Templates by BIGtheme NET
Início » Mangualde (Pagina 10)

Mangualde

Associações de Futebol reagem em conjunto ao comunicado do Governo

O Governo colocou em consulta pública o já esperado e desejado Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) com um valor de 13.900 milhões de Euros em subvenções, que vai permitir a realização de reformas estruturantes, centrado em três grandes áreas temáticas: reforço da resiliência económica, transição climática e digital, sendo considerado o instrumento fundamental para o desenvolvimento de Portugal na atual década.

Após a análise do documento, as Associações Distritais e Regionais de Futebol (ADR´s) deliberaram em reunião realizada em 20 de fevereiro de 2021, o seguinte documento, que por sua vez foi enviado, ao Presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Dr. Fernando Gomes, ao Secretário de Estado da Juventude e Desporto, Dr. João Paulo Rebelo e ao Secretário de Estado do Planeamento, Eng. Ricardo Pinheiro.

Atendendo que:

a. Se tem verificado um grande empenhamento de todo o tecido desportivo nacional (Clubes Associações Distritais e Regionais de modalidade, Federações, COP, CPP, CDP e Autarquias Locais) na promoção da atividade física e principalmente do desporto, com resultados excelentes ao longo de muitas épocas desportivas, que tem proporcionado um cada vez maior reconhecimento internacional do país;

b. O setor do Desporto tem sofrido um enorme impacto com o aparecimento da pandemia Covid – 19, provocado pela falta de público e a paralisação da atividade dos escalões de formação, proveniente do deliberado em sucessivos Estados de Emergência, pelo Senhor Presidente da República e a sua regulamentação pelo Governo, com a agravante de não ter existido até ao momento qualquer apoio governamental;

c. Em relação à prática desportiva regular estão associados um conjunto muito vasto e variado de outros setores importantes da economia portuguesa, que, por esta via, também estarão a ser penalizados;

d. Os graves efeitos da pandemia já estão a provocar um deficiente rendimento desportivo generalizado dos cerca de 600.000 atletas federados inscritos na época anterior, com exceção dos atletas olímpicos e profissionais, tendo em conta a longa paragem das respetivas competições (2 épocas);

e. As várias organizações internacionais, das quais destacamos o Parlamento Europeu, que recentemente aprovou uma Resolução (B9 – 0115/2021, de 4 de fevereiro), em que recomendam aos Estados a inclusão nos seus planos de recuperação pós-Covid-19 a promoção do desporto, como forma de melhorar as políticas públicas de intervenção na população;

f. A prática desportiva regular é essencial para a saúde dos cidadãos, pelo que é uma estratégia transversal a várias áreas que não podemos desprezar em tempos como os que vivemos, sendo válido, tanto para o desporto sénior, como para o desporto praticado pelos escalões de formação, como um garante da defesa da saúde pública;

g. De uma forma inesperada, ao não se verificar a presença do desporto no PRR, estamos a comprometer a evolução desportiva de milhares de praticantes, que aspiram chegar ao topo da pirâmide desportiva. Algo que terá reflexo na qualidade e competitividade das nossas Seleções Nacionais e dos nossos clubes de topo, ou seja, vamos comprometer o desígnio nacional que a todos nos uniu de uma forma gratificante nos últimos anos;

h. No documento “Estratégia Portugal 2030” é indicado que o incentivo da prática da atividade física, através do fomento do desporto e da formação desportiva em todo o ciclo de vida, é uma estratégia prioritária intersetorial para promover a Saúde dos cidadãos, a par da minimização dos fatores de risco, da alimentação saudável e da educação;

i. O documento também não valoriza a disciplina de Educação Física ao nível da Escolaridade Obrigatória e do Desporto Escolar;

j. Em Portugal (2019) existiam cerca de 2,2 milhões de pobres, registando-se nas crianças o elo mais fraco, com o valor de 22,3% (com maior impacto na faixa etária dos 12-17 anos). E são precisamente as crianças que têm sido impedidas de praticar desporto, sendo, por isso, fundamental e urgente a implementação de estratégias transversais onde se insere o desporto.

