Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: Saúde

Tag Archives: Saúde

Artigo de Ana Carolina Marques—Qual a relação que existe entre o aleitamento materno com a Terapia da Fala? 

O aleitamento materno tem sido mais abordado nos últimos tempos devido aos aspetos relacionados com o crescimento e desenvolvimento da criança, nomeadamente os nutricionais, imunológicos e psicoafectivos. Os benefícios para a criança e para a mãe são múltiplos e já bastante conhecidos.

A amamentação tem uma grande importância no crescimento e desenvolvimento harmonioso das estruturas da face (o sistema estomatognático) e respetivas funções (sucção, respiração, mastigação, deglutição e fala). Uma amamentação adequada promove uma sensação de bem-estar e conforto mas também aprimora a mobilidade, postura e tonicidade dos músculos envolvidos, contribuindo para uma respiração nasal e um crescimento harmonioso da face, além de prevenir hábitos orais (chupeta ou dedo) e más oclusões dentárias.

Atualmente, o aleitamento materno é visto como um ato natural no entanto, pode não ser simples visto que depende de vários fatores clínicos e anatómicos da mãe e do recém-nascido. É comum a mãe não ter leite ou a componente nutricional/energética do mesmo sendo inferior à necessária. Por outro lado, existem mães, que apesar do desejo e condições não o fazem, porque o seu bebé pode apresentar cansaço extremo (bebés prematuros), lesões orgânicas (fendas lábiopalatinas), alterações na força de sucção ou descoordenação na respiração-sucção-deglutição.

A Terapia da Fala pode ter um papel fundamental na adequação do processo da amamentação e consequentemente na promoção de um bom desenvolvimento das estruturas orofaciais e suas funções. O Terapeuta da Fala pode ser um facilitador neste processo, intervindo na vertente muscular com o intuito de facilitar a sucção, coordenando os períodos de pausa, aumentando a oxigenação durante e após as mamadas, auxiliando na transição alimentar por sonda para via oral, entre outros objetivos.

 

 

Vantagens para o bebé:

  • Reduz o risco de otites médias comparativamente ao uso do biberão;
  • Reduz o risco de se tornar um respirador oral e de desenvolver problemas de fala;
  • Proporciona um desenvolvimento cranio-facial harmonioso ;
  • O leite materno tem os nutrientes necessários, não sendo necessário recorrer a suplementos;
  • Reduz o risco de infeções bacterianas.

Vantagens para a mãe:

  • Aumenta do vínculo afetivo mãe-bebé;
  • Reduz o risco de anemia pós-parto;
  • Evita hemorragias pós-parto;
  • Reduz o volume do útero de forma mais rápida.

 

Ana Carolina Melo Marques C-046322175

Terapeuta da Fala na APSCDFA, na Clínica Nossa Srª da Graça e na CliViseu

Artigo de Sara Morais—- ANO NOVO, NOVO “EU” E A HIPNOSE CLÍNICA

A comemoração do Ano Novo é um evento socio cultural mas, também, um íntimo despertar consciente para novas oportunidades e conquistas. Neste período, em que os dias frios nos remetem para o aconchego do lar, o leitor é convidado a refletir sobre os seus desafios, concretizações e, sobretudo, sobre as suas emoções. O ano que terminou foi desafiante, ensinou-o não só a não tomar nada como garantido, como também, a valorizar um gesto de afeto, a ser persistente, tornando-o mais consciente dos seus limites e potenciais e, certamente, mais fraterno para com o seu semelhante. Em contrapartida, e já perto das 12 badaladas, novos sonhos, desejos e objetivos ganham vida através do pensamento e motivação que os projeta e expressa pelas emoções e pelos demais rituais, superstições, cor e fogos-de-artifício, que dão corpo aos próximos 365 dias de um novo ciclo de experiências. É, exatamente, neste ponto de viragem que se inicia um novo sentido consciente.

