Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: PSD

Tag Archives: PSD

Autárquicas 21- Rui Rio vai estar no distrito da Guarda esta semana

Inserida na campanha eleitoral das Autárquicas 21, o Presidente do PSD, Rui Rio vem de visita ao Distrito da Guarda, a fim de dar apoio aos candidatos do seu partido, casos da Guarda, Mêda, Trancoso, Aguiar da Beira e Figueira de Castelo Rodrigo.

Deste modo aqui fica a agenda:

14 setembro

  • 10h30: Contacto com população e visita ao comércio local na Guarda.

Ponto de encontro no Jardim José de Lemos, Guarda

  • 14h00: Contacto com população e visita ao comércio local em Trancoso.

Ponto de encontro em Portas D’El Rei, Trancoso

  • 16h00: Contacto com população e visita ao comércio local na Mêda.

Ponto de encontro na Praça do Município, Mêda

15 setembro

  • 11h00: Contacto com população e visita ao comércio local em Aguiar da Beira.

Ponto de encontro no Largo da Câmara, Aguiar da Beira

 

  • 14h00: Contacto com população e visita ao comércio local em Figueira de Castelo Rodrigo, seguido de breve passagem na Adega Cooperativa.

Ponto de encontro no Largo Mateus de Castro, Figueira de Castelo Rodrigo, passagem pela Adega Cooperativa de Figueira de Castelo Rodrigo pelas 16h00, ponto de encontro na Rua Pedro Jaques de Magalhães, Figueira de Castelo Rodrigo.

 

PSD/Seia- Luís Caetano deixa mensagem aos senenses

A candidatura de Luís Caetano pelo PSD em Seia,  apresentou como Mandatário da Candidatura, António Manuel Abreu Quaresma, CEO e fundador do Grupo Valor do Tempo, cuja expressão pública surgiu em 2002 com abertura do Museu Nacional do Pão em Seia.

Face a isso, a candidatura de Luís Caetano também foi apresentada e o candidato deixou uma mensagem:

“Há momentos na nossa vida que nos marcam para sempre, 2009 foi recheado deles. Digo-o com orgulho! Senti que Seia encontrou em mim a força que precisava para impulsionar uma viragem necessária. Mas a mudança não aconteceu. Se isto me fez desistir? Não. Se esta viragem deixou de ser necessária? Não. Se Seia evoluiu como todos queríamos e imaginávamos? Não. Mas e a força, continua a mesma? Sim! A vontade e o entusiasmo continuam acesos? Sim! Será este o ano em que tudo acontece? Sim, eu acredito que sim e sei que vocês, nós, juntos, dizemos: sim! Estamos aqui pela terra que amamos? Sempre!

Vamos percorrer o concelho que todos os dias nos abraço e nos lembra daquilo que somos feitos,ter conversas que precisam de ser tidas, com todos os Senenses que querem ser ouvidos,mostrar o nosso projeto, enriquecê-lo, pô-lo à prova com todos, e construi-lo com a ajuda de todos.

Afinal, foi feito por cada um de nós.Estes tempos não são fáceis, sentimo-los na pele. Mas sabem o que nos distingue? O que nos une?A força e o carácter de sermos profundamente serranos e de carregarmos connosco esse o orgulho. Sempre! O Concelho que nunca abandonaremos, o povo que queremos ver crescer, que não queremos deixar partir. A cultura, que nos marca e nos distingue. A serra que nos inspira e que atrai gente de todo o Lado.      A indústria, o ensino, os caminhos que cruzamos. Todos precisam de uma mudança que todos sentimos que hoje começa.

As ideias que defendi e continuo a defender são, hoje, cada vez mais necessárias em Seia.Não são fáceis. Mas a mudança nunca é. Mas acreditem que temos a força necessária para as fazer, a vontade inabalável de as defender e a coragem de as tornar numa realidade. Se nada mudar, Seia vai continuar na mesma.Se nada mudar, a balança continuará a pender para os mesmos. Se nada mudar, nunca iremos saber como poderia ter sido. Por isso, hoje, volto a assumir este compromisso. Volto a dizer que sim a este desafio! Volto a dizer que sim a mudança.Volto a dizer que sim a todos os Senenses. Volto a dizer que sim a Seia. O meu nome é Luís Caetano e estou aqui a lutar por cada um e por todos nós. Neste projeto cabemos todos, há espaço para todas as ideias e há muita vontade de fazer mais, melhor e diferente para Seia. Por isso, juntem a vossa voz à nossa. Juntem a vossa força à nossa. Juntem a vossa vontade à nossa. E juntos vamos ser a mudança que diz: Sim. Sempre. Seia.

