Templates by BIGtheme NET
Início » Aguiar da Beira (Pagina 10)

Aguiar da Beira

Autárquicas 21 -PS apresenta candidatos no Distrito da Guarda

Vai ter lugar na cidade mais alta, a apresentação de todos os candidatos do PS às Câmaras Municipais, ao distrito da Guarda.  Uma cerimónia organizada pela Federação Distrital do PS, marcada para a tarde deste domingo, pelas 17 horas no Parque Urbano do rio Diz, com a presença de Pedro Nuno Santos, que vem na qualidade de membro do secretariado Nacional do PS.

Inauguração de obra de requalificação em Aguiar da Beira

Teve lugar na vila de Aguiar da Beira , a inauguração das obras de requalificação do Largo da Carvalha (centro da vila ), com a presença da Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, assim como o Presidente Joaquim Bonifácio e demais entidades convidadas.

Depois aconteceu ainda a visita às obras de requalificação do Dólmen I do Carapito – reconstituir a mamoa (Carapito).

Aguiar da Beira-3ºdia aberto-“Saiba como tratar o solo para ter boas produções e culturas saudáveis “

Vai ter lugar em Aguiar da Beira nesta quarta-feira, 30 de junho, o 3ºdia aberto com o tema “Saiba como tratar o solo para ter boas produções e culturas saudáveis”.

Podem levar pequenas amostras de material vegetal, fruta, hortícolas que apresentem sintomas de doenças ou pragas.

Acontece no pavilhão da Associação da Fontearcadinha, das 10:30h às 11:30h, no âmbito do novo protocolo com a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro sobre Horticultura e Fruticultura.

Pode fazer  a sua inscrição gratuita no Gabinete Municipal de Apoio ao Agricultor, diretamente, pelo telefone ou e-mail:

Telefone: 232 689 809

e-mail: apoio.agricultor@cm-aguiardabeira.pt

Avisos e Liturgia do 13º Domingo do Tempo Comum – ano B

 

a)         A narração evangélica deste Domingo é muito interessante. Narra-nos dois milagres de uma maneira surpreendente e isto acontece em todos os três evangelhos sinópticos. As “beneficiárias” dos milagres são duas mulheres em situações diferentes, mas que simbolizam a debilidade e a necessidade extremas. Uma é já adulta com uma doença que, segundo a lei, a considerava impura e tornava impuros todos aqueles que lhe tocassem. Cheia de vergonha por uma doença da qual não tinha culpa, aproxima-se discretamente de Jesus. A outra é uma menina que acabava de morrer, expressão de situação de debilidade extrema, que origina um sofrimento atroz e quase sem consolo e também que provoca, por vezes, perguntas angustiantes sobre o porquê e o sentido destas situações. Como em todos os milagres, estas duas mulheres são um exemplo de todos os que eram abandonados e marginalizados; são a expressão da nossa humanidade débil e mortal, apesar de todos os avanços da modernidade. Em ambos os casos, há uma aproximação, quase desesperada, a Jesus que fala da fé, da paz, da liberdade, da vida. À mulher, diz-lhe: “Minha filha, a tua fé te salvou”. Ao pai da menina, diz-lhe: “Não temas; basta que tenhas fé”.

 

b)        Que lição a tirar destes milagres? Há uma frase no evangelho que causou escândalo: “A menina não morreu; está a dormir”. Disse o mesmo, quando Lázaro estava morto (Jo 11, 11). Jesus olha para lá do nosso horizonte. A morte visível não é a morte autêntica. A verdadeira morte é aquela da qual já não se pode recuperar, a “segunda morte”, segundo o Apocalipse. A menina está a dormir; por isso, pode ser acordada. É assim que Jesus olha para a humanidade que é débil, sujeita a toda a espécie de dificuldades e de indignidades, mas que se pode recuperar; está somente adormecida. É o olhar mais nobre que se pode ter sobre o nosso mundo débil e terrível. O alvoroço das pessoas que choravam e gritavam em casa da menina é a voz daqueles que têm uma visão negativa, dizendo que o homem não tem solução e ainda se riem de quem diz o contrário. São a expressão da nossa pós-modernidade, tão decepcionada por sublimes ideologias e estilos de linguagem e tão insegura, olhando para um futuro incerto e ameaçador; são os “profetas das calamidades”, como dizia João XXIII. Jesus dá a paz e a esperança. Esta humanidade não está morta, só está adormecida. Ele vem para a despertar. S. Marcos salienta este despertar com uma das poucas expressões aramaicas do Evangelho: “Talitha Kum”, que significa: “Menina, eu Te ordeno: levanta-te”. Jesus veio para dar a mão e levantar a mulher marginalizada e oprimida por todos, veio ao encontro dos fracos e da humanidade rendida ao desespero e ao beco sem saída.