Neste despertar, ou renovação, para uma nova vida a Hipnose Clínica oferece duas colunas de sustentação para o seu novo caminho: a prevenção e a resolução. Inicialmente, a terapêutica assenta no desenvolvimento pessoal através da compreensão das crenças limitadoras que lhe causam o depauperamento das potencialidades. O leitor adquire a compreensão e as ferramentas necessárias para controlar a expressão dos impulsos da sua mente primitiva. Seguidamente, a terapêutica trabalha o processo dedutivo e a resignificação sobre os vários eventos negativos experienciados. Após a aprendizagem da gestão emocional, são trabalhados os sonhos, a clarificação das preferências, os objetivos, a auto imagem e auto conceito. Contudo, e dado abrangência interventiva da Hipnose Clínica, o leitor terá a possibilidade de recorrer a esta terapêutica se sofrer de perturbações nervosas e emocionais, desde depressão, Borderline, TADH, Síndrome de Pânico, perdas emocionais / Luto, perturbação do sono, controlo do peso, emagrecimento, TOC, ou até mesmo, para melhorar a memória e concentração. Este tratamento permite ajustar, alterar, modificar e resignificar sentimentos, emoções, hábitos e comportamentos que estão guardados no subconsciente.

Assim, a Hipnose Clínica oferece a possibilidade de construir um novo “eu” mais consciente, ajustado e emocionalmente equilibrado para usufruir das 365 novas oportunidades.

Contudo, é importante sublinhar a sabedoria do Provérbio Chinês:“ Senão mudar a direção, terminará exatamente onde partiu”

No próximo boletim de saúde poderá verificar TOC, Hipertensão e psoríase e o respetivo papel da Hipnose Clínica.

Sara Morais

Hipnoterapeuta

Projeto de transporte “Porta-a-Porta”avança na Freguesia de Tavares

O projeto de transporte “Porta-a-Porta” é uma iniciativa da União de Freguesia de Tavares que vai agora ser posta em prática com mais facilidade, uma vez que , já receberam a nova viatura devidamente equipada para este projeto avançar, com a criação do cartão “Porta-a-Porta” vai ser mais fácil ter este serviço.

Assim trata-se de uma resposta social para melhorar as condições de transporte a serviços públicos como o hospital, centro de saúde, farmácia, correios, bancos, câmara, dos cidadãos com mobilidade reduzida.
A prioridade será para pessoas em cadeiras de rodas, pessoas incapazes de andar ou que não conseguem percorrer grandes distâncias, pessoas com dificuldades sensoriais, tais como as pessoas cegas ou surdas, e as que se apresentam transitoriamente condicionadas, como grávidas, crianças e idosos.
Para ter acesso ao cartão “Porta-a-Porta” os candidatos devem enviar para o email :freguesiadetavares@gmail.com ou entregar na sede freguesia, os seguintes documentos:
➡️ Ficha de inscrição do candidato preenchida
➡️ Documento comprovativo de residência na freguesia
➡️ Fotocópia do Bilhete de Identidade ou Cartão do Cidadão
➡️ Se aplicável, declaração médica comprovativa da mobilidade condicionada do utente.
➡️ Uma fotografia (tipo passe)
A viatura pode transportar até 8 passageiros, incluindo uma cadeira de rodas.
O transporte pode ser ocasional ou regular e funciona nos dias úteis no horário: 7h30–12h/13h30–17h. Contacte-nos para mais informações.

Artigo de Saúde de Sara Morais— Dicas sobre a Ansiedade num formato de conto…

E se, hoje, lhes roubasse um pouco de tempo e atenção, para os prender com a narrativa e consequências de um pequeno, mas interessante conto?

Era uma vez… Assim começam todos os contos, por mais simples que se apresentem os figurantes e mais complexos as cenas que venham a assumir ao longo do enredo sonhado e vivido.