As Associações Distritais e Regionais de Futebol não compreendem o critério aprovado e, por esta via, manifestam o seu descontentamento, já que nos causa estranheza o facto do desporto não se encontrar contemplado em tão importante documento, considerado fundamental para o desenvolvimento de Portugal durante a atual década.

Esta nossa posição baseia-se no facto de, na realidade, esta decisão colocar em causa, de uma forma decisiva, a sobrevivência da já debilitada atividade de muitas centenas de clubes e, assim, assistirmos ao progressivo colapsar do tecido associativo desportivo do nosso País, com todas as consequências dramáticas que isso implicará em termos de coesão territorial da nossa sociedade.

Os Clubes filiados nas Associações Distritais e Regionais de Futebol são os responsáveis pela realização de milhares de jogos semanais, movimentando várias dezenas de milhar de cidadãos, que proporcionam uma atividade semanal ao longo do ano, sendo considerado um setor de atividade económica com grande capacidade de atrair investimento e uma boa fonte de receita fiscal para o Estado.

Assim, tendo em conta o referido anteriormente, as Associações Distritais e Regionais de Futebol solicitam ao Governo que seja tomado em consideração toda esta situação, já que as competições distritais assumem um papel de relevo no desenvolvimento desportivo, mas também social e económico das regiões e do país.

A este propósito não podemos deixar de aproveitar este momento para referir que com a não inclusão do desporto no PRR se perde uma excelente oportunidade para:

1. Efetuar a Reabilitação e Modernização das instalações desportivas existentes nos Clubes, Associações Distritais e Regionais de modalidade, Federações e Centros de Alto Rendimento;
2. Elaborar um Plano de Infraestruturas Desportivas inovador adequado à atual realidade das necessidades da população;
3. Elaborar um Plano de Revitalização Financeira dos Clubes, ADR´s e Federações, onde se incluirá a formação de agentes desportivos.
Por último, e tendo em consideração o atrás exposto, apelamos à consideração do Governo para que a prática desportiva dos escalões de formação e dos seniores possa vir ainda a ser enquadrada em parte, no âmbito de alguma das dimensões apresentadas, como é o exemplo da Transição Digital, com os programas de formação de jovens e de adultos aprovados.

 

Loja Social abriu há 1 ano em Terras de Tavares

Faz 1 ano que a União de Freguesias de Tavares abriu a Loja Social. Este espaço foi elaborado com o objetivo combater a pobreza, através de apoios às famílias.

Mas neste ano, a vida de todos nós deu uma grande volta e segundo a União de Freguesias, o funcionamento deste espaço foi repensado e houve uma adaptação a esta nova vida. Uma coisa é certa este local passou a ter ainda mais importância nos tempos de hoje. Face a isso, apoiam mais de 20 famílias e cerca de 40 pessoas da Freguesia. ⠀

Nesta fase de pandemia, todo o atendimento é feito por marcação e as famílias depois de dirigem ao espaço. Deste modo, a Loja social vai estando atento e mantendo a veia solidária, nesta Freguesia, presidida por Alexandre Constantino. Também todos os que queiram colaborar com a entrega de Bens, basta contactar a respetiva loja.

Efeitos secundários da Vacina da Covid-19

Segundo avança a DGS, que a vacina contra a COVID-19 pode ter reações secundárias como outro medicamento. A maioria delas são ligeiras e de curto prazo e nem todas as pessoas as identificam.

Todas as vacinas, ao estimular as nossas defesas, podem causar efeitos secundários ligeiros e de curta duração. Alguns indivíduos vacinados contra COVID-19 nos ensaios clínicos, relataram ter sentido:

  • dor no local de injeção;
  • fadiga;
  • dor de cabeça;
  • dores musculares;
  • dor nas articulações;
  • febre.

Outros efeitos como vermelhidão no local da injeção e náuseas ocorreram em menos de 1 em cada 10 casos.

Geralmente, estes efeitos desapareceram ao fim de 24 a 48 horas. Embora a sensação de febre não seja incomum por 2-3 dias, uma temperatura alta é rara e pode indicar que tem COVID-19 ou outra infeção.

