Templates by BIGtheme NET
Início » Turismo (Pagina 20)

Turismo

Crescimento do autocaravanismo em Portugal

Em 2020, a Yescapa, plataforma de aluguer de autocaravanas e campervans, gerou um volume de negócios no valor de 1, 96 milhões de euros, o que se reflete num crescimento de 97% face ao período homólogo.

O ano de 2020 mostrou o crescimento da tendência do autocaravanismo em Portugal. Segundo os dados da Yescapa Portugal, houve um elevado aumento do número de viagens em 2020, passando de 1 670 para 2 867, sobretudo entre maio e outubro, período em que se registaram cerca de 2 300 viagens. Junho foi, aliás, o mês com mais reservas de sempre na Yescapa Portugal. A maior parte das partidas ocorreu na zona geográfica de Lisboa e 15% das reservas são feitas por locatários que querem experimentar esta forma de viajar antes de adquirir a própria autocaravana.

A duração média das reservas é de uma semana, um número que se manteve idêntico entre 2019 e 2020. Regista-se também uma tendência de reserva de última hora, com a marcação feita apenas uns dias antes da partida. Entre os países em que a Yescapa atua, Portugal ocupa o terceiro lugar do destino mais visitado, tendo sido o mais reservado por estrangeiros.

O perfil dos viajantes portugueses situa-se entre os 35-50 anos, com dois filhos. A maioria (64%) escolhe o autocaravanismo para as suas viagens em família, seguindo-se férias em casal e com amigos. Os utilizadores da Yescapa Portugal escolheram maioritariamente Portugal como destino para viajar em 2020, destacando-se as zonas do Alentejo e Costa Vicentina. Houve também um aumento na procura de viagens para o interior do país e praias fluviais.

“Verificámos que a procura por segurança, distanciamento e liberdade tem levado os portugueses a escolher esta forma de viajar. Aliás, muitos experimentaram, pela primeira vez, viajar de autocaravana”, afirma Maria Liquito, Country Manager da Yescapa Portugal. “Prevemos que o verão de 2021 seja um pouco idêntico ao do ano passado, com reservas de última hora. Acreditamos que a tendência do autocaravanismo se irá manter e que o slow tourism vai continuar a ganhar cada vez mais adeptos”.

 

A Yescapa tem trabalhado na sua expansão a nível europeu. Já em 2021, adquiriu a empresa concorrente alemã ShareaCamper e iniciou atividade na Suíça, somando a presença em mais de nove países europeus. Em 2020, a empresa criou também uma política de cancelamento flexível, em que é possível cancelar a viagem sem custos até 48h antes da partida. A Yescapa reforçou, ainda, as preocupações relacionadas com limpeza e desinfeção dos seus veículos, ao criar um conjunto de boas práticas para proprietários e locatários.

Guarda- Pedovia vai nascer junto à VICEG da cidade mais alta

Investimento de 1,5 milhões de euros

Foi assinado recentemente, pela Câmara da Guarda e o Consórcio ASF, LDA & OPUALTE, LDA  o Auto de Consignação da empreitada “Incremento do Modo Suave no Acesso ao Parque Industrial da Guarda – Projeto Piloto”.
Trata-se de uma Pedovia que será construída junto ao espaço adjacente à VICEG e no troço viário definido por esta estrutura que liga a zona baixa da Estação ao Centro Urbano, passando por diversos equipamentos como o Parque Urbano do Rio Diz, a zona industrial, as Piscinas, serviços, comércio e diferentes zonas residenciais que passam a ter acesso a circulação pedonal com qualidade.

A obra, no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano, corresponderá a um investimento na ordem de 1,5 milhões de euros acrescidos de IVA e tem um prazo de execução de 480 dias a contar desde a assinatura.

