Início » Tag Archives: Concurso de Boas Práticas de Envelhecimento Ativo e Saudável

Tag Archives: Concurso de Boas Práticas de Envelhecimento Ativo e Saudável

Projetos vencedores da quinta edição do concurso de Boas Práticas de Envelhecimento Ativo e Saudável na região Centro

O “Laboratório do Envelhecimento”, promovido pela Câmara Municipal de Ílhavo, “Mais Alternativas Sénior” da Associação de Bem Estar Social e Recreativa de Alpedriz, “5.0 cinco ponto zero Programa de Capacitação para o Empreendedorismo” apresentado pela Fundação Bissaya Barreto e pelo Instituto Pedro Nunes, e “Estou Cãotigo”, da  Associação Beira Aguieira de Apoio ao Deficiente Visual, são os quatro projetos vencedores da quinta edição do concurso de Boas Práticas de Envelhecimento Ativo e Saudável na região Centro, promovido pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), em colaboração com os consórcios Ageing@Coimbra e AgeINfuture.

Os vencedores deste concurso, que tem como objetivo aumentar a divulgação e o reconhecimento de projetos e iniciativas que promovem o envelhecimento ativo e saudável na região Centro, foram, hoje, revelados, em Coimbra, no 9º Congresso do Envelhecimento Ativo e Saudável da Região Centro.

De forma a promover práticas e iniciativas inovadoras e a induzir novos projetos e novas parcerias, as Boas Práticas de Envelhecimento Ativo e Saudável da Região Centro recebidas, no âmbito nas várias edições deste concurso, encontram-se compiladas num catálogo online, em http://envelhecimentoaocentro.ccdrc.pt/

Informação sobre os vencedores:

Vencedor da categoria Conhecimento+, o projeto “Laboratório do Envelhecimento”, promovido pela Câmara Municipal de Ílhavo, baseia-se num equipamento municipal com um carácter investigativo e artístico, proporcionando a criação de novos projetos e a produção de conhecimento através de diferentes parceiros académicos e tecnológicos. A programação é dirigida à comunidade, estando dividida em três eixos de atuação: investigação; conhecimento e criação artística. O eixo da investigação é um espaço comum que abriga, protege e qualifica projetos que promovem a coesão social contando com parceiros académicos, universidades portuguesas e espanholas. O Laboratório recebe empresas tecnológicas e universidades que testam novos produtos tecnológicos, utilizando o conhecimento de uma equipa multidisciplinar proveniente da Câmara de Ílhavo e do Centro de Saúde que avaliam e auxiliam os equipamentos. O Eixo do Conhecimento procura implementar programas que permitam a troca de conhecimentos e experiências entre a comunidade, as entidades e os idosos.

O “Mais Alternativas Sénior”, promovido pela Associação de Bem Estar Social e Recreativa de Alpedriz, integra várias terapias alternativas focadas na individualidade de cada pessoa, sendo uma solução integrada e direcionada para as necessidades do idoso, com base na prestação de cuidados de saúde especializados. Esta solução procura a manutenção da saúde e da qualidade de vida contribuindo em para a melhoria integral do idoso numa perspetiva biopsicossocial.

Na categoria Vida+ foram vencedoras as boas práticas: “5.0 – cinco ponto zero: Programa de Capacitação para o Empreendedorismo”, apresentado pela Fundação Bissaya Barreto e pelo Instituto Pedro Nunes, e “Estou Cãotigo”, apresentado pela ABAADV – Associação Beira Aguieira de Apoio ao Deficiente Visual,na subcategoria Vida+ Participação.

A iniciativa “5.0 – cinco ponto zero: Programa de Capacitação para o Empreendedorismo” consiste numa formação e mentoria, em que a estrutura desenvolvida foi concebida originariamente para seniores e aplicada pela primeira vez em Portugal. O programa, que conta já com duas edições, promove o empreendedorismo pelo apoio à criação de negócios por pessoas com mais de 50 anos, que têm uma ideia de negócio e querem desenvolver competências de empreendedorismo.

O projeto “Estou Cãotigo” tem como objetivo central a intervenção junto de idosos institucionalizados ou em situação de isolamento, através da realização de intervenções assistidas por cães, com vista ao seu estímulo cognitivo, emocional e motor, promovendo, dessa forma, a manutenção dos seus índices de bem-estar e de qualidade de vida. O foco desta Boa Prática é o idoso, as suas necessidades e capacidades, promovendo- se a intervenção do cão como elemento facilitador de toda a interação e desenvolvimento da intervenção junto da pessoa mais velha.