Início » Segurança

Segurança

5ª Conferência Internacional de Cibersegurança no IP Guarda

“A cibersegurança vai ser a grande questão estratégica da liderança de topo”

 Joana Mota Agostinho vai apresentar na 5ª Conferência Internacional de Cibersegurança o primeiro estudo de impacto em Portugal da nova diretiva europeia de cibersegurança, a NIS 2. Multinacionais do setor como a Fortinet, a Checkpoint e a Palo Alto também vão partilhar no Politécnico da Guarda o que as gigantes tecnológicas estão a preparar contra o cibercrime. As entidades nacionais de cibersegurança de Portugal e de Espanha vão intervir na conferência.

A entrada em vigor, a partir de 17 de outubro de 2024, da nova diretiva europeia de cibersegurança NIS 2 em Portugal vai obrigar as empresas e um grande número de serviços públicos nacionais a realizar grandes investimentos e a colocar a segurança informática no topo das agendas dos seus presidentes e administradores.

“A NIS vai mesmo criar uma cultura de cibersegurança europeia e, quer em Portugal, quer nos outros países da União Europeia, quem não levar este desafio a sério vai, não só ficar exposto a todo o tipo de ataques, mas também a um quadro sancionatório muito pesado”, afirma Joana Mota Agostinho, a jurista que irá trazer à 5ª Conferência Internacional de Cibersegurança que o Instituto Politécnico da Guarda – IPG promove nos dias 8 e 9 de maio o primeiro estudo de impacto em Portugal da NIS 2. Advogada do escritório Cuatrecasas especializada em Tecnologia e Meios Digitais e em proteção de dados, Joana Mota Agostinho sustenta que “a cibersegurança vai ser a grande questão estratégica da gestão de topo pública e privada nos próximos anos!”

A NIS2 sucede à NIS (network and information systems), a diretiva com que a União Europeia condensou em 2020 a sua estratégia para a cibersegurança. Em vigor desde 16 de janeiro de 2023, alarga o âmbito de aplicação da diretiva original e passa a abranger todas as entidades da UE que prestem serviços ou que realizem atividades qualificadas como “essenciais” ou como “importantes” em áreas relevantes: setor bancário, infraestruturas do mercado financeiro, fornecedores e infraestruturas digitais, gestão de serviços TIC, saúde, serviços postais, energia, transportes, espaço, indústria transformadora, certos tipos de produção e de distribuição – e também as administração públicas.

Para além de Joana Mota Agostinho, também o espanhol José Capote, diretor de Estratégia de Redes da Huawei Espanha, irá partilhar com os conferencistas reunidos no IPG a visão de um grande fabricante mundial sobre os impactos da diretiva NIS2 nas boas práticas na área da segurança que os setores público e privado vão ter de passar a cumprir em todo o espaço da União Europeia (ver Programa em anexo).

Maior evento de cibersegurança do interior do país

“Vai ser o primeiro debate nacional sobre esta questão estratégica para a União Europeia e para Portugal: afeta milhares de empresas e organizações, afeta todos os organismos do Estado – e vai estar em análise no maior evento de cibersegurança do interior do país”, afirma Joaquim Brigas, presidente do Instituto Politécnico da Guarda. “As questões da segurança associadas à transição digital são uma prioridade para o IPG: uma prioridade científica e de investigação e também uma prioridade de oferta letiva: lançámos o primeiro curso técnico superior (CTeSP) de Cibersegurança do país e já temos em funcionamento um mestrado nesta área. A segurança digital é uma prioridade do IPG nas suas parcerias com empresas para a transmissão de conhecimento”.

Para além da resiliência da União Europeia e de Portugal em matéria informática, a 5ª Conferência Internacional realizada no Politécnico da Guarda estará centrada na inteligência artificial na área da cibersegurança. Luís Seabra, cofundador da Sentryonics, irá fazer uma apresentação sobre o uso da Inteligência Artificial na área da cibersegurança. Físico teórico no início da sua carreira, Luís Seabra especializou-se na utilização dos instrumentos da IA para a proteção cibernética de redes automatizadas. E David Russo, cofundador da CyberS3C, falará sobre a utilização da Inteligência Artificial como estratégia de cibersegurança para defesa dos ativos.

