Templates by BIGtheme NET
Início » Mangualde (Pagina 30)

Mangualde

“Herança e Legado, o nosso Património” lançado pela União de Freguesias de Tavares

Nada melhor que assinalar o Dia de Portugal e das Comunidades com o  lançamento de uma coleção “Herança e Legado, o nosso Património” composta por vinte e oito edições que contempla o património religioso, arquitetónico e cultural da freguesia. Esta uma iniciativa da União de Freguesias de Tavares que assim vai poder levar a todos através desta coleção , todas as tradições, os usos e costumes desta comunidade das Terras de Tavares ao longo dos anos.

Mangualde apresenta Mostra Social Virtual

De dois em dois anos realiza-se em Mangualde a Mostra Social – Mostra de Serviços de Apoio Social e Potencialidades do Concelho de Mangualde, com o intuito de promover e de valorizar as diversas ofertas sociais que o Município mangualdense possui. Este ano, tendo em conta o contexto pandémico vivido, a mostra será virtual com uma forte oferta digital. Decorre de 13 a 19 de junho, nas redes sociais da Câmara Municipal, sempre de participação gratuita.

O objetivo da Mostra Social Virtual é divulgar a oferta social existente no concelho, promovendo as atividades das instituições, os seus mecanismos de intervenção e a cooperação institucional, valorizar e divulgar os serviços e os projetos existentes na área social no município, promover o seu conhecimento junto da população e reforçar e consolidar a cultura de rede e de parcerias abertas e eficazes.

Assim , Maria José Coelho, vereadora da Ação Social sublinha que “apesar do momento excecional que vivemos não nos permitir estar juntas/os, não pudemos deixar de marcar presença com uma Mostra Virtual. O nosso maior objetivo é homenagear, divulgar, valorizar e reconhecer todos os parceiros da Rede Social no sentido de promover as atividades das instituições, os seus mecanismos de intervenção e toda a cooperação e meritório trabalho institucional, bem como todas as atividades e projetos do setor social deste município”.

Esta Mostra Virtual vem mostrar e relembrar o sucesso das duas últimas edições, um trabalho de grande proximidade na comunidade com o objetivo de bem fazer pelo bem comum, atestado pelos momentos recentemente vividos no âmbito do COVID 19. A Rede Social esteve sempre presente nestes momentos difíceis de apoio e ajuda a quem mais precisou”, destacou ainda Maria José Coelho.

Aqui deixamos o programa para a comunidade seguir e ouvir:

13 de junho, sábado

Início Mostra Social Virtual

– Vídeo – divulgação de vídeo nas redes sociais do município

. Programa da Mostra Virtual

. Mensagem Vereadora da Ação Social

. Apresentação dos serviços de Ação Social da CMM

 

15 de junho, segunda-feira

  • 9:00

Mostra Social Virtual – divulgação de vídeo nas redes sociais do município

. Gabinete de Psicologia do Município – “Emoção e Sentimento”

. Bons Velhos Tempos – Animação Sénior em Itinerância

. Pontos e Encontros

 

16 de junho, terça-feira

  • 9:00

Mostra Social Virtual – divulgação de vídeo nas redes sociais do município

. 5 sentidos

. ACAPO

. APPDA

. Associação Social Cultural e Recreativa da Freixiosa

 

  • 14.00

Workshop “Autismo em Casa”

. APPDA

Local: Por videoconferência, através da plataforma Microsoft Teams

Inscrições: Gratuitas, mas deverão ser formalizadas através do preenchimento do formulário de inscrição (aqui) ou através do e-mail sara.saraiva@cmmangualde.pt

 

Apresentação: Esta apresentação terá como objetivo principal passar algumas estratégias práticas aos pais e cuidadores de crianças e jovens com PEA durante este tempo de confinamento. Para além das mudanças drásticas na rotina, que por si só representam um potenciador enorme de comportamentos disruptivos, todo o stress adicional da situação atual e o aumento do tempo passado juntos também contribuem para um aumento nos desafios diários. Algumas sugestões e explicações ajudaram a perceber melhor o impacto que o comportamento do adulto tem no comportamento da criança ou jovem, e como pequenas mudanças podem ajudar a gerir uma situação complexa e torná-la mais fácil para todos.

