Templates by BIGtheme NET
Início » Saúde

Saúde

Artigo de Sara Morais– A Felicidade, o prazer e a Hipnose Clínica

A vida é como um bolo, poderá ser deliciosa ou, simplesmente, dura consigo, poderá exibir um aspeto divinal e ser uma verdadeira desilusão, ou poderá aparentar simplicidade, mas ser agradável ao palato. Uma coisa é certa, a felicidade e o prazer são os dois ingredientes fundamentais, diria mesmo, a Cereja no Topo do Bolo.

Mas, atenção! A felicidade e o prazer são ingredientes que não se substituem um ao outro uma vez que apresentam funções neurais distintas, embora algumas vezes o leitor as possa confundir. A felicidade é algo que requer paciência e planeamento, é duradoura, constituída por emoções positivas, sentimentos de alegria e sensações de prazer. Este ingrediente é nutrido pelo neurotransmissor serotonina que se produz quando exerce pensamentos positivos e, substancialmente, quando o seu pensamento é predominantemente mais otimista. O prazer, por outro lado, consiste numa resposta direta aos impulsos físicos e está, naturalmente, ligado ao ato de receber e é alimentado pela dopamina. Contudo, ambos os ingredientes são aditivos, por isso é que a sabedoria popular dita que o que é doce nunca amargou.

Ao saborear uma fatia de bolo o leitor vai, automaticamente, aumentar a produção de dopamina, mas cuidado com os exageros. Saiba, também, que ao fazê-lo poderá desenvolver pensamentos positivos o que vai libertar um aumento da circulação da endorfina que equilibra o sistema nervoso autónomo simpático e parassimpático concedendo-lhe a sensação de felicidade. Contudo, após a ingestão, sentir-se-á com mais vontade de comer para manter aquela sensação de prazer. Certamente, já comeu algo doce quando se sentia sem energia ou, simplesmente, triste com o intuito de sentir, novamente, aquela sensação de prazer e conforto.

Mais do que nunca, é importante desenvolver o conhecimento sobre si mesmo, sobre os seus impulsos e comportamentos que podem ou não gerar desequilíbrios emocionais e psicológicos. É nesta medida que surge a Hipnose Clínica, não só como uma ferramenta terapêutica para intervir nos desequilíbrios emocionais, mas, também, desenvolver o conhecimento e o controlo sobre a sua mente. Numa fase inicial, a Hipnose Clínica visa compreender e trabalhar as emoções negativas mal geridas. É posteriormente, desenvolvido, um novo conceito mais favorável que irá contribuir para desenvolver uma nova reprogramação mental em que o leitor tomará escolhas conscientes saboreando o bolo de forma prazerosa, ao mesmo tempo que desenvolve a sua felicidade em experienciar as pequenas e boas coisas que a vida tem para lhe oferecer. A Hipnose Clínica, permite ao leitor transformar o círculo vicioso a seu favor, num comportamento ajustado para potenciar o equilíbrio da sua saúde.

“Nada é Suficiente para quem julga o suficiente demasiadamente pouco” Epicuro

 No próximo boletim de saúde poderá analisar mais sobre Depressão e sentimento de Fatiga e de que forma a Hipnose Clínica pode ajudar.

Morais

Hipnoterapeuta

Consultas 91 63 54 106

sfilipa.morais@gmail.com

 

Projeto de Teleassistência a Pessoas Vulneráveis em Penalva do Castelo

Recentemente foi assinado entre o Município de Penalva do Castelo e a Guarda Nacional Republicana (GNR) , um protocolo de cooperação, no âmbito do projeto eGuard, uma iniciativa de Teleassistência a Pessoas Vulneráveis. Este projeto consiste na disponibilização de um dispositivo de pequenas dimensões aos munícipes que se encontrem numa situação de dependência, incapacidade, isolamento ou sem retaguarda familiar, particularmente idosos. Adequado para usar ao pescoço, o dispositivo dispõe de apenas um botão que após pressionado cerca de 3 segundos estabelece uma chamada para a Sala de Situação do Comando Territorial de Viseu, monitorizada em permanência, sendo posteriormente acionados os meios de socorro adequados à situação. Caso os dispositivos se mantenham inativos 12 horas, os militares tomam a iniciativa de contactar os idosos sinalizados, sendo que todos eles, independentemente de terem tido a necessidade de recorrer ou não ao serviço, serão visitados duas vezes por mês. Este mecanismo, cuja componente técnica é assegurada pela Agência de Desenvolvimento para a Sociedade de Informação e do Conhecimento (ADSI), pode ser utilizado numa situação de perigo, queda ou doença súbita e é facultado ao munícipe de forma gratuita, tendo cada equipamento um custo mensal a suportar pelo Município. Francisco Carvalho, presidente da Câmara Municipal de Penalva do Castelo referiu que da parte do Município todos os esforços serão feitos para melhorar a qualidade de vida dos idosos, esperando que o projeto corresponda aos anseios dos mesmos e contribua para o seu bem-estar, bem como para um concelho, um distrito e um país melhores. Por seu lado, o comandante do Comando Territorial de Viseu, Coronel Vítor Assunção, congratulou o Município de Penalva do Castelo pela adesão ao projeto, tendo referido que este é um serviço público em prol dos cidadãos mais isolados que complementa a ação do Município e que contribuirá para o aumento da qualidade de vida, da saúde, da tranquilidade e da autonomia dos seus beneficiários e, consequentemente para manter as pessoas nas suas residências e retardar a eventual institucionalização.