27-06-2021

c)         A narração da menina morta e ressuscitada recorda-nos a morte e a ressurreição de Jesus. A frase “Não temas; basta que tenhas fé”, recorda-nos a oração no Jardim das Oliveiras, na noite da agonia. Tanto na casa da menina como na noite da agonia, Jesus leva consigo os mesmos três discípulos. Na casa da menina e na cruz, riram-se dele. Mas, o resultado final é a vida. É esta a grande novidade do Evangelho. Jesus recupera pessoalmente a vida e entrega-a aos outros: na cruz, dá-se totalmente a Deus e aos homens, fazendo, assim, a passagem para a ressurreição. “Conheceis a generosidade de Nosso Senhor Jesus Cristo: Ele, que era rico, fez-Se pobre por vossa causa, para vos enriquecer pela sua pobreza” (2ª Leitura). A humanidade débil e deprimida levanta-se pela fé. Jesus, vítima até à morte, encontrou a vida com o seu perdão e com a sua doação amorosa ao Pai. A imagem de Jesus dando a mão e levantando a menina morta é o sinal de Jesus dando à humanidade deprimida a única coisa que a poderá recuperar: a fé. Acreditar em Deus, Senhor da Vida e do Amor, é o único caminho para nos erguermos, para perder o medo e encontrar a liberdade, a paz e a vida. Jesus, “adormecido” na Cruz, despertou para a vida e desperta-nos para o amor, para a paz e para a esperança.

 

http://www.liturgia.diocesedeviseu.pt/

Ano B - Tempo Comum - 13º Domingo - Boletim Dominical II

LIGA DE PRATA-Aguiar da Beira saiu vencedora nas grandes penalidades

E.Almeida-Aguiar da Beira-0-0 GP.0-3

Uma noite de verão para a disputa do desporto rei, com a turma do E.Almeida a defrontar o Aguiar da Beira na final da Liga de Prata do Distrital de Seniores, no Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo.

Uma partida bem disputada com duas equipas a lutar de igual para igual, ambas a criar oportunidades, Nuno Sena e Sérgio Martins eram treinadores muito ativos e não se cansavam de incentivar os seus jogadores.

Pelo meio, uns momentos mais quentes a resultar em expulsões , mas o nulo se manteve até final do tempo regulamentar. para o desempate vieram as grandes penalidades onde os Cabicancas venceram por três bolas a zero e venceram assim a Liga de Prata.

 

Projeto BUPi apresentado em S.Pedro do Sul

Realizou-se no Cine Teatro Municipal Jaime Gralheiro, em São Pedro do Sul,  a sessão de apresentação pública do projeto BUPi na Região Viseu Dão Lafões.
Este projeto resulta de uma candidatura, apresentada pela CIM Viseu Dão Lafões, ao Programa operacional CENTRO 2020, com vista à implementação de um Sistema de Informação Cadastral Simplificado na Região Viseu Dão Lafões, num investimento global superior a 2,3 Milhões de euros.

Esta sessão, além do Presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, Rogério Mota Abrantes, e dos autarcas dos municípios seus associados, contou com a presença do Senhor Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel; da Senhora Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Isabel Damasceno; e ainda de Pedro Tavares, Coordenador Geral da Estrutura de Missão para a Expansão do Sistema de Informação Cadastral Simplificado.

O projeto Balcão Único do Prédio, também conhecido por BUPi, é uma plataforma eletrónica que, aliada a uma rede de balcões de proximidade, permite a identificação das propriedades de forma simples e gratuita. Sendo um procedimento obrigatório para a realização de escrituras de compra e venda de terrenos ou propriedades, usucapião, permutas ou doações, partilhas e também para a realização de novos registos.

Tendo como objetivo possibilitar aos cidadãos identificarem e registarem, gratuitamente, as parcelas de terrenos rústicos e mistos de que são proprietários, este serviço permite, ainda, a consulta, atualização e impressão de informação sobre uma determinada parcela, através da internet, em tempo real.

A partir do próximo dia 28 de junho, entram em funcionamento Balcões Únicos do Prédio nos catorze municípios associados da CIM Viseu Dão Lafões.

Encontrando-se a decorrer a constituição e preparação de 17 equipas móveis, que percorrerão o território da região durante o projeto, estabelecendo, de forma itinerante, nas freguesias e nos seus povoados, postos de atendimento BUPi, garantindo o acesso de todos ao registo das suas propriedades.