Detalhemos então a situação frequente das marcas entranhadas na memória juvenil pelas recordações dos pormenores de alguns dramas conducentes ao despertar e instalação nalgumas consciências imaturas do bicho-papão da era moderna – a ansiedade.

Esta personagem monstruosa, devoradora de sonhos e da esperança, arrasta consigo o supra poder da transfiguração, conseguindo assim, a “perturbação” constante das suas vítimas.

Glutão, está sempre à espreita atraído pelas experiências e pensamentos negativos. Mas, como em todos os contos, histórias e lendas, atrai sempre também, para o equilíbrio mental acalmante, o lado oposto do pensamento.

Aqui e agora, a personagem que repõe o equilíbrio desdobra-se em várias outras figuras e circunstâncias que desenvolvem hábitos positivos para reduzir e reeducar a influência nefasta do monstro da ansiedade.

A respiração assume, então, desde logo o papel principal:

– Inicialmente descontrolada, confusa e sem direção – como uma resposta natural ao medo e à tensão.

Logo depois, algo diferente, e assume os dois supra – poderes: – a inspiração e a expiração.

Em seguida, vai começar por ir libertando os dois efeitos:

 – Primeiro inspira, vagarosamente e, só depois, expira, com a mesma lentidão…

Ao inspirar, o organismo é oxigenado e mantendo o equilíbrio; ao expirar, solta toda a tensão que serve de superfície para o “monstro” se fixar.

Em continuação, esta personagem vil, “veste-se” de mil e uma patranhas, e só a persistência de uma respiração adequada conseguirá quebrar os grilhões apertados entre o pensamento e o “bicho papão”.

Neste processo, a oxigenação do cérebro vai surgir como uma brisa suave capaz de suscitar o aparecimento do cavaleiro da paz – a imaginação – que, como vulgar mensageiro, surge para restabelecer a paz e a ordem no “reino.” A representação mental alicerça novos comportamentos e sensações capazes de combater as conceções negativas e invasoras que fizeram soar as trombetas do subsolo…

Subitamente, a ansiedade vê-se privada daquele ambiente escuro, pesado a que tanto está habituada.

 Agora, andarilha num lindo prado repleto de flores de múltiplas cores, onde o ar é puro e existe uma aparente tranquilidade que parece invadir todos os sentidos.         Entretanto, esconde-se por detrás das suas artimanhas, como se estivesse a jogar às escondidas, ficando à espreita para voltar a atacar…

 É nesse momento, que a dopamina, a endorfina e a serotonina entram em cena e, vestidas com as suas sapatilhas e roupas desportivas mais estilosas, chamam o “bicho papão” do seu esconderijo, com toda aquela boa disposição física e, sem que este se dê conta, começa a diminuir de tamanho e a retirar-se com receio de desaparecer de vez…

Porém, contudo, Desengane-se! Ainda não foi desta…Pois, este monstro é manhoso, bastando suspeitar que aquela atividade é, apenas, e só de vez em quando, que depressa aparece sem aviso nem demanda com o seu ar de escárnio e garras afiadas, para atacar novamente a segurança do reino e o trono da felicidade naquele lugar seguro.

Privado, então, do seu tamanho e força, constrói um último plano maquiavélico:

– Chegada a hora do sono, momento em que o reino / organismo recupera todas as suas funções, o bicho surge, novamente, para se vingar. Ardilosamente, afiando as suas garras, começa a produzir os mais irritantes barulhos para dificultar o adormecimento. Todas as noites, sem cessar, ele estava ali, para irritar com os seus barulhos afiados e constantes… Mas, pé ante pé, sono surge de mansinho, à mesma hora, entorpecendo-lhe os sentidos numa lengalenga sussurrada:

“Vai-te papão, vai-te embora de cima desse telhado, deixa-te dormir num soninho descansado”

 

                                                               Sara Morais – Hipnoterapeuta

Consultas 91 63 54 106

sfilipa.morais@gmail.com

 

 

Artigo de saúde de Sara Morais—Os principais tipos de transtorno de ansiedade

Circunscrever a ansiedade à comum sintomatologia: do aperto no peito, falta de ar ou taquicardia é algo comum; mas excessivamente redutor. A ansiedade compreende vários tipos de transtornos que surgem de forma diversificada e assumem, também, somatizações de formas diferenciadas.