 

Apresentador: A Nicole Dias concluiu a sua licenciatura em Psicologia Clínica, no ISPA (Instituto de Psicologia Aplicada), em Lisboa, em 2005. É membro da Ordem dos Psicólogos Portugueses, especializada em Psicologia Clínica e Psicologia da Educação. Em 2006 ela juntou-se à primeira equipa ABA em Portugal. Depois, em 2008 a Nicole cofundou o Centro ABA e posteriormente, em 2013, a Nurture and Nature, empresa da qual ainda é diretora técnica.  Concluiu o seu mestrado em Psicologia Clínica em 2010 e terminou a sua qualificação em Análise Comportamental, através do FIT (Florida Institute of Technology) em 2013.

A Nicole trabalha com atrasos globais do desenvolvimento, maioritariamente autismo, preferindo intervir no contexto natural em parceria com pais e professores. A sua experiência nesta área ultrapassa 15 anos de dedicação e formação. Para além de implementar intervenções e supervisionar equipas clínicas, ela presta consultoria, faz formação e dedica o seu tempo à divulgação e promoção da Análise Comportamental em Portugal. Presta consultoria e formação à APPDA-Viseu.

 

17 de junho, quarta-feira

  • 9:00

Mostra Social Virtual – divulgação de vídeo nas redes sociais do município

. Centro Paroquial da Cunha Baixa

. Centro Paroquial de Alcafache

. Centro Social Cultural da Paróquia de Mangualde

 

 

 

18 de junho, quinta-feira

  • 9:00

Mostra Social Virtual – divulgação de vídeo nas redes sociais do município

. Centro Social Paroquial de Abrunhosa a Velha

. Centro Social Paroquial de Chãs de Tavares

. EAPN

 

  • 18:30

Workshop “Como motivar os miúdos para as aprendizagens escolares fazendo uso das novas ferramentas!”

. Cinco Sentidos – Espaço de Reabilitação e Intervenção Psicoeducacional

Local: Por videoconferência, através da plataforma Zoom

Inscrições: Gratuitas, mas deverão ser formalizadas através do preenchimento do formulário de inscrição (aqui) ou através do e-mail sara.saraiva@cmmangualde.pt

Público Alvo: para pais, professores e todos os interessados

 

Apresentação: Esta formação tem como objetivo a partilha de ferramentas que promovam a leitura, escrita, matemática e raciocínio lógico-dedutivo de forma apelativa, significativa e interativa.

Serão exploradas algumas aplicações para o telemóvel, alguns softwares educativos e plataformas digitais, grátis, que permitem a criação de jogos engraçados para tornar as aprendizagens mais divertidas

 

Apresentador: Teresa Sousa

 

19 de junho, sexta-feira

  • 9:00

Mostra Social Virtual – divulgação de vídeo nas redes sociais do município

. IPDJ

. Núcleo Pais em Rede

. Obra Social Beatriz Pais Raul Saraiva

. Rotary Club de Mangualde – Universidade Sénior

. Santa Casa da Misericórdia de Mangualde

 

  • 14.00 – 16h00

Workshop “Envelhecimento, Doença Mental e a Prestação de Cuidados às Pessoas Idosas: O Estatuto do Cuidador Informal”

. EAPN

Local: Por videoconferência, através da plataforma Zoom – inscrição obrigatória

Inscrições: Gratuitas, mas deverão ser formalizadas obrigatoriamente até ao próximo dia 12 de junho, através do preenchimento do formulário de inscrição (aqui) ou por e-mail sara.saraiva@cmmangualde.pt

Público Alvo: Técnicos das Áreas das Ciências Sociais e Humanas e de Ação Social, Cuidadores Formais e Informais;

 

Apresentação: O envelhecimento é um processo que acontece ao longo de toda a existência do indivíduo, e que é influenciado não só pelas características inatas e biológicas do ser humano, mas também de toda a conjuntura ao seu redor, contribuindo para que o percurso de cada pessoa seja único. Em cada fase do seu ciclo de vida vão acontecer mudanças, perdas e ganhos, que cada pessoa tenderá a superar. Todavia, a última fase deste ciclo, a velhice, pode trazer desafios acrescidos, advindos das múltiplas perdas e declínios que se poderão fazer sentir. A doença mental e os problemas neurológicos em fases avançadas de vida são uma realidade da qual a sociedade não se pode alhear, uma vez que muitas das pessoas com este tipo de patologias poderão necessitar dos cuidados de outrem durante um longo período de tempo, como é comum em situações de demências, por exemplo. Até agora, quer as pessoas cuidadas quer os seus cuidadores informais, não tinham um estatuto próprio e poucas eram as medidas de apoio a que tinham acesso. Neste momento, um conjunto de legislação está em publicação de modo a que se criem respostas mais adequadas para colmatar as necessidades destas pessoas. Com esta Oficina pretende-se dar uma noção sobre o Estatuto do Cuidador Informal, partindo das necessidades que as pessoas idosas e os seus cuidadores manifestam a partir da sua experiência de cuidar.