“Ferramentas inovadoras” e “exercícios de cibersegurança”

“Face à relevância e avanços da Inteligência Artificial, esta 5ª edição da Conferência Internacional irá proporcionar aos seus participantes a possibilidade de explorar novas ferramentas muito inovadoras e realizar exercícios de cibersegurança”, afirma Pedro Pinto, responsável pela área de Cibersegurança do IPG e um dos coordenadores da conferência. “Os workshops serão acompanhados por experts da Unidade de Computação Científica da FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia”.

O coordenador da conferência destaca ainda a comunicação que irá ser feita por Bruno Gonçalves, que integra a Cybersecurity Business Unit da Warpcom Services, sobre a ascensão da computação quântica. “Num mundo cada vez mais digital, devemos analisar a forma como a computação quântica desafia as bases da segurança tradicional, discutindo soluções emergentes ligadas às redes quânticas e a algoritmos pós-quânticos”, afirma Pedro Pinto.

Sobre o estado atual da cibersegurança em Portugal e em Espanha falará, pelo lado português, Isabel Baptista, coordenadora do departamento de desenvolvimento e inovação do Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) Pelo lado espanhol irá intervir Miguel Ángel Cañada, responsável pelas relações públicas e estratégia do Instituto Nacional de Cibersegurança de Espanha (INCIBE). Ambos os responsáveis irão descrever as atividades que os seus organismos desenvolvem nos respetivos territórios nacionais e também os desafios que a Inteligência Artificial levanta nesta área.

Já Daniel Ferreira, da Fortinet, Rui Duro, da Checkpoint, e Luís Trincheiras, da Palo Alto, irão debater em mesa redonda as ameaças atuais e os contributos que as gigantes tecnológicas poderão dar aos estados na luta contra o cibercrime. Jorge Reis Silva, da Associação Internacional de Comunicações e Eletrónica das Forças Armadas, irá falar de troca de informações no ecossistema da aviação e o seu impacto nos níveis de segurança.

O Politécnico da Guarda faz também parte da C-Academy do Centro Nacional de Cibersegurança – CNCS, tendo formado nos últimos meses mais de cem alunos na área da cibersegurança. O IPG possui uma equipa especializada que integra o Centro Nacional de Centros de Resposta a Incidentes de Segurança – CSIRT, uma rede de colaboração para a área da segurança do ciberespaço nacional. O IPG integra a Metared e está atualmente a desenvolver projetos na área da cibersegurança em colaboração com universidades portuguesa e espanholas.

CIM Viseu Dão Lafões deu a conhecer resultados do projeto europeu LIFE Landscape Fire

Decorreu nesta quarta-feira, em Mangualde, o primeiro de três workshops em que a Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões dá a conhecer publicamente os primeiros resultados do projeto europeu LIFE Landscape Fire, do qual é a entidade líder. Seguem-se iniciativas idênticas em Madrid e Bruxelas, respetivamente a 7 e 22 de maio.

Os workshops, que receberam o título de “Igniting Change”, têm como objetivo partilhar os conhecimentos já adquiridos e técnicas desenvolvidas pelos parceiros participantes no projeto.

Aqui foi, o primeiro evento, com o tema “Demonstração de Boas Práticas”, teve lugar na Biblioteca Municipal de Mangualde, com o início a ser dedicado precisamente à apresentação dos resultados por parte dos parceiros: a CIM Viseu Dão Lafões e o Instituto Politécnico de Viseu, em Portugal, e a Universidade de Extremadura, a Junta de Extremadura e a Mancomunidade Integral Sierra de San Pedro, em Espanha.

Entre estes resultados, destacam-se a importância da aplicação de políticas públicas específicas de apoio ao pastoreio extensivo e o reconhecimento e a valorização dos serviços dos ecossistemas, sendo que a combinação entre pastoreio extensivo e o fogo controlado, realizados em pontos estratégicos de gestão, torna-se uma ferramenta essencial na prevenção de incêndios rurais.

Seguiu-se um painel de discussão sobre “Fogo Controlado e o Pastoreio Extensivo”, que contou com intervenções de representantes da Autoridade de Emergência e Proteção Civil, Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Guarda Nacional Republicana, Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e Serviço de Planeamento e Gestão Florestal da Junta de Extremadura.

