Templates by BIGtheme NET
Início » Música

Música

Gouveia-“Anfiteatro da Cerca” voltou a ter música

O concerto “Expressões de uma Polifonia Popular Beirã – O instrumento e a partitura, com João Barradas & Quinteto de Cordas da Orquestra Sinfónica de Gouveia” deu vida ao “Anfiteatro da Cerca”, em Gouveia.
Na primeira parte, foram interpretados os temas “Hymn of Remembrance”, de Keith Jarrett (1945), “EN[I]GMA”, de Yann Robin (1974) – uma composição dedicada a João Barradas e encomendada pela Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, Philharmonie Luxembourg e Casa da Música Porto -, “Las Quatro Estaciones Porteñas”, de Astor Piazzolla (1921-1992) e ainda Otoño Porteño, Invierno Porteño, Verano Porteño, Primavera Porteña, pelo músico João Barradas (acordeão).
Já a segunda parte do concerto contou com “Expressões de uma Polifonia Popular Beirã, de Hélder Abreu e Túlio Augusto, também com João Barradas no acordeão, o Quinteto de Cordas da Orquestra Sinfónica de Gouveia, os violinos de Cláudio Gama, Alexandra Silva, Inês Nunes; Sónia Torres no violoncelo e Dércio Fernandes no contrabaixo.

“Máscaras com Som” anima noites de Mangualde

Uma nova edição das Noites Vivas de Verão, desta vez intituladas “Máscaras com Som”, numa iniciativa do  Município de Mangualde . Esta iniciativa pretende animar a cidade através de vários concertos descentralizados durante os meses de junho, julho e agosto.

Esta programação terá início já este mês de junho. Trata-se de uma iniciativa do Município de Mangualde e da União das Freguesias de Mangualde, Mesquitela e Cunha Alta e, nos dias 14 e 15 de agosto contará ainda com o apoio da Associação Juvenil Jovens do Castelo.

Estas atividades serão gratuitas e decorrerão em diferentes locais da cidade. Todos os concertos terão início às 21:00h. Não serão permitidas aglomerações e será assegurado o cumprimento das regras de segurança estabelecidas pelas Autoridades de Saúde Pública: uso obrigatório de máscara, higienização das mãos, etiqueta respiratória e distanciamento físico entre as pessoas (2m).

 

PROGRAMAÇÃO “MÁSCARAS COM SOM”

JUNHO

12 de junho | Grand Jazz Hotel – 21h00 | Largo Pedro Álvares Cabral

19 de junho | Capitão Mondego – 21h00 |Largo do Rossio (centro)

 

JULHO

3 de julho | Litos | Miguel | Joaquim – 21h00 | Largo Dr. Couto

10 julho | Bora Lá – 21h00 | Largo do Rossio (Centro)

24 de julho | Alpha Music – 21h00 | Largo do Rossio (Topo)

 

AGOSTO

14 de agosto | Melody Guys – 21h00 | Largo do Rossio (Centro)

15 de agosto | Banda A4 – 21h00 | Largo Pedro Álvares Cabral

“Encontro Associativo” online já tem programa definido

Como já tínhamos informado, o concelho de Gouveia vai assinalar o Dia Nacional das Coletividades (dia 31 de maio), nos próximos dias 29 e 30 de maio (sábado e domingo), no horário das 20h30 às 23h00, através de um “Encontro Associativo” online, que será transmitido pela Gouveia TV, com difusão no Meo Kanal (verde 6290) e nas redes sociais do Município de Gouveia (facebook e youtube).
Consulte aqui a grelha com os horários de apresentação de cada coletividade. O programa apresentado visa promover as coletividades aderentes a este desafio e difundir algumas das suas atividades, sendo que são 17 as coletividades culturais, recreativas e desportivas do concelho de Gouveia, que decidiram abraçar este projeto.
Esta é uma iniciativa de quatro coletividades do concelho de Gouveia: a Casa do Concelho de Gouveia, o Rancho Folclórico de Gouveia, a Go Romaria – Associação Cultural Gouveense o Grupo de Teatro Escola Velha, que conta com o apoio do Município de Gouveia.

Alto Mondego Rede Cultural regressa para animar as comunidades

Decorreu na manhã de sábado (22 de maio), a apresentação da segunda edição do Projeto” Alto Mondego- Rede Cultural”, no auditório Multiusos de Nelas. É composto pelos municípios de Fornos de Algodres, Nelas, Mangualde e Gouveia. O projeto contará com uma programação cultural diversificada e que tem como objetivo dinamizar os territórios com eventos culturais criados por associações culturais locais, com o intuito de impulsionar a economia local, mas também promover as artes e as criações artísticas no território, projetar a sua imagem e a região e ainda exponenciar novos fluxos turísticos de forma a contribuir para a valorização da autenticidade dos produtos culturais e patrimoniais endógenos.

