Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: futebol

Tag Archives: futebol

AF Viseu – Revelados clubes que continuam em prova nos campeonatos

Em comunicado, a AF Viseu revelou, o mapa de clubes que continuam em prova , uma das equipas que revelou que não existem condições para continuar é o GD Mangualde.

Mas segundo a AF Viseu refere:”Para a devida organização da retoma competitiva das Provas dos Campeonatos Distritais Seniores, que foram interrompidas por constrangimentos provocados pela pandemia COVID-19 que levaram à interrupção das mesmas desde janeiro de 2021, vem-se desta forma comunicar e publicar os clubes que enviaram as declarações de continuidade de participação nas respetivas provas. Os regulamentos, formatos competitivos e calendários a aplicar em cada uma das provas serão publicados na próxima semana. As datas e horas específicas dos respetivos sorteios, também serão publicadas no decurso da próxima semana , nos dias 19 a 21 de abril.

50 anos- AD Fornos de Algodres – Estreia no Distrital da AF Guarda-1971/72

A Associação Desportiva de Fornos de Algodres nasceu no ano 1970, mas a competição oficial apenas surgiu na temporada 1971/72, apesar da sua filiação na Associação de Futebol da Guarda, ter acontecido no ano anterior, mas a decisão de alguns clubes não foi favorável à entrada em competição da AD Fornos de Algodres na temporada 1970/71, fez com que alguns atletas rumassem a Celorico, Mangualde e Trancoso.

Ainda assim registe-se que naquela altura todas as aldeias ao domingo se reuniam e jogavam amigavelmente. Ler Mais »

AF Guarda- Campeonatos devem retomar no final de abril

A AF Guarda reuniu, via zoom, recentemente com os clubes filiados deste organismo que participam no Distrital de Seniores de Futebol, no sentido de analisar a atual situação e ver como vai ser o futuro da competição.

A retoma das competições (Futebol e Futsal) foi debatida durante alguns momentos e foi concluído por maioria que a competição devia ser concluída, para tal está prevista a retoma à competição no fim de abril.

Por sua vez, o apoio financeiro aos clubes foi também debatido, onde aqui os clubes se mostraram desagradados com o fraco apoio que tem sido dado por parte da FPF, uma vez que, os clubes perderam todas as receitas.

Deste modo, a própria AF Guarda mostrou-se disponível para interceder junto da FPF que os apoios são insuficientes para os clubes.

AF Guarda- Campeonato pode regressar no fim de abril

Uma vez que a pandemia vai dando tréguas e as restantes associações vão tomando decisões sobre a retoma das competições distritais, face a isso, a AF Guarda também está a pensar em regressar com a atividade desportiva e vai reunir em breve com os clubes no sentido de verificar uma solução para acabar a temporada da melhor forma.

Pelo que apurámos , tudo aponta que o distrital de seniores arranque no final de abril se os clubes assim o aprovarem, mas também pode passar pode realizar uma prova alternativa para apuramento do campeão.

Na próxima semana, iremos ter novidades e talvez já uma solução para o futebol do distrito da Guarda.

Comunilog e Guarda Unida Desportiva formalizam acordo

Foi recentemente assinado, um acordo que formaliza a cooperação entre a Comunilog Consulting Lda, e a Guarda Unida Desportiva, nas instalações de uma das subsidiárias da Comunilog na Guarda, mas com presença praticamente em todo o território nacional. Pela Guarda Unida marcou presença o Presidente da Direção, António Pissarra, e pela Comunilog, Nuno Silva, Sócio-gerente.

O acordo agora assinado prevê diversas áreas de atuação, nomeadamente:

-Formação na área da saúde, como Suporte Básico de Vida DEA — Desfibrilador Externo Automático;

-Formação em segurança de eventos desportivos ;

-Realização de palestras e outras atividades formativas para atletas, treinadores e dirigentes.

Algumas ações de formação do plano considerado foram já ministradas, prevendo-se novas formações a partir do desconfinamento.

AD Fornos de Algodres em grande – 2009/10

Uma época que teve início numa Assembleia Geral em que João Santos se prontificou a liderar os destinos do clube depois de Bruno Faustino ter efetuado uma temporada difícil, dado que, assegurou a manutenção na derradeira partida.

O novo presidente vinha dos Estados Unidos, onde já tinha tido experiências no mundo do futebol, era oriundo da localidade do Ramirão e queria ajudar o clube e manter a equipa na 3ªdivisão. Era notória alguma inexperiência, mas reuniu-se com algumas pessoas e organizou uma direção onde surgiram alguns elementos com experiência do mundo do futebol.

