Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: comunicado

Tag Archives: comunicado

PSD pede destituição de Sérgio Costa de presidente da Câmara da Guarda e eleições antecipadas

Em comunicado, o PSD da Guarda , e o Vereador Carlos Chaves Monteiro solicitam a destituição de Sérgio Costa de Presidente da Câmara e querem eleições antecipadas referem que: “O grau de compromisso de Sérgio Costa com a funcionária
condenada a dois anos de prisão, a confiança entre ambos, a
conexão nas funções que levaram ao crime “retiram-lhe
qualquer condição moral, ética ou política para desempenhar o cargo”, afirmou Carlos Chaves Monteiro. O juiz considerou o testemunho de Sérgio Costa “nada isento, em tudo a tentar proteger a arguida, muito impreciso, sem objetividade”. O PS foi desafiado a apoiar a proposta.

A destituição do presidente da Câmara Municipal da Guarda, Sérgio Costa, e a
realização de eleições antecipadas no concelho foi hoje pedida pelo PSD na reunião
pública do executivo. Ler Mais »

Corte geral da circulação rodoviária

Em comunicado, a Câmara Municipal da Guarda refere que, no âmbito da empreitada de “Execução de Muros de Suporte na Estrada Municipal 548 – Guarda”, haverá um corte geral da circulação rodoviária, na referida estrada, entre as localidades de Aldeia Ruiva e Ramela, das 10h00, do próximo dia 17, até às 17h00 do dia 18 de agosto de 2022. Este corte irá permitir a implantação de uma Box-Culvert na linha de água que atravessa a referida estrada municipal. Solicita-se especial atenção para a sinalização implantada no local.

Plano de Ação para a Gestão Eficiente do Abastecimento de Água e Campanha “Poupe água hoje para ter amanhã com resultado positivo

Em comunicado é salientado que o Plano de Ação para a Gestão Eficiente do Abastecimento de Água e Campanha “Poupe água hoje para ter amanhã. Não gaste mais do que precisa” apresentam resultados muito positivos. No sentido de se avaliarem os resultados já obtidos com a realização das ações e medidas implementadas nos últimos dois meses no âmbito do Plano de Ação para a Gestão Eficiente do Abastecimento de Água a partir do Subsistema de Ranhados pelos Municípios de Mêda, S. João da Pesqueira, Vila Nova de Foz Côa e Tabuaço em conjunto com a EPAL/Águas do Vale do Tejo e Águas do Norte, decorreu, no município de S. João da Pesqueira, uma reunião de acompanhamento deste processo, que se encontra a decorrer em bom ritmo e com a participação empenhada de todos os seus intervenientes.

Estiveram presentes o Presidente da Câmara Municipal de São João da Pesqueira, Manuel Cordeiro, o Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa, João Paulo Sousa, o Vice-Presidente da Câmara Municipal de Tabuaço, José Carlos Silva, e o Vice-Presidente da Câmara Municipal de Mêda, César Figueiredo, além de vários representantes da EPAL/Águas do Vale do Tejo e da Águas do Norte, assim como de outros dirigentes e técnicos dos municípios, tendo sido apresentados os resultados alcançados até ao presente momento, assim como uma descrição pormenorizada da situação que atualmente se verifica no que diz respeito à disponibilidade de água para fornecimento com origem na albufeira de ranhados.

Relembre-se que em resposta à situação de seca que se vive no nosso país, nomeadamente nos Municípios servidos pelo sistema de abastecimento de água com origem na albufeira da barragem de Ranhados, localizada no concelho de Mêda, as mesmas autarquias em conjunto com as empresas concessionárias dos respetivos sistemas multimunicipais, em “alta”, lançaram no passado mês de fevereiro uma campanha de sensibilização para a poupança e o uso eficiente da água junto das suas comunidades.

Desta forma, em consequência das diversas ações levadas a cabo pelos Municípios e pelas populações residentes nos mesmos, quer através da redução de consumos, quer em resultado das intervenções técnicas que levaram à identificação e eliminação de perdas de água nas respetivas redes municipais de distribuição, foi possível efetuar um balanço muito positivo das respetivas campanhas realizadas, uma vez que, com base nos dados apresentados, se verificou uma melhoria da situação face à que se verificava anteriormente.

