Templates by BIGtheme NET
Início » Serra » Conferência Distrital Guarda – Um Novo Rumo Para Portugal com casa cheia

Conferência Distrital Guarda – Um Novo Rumo Para Portugal com casa cheia

foto:Anita correia

A
Conferência Distrital da Guarda, “Um Novo Rumo para Portugal, Um Novo
Rumo para o Distrito da Guarda!”, decorreu na Cidade da Guarda na
passada sexta-feira, contou com casa cheia e teve como conferencistas: o
Secretario Nacional do Partido Socialista João Proença; o Presidente da
Federação do Partido Socialista da Guarda, José Albano Marques; o
Presidente da Federação da Juventude Socialista da Guarda, Miguel
Carvalho; a Presidente do Departamento das Mulheres Socialistas da
Guarda, Olga Marques; o Ex Governador Civil da Guarda, Santinho Pacheco e
o Presidente da Concelhia do Partido Socialista da Guarda, João Pedro
Borges!

Esta sessão teve como relator Pedro Miguel Cardoso, que
apresentou as conclusões finais a serem enviadas para o Laboratório de
Ideias do Partido Socialista (LIPP)!
O Presidente da
Federação do Partido Socialista da Guarda, José Albano Marques e
Santinho Pacheco apresentaram o Novo Rumo para o Distrito da Guarda, em
consonância com o já apresentado no ultimo Congresso Federativo do PS.

Das suas intervenções, destaque para:
Há algum tempo Portugal inteiro escandalizou-se ao ouvir um membro
deste Governo PSD/CDS a aconselhar a juventude a emigrar. A conclusão
das gerações mais novas não podia ser outra: “aqui não tenho futuro…”
Aqui não tenho futuro: A frase possui a amplitude de um desígnio ou
maldição, a marca de uma insuportável condenação.

O País parece que só agora desperta para a realidade que tal ideia representa.
Precisamos todos de ter a ousadia, a coragem mesmo, de alertar que a
saída para a nossa realidade actual não pode passar, não passa, por
receitas velhas que já demonstraram a sua ineficácia no passado.

É tempo de arriscar, de inventar novas soluções, sem calculismos
demagógicos ou ideias pretensamente politicamente corretas, que podem
ser bem agradáveis no momento a opiniões publicas pré formatadas, mas
que não passaram de meras “fugas em frente” aos problemas.

No
que diz respeito aos serviços públicos, não nos parece correcto que
sejam os sediados nas terras mais pequenas e no interior que devem
encerrar ao primeiro impulso de reestruturação, porque esse sinal, dado
pelo Estado, e de cariz meramente economicista, é absolutamente
desincentivador de qualquer política de atração de novos investimentos
que se queira desenvolver junto dos privados.
Fonte:Anita Correia- PS Guarda

Publicidade...



 

Enviar Comentário