Um vice-presidente muito ativo e um diretor desportivo que era um profundo conhecedor do futebol fornense José Cunha, para tal contrataram Nando Pompeu para treinar a equipa que teve como adjunto Pedro Azevedo.

Deste modo, um plantel que teve algumas saídas e entradas em relação ao da temporada anterior, assim na baliza esteve Cobra, Buffon, Ruben e Inácio, depois no eixo defensivo estiveram Alex, Valério, Sérgio, Abadito, Fábio Matos, Fábio Nascimento, Afees e Elias.

No setor intermédio marcaram presença Rui Lage, Pedro´s, Bruno Costa, Luisinho, Salcedas, Lote e Antero. Por sua vez o ataque esteve entregue a Nené, Bruno Filipe, Filipe, Titá e Cardoso.

Um plantel muito coeso, com elementos muitos experientes e com jovens promissores, face a isso foi uma temporada fantástica para a turma fornense.

A temporada iniciou com a Taça de Portugal, na visita a Montalegre e a vitória por duas bolas a zero, com Nené e Bruno Costa a marcarem, depois na ronda inicial do campeonato em Alcains, um triunfo por duas bolas a uma.

Depois deu-se o afastamento da Taça de Portugal frente ao Valenciano por 3-2, mas numa partida com erros de arbitragem para os fornenses.

O Campeonato regressou com a receção ao Mangualde e a vitória pela margem mínima com golo de Pedro´s de grande penalidade, mas viria nova derrota com o Anadia uma das equipas mais fortes desta série, por 2-0.

Seguiu-se novo triunfo em casa diante do Tocha por duas bolas a zero, depois a viagem ao Vigor e Mocidade, com a vitória que lhe permitiu chegar à liderança da prova, com golo de Cardoso.

Mas uma série menos boa se seguiu com empates e derrotas frente a BC.Branco, Sourense, Sp.Pombal, Gândara e Penamacorense, o soco na crise aconteceu frente ao Nelas na derradeira ronda da 1ªvolta da fase inicial, com goleada por 5-0, com golos de Salcedas(2), Filipe(2)e Titá, terminando em 5ºlugar.

 

Ataque muito forte

A segunda volta, trouxe nova goleada frente ao Alcains, por 4-1, com Titá a bisar, Bruno Costa e Nené, depois a deslocação a Mangualde com novo triunfo por duas bolas a uma e Filipe a bisar. Depois novo empate, mas num grande encontro de futebol frente ao candidato Anadia, com Rui Lage e Cardoso a marcarem, mas a igualdade a duas bolas foi o resultado.

Seguiu-se nova deslocação difícil, neste caso à Tocha com a partida a ser decidida na compensação com Filipe a marcar ao cair do pano.

Com a receção ao Vigor, novo triunfo pela margem mínima e subida à liderança da série, valeu o golo de Cardoso. A deslocação a Castelo Branco traduziu-se numa igualdade a uma bola com Sérgio a marcar, mas o Sourense veio a Fornos surpreender e venceu pela margem mínima e a deslocação ao Pombal não foi nada feliz e nova derrota por duas bolas a uma.

Nova recuperação, com o Gândara num triunfo por 3-0, com golos de Filipe, Sérgio e Luisinho.

A onda de vitórias manteve-se frente ao Penamacorense, com Luisinho a bisar e Filipe e Alex a marcar e depois na derradeira ronda da 1ªfase, mais uma vitória frente ao Nelas por três bolas a uma.

Uma grande fase final, mas começou mal, com empate a zero com Pombal e a derrota frente ao Sourense a repetir o feito da 1ªfase, depois foi a nova derrota perante o Gândara por 2-1.

O empate a duas bolas foi frente ao Mangualde, para vencer depois o Anadia por 2-1, numa das melhores assistências a nível de público.

As vitórias regressaram frente ao Pombal por 2-0, por sua vez a deslocação a Soure foi positiva e os três pontos dados por Luisinho, mas o Gândara voltou a surpreender com novo triunfo agora por 3-1.

Fornenses lutaram até ao derradeiro segundo em Anadia

Deste modo, valeu o triunfo frente ao Mangualde por 3-1 com golos de Pedro´s , Titá e Bruno Costa, para  derradeira ronda decorrer em Anadia , num grande encontro de futebol, com os fornenses a morrer na praia, com  empate a ser madrasto para os muitos fornenses que foram puxar pela equipa.