Conversa Ecologista – Serviço Nacional de Saúde A nossa segurança na Saúde

O Partido Ecologista Os Verdes tem realizado um conjunto de conversas ecologistas, presenciais e on-line, sobre os mais variados temas. Estas conversas são um espaço aberto de discussão, onde procuramos ter convidados ligados às temáticas abordadas.

Na próxima quinta-feira, dia 21 de julho, às 21 horas, o Partido Ecologista Os Verdes (Coletivo de Coimbra) promove uma conversa ecologista (on-line), sobre o Serviço Nacional de Saúde. Pretende-se com esta conversa abordar entre outros, o reforço dos cuidados de saúde primários, a garantia e universalidade do SNS, o seu subfinanciamento e a necessidade de valorizar os próprios trabalhadores.

O SNS apesar de ser o garante e a universalidade dos serviços de saúde a prestar aos cidadãos tem sucessivamente visto os problemas crónicos a acentuar-se pela falta de investimento, dos quais são evidentes a falta de profissionais, desde logo médicos e enfermeiros, administrativos e demais trabalhadores essenciais para garantir a prestação de um serviço de qualidade para todos.

O SNS demonstrou em tempos de pandemia que é a nossa segurança na saúde, que todos, sem exceção, podem contar independente da condição económica e social.

Nova viatura elétrica da ULS Guarda

Foi já  entregue a nova viatura elétrica, adquirida pela ULSG com o apoio da Coficab , para a equipa de Hospitalização Domiciliária.
Trata-se de uma viatura da marca Citroen Berlingo adquirida pela ULSG teve um custo total de 35 mil euros, tendo a Cobicab comparticipado na aquisição da mesma com 20 mil euros.
Recorde-se que a Coficab doou, em plena pandemia pela Sars-Cov-2 um cheque no valor de 20 mil euros, à administração da ULS da Guarda para este fim. Esta sexta-feira, na hora da entrega da viatura à equipa, o Diretor Geral da Coficab, Eng. João Cardoso voltou a salientar que “esta é uma iniciativa cujo objetivo é evidenciar a responsabilidade social da empresa para com a comunidade em que está inserida”. A ULS da Guarda agradece mais uma vez o gesto da empresa sedeada na Guarda.

Loja do Valor do Tempo inaugurada na Serra da Estrela

  Teve lugar a inauguração da loja do Valor do Tempo, dedicada aos produtos da ovelha Bordaleira, em homenagem aos pastores da região da Serra da Estrela.
Lá no alto, no teto de Portugal, apesar do frio, a festa valeu por tudo e mais alguma coisa. Pelo requinte da loja e dos produtos, mas sobretudo pela presença dos pastores e queijeiras, numa verdadeira homenagem a quem produz o melhor queijo português. E se a festa foi simbólica, já o negócio é sério e o setor, a partir de agora, não vai ficar como antes. Há um empresário, que não brinca em serviço, aposta no setor, estimula e incrementa negócios, escoamento de produtos, vendas e incentivos. A própria presença da ministra da agricultura foi oportuna, porque trouxe novidades práticas para ajudar o setor.
Constatando isto, percebeu-se que a economia portuguesa precisa de multiplicar mais exemplos destes, em todos os setores, para criar riqueza, dignificar atividades produtivas e os seus agentes e colocar no mercado novos produtos, que vão além dos “bitcoms”!!!
Lá no alto, além de pastores, autarcas e outros políticos e autoridades, estavam o presidente do Turismo do Centro, Pedro Machado que também não brinca em serviço e os Presidentes da ANCOSE – Associação Nacional de Criadores de Ovinos da Serra da Estrela e o Presidente da Estrelacoop.
Fonte:MB

