Templates by BIGtheme NET
Início » Cultura (Pagina 20)

Cultura

Gouveia-“Anfiteatro da Cerca” voltou a ter música

O concerto “Expressões de uma Polifonia Popular Beirã – O instrumento e a partitura, com João Barradas & Quinteto de Cordas da Orquestra Sinfónica de Gouveia” deu vida ao “Anfiteatro da Cerca”, em Gouveia.
Na primeira parte, foram interpretados os temas “Hymn of Remembrance”, de Keith Jarrett (1945), “EN[I]GMA”, de Yann Robin (1974) – uma composição dedicada a João Barradas e encomendada pela Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, Philharmonie Luxembourg e Casa da Música Porto -, “Las Quatro Estaciones Porteñas”, de Astor Piazzolla (1921-1992) e ainda Otoño Porteño, Invierno Porteño, Verano Porteño, Primavera Porteña, pelo músico João Barradas (acordeão).
Já a segunda parte do concerto contou com “Expressões de uma Polifonia Popular Beirã, de Hélder Abreu e Túlio Augusto, também com João Barradas no acordeão, o Quinteto de Cordas da Orquestra Sinfónica de Gouveia, os violinos de Cláudio Gama, Alexandra Silva, Inês Nunes; Sónia Torres no violoncelo e Dércio Fernandes no contrabaixo.

Isolamento social afeta mais de 42 mil idosos em Portugal

A solidão e o isolamento dos idosos são temas que cada vez mais devem ser debatido para que seja encontrada solução.
O presente e o futuro da solidão e isolamento dos idosos em debate. Evento decorre no âmbito do Dia Mundial da Consciencialização da Violência Contra a Pessoa Idosa.
O isolamento social é uma realidade que atinge mais de 42 mil idosos em Portugal. A situação pandémica veio agravar este cenário, tanto nos meios rurais, como em meios urbanos. Para abordar esta realidade, para sensibilizar a sociedade para a mudança de comportamentos que ajudem a combater esta problemática e, também, para dar voz a quem já trabalha no terreno, realiza-se, no dia 15 de junho, o Webinar “Solidão e Isolamento dos Idosos – Presente e Futuro”. O evento é digital e gratuito e decorre no âmbito do Dia Mundial da Consciencialização da Violência Contra a Pessoa Idosa.
Sendo Portugal um país fortemente envelhecido, marcado pelo forte isolamento social desta faixa etária da população, torna-se fundamental encontrar formas de combate a este flagelo. Este foi o ponto de partida para a Asserbiz – uma entidade que coloca a tecnologia ao serviço dos eventos -, decidir promover um evento digital, cuja dimensão e alcance permitissem aprofundar este tema da forma mais abrangente possível, envolvendo agentes sociais e pessoas de todo o país para uma consciência de trabalho coletivo. Com este propósito, a Asserbiz lançou ainda o microsite: https://vamosacabarcomasolidaoeisolamento.pt/

De acordo com a organização do evento, os objetivos do webinar são: mostrar o contexto da realidade no interior e em cada zona geográfica, bem como, as suas as consequências sociais e económicas; abordar as ações já levadas a cabo junto da população idosa; partilhar melhorias e sugestões para o futuro. Para o efeito, o evento contará com a intervenção de vários oradores e organizações especializados na área Social, com testemunhos de técnicos de ação social, psicólogos, entre outros profissionais que acompanham de perto casos de idosos que vivem em profunda solidão e isolamento.

Os dados do último balanço da Operação Censos Sénior 2020 revelam que: o isolamento é uma realidade que atinge mais de 42 mil idosos em Portugal, com o distrito de Vila Real a concentrar o maior número de casos. Com o objetivo de identificar a população idosa, que vive sozinha, isolada, ou sozinha e isolada, a operação sinalizou 42.439 idosos a viver sozinhos ou em situação de vulnerabilidade nos 18 distritos do país. Lisboa, com 767 sinalizados, e Porto, com 857, são, por outro lado, os distritos do país em que se registaram menos idosos em situação de vulnerabilidade.

Para Nuno Seleiro, representante da Asserbiz e coordenador da organização do evento“Este webinar é uma oportunidade para sensibilizar a comunidade para a importância do trabalho coletivo no combate a este flagelo que existe, não só, em contexto rural, como também, em contexto urbano. Esperamos alcançar uma grande parte da população e chegar a todo o país, de forma a debatermos e transmitirmos globalmente novas estratégias e formas de atuar em situações de solidão e isolamento nos idosos. Encaramos ainda a realização deste webinar como uma oportunidade de mostrar que o digital pode aproximar, pode permitir que participantes de todo o país (e não só), possam debater ideias e soluções sobre este tema tão pertinente. O isolamento e a solidão também são formas de violência.