LIFE Landscape Fire – um projeto liderado pela CIM Viseu Dão Lafões   

Aprovado em 2019, o LIFE Landscape Fire tem por objetivo o desenvolvimento de medidas de prevenção de incêndios florestais na paisagem rural, através do uso do fogo controlado, da silvopastorícia e do controlo de espécies invasoras. Desta forma, pretende-se proteger a biodiversidade e os ecossistemas e aumentar a resiliência do território.

Liderado pela CIM Viseu Dão Lafões desde o seu início, foi o único projeto português a ser aprovado pelo Programa Europeu “LIFE”, no aviso de 2018 na Área do Ambiente.

Desde o início do projeto LIFE Landscape Fire, a CIM Viseu Dão Lafões já desenvolveu eventos de grande importância, em conjunto com todos os parceiros. Um dos eventos mais marcantes aconteceu em 2023, com a visita do Comissário Europeu do Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginius Sinkevičius, à Aldeia da Coelheira, no município de São Pedro do Sul, onde assistiu a uma ação de fogo controlado. Outro momento relevante foi o 3.º Seminário Internacional LIFE Landscape Fire, que decorreu em Viseu, assim como uma visita de campo de três dias na Região da Extremadura, em que os participantes conheceram locais intervencionados pelo projeto.

Nuno Martinho, Secretário Executivo da CIM Viseu Dão Lafões, começou por destacar que “nunca é demais recordar que este é o único projeto português aprovado no vertical ambiente, sendo um projeto bandeira dentro da Comissão Europeia”.

“O workshop de hoje comprovou o bom trabalho que fomos capazes de realizar, em estreita colaboração com diversos agentes do território, ao longo deste projeto pioneiro. Desde logo, promovemos a capacitação de técnicos de fogo controlado, não só junto dos nossos municípios, mas também da GNR e dos bombeiros. Ao abrigo deste projeto foi ainda possível desenvolver ações de silvopastorícia, com o valioso contributo do IPV. Em suma, foram inúmeras as ações e os parceiros envolvidos, num projeto que deixa uma marca muito importante na resiliência da nossa floresta e de boas práticas, também, no âmbito da sustentabilidade e do ambiente. Assim, é muito gratificante apresentar os resultados desta iniciativa, que tem reflexos diretos na proteção do meio ambiente, na defesa da floresta e na proteção das nossas populações contra os fogos rurais”, concluiu Nuno Martinho.

Segundo o Presidente de Câmara Municipal de Mangualde, Marco Almeida, “a valorização e a resiliência dos territórios no combate aos incêndios começa com a consciencialização da importância de preservarmos os nossos recursos naturais. É isso que temos feito ao longo dos anos, quer no nosso município, quer também na CIM Viseu Dão Lafões, através da promoção de boas práticas que também incentivam a população a adotar comportamentos verdadeiramente responsáveis. Este evento é uma forma de todos nós ficarmos mais esclarecidos em relação às nossas preocupações, quer individuais, quer da nossa região”.

Miguel David, Comandante Sub-regional de Emergência e Protecção Civil, afirmou: “Este é um projeto resiliente porque não parou durante a pandemia e porque teve a capacidade de agregar diferentes entidades e diferentes agentes de proteção civil, para se abordar a temática do fogo numa perspetiva preventiva, como um verdadeiro instrumento de gestão do nosso território, da nossa paisagem”.

“Foi com muito gosto que participámos neste grupo de trabalho, que consideramos muito importante para a região. No entanto, é necessário criar dinâmicas para que o conhecimento e aquelas que são as boas práticas, desenvolvidas neste e noutros projetos, possam ser divulgadas e, posteriormente, aplicadas no nosso território para benefício de todos”, acrescentou.