Município de Celorico da Beira passa a dispor de serviço social na área da demência através do Projeto NeuroCEDE

O Município de Celorico da Beira passa a dispor de resposta social na área da demência, com a adesão ao projeto NeuroCEDE da APS de Fornos de Algodres, implementado nos concelhos de Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Mangualde e Penalva do Castelo.
Vai ser uma resposta social direcionada para pessoas, idosas e não idosas, que estejam a vivenciar um processo de comprometimento cognitivo ou que apresentem dois ou mais fatores de risco para o desenvolvimento de quadros demenciais (diabetes, hipertensão, etc).
O município de Celorico da Beira deu os primeiros passos nesta área de intervenção, no passado mês de abril, com a sinalização de alguns casos que apresentam risco de desenvolvimento de demência.
Financiado por fundos europeus, o projeto NeuroCEDE visa alcançar a melhoria da qualidade de vida da pessoa com demência, e a consecução dos seguintes objetivos específicos:
1. aumento do número de pessoas com demência diagnosticadas e acompanhadas em consulta de especialidade;
2. alargamento do período entre o aparecimento do CCL (comprometimento cognitivo leve) e o declínio das demais habilidades cognitivas preservadas;
3. alargamento do período entre o aparecimento do CCL e o aparecimento dos primeiros sintomas comportamentais;
4. diminuição de sintomas depressivos na pessoa com CCL ou Demência;
5. aumento do trabalho em rede na área do apoio à pessoa com demência (juntas de freguesia, municípios e centros de saúde);
6. aumento da informação sistematizada da realidade demencial deste território, permitindo a adoção de intervenções holísticas e inovadoras.
Para a prossecução destes objetivos, o projeto NeuroCEDE conta com uma equipa multidisciplinar, constituída por médico psiquiatra, neuropsicóloga, assistente social, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, terapeuta da fala, psicomotricista e animadora sociocultural, que dinamiza em gabinete próprio ou no domicílio do beneficiário. No caso de Celorico da Beira a intervenção destes peritos cinge-se ao domicílio do beneficiário, onde serão levadas a cabo as seguintes atividades:
• Avaliação neuro psicológica;
• Consultas de psiquiatria;
• Estimulação cognitiva;
• Estimulação física;
• Estimulação multissensorial;
• Apoio psicossocial para pessoas com demência e seus cuidadores.

Dia Mundial do Microbioma assinalado

Assinala-se segunda-feira, dia 27 de junho, o Dia Mundial do Microbioma, que tem como objetivo sensibilizar para a importância que estes seres microscópicos têm na preservação da saúde humana e do planeta. Estes microrganismos que estão em toda a parte – micróbios, bactérias, fungos – vivem também em comunidades no nosso organismo: pele, ouvidos, boca, pulmões e intestinos. A cada uma destas comunidades dá-se o nome microbiota* e tem um papel fundamental no equilíbrio do corpo humano. São os nossos escudos protetores contra doenças. Ler Mais »

IPO de Coimbra obteve 5ª acreditação pelo CHKS

O IPO de Coimbra obteve pela quinta vez a acreditação pelo CHKS (Caspe Healthcare Knowledge Systems), relativamente à implementação dos seus processos e normas, o que comprova o cumprimento dos padrões internacionais das melhores práticas.

Após avaliação por uma equipa externa de profissionais de saúde seniores, com formação de auditoria e revisão por pares, o IPO de Coimbra conseguiu demonstrar, num contexto particularmente difícil de pandemia, a conformidade com os requisitos da qualidade exigíveis.

Moyra Amess, Diretora do Departamento de Acreditação do CHKS referiu a propósito que: “O processo de acreditação requer dedicação e compromisso. Cada organização para a qual concedemos este prémio provou aos nossos avaliadores externos que os seus padrões e processos cumprem os padrões internacionais das melhores práticas. Esta é uma conquista significativa”.

A distinção agora atribuída significa fundamentalmente o reconhecimento da “marca” IPOFG, o que só pode reforçar a posição do IPO de Coimbra como instituição de referência na área da oncologia que assegura há 60 anos na região centro, com rigor e competência, a prestação de cuidados ao doente oncológico.

Para os cidadãos, esta acreditação internacional significará certamente o reforço da confiança numa instituição cuja qualidade e prestígio aqui fica também uma vez mais reconhecida.

Recorde-se que o IPO de Coimbra é uma instituição acreditada por esta entidade desde 2005 tendo obtido sucessivas reacreditações em 2010, 2014 e 2017.

