Início » Tag Archives: combater a exclusão digital em saúde nos maiores de 50 anos

Tag Archives: combater a exclusão digital em saúde nos maiores de 50 anos

IP Guarda-Projeto europeu vai combater a exclusão digital em saúde nos maiores de 50 anos

O Politécnico da Guarda lidera projeto europeu que vai promover competências digitais de adultos para a promoção de estilos de vida saudáveis. Com recurso a formadores voluntários, serão disponibilizados cursos breves através de múltiplos canais. Haverá sessões presenciais, uma aplicação para TV e a compilação de bibliotecas digitais. A iniciativa tem parceiros na Alemanha, Polónia, Espanha e Portugal.

Um grupo de docentes e investigadores do Instituto Politécnico da Guarda – IPG vai liderar um projeto europeu para combater a exclusão digital, aumentar a literacia digital em saúde e promover o envelhecimento saudável em pessoas com mais de 50 anos. Com o nome “LiterAge4All”, projeto terá a duração de dois anos e meio e será cofinanciado em 250 mil euros pela União Europeia, no âmbito do programa Erasmus +.
“Os relatórios internacionais mostram que os idosos oriundos de zonas rurais apresentam a maior percentagem de não utilizadores da internet”, afirma Carolina Vila-Chã, docente e investigadora do IPG e coordenadora de uma equipa multidisciplinar para a promoção do envelhecimento saudável. “A exclusão desses idosos dos serviços digitais deve-se a obstáculos associados à utilização das tecnologias de informação e comunicação (TIC), como a falta de interesse e de competências para a utilização da Internet”.

O projeto “LiterAge4All” irá desenvolver uma aplicação de TV para ensinar informalmente os adultos mais velhos a utilizarem computadores e dispositivos móveis, para darem os primeiros passos no mundo digital e, dessa forma, terem acesso a conteúdos digitais sobre saúde. Segundo Carolina Vila- Chã, “esta solução inovadora surge como um meio potencialmente eficaz para impulsionar a transição digital em adultos mais velhos, ajudando-os a migrar harmoniosamente para dispositivos digitais e tecnológicos e a utilizar corretamente a internet para obterem informação que promova o seu envelhecimento saudável.”

Para além do IPG, integram este projeto a Sociedade Portuguesa de Literacia em Saúde, a Unidade de Tecnologias da Saúde e da Bioengenharia do Centro de Cirurgia Minimamente Invasiva Jesús Uson (em Cáceres, Espanha), a Fundação para as Oportunidades Digitais de Berlim (Alemanha) e a Universidade de Tecnologia da Silésia (em Gliwice, Polónia).

Cursos irão incluir propostas dos destinatários

De acordo com a Associação Internacional de Segurança Social, a combinação de meios digitais e não digitais na disponibilização de informação é a melhor abordagem para promover a inclusão e a adesão das pessoas mais velhas a atividades de literacia digital. As duas abordagens melhoram as competências digitais para encontrar estilos de vida que promovem o envelhecimento saudável.

O projeto liderado pelo IPG vai desenvolver ferramentas de formação de voluntários para ensinar adultos com mais de 50 anos a frequentar cursos online de literacia em saúde e envelhecimento saudável, capacitando-os para reconhecerem fontes fidedignas de informação. Os maiores de 50 anos vão também influenciar o desenho dos próprios cursos: os voluntários ouvirão os seus interesses e motivações, incorporando as suas necessidades e propostas no desenvolvimento e ensino das componentes digitais do projeto.

As linhas orientadoras internacionais indicam que o apoio à inclusão digital deve ser local e incluir atividades presenciais, personalizadas e abertas, especialmente quando dirigido a pessoas com pouca confiança e que enfrentam múltiplas barreiras. Para facilitar o acesso a serviços digitais promotores de saúde, os formadores voluntários deverão promover igualmente a aprendizagem dos maiores de 50 anos entre si.

Para superar as lacunas digitais das gerações mais velhas, o projeto prevê a compilação de bibliotecas digitais de saúde, com conteúdos que ficarão disponíveis na página do projeto, comum a todas as instituições participantes.

“O projeto LiterAge4All representa um contributo importante para superar as lacunas digitais das gerações mais velhas”, conclui Carolina Vila-Chã.