Importa realçar que através da implementação do sistema WONE® – Water Optimization for Network Efficiency, da EPAL, nos Pontos de Entrega aos Municípios para controlo e redução das perdas, é possível, neste momento, a monitorização on line dos consumos e aferir que os mesmos baixaram em todos os municípios, decorrente das medidas implementadas de uso eficiente da água e também devido à redução de perdas de água nos sistemas.

Também a ação de capacitação ministrada por formadores da Academia das Águas Livres da EPAL aos técnicos dos municípios em Controlo e Gestão de Perdas de Água, possibilitando também o acesso a plataformas de controlo e gestão de perdas reais, ajudou nestes bons resultados.

Será importante sublinhar que os municípios adotaram, durante este período, diversas medidas de poupança de água, das quais se destacam a interrupção das regas de jardins públicos com água potável, substituindo sempre que possível com água reciclada ou outras alternativas, a interrupção dos consumos de água associados a fontes e fontanários públicos, assim como a promoção de ações de sensibilização ambiental realizadas junto dos respetivos serviços técnicos e comunidade escolar. A afetação de equipas ao serviço da eficiência hídrica e o reforço das intervenções tendentes à redução de fugas de água na rede de distribuição de forma atempada ou imediata, é também uma medida de impacto relevante.

Importa também realçar a submissão do processo de licenciamento de ApR para rega na ETAR de S. João da Pesqueira junto da APA, estando previsto que se faça o mesmo pedido para a ETAR de Vila Nova de Foz Côa em breve, o que está alinhado com as políticas de Eficiência Hídrica definida ao nível nacional.

No entanto, tendo em consideração as perspetivas de continuação nos próximos meses de tempo seco e com precipitação reduzida, a campanha de sensibilização, já iniciada sob o mote “Poupe água hoje para ter amanhã. Não gaste mais do que precisa“, vai continuar a apelar à mudança de comportamentos, incentivando a poupança de água, bem como ao uso racional deste recurso tão precioso e finito, permitindo assim concertar estratégias comuns para diminuir de forma eficaz os consumos de água atuais e mitigar os efeitos da seca.

A campanha de sensibilização continuará presente nos meios e redes de comunicação próprios, quer dos Municípios, quer das empresas EPAL/Águas do Vale do Tejo e Águas do Norte.

De igual forma, apesar dos bons resultados obtidos, as entidades envolvidas decidiram dar continuidade à implementação conjunta das ações técnicas e de sensibilização até agora realizadas nos respetivos Municípios, no sentido de promover o mais possível a poupança e o uso eficiente da água junto dos seus consumidores finais.

 

PS Celorico da Beira reage em comunicado Sobre paradeiro de cães errantes

Ninguém sabe para onde foram os cães errantes capturados pelo município de Celorico da Beira

Em Comunicado, o PS de Celorico da Beira refere que:” O Canil Municipal da Guarda e o Canil Municipal da Mêda afirmam que não receberam quaisquer animais da parte do Município de Celorico da Beira.
Nos últimos tempos, vários cidadãos foram noticiando o desaparecimento de cães errantes em algumas ruas do concelho, desconhecendo-se qual o destino que foi dado aos mesmos em virtude de o canil municipal ainda não se encontrar em funcionamento.
Na informação escrita do Senhor Presidente à Assembleia Municipal, sobre a atividade municipal e financeira do município de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022, encontra-se referido que, durante aquele período, procedeu-se à «Captura e encaminhamento de animais errantes».
Durante a sessão da Assembleia Municipal, que teve lugar no dia 25.02.2022, o executivo municipal foi questionado pelos deputados da oposição para onde foram encaminhados os animais capturados. Em resposta, o Senhor Presidente referiu que os mesmos haviam sido encaminhados para o Canil Municipal da Guarda e para o Canil Municipal da Mêda.
Questionados, formalmente, aqueles canis sobre quantos animais receberam com origem no município de Celorico da Beira, responderam, respetivamente, nos dias 21.03.2022 e 22.03.2022, afirmando que, durante 2021 e 2022, não deu entrada  qualquer canídeo proveniente de Celorico da Beira”.
“O Senhor Presidente faltou, por isso, à verdade aos deputados da oposição, durante a sessão da Assembleia Municipal de 25.02.2022.
Adensa-se, assim, o mistério sobre o destino que foi dado aos cães errantes que o município de Celorico da Beira afirma ter capturado nas ruas do concelho de Celorico da Beira, durante 2021 e 2022″.

