Início » Tag Archives: 84ºvolta a portugal continente.

Tag Archives: 84ºvolta a portugal continente.

João Matias é o novo líder após etapa de Castelo Branco

O sprint no empedrado do centro de Castelo Branco decide quase sempre as etapas que terminam na cidade albicastrense e desta vez não foi diferente. Depois do terceiro lugar em Vila Franca de Xira e da segunda posição em Loulé, este domingo Daniel Babor chegou finalmente à vitória.
O checo da Caja Rural/Seguros RGA terminou à frente de Andoni Lopez (Euskaltel-Euskadi) e de João Matias. A bonificação de quatro segundos do homem da Tavfer/Ovos Matinados/Mortágua, que ocupava a segunda posição da Geral, catapultou imediatamente Matias para a liderança da Volta roubando a Amarela Continente a Rafael Reis /Glassdrive/8/Anicolor) por dois segundos. Após esta quarta etapa e na véspera da subida à Torre, os dois portugueses ocupam os dois primeiros lugares com o germânico Lukas Meiler (Team Voralberg) a seis segundos. O trepador e vencedor da Volta do ano passado, Mauricio Moreira é quinto classificado a sete segundos.

Perseguição na Montanha

Antes do sprint lançado na cidade albicastrense que trouxe nova liderança à 84ª Volta a Portugal Continente houve diversos momentos nesta etapa que começou em Estremoz que vale a pena referir. São acontecimentos que, como sempre, são relatados em texto ao momento no site da Volta a Portugal (www.volta-portugal.pt).

Depois da saída da cidade alentejana, o pelotão andou em andamento vivo durante muito tempo ao ponto de fazer uma média de 45 quilómetros hora. Antes, o quilómetro 34 foi marcado pela fuga de um quarteto que após muitas tentativas teve permissão para escapar ao pelotão. João Macedo (Credibom/LA Alumínios/Marcos Car), Raul Rota (Rádio Popular-Paredes-Boavista), Yanne Dorenbos (Equipo Kern-Pharma) e Unai Iribar (Euskaltel-Euskadi) foram os quatro fugitivos.

Antes da Montanha de Monte Paleiros, o espanhol da equipa axadrezada decidiu aventurar-se sozinho na frente da corrida e chegou a ter um minuto de diferença, mas acabou por esperar pelos companheiros de fuga depois de receber diversos e insistentes avisos do diretor desportivo José Santos para travar as intenções solitárias. Ainda assim foi Raul Rota a passar isolado na contagem de 3ª categoria tendo intenção de repetir esse êxito na Serra de São Miguel mãos à frente. Dessa vez encontrou rivalidade acesa de João Macedo e, por momentos, foi possível assistir a um verdadeiro mano a mano para ver quem passaria primeiro. Foi um autêntico duelo a fazer lembrar as provas de perseguição em pista. Estava em jogo a Camisola da Montanha Europcar. Nesta guerra não entraram os outros dois elementos da fuga ficando a assistir tranquilamente ao duelo.

Macedo conseguiu sprintar melhor nesta ocasião e decidido a vestir Camisola às Bolinhas Azuis forçou o andamento também na passagem de Retaxo, o derradeiro Prémio de Montanha. Aí já não teve concorrência, mesmo que o então líder da Montanha, Luís Ángel Maté (Euskaltel-Euskadi) no pelotão, já depois de anulados os outros elementos, tentasse defender o título de melhor trepador.

João Macedo Devolveu Camisola da Montanha à Equipa

Com esta movimentação, Macedo foi novamente o último a ser apanhado pelo pelotão e cumpriu o objetivo de amealhar pontos suficientes para empatar com Maté. Apesar da igualdade pontual, João Macedo leva a melhor porque tem mais primeiros lugares nas contagens de categoria mais elevada realizadas até agora. Depois de Diogo Narciso, a Credibom/LA Alumínios/Marcos Car recuperou a camisola com Macedo a tornar-se “Rei da Montanha”.

Outras Trocas de Camisolas

A tirada entre Estremoz e Castelo Branco trouxe várias alterações. Às já citadas classificações da Montanha Camisola às Bolinhas Azuis Europcar e Amarela Continente, também a Laranja Galp dos Pontos passou a ter novo dono. Neste caso o vencedor do dia, Daniel Babor, o mais regular em prova. Dos líderes das várias classificações, o único corredor que conseguiu começar e terminar com a mesma cor, apesar de envolvido numa queda, foi o espanhol Pablo Garcia (Bai/Sicasal/Petro de Luanda), o líder da juventude, Camisola Branca Jogos Santa Casa.

Euskaltel/Euskadi Comprometida com a Montanha

A ProTeam espanhola é conhecida pelo ciclismo de ataque e pelos corredores que ganham etapas e classificações da montanha. Luís Ángel Maté é um exemplo. Trata-se do segundo homem mais velho em prova com 39 anos.
Nesta quarta etapa, mesmo com o companheiro Unai Iribar na fuga, a equipa decidiu que era hora de impor ritmo no pelotão e levar Maté aos pontos da montanha. Acabaria por perder a camisola para João Macedo, mas a verdadeira montanha ainda está por chegar.