 

PSD pede ao Governo esclarecimentos adicionais sobre Descontos nas portagens do Interior

Em comunicado, o Grupo Parlamentar do PSD refere que entregou uma pergunta ao Governo em que questiona a Ministra da Coesão Territorial e o Ministro das Infraestruturas e Habitação sobre os descontos nas portagens do Interior, cuja resolução do Conselho de Ministros n.º 80/2021 resulta num conjunto de dúvidas e incertezas que têm de ser esclarecidas, nomeadamente:

Estava previsto na Lei do Orçamento de Estado 2021, um desconto adicional de 75% para os veículos elétricos e não poluentes que passassem nas referidas autoestradas, mas de acordo com a referida Resolução de Conselho de Ministros, tal não irá acontecer por motivos de operacionalização técnica. Tal situação é incompreensível, quando o Governo teve mais de 6 meses para adotar as necessárias medidas de operacionalização, tempo que gastou desnecessariamente a encontrar as formas possíveis para não cumprir a Lei aprovada pela Assembleia da República;

A Resolução de Conselho de Ministros exige uma regulamentação específica que terá de ser implementada pelo Governo através de portaria. No entanto a entrada em vigor destes descontos será daqui a 2 dias e até ao momento continua sem ser conhecida essa portaria e a respetiva regulamentação.

No documento, o PSD refere que o Governo “determinou a aplicação de um novo modelo de descontos na taxa de portagem. Segundo a Resolução de Conselho de Ministros n.º 80/2021, o Governo propõe-se implementar, o regime instituído pela Lei do Orçamento de Estado 2021, nos seus artigos 425.º e 426.º, a partir de 1 de julho de 2021, que resulta de 2 propostas do PSD aprovadas, apesar do voto contra do Partido Socialista”.

É o mesmo o Governo que invoca nesta Resolução consagrar expressamente a promoção da coesão territorial como uma das prioridades nas suas diversas vertentes socioeconómicas, com vista ao desenvolvimento equilibrado dos territórios, com redução das assimetrias regionais e o reforço da sua competitividade, o que é suportado pelo Partido que votou contra as propostas do PSD agora implementadas, num ato de desdém contra os cidadãos dos territórios do interior”, acrescentam.

O PSD questiona:

  1. Porque é que o Governo não aplica já o desconto de 75% previsto para os veículos elétricos e não poluentes, cumprindo o estipulado por Lei da Assembleia da República?
  2. Irá o Governo ressarcir os cidadãos dos valores em dívida, quando o regime de descontos previsto para veículos elétricos e não poluentes for implementado?
  3. Quando prevê o Governo que o regime de descontos para veículos elétricos e não poluentes seja implementado?
  4. Quando prevê o Governo regulamentar através de portaria este novo modelo de descontos na taxa de portagem?

PSD recomenda medidas de apoio para fenómenos climáticos adversos

PSD recomenda ao Governo a adoção de medidas de apoio extraordinário na sequência dos fenómenos climáticos adversos ocorridos em vários distritos do Norte e Centro.

Em comunicado, o Grupo Parlamentar do PSD refere que entregou um projeto de resolução em que recomenda ao Governo a adoção de medidas de apoio extraordinário na sequência dos fenómenos climáticos adversos ocorridos em vários distritos do Norte e Centro.

No documento, o PSD salienta a queda de chuva forte, acompanhada de granizo e trovoada, registada entre o final de maio de 2021 e meados de junho de 2021, e que atingiu fortemente “culturas perenes na região de Vila Real, de Viseu, de Bragança e Guarda e um pouco por todo o território no Norte e Centro. O resultado foi uma devastação profunda em vinhas e árvores de fruto, comprometendo as produções agrícolas do presente ano e dos anos seguintes, bem como danos materiais em infraestruturas e vias de comunicação”.

