Templates by BIGtheme NET
Início » Aguiar da Beira (Pagina 5)

Aguiar da Beira

AF Guarda- Resultados do Campeonato Distrital da 1ªDivisão— 4ªjornada

 

AD Fornos de Algodres – UD Os Pinhelenses- 4-1

Soito – GD Trancoso- 0-2

Estrela Almeida – Casal Cinza- 6-1

Freixo Numão – Guarda DFC- 0-3

SC Celoricense – Aguiar da Beira-2-1

Guarda FC – SC Sabugal- 3-0

Vila Cortez – Foz Côa- 2-1

Classificação:

1º- Trancoso-12

2º-Guarda FC-12

3º- Guarda DFC-9

4º-Vila Cortez-9

5º-AD Fornos de Algodres-9

6º-SC Sabugal-6

7º-Estrela Almeida-6

8º-SC Celoricense-3

9º-Aguiar da Beira-3

10º-Foz Côa-3

11º-Soito-0

12º-VF Naves-0

13º-UD Os Pinhelenses-0

14º-Freixo Numão-0

15º-Casal Cinza-0

 

Avisos e Liturgia do 28º Domingo do Tempo Comum – ano B

 

As leituras deste Domingo podem ser apresentadas como um guião para uma melhor compreensão de Deus. Em primeiro lugar, o belíssimo texto evangélico salienta o desejo que todos temos de sermos fiéis ao amor de Deus. “Bom Mestre, que hei-de fazer para alcançar a vida eterna?”, ou seja, para viver o amor de Deus. A resposta de Jesus é muito clara e perspicaz: vive a vida que Deus te propõe, procura ser imagem viva de Deus. O que fazer? Pois, ama os outros. Respeita a sua vida, a sua dignidade, a sua integridade e cuida dos teus pais e de todos que te são mais próximos. Porém, Jesus diz ainda o seguinte: não dependas das tuas próprias seguranças, não sonhes ser rico para te sentires seguro e robusto, não permitas que a riqueza seja o mais importante para ti. Confia em Deus e Deus será o teu tesouro: “terás um tesouro no Céu”. Também não podemos esquecer dois gestos de Jesus: “Jesus olhou para ele (o jovem rico) com simpatia”, ou seja, com afecto. Jesus olha-me, com afecto, com amor. Como é bom sentir-me amado por Jesus, por um Jesus que me fala pessoalmente. O segundo gesto é o chamamento: “Depois, vem e segue-me”. É verdade, Jesus diz-me: “Segue-me”. Jesus faz-nos um convite pessoal para ir com Ele. É um convite amável, quase íntimo, que me convida a segui-Lo com plena confiança. Ele ensinar-nos-á que não ninguém melhor que Deus.

Este Deus ama-me tanto que escutará a minha súplica de querer ser sua imagem. Recordemos aquela frase de Jesus: “quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que Lho pedem!” (Mt 7,11). A primeira leitura diz-nos claramente o que devemos pedir a Deus: prudência e Espírito de sabedoria. Foi bom Jesus ter-nos convidado a deixar as nossas seguranças para obter a Sabedoria, o próprio Deus; diante Dele as riquezas não são nada. A Sabedoria é mais valiosa do que as pedras preciosas e do que todo o ouro e a prata do mundo. É mais valiosa do que a saúde e a beleza. Como é bom ter esta sabedoria! A segunda leitura convida-nos a acolher a Palavra de Deus que é viva e eficaz, “e é capaz de discernir os pensamentos e intenções do coração”, é uma palavra que me conhece melhor do que eu mesmo, uma palavra que toma uma forma humana na pessoa de Jesus de Nazaré. Através da sabedoria, através da Palavra, Deus chama-me pelo meu nome, mas, muitas vezes, nada respondo, ou seja, não quero ser sábio, faço-me surdo a tudo o que Deus me quer dizer. Cada um bem sabe as resistências que coloca ao chamamento de Deus! Deus chama-me pelo meu nome, porque me conhece, mas muitas vezes não o quero ouvir.