Margarida Conde, responsável pela organização do webinar, espera que o evento permita ampliar a mensagem da importância de cuidar da terceira idade e muscular as medidas de proteção: “Esperamos robustecer a consciencialização da sociedade em geral, para a necessidade de reforçar a atenção, a preocupação e a solidariedade para com os idosos nesta situação.”

Residente na aldeia de Cortes, no concelho de Góis, – aldeia constituída por uma população fortemente envelhecida – Margarida Conde afinou a sua sensibilidade para a problemática através de um projeto académico que desenvolveu, onde realizou várias entrevistas a idosos, de forma a documentar a partilha de histórias, vivências, experiências e saberes da sua aldeia. “Os saberes dos idosos são provas vivas das riquezas e das vivências dos nossos antepassados que devem perpetuar no tempo, são parte da história de um povo. É um dever, de todos nós, cuidar e proteger os nossos idosos”, sublinha.

 

A participação no Webinar “Solidão e Isolamento dos Idosos – Presente e Futuro” é gratuita e aberta ao público em geral. Atualmente, o webinar já conta já com mais de 200 participantes inscritos, de todas as regiões de Portugal Continental e ilhas. O evento realiza-se dia 15 de junho, às 16h00, é 100% online e será emitido um certificado de participação. Inscrições AQUI.

 

Tópicos a abordar no evento:

– Os fatores de risco comuns para os tipos de isolamento e solidão;

– O isolamento e a solidão dos idosos antes e depois da pandemia COVID-19;

– O isolamento e a solidão no meio rural e no meio urbano;

— Como pode a sociedade ajudar a combater o isolamento social e a solidão?

– O isolamento e a solidão no Futuro.

Gouveia- Polidesportivo de Paços da Serra vai ser inaugurado

Vai ser inaugurado em breve, pelo Município de Gouveia  o Polidesportivo de Paços da Serra, mais concretamente no dia 16 de junho, pelas 11h30, numa cerimónia que irá contar com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Gouveia, Luís Tadeu, do Presidente da Junta de Freguesia de Paços da Serra, Vítor Quaresma e do Secretário de Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel.

De salientar que, as obras de beneficiação e requalificação do recinto polidesportivo da freguesia de Paços da Serra resultaram de um projeto apresentado pelo Município de Gouveia ao Programa BEM – Beneficiação de Equipamentos Municipais, com o propósito de valorizar o polidesportivo, nomeadamente ao nível da cobertura e iluminação, num investimento elegível de 259.038,77 euros, com uma comparticipação de 155.423,26 euros.

Este polidesportivo irá servir a comunidade local, bem como a população em geral, sobretudo as camadas mais jovens, que passam a dispor de um espaço adequado para a prática desportiva.

foto:MG

“De Corpo e Alma” premiado com Ouro e Prata

Novo filme promocional das Aldeias Históricas de Portugal premiado em dois conceituados festivais de cinema de turismo

“De Corpo e Alma”, o novo filme promocional das Aldeias Históricas de Portugal, produzido pela Lobby Films and Advertising, acaba de receber duas importantes distinções: Ouro no Festival Internacional de Cinema de Turismo de África e Prata no Festival Internacional de Cinema de Turismo, Capadócia, Turquia. Os dois prémios foram conquistados na categoria de Produtos Turísticos.

Apesar da forte concorrência – só no Festival Internacional de Cinema de Turismo de África estiveram a concurso mais de mil filmes, provenientes de 94 países! – a estreia das Aldeias Históricas de Portugal na maior competição de filmes de turismo à escala mundial, os “World’s Best Tourism Film Awards – CIFFT Circuit”, não podia ter começado de forma mais positiva: o filme “De Corpo e Alma” arrebatou o Ouro no Festival Internacional de Cinema de Turismo de África e conquistou Prata no Festival Internacional de Cinema de Turismo, Capadócia, Turquia, ambos na categoria de Produtos Turísticos.