Para o Presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Rogério Mota Abrantes, “Com a disponibilização dos balcões BUPi, em todos os municípios desta comunidade, a região ganha uma nova ferramenta de gestão e planeamento territorial ao mesmo tempo que, através da identificação de proprietários, se podem reforçar as medidas de defesa da floresta e proteção de populações contra incêndios”.

Segundo o Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel, “Quero enaltecer este esforço, que não é novo na CIM Viseu Dão Lafões, de todos os municípios se juntarem para tornarem o território mais forte. Fiquei muito satisfeito em saber que estão preparados 14 balcões, mas, essencialmente, por saber que preparam 17 balcões móveis“.

Este serviço também se encontra disponível online através do endereço: https://bupi.gov.pt/

AF Guarda- Trancoso e Gouveia na final do Distrital de Seniores

1/2 Final
Grupo de Ouro
Guarda DFC – CD Gouveia-1-1 (GP-4-5) Vitória do Gouveia
GD Trancoso – SC Celoricense-1-0
Final
GD Trancoso- CD Gouveia-
3º/4ºlugares
Guarda DFC- SC Celoricense-
Grupo de Prata
Aguiar  da Beira – Freixo Numão-1-0
Estrela Almeida-  Foz Côa-3-1
Final
Aguiar da Beira- Estrela Almeida
3º/4º lugares
Freixo Numão- Foz Côa

Avisos e Liturgia do 12º Domingo do Tempo Comum – ano B

A liturgia deste Domingo coloca-nos diante do tema da limitação da natureza humana. Os relatos de Job, na primeira leitura, e da tempestade acalmada, no texto do evangelho, são exemplos que nos ajudam a tomar consciência desta realidade que, por vezes, nos deixa um pouco incomodados e inseguros. Jesus deixa a margem de Cafarnaum para passar para a outra margem, ou seja, para a costa ocidental do lado da Galileia, que na época era território pagão, não pertencia ao povo judeu. No meio da travessia do mar, levanta-se um forte temporal. Na nossa vida, também se levantam tantas tempestades!

A primeira leitura faz referência à “tempestade” na vida de Job. Deus colocou-o à prova. Job perde todos os seus bens materiais, perde a sua saúde ficando leproso, o seu casamento entrou em crise e perdeu a sua boa reputação. Como reagiu Job perante todas estas tormentas? Continuou a confiar em Deus, apesar de no início sentir que Ele não lhe respondia à sua oração e, aparentemente, não lhe ajudava. Parece que Deus tinha abandonado Job, mas ele continuou a confiar Nele. A barca da vida de Job estava ancorada no seu Deus. Por isso, nenhuma tempestade podia afastá-lo de Deus. Quando tudo estava perdido na vida de Job, ficou somente Deus e ele, o próprio Job. Esta provação e tormenta gerou entre Job e Deus uma íntima comunhão, originando um final feliz e triunfal, a tal ponto de Job afirmar: “quem dera que as minhas palavras fossem escritas num livro ou gravadas em bronze com estilete de ferro, ou esculpidas em pedra para sempre! Eu sei que o meu Redentor está vivo e no último dia Se levantará sobre a terra. Eu O verei, meus olhos O hão-de contemplar”.

Também os Apóstolos fizeram a experiência da tempestade na barca, estando Jesus com eles. “Levantou-se uma grande tormenta e as ondas eram tão altas que enchiam a barca de água”. Todos corriam perigo de vida. A barca podia afundar-se a qualquer instante. Apesar de toda esta aflição, “Jesus, à popa, dormia com a cabeça numa almofada”. Jesus não se sente ameaçado, não entrou em pânico, estava em sereno e tranquilo! Porém, os discípulos estavam aflitos, gritavam, corriam de um lado para o outro…e Jesus continuava a dormir! Como é possível esta despreocupação de Jesus? Então, eles acordaram Jesus e disseram em forma de protesto e de desespero: “Mestre, não te importas que pereçamos?”. Depois de Jesus ter acalmado a tempestade, disse-lhes: “Porque estais assustados? Ainda não tendes fé?”. Jesus ensina-nos a viver na certeza de que na tempestade e na bonança da nossa vida estamos nas mãos de Deus. Vivendo assim, não só ficam reduzidas as nossas dificuldades, mas também aprendemos a ser discípulos de Jesus.