A resposta de Jesus ao jovem rico deixou-o desconcertado. Aquele jovem queria seguir Jesus! Os discípulos também ficaram surpreendidos, porque tinham deixado tudo para seguir o Mestre. Por isso, comentavam entre si: “Quem pode então salvar-se?”. Eles falavam em nosso nome, porque pensamos como eles, e também nos perguntamos como se pode viver com o desprendimento que Jesus propõe. Sentimos que somos incapazes de sermos tão santos! Talvez tenhamos esquecido que Deus, que tudo pode, também me pode libertar do desejo de seguranças e de ter dinheiro. Ama-me tanto que me leva como água ao seu moinho. Mas Pedro insiste: “Vê como nós deixámos tudo para Te seguir”. Na nossa vida, está bem presente a resposta de Jesus a Pedro: recebemos muito mais do que damos, deixámos de ter muitas coisas para seguir Jesus, espera-nos a perseguição e a incompreensão por causa da nossa opção de viver o que nos é proposto pelo Evangelho. Se Deus tudo pode, também me pode converter para estar disponível a escutar as palavras de Jesus: “Falta-te uma coisa: vai vender tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu. Depois, vem e segue-Me”. Na minha vida, o que devo vender? O que tenho de dar aos pobres? Onde está o meu tesouro?

10-10-2021

LEITURA ESPIRITUAL

Há uma riqueza que semeia a morte por onde quer que domine: libertai-vos dela e sereis salvos. Purificai a vossa alma, tornai-a pobre para poder escutar o apelo do Salvador que vos repete: «Vem e segue-me!» Ele é o caminho por onde segue quem tem o coração puro: a graça de Deus não penetra numa alma cheia de empecilhos e atormentada por uma multidão de posses.

O que olha a fortuna, o ouro e a prata ou as casas, como dons de Deus, esse testemunha a Deus o seu reconhecimento, indo em auxílio dos pobres com os seus bens, pois sabe que os possui mais para os seus irmãos do que para si mesmo, tornando-se, assim, mestre das suas riquezas, em vez de seu escravo. Não as guarda em sua alma, nem encerra nelas a sua vida, mas prossegue sem se cansar numa obra tão divina. E, se algum dia a sua fortuna vier a desaparecer, aceita essa ruína com um coração livre. A esse homem, Deus declara-o bem-aventurado, «pobre em espírito», herdeiro do Reino dos Céus (Mt 5, 3).

Em contrapartida, há o que esconde a riqueza em seu coração, em vez do Espírito Santo. Esse, guarda para si as terras; acumula sem fim a fortuna e não se preocupa senão com ajuntar sempre mais; nunca levanta os olhos para o céu; preocupa-se com as coisas temporais, porque ele não é senão pó e em pó se tornará (Gn 3, 19). Como é que pode experimentar o desejo do Reino aquele que, em vez do coração, leva em si um campo ou uma mina, e a quem a morte o surpreenderá no meio das suas paixões? «Pois, onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração». (Mt 6, 21). (São Clemente de Alexandria, 150-c.215, teólogo Kephas III, p. 753-754).

 

http://www.liturgia.diocesedeviseu.pt/

Ano B - Tempo Comum - 28º Domingo - Boletim Dominical II

AF Guarda- Resultados da 1ªDivisão de Futsal

Decorreu na noite deste sábado, o arranque da 1ªDivisão de Futsal da AF Guarda, com triunfos do CF Sabugal, Casal de Cinza, SC Sabugal e GD Sameiro.
ADRC Penaverdense- Clube Futsal Sabugal-0-6
GCR Casal de CinzaFutebol Clube de Pala-9-5
Sporting Clube Do Sabugal  – A.D.R.C. Aguiar da Beira-4-1
Grupo Desportivo de MêdaGrupo Desportivo de Sameiro-2-4
GD Lameirinhas- ED Carlos Franco -13 de novembro

Borrego Serra da Estrela DOP promovido nos restaurantes da região DOP Serra da Estrela

A Estrelacoop – COOPERATIVA DE PRODUTORES DE QUEIJO SERRA DA ESTRELA, CRL irá promover, junto dos municípios da região demarcada da DOP Serra da Estrela, um conjunto de iniciativas com intuito de dinamizar e valorizar mais um ativo de grande valor na Região, como é o caso do Borrego Serra da Estrela DOP. A primeira edição do Borrego Serra da Estrela DOP acontece no dia 29 de outubro, no fim de semana prolongado de 30 e 31 de outubro e 1 de novembro, altura em que os portugueses aproveitam para visitarem as suas terras de origem ou optam por aproveitar para passearem. Serão quatro dias intensos de experiências gastronómicas tradicionais imperdíveis.

