Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: comunidade

Tag Archives: comunidade

Fornos de Algodres- Votos de Louvor entregues às instituições e Mural inaugurado

Ao fim da tarde , desta sexta-feira, foram entregues os Votos de  louvor, na Biblioteca Municipal Maria Teresa Maia Gonzalez, a todas as instituições que estiveram na linha da frente do combate à pandemia Covid-19, uma iniciativa aprovada em Assembleia Municipal , com o Município de Fornos de Algodres aos Profissionais de Saúde, aos Bombeiros Voluntários de Fornos de Algodres, ao Posto Territorial de Fornos de Algodres da Guarda Nacional Republicana, às IPSS, às Juntas de Freguesia e à Câmara Municipal de Fornos de Algodres

Seguiu-se , a inauguração do Mural de arte urbana  criado pelo artista Odeith, homenageando todas as instituições referidas. Obrigado a todos!
Manuel Fonseca referiu que:”é uma justa homenagem a todos quantos contribuíram para o combate desta pandemia no nosso concelho, foi um grande trabalho por todas esta instituições para que neste período complicado pudessem estar junto das populações, agradeço à Assembleia Municipal por ter este gesto nobre, foi uma época muito complicada, para todos”.
Por sua vez, Carlos Costa, Presidente da Assembleia Municipal, salientou que:este louvor foi votado por unanimidade e tem a ver como a forma grandiosa que todos combateram esta doença. Todas a entidades deram o seu melhor, nesta causa” .
Posteriormente serão entregues pelo Presidente da Câmara Municipal de Fornos de Algodres, Manuel Fonseca,  o Louvor às instituições que não estiveram presentes.

PSD Guarda em conferência sobre Apoio Direto à Economia e Manutenção de Postos de Trabalho.

Deste modo, a concelhia do PSD Guarda, em comunicado reage assim:”Por força da necessidade de serem adotadas medidas excecionais e

temporárias de resposta à pandemia por Covid -19, foram declarados

em Portugal, desde março de 2020, por diversas vezes, o estado de

emergência e de calamidade, o que obrigou à aprovação de medidas

restritivas de direitos e liberdades, em especial no que respeita aos

direitos de circulação e às liberdades económicas.

A Guarda esteve continuamente entre os Concelhos considerados de

risco elevado ou muito elevado de transmissão da Covid-19, sofrendo

por consequência as limitações de circulação na via pública inerentes a

tais qualificações.

Esta pandemia provocou uma crise económica sem precedentes à

escala mundial, seguramente a maior desde a II Guerra Mundial,

colocando em crise a sobrevivência de muitas Empresas e postos de

trabalho.

A crise económica permanece e parece ter tendência a acentuar os

seus efeitos, designadamente a nível do comércio, da restauração, do

alojamento e pequenos serviços, e em particular sobre aquelas

Empresas que mais têm sofrido com as medidas de confinamento

impostas pelo Governo. Estão em causa a sobrevivência de muitas

Empresas e muitos postos de trabalho. E neste contexto, a Guarda não

será exceção, existindo já sinais de aumento do desemprego.

A maioria do tecido empresarial nacional, e, por conseguinte, também

do instalado no Concelho da Guarda, é composto por micro e pequenas

Empresas e ainda Empresários em nome individual.

Não podemos ignorar as nossas responsabilidades sociais e

económicas, não podemos ficar indiferentes ao impacto que as medidas

levadas a cabo provocaram e continuam a provocar em todos aqueles

que exercem a sua atividade no território da Guarda, sejam eles da

comunidade empresarial ou laboral.

Por todo o País os Municípios e as Freguesias estão a demonstrar ser

um dos principais pilares na resposta às Populações durante a

pandemia, substituindo muitas vezes o Governo de António Costa que

teima em chegar atrasado, querendo apenas correr contra o prejuízo.

A proximidade dos Municípios e das Freguesias com as pessoas e o

conhecimento do seu território, tecido económico e social, fazem das

Autarquias o elemento chave para ajudar a mitigar a crise social e

económica que todos adivinhamos no mundo pós pandemia.