Os sintomas após a vacinação normalmente duram menos do que uma semana. Em caso de persistência dos sintomas ou se surgir outra reação que o preocupe, contacte o seu médico assistente ou a Linha SNS24 (808 24 24 24).

Se procurar aconselhamento de um médico, enfermeiro ou farmacêutico, informe-os sobre a sua vacinação para que possam avaliá-lo adequadamente.

Também pode reportar qualquer efeito adverso da vacina através do Portal de Notificação de Reações Adversas (RAM) do INFARMED, I.P.

fonte:DGS

Diocese de Viseu-Renúncia Quaresmal será para Moçambique

Na sua mensagem para a Quaresma, D. António Luciano anunciou o destino da Renúncia Quaresmal, decisão que surgiu depois da auscultação do clero da diocese.

Convidando a um compromisso generoso e a um verdadeiro espírito de partilha e de renúncia, indicou que este ano a Renúncia Quaresmal se destinará:
– Uma parte para «ajudar a Igreja sofredora da Diocese de Pemba, província de Cabo Delgado, Moçambique».
– Outra parte «para socorrer as maiores necessidades da Diocese de Viseu».
A entrega da Renúncia Quaresmal pode ser feita junto das paróquias, do modo que as mesmas indicarem, ou, atendendo à situação de pandemia que vivemos, diretamente para a diocese através da Conta com o IBAN (Millennium bcp): PT50.0033.0000.00001022296.66

Bandas Filarmónicas assinam protocolo com Município de Mangualde

“Ativos culturais preciosos do concelho”

Foi recentemente assinado um protocolo de apoio às Bandas de Música do concelho de Mangualde com atividade, nomeadamente a Sociedade Filarmónica Lobelhense, a Associação Humanitária e Cultural de Abrunhosa-a-Velha e a Associação Filarmónica da Boa Educação de Vila Cova de Tavares, pelo Município de Mangualde.

A cerimónia teve lugar no Salão Nobre da autarquia, com a presença dos presidentes das três Filarmónicas e o Presidente da Câmara, Elísio Oliveira.

A comparticipação deste apoio foi de 1.500 euros para cada coletividade, com o objetivo de ajudar estas entidades a atravessar esta fase pandémica, contribuindo financeiramente para a manutenção das despesas fixas que as mesmas têm sempre, pese embora a suspensão de atividade devido à COVID-19.

Para Elísio Oliveira, Presidente da Câmara Municipal de Mangualde, “estas entidades são essenciais no nosso concelho, pela sua produção musical, porque promovem o ensino de música gratuito e ajudam sempre a animar as nossas celebrações religiosas e eventos festivos. Estas entidades são ativos culturais preciosos que merecem todo o esforço de preservação e resiliência. São também verdadeiros embaixadores da nossa cultura e do nosso território com inúmeras atuações fora de portas”.

 

 