 O Borrego Serra da Estrela DOP é uma carne exclusiva da Região da Serra da Estrela, tenra e muito saborosa, para provar e aprovar num dos restaurantes selecionados para a primeira edição deste evento. É uma carne proveniente de borregos filhos de ovelhas de raças Bordaleira ou Churra Mondegueira, as únicas raças de ovinos com as quais é possível produzir o inconfundível Queijo Serra da Estrela DOP. A forma como estes animais são criados dá origem a uma carne macia e saborosa, texturada por uma gordura intersticial subcutânea bem distribuída, que se distingue da carne de borrego de outras regiões do país. Os borregos da raça Bordaleira podem ser encontrados nos pastos das colinas e vales da Serra da Estrela e estão na origem de hábitos culinários ancestrais nesta região, que vão desde a produção do Queijo da Serra da Estrela DOP aos típicos pratos como o Borrego à Canastra, o Ensopado de Borrego, entre tantos outros.

 Este evento envolve as várias organizações da região onde o borrego DOP é produzido, em particular os restaurantes, os hotéis, as câmaras municipais, as juntas de freguesia e os postos de turismo. A uns caberá a sua divulgação e dinamização, a outros caberá incluir, na sua oferta gastronómica, a confeção tradicional ou reinvenção de um prato com a carne de borrego DOP.

Nesta 1ª Edição participam vários restaurantes dos Municípios de Carregal do Sal, Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Gouveia, Mangualde, Manteigas, Nelas, Oliveira do Hospital, Penalva do Castelo e Seia, bem como algumas freguesias dos concelhos de Aguiar da Beira, Arganil, Covilhã, Guarda, Tábua, Tondela, Trancoso e Viseu, que garantem nos seus menus, pelo menos, 1 prato confecionado com Borrego Serra da Estrela DOP.

 

No website do evento – www.borregoserradaestreladop.pt – pode encontrar todas as informações úteis, sugestões de visita para prolongar a estadia na região e saber quais são os restaurantes aderentes.

Resultados AF Guarda – Campeonato Distrital 1ªDivisão 3ªjornada

UD Os Pinhelenses – V. Cortez -2-5

Guarda DFC – SC Celoricense- 2-1

Aguiar da Beira – Estrela Almeida- 0-1

Casal Cinza – AD Fornos de Algodres- 1-2

GD Trancoso – Freixo Numão- 5-0

SC Sabugal – Vila Franca Naves- 3-1

Foz Côa – Guarda FC- 0-1

 

Classificação:

