Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: roupa

Tag Archives: roupa

5 toneladas de roupa, calçado e brinquedos recolhidos em Fornos de Algodres

O contributo da comunidade Fornense, em 2019 ,cada vez mais em sintonia com o modelo ambiental, económico e socialmente responsável que a Câmara Municipal tem vindo a implementar e afirmar, face a isso, foram recolhidas 5 toneladas de roupa, calçado e brinquedos.

Se o estado da roupa ou calçado recolhido apresentar boas condições, os mesmos são tratados e encaminhados para os que mais carecem. Caso não seja possível esse reaproveitamento, os materiais serão reutilizados para a produção de novos têxteis e produtos de limpeza de origem têxtil.

Esta recolha implementada desde 2014, é fruto do protocolo de Economia Circular entre a Câmara Municipal e a empresa H. Sarah Trading, Lda, permitiu que até 2019 fossem desviados do aterro sanitário 30 toneladas deste tipo de resíduos.

Atualmente estão disponíveis 6 pontos de recolha no concelho;

  • Fornos de Algodres – Estaleiro Municipal
  • Juncais – Rua das Lages
  • Fornos de Algodres – Igreja Matriz
  • Fornos de Algodres – Escola Secundária
  • Figueiró da Granja – Escola Básica
  • Algodres – Salão Junta de Freguesia de Algodres

É assim de salientar a consciência sobre a sustentabilidade e a importância de construir um futuro mais limpo para as próximas gerações por parte dos munícipes.

O objetivo é claro: redesenhar o sistema económico do mundo, para que consumo não implique destruição de recursos cada vez mais escassos.

Fotos:MFA

Desempregados escolhem roupa para os filhos na loja social da Cáritas de Viseu

A loja social da Cáritas de Viseu tem roupa,
brinquedos e outros bens para a casa. É uma loja como outra qualquer, só
que ali troca-se e oferece-se, não há dinheiro à vista, e qualquer
pessoa é bem-vinda, uma vez que a loja está cheia de roupa. A Cáritas de
Viseu apela a que lhes forneçam expositores, para que possam mostrar
todo o vestuário e calçado que ali têm.

Desempregados de longa duração com origens em encerramentos de pequenas e médias empresas definem o cliente-tipo da loja social.
Eva
Pinto, de 51 anos, chega pouco antes do meio-dia à loja, praticamente
já vazia, pelo aproximar da hora de almoço, e escolhe roupa para o filho
que estuda no 12º ano. Eva está desempregada há anos demais. Vive do
rendimento social de inserção. “Trabalhei numa fabrica de calçado, em
Jugueiros. Fechou, deixaram de fabricar, entretanto  faleceram os donos e
os herdeiros não quiseram dedicar-se àquilo e venderam para lotes. Não
podia arranjar mais nada, tenho que viver de ajudas para mim e para o
meu filho”, relata à RR.

Desempregados também ajudam
A
voluntária Maria Eduarda, 59 anos, recebe quem chega. Também ela está
desempregada.”Trabalhava num escritório de contabilidade, que fechou
e, como estava em casa, vim ajudar aqui”, sorri.

“Recebo o subsidio de desemprego, mas não é muito. Vamos vivendo e ajudando”, diz com uma réstia de esperança.

Os pedidos de ajuda à Cáritas de Viseu não param de crescer. Em
Março, surgiram novos 80 casos de carência. Cerca de 800 pessoas foram o
universo de beneficiários. Destes, 157 não têm qualquer subsidio.

Na
primeira quinta-feira do mês de Junho, a Cáritas de Viseu, vai
organizar um peditório de bens alimentares, de modo a encher os sues
armazéns, vazios, de momento, ao contrário do que se vê na loja social,
que transborda de roupa e brinquedos.

Por Liliana Carona-RR