Templates by BIGtheme NET
Início » Economia

Economia

Aguiar da Beira vai reciclar no Planalto Beirão

Teve lugar em Aguiar da Beira, a oficialização do ato , no Auditório Municipal, isto é, Aguiar da Beira vai reciclar com o Planalto Beirão.
Para facilitar a reciclagem, o Planalto Beirão vai oferecer miniecopontos domésticos que passarão a fazer parte do seu dia a dia e a tornar a separação de resíduos de papel/cartão, plástico/metal e vidro ainda mais simples. Sempre que depositar os resíduos separados no ecoponto, estará a preservar recursos naturais e a contribuir para um Planalto Beirão mais sustentável e solidário pois, por cada tonelada de resíduos separada, será atribuído um valor financeiro que reverterá a favor de uma Instituição de Solidariedade Social.
Foto: MAB

Trancoso- Ação “Literacia Financeira” aos alunos

Teve lugar em Trancoso, uma ação de sensibilização sobre “Literacia Financeira” realizada pela Caixa Geral de Depósitos de Trancoso,

aos alunos do 5.º ano, no âmbito da Cidadania e Desenvolvimento

Assim, aos inicio da tarde, os alunos das Escolas Básicas de Trancoso e Vila Franca das Naves juntaram-se no auditório do Convento dos Frades, em Trancoso, onde ouviram um resumo histórico sobre o aparecimento das trocas que deram lugar ao comércio e ao surgimento da moeda. Entre outros factos interessantes, aprenderam que o pagamento em sal aos soldados romanos deu lugar ao que hoje chamamos o salário.

Os alunos participaram ativamente respondendo a questões dos representantes da CGD dando exemplos de rendimentos, despesas, desejos e necessidades, bem como sobre a importância da poupança, entre outros conceitos sobre literacia financeira.

Os docentes de Cidadania e Desenvolvimento dos alunos do 5.º ano agradecem a disponibilidade da CGD, da Câmara Municipal de Trancoso e do AET para a realização desta ação que foi muito interessante e esclarecedora, motivando os alunos a quererem saber mais sobre este assunto que está presente no dia a dia de todos.

Foto:  AET

Relatório Anual de Execução de 2020 e a Reprogramação do Centro 2020 aprovados

O Comité de Acompanhamento do Programa Operacional Regional do Centro (Centro 2020), que
reuniu hoje por videoconferência, aprovou por unanimidade o Relatório Anual de Execução de 2020 e a
Reprogramação do Centro 2020.
A reprogramação do Centro 2020 visa financiar a retoma da atividade das empresas, apoiando o
regresso dos trabalhadores ao horário normal de trabalho, depois de cessado integralmente um
período de lay-off, alocando recursos de Fundo Social Europeu (FSE) a estes apoios, através da
criação de um novo objetivo específico com uma dotação de 70M€.
O Relatório Anual de Execução de 2020 permitiu efetuar um balanço do Centro 2020 muito focado nos
resultados alcançados, tendo sido destacados: o apoio ao investimento empresarial em 3328
empresas, que permitem criar 8.590 postos de trabalho, o apoio ao microemprendedorismo com 1.164
projetos, permitindo criar 2.519 postos de trabalho, o apoio à colocação de 90 pessoas altamente
qualificadas em empresas e o apoio a 138 equipamentos escolares e a 63 equipamentos de saúde.
Como indicadores de resultado transmitiu-se a boa evolução da região na taxa de emprego, no impacto
reduzido na taxa de desemprego e o sucesso no combate ao insucesso escolar.
Para Isabel Damasceno, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do
Centro (CCDRC), “O Comité de Acompanhamento decorreu da melhor forma, tendo-se verificado um
excelente nível de debate e participação. Aproveitando a presença dos nossos principais parceiros,
destacámos a importância de acelerar a execução do Centro 2020, colocando como meta de curto
prazo atingir a taxa de execução de 50% no final de junho, ou seja, pagar mais de 200 milhões de
euros de janeiro a junho. Este desafio implica o empenho de todos, tendo a região o desafio de garantir
a plena absorção dos fundos europeus disponíveis”.
A reunião contou com a presença de representantes da Comissão Europeia, da Agência para o
Desenvolvimento e Coesão, organismos intermédios dos sistemas de incentivos, Comunidades
Intermunicipais (CIM) e Grupos de Ação Local (GAL), e vários parceiros regionais como são as
associações empresariais, sindicatos, municípios, universidades e institutos politécnicos.
O Comité de Acompanhamento é um órgão colegial, responsável por analisar e aprovar a metodologia
e os critérios de seleção das operações, os relatórios de execução anuais e finais, as propostas da Autoridade de Gestão para alteração do programa e analisar as questões que afetem o seu
desempenho.