Comunicado:Guarda Unida reivindica isenção

Em comunicado, a Guarda Unida, faz criticas às arbitragens do seus jogos referindo que: “Quem não se sente não é filho de boa gente”, diz o ditado popular e o Povo também refere que “não há coincidências”. Apesar disso, verificamos que são mais que muitas as situações em que o GUD é prejudicado, menosprezado e intimidado nos diversos campeonatos distritais.

Assinale-se, em abono da consideração que nos merecem os árbitros, que, apesar dos maus resultados registados com a equipa de iniciados no campeonato nacional de sub-15, nada temos a apontar à ação das equipas de arbitragem nesses jogos. Infelizmente, o mesmo não podemos dizer relativamente aos campeonatos distritais onde verificamos dualidade de critérios, nomeadamente ao nível disciplinar, com expulsões atrás de expulsões, onde se destaca o vermelho direto a um jogador sub-12, na última jornada, por reivindicar a marcação de uma falta.

De facto, são por demais evidentes quer na ação, quer na postura corporal e comportamental, do condicionamento de alguns árbitros, não querendo o GUD acreditar que haja qualquer premeditação para que os jogos não sejam decididos pelos jogadores de ambas as equipas intervenientes. No entanto, como também diz o Povo “quem não quer ser lobo não lhe veste a pele”. A corroborar a nossa indignação estão vários testemunhos e os registos vídeo de jogos.

Por outro lado, não se compreende como pode haver equipas em campeonatos distritais, em que aqueles que disputam o primeiro lugar chegam a ter quatro jogos em atraso. Onde está a verdade desportiva, quando uma equipa cumpre o calendário pré-definido, tendo jogado 13 partidas, faltando 4 para concluir o campeonato, e outra realizou só 9 jogos, faltando-lhe disputar 8? Que regulamento, que respeito pelas equipas, que enquadramento se pode encontrar para tal situação de um campeonato que termina a 3 de abril? Quem autoriza esta situação?
A prática desportiva das crianças e jovens deve ter uma vertente pedagógica e pautar-se por condutas íntegras de todos os intervenientes, não querendo com isto branquear algum comportamento menos correto de algum dos nossos atletas”.

PS Guarda reage em comunicado sobre as declarações injuriosas da JSD Guarda

Em comunicado , Alexandre Lote, Presidente da Federação Socialista do Distrito da Guarda enaltece que  está à espera que o candidato do PSD Gustavo Duarte se desmarque das declarações injuriosas por parte da JSD da distrital da Guarda, referindo que:”Assistimos, esta semana, a um momento lamentável numa campanha eleitoral em que, continuamente, se tem vindo a apelar à união e à unidade em torno dos grandes projetos e das grandes medidas que importa concretizar pelo futuro do distrito da Guarda.

Desde o início desta caminhada, rumo às Eleições Legislativas do próximo dia 30 de janeiro, que os candidatos do Partido Socialista têm feito um forte apelo ao diálogo e à necessidade de encontrar as melhores estratégias de convergência entre todos, por entenderem que, só assim, se conseguirão defender os superiores interesses daqueles que fazem e querem fazer da Guarda uma opção para trabalhar e para viver.

O Partido Socialista disputa estas eleições e organiza a sua campanha com toda a humildade democrática, ouvindo as pessoas, procurando apresentar as melhores ideias e, acima de tudo, procurando, também, elevar o debate político, contribuindo, assim, para melhorar a qualidade da nossa Democracia.

O ataque pessoal dirigido pela JSD Distrital ao 2o candidato da Lista do Partido Socialista, António Monteirinho, representa a antítese de tudo quanto se deve fazer para elevar o debate político e para defender as causas da Democracia. O facto de se tratar de uma estrutura de juventude partidária não pode nem deve ser desculpa para que Gustavo Duarte e o PSD da Guarda desvalorizem e se remetam ao silêncio, como fizeram até aqui. Mais, ainda,quando o líder da JSD Distrital, Luís Soares, integra a Lista do PSD da Guarda às próximas Eleições Legislativas.