Uma grande prestação do Fornos de Algodres bem orientado por Nando Pompeu que viu a sua equipa ser repescada para participar na 2ªdivisão. Sérgio, Pedro´s foram os mais regulares com 31 jogos completos e Rui Lage jogou 30 e 1 incompleto, a nível de marcadores, Filipe foi o melhor marcador da equipa com 12 golos seguido de Titá e Bruno Costa com 8 golos.

Recentemente, faleceu o ex. presidente João Santos, vítima de doença prolongada, aqui fica uma homenagem ao ex. líder da Associação Desportiva de Fornos de Algodres.

 

III Série D 2009/2010

 

# Equipa J P
1 Anadia 32 40
2 Pombal 32 37
3 Fornos de Algodres 32 36
4 Gândara 32 34
5 Sourense 32 31
6 Mangualde 32 24
  Fase Manutenção    
7 Tocha 32 38
8 Benfica C. Branco 32 33
9 Vigor da Mocidade 32 33
10 Penamacorense 32 20
11 Alcains 32 10
12 Nelas 32 7

 

Taça de Portugal-Coimbra volta a receber a Final em maio

Final da Taça de Portugal Feminina a 12 de junho

A tradição sem duvida passa pelo Jamor, mas devido à pandemia, a final da Taça de Portugal da temporada 2019/20 foi realizada em Coimbra, com o FC Porto a vencer o troféu frente ao SL Benfica.

Nesta temporada 2020/21, a FPF  volta a decidir manter a final da prova rainha em Coimbra.

Assim, no próximo dia 23 de maio, o Estádio Cidade Coimbra vai receber a final entre SC Braga e SL Benfica.

De realçar que a final da Taça de Portugal feminina, que se realiza em 12 de junho, bem como do decisivo encontro do Campeonato de Portugal, em 06 de junho, na cidade dos estudantes.

 

Campeonato de Portugal-Resultados da ronda 18

Mais um domingo de sol , onde o futebol é rei, apesar de não ter público, cada dia aumenta as visualizações online dos respetivos jogos.
Nesta ronda, o Vila Cortez foi derrotado uma vez mais em casa, diante do Lus.Lourosa por 4-0.
SÉRIE “D”
Castro Daire-São João Ver, Sad-0-3
Vila Cortêz Mondego-Lusitânia Lourosa -0-4
Sanjoanense-Lusitano Fc Vildemoinhos-3-0
Canelas 2010-1-2 Valadares Gaia
Sc Beira Mar-Sc Espinho-1-1
Recreio D. Águeda-Anadia Fc-1 mar  20:45
Lideram Anadia e Canelas 2010

50 anos da ADFA—Caminhada na 3ªdivisão nacional (1994/95)

Após ter conquistado o título distrital em maio de 1994, era hora de preparar a nova temporada no Nacional da 3ª divisão, para tal algumas alterações foram efetuadas no seio do clube a muitos níveis.

A direção passou a ser um grupo agora coeso, liderado por Delfim Paulo Nunes, um homem com grande experiência no campo do associativismo, ladeou-se com um leque de pessoas muito ativas, como João Gomes, João Paulo, José Sobral, António Silva (Pechincha), Luís Lagarto, Cunha entre outros, que procuraram enfrentar um grande desafio, alcançar a manutenção nos Nacionais, objetivo difícil para as equipas do distrito dado que tinham descido anteriormente, Celoricenses, UD Seia e CD Gouveia, face a isso a missão era mais complicada, uma vez que as deslocações eram grandes e poucos clubes havia perto, Lus.Vildemoinhos, Belmonte , Penalva do Castelo, Nelas, Tourizense e Sp.Covilhã.

Agora a realidade era outra, uma vez que o plantel tinha de ter jogadores com alguma experiência e assistiu-se a uma debandada de alguns jogadores campeões para equipas da região, mas também o treinador era novo, Carlos Marques (Mourilhe), um homem com larga experiência como jogador e treinador e aliás tinha noutras andanças representado o clube na década de 80.

Direção e técnico formaram o plantel, alguns ficaram da temporada anterior, casos de: Carlitos, Pote, Valdo, Nen, Nando Pompeu, João Amaral, Fernando Jorge e Mário Jorge.

Chegaram alguns reforços da região: Calton (ex Sporting), mas tinha estado no GD Mangualde, Hilário, Martinho, Rui Ascensão, Gastão, Brás, Zé Miguel, Geraldo, Luís Patrício, José António, Luís Miguel, Zé Luís, Eusébio, Mota, Vítor e Rocha.