A recuperação económica, a transição verde, a transição digital, a

coesão social, a educação, a cultura e o turismo serão os fatores chave

e diferenciadores para ganhar a guerra a este vírus que afetou todos os

aspetos essenciais da nossa sociedade.

Estava certo quando em Abril de 2020 apresentei, na qualidade de

Vereador eleito pelos Guardenses, um Plano de Apoio aos Cidadãos,

Instituições e Economia para o Concelho da Guarda.

Foi um contributo inicial para que os Guardenses não sentissem

demasiadamente os efeitos devastadores da pandemia e que tentava

mitigar o desastre que iria assolar a nossa sociedade.

Infelizmente aquelas medidas não foram aceites, apesar das propostas

visarem efetivamente ajudar a colmatar a difícil situação em que nos

encontramos e olhar com esperança para um futuro pós Covid-19.

 

 

É mais que tempo para a implementação de medidas de apoio direto à

economia e às Empresas locais, com injeção direta de capital, ajudando

à manutenção dos postos de trabalho, como assistimos em outros

Concelhos da mesma dimensão do nosso, de forma a ajudar tantas

Empresas e tantos Funcionários que atravessam momentos difíceis,

face ao estado atual de calamidade também económica provocado pela

pandemia Covid-19.

Tal como referi há 10 meses atrás, é primordial a isenção da taxa de

derrama para todas as Empresas com domicílio Fiscal no Concelho

da Guarda.

Outras medidas são de simples execução e apontamos apenas alguns

exemplos:

  • O transporte de refeições da restauração pelas empresas de

táxi do nosso Concelho, beneficiando também a nossa

restauração;

  • Iniciativa “Guarda Comércio”, com a distribuição de senhas para

quem compra no comércio e restauração da Guarda;

  • Promover a digitalização, vendas online e à distância, do

comércio local da Guarda, do Mercado Municipal e dos

produtores diretos, entre outros, associada a uma campanha de

promoção junto dos consumidores finais, em parceria com a

Associação Empresarial, com os CTT e com a Comunicação

Social;

Na Guarda o Município deve olhar para os bons exemplos e,

atendendo à situação financeira ser manifestamente diferente, legislar já

no sentido de promover a injeção de um valor nunca inferior a 3

milhões € para ajudar diretamente as nossas Empresas e

Empresários em nome individual e a manutenção dos postos de

trabalho.

As medidas de apoio acima mencionadas às Empresas e Empresários

em nome individual irão contribuir para a valorização empresarial no

Concelho da Guarda, ajudando a mitigar os efeitos económicos da crise.

Os benefícios inerentes à execução e aplicação destas medidas

extraordinárias afiguram-se potencialmente superiores aos custos,

considerando que tais medidas promoverão a economia local e

contribuirão para a manutenção do nível do emprego. Ou seja,

promoverão a sustentabilidade económica e bem-estar social dentro do

Concelho da Guarda.

É de recordar que, em particular, o comércio a retalho e os

estabelecimentos de restauração e bebidas, são dos setores mais

afetados pela crise pandémica, sendo que agregam um conjunto vasto

de diferentes atividades económicas, representando assim um peso

muito relevante na economia local, sendo aliás, um setor responsável

por um elevado número de postos de trabalho.

 

É mesmo primordial para a nossa sobrevivência económica a aprovação

de um plano, definindo como destinatários, Empresas e Empresários em

nome individual, que tenham sofrido uma redução do volume de

faturação decorrente da situação pandémica que atualmente se verifica

e que respeitem as condições a definir, dependendo nomeadamente:

  • Do seu Código de Atividade Económica (CAE principal);
  • Ter sede ou domicílio fiscal e atividade desenvolvida no Concelho

da Guarda;

  • Ser Micro ou Pequena Empresa, ou Empresário em nome

individual;

  • Ter sofrido uma redução no volume de faturação igual ou superior

a 1 terço no ano económico de 2020, relativamente ao ano de

2019;

  • Ter tido um volume de faturação máximo a definir e que se

comprometem a manter, pelo menos, um número de

trabalhadores igual ao que possuíam em Dezembro de 2020,

durante a vigência deste programa.