A intensidade do granizo registada a 31 de maio afetou uma vasta área de vinha na região de Vila Real e Viseu, atingindo várias parcelas localizadas na Região Demarcada do Douro, motivando por parte do Ministério da Agricultura uma avaliação dos prejuízos. Contudo, passados cerca de 15 dias, mais concretamente nos dias 13, 14 e 15 de junho, ainda antes de serem conhecidas as eventuais diligências do Governo, não só a mesma região do Douro foi atingida, como também a região do sul do distrito de Viseu, Região Demarcada do Dão, foi de novo fustigada com uma tempestade de chuva e granizo aumentando ainda mais os prejuízos em valor e área atingida. Estima-se que mais de 2 mil hectares de vinha e mil hectares de pomares de maça e pequenos frutos estejam em risco de perda total”, lê-se.

Face à destruição, o PSD entende que a “desejável recuperação abranja não só a valorização económica, como também a valorização ambiental e territorial, especialmente nas zonas mais expostas ao risco de abandono agrícola e à perda de biodiversidade”.

O Grupo Parlamentar do PSD “defende um sistema de seguros agrícolas adequados às inúmeras produções e tipo de explorações, considerando que a crescente frequência de fenómenos climatéricos desta gravidade, exigem do Governo um maior esforço no reforço dos instrumentos nacionais e comunitários no sentido de promover a adesão maciça ao sistema de seguros agrícolas e fundos mutualistas e consequentemente mais atrativos para os agentes económicos”.

Para os social-democratas, é ainda fundamental “a criação de um sistema de apoio público vocacionado especialmente para a agricultura familiar, pequena agricultura e agricultura de subsistência que pela sua natureza intrínseca se encontra particularmente perante este tipo de fenómenos”.

Perante a dimensão e gravidade das situações causadas por estes acidentes climáticos adversos, o Grupo Parlamentar do PSD considera que o Governo deve adotar, urgentemente, as medidas de carácter financeiro e administrativo que se impõem, no sentido de minorar os impactos sociais e económicos nestes territórios. Relativamente às infraestruturas e equipamentos municipais afetados, impõe-se também que o Governo proceda ao levantamento dos danos causados de molde a averiguar da necessidade de implementação de medidas específicas de apoio à sua recuperação”, concluem.

O PSD recomenda ao Governo que:

1)                   Divulgue o resultado do levantamento dos prejuízos causados pelos temporais ocorridos entre 31 de maio e 15 de junho nas regiões do Norte e Centro, nas diversas produções agrícolas;

2)                   Avalie a possibilidade de declaração de estado de calamidade pública para os concelhos mais atingidos e consequentemente mobilize os instrumentos necessários;

3)                   Disponibilize e mobilize instrumentos financeiros a fundo perdido para situações onde os prejuízos pelas tempestades de maio e junho foram mais elevados;

4)                   Pondere a criação de um sistema de apoio público vocacionado especialmente para a agricultura familiar, pequena agricultura e agricultura de subsistência, que pela sua natureza intrínseca se encontra particularmente exposta e desprotegida perante este tipo de fenómenos.

5)                   Mobilize apoio através dos atuais programas comunitários em vigor (PDR 2020), nomeadamente nas medidas 6.2.1. e 6.2.2. (prevenção de calamidade e catástrofes naturais e reposição do potencial produtivo) e fortaleça e alargue as operações de investimento para a Instalação de Redes Anti Granizo;

6)                   Pondere a possibilidade de criar uma linha de crédito bonificada direcionada aos produtores afetadas pelas intempéries que obriguem à reposição do potencial produtivo;

7)                   Preveja na elaboração do PEPAC instrumentos de gestão de crise e de risco robustos financeiramente e adequados à realidade agrícola nacional.

