerca de 300 pessoas, no Palace Hotel e Spa – Termas de São Miguel, assim marcaram presença nesta décima primeira edição do maior evento anual da Federação da Guarda da Juventude Socialista.

Este ano, o evento teve como  temas “Água e Floresta: Gerir o Futuro”, painel composto por Pedro Vaz, Administrador Executivo na AdP e Elmano Silva, Diretor Regional Adjunto na Direção Centro do ICNF; “Por Interior(izar)”, painel composto por Ana Abrunhosa, Ministra da Coesão Territorial, Nuno Araújo, Ex-Presidente da APDL e Daniel Joana, Coordenador do Projeto Interiormente; e “Trabalho Digno”, painel composto por Ana Mendes Godinho, Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Nuno Silva, Diretor Executivo da Comunilog e Miguel Costa Matos, Deputado à AR e Secretário Geral da JS.

Durante a tarde, nada melhor que passar pelo Centro de Interpretação Histórica e Arqueológica de Fornos de Algodres e ainda se realizaram dinâmicas coletivas com vista a envolver os vários jovens com a realidade social da vila de Fornos de Algodres.

A sessão de abertura contou com as intervenções de Manuel Fonseca, Presidente da Câmara Municipal de Fornos de Algodres e Alexandre Lote, Presidente da Federação da Guarda do Partido Socialista, que deram as boas-vindas aos participantes e relembraram a importância do papel dos jovens socialistas para a conquista da Câmara Municipal. Já Rodrigo Costa, Presidente da Concelhia de Fornos de Algodres da Juventude Socialista, optou por centrar a sua intervenção na valorização de vários elementos da sua concelhia que têm papéis de destaque nas associações e autarquias do concelho.

No encerramento, intervieram Miguel Costa Matos, Secretário-Geral da JS e Miguel Will, Presidente da Federação da Guarda da Juventude Socialista, para destacar a importância deste evento para promover o distrito e as suas tradições pelos jovens do resto do país e congratularam-se por estarem a participar na edição com maior número de participantes da história, ficando, desde logo, o mote lançado para em 2024 continuar a tornar este evento cada vez maior.

No dia 5 de março, a Federação da JS Guarda recebeu, também, a comissão nacional da JS, que fomentou a vinda de jovens ao distrito da Guarda, completando um fim de semana dedicado à concretização do território e reforçando a marca descentralizadora com que esta estrutura se tem vindo a pautar.

GNR-Operação “RoadPol – Dispositivos de segurança” – Cintos de segurança e sistemas de retenção de crianças

A Guarda Nacional Republicana (GNR), entre os dias 6 a 12 de março, irá realizar uma operação de fiscalização rodoviária direcionada para a fiscalização da utilização de cinto de segurança e sistemas de retenção de crianças, orientando as ações de fiscalização para as vias mais críticas à sua responsabilidade, em todo o território nacional continental.

Esta operação decorre no âmbito da Rede Europeia de Polícias de Trânsito (RoadPol), organização que foi estabelecida pelas polícias de trânsito da Europa, com a finalidade de melhorar a segurança rodoviária e o cumprimento das normas rodoviárias. No final de 2021, a GNR tornou-se membro da RoadPol, passando a integrar no seu planeamento operacional, as operações planeadas pela referida organização. No âmbito do planeamento anual efetuado pela RoadPol, a GNR com esta ação pretende também sensibilizar a sociedade para comportamentos mais seguros por parte dos condutores e passageiros, tendo em vista a promoção da segurança rodoviária e a salvaguarda de vidas humanas.

O cinto de segurança e o sistema de retenção para crianças (SRC), são dispositivos de segurança passiva dos ocupantes de um veículo automóvel, que têm por finalidade, em caso de acidente de viação, evitar a projeção dos mesmos para fora do veículo ou para partes interiores do mesmo, reduzindo a ocorrência de ferimentos ou a sua gravidade.

A não utilização de SRC e de cintos de segurança nos bancos da retaguarda dos veículos ligeiros de passageiros e nos veículos pesados de mercadorias e de passageiros continua a assumir números preocupantes, tendo sido verificadas, em 2022, 20.292 infrações por falta ou uso incorreto de cintos de segurança e SRC.

 

Cinfães e Pedreles na luta pelo título de futsal da AF Viseu

O Distrital de Futsal da AF Viseu continua cada dia mais emotivo, assim Cinfães e Pedreles travam um duelo interessante na luta pelo titulo.

Resultados
Acrd Rio Moinhos-Pedreles Beira Dão Cl.-1-3
Cd Cinfães-Inter Futsal Tarouca-3-1
Gigantes Mangualde- U.Estação-2-1
Futsal Clube Lamego-Gsrd Torredeita-3-5
Armamar Futsal- AJAB Tabuaço-5-2
Gd Concelho Penedono-Tuna Santo Estevão Scd-2-1

Lidera: CD Cinfães, com 42 pts, seguido do Pedreles com 40pts

Sub-19-Nacional 2ªDiv- CD Gouveia venceu fora e lidera serie de manutenção

Teve lugar mais uma ronda dos Sub-19, a nivel do Nacional da 2ªDivisão, com a turma do Gouveia a vencer fora de portas, já o SC Covilhã a sair derrotado em casa.

SÉRIE C
Associação Naval 1893- Condeixa /Intermaché-2-0
Ac Marinhense-CD Gouveia-0-1
Sc Covilhã-SC Pombal-1-3
Folgou Oliveirense.

Lidera o CD Gouveia com 32 pts, seguido da Oliveirense , 30 pts