Templates by BIGtheme NET
Início » Serra » Estradas de Portugal reduz número de horas de iluminação nas estradas

Estradas de Portugal reduz número de horas de iluminação nas estradas

 A crise assim obriga

O objetivo é baixar em cerca de 50% os custos anuais com a iluminação da rede rodoviária.

A
Estradas de Portugal vai reduzir, a partir do próximo ano, o número de
horas em que a iluminação estará ligada na rede rodoviária. A redução
será decidida em função das características da via e da procura e irá
também abranger nós de ligação a autoestradas, vias rápidas, rotundas,
cruzamento ou túneis. Em comunicado a empresa explica que a iluminação
pública de mais de 14500 quilómetros da rede rodoviária representa um
“elevado custo” que este ano já atingiu cerca de um milhão de euros. A
meta será baixar esta fatura em cerca de metade. A EP diz que o
“principal objetivo é o combate ao desperdício com vista a uma maior
poupança, mas tendo sempre em consideração a segurança dos utilizadores
da estrada” Nessa medida, a empresa cita um estudo sobre o impacto da
iluminação na sinistralidade registada em lanços e nós de ligação a
autoestradas que permite concluir que 80% dos acidentes acontecem
durante o período diurno. No período noturno, em média, ocorreram mais
acidentes nos nós iluminados dos que nos que estavam às escuras. A
empresa cita também o exemplo espanhol, que reduziu a iluminação pública
das suas vias em função do volume de tráfego, no quadro do plano de
austeridade 2010/13, e outros casos europeus em que foram adotadas
medidas equivalentes. Para a rede em Portugal está em causa não apenas a
redução do número de horas de iluminação das vias, mas também a sua
eventual supressão em estradas onde o tráfego noturno é praticamente
inexistente. Está igualmente prevista a diminuição do número total de
luminárias acesas, intercalando com as apagadas. A Estradas de Portugal
lembra ainda a Estratégia Nacional para a Energia, definida pelo
governo, a qual tem uma meta de poupança de 20% nos gastos com
iluminação pública até 2020.
fonte:I online

Publicidade...



 

Enviar Comentário