Um dos transtornos mais comuns da ansiedade é denominado por o Transtorno de ansiedade generalizada – TAG-surge num quadro prolongado e intenso de preocupação
e stress, num período superior a 6 meses. A preocupação torna-se incontrolável, e com o passar dos dias a insegurança, o pessimismo e o medo sequestram a razão,
desenquadrando o sujeito da realidade que o cerca. Em termos sintomáticos, a TAG manifesta-se no aumento da irritabilidade, e fadiga, alteram o padrão de sono e de
apetite, aumenta a tensão muscular, o que por sua vez, promove uma diminuição persistente na capacidade de memória e concentração. As crises surgem espontaneamente e sem justificação aparente.

O transtorno de pânico é, igualmente, popular e caracteriza-se por um surto espontâneo de elevada intensidade e com um breve período de atuação. Estas crises, embora
momentâneas, provocam um desconforto físico e mental incapacitante, em que o organismo cria um comportamento de fuga perante a perceção da ameaça. Este transtorno é, então representado por um ciclo de atuação muito específico.

Inicialmente, existe uma hiperbolização do medo, que seguidamente os órgãos sensoriais captam essas informações, que são enviadas para o cérebro onde são processadas.

Nesta sequência, o sistema de alarme é ativado com as diferentes secreções hormonais e respostas fisiológicas (como já explicado nos artigos anteriores), criando as corriqueiras respostas sintomatológicas, como: a taquicardia, a sudorese, a falta de ar e consequentemente as tonturas.

Agorafobia é, também, um dos transtornos mais associados à ansiedade. Esta fobia, determina-se pelo medo intenso e, por conseguinte, a incapacidade de frequentar
espaços públicos ou locais, pela dificuldade de encontrar um ponto de fuga. Este transtorno é, frequentemente, desenvolvido após um ataque de pânico, e identificável através da sua somatização que compreende não só as tão características náuseas, como as tonturas, descompensação / descontrolo térmico, dormência dos membros superiores ou inferiores, e até mesmo dor torácica ou pressão no peito.

Em adição, o Transtorno de stress pós-traumático é, também, um dos transtornos compreendidos pela ansiedade. O TEPT surge após experiências traumáticas, muito característico em ex-combatentes, acidentados, ou até mesmo, após uma agressão sexual. Neste enquadramento, a pessoa vai apresentar vários tipos de sintomas, desde pensamentos persistentes sobre o evento traumático, isolamento, comportamento esquivo, amnésia dissociativa, perturbação do sono, diminuição da concentração, híper vigilância, irritabilidade e impulsividade.

Destes tipos de ansiedade mais conhecidos, acrescem também alguns transtornos menos conhecidos como o Mutismo seletivo. Este tipo de transtorno é, normalmente, desencadeado na infância, e consta da dificuldade da criança em comunicar, em ambientes estranhos ou com pessoas que não tenha um relacionamento frequente, como os familiares diretos, exibindo uma espécie de timidez que é comummente desvalorizado. Esta desordem psicológica é, recentemente, retratada no livro “Os quês de Maria Inês” um conto infantil, que alerta e esclarece sobre esta pseudo timidez e transmite exercícios em como ultrapassar este tipo de ansiedade.

Estes são apenas alguns dos tipos de ansiedade, no entanto existem muitos outros que podem condicionar o seu dia-a-dia e a sua qualidade de vida.

No próximo boletim de saúde não perca as dicas para controlar a sua ansiedade.