2ª edição do Projeto ATUA!- Preparar crianças e jovens para os novos desafios do século XXI

Desde o arranque da 2ª edição do Projeto ATUA!, promovido pela Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, que professores e alunos do 1º Ciclo e Ensino Secundário (Regular/Profissional) se destacam pela mobilização, resiliência e enorme vontade de concretizar ideias e objetivos de mais-valia para o território. Este projeto tem como principal objetivo inspirar comunidades educativas para a ação enquanto agentes de mudança do seu território, através de metodologias ativas que incentivam os alunos a desenvolverem competências empreendedoras tais como a autonomia, criatividade, responsabilidade, atitude e mentalidade empreendedoras, para que possam encontrar soluções para os mais diversos problemas da sua Região. Deste modo acreditamos contribuir para a criação de  profissionais com competências múltiplas, que tenham capacidade de aprender, de se adaptar a situações novas e de promover transformações. Esta iniciativa insere-se no Projeto de Combate ao Insucesso Escolar, financiado pela União Europeia ao abrigo do Centro 2020.

No dia 7 de abril, pelas 11h, o ATUA! irá apresentar a todos os participantes do Projeto e suas comunidades educativas, mais 2 excelentes empreendedores, através da página de Facebook do Projeto (https://www.facebook.com/atuacimbse). Rita Pelica, networker, CEO e fundadora da ONYOU, define-se como uma mente curiosa, empreendedora e viciada em aprender. Concebe projetos de educação e formação com foco nas soft skills e mentalidade empreendedora.  Por sua vez, Bruno Paulino, empreendedor de ideias sustentadas na farmacêutica e saúde, encontra-se a estudar Enfermagem e conta já no seu currículo com participações em Concursos de Ideias, destacando-se por ter vencido 3 vezes consecutivas Concursos Municipais de Ideias de Negócio, tendo conquistado também o pódio numa final de um Concurso Intermunicipal de Ideias de Negócio.

Certamente que o testemunho de ambos os convidados, apesar de percursos de vida completamente diferentes, será inspirador e de incentivo para que brevemente, os alunos participantes no Projeto ATUA! apresentem as suas  ideias e projetos únicos de valor acrescentado para o seu território.

A CIMBSE convida, uma vez mais, todos os interessados a assistir à 2ª Palestra motivacional do Projeto, a qual será transmitida em direto na página de Facebook do ATUA! (https://www.facebook.com/atuacimbse) na quarta-feira às 11h00.

Guarda-Exposição “Bruto” de Agostinho Santos com curadoria de Valter Hugo Mãe em breve

Vai ser inaugurada, em vários locais da cidade, a exposição Bruto, de Agostinho Santos, com curadoria de Valter Hugo Mãe, na próxima quinta-feira, 8 de abril.

Duas personalidades do mundo das Artes e da Cultura que dispensam qualquer apresentação plantaram este projeto na Guarda: a árvore cresceu e deu belos frutos. Com mais de 300 peças artísticas -pinturas, objetos, esculturas e livros de artista- distribuídas por vários equipamentos culturais, a exposição apresenta-se, desde logo, como um roteiro pelo centro Histórico da Guarda. Roteiro esse que vai do Museu até ao Café Concerto do Teatro Municipal da Guarda (TMG), passando pela Capela do Solar dos Póvoas e pela Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (BMEL). As obras de arte expostas, desenvolvendo uma linguagem muito pessoal, ainda que de cariz predominantemente neoexpressionista, materializam uma visão fantasmagórica do mundo pandémico em que temos estado mergulhados.

O Livro da exposição será igualmente apresentado na sessão de abertura desta iniciativa que contará com três momentos com horas e locais diferentes:

17h30 – Desenhos do «Alfabeto Monstruoso» e «Livros de artista» – BMEL;
18h00 – Instalação – Capela do Solar do Póvoas;
18h30 – Desenho, Pintura Escultura e lançamento do livro Bruto – Museu da Guarda (com textos de Carlos Alberto Chaves Monteiro, Thierry Santos, Ilda Figueiredo, Eduarda Chiote e Valter Hugo Mãe).