1º- GD Trancoso- 9

2º – Guarda FC- 9

3º-Guarda DFC-6

4º- Vila Cortez- 6

5º-SC Sabugal-6

6º-AD Fornos de Algodres-6

7º-Estrela Almeida- 3

8º-Aguiar da Beira- 3

9º- Foz Côa- 3

10º-Soito-0

11º-SC Celoricense-0

12º-VF Naves- 0

13º-Os Pinhelenses-0

14º-Freixo Numão- 0

15ºCasal Cinza-0

Avisos e Liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum- ano B

A mulher e o homem são chamados a viver em harmonia, em mútua companhia. Sim, é verdade, são chamados. A Bíblia não é um livro de ciência, mas um livro religioso, o qual faz uma interpretação religiosa da realidade, sempre complexa, da relação entre o homem e a mulher. Diz-nos como devem ser as nossas relações: entre vizinhos, entre amigos, entre os esposos. E em todas as relações temos de ter bem presente os seguintes verbos: amar, respeitar, acolher, perdoar. Em primeiro lugar, temos de constatar o seguinte: é importante viver em relação porque isto enriquece-nos. A primeira leitura deste domingo é muito clara: “não é bom que o homem esteja só”. Em segundo lugar, é importante não esquecer que todos temos a mesma dignidade, que todos somos da mesma espécie, porque todos fomos criados à imagem e semelhança de Deus: “Deus criou o homem à sua imagem; criou-o à imagem de Deus, criou-os homem e mulher”. Temos a mesma dignidade, completamo-nos uns aos outros. A primeira leitura recorda-nos isto da seguinte forma: “Esta é realmente osso dos meus ossos e carne da minha carne”. O homem e a mulher unem-se para serem uma só carne, ou seja, um só eu, um só tu, uma só família, uma só comunidade.

Todavia, bem sabemos que este chamamento à harmonia, a “uma só carne”, não é fácil, porque muitas vezes nos esquecemos que fomos criados à imagem e semelhança de Deus, ou seja, deixamos dominar a “dureza do nosso coração”, como Jesus nos diz no Evangelho. A “dureza do coração” são as nossas resistências que prejudicam as nossas relações, mesmo no casamento. Portanto, é fundamental que todos tenhamos uma ideia clara de como somos. Recordemos a célebre sentença grega do templo de Delfos: “Conhece-te a ti mesmo”. É importante saber como posso enriquecer a minha relação com o outro, no casamento ou noutra forma ou situação da vida. É importante saber de que maneira estou a ser causa de conflitos e obstáculos no relacionamento com os outros. Tantas vezes ouvimos estas frases: “eu sou assim”, “já sabes que sou assim”, “comigo é assim”, “quem quer que se mude”, “quem não está bem que se mude”. Isto é o mesmo que dizer “não esperes que abandone o meu comodismo, o meu conforto, o meu sofá, o meu mundo, as minhas ideias”. Se não quero mudar para melhorar, se não quero crescer como pessoa para ser mais semelhante a Deus, estou a revelar a dureza do meu coração. Desta forma estou a resistir viver o espírito das bem-aventurança, que é a “selfie” que Jesus faz de si mesmo: simplicidade de coração, construtor da paz, aceitação da minha fraqueza e pobreza e de tudo o que me falta para ser um digno filho de Deus.

Nas suas palavras, Jesus recorda o que foi dito no princípio da criação: “Deste modo, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu”. Temos de realçar este aspecto: “o que Deus uniu”. Se não houver uma sinceridade inicial absoluta, uma entrega total, uma vontade de ser melhor e de ajudar o outro a ser melhor, uma vontade de viver o casamento com critérios evangélicos, não sei se podemos dizer que foi unido por Deus! Se não acolho o outro como um dom que Deus me concede, com a simplicidade de uma criança que acolhe o Reino de Deus, não viverei uma relação própria de alguém que foi criado à imagem e semelhança de Deus.

Será que estamos a colocar a fasquia muito alta? Bem, Deus é que nos chama a ser perfeitos e santos! Todavia, temos consciência das nossas limitações. Para viver o amor, precisamos, muitas vezes, de rever e de recomeçar. Peçamos a Deus que nos acompanhe nesta aventura de amar como o Seu Filho Jesus Cristo nos amou.

03-10-2021

Orientações CEP 30.09.2021_1

LEITURA ESPIRITUAL

Na Bíblia encontrarmos uma imagem estritamente metafísica de Deus: Deus é absolutamente a fonte originária de todo o ser; mas este princípio criador de todas as coisas — o Logos, a razão primordial — é, ao mesmo tempo, um amante com toda a paixão de um verdadeiro amor. Deste modo, o eros é enobrecido ao máximo, mas simultaneamente tão purificado que se funde com a agape.