 

Objetivos Gerais:

  • Reconhecer o Envelhecimento enquanto um processo contínuo ao longo da vida;
  • Compreender a velhice enquanto última fase do Ciclo de Vida do indivíduo e as suas tarefas desenvolvimentais;
  • Sensibilizar para a possibilidade de existência de problemas de saúde mental nas pessoas idosas;
  • Dar a conhecer as implicações que os problemas de saúde mental podem ter a nível da autonomia e da funcionalidade das pessoas de mais idade;
  • Elucidar sobre o Estatuto do Cuidador Informal.

 

Conteúdos:

  • Envelhecimento e velhice: uma fase de mudanças na vida dos indivíduos;
  • Problemas de saúde mental mais comuns na velhice;
  • Desafios da prestação de cuidados às pessoas de mais idade;
  • O Estatuto do Cuidador Informal.

 

Metodologia:

– Exposição oral, diálogo e debate de ideias relacionadas com o tema.

 

-Dinamizador(a): Emília Vergueiro

  • Mestre em Psicologia pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra; Psicóloga Especialista nas áreas de Psicologia Clínica e da Saúde e de Psicogerontologia pela Ordem dos Psicólogos Portugueses; pós-graduada em Neuropsicologia Clínica – do diagnóstico ao Tratamento, e em Intervenção Neuropsicológica – Avaliação e Reabilitação; Psicoterapeuta com Especialização em Psicoterapias Construtivistas pela Sociedade Portuguesa de Psicoterapias Construtivistas. Técnica do Centro de Apoio Alzheimer Viseu desde 2015, onde acompanha cuidadores (formais e informais) e pessoas com demência e seus familiares.

Na Mostra Social, o Município conta com as seguintes entidades parceiras: Agrupamento de Escuteiros 299 Mangualde; AMARTE; APPDA; Associação de Cegos e Amblíopes de Portugal – ACAPO; Associação de Promoção Social, Cultural e Desportiva de Fornos de Algodres; Rotary Club de Mangualde – Universidade Sénior; Associação De Solidariedade De Contenças de Baixo; Associação Social Cultural e Recreativa da Freixiosa; Centro Paroquial de Alcafache; Centro Paroquial de Cunha Baixa; Centro Paroquial de Santiago de Cassurrães; Centro Social Cultural Paroquial de Mangualde; Centro Social Paroquial de Abrunhosa-a-Velha; Centro Social Paroquial de Chãs de Tavares; Centro Social Paroquial de Fornos de Maceira Dão; Conferência S. Vicente de Paulo; Cruz Vermelha Portuguesa – Delegação de Mangualde; EAPN – Portugal (Rede Europeia Anti Pobreza); Espaço de Reabilitação e Intervenção Psicoeducacioal – 5 Sentidos; Fraternidade Nuno Álvares; Grupo de Voluntariado da Liga Portuguesa Contra o Cancro – Mangualde; Instituto do Emprego e Formação Profissional – IEFP; Instituto Português do Desporto e da Juventude – IPDJ; Núcleo Pais em Rede – Mangualde; Obra Social Beatriz Pais, Raúl Saraiva; e Santa Casa da Misericórdia de Mangualde.

Piscinas exteriores em Mangualde abrem dia 15 junho

A partir da próxima segunda-feira (dia 15) passam a estar abertas as piscinas exteriores do complexo das Piscinas Municipais de Mangualde. As piscinas vão estar abertas ao público até ao dia 30 de agosto, de segunda-feira a domingo (inclusive feriados), das 10h00 às 19h00.

É fundamental o respeito pelas regras da Direção Geral de Saúde (DGS), mantendo o distanciamento físico de 2 metros, cumprindo a etiqueta respiratória e respeitando a sinalética existente no local. A lotação máxima inicial é de 200 pessoas.

 O preço das entradas é variável em função da faixa etária: crianças até aos 5 anos (grátis); crianças dos 6 aos 17 anos (3,15€/dia); a partir dos 18 anos (4,45€/dia); e reformados (2,85€/dia). Preços especiais para a aquisição de 10 entradas, mais informações em www.cmmangualde.pt

As piscinas exteriores situam-se num grande espaço relvado, com e sem sombra, e são compostas por uma piscina grande (35m x 12m e 480m2), um tanque infantil (19m x 8m e 152 m2), um tanque de receção (8m x 7m e 56m2) e dois escorregas. No espaço existe, ainda, um quiosque de apoio aos utentes.