É verdade que o atual líder do PSD não é quem Luís Soares acredita ser o melhor candidato do seu Partido para o cargo de Primeiro-Ministro, pois apoiou Paulo Rangel. Mas isso não pode ser desculpa para utilizar esta campanha como forma de expiar a sua frustração.

Continuamos, por isso, a aguardar que o candidato Gustavo Duarte esclareça se o uso de expressões “rascas, sabujos e iletrados” são aceitáveis no debate político. Aparentemente, vive bem com isso. Nós não.

Bem sabemos, do nervosismo e da insegurança que paira sobre a estrutura da candidatura do PSD da Guarda liderada por Gustavo Duarte, seja pelas divisões internas do Partido, bem patentes na dificuldade de mobilização, que é evidente para todos, seja para disfarçar a má prestação dos seus candidatos nos debates e na manifesta falta de apoio nas ruas e junto das forças vivas da Guarda.

O que não podemos aceitar é que esse nervosismo e essa insegurança sejam desculpa para permitir uma intervenção política de tão baixo nível”.

SC Mêda avançou com Protesto do Jogo frente ao S.Romão

Face ao encontro do pretérito domingo, a Direção do Sporting Clube de Mêda vem em comunicado informar:” todos os sócios, adeptos e simpatizantes, que avançou com o Protesto do Jogo do passado domingo frente à ADS Romão a contar para o campeonato da 2ª divisão distrital de seniores por não cumprimentos regulamentares da equipa de arbitragem e do Conselho de Arbitragem da AF Guarda na sequência da falta de um elemento de arbitragem.

Os regulamentos preveem que: “Se faltar apenas um árbitro assistente, escolherá por sorteio, qual o Clube a cujo delegado caberá o encargo de recrutar um substituto. “Estranhamente não houve sorteio e a escolha coube à equipa da casa por indicação do Conselho de Arbitragem da AF Guarda como consta no relatório do árbitro.

“…Por indicação do conselho de arbitragem, o próximo passo a seguir seria a equipa da casa a escolher um elemento para completar a equipa de arbitragem, para dar prosseguimento á realização do jogo.”

Não pretendemos ganhar na secretaria e solicitamos a repetição do jogo para bem da verdade desportiva. Um jogo tão importante como o ocorrido no fim de semana passado é inadmissível ser o único jogo sem equipa de arbitragem completa”.

JSD Guarda indignada com sucessivos aumentos

Atestado de Parvos

Em comunicado a JSD Guarda refere que:”A cada semana que passa, somos brindados com um novo aumento do preço dos combustíveis. O que estranhava rapidamente se entranhou e hoje pagamos um dos preços mais altos da zona Euro. Esta é uma realidade proibitiva para qualquer cidadão, em qualquer circunstância, mas mais ainda num país em que o nível de rendimento se mantém cada vez mais abaixo da média europeia. Podemos mesmo afirmar que a evolução do preço dos combustíveis é inversamente proporcional à evolução do rendimento disponível das famílias.

Não é justo usar o argumento do preço do barril de petróleo para justificar o aumento do preço dos combustíveis, quando os mesmos são, na sua grande maioria, compostos por uma enorme carga fiscal. O histórico mostra-nos mesmo que, num passado não tão distante, o barril de petróleo já esteve a valores muito mais elevados e o preço cobrado ao consumidor final muito mais baixo.

O Governo socialista tem atirado culpas num jogo de ping-pong com as empresas petrolíferas acerca dos verdadeiros causadores da subida desenfreada dos preços. No entanto, a discussão eterniza-se e os consumidores veem a sua carteira mais anorética a cada visita que fazem a uma bomba de gasolina. Com isto, o Governo tem conseguido empurrar o problema com a barriga mantendo os seus impostos, assim como as petrolíferas têm mantido as suas margens de lucro.

Se este problema assola todo o país, o impacto agrava-se quando falamos do Interior.

Infelizmente, não somos presenteados com descontos nos passes sociais como em outras regiões do país. Mas ainda que o fôssemos, seria um logro, dada a já fraca infraestrutura de mobilidade (aumentada ineficazmente, com a reabertura da linha da Beira Baixa) que não serve as necessidades de todos aqueles que aqui vivemos, mas têm de se deslocar, por vezes até para diferentes distritos, para exercer as respetivas atividades profissionais. Quando a esta prática de preços juntamos o valor das portagens, das quais esperávamos um desconto de 50%, estamos perante uma conjetura que estrangula a capacidade financeira das gentes do Interior.

