Templates by BIGtheme NET
Início » centro

centro

PAN quer ouvir Governo com caráter de urgência sobre fenómeno da violência doméstica em Portugal

O Pessoas-Animais Natureza (PAN) deu já entrada no Parlamento de um requerimento para que o Ministro da Administração Interna, a senhora Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, e a Secretária de Estado da Igualdade e Migrações sejam ouvidos em audição com caráter de urgência na Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias sobre a situação da violência doméstica em Portugal. O PAN deu ainda entrada de um voto de pesar pelas vítimas de violência de doméstica, que neste ano já tirou a vida a quase tantas pessoas quanto o total registado em 2022.

“É profundamente preocupante que estejamos a meio do ano e tenhamos perdido já tantas vidas para a violência doméstica, incluindo crianças. Este continua a ser um flagelo no nosso país. Continuamos a falhar todos, enquanto comunidade, quando perdemos vidas para a violência, incluindo a violência contra crianças”, afirma a porta-voz e deputada do PAN, Inês de Sousa Real.

 

De acordo com dados da Associação de Apoio à Vítima (APAV), em média registam-se 54 casos de violência doméstica, por dia em Portugal.  Em mais de metade dos casos há antecedentes de agressões e 40% das vítimas já haviam apresentado queixa contra o homicida. Segundo o último Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), apesar de o fenómeno da violência doméstica ter registado em 2021 uma ligeira redução (-4%), continua a apresentar “índices de participação muito elevados, sendo o crime de violência doméstica contra cônjuge ou análogo aquele que mais participações regista entre todos os crimes”. Ao todo, em 2021, foram registadas 26.520 participações. Aliás, tal como sucedeu em 2020, o crime de violência doméstica contra cônjuge ou análogo é a tipologia criminal mais participada e é cometido, sobretudo, sobre mulheres (74,9%) por agressores dos sexo masculino (81,1%). De notar ainda que, conforme mostra o RASI, em 2021, o número de casos de violência doméstica contra menores registou um aumento de 8,1% no ano passado. Adicionalmente, as crianças encontram-se não raras vezes expostas às situações de violência doméstica entre os progenitores.

 

Para o PAN, obstante a densificação que tem vindo a ser feita em matéria de legislação ou mesmo ao nível da definição de estratégias e/ou planos de atuação com vista à sua prevenção, o fenómeno da violência doméstica em Portugal continua a assumir proporções preocupantes, de forma transversal a todo o país, idades ou situações sociais. “Urge, por isso, auscultar o Governo e as principais entidades competentes nesta matéria, de modo a, conjuntamente com a Assembleia da República, ser feita uma reflexão profunda sobre as razões do enraizamento da violência doméstica na nossa sociedade, dos meios de combate e das soluções para uma sua prevenção”, vinca Inês de Sousa Real.

 

Coro da Orquestra Comunitária “Sete e Sete” precisa voluntários

A Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões vem convidar todos os cidadãos para integrarem o coro da Orquestra Comunitária “Sete e Sete”.  Esta Orquestra é uma criação colaborativa, desenvolvida no âmbito da proposta “Concerto em Comunidade” da Rede Cultural Viseu Dão Lafões, que procura juntar pessoas com diferentes experiências musicais de cada um dos 14 municípios da CIM Viseu Dão Lafões.

Na Orquestra Comunitária “Sete e Sete” participam grupos musicais de todas as áreas, de bandas filarmónicas, a grupos de rock, concertinas, ranchos folclóricos e escolas de música, esta orquestra conta, ainda, com uma equipa de apoio para traduzir o que é a cultura da região.

O “Concerto em Comunidade” é um projeto artístico, dirigido pelo maestro Inglês Tim Steiner e pelo coletivo OndaAmarela, que resulta de um processo de co-criação entre artistas e as comunidades locais, colocando em palco pessoas, com ou sem experiência musical, de toda a região, numa performance irrepetível e memorável.

De acordo com o Presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Fernando Ruas, “Esta Open Call é uma oportunidade ímpar de todos os cidadãos, do território de Viseu Dão Lafões, fazerem parte de um espetáculo que se afigura como um dos mais impactantes desta edição da Rede Cultural Viseu Dão Lafões”.