Estes prémios representam o reconhecimento internacional da qualidade técnica e criativa do filme realizado por Telmo Martins, e produzido pela Lobby Films and Advertising, em parceria com a Aldeias Históricas de Portugal – Associação de Desenvolvimento Turístico, mas também da estratégia de comunicação delineada para o território e isto de acordo com a exigência de um júri internacional composto por prestigiados profissionais internacionais da área do turismo e promoção/comunicação turística.

Por outro lado, estes prémios demonstram, mais uma vez, a atratividade das 12 Aldeias Históricas de Portugal, não só para o turismo, como também para o universo das indústrias culturais e criativas. Este é, aliás, um eixo estruturante na política de ativação e dinamização da Rede no domínio socioeconómico e que se pretende ver em crescimento na próxima década (Estratégia Aldeias Históricas de Portugal 2030), com vista à diversificação do tecido empresarial do território. Um objetivo que parte das competências já existentes e outras que estão a ser criadas por via do sistema científico instalado na região, com abordagem especializada nesta área.

Com estas distinções, o filme “De Corpo e Alma” entra, assim, com o pé direito na maior competição de filmes de turismo à escala mundial, os “World’s Best Tourism Film Awards – CIFFT Circuit”, composto pelos 14 maiores e mais prestigiados festivais de filmes de turismo. Mais uma importante ferramenta de comunicação das Aldeias Históricas de Portugal, com vista ao reforço da notoriedade internacional do território.

Sobre a Rede das Aldeias Históricas de Portugal
Perdidas entre montes e vales da verdejante paisagem do interior de Portugal, repletas de lendas e castelos, sabores e tradições, há 12 singelas aldeias onde apetece perdermo-nos, para nunca mais nos encontrarmos. Almeida, Belmonte, Castelo Mendo, Castelo Novo, Castelo Rodrigo, Idanha-a-Velha, Linhares da Beira, Marialva, Monsanto, Piódão, Sortelha e Trancoso: as Aldeias Históricas de Portugal, um destino que são 12, são paraísos escondidos que nos levam numa viagem ao tempo de reis e rainhas, épicas e infinitas batalhas que escreveram a História como a conhecemos hoje. Viajar até às Aldeias Históricas de Portugal é, assim, descobrir a História de um país de temerários conquistadores, através das pedras das suas calçadas e das suas frondosas muralhas e castelos, orgulhosa e imponentemente erguidos. É, ainda, a garantia de momentos inesquecíveis de lazer, aventura e descoberta, temperados com os inigualáveis aromas e sabores da região, que compõem a sua típica gastronomia. No território das Aldeias Históricas de Portugal há um sem fim de trilhos para caminhadas e percursos de bicicleta e BTT – como a Grande Rota 22 (GR), a maior rota de Walking & Cycling em Portugal, com cerca de 600 km.
As Aldeias Históricas de Portugal são o primeiro destino em rede – à escala mundial –, e o primeiro destino nacional a receber a certificação BIOSPHERE DESTINATION.
A Grande Rota das Aldeias Históricas de Portugal (GR22) é a maior rota europeia para caminhadas com selo Leading Quality Trails – Best of Europe, entregue pela European Ramblers Association (Associação Europeia de Caminhada).

Monumento em Homenagem aos Combatentes no Ultramar do Concelho de Pinhel inaugurado

O dia 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, foi aproveitado em Pinhel para a  inauguração do Monumento em Homenagem aos Combatentes no Ultramar do Concelho de Pinhel no Largo da Fonte Nova , na cidade falcão. Este monumento é da autoria do arquiteto guardense António Saraiva.
Estiveram presentes nesta cerimónia, o Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura e o Executivo Municipal, Presidente da Direção do Núcleo de Pinhel da Liga dos Combatentes, António Correia da Cruz, Tenente Coronel José Pires Martins, Arquiteto António Saraiva, representantes dos núcleos da Liga dos Combatentes dos concelhos vizinhos, 2º Comandante do Regimento de Infantaria Nº14 de Viseu ,Tenente Coronel Paulo Almeida, militares, combatentes, a Secretária de Estado de Recursos Humanos e Antigos Combatentes, Catarina Sarmento e Castro e demais entidades.
Foi uma iniciativa conjunta do Município de Pinhel e do Núcleo de Pinhel da Liga dos Combatentes em que foi feita homenagem aos munícipes que combateram ao serviço de Portugal.
Depois da inauguração e da bênção  do monumento pelo Pároco Jorge Castela, o arquiteto António Saraiva realça que: “Trata-se de um monumento muito singelo, acima de tudo para a grandiosidade dos homens que aqui estão referenciados, mas que tem por detrás muito de esperança, e de ser dinâmico”. Foi um rematar deste espaço, que tem muito de cívico, que tem de animação, de dinamismo, está muito perto também das escolas, e do ensino que nós queremos manter viva, esta questão que foi uma página da História de Portugal aos nossos jovens este conjunto ganha é precisamente pelo conjunto. Não é uma simples peça, é algo dinâmico que começa com elementos de aço que eles próprios se transformam em bancos para a reflexão, para estar, mas também para o lazer simbólico neste espaço, os próprios blocos também para além de servirem com esse complemento demonstram o nosso granito daqui de onde saíram aqueles homens mas também os obstáculos do campo de batalha que estes homens encontraram no Ultramar. Por sua vez, todo este verde como símbolo de esperança e numa referência precisamente à nossa bandeira”.

