Templates by BIGtheme NET
Início » Gouveia (Pagina 10)

Gouveia

Estudo-Consumidores querem garantias de reparabilidade e durabilidade para comprar mais bens em 2.ª mão

  • 7 em cada 10 consumidores estão dispostos a pagar mais por produtos rotulados com estas garantias
  • Consumidores têm uma opinião positiva sobre marcas e retalhistas que entram neste mercado

 

Segundo o estudo Barómetro Europeu do Consumo do Observador Cetelem 2022, dedicado ao tema da Economia Circular, a necessidade de garantia dos produtos em 2.ª mão é um dos fatores que leva os consumidores a optarem por não os comprar. Neste sentido, 86% acreditam que a existência de um índice de reparabilidade seria um fator importante ou muito importante na escolha de um produto. Por outro lado, 90% consideram que um índice de durabilidade também forneceria informações sobre a robustez e confiabilidade dos bens.

Relativamente à existência do índice de reparabilidade, os italianos e portugueses são dos europeus mais favoráveis (94%), enquanto os dinamarqueses e suecos estão mais reticentes (76% e 77%). Quanto ao índice de durabilidade, mais uma vez os italianos e portugueses são os que mais o desejam (95% e 97%), sendo preciso voltar ao norte da Europa para encontrar expectativas mais baixas nesta área.

Este desejo de segurança, no que diz respeito à reparabilidade e durabilidade, tem consequências no preço dos produtos, contudo nem todos estão dispostos a aceitá-las. Ainda assim, 7 em cada 10 europeus dizem estar dispostos a pagar mais por produtos rotulados desta forma, sendo os romenos, búlgaros e húngaros os mais favoráveis (84%, 83% e 80%), enquanto os franceses e belgas estão mais relutantes (61% e 63%).

A importância que os consumidores atribuem à durabilidade e reparabilidade reflete igualmente o sucesso dos produtos recondicionados, principalmente no caso dos telemóveis. Mais de 8 em cada 10 europeus já ouviram falar de recondicionamento de produtos e 1 em cada 2 sabe exatamente o que significa.

 

Valorizar a sua imagem e pensar no futuro

No geral os consumidores têm uma opinião positiva sobre as marcas e os retalhistas que estão a entrar no mercado de 2.ª mão, ao recuperar produtos, dando-lhes uma nova vida. 86% acreditam que as empresas têm estas práticas para demonstrar a sua capacidade de inovação, sendo uma ideia transversal a todos os países onde foi realizado este estudo, com os italianos e portugueses mais uma vez a expressar uma opinião mais favorável. Já 85% dos europeus acreditam que é uma maneira de marcas e retalhistas se prepararem para o futuro. Em terceiro lugar, com 82%, aparece a sugestão de que a adesão ao recondicionamento demonstra compromisso com o meio ambiente.

A capacidade de as marcas e retalhistas se destacarem no mercado e a oportunidade de obterem mais lucro quando entram no mercado de usados recebem uma proporção quase igual dos votos (78% e 77%). Nas duas opções, as diferenças entre os países são muito mais acentuadas. Na primeira, enquanto 87% dos portugueses e 86% dos húngaros veem a prática como fonte de diferenciação, apenas 64% dos alemães estão de acordo. E quando se trata da sugestão de que os retalhistas aderem a estas práticas para gerar lucros adicionais, 87% dos portugueses, 86% dos búlgaros e 85% dos espanhóis são dessa opinião, em comparação com 62% dos alemães e 63% dos austríacos.

 

Escola Básica de Gouveia Campeões distritais de futsal infantis B/misto

Decorreu, no passado dia 2 , no Pavilhão Municipal de Gouveia, a 3ª concentração da modalidade de Futsal Infantis B/Misto, organizada pela CLDE da Guarda.
O jogo que se disputou com a equipa do Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres não tinha influência na classificação final, visto que a equipa da Escola Básica de Gouveia, sagrou-se campeã distrital, a duas jornadas do final do campeonato.
Os gouveenses estavam satisfeitos referiram”Os nossos alunos, competiram com muita garra e determinação, no entanto, revelaram sempre, comportamento exemplar e muito fair-play e ética desportiva.
Parabéns a todos os alunos que fazem parte do grupo/equipa e aos árbitros, Rodrigo Ribeiro, Gonçalo Vaz e João Simões, pelas excelentes arbitragens que realizaram nas jornadas disputadas”.