Mensagem de D. António Luciano, Bispo da Diocese de Viseu para a Quaresma

diocese viseu

Vivamos um tempo santo

Neste início de Quaresma, D. António Luciano, Bispo da Diocese de Viseu deixa umas palavras sobre este tempo de jejum, traçando vários pontos:
Uma mensagem de fé, esperança e caridade para percorrer um caminho novo
“A Quaresma é um caminho de fé, esperança e caridade” (Papa Francisco) que nos introduz no deserto interior, que nos leva a procurar o sentido verdadeiro de Deus e da vida em autenticidade e profundidade, numa verdadeira comunhão humana e espiritual. É o encontro do Pai misericordioso com o filho pecador e é a experiência única da busca da graça divina, que apaga a miséria e a fragilidade humana. A pandemia do Covid-19 e as suas consequências destaparam-nos e agora como cristãos queremos revestir-nos do homem novo que nos ensina e ajuda a orientar e a procurar a Vida Nova segundo o Espírito. O seguimento de Jesus Cristo leva-nos a fazer a experiência quaresmal iniciando este “tempo favorável da salvação” como caminho provado e cheio de penitência na condução “ao deserto onde Jesus guiado pelo Espírito viveu quarenta dias e quarenta noites em jejum, oração e penitência”.
A perda do sentido e abandono de Deus, vivido pela maioria dos batizados, provoca uma nova pandemia causada pela falta de vivência espiritual do mandamento novo do amor, das bem-aventuranças e das obras de misericórdia. Este enfraquecimento de valores humanos, morais e espirituais leva a que a vida dos cristãos esmoreça no crescimento das virtudes e da santidade. A diminuição da experiência salvífica da fé e do enfraquecimento do mistério da comunhão, da unidade e corresponsabilidade na vida das nossas comunidades cristãs diminui a vitalidade da própria Igreja.
Uma vida nova de graça conduzida pelo Espírito Santo
Viver uma Quaresma diferente, atípica à tradição cristã, de vivência comunitária, é algo de estranho e inaceitável. Só razões de força maior, como a saúde pública de todos nós, pode levar à experiência deste cenário. Nos anos anteriores era um tempo forte marcado de uma espiritualidade e vivências sacramentais, religiosas e pastorais, que agora não se podem realizar. As normas e regras para o confinamento decretadas pelo Governo e pela DGS, exigem que o vírus da pandemia Covid-19 e das suas variantes, nos leve neste tempo litúrgico da Quaresma a aprofundar o espírito bíblico de conversão e de mudança de vida.
Aprendamos a dizer em cada dia: “Tende piedade de mim, Senhor, porque sou pecador” (Sl 50). Este é um momento de cura interior, de resiliência, de esperança profética, que nos convida a escutar a Palavra de Deus e o grito dorido do povo sofredor.
 Um tempo de conversão e renovação espiritual
O anúncio do Evangelho e a proposta da conversão feita por Jesus é uma exigência imprescindível do amor cristão, particularmente na sociedade atual, onde parece que perdemos os próprios fundamentos da visão antropológica, ética e espiritual da existência humana.
A conversão leva-nos à prática da virtude teologal da caridade, porque o nosso “Deus é amor” (1Jo 4,8.16). A caridade, na dupla faceta de amor a Deus e aos irmãos, é a síntese da vida moral do crente. Tem em Deus a sua origem e a sua meta (cf. São João Paulo II, O Terceiro Milénio, nº 50). À crise de civilização, há que responder com a civilização do amor, fundada sobre os valores universais de paz, solidariedade, justiça e liberdade, que encontram em Cristo a sua plena realização (cf. Ibidem, nº 51).
É preciso viver a Quaresma marcada pela mudança interior de cada ser humano, pela necessidade da conversão pessoal e pastoral imposta por esta pandemia, através de uma mudança profunda da prática de vivências humanas e espirituais que exilaram os cristãos na liberdade exígua das suas próprias casas, no teletrabalho, no trabalho em profissões indispensáveis.
Deus continua a falar sempre a cada um nós, quer através da Bíblia, da vida, dos acontecimentos, das pessoas, das propostas online que a própria pastoral diocesana nos oferece a todos e especialmente às famílias.
A Quaresma é o caminho de quarenta dias até à Páscoa do Senhor. É preciso preparar a vida cristã para chegar à celebração do mistério Pascal. São muitos os subsídios diocesanos que nos podem ajudar a alcançar o mandamento novo do amor, a vivência das bem-aventuranças e das obras de misericórdia. Neste tempo de confinamento, Deus permite-nos viver uma experiência em que os condicionalismos bíblicos do êxodo, do exílio, que caracterizaram a vida do povo de Israel, são hoje para nós cristãos um desafio e um compromisso a viver esta Quaresma com alegria, em peregrinação no “tempo favorável da salvação”.
 Meios para viver melhor a Quaresma
A pandemia que está a deixar marcas e dificuldades na vida de cada um de nós, precisa da mensagem e vivência da fé como antídoto para a indiferença religiosa e a falta de solidariedade fraterna para com os mais pobres, doentes e necessitados. A Quaresma que vamos iniciar quarta-feira de cinzas, dia de jejum e penitência, mas também com a realização dos Exercícios Espirituais para os sacerdotes, diáconos e consagrados, são um meio fundamental para vivermos este tempo até à Páscoa, como verdadeiro horizonte de servos humildes e administradores fiéis da Casa do Senhor.
As etapas da Quaresma marcadas por um tempo forte de pregação, de jejum, de abstinência, de penitência, de oração, de retiro espiritual, de vivência da Via-Sacra, de escuta da Palavra de Deus, de renúncia e de partilha, ajudam-nos a nascer de novo, para uma vida nova.
Ao vivermos este Ano dedicado a São José e a partir do dia 19 de março de 2021, Solenidade de São José, olhando para um Ano em que contemplamos a “Família Amoris Laetitiae”, é para nós um grande desafio pastoral a tudo fazer, para renovar, reinventar a Pastoral Familiar no horizonte do “acolher, discernir e acompanhar” as nossas famílias nas suas dificuldades humanas, eclesiais e pastorais. Preparando com alegria o mistério Pascal, convido-vos a um verdadeiro espírito de partilha e de renúncia, assim como aos cristãos das nossas comunidades e pessoas de boa vontade no peditório para a Cáritas, incentivar a partilha do Contributo Penitencial e assumir como caminho de conversão e renovação pastoral o nosso empenhamento e compromisso no peditório generoso da Renúncia Quaresmal, que este ano se destina, uma parte para ajudar a Igreja sofredora da Diocese de Pemba, província de Cabo Delgado, Moçambique, e a outra parte para socorrer as maiores necessidades da Diocese de Viseu.
Buscando a alegria do Mistério Pascal, não deixemos de corresponder a este apelo e mesmo em confinamento das celebrações, não deixemos de corresponder através das nossas paróquias e da Diocese aos apelos que nos estão a ser pedidos.
Vivamos um tempo Santo da Quaresma.
Que a proteção de Nossa Senhora das Dores, de São José, de São Teotónio, São Francisco e Santa Jacinta Marto e da Beata Rita Amada de Jesus nos ajudem nesta Quaresma a cuidar de todos, a rezarmos por todos e a ajudar a todos particularmente àqueles que sofrem e são vítimas da Pandemia Covid-19. Que a vacina chegue bem depressa a todos e seja um sinal de primavera e da verdadeira Páscoa cristã.