Fonte:VP

Rafael Reis (Glassdrive/Q8/Anicolor) veste amarelo em Loulé

Em três dias, três vitórias consecutivas ao sprint e três triunfos da Tavfer/Ovos Matinados/Mortágua. Em Loulé, venceu João Matias, mas a equipa comandada por Gustavo Veloso perdeu a liderança da Volta. O venezuelano Leagel Linarez, o anterior comandante, não aguentou o esforço da etapa e nos derradeiros quilómetros abdicou do ritmo mais intenso afundando-se na classificação. Pelo contrário, Rafael Reis (Glassdrive/Q8/Anicolor) apercebendo-se do que estava a acontecer tudo fez na parte final para se manter entre o grupo dos mais rápidos que finalizou sem cortes de tempo e com a mesma marca do vencedor. A situação era perfeita para recuperar o primeiro lugar da Classificação Geral e a Camisola Amarela Continente.

Loulé em Festa

Loulé aguardou com enorme expectativa a chegada desta etapa e saiu à rua sem temer o calor associando-se à festa da Volta. E tinha motivos. Há 20 anos que a prova não visitava o município de onde é originária uma das equipas do pelotão, a Aviludo/Louletano/Loulé Concelho, mas também porque um dos seus corredores esteve em evidencia ao longo da tirada e poderia chegar isolado na frente. Isso não aconteceu, mas vibrando com a modalidade, como sempre, os louletanos não deram o tempo por perdido aplaudindo efusivamente a chegada de todos os corredores, mesmo os mais atrasados, assim como a cerimónia de pódio que teve a presença de Ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Elvira Fortunato.

Fugitivos Tiveram Calor e 10 Minutos de Vantagem

A longa etapa deste sábado, a maior desta edição da Volta, foi marcada novamente por uma fuga iniciada logo após a partida dada em Sines, junto ao mar. Com apenas dois quilómetros de corrida, Nuno Meireles da Aviludo/Louletano/Loulé Concelho decidiu dar uma sapatada no pelotão levando atrás de si dois homens dos Países Baixos, Wesley Mol (Bike AID) e Lars Quaedvlieg (Universe Cycling Team). A aceleração do trio não mereceu reação do grupo e depressa a fuga ganhou vantagem. Entre os fugitivos foi curioso ver outra vez Wesley Mol, o único corredor que desde a primeira etapa tem marcado presença em todas as fugas.
O calor foi outra marca da etapa com a temperatura a aumentar ao longo da tarde. À partida estavam 31 graus, mas o calor passou os 42 obrigando à hidratação constante.

Daniel Dias, O Azarado do Dia

O ciclista da Credibom/LA Alumínios/Marcos Car perdeu neste dia a Camisola da Juventude Jogos Santa Casa. Devido a problemas mecânicos na bicicleta, Dias foi obrigado a parar em três ocasiões, a última já dos derradeiros 10 quilómetros, o que lhe dificultou muito a vida para reentrar no pelotão. Dois elementos da equipa ainda recuaram para o apoiar, mas foi um esforço inglório.

As Lideranças

Devido aos problemas de Daniel Dias a Camisola Branca Jogos Santa Casa passou a pertencer ao espanhol Pablo García (BAI Sicasal Petro de Luanda). Com outro tipo de problemas, Leangel Linharez (Tavfer/Ovos Matinados/Mortágua) perdeu a Amarela, mas manteve a liderança da Classificação por Pontos – Camisola Laranja Galp. Na classificação dos trepadores também não houve alteração e a Camisola às Bolinhas Azuis Europcar foi envergada por Luís Ángel Maté (Euskaltel-Euskadi). A Classificação Geral – Camisola Amarela Continente após esta etapa é dominada por Rafael Reis (Glassdrive/Q8/Anicolor). As diferenças de tempo são muito escassas. João Matias (Tavfer/Ovos Matinados/Mortágua) é segundo classificado com dois segundos de diferença e o alemão Lukas Meiler (Team Voralberg) é terceiro com mais quatro segundos.

Viseu local de arranque da 84ª Volta a Portugal Continente

De Viseu a Viana do Castelo com descanso na Guarda, os ciclistas irão percorrer nesta 84ª edição da Volta a Portugal Continente 1598,6 quilómetros. O percurso desta edição contempla entre partidas e
chegadas a estreia de Mação e o regresso de Ourém (1964) dois concelhos integrados na sub-região do médio tejo. Após longa ausência Sines (1981), Anadia (1982), Estremoz (1987), Abrantes (1997), Loulé (2003) e Penamacor (2005) voltam a figurar no percurso da Volta.

A Chegada a Loulé ao terceiro dia de prova, marca o regresso do pelotão da “Volta” ao Algarve depois
de em 2018 Riccardo Stacchiotti da equipa MsTina-Focus ter vencido a 5ª etapa da prova com final em
Albufeira. A etapa com partida de Sines, percorrerá cerca de 50 quilómetros da Costa Vicentina,
prevendo-se que os bravos da estrada sejam brindados com um mar de gente junto à estrada.

O regresso do “Sterrato” em Fafe proporcionará uma atmosfera sempre vibrante e apaixonada das
gentes locais e poderá, a par da Chegada à Guarda, criar algumas modificações importantes na
classificação geral.

A luta pela vitória de etapas e diferentes classificações finais será intensa e imprevisível. As chegadas à
Torre (5ª Etapa), a Montalegre (7ª etapa), à Sr.ª da Graça (9ª etapa) e o contrarrelógio final em Viana do
Castelo fazem prever uma emocionante disputa até ao último metro da edição deste ano da “Portuguesa”.