Templates by BIGtheme NET
Início » Lousã

Lousã

“Portugal Rowing Tour” 22 em Tábua

Remadores de sete países europeus vão descobrir o território do rio Mondego no próximo mês de agosto, durante a edição de 2022 do “Portugal Rowing Tour”. O Turismo Centro de Portugal e o Ginásio Clube Figueirense apresentaram hoje o evento, em conferência de imprensa realizada no Luna Hotel de Tábua.

O Portugal Rowing Tour é um evento anual de remo de lazer, organizado desde 2008 pelo Ginásio Clube Figueirense e apoiado pelo Turismo Centro de Portugal, e que atrai à região remadores de várias nacionalidades. Durante a sua estada, em unidades hoteleiras da região, os participantes, amigos e familiares aliam a prática do remo ao convívio e à descoberta do património natural, cultural e gastronómico da região onde os circuitos acontecem. Este evento segue um modelo com grande expansão na Europa, onde existem mais de dois milhões de praticantes, e do qual o Ginásio Figueirense e o Turismo Centro de Portugal foram precursores em Portugal.

Ao longo das suas edições, o Portugal Rowing Tour já explorou as águas dos rios Mondego, Zêzere, Douro e Tejo, além da Ria de Aveiro. O circuito de 2022 do Portugal Rowing Tour acontece de 11 a 14 de agosto e realiza-se novamente no Mondego, com a base logística a ser a cidade de Tábua.

Ao longo dos quatro dias, os participantes vão realizar quatro etapas, sempre na albufeira da barragem da Aguieira: São João de Areias – Sra. da Ribeira; Sra. da Ribeira – Santa Comba Dão; Santa Comba Dão – Chão do Vento; e Chão do Vento – Montebelo Aguieira Lake Resort. No total, os remadores – belgas, franceses, holandeses, ingleses, irlandeses, luxemburgueses e suecos – remarão cerca de 50 quilómetros nos concelhos de Tábua, Mortágua e Santa Comba Dão.

A conferência de imprensa contou com intervenções de Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal, Joaquim de Sousa, presidente da Assembleia Geral do Ginásio Clube Figueirense, Artur Silva, da equipa de apoio ao Portugal Rowing Tour, e António Oliveira e David Pinto, respetivamente vice-presidente e vereador da Câmara Municipal de Tábua.

Na ocasião, Pedro Machado destacou a importância de eventos como o Portugal Rowing Tour para o Centro de Portugal. “Os territórios como aqueles onde se vai realizar este Rowing Tour são hoje uma aposta clara da procura turística no Centro de Portugal. Os visitantes procuram estes territórios porque aqui têm segurança, têm espaço, têm natureza, têm ar livre. É uma tendência que aumentou com a pandemia e que veio para ficar. Por isso, eventos como este, que se disseminam por vários municípios, são muito bem-vindos à região. O combate às assimetrias regionais faz-se praticando e este é um bom exemplo”, justificou.

Pedro Machado destacou ainda a capacidade de “internacionalização” deste evento e o facto de se inserir na estratégia do Turismo de Portugal: “A partir de 2022, o país está a trabalhar novos segmentos de oferta de produtos turísticos. É o caso do turismo desportivo, que se está a posicionar na oferta de Portugal nos mercados internacionais. Assim, o Rowing Tour contribui para aumentar o leque de oferta do Centro de Portugal a esse nível”.

Por parte do Ginásio Clube Figueirense, Joaquim de Sousa recordou que este evento acontece na região graças ao apoio do Turismo Centro de Portugal, que vem já desde 2008, e sublinhou o grande potencial das atividades náuticas de lazer. “Em Portugal, não há mais nenhum clube que se dedique a isto, mas na Europa, nomeadamente em França, Alemanha, Holanda e Inglaterra, este tipo de realizações é frequentíssimo, atraindo milhares de participantes. É um segmento de mercado que tem larguíssimas potencialidades, porque se estende a outros setores da oferta turística”, frisou.