Consubstancia-se assim num apoio financeiro não reembolsável,

correspondente a um montante a definir, a atribuir por cada trabalhador

que conste na declaração de remuneração mensal da Empresa

referente ao mês de Dezembro de 2020 e consagrando também,

independentemente do número de postos de trabalho, um valor máximo

de apoio a atribuir a cada Empresa.

 

Para a Concelhia da Guarda do PSD é fundamental tomar com a

máxima urgência todas as iniciativas para ajudar os Guardenses.

Não podemos assistir impávidos e serenos à destruição da nossa

restauração.

Não podemos continuar a assistir ao definhar do nosso comércio.

O Município da Guarda deve liderar a resposta económica e social no

nosso Concelho.É urgente tomar medidas!

Não podemos continuar a olhar para o outro lado, nesta hora de

desespero para tantos Empresários e Cidadãos.

 

A política de compras imobiliárias não será a mais importante neste

momento. O fundamental é apoiar diretamente a economia local.

Criar condições para que os Guardenses sintam efetivamente no seu

bolso a ajuda do Município”.

CIM Viseu Dão Lafões Capacita Técnicos de Fogo Controlado e Operacionais de Queima

A Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, através da sua Unidade de Proteção Civil Intermunicipal, no âmbito do projeto europeu LIFE Landscape Fire Project, promove a capacitação e credenciação de Técnicos de Fogo Controlado e de Operacionais de Queima.

A decorrer entre os meses de janeiro e abril de 2021, estas ações de capacitação visam dotar os agentes de proteção civil do território de ferramentas que lhes permitam realizar planos de fogo controlado e executar técnicas de ignição para queima prescrita, bem como a posterior avaliação dos impactes da queima.

Estas formações são dirigidas a técnicos e operacionais provenientes de diversas estruturas do território da CIM Viseu Dão Lafões, nomeadamente: Gabinetes Técnicos Florestais, Serviços Municipais de Proteção Civil, Bombeiros Sapadores Municipais, Bombeiros Voluntários, Sapadores Florestais, Organizações de Produtores Florestais e da Unidade de Emergência de Proteção e Socorro da GNR.

Atendendo ao contexto causado pela pandemia COVID-19, numa primeira fase, o ciclo formativo teórico será ministrado via online, sendo que numa segunda fase serão desenvolvidas sessões práticas e teórico-práticas de uso de fogo nos mais diversos níveis de atuação.

As sessões teóricas, para a formação de Técnico de Fogo Controlado e de Operacional de Queima, terão início dia 28 e 29 de janeiro respetivamente, estando prevista a sua conclusão no mês de março.

As sessões práticas e teórico-práticas, apesar da incerteza determinada pela pandemia, deverão ocorrer a partir do mês de fevereiro, prolongando-se até ao mês de abril, estando a sua realização dependente da ocorrência de condições climatéricas favoráveis.

Cada um dos cursos contempla 25 participantes por turma. Assim, o Curso de Técnico de Fogo Controlado é composto por uma turma e o Curso de Operacional de Queima envolve três turmas, para um total de 100 formandos.

Recorde-se que no âmbito da prevenção, o Fogo Controlado consiste no uso planeado do fogo em condições ambientalmente favoráveis, tendo um papel fundamental na gestão dos combustíveis, na redução do risco de incêndio rural, na renovação das pastagens, na fertilização dos solos e no controlo espécies invasoras, constituindo, ainda, uma ferramenta muito eficiente de combate a incêndios rurais.

De acordo com o Presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Rogerio Mota Abrantes “Esta proposta de capacitação, desenvolvida pela CIM no âmbito do projeto Life Landscape Fire Project, vai permitir capacitar, a nível regional, técnicos especializados no uso de fogo controlado. Este projeto reveste-se de grande importância pois vais dotar a região de um know-how extremamente valioso para o reforço da nossa capacidade de prevenção e combate ao flagelo dos incêndios rurais.”

Ao promover estas formações, a CIM Viseu Dão Lafões, através da sua Unidade de Proteção Civil Intermunicipal, mostra o seu forte compromisso no esforço, que deve ser de todos, para o reforço da resiliência do território.”, concluiu o Presidente da CIM Viseu Dão Lafões.