A primeira novidade da fé bíblica consiste na imagem de Deus; a segunda, essencialmente ligada a ela, encontramo-la na imagem do homem. A narração bíblica da criação fala da solidão do primeiro homem, Adão, querendo Deus pôr a seu lado um auxílio. Dentre todas as criaturas, nenhuma pôde ser para o homem aquela ajuda de que necessita, apesar de ter dado um nome a todos os animais selvagens e a todas as aves, integrando-os assim no contexto da sua vida. Então, de uma costela do homem, Deus plasma a mulher. Agora Adão encontra a ajuda de que necessita: «Esta é, realmente, osso dos meus ossos e carne da minha carne» (Gn 2, 23). Na base desta narração, é possível entrever concepções semelhantes às que aparecem, por exemplo, no mito referido por Platão, segundo o qual o homem originariamente era esférico, porque completo em si mesmo e auto-suficiente. Mas, como punição pela sua soberba, foi dividido ao meio por Zeus, de tal modo que agora sempre anseia pela outra sua metade e caminha para ela a fim de reencontrar a sua globalidade. Na narração bíblica, não se fala de punição; porém, a ideia de que o homem de algum modo esteja incompleto, constitutivamente a caminho a fim de encontrar no outro a parte que falta para a sua totalidade, isto é, a ideia de que, só na comunhão com o outro sexo, possa tornar-se «completo», está sem dúvida presente. E, deste modo, a narração bíblica conclui com uma profecia sobre Adão: «Por este motivo, o homem deixará o pai e a mãe para se unir à sua mulher; e os dois serão uma só carne» (Gn 2, 24). (Bento XVI, encíclica Deus Caritas Est, 9-11).

 

http://www.liturgia.diocesedeviseu.pt/

Ano B - Tempo Comum - 27º Domingo - Boletim Dominical II

Projeto-Piloto de Transporte Flexível a Pedido Ir e Vir apresentado pela CIM Viseu Dão Lafões

A Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões vai implementar o Projeto-piloto de Transporte Flexível a Pedido IR e VIR, que foi apresentado ,no Parque Urbano de Tondela, numa sessão que contou com a presença da Senhora Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.

O Projeto-piloto de Transporte Flexível a Pedido IR e VIR é uma solução desenvolvida pela Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões que tem como principal objetivo alargar e reforçar a oferta de transporte público de passageiros, garantindo uma cobertura adequada em zonas de menor densidade demográfica, nomeadamente, nos concelhos de Aguiar da Beira, Nelas, Oliveira de Frades, Santa Comba Dão, Tondela e Vouzela, conferindo, uma nova mobilidade a populações que residam em áreas que não dispõem de um serviço regular de transporte público de passageiros.

À semelhança do transporte coletivo regular, o IR e VIR tem (20) circuitos com horários e paragens pré-definidas, sendo que as deslocações apenas podem ser efetuadas nesses circuitos.

Desta forma, a partir do dia 04 de outubro será possível viajar, em dias úteis pré-definidos, dentro dos concelhos abrangidos, mediante reserva efetuada até às 12h (meio dia) do dia útil anterior à viagem, através do número 800 10 20 30 (chamada gratuita).

Com tarifas que podem oscilar entre os 1,05 euros e os 4,05 euros, dependendo do percurso, este projeto inovador contempla, para já, 20 circuitos, distribuídos pelos 6 concelhos.

Segundo o Vice-Presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Paulo Almeida, “Este é um projeto ambicioso da CIM na medida em que permite anular, de uma forma definitiva, carências do transporte público de passageiros nas zonas mais isoladas do nosso território, assegurando assim uma maior coesão territorial. Com esta proposta, procuramos garantir que setores da população mais isolados e com maior dificuldade de deslocação possam aceder de forma cómoda e economicamente justa aos serviços disponíveis na sede do seu concelho”.

De acordo com a Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, “Este é um bom exemplo de utilização dos fundos europeus das regiões para promover a coesão e a qualidade de vida da população, já que assegura um serviço público mais próximo e eficiente para os cidadãos deste território, independentemente de onde vivam. Queremos apoiar projetos como este em todas as CIM do Interior. Para isso precisamos que as nossas autarquias continuem a trabalhar em conjunto pelos seus objetivos comuns, como fez, neste caso, a CIM Viseu Dão Lafões”.