 

Autárquicas 21- Coligação PSD/CDS-PP em Fornos de Algodres

“A união faz a força, a força traz a vontade, a vontade traz a esperança!” é o slogan da coligação PSD/CDS-PP em Fornos de Algodres , nas próximas Autárquicas 2021.
Desta feita, os presidentes de ambas as comissões políticas, Marcos Paulo e Cristina Guerra, respetivamente do PSD e CDS/PP, vão assim formar uma lista juntos para tentar vencer o PS que vai ter como candidato o atual Presidente da Câmara, Manuel Fonseca.
Assim referem em comunicado que:” É com uma grande confiança num futuro melhor e uma força inabalável, que anunciamos a coligação PSD/CDS-PP para as Autárquicas 2021, no concelho de Fornos de Algodres.

Marcos Paulo é o novo líder da Comissão Política do PSD de Fornos de Algodres

Neste sábado, teve lugar a eleição da nova comissão politica do PSD de Fornos de Algodres, face a isso, apenas uma lista se apresentou a sufrágio e assim foi eleita pelos militantes sociais democratas fornenses.

Deste modo, Marcos Paulo passa a ser o novo líder do PSD do Concelho de Fornos de Algodres, tendo como Vice-presidentes, Fernando Melo e José Nunes , Secretária vai ser Carla Ferreira e Rui Furtado como tesoureiro.

Por sua vez, a Assembleia de Secção é presidida por José Ângelo Andrade, depois Pedro Bidarra é o vice-presidente, Américo Feio e Graça Paulo, como Secretários.

Autárquicas 21- PSD- Mª Joaquina Domingues candidata em Fornos de Algodres

Foram apresentados pelo secretário-geral do PSD , José Silvano, mais alguns candidatos às autárquicas 21, onde se destaca Maria Joaquina Domingues em Fornos de Algodres, recorde-se que já tinha sido candidata em 2017 e volta agora a merecer a confiança do partido para enfrentar Manuel Fonseca do PS.

Depois destacamos mais alguns candidatos desta região:

Aguiar da Beira- Fernando Andrade (ex presidente de câmara)

Mêda- João Mourato (ex presidente de câmara)

Mangualde – Joaquim Patrício

Nelas- Joaquim Amaral

Penalva do Castelo – Pedro Monteiro

Seia- Luís Caetano

 

 

 

 

Distrital do PSD da Guarda já escolheu os 14 candidatos às Câmaras Municipais do distrito

Em comunicado, a Distrital do PSD da Guarda refere que já tem concluído, desde o passado dia 29 do presente
mês, o processo da escolha dos candidatos às 14 Câmaras Municipais do Distrito.
Apesar da pandemia, que dificultou a mobilidade devido ao confinamento, o processo
cumpriu com todas as orientações e prazos estipulados pela Direção Nacional do
Partido.
Todo o procedimento da escolha dos candidatos foi efetuado com a responsabilidade,
seriedade, rigor e a transparência interna que um processo como este deve ter, refere
Carlos Condesso, Presidente da Distrital.
Apesar de todos os candidatos já estarem aprovados pela Comissão Política Distrital,
faltam homologar e consecutivamente apresentar apenas quatro candidatos por parte
da Comissão Politica Nacional, o que acontecerá já nos próximos dias.
Os candidatos já aprovados, homologados e apresentados pelo Partido são: António
José Machado (Almeida), Carlos Ascensão (Celorico da Beira), Carlos Condesso
(Figueira de Castelo Rodrigo), Luís Tadeu (Gouveia), Carlos Chaves Monteiro (Guarda),
Nuno Soares (Manteigas), Rui Ventura (Pinhel), Vitor Proença (Sabugal), João Carvalho
(Trancoso) e João Paulo Sousa (Vila Nova de Foz Côa). Falta apenas tornar público os candidatos a Fornos de Algodres, Mêda, Seia e Aguiar da Beira.
A Distrital tem um objetivo bem traçado, que é ganhar o maior número de Câmaras e
eleger o maior número de Presidentes de Câmara, de Vereadores, de Presidentes de
Junta e de Membros de Assembleia Municipal.

Todas as estruturas do partido estão mobilizadas e determinadas em trabalhar
arduamente para recuperar câmaras que estão nas mãos do Partido Socialista, por
forma a devolver a esperança às populações.