Sara Morais – Hipnoterapeuta

Consultas 912 583 244

sfilipa.morais@gmail.com

Candidatura “Todos Por Fornos, Fornos para todos” propõe melhorias na oferta dos cuidados de saúde na localidade

Em comunicado, depois da Assembleia Municipal, a candidatura “Todos Por Fornos, Fornos para todos” refere que: “desafia o Presidente da Câmara Municipal a unir esforços para uma melhor oferta dos cuidados de saúde dos utentes de Fornos de Algodres.

Na Assembleia Municipal de hoje, e embora inicialmente a mesa da Assembleia tivesse aceite o requerimento, a bancada Socialista, não permitiu que fosse discutido um tema de relevada importância para os Fornenses.
Cientes de que por se tratar de uma Assembleia extraordinária, o assunto não poderia ser incluído na ordem do dia, tomámos esta iniciativa enquanto cidadãos, uma vez que estavam reunidos naquela sala os órgãos mais importantes do nosso concelho e esse assunto não pode, nem deve, esperar mais!
Posto isto, remetemos este assunto imediatamente para o Sr. Presidente da Câmara Municipal pela via formal, com o seguinte teor:

– A oferta de cuidados de saúde no Concelho de Fornos de Algodres tem sido privada em alguns dias, nomeadamente aos fins-de-semana, tendo havido um conjunto de relatos preocupantes sobre o funcionamento do centro de saúde de Fornos de Algodres, no que se refere à carência de profissionais de saúde.

Neste seguimento, e tendo em conta que o período de campanha eleitoral autárquica foi há bem pouco tempo, recordamos que o Sr. Secretário de Geral do PS e Primeiro-Ministro, em final de mandato, Dr. António Costa, referia que o voto no Partido Socialista nessa eleição facilitava a ligação ao poder central, sendo o PS o partido do governo.

Nesta senda, gostaríamos de questionar o Sr. Presidente da Câmara Municipal se já usou toda a sua influência com o seu cartão de militante socialista, junto do Ministério da saúde, uma vez que tinha sido deixada a ideia de que para o PS tudo seria mais célere.

Para além disso, e no seguimento do solicitado pelo Sr. Presidente no passado dia 8 de novembro, a bancada da candidatura “Todos Por Fornos, Fornos para todos”, em articulação com a vereadora Joaquina Domingues, remeteu diversas sugestões para o quadriénio 2021/2025, nas mais diversas áreas. Quanto ao tema da Saúde, mais especificamente, defendeu a reivindicação de mais médicos e enfermeiros para o centro de saúde de Fornos de Algodres, garantindo que não voltaríamos a ter o seu encerramento aos fins de semana, situação que infelizmente se verificou neste último.
Será importante ainda frisar que o Sr. Presidente aclamou nos seus comícios, nas últimas eleições autárquicas que a oposição do PSD era fraca e até nula. Tendo em conta o descrito acima, parece mais que o Sr. Presidente ignora as propostas e as preocupações do partido da oposição.

Considerando que este tema é de extrema importância para toda população do Concelho, gostaríamos de reforçar que esta bancada da Candidatura TODOS POR FORNOS, FORNOS PARA TODOS, se encontra totalmente disponível para que de uma forma conjunta, possamos marcar uma posição forte, junto da ULS da Guarda, da ARS Centro e ministério da saúde. O facto de sermos um Concelho do interior não pode significar a privação de acesso aos cuidados de saúde de toda a nossa população, ainda para mais, sendo bastante envelhecida, não apenas os residentes, mas também cidadãos de outros concelhos, nas nossas IPSSs. Daí a necessidade premente de serem assegurados os cuidados primários de saúde.

Desta forma, disponibilizamo-nos, para em articulação com o Município, as Juntas de Freguesia, as IPSSs, os responsáveis político-partidários locais e distritais, a realizar um manifesto para ser apresentado às entidades responsáveis supra referidas, com o nosso desagrado de como a população de Fornos de Algodres está a ser descriminada relativamente à oferta dos cuidados de saúde primários.”