Ministra da Administração Interna recebeu sindicatos das Forças de Segurança

Em comunicado, o Ministério da Administração Interna refere: Durante aproximadamente duas horas de reunião, a Ministra da Administração Interna, Margarida Blasco, ouviu uma dezena e meia de representantes dos sindicatos das Forças de Segurança que aceitaram o seu convite. Nas instalações do Ministério da Administração Interna, no Terreiro do Paço, foram recebidos elementos dos seguintes sindicatos: Associação Sindical dos Profissionais da Polícia; Sindicato Independente dos Agentes de Polícia; Sindicato dos Profissionais de Polícia, Sindicato Nacional da Carreira de Chefes; Sindicato Nacional de Oficiais de Polícia; Sindicato Nacional da Polícia; Sindicato Unificado da Polícia de Segurança Pública; Associação Sindical Autónoma de Polícia; Sindicato Vertical de Carreiras da Polícia, Sindicado da Polícia pela Ordem e Liberdade; Organização Sindical dos Polícias; Associação representativa dos Polícias; APG/GNR; ANG Associação Nacional de Sargentos da Guarda; ASPIG Associação Sócio Profissional Independente da Guarda; ANAG Associação Nacional Autónoma da Guarda; ANOG Associação Nacional de Oficiais da Guarda; Associação da União da Guarda

Durante a reunião, em linha com o Programa de Governo, foram referidas as propostas de dignificação e valorização das Forças de Segurança como prioridade para o Ministério da Administração Interna. O objetivo desta reunião foi ainda a apresentação da equipa do Ministério da Administração Interna e do Ministério das Finanças envolvidas neste processo negocial junto dos Sindicatos e Associações Sindicais das Forças de Segurança. A Ministra da Administração Interna transmitiu aos representantes a sua disponibilidade para ouvir todos, receber os contributos de cada uma das Entidades e iniciar, com a brevidade possível, o respetivo processo negocial.

Nesta reunião os representantes sindicais consideraram prioritária a atribuição do suplemento de missão.

Ficou apontada a data de 22 de abril para uma primeira reunião formal. Até lá, o Ministério da Administração Interna irá analisar todas as materiais em causa e contributos recebidos e elaborar o protocolo e modelo negocial a propor.

O contributo de cada um tornará possível priorizar todas as questões levantadas relacionadas na sua grande maioria com as carreiras, condições dos equipamentos e estruturas assim como o estatuto remuneratório para, em conjunto, dignificar a carreira e o exercício das funções das Forças de Segurança Portuguesas.

Guarda- PSP-Tentativa de furto a interior de residência

A Polícia de Segurança Pública (PSP) da Guarda, registou recentemente, uma ocorrência referente à tentativa de um furto a interior de uma residência, na cidade da Guarda.

Nesta ocorrência, não foi concretizado qualquer furto no interior da residência em questão, uma vez que o suspeito, ao se aperceber que havia gente no interior da habitação, imediatamente fugiu do local. Até ao presente momento, não foi reportado à PSP da Guarda mais nenhuma situação do género, sendo este um caso isolado e único, que já se encontra em investigação.

Importa salientar que, além deste caso, desde janeiro de 2024 até à presenta data, a PSP da Guarda tem apenas registo de duas situações de furto em residências, situações estas que também se encontram a ser investigadas.

A circulação de relatos, boatos ou comentários, que não correspondem com a realidade, criados pela “desinformação”, publicada e partilhada maioritariamente nas redes sociais causam alarme social na população.

A PSP da Guarda está permanentemente atenta aos fenómenos criminais e, sempre que se justifique, fará por alertar a população, seja pela comunicação institucional de situações ocorridas ou conselhos para comportamentos de prevenção nas mais diversas matérias. Comunicação essa, efetuada através da permanente colaboração com os órgãos de comunicação social, bem como por intermédio das suas redes sociais, contribuindo dessa forma com informação oficial e credível.

Mesmo sendo a cidade da Guarda uma das mais seguras do país, para evitar qualquer tipo de situação semelhante, sugere-se à população que tome sempre medidas de auto proteção:

Ø Feche as portas de entrada à chave;

Ø Nunca deixe as janelas e marquises abertas, mesmo em andares mais altos;

Ø Verifique se as portas das garagens e de entrada dos prédios se encontram fechadas;

Ø Evite acumular correspondência na caixa do correio;

Ø Dê alguma aparência de atividade à sua residência, abrindo regularmente as persianas e ligando alguma luz acesa no período noturno, sempre que possível.

