Início » Tag Archives: Escola Básica e Secundária do AEFA

Tag Archives: Escola Básica e Secundária do AEFA

Clube de Karaté homenageado no Dia Internacional da Educação

Foi um dia diferente na Escola sede do Agrupamento de Fornos de Algodres , onde o auditório acolheu a cerimónia do Dia Internacional da Educação, onde a Freguesia de Fornos de Algodres levou a cabo a 2ªedição, onde recorde-se que no ano 2022, os homenageados foram os Escuteiros de Fornos de Algodres.

Neste dia , com uma sala cheia de alunos e professores, deste modo a sessão, foi aberta com intervenções de Marco Fernandes, Diretor do Agrupamento de Escolas, Alexandre Lote, Vice-Presidente do Município de Fornos de Algodres e Bruno Costa, Presidente da Junta de Freguesia local e Rafael Bento , por parte do Clube de Karaté.

Ainda estiveram presentes, Luísa Gomes, Vereadora da Câmara Municipal com o pelouro da Educação, Henrique Quelhas, Presidente da Associação de Estudantes, Telma Trindade, por parte da Associação de Pais, Raquel Batista da CPCJ e Presidente da Assembleia Municipal, Carlos Baptista como Diretor Geral do AEFA, Teresa Pinto do CLDS4G e Maria Monteiro do Agrupamento de Escuteiros de Fornos de Algodres.

Todos realçaram que a educação é muito importante , já Bruno Costa (Freg.Fornos), salientou que o objetivo desta sessão é no intuito de sensibilizar a sociedade civil no sentido de cumprir o direito à educação. Enalteceu como aposta ganha o trabalho do Município no setor da educação, que dá fruto no futuro.

Educação é aposta forte do Municipio

Por sua vez, Alexandre Lote (MFA) louvou a Freguesia pela iniciativa e o clube de Karaté pelo excelente trabalho na comunidade jovem, ainda deixou um desafio `para a Associação de Estudantes passar a ser efetiva.

Referiu que a Educação é um pilar muito importante para o Município e por isso é uma aposta deste orçamento para 2023 e depois existe uma boa articulação com o Agrupamento  e ressalvou que Fornos em boa hora aderiu ao programa da Unicef e foi considerada Cidade Amiga das Crianças, onde nesta região só existe Seia.

O Município tem feito muitas remodelações em sintonia com o Agrupamento no sentido de melhorar a qualidade de ensino, uma vez que a escola constitui numa atração para trazer gente para o concelho, enalteceu o autarca.

Por fim, Rafael Bento do Clube de Karaté, agradeceu a homenagem e explicou que em Fornos este clube tem 12 anos, mas já se pratica cá a modalidade desde 1999. O Karaté trabalha a ética, o respeito, coordenação entre outras qualidades e ainda fez o convite a todos que queiram experimentar ou regressar , as portas estão abertas ao sábado de manhã.

Para finalizar a manhã com chave de ouro, uma preleção do atleta paralímpico Mário Trindade que fez o seu trajeto de vida e as dificuldades que passou para chegar ao alto nível, a campeão do mundo e mostrou a todos que apesar das dificuldades físicas conseguiu vários feitos de solidariedade. Em suma, uma manhã deveras interessante com a educação a revelar-se muito importante na vida das pessoas.

 

Greve dos professores em Fornos de Algodres

Ao inicio da manhã desta terça feira , decorre na entrada da Escola Básica e Secundária de Formos de Algodres, uma manifestação de greve dos Professores afetos a este estabelecimento de ensino .

Os docentes reivindicam melhores condições a nível geral, como salários, progressão na carreira , um novo estatuto do professor em Portugal.

Nesta manifestação reivindicam uma revisão do regime de recrutamento e mobilidade do pessoal docente, progressão na carreira. Revisão do escalão 5º ao 7º, entre outras coisas.