Foto:MM

PSD solicita ao Governo apoios extraordinários para os agricultores

Em comunicado, o PSD solicita apoios para os agricultores devido à queda de granizo resultante da trovoada forte nas regiões do Norte e Centro do país arruinaram as culturas anuais e permanentes nos sectores da fruticultura e viticultura e, nalguns casos, comprometeram a produção agrícola em 2020 e nos anos seguintes.

Nesse sentido, os deputados do PSD acabam de entregar no Parlamento um projeto de resolução que recomenda ao Governo que “disponibilize apoio financeiro de emergência aos agricultores afetados por esta intempérie, de forma a minorar os prejuízos decorrentes da destruição na produção agrícola”.

Na iniciativa, o PSD sublinha que “este fenómeno climatérico veio agravar ainda mais as produções de prunóideas (ameixeiras, cerejeiras, pessegueiros, damasqueiros) em 2020, que já registavam quebras de produção (toneladas) face a média dos anos anteriores, e na cereja foi superior a 70%”. No caso das pomóideas (culturas de pomos, como maçãs, peras e nêsperas) e da vinha “sofreram igualmente prejuízos ao nível do fruto, embora não maturado, comprometendo as suas produções agrícolas nos meses de verão, bem como as explorações de frutos de baga (mirtilo)”.

O PSD lembra que o temporal de domingo “destruiu ainda as hortícolas em explorações pequenas e familiares, representando um problema grave na economia local e um risco para o território, mais exposto ao abandono, à falta de coesão territorial e à perda de biodiversidade ambiental”.

Recorde-se que o ano de 2020 tem sido também caraterizado por um conjunto de novos desafios com implicações no sector do agroalimentar, como “as alterações profundas que a pandemia, causada pela covid-19, provocou ao nível da oferta e procura de certos alimentos, a par de novas e exigentes condicionantes no sistema produtivo e na incerteza quanto ao investimento futuro”.

“Perante a gravidade das situações causadas pela destruição climatérica e as consequências futuras na economia das regiões, o grupo parlamentar do PSD considera que o Governo deve acompanhar e avaliar os melhores instrumentos financeiros e administrativos disponíveis para intervir, no sentido de minorar os impactos sociais e económicos a nível territorial e nacional. O PSD, defensor de um sistema de seguros agrícolas adequados às inúmeras produções e tipo de explorações, considera que os fenómenos climatéricos como este devem motivar a política pública a reforçar os instrumentos nacionais e comunitários (ao nível do PDR 2020 e do futuro QCA) que promovam a adesão ao sistema de seguros agrícolas e fundos mutualistas, tornando-os mais universais e consequentemente mais atrativos para os agentes”, referem.

No projeto de resolução, o PSD defende, além do apuramento exaustivo dos prejuízos causados pelo temporal de 31 de maio em regiões do Norte e Centro, a possibilidade de o Governo “criar uma linha de crédito bonificada direcionada para os produtores das regiões mais afetadas pela intempérie”.

Os deputados social-democratas propõem ainda medidas de caráter “fiscal”, nomeadamente a isenção de contribuições para a Segurança Social “durante um determinado período de tempo” para estes agricultores e a captação de “instrumentos de gestão de crise e de risco robustos financeiramente adequados à realidade nacional” no âmbito das negociações da Política Agrícola Comum (PAC).

O PSD recomenda:

  1. Proceda de forma célere a um levantamento exaustivo dos prejuízos causado pelo temporal de 31 de maio em regiões do Norte e Centro do país, nas diversas produções agrícolas;
  2. Avalie e estude a possibilidade de declarar a situação de calamidade pública para as principais regiões afetadas pela tempestade e consequentemente mobilize os instrumentos necessários;
  3. Disponibilize um apoio financeiro de emergência aos agricultores afetados por esta intempérie, de forma a minorar os prejuízos decorrentes da destruição na produção agrícola e a apoiar a reposição do potencial produtivo, através dos atuais programas comunitários em vigor (PDR 2020), nomeadamente nas medidas 6.2.1. e 6.2.2. (prevenção de calamidade e catástrofes naturais e reposição do potencial produtivo);
  4. Pondere a possibilidade de criar uma linha de crédito bonificada direcionada para os produtores das regiões mais afetadas pela intempérie que tenham de repor o potencial produtivo;
  5. Avalie a possibilidade de isentar os produtores agrícolas afetados na totalidade do seu rendimento agrícola por esta intempérie de contribuições para a Segurança Social durante um determinado período de tempo;
  6. Defenda no âmbito das negociações da PAC instrumentos de gestão de crise e de risco robustos financeiramente e adequados à realidade nacional.