A sessão irá contar com a presença do autor, Agostinho Santos, e do curador da exposição, o escritor Valter Hugo Mãe, entre outras personalidades.

Controlo de pessoas nas fronteiras terrestres e fluviais mantém-se até dia 15 de abril

Na sequência da articulação permanente entre os governos de Portugal e de Espanha, e tendo em conta a situação epidemiológica nos dois países, o controlo de pessoas nas fronteiras terrestres e fluviais vai manter-se até às 23h59 do dia 15 de abril, mantendo-se todos os Pontos de Passagem Autorizados (PPA) e os horários estabelecidos no período anterior.

Assim, a partir das 00h00 do dia 6 de abril, mantém-se limitada a circulação entre Portugal e Espanha – e somente nos PPA – ao transporte internacional de mercadorias, de trabalhadores transfronteiriços e de caráter sazonal devidamente documentados, e de veículos de emergência e socorro e serviço de urgência.

Continua também suspensa a circulação ferroviária transfronteiriça, exceto para transporte de mercadorias, bem como o transporte fluvial entre Portugal e Espanha.

Estas limitações não impedem a entrada em Portugal de cidadãos nacionais e de titulares de autorização de residência em Portugal, bem como a saída de cidadãos residentes noutros países.

Os cidadãos provenientes do Reino Unido, Brasil, África do Sul ou de países com uma taxa de incidência de Covid-19 igual ou superior a 500 casos por 100 mil habitantes, que entrem em território nacional por via terrestre, têm de cumprir um período de isolamento profilático de 14 dias, no domicílio ou em local indicado pelas autoridades de saúde. Na lista destes países estão a Bulgária, Chéquia, Chipre, Eslovénia, Estónia, França, Hungria, Itália, Malta, Polónia e Suécia.

 

Sete PPA permanentes (24 horas por dia, 7 dias por semana):

– Valença

– Vila Verde da Raia

– Quintanilha

– Vilar Formoso

– Caia

– Vila Verde de Ficalho

– Castro Marim

Um PPA nos dias úteis das 6h00 às 20h00:

– Marvão

Cinco PPA nos dias úteis das 06h00 às 09h00 e das 17h00 às 20h00:

– Monção

– Melgaço

– Montalegre

– Vinhais

– Ponte da Barca

Quatro PPA nos dias úteis das 7h00 às 09h00 e das 17h00 às 19h00:

– Miranda do Douro

– Termas de Monfortinho

– Mourão

– Barrancos

Um PPA às quartas-feiras e aos sábados das 10h00 às 12h00:

– Rio de Onor

1.º Webinar “Work From Centro de Portugal”foi um sucesso

Teve lugar recentemente o 1.º Webinar “Work From Centro de Portugal” (“Trabalhar a Partir do Centro de Portugal”, em português). A iniciativa do Turismo Centro de Portugal que constituiu um sucesso, com cerca de 500 inscrições na plataforma Zoom. O vídeo da sessão, disponibilizado na página de Facebook da entidade soma já perto de 4 mil visualizações. O vídeo pode ser visto em https://bit.ly/2POfSJm.

A iniciativa reuniu vários convidados, entre nómadas digitais, empreendedores e empresas, para conversarem sobre o presente e o futuro do trabalho a partir de casa, ao mesmo tempo que apresentou as vantagens que a região Centro de Portugal oferece a quem escolhe este território para o fazer. Como todos os participantes referiram, esta é uma tendência cada vez mais presente nos dias de hoje e que veio para ficar: o mundo mudou para sempre.