Celebrações Comunitárias nas Comunidades da UP Aguiar da Beira suspensas

Em comunicado a Unidade Paroquial de Aguiar da Beira suspendeu as Celebrações Comunitárias até dia 31 de janeiro, assim refere:”Dando cumprimento às orientações da Direcção Geral da Saúde e da Diocese de
Viseu acerca da Pandemia Covid 19 e depois de uma reflexão atenta sobre a situação
actual de aumento substancial de casos, informa-se que, de 17 a 31 de Janeiro de 2021,
NÃO HAVERÁ CELEBRAÇÕES COMUNITÁRIAS NAS PARÓQUIAS DE Aguiar da Beira, Carapito, Cortiçada, Coruche, Dornelas, Eirado, Forninhos, Gradiz, Pena Verde, Pinheiro de Aguiar, Sequeiros, Souto de Aguiar, Valverde, Matança e Queiriz, concelhos de Aguiar da Beira e Fornos de Algodres. Trata-se de uma medida preventiva. Sugere-se a participação pelos órgãos de Comunicação Social (nomeadamente
da Televisão) ou uma Celebração familiar.
A quem tenha tido contacto com alguém infectado, pede-se que siga os
procedimentos normais, contactando a Saúde 24, respeitando o confinamento e estando
atento aos sintomas.
Como diz o Papa Francisco, só com o esforço de todos, poderemos vencer esta
crise sanitária!
Informa-se ainda que esta situação se verifica também em outras paróquias da
Diocese de Viseu”.

Bombeiros de Fornos receberam Cortador de Disco

O clube ESGALHADA TT de Fornos de Algodres resolveu premiar a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Fornos de Algodres, pelos bons serviços prestados à comunidade com um equipamento necessário, para o dia a dia desta Associação de Bombeiros.

Assim, o equipamento é um Cortador de disco de marca Stihl que serve para todo o tipo de metais, alumínio, ferro e todo o tipo de construções em cimento e pedra utilizado universalmente para serviços de desencarceramento e outras utilizações em incêndios urbanos. Ora aqui fica mais um benemérito que faz com que este equipamento os soldados da paz fornenses sirvam melhor toda a comunidade.

GNR presta apoio aos cidadãos em confinamento obrigatório

Durante este período de Estado de Emergência, a Guarda Nacional Republicana, a par de sensibilizar para a limitação da circulação na via pública ou fiscalizar as violações previstas na lei, está empenhada em estar junto não só dos mais vulneráveis, mas também de todos aqueles que, por seu infortúnio, se encontram sujeitos a confinamento obrigatório.

Todos os que se encontram nessa situação, designadamente os doentes com COVID-19, infetados com SARS-Cov2, ou todos aqueles a quem tenha sido determinada a vigilância ativa pelas autoridades de saúde, e que obrigatoriamente devem permanecer isolados no seu domicílio, podem agora contar, para além do apoio da Segurança Social, com o apoio da GNR, através do Posto Territorial mais próximo da sua residência. Esse apoio materializa-se na satisfação das suas necessidades básicas, caso não tenham a quem recorrer, para a entrega de bens essenciais, como produtos alimentares ou medicamentos.

MAI- PSP eGNR continuam na sensibilização, vigilância e fiscalização junto da comunidade

Foram detidas 74 pessoas por crime de desobediência, das quais 21 por desobediência à obrigação de confinamento obrigatório, 32 por desobediência ao dever geral de recolhimento domiciliário, 9 por desobediência ao encerramento de estabelecimentos, 1 por resistência e 11 por violação da cerca sanitária de Ovar.
No mesmo período, foram encerrados 248 estabelecimentos por incumprimento das normas estabelecidas.
Estes números juntam-se aos verificados no primeiro período de Estado de Emergência, que vigorou entre os dias 22 de março e 2 de abril, onde se registaram 108 detenções por crime de desobediência e foram encerrados 1.708 estabelecimentos comerciais.
O Ministério da Administração Interna, perante a imperiosa necessidade de todos contribuírem para conter o contágio da COVID-19, insiste no cumprimento rigoroso das medidas impostas pelo Estado de Emergência.