União das Freguesias de Tavares coloca quatro dezenas de dispensadores para a comunidade

A União das Freguesias de Tavares, no âmbito do plano de contingência de combate à COVID 19, instalou mais de 4 dezenas de dispensadores para desinfeção nos espaços públicos, de prestação de serviços e comerciais da freguesia.

Uma iniciativa que a comunidade agradece, pois é uma medida que ajuda ao combate da pandemia Covid-19.

Fotos: UFT

CDS questiona Governo sobre supressão de ligações do comboio intercidades na Linha da Beira Alta

Numa pergunta dirigida ao Ministro das Infraestruturas e Habitação, os deputados do CDS João Pinho de Almeida e João Gonçalves Pereira querem saber a justificação para a supressão de ligações do intercidades na Linha da Beira Alta.

Os deputados do CDS querem que o ministro confirme a supressão de três ligações do comboio intercidades da Linha da Beira Alta, duas no sentido Lisboa-Guarda e uma no sentido Guarda-Lisboa, e questionam se é verdade que a decisão foi tomada sem qualquer consulta prévia, ou sem ter sido dado conhecimento, às entidades locais e regionais.

Pergunta depois se o ministro confirma que a supressão das referidas ligações é uma situação transitória, em resposta à emergência sanitária que atravessamos, e se a justificação para esta decisão é técnica, de saúde pública, ou outra, e em qualquer dos casos, qual é essa justificação.

Finalmente, João Pinho de Almeida e João Gonçalves Pereira querem saber qual a previsão temporal, concreta ou, caso não seja possível, aproximada, para a reposição das ligações suprimidas.

Na sua edição online de ontem, o Jornal do Centro dá conta de que a CP – Comboios de Portugal suprimiu três ligações do comboio intercidades na Linha da Beira Alta, duas no sentido Lisboa-Guarda e uma no sentido Guarda-Lisboa.

Esta decisão é, lamentavelmente, mais uma de muitas que discrimina negativamente dois dos mais importantes distritos do Interior e da região Centro – Viseu e Guarda –, e num momento dos mais difíceis dos últimos anos, em que o país precisa de políticas ativas de discriminação positiva em reforço da coesão territorial e não de políticas que cavem ainda mais o fosso entre Litoral e Interior.

Trata-se, também, de uma enorme contradição entre o discurso do Governo do Partido Socialista, que supostamente valoriza o Interior e a coesão – até com a criação de um ministério –, a aposta na Ferrovia e o combate às alterações climáticas, através da promoção de alternativas ao transporte automóvel, e a prática desse mesmo Governo que vai totalmente ao arrepio desse discurso.

E mais uma vez a decisão foi tomada sem que as entidades locais e regionais fossem previamente informadas.

Hoje mesmo, durante uma passagem por Viseu, e quando confrontada com esta decisão, a Senhora Ministra da Coesão Territorial afirmou que se trata de uma «situação transitória, em resposta à emergência sanitária que atravessamos», mas não deu qualquer justificação técnica ou de saúde pública adicional e pormenorizada, nem tão pouco qualquer previsão temporal, concreta ou sequer aproximada, para a reposição das ligações suprimidas.

O CDS-PP não aceita a supressão ligações em causa, necessárias às populações servidas pela Linha da Beira Alta, e à falta de explicações claras, acha necessário e urgente obter esclarecimentos do Senhor Ministro das Infraestruturas e Habitação.

AHRESP faz inquérito às empresas do alojamento turístico e da restauração e bebidas

A AHRESP realizou mais um Inquérito às empresas do alojamento turístico e da restauração e bebidas. O Inquérito decorreu entre 31 de maio e 3 de junho de 2020, tendo obtido 1.510 respostas válidas.

