Templates by BIGtheme NET
Início » Cultura » Carlos Rodrigues para presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda

Carlos Rodrigues para presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda

O Conselho de Ministros aprovou hoje a nomeação de Carlos Rodrigues para presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda e a continuidade de três dos cinco membros. Para além da saída de Vasco Lino da presidência da ULS da Guarda, Fernanda Maçoas também abandona o cargo de directora clínica hospitalar. Mantêm-se Flora Moura (vogal), João Marques (enfermeiro director) e Gil Barreiros (director clínico de cuidados primários) que passa também a desempenhar as funções até agora exercidas por Fernanda Maçoas.
Como o TB noticia na edição desta semana, os autarcas do PSD do distrito da Guarda chegaram a manifestar-se contra a eventual substituição de Vasco Lino na presidência do Conselho de Administração da ULS da Guarda numa reunião que terá sido promovida pelo deputado à Assembleia da República, Carlos Peixoto. Ao que o semanário conseguiu apurar, o presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, admitiu no encontro que conhecia o gestor que é apontado como provável substituto mas terá negado qualquer envolvimento na possível decisão do ministro da Saúde. 
Recorde-se que o mandato do actual Conselho de Administração da ULS terminou no final do ano e o ministro da Saúde ainda não tinha até hoje decidido nada sobre a equipa ao contrário do que já sucedeu noutras instituições, como no Centro Hospitalar da Cova da Beira.
Falava-se na possibilidade que Paulo Macedo poder escolher Carlos Rodrigues, um gestor próximo de Álvaro Amaro para suceder a Vasco Lino, o que veio agora a confirmar-se. 
Carlos Rodrigues não tem qualquer ligação à Guarda. É natural de Caldas da Rainha e vive em Lisboa. É coordenador da licenciatura de Gestão em Saúde da Universidade Atlântica e doutorado em gestão pelo ISCTE, com especializações em gestão pública, gestão empresarial e organização de recursos humanos. Iniciou a carreira na administração pública em 1993 como subdirector de Agricultura do Ribatejo e Oeste, cargo que ocupou até à mudança de governo, em 1995. Álvaro Amaro era então secretário de Estado da Agricultura, no executivo presidido por Cavaco Silva. O autarca da Guarda e Carlos Rodrigues foram autores de um estudo sobre «A emergência do Estado Relacional e a necessidade de uma nova gestão pública», publicado numa revista da Universidade Independente, onde Amaro foi professor e dirigiu o curso de Administração Regional e Autárquica.
Passou pela direcção de recursos humanos da empresa Lactogal, foi assessor na Fundação para a Ciência e Tecnologia e vice-presidente do Instituto do Cinema, do Audiovisual e Multimédia. Com Pedro Santana Lopes como primeiro-ministro foi chamado para chefe de gabinete do secretário de Estado da Agricultura e, no governo de José Sócrates, a ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, nomeou-o, em 2005, subdirector-geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular.  O
Conselho de Ministros aprovou  a nomeação de Carlos Rodrigues para
presidente do Conselho de Administração da Unidade Local de Saúde (ULS)
da Guarda e a continuidade de três dos cinco membros. Para além da saída
de Vasco Lino da presidência da ULS da Guarda, Fernanda Maçoas também
abandona o cargo de diretora clínica hospitalar. Mantêm-se Flora Moura
(vogal), João Marques (enfermeiro diretor) e Gil Barreiros (diretor
clínico de cuidados primários) que passa também a desempenhar as funções até agora exercidas por Fernanda Maçoas.

Como o TB noticia na edição desta semana, os autarcas do PSD do
distrito da Guarda chegaram a manifestar-se contra a eventual
substituição de Vasco Lino na presidência do Conselho de Administração
da ULS da Guarda numa reunião que terá sido promovida pelo deputado à
Assembleia da República, Carlos Peixoto. Ao que o semanário conseguiu
apurar, o presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro,
admitiu no encontro que conhecia o gestor que é apontado como provável
substituto mas terá negado qualquer envolvimento na possível decisão do
ministro da Saúde.
Recorde-se que o mandato do atual Conselho de
Administração da ULS terminou no final do ano e o ministro da Saúde
ainda não tinha até hoje decidido nada sobre a equipa ao contrário do
que já sucedeu noutras instituições, como no Centro Hospitalar da Cova
da Beira.
Falava-se na possibilidade que Paulo Macedo poder escolher
Carlos Rodrigues, um gestor próximo de Álvaro Amaro para suceder a
Vasco Lino, o que veio agora a confirmar-se.
Carlos Rodrigues não
tem qualquer ligação à Guarda. É natural de Caldas da Rainha e vive em
Lisboa. É coordenador da licenciatura de Gestão em Saúde da Universidade
Atlântica e doutorado em gestão pelo ISCTE, com especializações em
gestão pública, gestão empresarial e organização de recursos humanos.
Iniciou a carreira na administração pública em 1993 como subdiretor de
Agricultura do Ribatejo e Oeste, cargo que ocupou até à mudança de
governo, em 1995. Álvaro Amaro era então secretário de Estado da
Agricultura, no executivo presidido por Cavaco Silva. O autarca da
Guarda e Carlos Rodrigues foram autores de um estudo sobre «A emergência
do Estado Relacional e a necessidade de uma nova gestão pública»,
publicado numa revista da Universidade Independente, onde Amaro foi
professor e dirigiu o curso de Administração Regional e Autárquica.
Passou pela direção de recursos humanos da empresa Lactogal, foi
assessor na Fundação para a Ciência e Tecnologia e vice-presidente do
Instituto do Cinema, do Audiovisual e Multimédia. Com Pedro Santana
Lopes como primeiro-ministro foi chamado para chefe de gabinete do
secretário de Estado da Agricultura e, no governo de José Sócrates, a
ministra da Educação, Maria de Lurdes Rodrigues, nomeou-o, em 2005,
subdiretor-geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular.
Fonte:TB

Publicidade...



 

Enviar Comentário