Perante isto, como enfrentar as tempestades da nossa vida e as tempestades da Igreja? Dois mil anos de Cristianismo recheados de tantas tormentas! Quando parece que tudo está perdido e a desabar, quando começamos a duvidar e a ficar inseguros, levanta-se sempre uma voz que parece despertar de um longo sono a dizer: “Não tenhais medo. Porque estais assustados? Ainda não tendes fé?”. E o mar acalma-se novamente; a barca de Pedro, que é a Igreja, continua o seu rumo através dos séculos. Cristo não está longe de nós; dorme na barca da nossa vida, para que quando a nossa fé desfalecer, quando estivermos tristes e angustiados, Ele tomar o governo da nossa vida. Tantas tempestades na nossa vida: incompreensões, crises familiares, desânimos, difamações, problemas de saúde…e tantas outras! Tantas tempestades na Igreja: perseguições aos cristãos, a falta de vocações, pecados escandalosos, tantas pessoas que se afastaram da Igreja!

Apesar disto, Jesus está presente e atento. Ele quer continuar a construir algo de novo em nós e connosco. Perante um momento difícil da nossa vida, sem solução aparente, quando parece que Deus não nos fala nem nos ajuda, coloquemo-nos nas suas mãos, porque iremos experimentar, mais cedo ou mais tarde, o seu conforto e a sua paz. Não sejamos homens e mulheres de pouca fé! Tenhamos uma fé firme, alimentada pela oração, pelos sacramentos e pelas nossas boas obras. Só assim encontraremos a força e a coragem para enfrentar as tempestades da vida, para, de seguida, sermos mensageiros da bonança e da tranquilidade de Jesus Cristo, Nosso Senhor.

20-06-2021

LEITURA ESPIRITUAL

Os discípulos aproximam-se dele, despertam-No e dizem: «Senhor, ajuda-nos que perecemos!». Ó bem-aventurados, ó verdadeiros discípulos de Deus, tendes convosco o Senhor, vosso Salvador e temeis? A Vida está convosco e inquieta-vos a vossa morte? Tirais do sono o Criador, como se Ele não pudesse, mesmo dormir, acalmar as ondas, fazer cessar a tempestade!

Que respondem a isto os discípulos bem-amados? Somos criancinhas ainda fracas. Ainda não somos homens vigorosos. Ainda não vimos a cruz; a Paixão do Senhor, a sua ressurreição, a sua ascensão aos céus, a descida do Espírito Santo Paráclito ainda nos não tornaram sólidos. O Senhor tem razão ao dizer-nos: «Porque temeis, homens de pouca fé?» Porque estais sem força? Porquê essa falta de confiança? Porquê tão pouca temeridade quando tendes a Confiança convosco? Mesmo que a morte irrompesse, não deveríeis suportá-la com grande constância? Em tudo aquilo que acontece, dar-vos-ei a força necessária, em todos os perigos, em todas as provas, incluindo a saída da alma do seu corpo. Se, nos perigos, a minha força é necessária para tudo suportardes com fé, como homens, quanto mais necessária não será ela para não cairdes nas tentações desta vida!

Porque vos perturbais, gente de pouca fé? Sabeis que tenho poder sobre a terra; porque não acreditais que tenho também poder sobre o mar? Se Me reconheceis como verdadeiro Deus e Criador de tudo, porque não acreditais que tenho poder sobre tudo o que criei? Então, «falou ao vento imperiosamente e disse ao mar: “Cala-te e fica quieto”. O vento cessou e fez-se grande bonança.» (Homilia grega antiga, erradamente atribuída a Orígenes, c.185-253, presbítero, teólogo).

 

http://www.liturgia.diocesedeviseu.pt/

Ano B - Tempo Comum - 12º Domingo - Boletim Dominical II

CIM Viseu Dão Lafões apresenta Projeto BUPi

O projeto Balcão Único do Prédio, vai ter a sua apresentação na segunda -feira, dia 21 de junho, pelas 16h00 e atendendo à instabilidade meteorológica que afeta a Região, o evento terá lugar no Cine Teatro Municipal Jaime Gralheiro, em São Pedro do Sul,uma iniciativa da CIM Viseu Dão Lafões.

O BUPi, é uma plataforma eletrónica que, aliada a uma rede de balcões de proximidade, permite a identificação das propriedades de forma simples e gratuita. Sendo um procedimento obrigatório para a realização de escrituras de compra e venda de terrenos ou propriedades, usucapião, permutas ou doações, partilhas e também para a realização de novos registos. Esta ferramenta além de promover um melhor conhecimento do território e da sua propriedade, contribuirá para o desenvolvimento do Cadastro Rústico da região.

Além do Presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Rogério Mota Abrantes, este evento contará com as presenças da  Secretária de Estado da Justiça, Anabela Pedroso; do  Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, Carlos Miguel; bem como, da  Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Isabel Damasceno.