 

Vaga de furtos tem assolado concelho de Fornos de Algodres

O concelho de Fornos de Algodres tem sido alvo de uma vaga de furtos nos últimos tempos sobretudo a residências . Desta forma, a Guarda Nacional Republicana deixa-lhe alguns conselhos importantes:

-Deixe as portas e janelas fechadas sempre quando sair.
-Coloque um óculo e uma corrente de segurança na sua porta.
-Não deixe entrar pessoas suspeitas ou desconhecidas, sem ter a certeza de quem são
-Tenha sempre à mão os números de telefone para poder comunicar com alguém, principalmente com a GNR ou Polícia.
-Quando se ausentar de sua casa, por vários dias, informe a força da GNR ou outra Autoridade Policial da sua zona.
-Não deixe escritos na porta, janela ou caixa do correio, que indiquem a sua ausência.
-Não deixa acumular correspondência na caixa do correio e coloque na mesma uma fechadura segura.

Para moradores em Nova Residência:

-Antes de pensar em instalar-se numa nova residência, procure verificar as seguintes medidas de Segurança:
-Se existe iluminação adequada no prédio ou vivenda que pretende e nas áreas circundantes;
-Se as garagens têm proteção adequada e com sistemas de abertura de portas com controlo à distância;
-Se a sua nova residência esta equipada com sistemas de deteção de incêndios;
-Procure informar-se sobre o local e sobre a vizinhança;
-Quando se instalar numa nova residência que já tenha tido outros moradores, mude as fechaduras;
-Guarde num local seguro todas as cópias das chaves da sua residência;
-Mande instalar nas portas exteriores correntes de segurança;
-Procure conhecer todos os seus vizinhos e coopere com eles em todos os aspetos de segurança comuns do prédio;
-Inclua na sua agenda telefónica contactos úteis, como dos Bombeiros, dos Serviços de Emergência Médica e das Forças de Segurança da sua área de residência de modo a contactá-los rapidamente em qualquer situação de urgência;

GNR – Comando Territorial da Guarda entrega cartas de saudação

O Comando Territorial da GNR da Guarda assinalou a passagem à situação reserva de militares que prestaram serviço na Unidade, com a entrega das Cartas de Saudação.
A singela cerimónia foi presidida pelo Comandante da Unidade, Tenente-Coronel Pedro Emanuel de Jesus Gonçalves.
Estiveram ainda presentes militares e civis das várias categorias profissionais da Instituição.
Aos militares na Reserva, Cabo mor Marques, Cabo Soares, Cabo Gradiz e Cabo Mendes, o agradecimento pela carreira de dedicação à causa pública “Pela Lei e pela Grei” e os nossos votos de saúde e felicidades nesta nova etapa das suas vidas.

Fonte:CTG-GNR

GNR alerta para burlas

Visando contribuir para a prevenção e o combate aos diversos tipos de burlas, a Guarda Nacional Republicana alerta para a necessidade de sensibilizar os diferentes públicos-alvo para os diferentes tipos de burla.

Em 2022, foram registados pela Guarda 17 969 crimes de burla, onde predominam as burlas informáticas e nas comunicações com 6 518 ocorrências e burlas com fraude bancária com 2 630 registos.

No ano2023, verificou-se um aumento face ao ano de 2022,  registando-se 21 548 crimes de burla, destacando-se a burla informática e nas comunicações com 7 303 ocorrências e burla com fraude bancária com 3 079 registos. Ler Mais »

GNR | Cerimónia de Juramento de Bandeira do 54.º Curso de Formação de Guardas

A Guarda Nacional Republicana realizou, nesta quinta-feira, pelas 15H00, no Centro de Formação da Figueira da Foz, a cerimónia de Juramento de Bandeira do 54.º Curso de Formação de Guardas que ainda não o tivessem efetuado nas Forças Armadas.

O juramento de bandeira representa o compromisso solene dos Guardas-provisórios para com a Pátria, constituindo uma data muito importante na vida de qualquer militar. Trata-se de uma cerimónia em que os militares se comprometem a cumprir a Constituição, as demais leis da República, bem como todos os deveres militares, ao serviço da Guarda Nacional Republicana, jurando defender a Pátria, mesmo com o sacrifício da própria vida.