Este programa está enquadrado no trabalho que a CIM Viseu Dão Lafões tem vindo a desenvolver nas áreas da cultura e da promoção turística, o qual tem sido suportado em projetos de cooperação intermunicipal e de envolvimento e participação dos agentes deste setor presentes no território.

Os interessados podem responder à Open Call, até dia 12 de julho, em: https://forms.gle/y4M9nEa97Kpi6Azv6

 

Bolsos dos portugueses mais vazios com subida de preços

A subida de preços afeta muitos dos portugueses e, para tentar minimizar o seu impacto no dia a dia, os consumidores procuram ser mais prudentes na hora da compra. Segundo o estudo Observador Cetelem Consumo em tempos de inflação 2022, 43% estão a optar por produtos mais baratos, 40% procuram novas formas de poupança e 38% equacionam reduzir a quantidade de compras.

Para fechar o top 5 das estratégias adotadas dado o contexto, 28% dos entrevistados revelam que passaram a escolher produtos de marcas mais acessíveis e outros 28% mencionam que esperam pelos saldos e promoções para fazer as suas compras.

Observa-se assim que os consumidores estão mais sensíveis ao preço e apresentam hoje um comportamento mais prudente, procurando para já adotar formas de poupança e por comprar menos. Apesar de 1 em cada 3 referir que vai procurar produtos de marcas mais acessíveis, a grande maioria afirma que não optará por produtos de menor qualidade (80%).

Face ao atual contexto, os consumidores esperam também um esforço por parte dos comerciantes

Quando questionados que medidas poderiam ser adotadas pelos comerciantes para evitar maior subida de preços, 42% dos portugueses inquiridos parecem disponíveis para aceitar uma potencial redução da oferta, com menor diversidade de marcas e 39% de produtos. Já as opções de beneficiarem de um serviço de pós-venda mais básico (10%), ter menos assistentes de vendas (9%) ou ter apenas caixas registadores automáticas (5%), sacrificando o atendimento humano e personalizado, não aparentam serem medidas bem acolhidas pelos consumidores. Proteger empregos no país (86%) é, aliás, um dos critérios mais importantes para a escolha de uma marca – a par do respeito pelos Direitos Humanos.

Face à subida dos preços de combustíveis e energia, 22% dos portugueses alteraram ou estão a pensar alterar o meio de transporte que utilizam. Assim, 90% dos que alteraram o meio de transporte passaram a usar os transportes públicos/coletivos e 16% vão optar por combinar viagens com familiares, amigos e colegas.

Portugueses usam poupanças para fazer face ao aumento de preços

De acordo com o estudo Observador Cetelem Consumo em tempos de inflação 2022, 3 em cada 10 portugueses, face à inflação, já usaram ou vão ter de usar as suas poupanças, nomeadamente, os inquiridos entre dos 35-44 anos (33%) e dos 45-55 anos (32%).

Face a esta situação, 28% dos inquiridos revelam também que estão a evitar pedir novos empréstimos com receio da subida das taxas de juro. E apenas 10% confirma um reforço das suas poupanças para um potencial imprevisto, sendo os mais jovens, dos 18 aos 24 anos, (13%) e os residentes na região Centro (16%) os que estão mais dispostos a fazê-lo.

Secretária de Estado do Turismo e Presidente da Câmara de Figueira de Castelo Rodrigo entregam prémio “Best Tourism Villages” à população de Castelo Rodrigo

A Secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, efetuou hoje uma visita a territórios de dois municípios do Centro de Portugal, onde ficou a conhecer alguns projetos turísticos pensados para a região. A visita foi acompanhada por uma equipa do Turismo Centro de Portugal, liderada pelo seu presidente, Pedro Machado, e pelo presidente da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, Luís Tadeu.

Antes de começar o dia, a comitiva pernoitou no alojamento “Colmeal Countryside Hotel”, no município de Figueira de Castelo Rodrigo. Esta é uma unidade hoteleira criada numa aldeia anteriormente abandonada, em plena Serra da Marofa, e que foi construída com os materiais da região, xisto e cortiça.