 

Conversa com Mafalda Rodriguez (Nutricionista) (3150N)

“Um desafio e uma aprendizagem para toda a equipa

Uma nova era aconteceu no refeitório do AEFA, desde que o Município de Fornos de Algodres, assumiu as competências na educação, assim tudo ganhou nova vida, com a equipa a ser retocada com mais elementos, na cozinha, onde a coordenação é da nutricionista Mafalda Rodriguez com resultados muito satisfatórios. Assim, recentemente de celebrou o Dia da Alimentação e fomos conversar um pouco sobre este trabalho que está a ser feito com a nutricionista Mafalda Rodriguez.

Magazine Serrano-Um novo ano letivo se iniciou e um desafio se levanta anualmente, a satisfação dos alunos no que diz respeito há comida escolar, verdade? 

Mafalda Rodriguez-Sim, a satisfação alimentar é muito importante, no entanto é um grande desafio, uma vez que a satisfação alimentar muitas das vezes é diferente, senão mesmo oposta, de uma alimentação saudável e equilibrada. O que os alunos entendem de uma refeição “satisfatória” por vezes é contrária a hábitos alimentares saudáveis. O principal objetivo do refeitório, é fornecer ementas saudáveis, seguras e nutricionalmente equilibradas o que nem sempre é do agrado das crianças e jovens.

MS- A elaboração das ementas não é uma tarefa fácil sendo que, tem de as elaborar mediante determinados fatores. O que nos pode falar sobre isso?

MR– As ementas são elaboradas tendo em conta as necessidades energéticas e nutricionais das crianças e jovens de acordo com a faixa etária. Portugal tem sido um exemplo na produção de orientações sobre a oferta alimentar, desde o início dos anos 80.

As ementas são elaboradas mensalmente de acordo com as orientações sobre ementas e refeições escolares, que a Direção-Geral da Educação publicou, em agosto de 2018, a Circular n.º 3097/DFE/2018, que veio revogar a Circular n.º 3/DSEEAS/DGE/2013.

MS- Hoje surgem já muitos alunos que se designam vegetarianos, veganos, e também alunos com patologias, como alergia ou intolerância a algum alimento. Podemos dizer que é mais um desafio para si, ao ter de elaborar ementas que satisfação as necessidades de todos os alunos?

MR-Foi um desafio e uma aprendizagem para toda a equipa confecionarmos pratos vegetarianos que fossem atrativos. Sendo um tipo de refeição diferente, devem existir cuidados para que não provoquem algumas carências e desequilíbrios nutricionais. Quando existe uma alergia ou intolerância alimentar, comprovado por diagnóstico clínico, é elaborada uma ementa específica de acordo com a patologia identificada.

MS- No dia de hoje a nutrição escolar, é um ponto muito importante para o desenvolvimento do aluno, no seu entender, o que deve ser feito, a este respeito, para um futuro próximo?

MR-É muito importante consolidar hábitos alimentares saudáveis desde muito cedo e no seio familiar. Deve ser incutido às crianças e jovens desde cedo, a prática de almoçar no refeitório escolar. Não nos devemos esquecer, que é na escola que passam um tempo significativo das suas vidas e onde ingerem a maioria das suas refeições. As refeições escolares, para além de darem resposta às necessidades nutricionais, também têm objetivos sociais, pedagógicos e culturais. A educação alimentar é fundamental.

MS- Neste momento, o feedback que obtivemos exteriormente, é que a qualidade das refeições melhorou, desde que o Município abraçou esta causa. Na sua opinião, muita coisa mudou para alcançar este feito?

Fico contente com o feedback. Anteriormente a cozinha era gerida por uma empresa de restauração coletiva. Embora a equipa se mantenha a mesma, está mais motivada e orientada. Está uma equipa unida com um objetivo claro de confecionar as refeições com qualidade.

A formação de “Reconhecimento, validação e certificação de competências profissionais “, que realizaram também ajudou a aperfeiçoar técnicas culinárias. A escolha de produtos locais, também foi um fator que contribuiu para essa melhoria. Penso que a diversidade alimentar e a escolha de produtos sazonais também contribuem para uma melhor aceitação das refeições.