Aqui ficam as principais conclusões  no setor de Restauração e Bebidas:

-Reabertura- 36% das empresas de Restauração não reabriram a 18 de maio

-Faturação

  • 45% das empresas que reabriram têm registado uma faturação média abaixo dos 10%;
  • Quase 60% das empresas perspetivam faturar até 10.000€ em junho;
  • 36% das empresas ponderam avançar para insolvência
  • Lay-off
  • 21% das empresas ainda não tinham recebido o apoio da Segurança Social referente ao primeiro pedido de lay-off;
  • 62% das empresas não vão conseguir pagar salários em junho, se não tiverem apoio do lay-off no mês corrente.
  • -Salários e Emprego
  • 16% das empresas não conseguiram pagar salários em maio;
  • 18% do setor da restauração não vão conseguir manter os postos de trabalho até ao final do ano.
  • Apoios Financeiros
  • 33% das empresas que recorreram a financiamento e têm o processo aprovado, referiram ainda não ter o dinheiro disponível;
  • 28% das empresas não conseguiram aceder ao Programa ADAPTAR porque as candidaturas já estavam encerradas.

Principais conclusões – Alojamento Turístico:

  1. Reabertura
  • 70% do setor do alojamento encerrou por culpa da COVID-19.

 

  1. Faturação
  • Mais de 43% das empresas não conseguem perspetivar qualquer volume de faturação nos meses de junho a setembro;
  • 30% das empresas esperam uma taxa de ocupação máxima de 25% para os meses da época alta (julho a setembro);
  • 18% das empresas ponderam avançar para insolvência.
  1. Lay-off
  • 30% das empresas não tinham recebido o apoio da Segurança Social referente ao primeiro pedido de lay-off;
  • 50% das empresas do alojamento turístico que vão prorrogar o lay-off até junho não vão conseguir pagar salários neste mês se não tiverem apoio do lay-off.
  1. Salários e Emprego
  • 32% das empresas não conseguiram pagar salários em maio;
  • 14% do alojamento turístico não vão conseguir manter os postos de trabalho até ao final do ano.
  1. Apoios Financeiros
  • 35% das empresas que recorreram a financiamento e têm o processo aprovado ainda não têm o dinheiro disponível;
  • 18% do alojamento turístico não conseguiram aceder ao Programa ADAPTAR porque as candidaturas já estavam encerradas. Consulte o Site

Clean & Safe Restauração – O Turismo de Portugal, em parceria com a AHRESP, organizou um Programa de formação on-line do Selo “Clean & Safe” que tem neste momento três horários disponíveis entre os dias 4 e 5 e junho. O objetivo é contribuir para a implementação dos procedimentos que as empresas deverão assegurar para garantir que a sua atividade é realizada nas melhores condições de limpeza e higiene, gerando confiança nos colaboradores e nos clientes. Consulte o Site AHRESP.

 Clean & Safe Açores – A Secretaria Regional da Energia, Ambiente e Turismo, através da Direção Regional do Turismo, anunciou a abertura das inscrições para adesão ao selo “Clean & Safe Açores”, cuja atribuição tem por base o Manual de Boas Práticas COVID-19, disponibilizado por módulos temáticos, e que incorpora contributos dados pela AHRESP. Consulte o Site AHRESP.

 Portugal distinguido pelo Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) – Portugal foi um dos primeiros cinco destinos turísticos a receber o “Selo de Segurança Global” do Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC), que reconhece destinos e empresas pelas medidas implementadas para proteger a saúde dos viajantes e colaboradores. Os restantes destinos turísticos com este selo atribuído foram a Arábia Saudita, Barcelona, Cancún, e Sevilha. Consulte o Site AHRESP.

 Turismo Centro de Portugal – O filme “A Vida é Agora”, inserido na campanha de promoção que a Turismo Centro de Portugal tem em curso, foi reconhecido como um dos melhores filmes a concurso no 13.º Festival Internacional de Filmes de Turismo “TourFilm Riga”, que decorreu em Riga, capital da Letónia. O filme, produzido pela Slideshow para a Turismo Centro de Portugal, foi o grande vencedor na categoria ‘Destinos Turísticos – Região’. Consulte o Site AHRESP.

 

Livro de Reclamações físico – Os estabelecimentos voltam a ter de facultar ao cliente o livro de reclamações em formato físico e cumprir os prazos de envio do original da folha de reclamação, terminada que foi a suspensão destas obrigações. Consulte o Site AHRESP.

 

 

Medidas AHRESP

 Programa de Capitalização para Empresas do Canal HORECA – Face aos resultados obtidos pela AHRESP no inquérito lançado no dia 31 de maio para a Restauração, Bebidas e Alojamento Turístico, é urgente que sejam atendidas as medidas que foram apresentadas ao Governo no passado dia 18 de maio, intitulado Programa de Capitalização para Empresas do Canal HORECA. Com esse programa, procura-se obter a viabilidade das empresas e salvaguardar a manutenção dos postos de trabalho.