AF Guarda- Aires Neves fez a despedida da arbitragem

Na manhã deste domingo, no velhinho Municipal Dr.Moreira da Cruz, em Fornos de Algodres, o árbitro da AF Guarda, natural de Manteigas, realizou a sua última partida oficial da temporada e da carreira de 17 anos e de mais de 800 partidas nos diversos escalões e campeonatos distritais.

Por sinal foi um encontro de Sub-13, entre as turmas da AD Fornos de Algodres e do SC Mêda, duas equipas com muitos pergaminhos no futebol distrital e nacional.

Foi notória alguma emoção, no arranque da partida, mas sempre presente um sorriso e a felicidade, uma imagem de marca deste homem. Foi um jogo tranquilo, venceu a equipa mais completa, a turma medense e no final, o cumprimento dos atletas e dirigentes e um abraço sentido entre os dois árbitros, Aires Neves a finalizar carreira e um jovem Hugo a dar os passos iniciais neste caminho por vezes árduo, mas desafiante e emocionante da arbitragem.

Mas ao chegar à zona do túnel para o balneário, ficou o grande aplauso do público de pé afeto a ambas as equipas, justo a este homem que muito deu à arbitragem e ao futebol distrital. Foi notória a emoção e as lágrimas caíram, mas fica aqui também em nome do Magazine Serrano e meu nome pessoal, o nosso bem haja, pelo profissionalismo dentro das quatro linhas.

No final dizia que queria terminar com os meninos, deixou assim “um obrigado a todos, colegas, atletas, dirigentes e adeptos, todo o carinho que sempre demonstraram por onde passei, penso que passei uma mensagem de como se deve estar no desporto e assim sinto como referi no inicio”Felicidade” guardo muitos amigos dos quais três farão parte da minha memória”.

Vila Franca da Serra celebrou o Dia Mundial da Criança

Este domingo, a localidade de Vila Franca da Serra, comemorou o Dia Mundial da Criança, esta é mais uma iniciativa que a Freguesia liderada por Carlos Pacheco, levou a efeito na tarde domingueira, dado que, durante a semana, as crianças passaram o dia na escola.

Assim, foi uma tarde bastante animada , onde as crianças tiveram a oportunidade de passar uma tarde diferente na sua aldeia. Uma vez mais a Freguesia a mostrar todo seu dinamismo.

Fotos:AP

 

Praia fluvial do Vale do Rossim premiada pela Quercus

A praia fluvial do Vale do Rossim, em Gouveia,recebeu o Galardão Qualidade de Ouro 2022 atribuído pela Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza, que distingue anualmente a qualidade da água balnear das praias portuguesas.
Esta praia fluvial do concelho de Gouveia, vê uma vez mais reconhecida a qualidade da sua água, naquela que é considerada uma das zonas balneares mais aprazíveis do concelho. Para além da qualidade da água, o Vale do Rossim oferece ainda um cenário de excelência, com uma paisagem envolvente natural idílica, que convida a uma visita e que faz deste, um destino de excelência.
O galardão “Praia Qualidade de Ouro” é atribuído, anualmente, pela Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza e reconhece as praias que ao longo de cinco anos consecutivos, ou mais, apresentam sistematicamente uma água balnear de qualidade excelente, e que, nesse sentido, oferecem uma maior fiabilidade no que respeita à qualidade da água.
Para o efeito são considerados os resultados de excelente nas últimas quatro épocas balneares (de 2017 a 2020), e os referentes à última época balnear (2021).
Outros dos critérios referentes à última época também é a inexistência de ocorrências / avisos de desaconselhamento ou proibição da prática balnear e/ou interdição temporária da praia.
A Quercus este ano distinguiu 440 praias a nível nacional, foram distinguidas mais 47 praias em relação a 2021, com a região Centro a registar a maior subida (de 23 praias, equivalente a um aumento de 85%), destacando-se, igualmente, o aumento das praias do interior com qualidade de ouro, 72 no total.
Por:MG

GNR Guarda-Gouveia, Manteigas, Covilhã – Quatro detidos por tráfico de estupefacientes e posse de munições proibidas

O Comando Territorial da Guarda, através do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) da Guarda, ontem, dia 2 de junho, deteve três homens por tráfico de estupefacientes e um homem por posse de munições proibidas, com idades compreendidas entre os 19 e 56 anos, nos concelhos de Gouveia, Manteigas e Covilhã.