Serão 24 espetáculos de várias artes performativas e 8 murais de arte urbana que acontecerão até setembro de 2022, recriados nos vários espaços emblemáticos dos quatro municípios, será um investimento de cerca de 300 mil euros.

Vão ser desenvolvidas 4 ações de capacitação artística com as diversas associações culturais, através da cooperação entre estas e capacitadores das seguinte áreas : slackline, arte urbana, música e dança.

As sessões de capacitação de slackline (corda bamba) e arte urbana decorrerão entre junho e agosto deste ano. As sessões de slackline serão orientadas pelo profissional Rui Mimoso, campeão nacional de slackline.

O slackline é um desporto que consiste prática de equilíbrio sobre uma linha dinâmica, esticada entre dois pontos fixos. O praticante pode caminhar sobre ela ou fazer manobras e truques, dinâmicos ou estáticos.

No que toca à área Arte Urbana , vão ser criados 4 murais, um em cada Município, resultado do trabalho entre as associações, a comunidade e o artista plástico Desy.

Por sua vez ,  as seesões na área da música acontecem em 2022, entre os meses de janeiro e maio. Entram em cena Bitocas e Artur Fernandes, que juntamente com as associações locais irão apresentar 8 espetáculos pelo território do Alto Mondego’ Rede Cultural.

Por fim, na área da dança, decorre entre maio e setembro de 2022, onde Marta Silva, irá trabalhar juntamente com as associações locais nos variados temas que abrangem a dança (movimento, corpo) e que resulta em 8 espetáculos artísticos itinerantes.

As intervenções dos quatro presidentes serviram para explicar um pouco mais este projeto.

Borges da Silva (Nelas) referiu:” É um gosto continuar a partilhar esta experiência da Rede Cultural do Alto Mondego em mais uma iniciativa, mais uma candidatura, mais um projeto, projeto esse complementado com uma série de ações, que consiste em dinamizar e promover o património cultural e rapidamente também regressar à possibilidade das populações acederem à cultura e acho que conseguiram e felicito-os aqui por isso, deixando também aqui um cumprimento aos animadores e aos profissionais que mobilizaram  para estas ações quer as ações artísticas, do ponto de vista artístico, quer do ponto de vista de artes e cultura do Alto Mondego”.

Por sua vez, Elísio Oliveira (Mangualde)salientou a: importância deste projeto Alto Mondego, como disse o presidente de Nelas, um rio nos une, mas também nos podia separar.

Um rio une ou separa, mas quando se fazem pontes, a separação torna-se união e nós estamos aqui os quatro municípios unidos em torno do Alto Mondego. A cultura é importante para desenvolver a vida das pessoas para desenvolver a economia, valorizar o território para fixar e atrair pessoas e essa é a grande luta, é a grande batalha, é a luta da democracia e da demografia e da fixação de pessoas. Sem pessoas tudo o resto vai desertificando, as casas vão-se despovoando, os territórios vão-se abandonando e a cultura pode ser uma âncora e um instrumento importante para dar qualidade de vida material e imaterial aos territórios e às pessoas que neles habitam”.

Luís Tadeu(Gouveia) enalteceu que: “é um programa que nos une com o território e com as entidades  que incluem  o território que fazem cultura e que nesta altura estão a passar uma fase muito complicada , fruto da pandemia , obrigando a parar as suas iniciativas, que é sempre depois  complicado  muitas vezes recomeçar e voltar a motivar as pessoas.

 Assim com este nosso projeto não é só dizer a essas associações culturais do nosso território, que estamos com elas, confiamos nelas , que acreditamos no seu trabalho e que juntamente com todos aqueles que agora vêm de fora  enriquecer e engrandecer também o seu trabalho , que queremos que elas continuem  e confiamos que elas continuam a ser agentes importantes no  território para precisamente prolongar e salvaguardar a cultura mas também para lhe dar novas roupagens porque os tempos mudam, os tempos evoluem e portanto há que também que termos noção e atenção a isso não perdendo o espírito daquilo que são as nossas associações mas  envolver todos aqueles que nelas colaboram, que nelas participam sejam nas bandas filarmónicas, seja nos ranchos folclóricos ,seja  nos grupos de teatro que temos ,nos grupos de dança que temos enfim todos”.