Para o Presidente do Município de Tondela, José António Jesus, “O ato que hoje aqui testemunhamos é um dos mais fortes contributos para a coesão. Garantir mobilidade, acesso a serviços essenciais, como aos serviços públicos, à saúde, é uma obrigação resultante do modelo de desenvolvimento que conjuntamente desejamos aprofundar.”

Para mais informações pode telefonar para o número 800 10 20 30, todos os dias úteis das 09h às 13h e das 14h às 17h, ou, em alternativa, consultar o site: https://irevir.cimvdl.pt

Webinar: Valorização Integrada do Cardo – DOP Serra da Estrela em Análise

A Estrelacoop – COOPERATIVA DE PRODUTORES DE QUEIJO SERRA DA ESTRELA, CRL está a organizar em conjunto com o Centro de Biotecnologia Agrícola e Agro-Alimentar do Alentejo (CEBAL), o Instituto Politécnico de Beja (IPBeja) e a Universidade de Évora (UÉvora), a 6ª sessão online do Roadshow Tecnológico intitulado “Valorização Integrada do Cardo – DOP Serra da Estrela em análise”.

A ação terá lugar no dia 6 de outubro pelas 17h00, em formato online via videoconferência Zoom. No programa consta a sessão de boas-vindas e a apresentação da Cynaratec, a caracterização bioquímica de cardosinas – do perfil enzimático ao coagulante personalizado, a mesa redonda: flor do cardo no Queijo Serra da Estrela DOP e as considerações finais. Para assistir basta efetuar a inscrição, gratuita, em: https://forms.gle/hJpZteKCqAFVmgYy8

Esta é uma iniciativa integrada no projeto Cynaratec – Transferência de Tecnologia para a Valorização do Cardo, que pretende unir investigadores, produtores e indústrias na valorização transversal do Cardo, desde a aptidão tecnológica da planta Cardo até ao seu valor económico. Esta sexta sessão, com enfoque no Queijo Serra da Estrela DOP e no potencial impacto económico da planta na região, tem como objetivos a disseminação e troca de novos conhecimentos e tecnologias na valorização da planta Cardo.

O roadshow tecnológico nacional “Valorização Integrada do Cardo” termina agora na região da Serra da Estrela, depois de ter passado por Azeitão, Serpa, Évora, Nisa e Castelo Branco. A sessão é aberta a todos os interessados na valorização deste recurso endógeno.

PROGRAMA

17h00 | Boas Vindas Roadshow Tecnológico
Fátima Duarte – CEBAL, MED

17h15| Cynaratec Tranferência Tecnológica na Valorização do Cardo Fátima Duarte – CEBAL, MED

17h30| Caracterização Bioquímica de Cardosinas – do perfil enzimático ao coagulante personalizado

Nuno Rosa – U. Católica P.

18h00| Mesa Redonda: Flor do cardo no Queijo Serra da Estrela DOP Dinamizado por Estrelacoop

19h30|Considerações Finais

Cristina Conceição – UÉvora, MED

Autárquicas 2021 no Distrito da Guarda- Câmaras Municipais

Aqui ficam os resultados da noite eleitoral no Distrito da Guarda, nas Câmaras Municipais nestas Autárquicas 21:

Na Guarda, Sérgio Costa (Pela Guarda)  36.22% – 8.559 votos, o PPD/PSD 33.68% – 7.958 votos, o PS 17.98% – 4.249 votos, o CH 2.69% – 636 votos, CDS-PP  2.69% – 636 votos, o B.E.  1.60% – 378 votos e o PCP-PEV  1.31% – 310 votos.

Figueira de Castelo Rodrigo,  Carlos Condesso (PSD)  47.63% – 1.882 votos,  PS – 45.41% – 1.794 votos, o CDS-PP – 2.61% – 103 votos, PCP-PEV – 0.61% 24 votos e o L – 0.23% – 9 votos.

Trancoso, Amílcar Salvador (PS)  59.71% – 3.461 votos,  PPD/PSD.CDS-PP – 32.71% – 1.896 votos e o PCP-PEV – 1.76% – 102 votos.