No âmbito de uma investigação por crimes de tráfico de estupefacientes, que teve a duração de cerca de um ano, os militares da Guarda realizaram diligências policiais que culminaram com a identificação e detenção dos suspeitos. No seguimento da ação foi dado cumprimento a 12 mandados de busca, nove domiciliárias e três em veículos, onde foi possível apreender o seguinte material:

  • 34 doses de liamba;
  • 24,60 doses de haxixe;
  • 1,8 gramas de cogumelos alucinogénios;
  • Duas armas de caça;
  • 36 munições de calibre 9 mm;
  • Cinco cartuchos carregados com zagalotes (munição proibida);
  • Um cartucho carregado com bala (munição proibida);
  • Quatro balanças de precisão;
  • Oito telemóveis;
  • Vários objetos relacionados com o tráfico de estupefacientes.

Esta ação contou com o reforço de militares do Destacamento de Intervenção (DI) da Guarda, do Destacamento de Trânsito (DT) da Guarda, do Destacamento Territorial da Guarda, da Secção de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário (SPC) da Guarda, do Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) da Guarda, do Postos Territoriais da Guarda, do Sabugal, de Celorico da Beira, Pinhel e de Manteigas, e da Estrutura de Investigação Criminal do Comando Territorial da Guarda.

 

Estudo-42% dos portugueses revelam que o seu poder de compra diminuiu nos últimos 12 meses

O estudo Observador Cetelem Consumo em tempos de inflação 2022 procurou avaliar a perceção que os consumidores têm da evolução do seu poder de compra nos últimos meses.

Segundo as conclusões do estudo, 4 em cada 10 portugueses diz que o seu poder de compra diminuiu nos últimos 12 meses. Se compararmos os dados relativamente ao género, idade e classe social, o estudo conclui que o poder de compra diminuiu mais junto dos inquiridos do género feminino (45%), dos com mais de 65 anos (52%), e de classes com menores rendimentos (63%). Fazendo uma avaliação por região, também se observa que os portugueses inquiridos residentes na região Centro foram aqueles que mais sentiram o seu poder de compra diminuir (61% Centro vs. 48% Sul vs. 34% Norte).

Já 44% dos portugueses inquiridos revelam que o seu poder de compra permaneceu estável e cerca de 13% que aumentou. No entanto, comparando com o inquérito realizado em novembro de 2021 há também menos consumidores a considerarem que o seu poder de compra aumentou ou permaneceu estável (-8 p.p.).

Quando questionados sobre os fatores que podem ter tido mais impacto na diminuição do poder de compra, os inquiridos apontam responsabilidades ao aumento dos preços dos produtos de uso diário (64%), dos preços dos combustíveis (59%), dos preços da energia (57%), das despesas fixas (34%) e dos custos com a habitação (32%).

Comparando a nível regional, os inquiridos do Norte são os que sentem mais que o aumento dos preços de combustível foi o que teve mais impacto no seu poder de compra (64% vs. 61 Centro vs. 55% Sul), enquanto os inquiridos da região Centro sentem que o seu poder de compra diminui devido ao aumento dos preços dos produtos de uso diário (75% vs. 66% Norte vs. 62% Sul). Já os residentes no Sul do país consideram que se deveu à diminuição de rendimentos (36% vs. 30% Centro vs. 26% Norte).

Impacto da Guerra na Europa

Segundo o estudo, metade dos portugueses (52%) aceita que o seu poder de compra diminua por consequência da guerra na Europa. Fazendo uma avaliação por idade, observa-se que são os jovens aqueles que são mais compreensivos face a esta situação, nomeadamente dos 25 aos 34 anos (58%) e dos 18 aos 24 anos (57%). Os residentes na Zona Metropolitana do Porto demonstram-se também mais compreensivos que os de Lisboa (63% vs. 49%).