A manhã começou com uma visita ao cais de Barca D’Alva, também no concelho de Figueira de Castelo Rodrigo. A visita foi acompanhada por Carlos Condesso, presidente do município, e por Inácio Ribeiro, vice-presidente do Turismo do Porto e Norte. Por ser a única localidade da região Centro de Portugal banhada pelo rio Douro, Barca D’Alva dispõe de condições privilegiadas para o aproveitamento turístico, como a comitiva testemunhou na visita ao local.

Seguiu-se uma visita à Aldeia Histórica de Castelo Rodrigo, onde aconteceram dois momentos institucionais no Palácio de Cristóvão de Moura. O primeiro foi a entrega à população de Castelo Rodrigo do prémio Best Tourism Villages, que foi atribuído pela Organização Mundial de Turismo a Castelo Rodrigo, distinguindo-a como uma das melhores aldeias turísticas do Mundo. A autarquia aproveitou a deslocação de hoje para a Secretária de Estado entregar o prémio à população.
Para Carlos Condesso, autarca de Figueira de Castelo Rodrigo, esta entrega do prémio à população da Aldeia Histórica “é mais do que justa, pois são eles, juntamente com quem cá investe, os maiores obreiros deste prémio, e é com eles que deve ficar”. O Presidente da Câmara fez questão de referir que este trabalho não tem um rosto apenas, tem uma população inteira que merece ser lembrada pelo poder central. Carlos Condesso terminou dizendo que “temos tudo, património edificado, cultural e paisagístico, só falta que existam mais investimentos a pensar no futuro, captando mais fluxos turísticos e fixando mais gente”.
O segundo momento consistiu na apresentação de algumas iniciativas em curso nas Aldeias Históricas de Portugal, por Dalila Dias, coordenadora da Associação das Aldeias Históricas de Portugal. A cerimónia contou também com a presença de Carlos Ascensão, presidente das Aldeias Históricas de Portugal.

Depois, a comitiva deslocou-se à cidade de Pinhel, para o lançamento do Concurso REVIVE da Casa Grande. A sessão teve lugar no átrio do edifício a concessionar, que data da primeira metade do século XVIII, estando também presentes a vice-presidente do Turismo de Portugal, Teresa Monteiro, e o presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura.

Na sequência da apresentação, foi enviado também hoje, para publicação em Diário da República, o anúncio do concurso para a concessão deste edifício histórico, um dos edifícios mais emblemáticos do centro histórico de Pinhel, tendo em vista a sua exploração com fins turísticos, ao abrigo do Programa REVIVE.

Para Pedro Machado, esta visita da Secretário de Estado do Turismo inscreve-se na estratégia de valorização do produto e de dinamização do território do Centro de Portugal, que é uma preocupação central da Turismo Centro de Portugal. Simultaneamente, esta deslocação teve também o intuito de ilustrar a importância de disponibilizar patrimónios edificados para a atividade turística, como forma de animação dos núcleos urbanos. É o que sucede com a Casa Grande de Pinhel”. “Todos os objetivos da visita foram cumpridos e saímos daqui

Casas Regionais em Lisboa nas festas da cidade

Pela primeira vez nas festas da cidade de Lisboa, as casas regionais em Lisboa fazem parte da programação da maior festa popular da capital do país. No próximo fim de semana no jardim da Quinta das Conchas, no Lumiar, oito Ranchos Folclóricos sobem ao palco. Oito ranchos que representam oito concelhos do país.

A Casa do Concelho de Gouveia, com sede em Lisboa, está entre as oito Casas escolhidas para fazer parte desta programação. Do concelho de Gouveia virá o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Nespereira.