Cancro: da prevenção à intervenção – O papel do Médico”

Decorre a 3ª edição da ação de formação “Cancro: da prevenção à intervenção – O papel do Médico”, organizada pela LPCC,  entre 21 e 23 de junho de 2022.  Com uma estrutura modular, o curso decorrerá em formato online e visa, entre outros objetivos, dotar a comunidade estudantil de conhecimentos e competências ao nível da temática da doença oncológica.

O Núcleo Regional do Centro da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC.NRC) desafia novamente os estudantes universitários de medicina a melhorarem os seus conhecimentos sobre prevenção e impacto do cancro.  A 3ª edição da ação de formação “Cancro: da prevenção à intervenção – O papel do Médico” decorrerá em formato e-learning (Plataforma Zoom), nos dias 20, 21 e 23 de junho de 2022, entre as 17h00 e as 20h30.  Ler Mais »

Federação Nacional dos Médicos (FNAM) teme pela municipalização da Saúde

Para a Federação Nacional dos Médicos (FNAM), a municipalização da Saúde parte de uma visão de espartilhamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS), colocando em causa o acesso aos Cuidados de Saúde Primários e impondo um difícil peso financeiro aos municípios, com o objetivo final da privatização dos serviços de saúde.

O processo de transferência de competências na área da Saúde para as autarquias e entidades intermunicipais, concretizado pelo Decreto-Lei n.º 23/2019, determinava a transferência, até 31 de março de 2022, de responsabilidades, no que diz respeito à construção, gestão, manutenção e conservação das infraestruturas, serviços de apoio logístico e de uma parte dos recursos humanos (assistentes operacionais) nos Cuidados de Saúde Primários (CSP).

Muitas câmaras municipais não aderiram a este processo, sendo que no final de março apenas 28% dos municípios tinham aceitado estas competências.

A FNAM rejeita frontalmente este processo de desresponsabilização da Administração Central e do Ministério da Saúde (MS) de um conjunto de competências centrais para a prestação de Cuidados de Saúde Primários, implicando um risco real de perda de qualidade, tanto na definição de políticas de saúde transversais e consistentes, promovendo a desagregação das decisões em saúde, como na sua aplicação equitativa pela população portuguesa.

Os cidadãos vão, deste modo, ficar reféns da capacidade política e técnica dos municípios onde residem para a negociação dos orçamentos necessários, para a concretização dos investimentos em instalações e equipamentos e respetiva manutenção, e da sua preparação na gestão dos recursos humanos indispensáveis para a efetivação do seu direito à saúde.

Fica assim em xeque a universalidade e a equidade no acesso à saúde, prevista na Constituição da República Portuguesa.

Caso se verifique o avanço deste processo, iremos certamente assistir a situações de competição entre municípios, ao invés da desejável colaboração entre entidade públicas e à adoção de medidas populistas desgarradas, apenas com objetivos eleitoralistas, fragmentando as políticas de saúde para ir ao encontro das conveniências e dos interesses locais. A própria negociação dos autos de transferência é já uma primeira confirmação das iniquidades do processo, com medidas que poderão variar acentuadamente de município para município.

A FNAM denuncia ainda a possibilidade de abertura de um processo conducente à privatização dos CSP, há muito desejada pelos grupos económicos privados, através da concretização das Unidade de Saúde Familiares modelo C, inicialmente com gestão partilhada pelas autarquias e no futuro exclusivamente privada. Assim, a equidade no acesso à saúde ficaria ainda mais em causa, contribuindo para uma maior desresponsabilização do MS das suas obrigações quanto à prestação de cuidados transversais e abrangentes à população.

Importa ainda questionar se a transferência, numa primeira fase, dos assistentes operacionais servirá como uma «rampa de lançamento» para a futura transferência das demais carreiras – médicos, enfermeiros, secretários clínicos e técnicos superiores de saúde – como se verificou noutros países que já passaram por processos semelhantes, para que num futuro próximo estes profissionais venham a ser também transferidos para a esfera municipal ou mesmo privada.

Estamos, assim, perante um processo histórico e de cariz profundamente ideológico, com o objetivo de confundir descentralização da Administração Pública com o verdadeiro desmembramento e pulverização do SNS, de desenvolvimento de lógicas meramente locais desinseridas de uma política de saúde nacional e de criação de uma enorme sobrecarga logística e financeira para os municípios, com os serviços de saúde que os negócios privados não considerarem apetecíveis.

A FNAM opõe-se frontalmente a este ataque aos pilares essenciais do Estado Social e ao comprometimento do bem-estar futuro da população, pelo que desenvolverá todos os esforços para contrariar a desagregação do SNS, pugnando pela unidade, universalidade, equidade e qualidade nas políticas, serviços e profissionais de saúde em Portugal.