Vacinação em Mangualde arranca esta quinta-feira

Decorre no Pavilhão Desportivo dos Bombeiros Voluntários de Mangualde

Tem início nesta quinta -feira, dia 18, e até sábado, dia 20 de fevereiro, o processo de vacinação Covid-19 à população com mais de 50 anos com as comorbidades definidas pela Direção-Geral da Saúde (DGS), bem como aos utentes com mais de 80 anos de idade, em todos os concelhos que compõem o ACeS Dão Lafões.

Conforme já anunciado pela Câmara Municipal de Mangualde, a vacinação decorrerá no Pavilhão Desportivo dos Bombeiros Voluntários de Mangualde. Nestes dias serão vacinadas 196 pessoas. O processo de vacinação é da responsabilidade da DGS e a população a vacinar está a ser contactada pela USF de Mangualde.

Nestes dois dias não serão vacinadas as pessoas acamadas. Serão vacinadas em tempo próprio e em condições adequadas.

Elísio Oliveira, Presidente da Câmara Municipal, deixa um apelo de serenidade e confiança à população: apelamos a que a população, nas condições acima definidas, esteja atenta ao telefone. Tudo irá decorrer de acordo com o planeado e todos serão vacinados”.

Misericórdia de Mangualde recebe apoio do Município

Desta forma, foi deliberado um apoio pelo Executivo Municipal, ao qual resultou nos Paços do Concelho, da assinatura do protocolo , pelo Presidente do Município, Elisio Oliveira e do Provedor da Santa Casa da Misericórdia, José Tomás, que atribui um patrocínio financeiro de cerca de 150.000€ para a obra em curso de reabilitação e ampliação do Lar Morgado do Cruzeiro.
Esta intervenção irá dotar o território com uma nova e moderna estrutura residencial para pessoas idosas.
Com uma área habitável de 1500m2, distribuída por 23 quartos, irá ter capacidade para acolher 50 utentes.
O custo estimado desta obra é de cerca de 1,6 milhões de Euros e prevê-se que esteja concluída no final do presente Ano.

Turismo Centro de Portugal apresenta iniciativas que dão a conhecer a região sem sair de casa

O Turismo Centro de Portugal (TCP) tem em curso uma série de iniciativas com o objetivo de levar as pessoas a conhecer a região de forma virtual, numa altura em que não podem sair de casa.