O vereador David Pinto enalteceu a escolha de Tábua para ser o centro nevrálgico deste evento, o qual “se insere na estratégia de promoção do concelho de Tábua, aproveitando os recursos naturais, como os rios Alva e o Mondego, que oferecem excelentes capacidades para a prática de desportos náuticos”. “Toda esta oferta é complementada na perfeição com a nossa gastronomia, os vinhos do Dão e os Queijos da Serra da região. Tenho a certeza de que os participantes vão gostar e vão querer regressar a Tábua”, disse. António Oliveira reforçou a ideia, lembrando que o concelho de Tábua é todo ele banhado pelos rios Mondego e Alva, pelo que o Rowing Tour faz todo o sentido acontecer neste território.

Novo calendário escolar para o ano letivo 2022/2023

Foi assim divulgado o novo calendário escolar referente ao ano letivo 2022/2023.

O Ministério da Educação informou que o calendário de funcionamento das atividades educativas e letivas dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário começa entre 13 e 16 de setembro e será prolongado até ao dia 16 de dezembro.

O segundo período decorrerá entre 3 de janeiro e 31 de março de 2023 e o último período prolongar-se-á de 17 de abril a 7 de junho para o 9.º ano, 11.º e 12.º anos de escolaridade; a 14 de junho de 2023 para o 5.º, 6.º, 7.º, 8.º e 10.º ano de escolaridade e a 30 de junho de 2023 para as crianças inscritas na educação pré-escolar e no 1.º ciclo do ensino básico.

GNR- “Operação Páscoa 2022” está na estrada

A Guarda Nacional Republicana, irá desenvolver a “Operação Páscoa 2022”, entre o dia 11 e o dia 18 de abril, através de operações de intensificação de patrulhamento, ações de sensibilização e fiscalização, em todo o Território Nacional, com o objetivo de combater a criminalidade, a sinistralidade rodoviária, regularizar o trânsito e apoiar todos os cidadãos, proporcionando-lhes as festividades da Páscoa e as respetivas deslocações em segurança.

Tradicionalmente, esta época carateriza-se pela reunião das famílias nas suas regiões de origem e, por corresponder ao período de férias escolares, prevê-se consequentemente um aumento significativo do tráfego rodoviário nas estradas portugueses. Esta operação visa a segurança e a proteção das pessoas, pelo que vai além da fiscalização rodoviária sendo o esforço também orientado para os locais de festividades, suas imediações, zonas residenciais e comerciais, bem como para as vias de circulação rodoviárias mais críticas.

A Guarda aconselha a uma condução atenta, cautelosa e defensiva, para que o período festivo seja passado em segurança.

Para um deslocamento em segurança nesta época festiva, a GNR aconselha, em especial:

Adequar a velocidade às condições meteorológicas, ao estado da via e ao volume de tráfego rodoviário;
Evitar manobras que possam resultar em embaraço para o trânsito ou que, de alguma forma, possam originar acidentes.

Em abril, experiências mil nas Aldeias do Xisto

O mês de abril chegou e com ele traz a Páscoa, a celebração da Liberdade, férias escolares, fins de semana prolongados. Já pensou como pode aproveitar da melhor forma estes dias? Espreite as experiências que temos disponíveis no Bookinxisto e encontre o programa certo para si.

Em abril, experiências mil. É este o mote e a promessa que as Aldeias do Xisto adotam para o mês que agora se inicia. Há fins de semana prolongados, Páscoa, Dia da Liberdade e férias escolares. Os dias já são mais longos e clamam para ser preenchidos com experiências inesquecíveis, como as que estão à sua espera no Bookinxisto.

Se está a pensar numa Páscoa tranquila e envolvida em natureza, as Casas de Campo Aldeia de Camelo, no concelho de Castanheira de Pera, têm uma proposta imperdível: três noites pelo preço de duas. A campanha está em vigor de 14 a 18 e 22 a 25 de abril.