 

SRCentro:Webinar Saber+2.0: Humanitude

Saber+2.0: Webinar Humanitude irá decorrer nesta quarta-feira, das 21h às 23h, através da plataforma online Cisco Webex. Vai ser organizada pela Secção Regional do Centro (SRCentro) da Ordem dos Enfermeiros (OE) .

O termo Humanitude foi utilizado pela primeira vez em 1980 por Klopfenstein, jornalista suíço. Mas como conceito antropológico deve-se a Jacquard, geneticista francês, para quem Humanitude é o contributo das dádivas que os homens deram e continuam a dar uns aos outros, desde que têm consciência de ser. Jacquard evidenciou a importância do estar em relação com o próximo, sendo essa a razão pela qual o cerne da filosofia está assente na relação de cuidados.

Tendo por base o conceito de Humanitude, Yves Gineste e Rosette Marescotti, desenvolveram a Metodologia de Cuidados Humanitude (MCH), partindo da observação da prática, a assimilação de conhecimentos provenientes de várias áreas do conhecimento e a integração de princípios da filosofia Humanitude. Esta assenta em três pilares relacionais: o olhar, a palavra e o toque, e o pilar identitário a verticalidade. A profissionalização destes pilares, e a apropriação de um conjunto de procedimentos técnico-relacionais possibilitam a operacionalização da humanização dos cuidados.

Phaneuf considera que, dada a sua riqueza, esta metodologia deveria ser aplicada nos cuidados gerais, independentemente da idade da pessoa cuidada e dos seus problemas de saúde. No entanto, tendo em conta a pessoa em situação de vulnerabilidade, fragilizada pela doença, nomeadamente com alterações cognitivas, a utilização da MCH proporciona um aumento da aceitação dos cuidados, havendo uma diminuição dos comportamentos de agitação.

Esta sessão online tem como grandes objetivos dar a conhecer a investigação desenvolvida sobre Humanitude e a partilha de experiências por parte de instituições que têm desenvolvido projectos nesta área. Liliana Henriques, Enfermeira e Formadora do Instituto Gineste Marescotti Portugal – Cuidados Humanitude®; João Pärtel Araújo, Enfermeiro, Co-fundador do Instituto Gineste Marescotti Portugal – Cuidados Humanitude® e Coordenador Pedagógico internacional da Humanitude Formations; e Tânia Gomes,Assistente Social e Directora da Quinta Alegre, Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI) da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), são os prelectores deste webinar.

Vera Bizarro, Enfermeira Especialista em Enfermagem Comunitária naUnidade Cuidados na Comunidade (UCC) Coimbra Saúde e Vogal Conselho de Enfermagem Regional da SRCentro, será a moderadora do evento.

Este Webinar, com atribuição de 0,35 Créditos de Desenvolvimento Profissional, é aberto a todos os enfermeiros e estudantes de enfermagem com interesse pela temática, sendo a inscrição gratuita, mas obrigatória no Balcão Único AQUI.

Primeiros munícipes de Figueira de Castelo Rodrigo operados às cataratas

Artigo de Sara Morais— Ansiedade: Um Mundo sem tempo

II Reações comportamentais, cognitivas e sociais

 

Dentro do compasso das 24 horas, o indivíduo é repartido pela métrica do tempo para os vários afazeres e atividades que ocupam a sua esfera mental e física numa consciência funcional e temporal. Contudo, quando o espaço mental é invadido por sentimentos de apreensão, angústia e incerteza, a consciência mergulha numa excessiva projeção futura, num mundo atemporal, em que os “Se” se tornam pilares do medo desenquadrado da realidade.

E, é nesta pressa de viver, que o Sistema Nervoso Central é submerso nas diversas alterações fisiológicas, verificadas no artigo de opinião anterior, dando espaço à protagonização das diferentes reações comportamentais, cognitivas e sociais.

