Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: ensino

Tag Archives: ensino

PSD questiona Governo sobre material informático e plataformas digitais para todos os alunos do ensino básico e secundário

Em comunicado, o PSD refere que os efeitos da pandemia de covid-19 foram especialmente gravosos no setor da educação. Com o encerramento das escolas e as medidas resultantes do confinamento, o ensino à distância tornou-se a única forma de a aprendizagem não ser interrompida numa fase importante do ano letivo. Porém, o ensino à distância acabou por acentuar as desigualdades, desde logo, nas disparidades de acesso à Internet, a dispositivos/computadores e/ou recursos educativos online. Recorde-se que há estudos que apontam para cerca de 50.000 alunos estão sem acesso a recursos educativos online.

O PSD acaba de entregar uma pergunta no Parlamento ao ministro da Educação, onde alerta para este “problema grave que coloca em causa a igualdade de oportunidades de milhares de alunos”.

Os deputados do PSD do distrito da Guarda acusam o Governo de incapacidade em assegurar que todos os alunos do ensino básico e secundário tenham acesso às plataformas digitais. Foram, aliás, as autarquias do distrito a apoiar as comunidades educativas, em especial, as famílias com mais dificuldades, e adquiriram computadores portáteis e tablets para permitir que milhares de alunos não ficassem privados do ensino à distância.

“Várias autarquias face à inação do Ministério da Educação nesta matéria mobilizaram-se para fornecer equipamento informático e de acesso à internet. Desde o encerramento das escolas, cerca de 32.000 equipamentos, entre computadores portáteis e tablets com ligação à Internet foram emprestados por 105 municípios aos seus residentes em idade escolar para além de arcarem com as despesas de aquisição de cerca 11.000 routers com pacotes de dados incluídos”, referem.

O PSD pergunta: Pretende o Governo, ao abrigo da anunciada intenção de assegurar no próximo ano letivo a universalidade do acesso às plataformas digitais para todos os alunos do ensino básico e secundário, ressarcir as autarquias do investimento que têm realizado na aquisição de computadores/tablets e routers de acesso à Internet?

AEC´S iniciaram o novo ano letivo das crianças, em Nelas

AEC’S COMEÇARAM NA PASSADA SEGUNDA FEIRA EM TODAS AS ESCOLAS DO 1º CICLO
Com o início de um novo ano letivo, foram assinados na passada
segunda-feira, dia 5, os contratos com 13 professores para as Atividades
de Enriquecimento Curricular (AEC) que serão realizadas nas escolas do
1º Ciclo do Ensino Básico dos Agrupamentos do Concelho.

Por se
revelarem essenciais para o desenvolvimento dos alunos e por
contribuírem para o sucesso escolar, constituindo-se como atividades
pedagogicamente ricas e complementares
das aprendizagens básicas, o Município assumiu-se, uma vez mais, como
entidade promotora do projeto, contado como parceiros os Agrupamentos de
Escolas do Concelho.

Para
assegurar o desenvolvimento das referidas atividades, a Câmara de Nelas
procedeu à contratação de 3 técnicos de Atividades Lúdico-Expressivas, 4
de Atividade Física e Desportiva, 4 de Inglês e 2 de Expressão Musical.
Este ano o inicio das atividades arrancou mais cedo do que o habitual,
fruto do trabalho desenvolvido entre as entidades parceiras e do
reconhecimento da importância que as atividades têm no processo
ensino-aprendizagem.Por:Mun.Nelas

Aguiar da Beira foi das escolas contempladas

MEC INFORMA ESCOLAS SOBRE OS VALORES DOS CRÉDITOS HORÁRIOS ADICIONAIS

Foram agora comunicados às escolas
os valores dos créditos horários adicionais que lhes foram atribuídos de
acordo com o sistema de incentivos à melhoria dos resultados escolares e
da eficiência da gestão de recursos.
Desde 2012 que o Ministério da Educação e Ciência
tem vindo a atribuir estes créditos como instrumento de apoio e
incentivo, integrado num conjunto de medidas dedicadas a incrementar a
qualidade do ensino, designadamente no que se refere à definição de
orientações estratégicas adequadas, a uma boa gestão pedagógica e a uma
correta utilização dos recursos. A análise dos resultados alcançados
pelas escolas este ano mostra progressos significativos nos resultados
dos alunos e na eficiência de gestão.