Estratégia Local de Habitação vai ser analisada pelo Município de Nelas

São 121 famílias, que constituem pelo menos 281 pessoas, a viver em casa sem condições, 15 pelo menos nas suas habitações em várias localidades do Concelho, 27 em núcleos precários e 28 com carências várias de alojamento condigno. A esta realidade acresce a necessidade de construção ou reabilitação de pelo menos 50 habitações, numa fase inicial, para fixar e atrair jovens casais, com idades entre os 20 e os 34 anos preferencialmente.

Para resolver o problema, a Câmara de Nelas vai discutir e votar na próxima reunião de Câmara da próxima quarta-  feira, a Estratégia Local de Habitação gizada pelo Executivo e pelo Presidente da Câmara Municipal.

Prevê-se um investimento de quase 9 milhões de euros nos próximos quatro anos com o apoio estatal do “1º Direito” – Programa de Apoio ao Acesso à Habitação (Decreto Lei 37/2018, de 4 de Junho e Portaria 230/2018 de 17 de Agosto), bem como no acesso ao Programa de Habitação a Custos Controlados.

A ideia destes Programas é, nos 50 anos do 25 de Abril – em 2024 – não ter ninguém em Portugal, a viver em habitação que não seja digna. A Câmara de Nelas já fez o seu diagnóstico e tem tudo pronto para submeter a candidatura, assim a mesma seja aprovada em reunião de Câmara e na Assembleia Municipal a realizar logo de seguida.

A par destes Projetos e Candidatura, a Câmara de Nelas vai começar em breve as obras de requalificação de todas as 47 habitações sociais já existentes (Figueira Velha, Bairro Dr, Augusto Rosado, Póvoa de Luzianes, Fiais e Canas de Senhorim), no âmbito de uma Candidatura de eficiência energética aprovada no Centro 2020, no valor de 450,000€.

A Câmara, no âmbito da Estratégia Local de Habitação e Construção de Habitação a Custos Controlados, vem adquirindo já terrenos junto à conhecida Quinta dos Bigote (e ao arruamento que dá acesso ao Novo Quartel  dos Bombeiros de Nelas) para resolução do problema de habitação indigna dos núcleos precários, negociando terrenos junto ao Bairro de Santa Luzia para construção de apartamentos não destinados a residentes em núcleos precários ou acampamentos e disponibilizando ainda imóveis seus para reabilitação para esse fim (por exemplo no antigo Edifício da EDP, no Folhadal junto à Igreja da Sra. da Tosse e em Vila Ruiva).

Está a chegar a tarifa social de internet e simplificação da utilização do Cartão do Cidadão

O Conselho de Ministros aprovou um conjunto de diplomas que promovem a utilização e o acesso às novas tecnologias sem «deixar ninguém para trás». As medidas aprovadas são a criação de uma tarifa social de internet, a reformulação do programa INCoDe.2030 e a simplificação da utilização do Cartão do Cidadão (CC).

Relativamente à criação de um tarifa social de internet, Pedro Siza Vieira disse que «está em causa assegurar que todos os cidadãos – independentemente da sua condição económica – tenham acesso a um conjunto de serviços básicos de internet que hoje têm uma relevância na nossa vida e na cidadania semelhante à de quaisquer outros serviços públicos». Este diploma – que irá entrar em vigor em 1 julho – implica que os operadores de comunicações tenham «uma oferta desta natureza».