Como prova de que os consumidores estão também cada vez mais ativistas e se mantêm atentos ao posicionamento das marcas face a este conflito, 80% dos inquiridos dizem que equacionam boicotar marcas que compactuem de alguma forma com a guerra, considerando este um critério importante no momento de escolha de um produto.

foto:DR

 

Casa do Concelho de Gouveia nos 1/8 finais no 5.º Torneio de Futsal da Cidade de Lisboa

A equipa de futsal da Casa do Concelho de Gouveia encontra-se a disputar o 5.º Torneio de Futsal da Cidade de Lisboa. O torneio é organizado pela Associação das Coletividades da Cidade de Lisboa, em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa, sendo homologado pela Federação Portuguesa de Futebol. A Casa Gouveense venceu este torneio em 2018 e em 2019, obteve um honroso 3.º lugar. Mais que as vitórias e os troféus, a nossa equipa tem sido verdadeira “embaixadora” do  concelho, levando o nome de Gouveia aos pavilhões da cidade de Lisboa.

Assim recentemente, venceu o Vitória Futebol Clube por sete bolas a duas e carimbou o passaporte para os oitavos de final da competição.

A LENDA da Serra da Estrela estreia em Fornos de Algodres a 18 de junho

Inserido no Festival Cultural que engloba 75 espetáculos,por esta região, a LENDA da Serra da Estrela é mesmo uma produção da Escola Velha Teatro de Gouveia.
Vai ter a sua estreia no próximo dia 18, em Fornos de Algodres, depois será a 2 julho em Gouveia,  9 julho em Manteigas, 16 julho em Seia , 13 agosto em Celorico da Beira.
São parceiros: Banda Pedro Botto Machado, Escola de Música de Gouveia, Grupo de Cantares “O Salgueirinho”, Casa de Vilar- Associação Cultural e Artística e Ana Carina Reis.

Bancos Alimentares recolhem 1.695 toneladas de alimentos em dois dias de campanha

Os Bancos Alimentares Contra a Fome angariaram este fim de semana mais de 1.695 toneladas de alimentos numa campanha de recolha que mobilizou milhares de voluntários em todo o país, a primeira após o confinamento imposto pela pandemia.
“Agradecemos a todos quantos participaram, doando alimentos e com voluntariado. Uma vez mais os portugueses acolheram de forma generosa e entusiástica o desafio dos Bancos Alimentares e continuaram a alimentar esta ideia, contribuindo com a sua ajuda individual para dar uma grande ajuda coletiva às 400 mil pessoas que se confrontam ainda com carências alimentares, apesar do contexto inflacionista que se vive atualmente”, afirmou Isabel Jonet, Presidente da Federação dos Bancos Alimentares.
A quantidade total recolhida representa um acréscimo de 72 toneladas (+4,4%) em relação à campanha de maio de 2019, resultado extraordinário em contexto de significativo acréscimo dos preços dos produtos alimentares.
Os alimentos recolhidos começarão a ser distribuídos já a partir da próxima semana, contribuindo assim para ajudar a suprir as necessidades alimentares de cerca de 400 mil pessoas, apoiadas por 2.600 instituições, quer através de cabazes de alimentos, quer através de refeições confecionadas servidas em lares, creches, apoio domiciliário, cantinas sociais, etc.
Os alimentos mais doados na campanha foram, como habitualmente, os produtos não perecíveis (leite, arroz, azeite, massas, açúcar, cereais de pequeno-almoço, bolachas, grão e feijão) representando aqui também uma adesão à ideia promovida pelo Banco Alimentar de partilha.
Até 5 de junho: campanha “Ajuda Vale” e site de doações online
Quem não teve oportunidade de contribuir no fim-de-semana pode ainda fazê-lo até 5 de junho através da campanha “Ajuda Vale” com vales de produtos disponíveis nas caixas dos supermercados, bem como no portal de doação online www.alimentestaideia.pt.
Alguns dados relativos à atividade
Existem atualmente 21 Bancos Alimentares, com atividade em: Abrantes, Algarve, Aveiro, Beja, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Cova da Beira, Évora, Leiria-Fátima, Lisboa, Madeira, Oeste, Portalegre, Porto, Santarém, Setúbal, S. Miguel, Terceira Viana do Castelo e Viseu.