Por sua vez, Rui Ventura, salienta que: “No dia em que celebramos Portugal, é uma honra para o município de Pinhel inaugurar um monumento que é acima de tudo uma homenagem, uma homenagem a Portugal e àqueles que em tempos difíceis foram chamados a travar uma guerra que infelizmente como em todas as guerras foi demasiadamente longa e como todas as guerras deixou demasiadas marcas. Quero aqui hoje manifestar o meu respeito por todos aqueles que tiveram de partir ao rumo desconhecido e ao perigo dispostos a fazer o melhor que sabiam e que podiam pelo seu país, foi este sentimento de respeito que levou o município de Pinhel a associar-se ao Núcleo de Pinhel da Liga dos Combatentes nesta homenagem sob a forma de monumento ou de memorial, o anseio deste monumento ou memorial era antigo e tinha razão de ser.

A homenagem que prestamos aqui hoje é mais que justa e merecida, a obra como perceberam é da autoria do arquiteto António Saraiva que eu agradeço desde já, mas também tivemos o privilégio de o ter connosco nas comemorações dos 250 anos da cidade de Pinhel”.

Depois , a Secretária de Estado de Recursos Humanos e Antigos Combatentes, Catarina Sarmento e Castro refere:” Quero antes de mais agradecer ao Município de Pinhel na pessoa do  Presidente Rui Ventura, o convite para participar neste dia, que é um dia tão significativo na inauguração do momento de  homenagem aos Antigos Combatentes  de Pinhel e concedendo assim senhor presidente a honrosa oportunidade que é verdadeiramente isso de me associar a esta iniciativa conjunta do Município de Pinhel e do Núcleo de Pinhel da Liga dos Combatentes e deste modo tomar parte nesta homenagem aos munícipes que combateram ao serviço de Portugal e que nos cabe a todos escrever na história como sendo dignos titulares desse reconhecimento.

Foi com grande satisfação como já pude dizer pessoalmente ao presidente que prontamente aceitei este convite e em particular pelo grato privilégio de poder prestar esta homenagem aos Antigos Combatentes neste dia que é Dia de Portugal, Dia de Camões e das Comunidades”.

Foram ainda condecorados 6 antigos combatentes:

Alípio Fernandes Lopes (Guiné, 1972/1974)

António Costa Almeida (Angola, 1973/1974)

Egberto Damas Ferreira (Angola, 1973/1975)
José Alberto Teixeira (Guiné, 1966/1968)
José Caetano Pinheiro Carvalho (Angola, 1967/1969)
Manuel Alves Martins (Moçambique, 1967/1969)