Se já parecia que Portugal tinha cidadãos de primeira e cidadãos de segunda, hoje temos a certeza.

O Governo socialista diz, para quem quer ouvir, que deslocarmo-nos em viatura própria é coisa de “gente rica”. Aqui vemos o que o Governo sabe sobre esta região. Mas devia saber que, na nossa região, trabalhar longe de casa é coisa de “gente pobre”, que tem todos os dias de se levantar, percorrer muitas vezes mais de 50 km para o seu local de trabalho para, no final do dia, saber que entregou o seu suor para abastecer de impostos um pequeno carro que lhe custou a comprar. Uma triste realidade que podia ser evitada, caso houvesse uma visão deste governo para este território.

Depois de, não há muito tempo, termos visto a defunta Ministra da Propaganda para o Interior viajar do nosso distrito até Lisboa para entregar uma caixa de neve, e da Ministra Ana Mendes Godinho ter percorrido o distrito com promessas abonadas de desespero às IPSS, com o objetivo de conseguir um bom resultado eleitoral, desconfiávamos que elas soubessem o que custa circular no interior, porventura não foi do bolso delas que saiu o pagamento da fatura.

Bem sabemos que estão pouco preocupadas com a mobilidade sustentável, mas ainda menos com as pessoas do interior. Com um orçamento à porta – que até agora tanta tinta fez correr devido às peças de teatro de pobre qualidade a que o Partido Socialista nos tem vindo a habituar -, não terá a defunta Ministra uma palavra a dizer sobre o impacto negativo que tal situação tem para a região que diz representar? Não estará a Ministra Ana Mendes Godinho preocupada com o distrito que representa? Ou estarão ambas fora do centro de discussão e prontas abandonar os respetivos ministérios como resultado das embaraçosas e estrondosas derrotas autárquicas das quais foram personagens principais?”

Município de Pinhel alerta para a falta de Médicos de Família no Centro de Saúde em ofício remetido à Ministra da Saúde

Em comunicado o Municipio de Pinhel informa que:Na sequência da publicação em Diário da República do “procedimento concursal conducente ao
recrutamento de pessoal médico para a categoria de assistente, da área de Medicina Geral e Familiar”
(Aviso n.o 12330-B/2021, de 1 de julho de 2021), o Município de Pinhel remeteu à Senhora Ministra
da Saúde, Prof. Doutora Marta Temido, uma comunicação onde expressa a sua preocupação
relativamente à questão da falta de médicos da área da Medicina Geral e Familiar no Centro de Saúde
de Pinhel.

No ofício, remetido nesta data, o Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, Rui Ventura, questionou
a responsável pelo Ministério da Saúde relativamente aos pontos abaixo elencados:
 “Tendo Sua Excelência, a Senhora Ministra da Saúde, anunciado recentemente 459
vagas para “médicos de família”, pergunto porque é que não foi aberta nenhuma vaga para o Centro de Saúde de Pinhel, quando a informação de que dispomos éque a Unidade Local de Saúde da Guarda terá alertado para esta necessidade?
 Atentos ao conteúdo do Aviso n.o 12330-B/2021, de 1 de julho de 2021, verifica-se que para a Unidade Local de Saúde da Guarda foram abertas apenas 3 vagas, todas elas destinadas à Unidade de Saúde Familiar Ribeirinha, localizada na cidade da Guarda.