Este é mais um ano em que se concede crédito horário
adicional às escolas que nesses critérios superaram patamares elevados
de exigência, sendo de salientar progressos assinaláveis no que refere à
melhoria de resultados nas provas e exames externos e na redução dos
casos de alunos em situação de abandono ou de risco de abandono.  
A política de autonomia que ano após ano tem vindo a ser
definida na organização do ano letivo tem permitido a cada escola
concretizar os projetos e os apoios necessários que melhor se adaptam
aos seus alunos. Para tal têm sido garantidas a todas as escolas um
conjunto de horas de crédito horário semanal base, dependente da
diversidade dos fatores próprios de cada uma e um conjunto de horas de
crédito adicionais, que constituem o reconhecimento dos progressos e
incentivos a maiores sucessos.
Esta política de créditos adicionais tem procurado
garantir uma continuidade dos incentivos atribuídos às escolas, tendo
por objetivo a qualidade do ensino e a melhoria dos resultados
escolares. Assim, um crédito horário semanal adicional é atribuído em
função de vários fatores: a capacidade de gestão dos recursos, a
evolução dos resultados escolares, a aferição dos resultados internos
com os externos, o sucesso escolar alcançado pelos alunos, a redução da
percentagem de alunos em abandono, ou o risco de abandono
escolar, que são decisivas para o seu apuramento. 
Sendo este o quarto ano de execução desta política, em que
foram progressivamente estabelecidas alterações na organização do ano letivo para que, no âmbito da sua autonomia, cada escola, de forma mais
livre e mais responsável, tome as opções de organização curricular que
melhor se adaptem às características dos seus alunos, o MEC regista com
agrado o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido em cada escola,
tanto na gestão dos recursos, como na melhoria dos resultados
escolares. 
As horas de crédito horário para o ano letivo
2015/2016 agora comunicadas às escolas resultam da análise da
necessidade de horas para gestão (KxCAPg), de que as escolas foram
informadas a 30 de junho, e da análise dos progressos obtidos,
verificados para cada uma através dos indicadores de eficácia educativa
(EFI) e de redução de alunos em abandono ou risco de abandono (RA), de
que as escolas foram agora informadas. 
A parcela referente à gestão (KxCAPg) tem em
conta indicadores de capacidade de gestão dos recursos docentes e o
número de turmas, compensando as horas de redução da componente letiva
por antiguidade.
Uma análise do indicador da capacidade de gestão dos
recursos docentes mostra que 423 escolas usam pelo menos 99% das
horas de que dispõem. Este número representa 52% do total de escolas
denotando, tal como já se tinha verificado no ano passado, um aumento
relativamente ao ano de 2014, onde essa percentagem foi de 48%. 
Para o próximo ano, através desta parcela do crédito
identificaram-se 43 escolas que receberam mais de 88 horas (valor máximo
estipulado nos despachos anteriores a 2012). Destas, 26 receberam mais
de 110 horas, numa média de 152 horas, tendo uma delas atingido o valor
máximo de 250 horas, fruto da conjugação de uma boa capacidade de gestão
com o facto de terem um corpo docente relativamente jovem, com poucas
horas de redução da componente letiva por antiguidade.
No que se refere à atribuição dos créditos EFI e RA, estas
são componentes do crédito que resultam dos progressos obtidos em cada
uma das escolas. Dependem de variáveis como a evolução dos resultados
escolares, a aferição dos resultados internos com os externos, do
sucesso escolar alcançado pelos alunos e da redução da percentagem de
alunos em abandono ou em risco de abandono escolar. 
De notar que, logo no despacho normativo n.º 13/A/2012, de
5 de junho, houve a preocupação de incentivar o bom trabalho educativo
em todos os níveis de escolaridade oferecidos pela escola. Assim, uma
escola que tenha alunos a realizar exames tanto no ensino básico como no
secundário terá uma majoração de crédito se conseguir superar os
critérios definidos em ambos os níveis de ensino.
A fim de tornar público o trabalho das escolas no que se
refere à sua eficácia educativa, identificam-se em anexo as listas das
que superaram os critérios definidos no despacho n.º 10-A/2015,
de 19 de junho, para a atribuição de crédito horário na componente
eficácia educativa (EFI).
 
Lista de escolas com créditos
Tipo: PDF, Peso: 345,98Kb
por:Portugal.gov.pt 

Pinhel vai acolher um polo da Ensiguarda

   A funcionar desde 2006, a Ensiguarda – Escola
Profissional da Guarda prepara-se para abrir um polo na cidade de Pinhel.

 Os contactos entre o Município de Pinhel e a Direção da
Escola estão a ser desenvolvidos e, na passada segunda-feira, dia 8 de junho,
teve lugar na Câmara Municipal de Pinhel uma reunião em que estiveram presentes
os membros do Executivo, os Presidentes de Junta de Freguesia e o Diretor da
Ensiguarda, Dr. João Raimundo.

    Este encontro teve como objetivo dar a conhecer a Escola
Profissional da Guarda, os cursos aí lecionados e a intenção de abrir um polo
desta escola na cidade de Pinhel, no ano letivo de 2016 / 2017.
    Para o Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, a
Ensiguarda é uma escola profissional de referência, motivo pelo qual só vê
vantagens na sua descentralização para Pinhel.
Além de ser mais uma oportunidade para os alunos do
concelho, será certamente um motivo de atração de alunos de concelho vizinhos,
acredita o autarca pinhelense.
    A Ensiguarda – Escola Profissional da Guarda iniciou as
suas atividades em setembro de 2006, com os cursos de Técnico de Multimédia,
Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos e Técnico de Serviços Jurídicos.
Sucedeu-se a abertura, no ano letivo de 2007/2008, do
curso de Animador Sociocultural e no ano seguinte a Ensiguarda alargou a sua
oferta formativa com os novos cursos de Técnico de Comunicação/Marketing,
Relações Públicas e Publicidade e Técnico de Manutenção
Industrial/Eletromecânica.
    Atualmente, a Escola conta com cerca de 450 alunos e
centra a sua atividade num ensino inovador, dinâmico e proativo, fornecendo aos
jovens o conhecimento teórico e prático que responde às suas ambições de
aprendizagem e às exigências do mercado de trabalho.
    Em busca de novos caminhos e de um ensino de excelência,
a Ensiguarda mantém-se atenta ao mundo empresarial e às necessidades da região
em termos educativos, perseguindo sempre o aperfeiçoamento humano e
profissional dos seus alunos.
Por: Mun. de Pinhel

Escola Profissional de Santa Comba Dão encerrada por falta de verbas

Falta de um parceiro privado e incapacidade financeira da Câmara ditaram e encerramento do estabelecimento de ensino

A
Profiacademus – Escola Profissional de Santa Comba Dão já não vai abrir
em Setembro, como seria normal, para o início do ano lectivo. Em
reunião de Câmara, o executivo decidiu encerrar a escola por falta de
verbas e porque não apareceu nenhum parceiro privado interessado em
gerir o estabelecimento de ensino.

fonte:Jornalista: 

Catarina Tomás Ferreira