PORTAS DO SOL – Festival de Artes de Rua 1, 2 e 3 de julho – 2ª edição

Situação de calamidade até dia 27 de junho com novas regras

Foi aprovado em Conselho de Ministros  a resolução que declara a situação de calamidade em todo o território nacional continental até às 23:59h do dia 27 de junho de 2021.
Tomando por base os dados relativos à incidência por concelho à data de 8 de junho, e tendo em conta os critérios definidos para alguns territórios, não avançam para a nova fase de desconfinamento (fase 1) os concelhos de Lisboa, Odemira, Braga e Vale de Cambra, aos quais se aplicam as medidas de 1 de maio.
Dando continuidade à estratégia de levantamento de medidas de confinamento no âmbito do combate à pandemia da doença COVID-19, entram em vigor às 00:00h do próximo dia 14 de junho as seguintes medidas, aplicáveis aos concelhos que avançam no desconfinamento (nível de incidência inferior a 120 casos por 100 mil habitantes na avaliação cumulativa a 14 dias, ou >240/100.000 no caso dos territórios de baixa densidade):
  • Atividades de comércio de retalho alimentar e não alimentar funcionam de acordo com o horário do respetivo licenciamento;
  • Na restauração, os horários de funcionamento são até às 00:00h para admissão e encerramento à 01:00h (6 pessoas no interior ou 10 pessoas nos espaços ou serviços de esplanadas abertas);
  • Equipamentos culturais encerram à 01:00h, ficando excluído o acesso, para efeitos de entrada, a partir das 00:00h;
  • Demais estabelecimentos e equipamentos abertos ao público não referidos nos pontos anteriores encerram à 01:00h;
  • Os serviços públicos desconcentrados prestam o atendimento presencial sem necessidade de recurso a marcação prévia;
  • As lojas de cidadão mantêm o atendimento presencial mediante marcação bem como a prestação desses serviços através dos meios digitais e dos centros de contacto com os cidadãos e as empresas;
  • Eventos de natureza familiar, incluindo casamentos e batizados, com lotação limitada a 50 % do espaço em que sejam realizados;
  • Prática de todas as atividades de treino e competitivas amadoras, incluindo de escalões de formação, sendo admitida a presença de público desde que com lugares marcados, distanciamento, regras de acesso e com limite de lotação correspondente a 33% da lotação total do recinto desportivo;
  • Prática de todas as atividades de treino e competitivas amadoras, incluindo de escalões de formação, fora de recintos desportivos, sendo admitida a presença de público com limites de lotação e regras a definir pela DGS;
  • Os transportes coletivos de passageiros devem assegurar, quando existam lugares sentados e em pé, a lotação máxima de 2/3 da sua capacidade para o transporte terrestre, fluvial e marítimo, não existindo restrições de lotação quando o transporte seja assegurado exclusivamente através de lugares sentados;
  • No transporte em táxi e no transporte individual e remunerado de passageiros em veículos descaracterizados a partir de plataforma eletrónica, os bancos dianteiros não podem ser utilizados pelos passageiros.
O teletrabalho deixa de ser obrigatório e passa a ser recomendado quando as atividades o permitam em todos os municípios do território nacional continental que passam a enquadrar-se em fase 1. Braga, Lisboa, Odemira e Vale de Cambra mantêm as mesmas regras, pelo que o teletrabalho se mantém obrigatório quando as atividades o permitam.
São, ainda, adotadas as seguintes medidas, aplicáveis a todo o território nacional continental:
Testes
  • No que respeita à realização de testes diagnóstico de SARS-CoV-2 passa a estar prevista, por determinação da autoridade de saúde, a possibilidade dos trabalhadores que, independentemente do vínculo laboral, da modalidade ou da natureza da relação jurídica, prestem atividade em locais de trabalho com 150 ou mais trabalhadores;
  • Passa, igualmente, a estar sujeito à realização de testes de diagnóstico de SARS-CoV-2, de acordo com as normas e orientações da DGS, quem pretenda assistir ou participar em eventos natureza cultural, desportiva, corporativa ou familiar, designadamente casamentos e batizados, sempre que o número de participantes exceda o definido pela DGS para efeitos de testagem de participantes em eventos.
2. Foi aprovado o decreto-lei que altera medidas no âmbito da pandemia da doença COVID-19, designadamente no que respeita a matérias de retoma de atividades de apoio social e de recursos humanos.
Nesse contexto:
  • é determinada a retoma das atividades de apoio social desenvolvidas em centros de dia com funcionamento acoplado a outras respostas sociais, a partir de 1 de julho de 2021;
  • é prorrogado o prazo máximo de duração do serviço efetivo em regime de contrato no âmbito das Forças Armadas, de forma faseada – até 31 de outubro de 2021, no caso dos contratos cujo limite de duração normal foi atingido até ao final do ano de 2020; até 30 de novembro de 2021, no caso daqueles cujo limite foi atingido durante o 1.º trimestre de 2021; e até 31 de dezembro de 2021, no caso daqueles cujo limite foi ou venha a ser atingido a partir do 1 de abril de 2021.