Casa Grande em Pinhel a concurso no âmbito do programa REVIVE

Na cidade de Pinhel teve lugar uma sessão,  no átrio do edifício da Casa Grande, com o lançamento do concurso REVIVE , para este edifício. Estiveram presentes  a Vice-Presidente
do Turismo de Portugal, Teresa Monteiro, e o Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura.
Na sequência deste ato público, foi enviado para publicação em Diário da República o
anúncio do concurso para a concessão deste edifício histórico que data da primeira metade do século
XVIII, tendo em vista a sua exploração com fins turísticos, ao abrigo do Programa REVIVE.
Para o Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura, “o lançamento do concurso REVIVE
tendo em vista a reabilitação, valorização e concessão para fins turísticos da Casa Grande é um
momento de crucial importância para o Município de Pinhel tendo em conta que é um dos edifícios
mais emblemáticos do centro histórico de Pinhel”.
“Numa altura em que Pinhel está claramente em trajetória ascendente, no que diz respeito à atração de turistas e, consequentemente, à atração de investimentos na área do Turismo, o lançamento do REVIVE representa a esperança de, por um lado, recuperar um edifício de grande valor patrimonial, e por outro lado, de criar um tipo de oferta turística que ainda não temos e que será complementar aos vários projetos que foram surgindo ao longo dos últimos anos”, concluiu o autarca, lembrando os múltiplos investimentos que o Município tem feito na recuperação e valorização do centro histórico e dos patrimónios concelhios.
Por sua vez, a Secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, aproveitou a
oportunidade para elogiar o trabalho da equipa associada ao programa REVIVE, lembrando as
dificuldades dos últimos dois anos associadas à situação de pandemia.
No entender da governante, “o turismo é uma força de bem, capaz de regenerar territórios e de
contribuir para uma maior coesão territorial”, motivo pelo qual apelou a todos no sentido de
colaborarem na divulgação dos territórios e também do concurso que irá permitir dar uma nova vida à Casa Grande de Pinhel.

A Casa Grande, é um dos edifícios mais emblemáticos do centro histórico da cidade de Pinhel, é o 27o
imóvel colocado a concurso no âmbito do REVIVE.
O edifício será concessionado por 50 anos, para exploração com fins turísticos, por uma renda mínima anual de € 5.869,57.
Os investidores interessados terão um prazo de 120 dias para apresentação de propostas que, além
da recuperação do imóvel, promovam a sua valorização através da exploração turística e contribuam
para atrair turistas para a região e para gerar novas dinâmicas na economia local.
A Casa Grande, em Pinhel, foi um dos 16 imóveis integrados na segunda fase do programa REVIVE,
uma iniciativa dos ministérios da Economia, da Cultura, das Finanças e da Defesa, que conta com a
colaboração das autarquias locais, e pretende recuperar e valorizar património público devoluto e
reforçar a atratividade dos destinos regionais.

Toda a informação sobre o novo concurso estará brevemente disponível no site do Programa REVIVE:
https://revive.turismodeportugal.pt/pt-pt

Inaugurado o polo da Região Centro do Observatório no Politécnico da Guarda

Teve lugar a inauguração do polo da Região Centro do Observatório nas instalações do Politécnico da Guarda serviu de ocasião para o seu presidente, Joaquim Brigas, garantir que “os investigadores do IPG irão promover investigação e conhecimento que permitirá avaliar e desenvolver o envelhecimento ativo e saudável”. 

“O Politécnico da Guarda está muito bem posicionado para apoiar a definição de políticas públicas de apoio ao envelhecimento ativo, assim como de políticas para enfrentar os problemas sociais e de saúde com que a população mais velha se irá deparar no futuro próximo”, afirmou o presidente do Instituto Politécnico da Guarda – IPG, Joaquim Brigas, esta terça-feira na inauguração do polo da Região Centro do Observatório Nacional do Envelhecimento (ONE) nas instalações do IPG. O polo da Região Sul ficará sediado na Universidade Nova de Lisboa e o da Região Norte na Universidade do Porto.
 
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social confessou “especial orgulho por ser na Guarda que isto está a acontecer”. Ana Mendes Godinho, considerou mesmo “uma pedrada no charco” o trabalho que está a ser levado a cabo pelo Politécnico da Guarda. “Estão a ser desenvolvidas novas respostas para o envelhecimento, temos já cinco investigadores mobilizados para este projeto no IPG”, afirmou Ana Mendes Godinho. “O objetivo é produzir e partilhar conhecimento, para depois desenvolver projetos que têm financiamento do PRR para serem levados a cabo”.