Carlos Condesso lamenta o atraso por parte do executivo socialista na aplicação de uma taxa turística para o Cais Turístico e Fluvial de Barca d’Alva

Em Comunicado, o vereador do PSD de Figueira de Castelo Rodrigo, Carlos Condesso,após reunião de Câmara refere que: lamentou o atraso por parte do executivo socialista na aplicação de uma taxa turística para o Cais Turístico e Fluvial de Barca d’Alva, por forma a que os operadores turísticos possam contribuir para as despesas inerentes à manutenção daquela infraestrutura e zona envolvente e para que as receitas possam também ser aplicadas em melhoramentos em todo o concelho, nomeadamente na Aldeia de Escalhão e de Barca d’Alva, bem como nos principais polos de atração turística do concelho.

Recorde-se que este Cais Turístico foi inaugurado há 18 anos e os operadores têm usufruído gratuitamente deste equipamento desde então, sem que deixem praticamente nenhum retorno na economia do concelho, apenas muito lixo e resíduos, sendo apenas uma porta de entrada para milhares de turistas, que de imediato seguem para outras paragens, nomeadamente para Espanha (Salamanca).

A aplicação desta taxa turística tem sido uma reivindicação do vereador do PSD Carlos Condesso desde o inicio do mandato, por considerar uma medida justa e necessária e que vem ao encontro das pretensões da população de Barca d’Alva, pois vê os cruzeiros apenas deixar toneladas de lixo nos contentores sem que os turistas parem ou deixem riqueza na aldeia e mesmo no concelho, para além de algumas descargas poluentes que dizem praticar no Rio Douro.

Para concluir, Carlos Condesso solicita ao executivo socialista que não deixe arrastar mais este processo que já está há quase 4 anos em estudo.

Autárquicas 21- Acordo entre PSD e CDS-PP alcançado e novos candidatos apresentados

Foi assinado na tarde desta terça feira, um acordo entre PSD e o CDS-PP que estabelece as linhas comuns de entendimento para travar as próximas eleições autárquicas. Na cerimónia de assinatura do acordo, Rui Rio sublinhou que há condições para os dois partidos, em coligação, conquistarem bastantes mais câmaras do que aquelas” que lideram neste momento. Rui Rio reafirma que o objetivo é “enfraquecer a quase hegemonia do PS no poder autárquico”. 

Seguindo uma “tradição da democracia portuguesa”, esta aliança pretende, segundo Rui Rio, juntar os melhores para estarem ao serviço das populações no poder local. “Escolher bons candidatos e fazer uma campanha como deve ser”, apontou.

Rui Rio considera que “as eleições autárquicas de 2021 são muito importantes para o PSD” e daí este acordo enquadrar compromissos comuns entre os dois partidos ao nível local, desde que com o aval prévio de ambas as direções nacionais.

Rui Rio insiste ainda no adiamento das eleições autárquicas, sabendo-se que a pandemia irá condicionar a campanha eleitoral e quando o plano de vacinação conhece contratempos. O líder do PSD entende como “prudente dar aqui uma folga para que as eleições” possam ser “totalmente transparentes” e “iguais para todos”.

O acordo autárquico nacional estabelece que “a existência de significativos pontos de convergência de que resultam um conjunto de propostas de coligação, desejadas pelos órgãos competentes dos dois Partidos, refletem o sentimento e a vontade dos eleitores”, ao mesmo tempo enaltece que “as próximas eleições autárquicas representam um marco importante na afirmação de um projeto mobilizador alternativo à maioria de esquerda que, desejavelmente, se venha a constituir num momento de viragem para a mudança”.

O acordo, que foi assinado, em representação do PSD pelo Secretário-geral e coordenador autárquico, José Silvano, define que os dois partidos “podem adiantar, até ao recebimento da subvenção pública respetiva, os fundos necessários a cada candidatura abrangida pela coligação que, em termos gerais se fixam em 80% para o partido que lidera a coligação e 20% para o outro”. A coligação irá ainda “assentar no princípio da boa gestão dos recursos financeiros, na sua racionalização e no pagamento atempado aos fornecedores”. 

Novos candidatos apresentados:

Figueira de Castelo Rodrigo – Carlos Condesso

Sabugal – Vitor Proença

Vila Nova de Foz Côa – João Paulo Sousa

Cinfães – Bruno Rocha