Fornos de Algodres, Manuel Fonseca(PS) 60.33% – 1.945 votos,  PPD/PSD.CDS-PP  34.24% – 1.104 votos e o PCP-PEV – 1.33% – 43 votos.

Celorico da Beira, Carlos Ascensão (PSD)  56.16% – 2830 votos, PS – 37.37% – 1.883 votos, o Chega – 2.50% – 126 votos e o PCP-PEV – 0.50% – 25 votos.

Pinhel, Rui Ventura (PSD) 66.64% – 3.629 votos,  PS 25.08% – 1.366 votos e o PCP-PEV  2.64% -144 votos.

Manteigas, Flávio Massano (Manteigas 2030)  34,14% – 758 votos, PS  28,11% – 624 votos, o PSD  26,76% – 594 votos, o NC  6,71% – 149 votos e o CDU  1,40% – 31 votos.

Sabugal, Vítor Proença (PSD)  47,09% – 3.403 votos,  PS com 40,22% – 2.907 votos,  CDS  4,14% – 299 votos, o Chega  2,85% – 206 votos e  CDU  1,54% – 111 votos.

Gouveia, Luís Tadeu(PSD) 50.09% 3.516 votos,  PS 40.85% – 2.868 votos e  PCP-PEV  2.99% – 210 votos.

Seia, Luciano Ribeiro (PS)  43.68% – 5.629 votos,  PPD/PSD  24.59% – 3.167 votos, o JPNT  17.82% – 2.296 votos, o Chega  5.54% – 714 votos e o PCP-PEV  3.41% – 439 votos.

Mêda, João Mourato(PPD/PSD.CDS-PP) 49.78% – 1.716 votos,  PS  44.27% – 1.526 votos e  PCP-PEV 1.13% – 39 votos.

Almeida, António Machado (PSD) 49.74% – 2.086 votos,  PS 42.61% – 1.787 votos e o PCP-PEV  2.62% -110 votos.

Vila Nova de Foz Côa, João Paulo (PSD)  51.30% – 2.287 votos,  PS 38.56% – 1.719 votos, o NC  4.33% -193 votos e o PCP-PEV  1.73% – 77 votos.

Aguiar da Beira, Virgílio da Cunha (UPNT)  52.16% – 2.194 votos,  PPD/PSD  40.04% – 1.684 votos,  Chega com 4.18% – 176 votos e o PCP-PEV  0.31% -13 votos.

 

Avisos e Liturgia do 26º domingo do Tempo Comum- ano B

 

Neste Domingo, se alguém, que desconheça a Bíblia, for atrasado para a celebração da Eucaristia e chegar no momento em que se estiver a proclamar a segunda leitura, poderá pensar que está num comício político ou numa manifestação sindical! Como foi recordado no domingo passado, muitas partes da carta de S. Tiago, que são proclamadas nestes domingos, são uma radiografia de realidades muito presentes nos nossos dias; parece que são textos escritos há pouco tempo. O texto da carta de S. Tiago deste domingo fala, em tom duro e exigente para os ricos: “Agora, vós, ó ricos, chorai e lamentai-vos. As vossas riquezas estão apodrecidas e as vossas vestes estão comidas pela traça. O vosso ouro e a vossa prata enferrujaram-se, e a sua ferrugem vai dar testemunho contra vós e devorar a vossa carne como fogo. Privastes do salário os trabalhadores que ceifaram as vossas terras (os operários das vossas fábricas, os profissionais e auxiliares na área da educação, da saúde, e em tantos outros lugares). O seu salário clama; e os brados dos ceifeiros chegaram aos ouvidos do Senhor do Universo”. É evidente que não se trata de fazer demagogia nem de generalizar as denúncias, mas é um convite para nos afastarmos da cobiça e da inveja, que são das perversões mais graves existentes entre os homens e mulheres.