 Manuel Fonseca (Fornos de Algodres) agradeceu de forma especial à comunicação social , uma vez que têm aqui um papel importante na divulgação deste projeto. Muitas das vezes senão forem  os OCS,  o que acontece é que os nossos projetos não são focados , não são difundidos da melhor forma, logo é um prazer que os OCS estejam presentes e como sempre vão fazer um bom trabalho  no sentido de darem a conhecer este projeto . Desde o princípio, no nosso município, entendemos que era o projeto que tínhamos de agarrar com alma e coração naturalmente que há outros projetos que correm paralelamente em cada uma das outras comunidades, mas este é um projeto como disse tinha uma identidade própria.

Este ano em termos deste projeto entendeu-se que devíamos também alargar a outras competências relativas não só à dança, não só ao teatro e foi por isso que decidimos também agarrar outras capacitações neste caso especificamente na questão do Slackline e também na Arte Urbana. Relativamente à 1ªquestão está aqui o Rui Mimoso que é de Fornos de Algodres também tenho que realçar que é um excelente player nesta matéria é dos primeiros que existe no país e naturalmente também estas áreas é importante também trazer os mais jovens, às vezes os jovens têm outro tipo de motivações e tendo outro tipo de motivações é importante que estes jovens possam ter outras competências, conclui o autarca fornense.

Por fim, cada um dos capacitadores apresentaram as suas atividades, seguindo-se uma pequena demonstração do Slackline pelo atleta Rui Mimoso, pelos jovens convidados e demais entidades que quiseram experimentar.

Este projeto “Alto Mondego Rede Cultural” é cofinanciado pelo Centro 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

 

Concerto dedicado às Mães em Mangualde

Teve lugar em Mangualde na Igreja do Complexo Paroquial de Mangualde ,um concerto dedicado a todas as mães. Foi uma iniciativa que assinalou o primeiro concerto presencial promovido pelo Município de Mangualde, no ano de 2021. O evento cumpriu com todas as normas de segurança impostas pela DGS.

Este concerto, protagonizado pela Orquestra POEMa e pelo Coro do Conservatório de Música de Viseu, contou com a presença de 150 pessoas na plateia. Estiveram presentes o Presidente da Câmara Municipal de Mangualde, Elísio Oliveira e o Vereador da Cultura, João Lopes.

Foto:MM

 

Orquestra Sem Fronteiras animou Pinhel

O Concelho de Pinhel teve o privilégio da atuação da Orquestra Sem Fronteiras , no sábado, atuou nas igrejas paroquiais de Freixedas e Lameiras e também no Cineteatro São Luís (num concerto que integrou o programa da 18ª Feira do Livro).
Por sua vez no domingo, as atuações prosseguiram nas igrejas paroquiais de Azêvo e Pínzio.
Ao todo, foram cinco concertos que cumpriram o objetivo da descentralização tendo em vista o acesso à cultura em locais onde isso acontece com menor frequência.
O Município de Pinhel regista assim com satisfação a presença de público nas várias atuações que decorreram em Freixedas, Lameiras, Pinhel, Azêvo e Pínzio.

“Maratonas com Orquestra de Bolso” em Pinhel

Vão decorrer no Município de Pinhel, no âmbito da iniciativa “Maratonas com Orquestra de Bolso”,  dois dias intensos de pequenos concertos pela Orquestra Sem Fronteiras a realizar em várias localidades do concelho.

No sábado, dia 22, a Orquestra Sem Fronteiras vai atuar nas igrejas paroquiais de Freixedas e Lameiras, às 14.00h e às 17.00h, respetivamente.
À noite, a partir das 21.30h, o concerto é em Pinhel, no Parque Municipal da Trincheira, onde decorre a 18ª Feira do Livro.

No domingo, dia 23, as atuações prosseguem nas igrejas paroquiais de Azêvo e Pínzio, às 11.30h e 15.00h, respetivamente.

De referir que a Orquestra Sem Fronteiras foi criada com o objetivo de apoiar e fixar o talento jovem no interior do país, combatendo o abandono do ensino da música e premiando o mérito académico. Simultaneamente, a Orquestra pretende espalhar o acesso à cultura, e para isso apresenta-se em localidades do interior, oferecendo concertos, ensaios abertos e ações de pedagogia e introdução à música às populações locais. É deste modo que promove os valores de cooperação e integração transfronteiriça, combinando lado a lado músicos portugueses e espanhóis, numa programação que está representada de ambos os lados da fronteira.