Salientam-se algumas das propostas:

  • Um novo regime de lay-off simplificado para a manutenção do emprego;
  • Aplicação da taxa reduzida de IVA para os Serviços de Alimentação e Bebidas (6% no Continente, 5% na Madeira, 4% nos Açores);
  • Isenção da TSU devida pelo empregador;
  • Redução das rendas não habitacionais.

Várias outras propostas podem ser consultadas no Site AHRESP.

 Reforço Urgente do “Programa ADAPTAR”- A AHRESP defende um reforço urgente do Programa ADAPTAR, que só está disponível para as regiões Centro, Alentejo e Algarve. Com a suspensão a 25 de maio das candidaturas ao ADAPTAR MICROEMPRESAS (a nível nacional) e ao ADAPTAR PME nas Regiões de Lisboa e Norte. Este apoio é da maior relevância para as nossas micro e PME, de modo a garantir a aquisição implementação das medidas adequadas para um funcionamento em segurança, como se exige. Consulte o Site AHRESP.

 

 

Associações locais de Mangualde receberam EPI´s

Cerca de mil máscaras comunitárias certificadas e gel desinfetante produzidas no concelho

Chegou a terceira fase de desconfinamento, deste modo, o movimento associativo foi comtemplado para receber da Câmara Municipal de Mangualde a oferta de cerca de mil Equipamentos de Proteção Individual (EPI), composto por máscaras comunitárias certificadas (laváveis e reutilizáveis) fabricadas em Mangualde, para cerca de 60 Associações de Mangualde. Para além das máscaras, foi ainda oferecido gel desinfetante. O objetivo é ajudar estas importantes instituições na retoma da sua normal atividade e reforçar, simultaneamente a importância que o movimento associativo tem junto das populações, quer em termos culturais quer em termos desportivos e recreativos.

De recordar que, no mês de abril, a Câmara Municipal de Mangualde efetuou a doação de EPI às Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) do concelho. Na altura, foram doadas três mil máscaras, três mil luvas, seis mil aventais descartáveis e 14 termómetros eletrónicos sem contacto.

Para Elísio Oliveira, Presidente da Câmara Municipal de Mangualde, “estas ações ajudam as associações a regressarem à sua atividade normal, respeitando todas as regras de combate à propagação do vírus, mas valorizando o papel que estas têm na nossa sociedade. Ao adquirir estes equipamentos na industrial local estamos ainda a apoiar a nossa atividade económica, a qual sempre incentivamos a redirecionar a sua produção para estas novas necessidades do país e do mundo”. O presidente sublinha ainda que “a sociedade deseja retomar a sua atividade cultural, social, desportiva e recreativa e é fundamental que o regresso aconteça, mas sempre com os devidos cuidados.”

Foto: Mun.Mangualde

Pastel de Feijão em destaque na rubrica”Mangualde, o nosso património”

                                                    População  mais próxima do Património local 

A campanha «Mangualde, o nosso património!» destaca este mês de junho o Pastel de Feijão. Promovida pela autarquia, esta campanha tem como objetivo aproximar a população do património mangualdense do mais belo que existe no concelhoCom esta campanha todos ficam mais próximos do vasto esplendor patrimonial do concelho. Nesse sentido, continua a ser colocada, nos meios digitais do município, a informação sobre o monumento/património apresentado.

 

PASTEL DE FEIJÃO  

De origem conventual e de receita religiosamente guardada no segredo dos deuses, os pastéis de feijão são confecionados e vendidos no Patronato de Mangualde, desde 1936. Os anos difíceis da década de 1930 levaram Monsenhor Manuel Monteiro a fundar uma casa que acolhesse, durante o dia, os filhos das empregadas, enquanto trabalhavam. A pastelaria do novel Patronato funcionava como fonte financeira para esta causa e outras obras sociais da paróquia de Mangualde.

Foi D. Maria Amélia Ortiz Ribeiro quem introduziu o pastel de feijão no cardápio da instituição. A produção diária é de cerca de 800 pasteis. Mais não se quer, garantindo-se, assim, a autenticidade e qualidade da antiga e tradicional doçaria beirã.

O saber-fazer das pasteleiras do Patronato conferem-lhe singularidade tal que o eleva no panorama do património gastronómico de Portugal, convertendo-se em embaixador de Mangualde nos quatro cantos do mundo.

A par de outras iguarias desta terra, o pastel de feijão do Patronato atrai muita gente àquela instituição, sendo hoje responsável por boa parte do turismo que aqui acontece.