Sobre a reformulação do programa INCoDe.2030 o Ministro afirmou que será feito um «alinhamento mais próximo entre a estruturas e as medidas do programa e a vertente de capacitação de pessoas no plano de ação para a transição digital»:

«O foco deste programa não é apenas melhorarmos as questões de competência dos portugueses mas também assegurarmos que somos capazes de atuar sobre algumas vertentes mais necessárias, designadamente, questões de género», acrescentou.

No que diz respeito ao CC, Pedro Siza Vieira disse que o diploma, agora aprovado, prevê a utilização do documento em outras situações, «possibilitando o consentimento dos seus titulares para a partilha de dados, de tal maneira que o CC possa ser mais genericamente utilizado num conjunto de serviços importantes e, também, a possibilidade de receção por via postal e ativação dos códigos de comunicação à distância».

Fonte:CMGP

Pinhel- Diversas candidaturas analisadas na reunião do executivo municipal

Teve lugar mais uma reunião do executivo municipal de Pinhel, com destaque para a análise das candidaturas apresentadas até ao momento no âmbito do Programa Extraordinário de Apoio à Economia Local cujo objetivo é apoiar as empresas do concelho face às dificuldades de tesouraria resultantes da situação de pandemia e dos constrangimentos resultantes dos confinamentos inerentes às sucessivas declarações de Estado de Emergência.
Por sua vez, Rui Ventura, Presidente da Câmara Municipal de Pinhel,  informou que até à data foram apresentados 87 pedidos, dos quais 71 foram considerados elegíveis, 8 têm documentos em falta (pelo que ainda ficam pendentes) e 8 foram considerados não elegíveis. Assim, o Executivo deliberou aprovar desde já os 71 pedidos elegíveis, que irão ser contemplados, de acordo com o regulamento do programa, com um apoio no valor de 500 euros cada, para “reforço de tesouraria da empresa”.
Tendo em conta que ainda está a decorrer o período de apresentação de candidaturas, ainda podem ser presentes ao Executivo mais pedidos de apoio sendo que, terminado esse período, poderá ser feita uma reavaliação do programa, cuja dotação financeira é de 80 mil euros.
Nesta primeira reunião de maio, o Executivo procedeu ainda à análise e aprovação de pedidos de apoio administrativo e técnico a Juntas de Freguesia do concelho tendo em vista a realização de diversos processos de empreitadas.

Apicultura- Conversa com produtor Pedro Arrais

A apicultura tem vindo a aumentar um pouco por toda a parte e Fornos de Algodres não é exceção, face a isso fomos conversar com  Pedro Arrais, da localidade da Matança, que nos deixou um pouco como realiza o seu trabalho e como ganhou paixão pela arte.

Magazine Serrano(MS)-Como surgiu o gosto pela apicultura?

Pedro Arrais(P.A.) – Quando era pequeno ia com o meu pai à quinta do meu avô paterno, que tinha algumas colmeias e também produzia mel, e sempre senti uma admiração e interesse pelas abelhas que ele tinha e pelo trabalho que o via fazer com elas. Um dia, já mais tarde, o meu avô ofereceu-me uma colmeia já mais velhota, onde apanhei o meu primeiro enxame e desde aí nunca mais parei.

MS-Quantas colmeias tem nesta altura? Como se faz o processo, as fases até recolher o mel?

P.A.-Neste momento tenho cerca de 150 colmeias, o que já me ocupa muito tempo do meu dia. A campanha do mel, ou seja, o ano apícula, começa quando acaba outra, isto é um ciclo contínuo, sem paragens. Inicialmente temos de fazer tratamentos por causa da Varroa, um ácaro que prejudica as abelhas. Logo no início do outono temos de cuidar das colmeias e das abelhas, alimentando-as, verificar os níveis de infestação da Varroa e perceber se as colmeias estão fortes de população e alimentação para passar o inverno. No final do inverno fazemos novo tratamento da Varroa e fazemos alimentação líquida às abelhas para estimular a Rainha a colocar mais ovos, para as colmeias estarem mais fortes e terem um bom arranque na primavera, época em que fazemos os desdobramentos, introduzimos as meias alças onde as abelhas colocam o mel, fortalecemos colmeias mais fracas com quadros de criação das mais fortes, trocamos quadros velhos e bloqueados por quadros novos e tentamos impedir enxameação. No verão, normalmente entre o mês de julho e agosto, é colhido o mel e inicia-se nova campanha.