A iniciativa mais recente, intitulada #CentrodePortugalonline, consiste numa série de artigos regulares, publicados no site do TCP, em que são apresentados vários destinos que podem ser visitados de forma digital. A primeira publicação foi feita hoje e é dedicada aos museus do Centro de Portugal que disponibilizam visitas virtuais. O artigo, com vários museus, pode ser lido em https://bit.ly/2LZfyWW.

Nos próximos dias e semanas, serão publicados artigos com outros destinos da região disponíveis na Internet, como são os casos dos Lugares Património da Humanidade, Roteiros Vinícolas e Adegas, Festivais Virtuais ou Jardins Históricos, entre outros.

Outra iniciativa a decorrer é a realização de um podcast semanal do Turismo Centro de Portugal, um programa de rádio online que dá voz aos protagonistas da região. Nas três primeiras edições, disponíveis em https://spoti.fi/2NxsCD4, são sugeridos roteiros e visitas no território do Centro de Portugal e conta-se tudo o que acontece na maior região de turismo do país. O podcast conta com a colaboração de figuras conhecidas da região, tendo o cantor André Sardet sido o convidado especial do episódio mais recente.

Finalmente, o TCP tem disponibilizado também no seu site, em www.turismodocentro.pt, a rubrica “Os melhores sítios do Centro de Portugal para…”. Como o nome indica, nesta rubrica são sugeridos destinos na região para diversas finalidades. Os melhores sítios “para chorar de alegria, emoção ou saudade”, “para respirar a plenos pulmões”, “para namorar, beijar ou fazer o pedido de casamento” ou “para aliviar o stress e manter a boa forma” são alguns exemplos.

Apesar de a atividade turística estar parada, devido à pandemia em curso, a região Centro de Portugal continua viva e dinâmica. Estas iniciativas recentes são uma resposta possível para mitigar as saudades que os seguidores do Turismo Centro de Portugal têm de visitar a região, saudades que expressam nas nossas redes sociais. É uma forma de mostrar o muito que há para conhecer e estimular as pessoas a regressar à região, assim que for possível. O Centro de Portugal vai continuar aqui, à espera dos visitantes”, explica Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal

Guia de “Como lidar com a Ansiedade” apresentado pelo Município de Mangualde

A grande prioridade do Município de Mangualde tem a com a promoção de melhores condições de vida e responder às necessidades dos mangualdenses é a prioridade para a Câmara Municipal de Mangualde. Devido ao isolamento social, a saúde mental tem vindo a desenvolver um papel essencial na sociedade. Consciente das consequências que esta situação pandémica trará para o futuro, pondo em causa a saúde mental, o Gabinete de Psicologia do município elaborou um guia para apoiar e alertar para esta problemática, a ansiedade.

A saúde mental gerada pelos momentos que estamos a viver pode gerar ansiedade, pânico, medos, depressão e outras doenças associadas e poderão ter um agravamento nos próximos tempos. Devemos estar em alerta. O guia não dispensa uma consulta ao médico, ao psicólogo ou ao psiquiatra, mas pode alertar para determinados sintomas que as pessoas possam desconhecer e pode ser o primeiro passo para a ajuda. Para além disso, integrado no Plano de Apoio Municipal – Estamos juntos, damos a conhecer o nosso número de apoio psicológico do Município de Mangualde, a Drª Lúcia Amaral.” Afirma Maria José Coelho, vereadora da Câmara Municipal de Mangualde.

Pequenos gestos podem fazer a diferença, no guia disponibilizado no site do município, pode encontrar medidas de diagnostico e ajuda para esta fase mais complexa. Encare o futuro de forma positiva, procure realizar as coisas que mais gosta e cuide de si. Pode consultar o documento na integra através do site oficial do Município (https://www.cmmangualde.pt/utilizar-a-ansiedade-a-seu-favor).

Se sentir que os seus sintomas de ansiedade persistem não hesite em contactar a Linha de Apoio Psicológico do Município de Mangualde 969028411- Dra. Lúcia Amaral.