 O Centro de Saúde de Pinhel enfrenta há já algum tempo o problema da falta de médicos de Medicina Geral e Familiar, a quem é atribuído o importantíssimo papel de “médico de família”, situação que só tem sido minorada pelo facto de médicos em condições de se aposentarem, terem optado por adiar essa situação.
 Neste momento, o Centro de Saúde de Pinhel tem dois médicos em falta, o que corresponde a 2373 utentes sem médico de família.
 Em 2022 prevê-se que saiam mais três médicos tendo em conta que completam 70
anos de idade. Com esta situação, haverá mais 3252 utentes sem médico de
família (1387 em janeiro, 1309 em fevereiro e mais 556 em junho).
 Feitas as contas, 5625 utentes irão ficar sem médico de família em 2022, caso
nada seja feito até lá, ou seja, cerca de 60% da população.
 Acresce a tudo isto o facto de Pinhel ser um concelho com uma população bastante
envelhecida e a necessitar de cuidados médicos de proximidade.”
Face ao exposto, e retomando a primeira questão, o Presidente da Câmara Municipal de Pinhel
terminou a sua missiva perguntando “porque é que não foi aberta nenhuma vaga para o
Centro de Saúde de Pinhel que, se nada for feito a muito curto prazo, poderá ver-se a
braços com uma situação caótica de 5625 utentes sem médico de família?”
Nesta mesma data foi também remetida uma comunicação à Unidade Local de Saúde da Guarda,
pedindo “que diligencie e reitere junto da tutela, como é sua competência, as necessidades
das populações locais abrangidas por esta Unidade”.
“Porque a Medicina Geral e Familiar é essencial nos cuidados de proximidade e todos
sabemos que as dificuldades são ainda maiores nos concelhos do Interior onde além do
fator idade, também pesa a situação económica e social”, o Presidente da Câmara Municipal
de Pinhel manifesta o seu descontentamento e refere que não pode ficar calado e de braços cruzados
perante mais esta situação de injustiça, motivo pelo qual dirigiu hoje mesmo estas duas missivas.

PSD pede ao Governo esclarecimentos adicionais sobre Descontos nas portagens do Interior

Em comunicado, o Grupo Parlamentar do PSD refere que entregou uma pergunta ao Governo em que questiona a Ministra da Coesão Territorial e o Ministro das Infraestruturas e Habitação sobre os descontos nas portagens do Interior, cuja resolução do Conselho de Ministros n.º 80/2021 resulta num conjunto de dúvidas e incertezas que têm de ser esclarecidas, nomeadamente:

Estava previsto na Lei do Orçamento de Estado 2021, um desconto adicional de 75% para os veículos elétricos e não poluentes que passassem nas referidas autoestradas, mas de acordo com a referida Resolução de Conselho de Ministros, tal não irá acontecer por motivos de operacionalização técnica. Tal situação é incompreensível, quando o Governo teve mais de 6 meses para adotar as necessárias medidas de operacionalização, tempo que gastou desnecessariamente a encontrar as formas possíveis para não cumprir a Lei aprovada pela Assembleia da República;

A Resolução de Conselho de Ministros exige uma regulamentação específica que terá de ser implementada pelo Governo através de portaria. No entanto a entrada em vigor destes descontos será daqui a 2 dias e até ao momento continua sem ser conhecida essa portaria e a respetiva regulamentação.

No documento, o PSD refere que o Governo “determinou a aplicação de um novo modelo de descontos na taxa de portagem. Segundo a Resolução de Conselho de Ministros n.º 80/2021, o Governo propõe-se implementar, o regime instituído pela Lei do Orçamento de Estado 2021, nos seus artigos 425.º e 426.º, a partir de 1 de julho de 2021, que resulta de 2 propostas do PSD aprovadas, apesar do voto contra do Partido Socialista”.

É o mesmo o Governo que invoca nesta Resolução consagrar expressamente a promoção da coesão territorial como uma das prioridades nas suas diversas vertentes socioeconómicas, com vista ao desenvolvimento equilibrado dos territórios, com redução das assimetrias regionais e o reforço da sua competitividade, o que é suportado pelo Partido que votou contra as propostas do PSD agora implementadas, num ato de desdém contra os cidadãos dos territórios do interior”, acrescentam.

O PSD questiona:

  1. Porque é que o Governo não aplica já o desconto de 75% previsto para os veículos elétricos e não poluentes, cumprindo o estipulado por Lei da Assembleia da República?
  2. Irá o Governo ressarcir os cidadãos dos valores em dívida, quando o regime de descontos previsto para veículos elétricos e não poluentes for implementado?
  3. Quando prevê o Governo que o regime de descontos para veículos elétricos e não poluentes seja implementado?
  4. Quando prevê o Governo regulamentar através de portaria este novo modelo de descontos na taxa de portagem?