MS- A vespa asiática é um dos obstáculos para a sua produção. Tem métodos de combate?

P.A. – A Vespa já se faz sentir na nossa zona desde 2018, uma praga que enfraquece e chega a matar muitos enxames. Juntando com a Varroa, por vezes torna-se difícil termos abelhas. Atualmente, tento combater as Vespas com armadilhas apropriadas, com um atrativo, onde elas vão ficar presas. Temos tido alguma ajuda do Município, no fornecimento destas armadilhas e do respetivo atrativo e na destruição de ninhos de Vespas Asiáticas.

MS- Quantos quilos produz e como faz o escoamento no mercado? Estar na plataforma “O Bom Sabor da Serra” é importante?

P.A. – Produzo por volta de 1 tonelada, dependendo dos anos. Este ano espero que seja uma boa colheita, pois também aumentei o efetivo de colmeias com essa finalidade, mas não só, para satisfazer todos os pedidos que me têm sido feitos. O escoamento do nosso mel, na maioria ainda se faz através de consumidores privados, que compram ao frasco consoante necessitam, no entanto este ano já fornecemos alguns supermercados ou lojas de produtos típicos. Os nossos produtos, que não é apenas o mel, mas também pólen e extrato de própolis, estão presentes na plataforma “O Bom Sabor da Serra” para venda, que este ano também nos permitiu que os nossos produtos chegassem mais longe, tornando-os mais conhecidos.

MS – Que apoios e incentivo tem um jovem apicultor, para continuar este trabalho?

P.A.- Existem alguns projetos financiados que podem ajudar jovens agricultores a iniciarem a sua vida apícula, embora eu ainda não tenha recorrido a nenhum. Para mim, por enquanto, a apicultura ainda não é o meu único e principal trabalho, tenho vindo a aumentar todos os anos o meu efetivo, mas ainda sem projetos definidos para se tornar a minha principal atividade profissional.

MS- Que mensagem deixa a toda a comunidade nesta fase do ano?

P.A. – Todos nós estamos a passar por uma fase atípica e difícil, que nos tem vindo a prejudicar a vários níveis, o que nos leva a querer investir mais nos poucos negócios que não foram tão afetados pelo COVID-19, como é o caso da Apicultura, em que muitas pessoas procuraram o mel, o pólen ou o extrato de própolis como reforçadores do Sistema Imunitário. Assim, a mensagem que poderei deixar nesta fase, é muito simples, que não desistam e que procurem oportunidades de adaptação aos momentos difíceis que vivemos.

Trancoso- Controlo da vespa-das-galhas-do-castanheiro

Já aconteceram as primeiras largadas de 2021 do parasitóide “Torymus sinensis”, antagonista da vespa-das-galhas-do-castanheiro, ao abrigo de uma candidatura conjunta do Município de Trancoso e a Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIMBSE).
Prevê-se que, durante os próximos 15 dias, sejam efetuadas mais 88 largadas em castanheiros na área de abrangência do concelho, pelo que se solicita aos proprietários dos soitos para não retirarem as galhas, nem realizarem movimentações do solo, durante este espaço temporal.
foto:MT

Novos executivos para o Porto Seco da Guarda serão formados no IP Guarda

O Instituto Politécnico da Guarda – IPG lançou uma pós-graduação em Logística, desenhada em parceria com a Associação dos Transitários de Portugal – APAT e com empresas especializadas em logística. O curso de especialização avançada irá preparar quadros de empresas em gestão, transporte e distribuição, para que possam responder eficazmente aos desafios que surjam na região.

Esta formação será a primeira iniciativa do protocolo assinado entre as duas instituições nesta terça-feira, 4 de maio, na conferência “Portos secos & terminais rodo ferroviários”. Ana Abrunhosa, ministra da Coesão Territorial, Rita da Cunha Mendes, secretária de Estado da Ação Social, Jorge Delgado, secretário de Estado das Infraestruturas, e Carlos Chaves Monteiro, presidente da Câmara da Guarda, marcaram presença.