A diversidade gastronómica é um dos elementos que mais diferencia as Aldeias do Xisto. Por isso, o Convento da Sertã Hotel e a Casa Ti’Augusta, localizada na Aldeia do Xisto da Figueira, juntam esforços para lhe dar a conhecer algumas das iguarias mais ricas e tradicionais desta região. Aprenda a fazer a deliciosa e tradicional Tigelada das Beiras em forno a lenha e, enquanto coze, faça uma visita guiada à aldeia. Esta experiência gastronómica inclui alojamento e almoço e está disponível de 22 a 24 de abril e de 29 de abril a 1 de maio.

Ainda no campo gastronómico, pode também aprender a fazer queijo fresco e compotas, a cozer pão em forno a lenha e até mesmo a confecionar a tradicional chanfana.

Se procura explorar e desfrutar da natureza, não faltam opções: há passeios que o levam a conhecer cascatas, ribeiras e fragas, bem como a flora, a fauna e a geologia que caracterizam a envolvente dos rios Zêzere e Ocreza. Estão ainda disponíveis programas completos, com alojamento, para fazer a pé ou de bicicleta, que atravessam o território e, além do património natural, lhe permitem conhecer e vivenciar a cultura tão particular das Aldeias do Xisto.

Para os amantes de artes e trabalhos manuais, temos workshops onde pode aprender a construir uma mini casa de xisto, conhecer as técnicas da talha em madeira, dominar a roda de oleiro ou aprender como fazer figurado em cerâmica.

É adrenalina e aventura que procura? Então, pode optar por percorrer, a pé ou de bicicleta, a Grande Rota do Zêzere ou praticar paintball, canoagem, rapel e tiro com arco junto à barragem de Santa Luzia, em Pampilhosa da Serra.

 

Se, por algum motivo, abril não for a melhor altura para si, saiba que há sempre algo a acontecer e é possível reservar alojamentos e experiências sem marcar data. No Bookinxisto, tem à sua disposição vouchers no valor de 100€, 200€ e 500€ que pode adquirir agora e usar quando lhe for mais conveniente, ao longo de todo o ano.

Por aqui, há sempre muito para ver, ouvir e sentir. Consulte o nosso calendário de animação, explore o Bookinxisto, reserve alojamentos e experiências, faça as malas e venha ter connosco.

Fotos:AX

Governo declara alívio das restrições

Foi aprovado em Conselho de Ministros que face a situação de alerta em todo o território nacional continental até às 23h59 de 7 de março de 2022 – deixando de vigorar a situação de calamidade – e o decreto-lei que altera as medidas aplicáveis no âmbito da pandemia da doença COVID-19.

Os diplomas vêm assim alterar as medidas aplicáveis no âmbito da pandemia da doença COVID-19, eliminando:
-o confinamento de contactos de risco;
-a recomendação de teletrabalho;
-os limites de lotação em estabelecimentos, equipamentos e outros locais abertos ao público;
-a exigência de apresentação de certificado digital, salvo no controlo de fronteiras;
-a exigência de teste com resultado negativo para acesso a grandes eventos, recintos desportivos, bares e discotecas.
Por outro lado, mantém-se:
-a exigência de teste negativo, exceto para portadores de certificado de recuperação ou de certificado de vacinação completa com dose de reforço, para:
-visitas a lares;
-visitas a pacientes internados em estabelecimentos de prestação de cuidados de saúde.
-uso de máscara nos espaços interiores onde é exigida atualmente.