Fonte:CMGP

A Viagem do Elefante chega em 2022

O Clube Escape Livre apresentou esta semana a sua grande novidade para o calendário de todo terreno turístico de 2022: O Off Road Caminho de Salomão que se propõe ligar Belém a Castelo Rodrigo percorrendo os trilhos das pegadas do elefante Salomão.
Existiu, no século XVI, um elefante que caminhou de Lisboa a Viena, para ser oferecido pelo Rei de Portugal, D. João III, ao seu primo, Maximiliano II, Arquiduque da Áustria. A estória foi contada por José Saramago no livro “A Viagem do Elefante” e, de 15 a 19 de junho de 2022, o Clube Escape Livre vai recriá-la num passeio de todo terreno icónico.
Este novo passeio do Escape Livre, em parceria com o projeto Viagem do Elefante – Rota Turística Literária da Associação de Desenvolvimento Regional Territórios do Côa, vai proporcionar um percurso por fora de estrada de grandes e diversificadas paisagens passando por Belém, Constância, Castelo Novo, Belmonte, Sortelha, Guarda, Cidadelhe e Castelo Rodrigo, exatamente os locais imaginados na viagem de José Saramago.
A Suzuki será a marca oficial do evento e o seu modelo Vitara, reconhecido pelas suas muitas capacidades, nomeadamente, de conforto em estrada e em todo terreno, foi o escolhido para todo o trabalho de desenvolvimento do percurso entre Belém e Castelo Rodrigo.
O programa provisório revela que a concentração terá lugar em Lisboa ao fim da tarde de quarta-feira 15 de junho, seguindo-se o jantar de boas-vindas. Na quinta-feira a primeira etapa liga Belém a Constância com paragem para almoçar na reputada Casa do Cadaval e dormida no
Hotel dos Templários. A etapa seguinte, na sexta-feira, vai de Constância a Castelo Novo com paragem para almoçar no Hotel Amoras em Proença-a-Nova e dormida no referencial Alambique de Ouro Hotel Resort & SPA no Fundão. No sábado a etapa contempla Belmonte e Sortelha antes de chegar à Guarda e ao Hotel Lusitânia. Finalmente a última etapa, domingo 19 de junho, passa por Cidadelhe e termina com o almoço de encerramento em Castelo Rodrigo.
As inscrições abrem a 1 de novembro e estão limitadas a 40 equipas.
Para Luís Celínio presidente do Clube Escape Livre: “A tradição cultural dos eventos Escape Livre ganha nova dimensão com este Off Road Caminho de Salomão e o que estamos a preparar para este fim-de-semana alargado de junho é muito mais do que um desafio fora de estrada. É folhear, no terreno as páginas cativantes deste livro de José Saramago. Daí a ligação ao projeto da rota turística literária da Associação de Desenvolvimento Regional Territórios do Côa”.

Pinhel inaugura Monumento em Homenagem aos Combatentes no Ultramar do Concelho

Aproveitando o feriado do 10 de junho, em Pinhel vai acontecer a inauguração do Monumento em Homenagem aos Combatentes no Ultramar do Concelho de Pinhel, cerimónia que será presidida pela Senhora Secretária de Estado de Recursos Humanos e Antigos Combatentes, Catarina Sarmento e Castro, tendo lugar no Largo da Fonte Nova,  às 10.00h.

Pacto – Geração Economia Guarda 2040 sugerido por Sérgio Costa

Na tarde desta segunda -feira, teve lugar a conferência de imprensa da Plataforma de Cidadãos Independentes liderada por Sérgio Costa solicita que seja feito um pacto pela Guarda, que deixou as seguintes palavras:”As próximas Eleições Autárquicas são a oportunidade dos Guardenses fazerem ouvir a sua voz e a sua vontade na escolha da decisão do caminho que irão trilhar no desenvolvimento que anseiam para o seu Concelho.

É com a sua fundamental participação cívica através do voto que irão cuidar da sua Cidade, Vila e Aldeias. Será cada um deles o juiz do seu, e do nosso futuro.

Cabe aos Candidatos trabalhar com humildade para ganhar a confiança dos eleitores, com as suas propostas e com a sua capacidade de liderança.

Demonstrando a sua vocação consubstanciada na resolução dos problemas dos Guardenses. É chegada a hora de apresentar propostas aos Guardenses.

É chegada a hora de exprimir a nossa opinião e vontade através do nosso voto. Os Guardenses sabem o que querem dos Políticos que vão eleger para os representar: Competência, Trabalho e Decisão.

Todos estamos convocados, todos os Movimentos da Sociedade Civil, todos os Partidos, todas as Instituições, todas as Empresas, todos os Cidadãos.