As alterações comportamentais mais evidentes são a impulsividade, a hiperatividade motora e a agressividade. Numa situação de stress, a ação da Amígdala torna-se hiperativa, e alerta todo o organismo para a presença de uma ameaça. Este alerta dispara níveis excessivos da sensação de medo e de preocupação. A informação é, seguidamente, captada pelas glândulas suprarrenais, que providenciam a produção elevada de adrenalina e cortisol como resposta de combate à ameaça. Neste processo, a atividade aumentada do sistema límbico vai criar as condições perfeitas para o individuo tenha comportamentos impulsivos e, ou também, agressivos.

O disparo do sistema límbico vai alterar o modo como a informação é processada pelo neocortex – área cerebral encarregue do pensamento e memória. A diminuição do funcionamento cognitivo vai originar alterações cognitivas como a preocupação excessiva, a dificuldade na concentração e até a perturbação do sono.

À medida que a somatização interna é proliferada, o individuo começa a desenvolver reações sociais. O sentimento de medo e de incapacidade, vai proporcionar a dificuldade em manter uma conversa ou discurso fluído, assim como complicação em expor ideias, evitando, gradualmente, o contacto social, como um subterfugio.

No próximo boletim de saúde será explanado os vários tipos de transtornos de ansiedade.

 

 

Sara Morais – Hipnoterapeuta

Consultas 912 583 244

sfilipa.morais@gmail.com

Artigo de Ana Carolina Marques—Afasia, Disartria e Disfagia

Estes conceitos acabam por ser três nomes estranhos mas ambos são as patologias mais frequentes após um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e é o Terapeuta da Fala, o profissional de saúde, apto para intervir e reabilitar as mesmas.

Embora a Terapia da Fala seja uma atividade profissional relativamente recente e desconhecida em Portugal, devido à diversidade das suas áreas de intervenção tem vindo a ganhar destaque e um conhecimento alargado dentro da comunidade e como tal a sua importância, benefícios e pertinência são cada vez mais procurados e reconhecidos pela população. O papel do Terapeuta da Fala já é conhecido nas crianças, principalmente ao nível da linguagem, fala e leitura/escrita, mas é ao nível das perturbações em idade adulta que se encontram as maiores dúvidas quanto à atuação.

Enquanto profissional de saúde, o Terapeuta da Fala é capaz de intervir em perturbações pós AVC, em doenças degenerativas como Parkinson, Esclerose Lateral Amiotrófica e Esclerose Múltipla, em perturbações vocais como Nódulos e Pólipos entre outras… A Terapia da Fala é assim a especialidade médica, integrada na medicina física e de reabilitação que se dedica à prevenção, avaliação, diagnóstico, tratamento e estudo científico da comunicação humana e das perturbações a ela associadas.

Estas perturbações podem ser ao nível da fala e da linguagem mas também relacionadas com as funções auditivas, visuais, cognitivas, oro-muscular, respiratórias, de deglutição, voz e comunicação. Além da diversidade de patologias em que pode intervir, também está apto a atuar em todas as faixas etárias, desde o nascimento até à idade adulta e em diferentes contextos, como hospitais, escolas, clínicas privadas, lares e domicílios.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, que define a saúde não só como a ausência de doença mas sim como um estado de completo bem-estar físico, mental e social, o Terapeuta assume um papel fundamental no desenvolvimento global, na reabilitação e na prevenção de patologias, que independentemente da mesma, o acompanhamento precoce é fundamental e essencial para a recuperação do utente, evitando agravamentos do problema e potencializando a eficácia da intervenção.

Em suma, o principal objetivo é potencializar a funcionalidade, aumentar as competências, melhorar a qualidade de vida do utente e fornecer dicas e estratégias para que todo o percurso de desenvolvimento seja o mais normativo possível.

Ana Carolina Melo Marques C-046322175

Terapeuta da Fala na APSCDFA, na Clínica Nossa Srª da Graça e na CliViseu