Ciberataques: queixas dos consumidores duplicaram em 2021

Os ataques informáticos aumentaram durante a pandemia. Segundo os dados mais recentes do Gabinete de Cibercrime da Procuradoria-Geral da República (PGR), as denúncias de cibercrimes duplicaram em 2021, chegando às 1.160, mais do dobro do que no ano anterior (544). O Portal da Queixa registou a mesma tendência crescente através das reclamações recebidas na sua plataforma, só relativas a burlas online foram mais de 6.000 no ano passado. A literacia digital é a melhor arma para combater o crime informático, defende o Portal da Queixa, reforçando alguns alertas junto dos consumidores para terem uma presença informada e segura no meio digital.

Se é verdade que os ataques informáticos acontecem há vários anos – com esquemas que assumem diversos modus operandis, com maior ou menor impacto -, também é verdade que a cibercriminalidade associada à vertiginosa evolução tecnológica está para durar. Desde ciberataques dirigidos a entidades governamentais, a bancos, a marcas e a empresas, esta é uma notícia que se tem repetido, nos últimos tempos. Só este ano, que ainda mal começou, registaram-se ataques à página de internet da Assembleia da República, ao Grupo Impresa (SIC e Expresso), à Cofina (Record, Correio da Manhã, CMTV, Sábado e Jornal de Negócios), e agora à Vodafone.

O investimento em cibersegurança passará a ser uma prioridade vital para empresas, marcas e organizações e, para os consumidores, o caminho apontado pelo Portal da Queixa é o de construir uma forte literacia digital. Para a maior rede social de consumidores de Portugal, estar alerta, informado e ter consciência da situação, pode mesmo fazer toda a diferença. A ideia passa por saber reconhecer cenários duvidosos e fraudulentos e saber como agir quando se é vítima de algum esquema de burla.

 

— Criar passwords seguras e atualizá-las regularmente: ter a mesma password para tudo é ser um alvo fácil. Hoje em dia, existem plataformas seguras – como o Lastpass ou o 1password, por exemplo – onde podes guardar as tuas passwords, e assim evitar usar sempre a mesma. Pode ainda aceitar as passwords geradas pelo Google e guardá-las em plataformas para o efeito. Ler Mais »

“Programa para edifícios mais sustentáveis com reforço de 15 milhões

O Programa de Apoio a Edifícios Mais Sustentáveis foi reforçado em 15 milhões de euros, para um total de 60 milhões financiados pelo Fundo Ambiental.”

O referido programa abriu a 21 de junho de 2021 na plataforma do Fundo Ambiental com uma dotação inicial de 30 milhões de euros, provenientes do Plano de Recuperação e Resiliência. Esta verba foi reforçada a 26 de novembro com outros 15 milhões.
O Plano de Recuperação e Resiliência conta com um total de 135 milhões de euros para aplicar, até 2025, na eficiência energética dos edifícios.

O montante já financiado corresponde ao apoio a 16.148 candidaturas, o que envolve um apoio global de 26,8 milhões de euros, de um total de 56.552 candidaturas submetidas.

As tipologias que reúnem mais candidaturas são as referentes a painéis fotovoltaicos (38,5%), janelas mais eficientes (34,5%) e bombas de calor (27%). Por regiões, Lisboa lidera as candidaturas (22,3%), seguida do Porto (11,7%), Setúbal (9%) e Braga (9%).

Artigo:Preço das casas em Portugal subiu 8,3% em 2021

Os preços das casas em Portugal subiram 8,3% em 2021, considerando os dados de dezembro de 2021 e o mesmo mês de 2020. Segundo o índice de preços do idealista, no final do mês de dezembro de 2021, comprar casa tinha um custo de 2.325 euros por metro quadrado (euros/m2), tendo em conta o valor mediano. Já em relação à variação trimestral, a subida foi de 2,6%.

Regiões

Em 2021, os preços das casas subiram em todas as regiões. A Região Autónoma da Madeira lidera a lista apresentando uma subida na ordem dos 13,6%, sendo a maior subida a nível nacional. Seguem-se a Área Metropolitana de Lisboa (10,9%), o Algarve (9,9%), o Alentejo (8,3%), o Centro (7,4%), o Norte (5,2%) e a Região Autónoma dos Açores (4,8%).