Maratonas com Orquestra de Bolso:

Sábado | 22 de maio
14h00 | Concerto em Freixedas (Igreja Paroquial)
17h00 | Concerto em Lameiras (Igreja Paroquial)
21H30 | Concerto em Pinhel – Auditório do Parque da Trincheira (integrado na programação da 18ª Feira do Livro de Pinhel)

Domingo | 23 de maio
11h30 | Concerto em Azêvo (Igreja Paroquial)
15h00 | Concerto em Pínzio (Igreja Paroquial)

“Encontro Associativo” online do concelho de Gouveia

Vai ser assinalado o Dia Nacional das Coletividades (dia 31 de maio), nos próximos dias 29 e 30 de maio (sábado e domingo), a partir das 20h30, do concelho de Gouveia , com um “Encontro Associativo” online, que será transmitido pela Gouveia TV, com difusão no Meo Kanal (verde 6290) e nas redes sociais do Município de Gouveia (facebook e youtube).

Trata-se de  uma iniciativa de quatro coletividades do concelho de Gouveia: a Casa do Concelho de Gouveia, o Rancho Folclórico de Gouveia, a Go Romaria – Associação Cultural Gouveensee o Grupo de Teatro Escola Velha, que conta com o apoio do Município de Gouveia e a participação de 17 coletividades culturais, recreativas e desportivas do concelho de Gouveia, que decidiram abraçar este projeto.

Para este “Encontro Associativo” foi lançado o desafio às coletividades locais de produzirem conteúdos audiovisuais uma duração máxima de 20 min, com o objetivo de construírem, para os serões dos dias 29 e 30 de maio (sábado e domingo), no horário das 20h30 às 23h00, uma grelha de programação dedicada a promover as coletividades aderentes a este desafio e a difundir algumas das suas atividades, no contexto de uma iniciativa que lhes trará a visibilidade dos meios digitais.

O “Encontro Associativo” será, assim, um momento de grandes desafios para o associativismo e uma montra do movimento associativo do concelho de Gouveia, que propõe demonstrar que as coletividades de Gouveia estão vivas e prontas para regressar ao ativo.

Alto Mondego- Rede Cultural apresentado dia 22 em Nelas

 Iniciativa “Alto”, coordenada artisticamente pela Contracanto Associação Cultural, no âmbito do projeto do Alto Mondego’ rede cultural, enquanto proposta de programação cultural em rede no território composto pelos Municípios de Gouveia, Nelas, Fornos de Algodres e Mangualde, que tinha sido adiada em 2020 devido à pandemia Covid-19, será retomada no próximo ano, em 2022.
O Alto Mondego’ rede cultural é um projeto cofinanciado pelo Centro 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.
que vai ser apresentado no próximo sábado, durante a manhã no auditório Multiusos de Nelas.

Fornos de Algodres:Bolsa Artística para a Itinerância Cultural e Plataforma do Associativismo apresentadas

O Salão Nobre do Município de Fornos de Algodres  foi palco de uma reunião entre o Municipio e as Associações e Coletividades locais com o objetivo de apresentar a constituição de uma Bolsa Artística para a Itinerância Cultural e ainda a criação da Plataforma do Associativismo.

Em relação à Bolsa Artística para a Itinerância Cultural , esta consiste na constituição de uma bolsa artística com vista à promoção, ao intercâmbio e a itinerância cultural entre as associações e grupos artísticos dos municípios da região da Serra da Estrela (Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Gouveia, Manteigas e Seia), no âmbito do projeto “Festival Cultural da Serra da Estrela”, da rede cultural da CIMBSE, no qual se pretendem integrar projetos dos 5 Municípios, com o objetivo de promover a cooperação intermunicipal em prol do desenvolvimento de projetos artísticos únicos e inovadores.

A operacionalização do projeto “Festival Cultural da Serra da Estrela” desenvolver-se-á em três fases:

1 – Promoção e lançamento de um concurso de ideias que decorrerá em simultâneo nos 5 municípios e a partir do qual serão selecionados, através de um júri, os 5 melhores programas/ projetos artísticos, liderado por um consórcio de cada município;

2 – Período de ensaios e de preparação dos espetáculos selecionados;

3 – Apresentação de 25 espetáculos. Os cinco projetos artísticos selecionados efetuam o espetáculo nos cinco Municípios.

O período para apresentação dos projetos artísticos decorre entre 17 de maio e 31 de agosto de 2021.

Todos os documentos deverão ser enviados até às 17 horas do dia 31 de agosto de 2021, para o email turismo@cimbse.pt.

Normas de Partipação

Depois foi apresentada uma Plataforma do Associativismo que permite a todas as Associações ou Coletividades do Concelho tenham acesso a um espaço online onde poderão apresentar e promover todas as suas atividades, as suas informações úteis, contactos e ainda a sua agenda cultural, permitindo por sua vez desenvolver uma agenda cultural municipal.

Esta plataforma, que será lançada em breve, permite ainda simplificar processos no âmbito das candidaturas ao Programa de Apoio às Associações e Coletividades do Município de Fornos de Algodres, no seguimento da política de modernização administrativa da Autarquia.