Triunfo em Rio Maior com casa cheia de fornenses

Foi um arranque complicado dado que, na ronda inicial a deslocação a Penalva do Castelo não correu bem, derrotados por 3-0, mas a chama reacendeu, numa deslocação inesquecível a Rio Maior a contar para a Taça de Portugal, com um triunfo de 2-1 com Hilário e Calton, a rubricarem os golos fornenses. Foi uma tarde que a comunidade acompanhou em massa a equipa juntando-se aos fornenses lisboetas que coloriram bem as bancadas de verde e amarelo.

O Campeonato ia correndo com triunfos e desaires, já na Taça de Portugal, os fornenses venceram o Alcanenense, por 2-0, mas viria a ser repetido por protesto dos visitantes e depois seria a derrota de 3-0.

A luta pela manutenção era forte e as derrotas acumulavam-se frente a adversários mais poderosos, mas eis que a receção ao UD Belmonte foi positiva e um triunfo por 5-2.

Seguiram-se jogos positivos, com 3 triunfos e 2 desaires que colocaram a equipa a salvo na 13ª ronda, no virar do ano civil, a alcançar a sexta posição após vencer na Mealhada por 2-1.

Depois o arranque do ano 95, não foi tão produtivo, dado que, em oito embates apenas 3 pontos, com o início de março, chegava a vitória frente ao Anadia pela margem mínima.

A fase inconstante manteve-se, alguns pontos em casa e desaires fora de portas, mas a reta final foi decisiva com o triunfo folgado por 4-1 frente ao Estarreja, um adversário direto.

Um momento de alívio

Aqui uma partida muito bem disputada, com os fornenses a mostrar muito empenho em arrecadar os três pontos e face a isso, Calton (22´) e Vítor (44´) colocam a sua equipa com vantagem de duas bolas sem resposta ao intervalo.

Na segunda parte, Zé Luís volta a chegar ao terceiro golo e pouco ou nada os visitantes faziam, só mesmo aos 76´, Luís Pedro fez o tento de honra para o Estarreja, mas os pupilos de Mourilhe ainda marcaram mais uma vez para grande festa no velhinho Municipal Dr. Moreira da Cruz, com Mota, aos 89´a fechar a contagem num grande triunfo fornense.

Seguiram-se quatro embates e apenas uma derrota frente ao Argus por duas bolas a zero, mas ficaram triunfos importantes (Mealhada e S.João Ver) e depois era hora de receber o líder Cucujães, onde já tinha subido, mas ainda assim veio com muito público para puxar pela equipa num bom jogo entre duas equipas que dividiram os pontos, com igualdade a duas bolas e a manutenção a ficar assegurada e a festa era grande no Municipal Dr. Moreira da Cruz.

A derradeira ronda serviu de passeio à serra da Estrela e rodar jogadores mas terminaria numa derrota de 5-0.

Em suma, uma temporada difícil, com a inexperiência a acontecer mas a turma de Carlos Marques foi forte e a sua direção foi muito destemida e acreditou sempre assim como a massa adepta que acompanhou sempre formação fornense para todo o lado. Onde o Fornos jogava era sempre uma festa para a equipa da casa, as receitas aumentavam.

Uma nota de destaque para a massa associativa que acompanhava o clube em casa e fora em grande escala, iniciou aqui a afirmação na 3ªdivisão nacional.

Nesta temporada em 34 jogos, 11 vitórias, 8 empates e 15 derrotas, marcou 48 golos e sofreu 56 golos.

Aqui fica respetiva classificação final na temporada 1994/95.

P J V E D GM GS DG
1 At. Cucujães 78 34 24 6 4 64 22 +42
2 SC Covilhã 73 34 22 7 5 62 22 +40
3 Arrifanense 69 34 20 9 5 58 22 +36
4 Penalva Castelo 57 34 16 9 9 52 32 +20
5 Avanca 56 34 16 8 10 72 61 +11
6 Anadia FC 48 34 12 12 10 51 37 +14
7 S. João Ver 48 34 13 9 12 50 47 +3
8 Oliv. Bairro 44 34 11 11 12 32 41 -9
9 Marialvas 43 34 11 10 13 27 37 -10
10 Tourizense 42 34 11 9 14 42 46 -4
11 Fornos de Algodres 41 34 11 8 15 48 56 -8
12 Estarreja 40 34 10 10 14 32 36 -4
13 Nelas 40 34 11 7 16 33 40 -7
14 Lusitano Vildemoinhos 36 34 9 9 16 35 47 -12
15 Argus 35 34 7 14 13 38 51 -13
16 UD Belmonte 33 34 10 3 21 36 74 -38
17 Mortágua FC 30 34 7 9 18 22 58 -36
18 Mealhada 27 34 7 6 21 38 63 -25