40º 36.365’N; 7º 45.957’0

António Tavares, Gabinete de Gestão e Programação do Património Cultural da CMM

 Foram já vários os bens patrimoniais destacados por esta campanha nos últimos anos. A título de exemplo, já foram destacados os Refrigerantes Condestável de Abrunhosa do Mato, os Bordados de Tibaldinho, a Casa dos Condes de Mangualde, a Fonte de Ricardina, vestígios arqueológicos ao tempo do Império Romano em Pinheiro de Tavares, a Capela de São Domingos de Ançada, a Carvalha, a Capela de Santo António em Mesquitela, a Fundação de Nossa Senhora da Saúde de Cunha Alta, os símbolos maçónicos e o Solar de Santa Eufémia. Mais recentemente, estiveram em destaque o Santuário de Santa Luzia, em Freixiosa; a Casa de Darei, na aldeia de Darei, freguesia de Mangualde, a Igreja Matriz de Várzea de Tavares, a Calçada Romana de Mourilhe; a Igreja de São Pedro de Cunha Alta; e a Capela de São Sebastião, em Santiago de Cassurrães, a Alminha de Tabosa, a Capela de São Domingos de Vila Mendo, o Pontão da Amieira, em Quintela de Azurara, o Depósito da Cruz da Mata, a “Senhora da Graça, ou do Alqueve – Fortaleza de Deus?”, o Portal Quinhentista de Pinheiro de Tavares, as Estelas funerárias de Abrunhosa do Mato e o Chafariz da Cunha Baixa.

“A Vida é Agora” filme do Turismo Centro Portugal reconhecido em Riga

O filme “A Vida é Agora”, inserido na campanha de promoção que o Turismo Centro de Portugal tem atualmente em curso, acabou de ser reconhecido como um dos melhores filmes a concurso no 13.º Festival Internacional de Filmes de Turismo “TourFilm Riga”, que decorreu em Riga, capital da Letónia. O filme, produzido pela Slideshow para o Turismo Centro de Portugal, foi o grande vencedor na categoria “Destinos Turísticos – Região”.

O novo filme foi apresentado, em estreia, numa televisão portuguesa e nas plataformas de comunicação do Turismo Centro de Portugal.

A mensagem de “A Vida é Agora” é de esperança e de renascimento. O mundo despertou em 2020 para uma nova realidade, imposta pela pandemia Covid-19. O filme pretende, de forma leve, original e divertida, assinalar o ressurgir de uma nova etapa da humanidade. Com otimismo, com alegria, com vontade, mas sobretudo, em segurança.

É também uma homenagem a todos os que foram os verdadeiros heróis nesta pandemia, num elogio à resiliência dos profissionais de saúde e de todos os portugueses – os que continuaram a trabalhar e aos que ficaram em casa –, num esforço comum para que fosse possível superar esta crise sanitária de contornos mundiais.

Ao mesmo tempo, recorrendo a metáforas e a muito simbolismo, o filme promove alguns dos principais ativos turísticos do Centro de Portugal.

Este é um filme diferente. A estreia estava inicialmente prevista para a Bolsa de Turismo de Lisboa 2020, que não se realizou, mas a verdade é que a mensagem de esperança e de otimismo que está na base do filme ganhou um alcance totalmente novo com a crise que enfrentamos. É um filme que nos mostra que a vida continua, apesar de todas as dificuldades, pelo que está perfeitamente alinhado com os tempos que vivemos, sublinha Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal.

“Estamos orgulhosos da mensagem do filme e muito satisfeitos com este prémio que conquistou em Riga. Temos a certeza de que será a primeira de muitas distinções”, acrescenta.

“A Vida é Agora” é um novo momento da campanha de esperança lançada pelo Turismo Centro de Portugal no início da fase aguda da pandemia. Uma campanha que já resultou nos filmes “Haverá Tempo”, “Juntos Construímos o Futuro” (este realizado com contributos de viajantes na região) e “Chegou o Tempo”, entre outras iniciativas, e que tem como objetivo posicionar o Centro de Portugal como um destino seguro, a visitar no próximo verão.

O 13.º Festival Internacional de Filmes de Turismo “TourFilm Riga” realizou-se este ano sem a participação física dos competidores, devido à situação internacional. Os vencedores, entre os 305 filmes a concurso, oriundos de 45 países, foram anunciados online, no site do certame.

Pode ver o filme “A Vida é Agora”, realizado por Simão Lopes e Tiago Cardoso, nesta ligação: https://youtu.be/j1J5Lif0Rmw.