O evento foi presidido por Sua Excelência o Comandante-Geral da Guarda Nacional Republicana, Tenente-General Rui Alberto Ribeiro Veloso e de diversas entidades civis e militares.

Dos 278 Guardas-provisórios que estão a frequentar o curso, 174 (163 masculinos e 11 femininos) realizaram o seu juramento em cerimónia pública, perante o Estandarte Nacional.

 

GNR Guarda – Promove fair play no desporto escolar e não escolar

A GNR tem uma grande preocupação com a promoção do fair play no desporto, tanto escolar como não escolar. Por isso, ao longo desta semana, realizaram várias ações de sensibilização, no âmbito do “Desporto em segurança-Crescer com Fair Play”.
Estiveram no Agrupamento de Escolas Tenente-Coronel Adão Carrapatoso, e no Centro de Alto Rendimento do Pocinho (CAR), Vila Nova de Foz Côa e no Grupo Desportivo de Trancoso – Trancoso.
Assim deram os parabéns, a todos os participantes por terem demonstrado respeito, tolerância, cooperação e espírito de equipa nas atividades desportivas. Estes são valores essenciais para a construção de uma sociedade mais justa e equilibrada.
Gostaríamos de ver replicado o que foi transmitido ao longo desta semana pelos nossos militares nas salas de aula, já este fim de semana nos diversos jogos que se vão realizar. A violência, o racismo, a xenofobia e a intolerância não têm lugar no desporto nem na vida.
 Vamos todos contribuir para um ambiente seguro e saudável nos espetáculos desportivos e nas escolas. O desporto é uma ferramenta de progresso social e de bem-estar físico e psicológico. Vamos praticá-lo com fair play”!, refere fonte da GNR Guarda.

Balanço da Campanha “Viajar sem pressa”

A Campanha de Segurança Rodoviária Viajar sem pressa, da responsabilidade da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), da Guarda Nacional Republicana (GNR) e da Polícia de Segurança Pública (PSP), decorreu entre os dias 16 e 22 de janeiro e teve como objetivo alertar os condutores para os riscos da condução em excesso de velocidade, dado que esta é uma das principais causas dos acidentes nas estradas.

Esta campanha contou, uma vez mais, com a participação dos serviços das administrações regionais dos Açores e da Madeira na realização de ações de sensibilização, completando o trabalho de fiscalização que tem sido realizado pelos comandos Regionais da PSP.

Inserida no Plano Nacional de Fiscalização (PNF) de 2024, a campanha foi divulgada nos meios digitais, nos Painéis de Mensagem Variável e através de cinco ações de sensibilização da ANSR, realizadas em simultâneo com as operações de fiscalização levadas a cabo pela GNR e pela PSP, em Almada, Lisboa, Loures, Mafra e Sesimbra. Idênticas ações ocorreram na Região Autónoma dos Açores e na Região Autónoma da Madeira.

Na campanha “Viajar sem pressa” foram sensibilizados 596 condutores e passageiros, a quem foram transmitidas as seguintes mensagens:

  • A velocidade é a principal causa de um terço de todos os acidentes mortais;
  • Quanto mais rápido conduzimos, menos tempo dispomos para imobilizar o veículo, quando algo de inesperado acontece;
  • Numa viagem de 20 km, aumentar a velocidade de 50 para 60 km/hora, permite ganhar apenas 4 minutos. Viaje sem pressa.

Durante as operações das Forças de Segurança no âmbito desta campanha, realizadas entre os dias 16 e 22 de janeiro, foram fiscalizados em controlo de velocidade por radar 4,9 milhões de veículos, 4,6 milhões dos quais pelo SINCRO – Sistema Nacional de Controlo de Velocidade, da responsabilidade da ANSR.

Dos veículos fiscalizados, 14.443 circulavam com excesso de velocidade, dos quais 3,9 mil foram detetados pelos radares das Forças de Segurança e 10,5 mil pelos da ANSR:

 Menos quatro vítimas mortais e menos 89 feridos

Nesta campanha, registou-se um total de 2.519 acidentes, de que resultaram 8 vítimas mortais, 41 feridos graves e 707 feridos leves. Ler Mais »