A Guarda quer gente de pensamento independente de partidos, lobbies ou quaisquer outros interesses. Quer gente que defenda em primeiro e único lugar – A Guarda.

Ao ouvir os Guardenses, tenho constatado que a Guarda quer que os seus responsáveis Políticos se entendam. Que procurem causas comuns. Que
pratiquem o diálogo e a saudável arte do compromisso e da verdade.

A Guarda quer que os seus Políticos se comprometam a assumir a defesa da causa do seu bem comum.

Todos somos poucos e todos temos a obrigação de puxarmos para o mesmo lado, com o grande objetivo da criação de emprego para todos, do aumento da riqueza, do desenvolvimento económico da Guarda.

Os Guardenses querem respeito, valorização do seu território e a qualidade de vida que merecem como Portugueses.

Como Candidato de uma Plataforma Independente, lanço aqui um desafio a todos os Partidos, para atingir o objetivo comum do desenvolvimento da
Guarda. Façamos um Pacto pela Guarda.

Todos os Partidos serão bem-vindos para construir o que a Guarda merece. Tenhamos a coragem de nos unir pela Guarda! Trabalhemos a pensar na Guarda! Esforcemo-nos pelos Guardenses! Falemos a uma só voz, muito para além dos calendários eleitorais! A Economia e o Emprego da Guarda merecem! A Guarda tem de ser pensada com ousadia e projetada para o horizonte de 2040.

As medidas para melhorar a Economia e o Emprego merecem um pacto que permita que em matéria fiscal e apoio ao emprego haja estabilidade.

As medidas económicas e sociais devem ser atrativas e definidas por um período de tempo nunca inferior a 20 anos e estar incluídas em todos os
programas eleitorais dos Candidatos à Câmara Municipal da Guarda.

Deste modo os Guardenses, os Empresários e qualquer outro investidor saberá com o que conta em termos de impostos e apoios municipais para as próximas duas décadas.

A Guarda seria mais atrativa dando condições de estabilidade fiscal e social para que as famílias que aqui decidam viver, tenham emprego e perspetivas de futuro e não vejam os seus filhos migrar para longe.

Por outro lado, há investimentos âncora que todos os Políticos deveriam considerar como estruturantes e fundamentais para o desenvolvimento da
Guarda. E todos juntos seremos poucos a pugnar pela sua concretização”.

Pacto – Geração Economia Guarda 2040.

Deste modo, apresentou algumas medidas e projetos que considera de consenso e que devem ser a base para a discussão do futuro do desenvolvimento da Economia da Guarda.

● Aplicação da taxa mínima de IMI para todas as Empresas.

● Redução em 50 % do custo das taxas de licenciamento urbanístico e de todas as demais taxas administrativas para todas as Empresas.

● Redução em 50 % da taxa de derrama para todas as Empresas com domicílio Fiscal no Concelho da Guarda.

● Aposta na Plataforma Ferroviária da Guarda.
A Guarda tem de ter a ambição de ser a grande Plataforma Ferroviária, o Grande Porto Seco do Centro e Norte do País, fazendo aqui sediar
serviços e os centros logísticos de Empresas importadoras e exportadoras, Nacionais e Estrangeiras, que a partir daqui podem fazer escorar e receber as suas mercadorias para Portugal, para a Península Ibérica, para a Europa e para o Mundo.
As Empresas da Guarda e os seus Representantes Associativos devem ser chamados, devem ser ouvidos, devem ser integrados neste grande projeto que é fundamental para o desenvolvimento económico da Guarda para os próximos 50 anos.

● Duplicação da área da Plataforma Logística da Guarda.

● Duplicação do Parque Industrial da Guarda.

● Criação de Centros de Incubação Empresarial, para fixação da nova geração de Empresas Tecnológicas de última geração.

● Reorganização e duplicação do Parque Empresarial do Outeiro São Miguel, nas Freguesias de Arrifana e Pera do Moço.

● Reorganização e duplicação do Parque Empresarial de Vale de Estrela.

● Criação de novas Áreas de Localização Empresarial situadas no nosso mundo rural (Benespera, Famalicão, Gonçalo, Maçainhas, Panóias, Pega,
Porto da Carne, Trinta, Vila Fernando).

Estas propostas são o primeiro contributo e a base da discussão política das grandes opções para o investimento e para os Guardenses para os próximos 20 anos, segundo o candidato.