“Decidimos ser proativos quanto à nossa oferta formativa quando ficou claro que a instalação de um Porto Seco na Guarda-Gare irá finalmente avançar: este é um projeto que será fundamental para aumentar a competitividade das empresas da região”, afirma Joaquim Brigas, presidente do IPG. “Procurámos empresas com larga experiência em planeamento e armazenamento de mercadorias, transporte e distribuição, para desenharmos uma formação adaptada às necessidades da indústria e que responda aos serviços diferenciados que uma infraestrutura logística como um Porto Seco irá exigir”.

Na lista de parceiros desta pós-graduação incluem-se a Olano, a Coficab, a Fly MP, a Transportes Bernardo Marques, a Casa da Prisca, a Sodecia, a Dura, a José Limão e a ACI. Em conjunto com o IPG, estas empresas vão formar quadros que possam responder eficazmente a desafios em áreas como produção, inventários, gestão de frotas ou transportes. A formação será lecionada entre o IPG e as instalações das empresas parceiras e irá contar com workshops e seminários.

O IPG viu ainda recentemente aprovado um Curso Técnico Superior Profissional – CTeSP também em Logística, para capacitar profissionais nesta área, que terá início no próximo ano letivo 2021/2022.

Para além das formações em logística, o Politécnico da Guarda irá ainda acrescentar à sua oferta formativa a abertura de 6 novos CTeSP: Gestão de Informação Geoespacial e Análise de dados, na Escola Superior de Tecnologia e Gestão; e Educação de Adultos, Multimédia e Artes Performativas, Relações Públicas para o Turismo e Guias de Natureza, na Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto.

“O IPG continua a apostar numa forte inovação educativa e a adaptar-se às necessidades do mercado”, afirma o presidente do IPG. “Estamos particularmente atentos aos desafios que o território enfrenta e iremos responder com formações que qualifiquem e requalifiquem quadros com competências para tornar as empresas mais competitivas”.

Programa SeiaConsigo reforçado

Apoios municipais para empresas e famílias

Foi aprovada uma verba de 150 mil euros, pelo Município de Seia para reforçar o Programa SeiaConsigo, lançado no ano transato para atenuar os impactos da pandemia de Covid-19.

As novas medidas já estão em vigor e visam auxiliar os agentes económicos na retoma das suas atividades e minorar o abalo que se faz sentir na atividade económica.

Segundo, o Presidente da Câmara Municipal, Filipe Camelo, este apoio extraordinário direcionado ao relançamento da economia do Concelho faz sentido numa altura de regresso, por forma a apoiar as empresas, particularmente as microempresas, em condições muito frágeis de tesouraria para solver os compromissos de curto prazo, devido aos baixos níveis do consumo, produção e investimento, garantindo por esta via que os estabelecimentos se mantenham abertos e que os respetivos postos de trabalho sejam assegurados.

Esta nova geração de apoios assenta em dois eixos: uma segunda edição do programa Compre(em)Seia e um apoio único de até 400€ para empresas com quebras de faturação iguais ou superiores a 15%.

À semelhança da primeira edição do programa (2020), que permitiu injetar na economia e nas famílias 75.000 euros em compras no comércio local, o Compre(em)Seia é desenvolvido pelo Município, em parceria com a Associação Empresarial da serra da Estrela e o CLDS 4G (Fundação Aurora Borges).

O programa/sorteio decorre até 30 de junho e mantém o objetivo de incentivar as compras locais e restaurar a confiança dos consumidores, através da atribuição de 1000 vales de compra no valor global de 25.000 euros para serem descontados na rede de lojas/serviços aderentes.

Tal como em 2020, o programa contempla a atribuição de um cupão por cada 10€ em compras nos estabelecimentos aderentes, que possibilita ganhar vales de compras. Os premiados serão conhecidos num sorteio único, a realizar no dia 3 de julho (Feriado Municipal).