MS- Nos dias de hoje, o refeitório escolar tem aumentado o número de refeições em relação a quando iniciou este percurso. É sinal de mudança nos produtos utilizados, nas ementas elaboradas, a qualidade dos recursos humanos também aumentou? O que nos pode dizer a esse respeito? 

MR-Como já referi vários fatores influenciaram para que as refeições fossem mais bem aceites pelas crianças e jovens. Os produtos frescos e locais, a equipa que conhece todos os gostos e preferências dos alunos, a formação que a equipa recebeu e as ementas que são elaboradas de acordo com as orientações, mas que tentamos que sejam do agrado das crianças e jovens. A equipa tem trabalhado de forma a que haja articulação e comunicação com professores, encarregados de educação e com os jovens, de forma a melhorar sempre o que pode estar a correr menos bem para que o almoço seja cada vez mais atrativo.

MS- Sabemos que na nutrição escolar, nunca existe satisfação total e com todas as restrições impostas pelo Ministério a nível de diminuir o sal, o açúcar, evitar os fritos, entre mais outras exigências. O desafio é mais elevado para manter o grau de satisfação dos alunos? MR-Sim, sem dúvida. Temos que reforçar que o refeitório não é um restaurante, é um espaço educativo e como tal, tem de se assumir também, como um espaço de experimentação a novos sabores e outras ementas. A alimentação escolar deve visar e promover a saúde das crianças e jovens, através de almoços nutricionalmente equilibrados e saudáveis.

Devemos promover formas tradicionais de culinária nomeadamente a promoção da Dieta Mediterrânica. Desta forma, as refeições devem seguir os princípios nutricionais de redução de nutrientes reconhecidos como prejudiciais. Como exemplo, posso referir que não são fornecidos fritos no refeitório, todos os alimentos são confecionados no forno.

MS- Para finalizar, agradecer o seu tempo disponível. Que mensagem deixa nesta fase do ano a alunos, professores, pais, encarregados de educação e restante comunidade?

MR-Antes demais quero desde já agradecer o convite. É cada vez mais importante falar sobre alimentação e hábitos alimentares, nomeadamente em ambiente escolar.

A alimentação é um dos principais determinantes da saúde das populações, é também um condicionante do desenvolvimento cognitivo e do rendimento escolar das crianças e jovens.

As refeições em meio escolar devem ser seguras, saborosas, nutricionalmente equilibradas, integradoras, agradáveis e sustentáveis. É nestas bases que trabalhamos diariamente.

Somos uma equipa que diariamente trabalha em prol das crianças e jovens. Quero aproveitar para deixar o convite aos professores, pais, encarregados de educação, para experimentarem almoçar no refeitório.  “Saber comer é saber viver”

Dia Mundial dos Oceanos celebrado no AEFA

Os oceanos, são fonte de VIDA na Terra.
Os oceanos estão a morrer por sobrepesca, poluição, acidificação, aumento da temperatura média, desoxigenação e, consequentemente, perda de biodiversidade…
Pensar que “o mar está longe, não nos afeta, não o prejudicamos ou nada podemos fazer para o proteger”, é um ERRO, tão grande como o cometido pelas indústrias de pesca que exploram recursos finitos, ou tantas outras formas de poluição ambiental que matam tantas e diversificadas formas de vida…
Não, o mar não está longe! Ele começa aqui, na nossa cozinha, nos lavabos,… nos sumidouros/sarjetas das ruas e estradas que percorremos!…
Porque é necessário ALERTAR e ACORDAR as nossa sonolentas consciências, a Escola Básica e Secundária do AEFA, iniciou a campanha “O Mar começa aqui!”…
Lembre-se disto, quando lançar lixo no chão, descarregar o autoclismo, ou escorrer a lata de atum no lava-loiça da cozinha…