A Área Metropolitana de Lisboa, com 3.346 euros/m2, continua a ser a região mais cara, seguida pelo Algarve (2.602 euros/m2), Norte (1.929 euros/m2) e Região Autónoma da Madeira (1.905 euros/m2). Do lado oposto da tabela encontram-se a Região Autónoma dos Açores (1.047 euros/m2), o Alentejo (1.109 euros/m2) e o Centro (1.187 euros/m2) que são as regiões mais baratas.

 

Distritos/Ilhas

Dos distritos analisados, as maiores subidas tiveram lugar em Évora (19,4%), Braga (16%), Setúbal (15%), Ilha da Madeira (13,6%), Aveiro (11,5%), Lisboa (11,3%), Leiria (10,4%) e Beja (10,2%). Seguem-se na lista Faro (9,9%), Ilha do Pico (9,4%), Ilha do Faial (8,4%), Porto (6,1%), Castelo Branco (5,9%) e Santarém (5,7%). As subidas menos acentuadas foram na Guarda (5,2%), Vila Real (4,2%), Viana do Castelo (4,2%), Ilha da Terceira (4,1%), Ilha de São Miguel (2,9%), Ilha de Porto Santo (2,5%) e Coimbra (1%).

Em sentido contrário, desceram em Portalegre (-5,8%) e Viseu (-0,2%).

De referir que o ranking dos distritos mais caros para comprar casa é liderado por Lisboa (3.725 euros/m2), seguida por Faro (2.602 euros/m2), Porto (2.271 euros/m2), Setúbal (1.944 euros/m2) e Ilha da Madeira (1.917 euros/m2). Comprar casa em Aveiro custa 1.398 euros/m2, no Porto Santo 1.381 euros/m2, Leiria 1.255 euros/m2, Braga 1.248 euros/m2 e Coimbra 1.228 euros/m2.

Os preços mais económicos encontram-se em Portalegre (607 euros/m2), Guarda (661 euros/m2), Castelo Branco (736 euros/m2), Bragança (761 euros/m2), Santarém (842 euros/m2) e Beja (856 euros/m2).

 Cidades capitais de distrito

Os preços das casas aumentaram em 15 capitais de distrito, com Aveiro (22,8%), Setúbal (17,1%) e Braga (13,2%) a liderarem a lista. Seguem-se Leiria (11,9%), Viana do Castelo (10,9%), Faro (9,5%), Funchal (8,9%), Viseu (8,8%), Évora (7,3%), Lisboa (6,7%), Santarém (6,3%), Beja (4,7%) e Portalegre (3,8%). Já no Porto a subida foi de 2,2% e em Castelo Branco de 0,8%. Em Beja os preços mantiveram-se estáveis em 2021.

Por outro lado, os preços desceram em apenas em quatro capitais de distrito, sendo a maior descida em Vila Real (-5,3%). Seguem-se Ponta Delgada (-4,1%), Coimbra (-3,7%) e Bragança (-0,5%).

Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro comprar casa: 4.992 euros/m2. Porto (3.014 euros/m2) e Faro (2.184 euros/m2) ocupam o segundo e terceiro lugares, respetivamente. Já as cidades mais económicas são Portalegre (680 euros/m2), Guarda (749 euros/m2) e Bragança (768 euros/m2).

O índice de preços imobiliários do idealista

A partir do relatório referente ao primeiro trimestre de 2019, a metodologia de elaboração deste estudo foi atualizada. Após a incorporação do idealista/data no grupo idealista, foram introduzidas novas fórmulas de cálculo que contribuem para uma maior precisão na análise da evolução dos preços, particularmente em pequenas zonas. Ainda assim, a amostra na Ilha das Flores (Açores) não foi contemplada no estudo, por não ter sido considerada representativa nas datas em análise.