 

SC Gonçalense um símbolo no distrito da Guarda

Um clube localizado, em Gonçalo, uma aldeia pequena de gente hospitaleira, nasceu oficialmente no dia 3 de junho de 1939, onde todos os visitantes tinham de provar a famosa “salada de bacalhau”, e no futebol era imagem de marca, face a isso, passou dos jogos amigáveis para a competição a sério.

Decorria o ano de 1966, aconteceu, o ano de estreia do Campeonato Distrital da 2.ª Divisão da AF da Guarda, o SC Gonçalense a sagrar-se campeão e ascende à 1.ª divisão.

Diga-se que foi chegar, jogar, vencer e subir ao escalão máximo, onde faziam parte, os jogadores Hermínio, Toneca, Luís Bernardo, Tó, Zé Pico, Ilídio Barbas, Manel e o guarda-redes Zé Evaristo.

Na época 67/68, o campeonato foi dividido em duas séries, com a turma Gonçalense a conseguir passar para a fase seguinte, onde veio a ficar na sexta posição, com a formação do CD Gouveia a sagrar-se campeão distrital.

Era uma equipa que começava a dar frutos pelo distrito e na temporada 1968/69, a primeira vitória no Campeonato da 1.ª Divisão e a consequente subida à 3.ª Divisão Nacional e participação na Taça de Portugal.

Nessa temporada de estreia, nos Nacionais, ficou-se pela lanterna vermelha, alcançando ainda assim 5 pontos, recorde-se que, participaram AD Guarda, SC Celoricense e Pinhelenses nesse campeonato. Por sua vez, na Taça de Portugal, defrontou o Fafe e acabou goleado por 5-0.

De regresso, ao distrital da AF Guarda, o clube voltou a mostrar qualidade, ficando no 3º lugar, numa competição de 8 clubes, com o SC Celoricense a sagrar-se campeão.

Por sua vez, na temporada 1971/72, o SC Gonçalense consegue novamente alcançar o terceiro lugar do pódio, onde até apadrinhou a estreia em competição da AD Fornos de Algodres, ficando uma larga amizade entre estas duas localidades pela vida fora.

O campeão desta temporada foi o SC Vilar Formoso e subiu ao Nacionais, seguiram-se diversas participações no distrital maior sempre com classificações nos lugares cimeiros, onde na temporada 1976/77, o clube volta a sagrar-se campeão distrital e sobe à 3ªDivisão Nacional, onde ficou-se pela 15ªposição, com 15 pontos conquistados em 30 partidas disputadas, fruto de 4 triunfos (AD Guarda, Febres, Tocha e Carapinheirense) , 6 empates e 28 golos apontados e 79 sofridos.

Na Taça de Portugal, na ronda inicial foi derrotado pelo Alba por 3-0 e depois de repescado, na segunda eliminatória, foi derrotado em casa pela Naval 1ºMaio por 2-0.

Assim neste jogo frente ao Alba, alinharam pelo Gonçalense: Vítor Manuel, Carlos, Moniz (Albano,70´), Sarra, Orlando, Elvas, Santiago, Orlando, Tó Felipe, Hipólito e Perrichon.

Com o regresso ao distrital, seguiram-se temporadas com classificações médias, onde reinava a boa disposição sempre no seio do plantel.

Na época de 1985/86 , ficaria pela antepenúltima posição, mas desceu devido a terem descido 2 equipas da 3ªdivisão, mas viria a fazer uma boa campanha na 2ªdivisão sendo campeões de zona e na final da 2ªdivisão foram derrotados pelo Manteigas em campo neutro e volta a regressar em 1987/88 e voltam a ficar na antepenúltima posição e voltam a descer de divisão, com José Costa a treinador.

Seguiram várias participações no campeonato secundário, com a subida ao escalão maior a acontecer em 2005/06, onde foi campeão da 2ªdivisão. Na temporada de 2006/07 voltou a ser despromovido ficando na 16ªposição com 6 pontos.

Volta para o escalão secundário e permaneceu até extinguir o departamento sénior e dedicar-se à formação e agora nesta altura não tem futebol, este clube tão representativo da AF Guarda.