Campanhas ambientais sensibilizaram a comunidade de Fornos de Algodres

O Município de Fornos de Algodres faz um balanço das Campanhas que tem colocado em prática desde agosto de 2018 até ao corrente ano, onde referem que as Famílias, comércio/indústria e IPSS do Concelho de Fornos de Algodres pagaram menos água em 2019.

Face a isso, apresenta o balanço excelente das campanhas levadas a cabo desde agosto de 2018 a dezembro de 2020.

No dia 15 de agosto de 2018, a Câmara Municipal de Fornos de Algodres iniciou uma campanha de

sensibilização para um uso eficiente de água, denominada “A Água Não Dura Sempre. POUPE-A.” com o objetivo de sensibilizar a população para mudanças de comportamentos e de hábitos, na boa gestão da água.

Com o apoio do Fundo Ambiental e inserido na Estratégia Nacional de Educação Ambiental 2020, a Câmara Municipal de Fornos de Algodres levou a cabo diversas atividades, entre as quais campanhas de sensibilização nos meios de comunicação (televisão, rádio, jornais), em outdoors, em “flyers”, em mensagens exclusivas na rede multibanco e por SMS. Mas também em ações porta-a-porta, pelos estabelecimentos do concelho, ou direcionadas ao Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres.

Recolhidos os dados e devidamente trabalhados, julgamos ser hora, agora, de fazer um balanço aos

principais indicadores da poupança de água.

Considerando a água comprada à entidade gestora em Alta – Águas do Vale Tejo, SA – constatou-se uma redução de 22%, face ao ano de 2017 (ano de referência), o que equivale a uma redução de 86.582 m3 (86.582.000 litros) de água. Este volume de água economizado, constitui a quantidade de litros que dariam para abastecer o Concelho de Fornos de Algodres nos meses de maior consumo – julho a setembro.

A sensibilização e as boas práticas que os munícipes de Fornos de Algodres praticaram nos últimos meses (agosto de 2018 a 31 de dezembro de 2019), tiveram irrefutavelmente repercussões diretas na economia doméstica, uma vez que se refletiram nos montantes pagos nas faturas da água. De facto, em 2019, face ,a 2017, as famílias, o comércio/industria e as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) viram a fatura da água reduzir-se, em média, 17,47 €/ano, 69,06 €/ano e 245,41 €/ano, respetivamente.

Apesar dos excelentes resultados alcançados, é intenção do Executivo Municipal continuar na vanguarda, no que a políticas ambientais diz respeito, pois temos plena consciência de que ainda temos muito a fazer, nesta luta – que nos diz respeito a todas e todos, independentemente de onde vivamos – pelas alterações climáticas e por um mundo melhor para os nossos filhos.

“Odisseia”, teatro comunitário em 5 concelhos

 “Odisseia”, é um espetáculo de teatro comunitário que vai decorrer em cinco concelhos do Distrito da Guarda, neste Verão.

Assim terá inicio em Seia, no próximo dia 2 de julho, às 22 horas, no Largo da Câmara Municipal. Depois segue este espetáculo para Fornos de Algodres (14 de julho), Manteigas (20 de julho), Celorico da Beira (4 de agosto) e Gouveia (8 de agosto).
Um espetáculo que é coordenado pela ASTA Teatro e além dos atores da Companhia, juntou ao elenco cerca de 30 atores dos 5 municípios.

Um trabalho que resultou de uma residência artística que decorreu em Seia durante a primeira quinzena de junho.

Bombeiros Nelas celebram o seu 98º aniversário

Neste domingo, dia 24 de junho a Associação Humanitária dos Bombeiros Nelas, celebra o seu 98º aniversário

Para assinalar esta data, o dia inicia-se com o hastear da Bandeira, seguindo-se um desfile apeado, condecorações a Bombeiros, missa e bênção de viaturas de socorro, romagem ao Cemitério de Nelas para homenagem aos Bombeiros, Diretores e Associados já falecidos e terminando com o simulacro de Incêndio urbano na Av. João XXIII.