Por recomendação da equipa estatística do idealista/data, a fórmula para encontrar o preço médio foi atualizada: além de eliminar anúncios atípicos e com preços fora do mercado, calculamos o valor mediano em vez do valor médio. Com esta mudança, além de tornar o estudo mais próximo da realidade do mercado, homologamos a nossa metodologia com as que se aplicam em outros países para a obtenção de dados imobiliários.

Incluímos ainda a tipologia “moradias unifamiliares” e descartamos todos os anúncios que se encontram na nossa base de dados e que estão há algum tempo sem qualquer tipo de interação pelos utilizadores. O relatório continua a ter como base os preços de oferta publicados pelos anunciantes do idealista.

Maior resistência da região Centro à pandemia a nível económico

Segundo o INE, a região Centro foi a região que mais resistiu aos efeitos económicos da pandemia. Uma conclusão dos mais recentes resultados das Contas Regionais de 2020 Apesar do Produto Interno Bruto (PIB) ter diminuído em todas as regiões portuguesas em 2020, o Centro teve o desempenho menos negativo, apresentando o menor decréscimo do PIB entre as várias regiões. Este decréscimo foi determinado pela contração do Valor Acrescentado Bruto (VAB) dos ramos do comércio, transportes, alojamento e restauração e da indústria, mas de forma menos acentuada do que nas outras regiões.

Para Isabel Damasceno, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), “apesar do forte impacto que a pandemia teve na atividade económica durante o ano de 2020, a região Centro mostrou a sua resiliência. A estrutura produtiva da região, diversificada, territorialmente heterogénea e baseada num tecido empresarial com elevados graus de flexibilidade e de resistência, ajuda a explicar estes resultados”

 Em 2020, o PIB da Região Centro ascendia a 38,4 mil milhões de euros, representando 19,2% do total do país e posicionando o Centro no terceiro lugar a nível nacional, depois da Área Metropolitana de Lisboa e da Região Norte. O PIB regional registou uma variação nominal de -4,0% e real de -5,9% face a 2019. No entanto, esta diminuição foi menos intensa do que a média nacional, uma vez que o país registou um decréscimo nominal de 6,7% e real de 8,4%.

Em todas as sub-regiões da Região Centro, o PIB diminuiu em termos nominais e reais, destacando-se o Oeste e a Beira Baixa com as variações mais negativas. Já as quebras menos significativas ocorreram nas Beiras e Serra da Estrela (-3,4%) e Viseu Dão Lafões (-3,5%), em termos nominais, e em Viseu Dão Lafões (-5,3%) e na Região de Coimbra (-5,4%), em termos reais.

As quatro sub-regiões do litoral foram responsáveis por mais de dois terços da riqueza criada na Região Centro em 2020: Região de Coimbra (20,6%), Região de Aveiro (18,5%), Oeste (15,1%) e Região de Leiria (14,6%). As sub-regiões com menor peso relativo no PIB regional foram a Beira Baixa e as Beiras e Serra da Estrela, que geraram uma riqueza de 3,7% e 7,7%, respetivamente.

Também o PIB por habitante e a produtividade do trabalho diminuíram. O PIB por habitante da região Centro cifrava-se nos 17.275 euros, traduzindo um decréscimo de 780 euros em relação a 2019. Este valor representava 88,9% da média nacional, tendo convergido para o valor nacional, já que aumentou 2,3 pontos percentuais face ao ano anterior. Analisando ainda o desempenho do PIB por habitante das sub-regiões em relação ao ano anterior, constata-se que todas convergiram para a média nacional.

GNR-Operação “Natal e Ano Novo 2021” está na estrada

A Guarda Nacional Republicana (GNR), inicia mais uma  Operação “Natal e Ano Novo 2021” a qual decorrerá até ao dia 2 de janeiro de 2022, com o objetivo de combater a criminalidade e intensificar o patrulhamento rodoviário nas vias de maior tráfego durante este período, através do esforço de patrulhamento, de forma a garantir as festividades e as deslocações em segurança, contribuindo ainda para o cumprimento das medidas necessárias à contenção da COVID-19, em todo o território nacional.