Se a carta de S. Tiago nos alerta sobre algumas atitudes contrárias aos valores do Evangelho, como a cobiça e a inveja, o texto evangélico de S. Marcos fala-nos de outras coisas que nos fazem afastar de Jesus, como a intolerância. O apóstolo João teve a mesma atitude do jovem que interpelou Moisés, como nos narra a primeira leitura: queria impor condições e fazer discriminação de pessoas, “porque ele não anda connosco”. Hoje, nós dizemos: “não é dos nossos” e neste “dos nossos” estão todos aqueles que não têm as nossas ideias sobre a política, sobre questões religiosas e sociais. Mas Jesus afirma claramente que “quem não é contra nós é por nós”. Quem luta pelo bem-estar de todos está em sintonia com Jesus. Uma coisa são as discordâncias e outra são as intolerâncias. É necessário sempre somar e multiplicar em vez de dividir.

Nas leituras bíblicas deste domingo ainda há um terceiro aspecto que não pode ficar esquecido. Além da denúncia do mau uso dos bens materiais como a inveja, e das intolerâncias na relação com os que não alinham com as nossas ideias, há outra coisa que é preciso evitar, que é o escândalo. Novamente Jesus refere-se aos mais pequenos, como no domingo passado, ou seja, às pessoas mais frágeis e necessitadas, e alerta contra qualquer acção que os escandalize e que os possa afastar do Senhor. Podemos falar de três tipos de escândalos: aqueles que, em si, não são, mas somente no coração e na mente dos que se dizem escandalizados; escândalos que são somente pequenas imperfeições em pessoas mal preparadas; e os verdadeiros escândalos que são as grandes contradições e incoerências das pessoas que dizem pensar de uma maneira e comportam-se de uma forma contrária ao que dizem. É esta atitude que Jesus denuncia com palavras duríssimas.

As leituras deste domingo oferecem-nos três pontos para a nossa reflexão: 1) alerta-nos sobre a cobiça e a inveja dos bens materiais; 2) avisa-nos sobre as nossas intolerâncias de qualquer género; 3) e sobre os escândalos por causas das nossas imprudências e ingenuidades.

26-09-2021

LEITURA ESPIRITUAL

Hoje gostaria de meditar brevemente sobre outra expressão com a qual o Concílio Vaticano II definiu a Igreja: «Povo de Deus» (cf. Constituição dogmática Lumen Gentium, nº 9; Catecismo da Igreja Católica, n. 782). E faço-o mediante algumas perguntas, acerca das quais cada um poderá reflectir.

O que quer dizer ser «Povo de Deus»? Antes de tudo, significa que Deus não pertence de modo próprio a qualquer povo, pois é Ele que nos chama, que nos convoca, que nos convida a fazer parte do seu povo, e este convite é dirigido a todos, sem distinção, porque a misericórdia de Deus «deseja que todos os homens se salvem» (1 Tm 2, 4). Jesus não diz aos Apóstolos e a nós que formemos um grupo exclusivo, um grupo de elite. Jesus diz: ide e ensinai todas as nações (cf. Mt 28, 19). São Paulo afirma que no povo de Deus, na Igreja, «Já não há judeu nem grego… pois todos vós sois um só em Cristo Jesus» (Gl 3, 28). Gostaria de dizer inclusive àqueles que se sentem distantes de Deus e da Igreja, a quem é medroso ou indiferente, a quantos pensam que já não podem mudar: o Senhor chama-te, também a ti, a fazer parte do seu povo, e fá-lo com grande respeito e amor! Ele convida-nos a fazer parte deste povo, do povo de Deus.

Como nos tornamos membros deste povo? Não é através do nascimento físico, mas mediante um novo nascimento. No Evangelho, Jesus diz a Nicodemos que é preciso nascer do alto, da água e do Espírito para entrar no Reino de Deus (cf. Jo 3, 3-5). É através do Baptismo que nós somos introduzidos neste povo, mediante a fé em Cristo, dom de Deus que deve ser alimentado e desenvolver-se em toda a nossa vida. Perguntemo-nos: como faço crescer a fé que recebi no meu Baptismo? Como faço crescer esta fé que recebi e que o povo de Deus possui? (Francisco, Audiência Geral, 12-06-2013).

 

http://www.liturgia.diocesedeviseu.pt/

Ano B - Tempo Comum - 26º Domingo - Boletim Dominical II