Penalva do Castelo acolheu projeto Craft Turismo Criativo

Decorreu no salão da Loja de Cidadão, no âmbito do projeto Craft Turismo Criativo  na oficina de artesanato de cestaria, bracejo/junça e junco.
Após as boas vindas e contextualização do projeto pelo Dr. Emanuel Ribeiro (coordenador do projeto – Associação de Desenvolvimento do Dão) e representantes da empresa Opium (empresa que se encontra a implementar o projeto) deu-se início aos trabalhos.
Cada artesão fez uma breve apresentação e demonstração de técnicas e materiais naturais utilizados. Posteriormente os participantes tiveram a oportunidade de experimentar várias técnicas artesanais através da orientação e mestria dos artesãos presentes.
Num processo de cocriação, artesãos e participantes, foram desafiados a proporem novos produtos criativos, com objetivo de reinterpretar matérias primas tradicionais e desenvolver novas abordagens estéticas e modos de aplicação das mesmas.
Como resultado desta oficina de cocriação será apresentado, posteriormente, um protótipo de um produto artesanal original (com recurso a estas matérias naturais).
O Senhor Presidente da Câmara, Francisco Carvalho, também marcou presença. Agradeceu a participação de todos, enalteceu o trabalho dos artesãos e realçou o mérito e pertinência do projeto.
Promovido pela Associação de Desenvolvimento do Dão (ADD) em parceria com os seus municípios associados e com a Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões, é um projeto piloto para a promoção do turismo criativo ligado ao artesanato e saber-fazer do território e comunidades de Aguiar da Beira, Mangualde, Nelas, Penalva do Castelo e Sátão.

Polo do Observatório Nacional do Envelhecimento (ONE) vai nascer na Guarda

Vai nascer no centro do país o Polo do Observatório Nacional do Envelhecimento (ONE), o primeiro naquela região. O espaço é inaugurado nesta terça-feira, pelas 10h30, no Instituto Politécnico da Guarda, e conta com a presença da Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

Este novo Polo, o primeiro a ser inaugurado fisicamente, representa uma aposta do ONE e da Academia das Beiras, em aproximar a região do interior, onde o envelhecimento populacional será o desafio da década.

O Observatório Nacional de Envelhecimento é coordenado pelo Algarve Biomedical Center (ABC), pela NOVA Medical School da Universidade Nova de Lisboa e pela Universidade do Porto, e pretende dinamizar a colaboração entre instituições públicas, privadas e sociedade civil para o estudo do envelhecimento. Fazem ainda parte do projeto vários parceiros e entidades públicas e privadas.

O ONE tem como objetivo promover a investigação e conhecimento que permitam avaliar e desenvolver o envelhecimento ativo e saudável, adequando as prioridades e avaliando as políticas públicas nas várias áreas impactantes no envelhecimento, principalmente na área social, do trabalho, da saúde, da transição para a reforma, da educação e da formação ao longo da vida, da participação cultural e cívica em função do território, das necessidades e das dinâmicas da população.

Numa altura em que existe um investimento considerável em Portugal, com o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e o P2030 a criar as oportunidades para uma significativa melhoria da qualidade de vida da população, é de extrema importância a avaliação das políticas de envelhecimento, visando maximizar os benefícios para todos os portugueses.

Freguesia de Vila Cortês fica com mais competências

Aconteceu , a Sessão de Assinatura do Auto de Transferência de Recursos no Âmbito da Transferência de Competências para a Freguesia de Vila Cortês do Mondego, no âmbito do Decreto-Lei n.º 57/2019, de 30 de abril,  na sede da junta. O referido documento possibilita a transferência de recursos bem como a atribuição das seguintes competências à junta de freguesia: Gestão e manutenção de espaços verdes; Limpeza de vias e espaços públicos, sarjetas e sumidouros; Manutenção, reparação e substituição de mobiliário urbano instalado no espaço público, com exceção do que seja objeto de concessão; e Gestão e manutenção de feiras e mercados. Corresponde a um investimento do município superior a 1 milhão de euros.