Tendo em consideração que o combate à criminalidade e à sinistralidade rodoviária constitui uma prioridade estratégica, a Guarda terá em conta o maior fluxo rodoviário nos trajetos dos locais de residência habitual dos cidadãos para os locais de festividades associadas às comemorações do Natal e do Ano Novo, bem como adotará mecanismos de prevenção e sensibilização à população, para evitar a ocorrência de furtos no interior de residência e estabelecimentos durante este período em que as pessoas se ausentam das suas casas, através de um empenhamento criterioso dos meios disponíveis, por forma a garantir assim uma maior capacidade de intervenção.

Como tal, serão empenhados, durante a operação, várias valências das diversas Unidades da Guarda, numa ótica de complementaridade e de sinergia de várias ações de patrulhamento, fiscalização e sensibilização, de forma flexível, orientando o esforço de forma a contribuir para a diminuição da criminalidade em geral e da sinistralidade rodoviária, para a fluidez do tráfego e para o apoio dos utentes nas vias. Esta operação abrangente visa ainda garantir o cumprimento dos normativos decretados na situação de calamidade e sensibilizar a população para que se abstenha de ações, atitudes e comportamentos que poderão, de alguma forma, potenciar a propagação do vírus, através de uma presença dissuasora, interventiva e preventiva.

Numa fase primária, de prevenção e sensibilização, antes das festividades do Natal e do Ano Novo, a Guarda aconselha:

  • Quando se ausentarem das suas casas, por vários dias, informar a autoridade policial da sua zona de residência, para que se consiga orientar o patrulhamento para estes locais;
  • Se estiver instalado um sistema de alarme em casa ou no estabelecimento, verificar se está devidamente ligado antes de saírem;
  • Evite o crime de oportunidade: não deixe portas e janelas abertas;
  • Não deixar escritos ou sinais na porta, nas janelas ou na caixa de correio que indiquem a sua ausência;
  • Não deixar acumular correspondência na caixa de correio.

Relativamente ao combate à sinistralidade rodoviária, a Guarda estará particularmente atenta aos comportamentos de risco dos condutores, nomeadamente  o excesso de velocidade, as manobras perigosas, a correta sinalização e execução de manobras de ultrapassagem, de mudança de direção e de cedência de passagem, a utilização indevida do telemóvel, à circulação correta na via mais à direita em autoestradas e itinerários principais e complementares, bem como à incorreta ou à não utilização do cinto de segurança e/ou dos sistemas de retenção para crianças.

Para que os condutores possam usufruir de uma época festiva em segurança, a Guarda aconselha a que:

  • Efetuem um planeamento cuidado das viagens, evitando os períodos do dia onde se prevê maior intensidade de tráfego;
  • Descansem convenientemente antes de efetuar a viagem e, pelo menos de 2 em 2 horas, ou sempre que sintam necessidade, façam paragens para descansar;
  • Adequem a velocidade às condições meteorológicas, ao estado da via e ao volume de tráfego rodoviário;
  • Evitem manobras que possam resultar em embaraço para o trânsito ou que, de alguma forma, possam originar acidentes;
  • Adotem uma condução atenta, cautelosa e defensiva, contribuindo para a redução dos índices de sinistralidade rodoviária. O objetivo é que esta quadra natalícia e a entrada no novo ano, sejam períodos caracterizados pela união das famílias,
  • No atual contexto de pandemia, devem abster-se de ações, atitudes e comportamentos que poderão potenciar a propagação do vírus COVID-19, devendo seguir e garantir o cumprimento das orientações das autoridades de saúde;
  • Garantir o distanciamento social, privilegiando, no entanto, nesta época familiar, os idosos e aqueles que estão mais sozinhos, com singelos gestos.