Na intervenção inicial, Pedro Machado, Presidente do Turismo Centro de Portugal, destacou a importância deste tema para o posicionamento da região. “As tendências ao nível do trabalho indicam que, mesmo depois da pandemia, o trabalho remoto vai permanecer. Muitos escritórios vão fechar e as grandes corporações serão lembradas como mamutes em extinção”, sublinhou. “As casas vão tornar-se mais tecnológicas e adaptadas ao teletrabalho, as empresas vão procurar resolver as necessidades do trabalho em casa e a produtividade já não vai ser medida pelo chefe a olhar para o trabalhador, mas por plataformas que ajudam a avaliar resultados. Estão a chegar grandes alterações”, acrescentou.

Esse manual será apresentado através de um conjunto de workshops de capacitação, dirigidos a entidades públicas, associações e empresas turísticas, entre outras. O formulário de manifestação de interesse em participar nos workshops está disponível em https://forms.gle/ERSJ9GKYgRc5GeEv6.

O projeto inclui também um microsite, que será inserido no site do Turismo Centro de Portugal (www.turismodocentro.pt) em maio, assim como a publicação de um livro que divulgará os espaços de teletrabalho e funcionará como guia/roteiro tanto para locais/serviços teletrabalho friendly, como para atividades complementares e descrição genuína do território.

Por parte do projeto TravelB4Settle, Miguel apresentou o seu testemunho como nómada digital há quatro anos. “Já assistimos a muitas mudanças na humanidade. Começámos por ser nómadas, tornámo-nos sedentários e agora estamos no início de uma nova era. Encaro com grande entusiasmo os desafios que temos pela frente”, disse.

O nómada digital elencou aquelas que são, no seu entender, as três vantagens deste modo de vida e de trabalho: qualidade de vida (“podemos escolher onde trabalhamos, os horários, temos controle sobre a nossa própria vida”), maior produtividade a nível individual e menos custos fixos para as empresas, uma vez que os custos inerentes aos escritórios reduzem. Além disso, haverá um impacto positivo a nível ambiental, pelas horas de trânsito que se poupam. Finalmente, o trabalho em caso abre a possibilidade de deslocação de pessoas para zonas menos povoadas. “Agora que as empresas testemunharam as vantagens deste modelo é pouco lógico voltarmos às realidades pré-pandemia”, assinalou.

“Ajudar a economia familiar”-Manuel Fonseca – Presidente da  Câmara Municipal de Fornos de Algodres

Em conversa com o Presidente do Município de Fornos de Algodres, Manuel Fonseca, sobre a atualidade, com destaque para o Queijo Serra da Estrela que é rei nesta época do ano.

“Posso afirmar que somos o único Município, da área de intervenção da ESTRELACOOP, que aumentou os produtores certificados (DOP) nos últimos anos. Estamos completamente em contraciclo com os restantes Municípios. Este indicador é demonstrativo que estamos a trabalhar no bom sentido.”

[Magazine Serrano – MS] Neste tempo de pandemia, os eventos físicos/locais estão cancelados, mas a nova edição da Feira do Queijo Serra da Estrela aconteceu online em março?
[Presidente Manuel Fonseca- MF]  Gostaria de começar esta entrevista por agradecer o convite e, dar os parabéns pelo trabalho que estão a desenvolver no nosso Concelho, à semelhança da restante comunicação social local.
Sim é verdade. Infelizmente vamos ter mais um ano sem a verdadeira Feira do Queijo Serra da Estrela. Vai faltar o calor humano, os grupos musicais, as tradições locais, a prova de Queijos, os abraços, os cheiros, as ovelhas, os cães Serra da Estrela … enfim, um conjunto de sensações que, por mais que os Municípios se reinventem, nada irá substituir a verdadeira Feira do Queijo Serra da Estrela.
No entanto e à semelhança do que aconteceu no ano transato, realizamos a nossa Feira do Queijo Serra da Estrela no formato online, com maior ênfase no mês de março.
Estando já familiarizados com o modelo existente, quer os produtores, quer os nossos técnicos, tenho plena consciência que iremos, desta forma, ajudar os nossos produtores a escoar o produto. Recordo que a existência destes novos mecanismos de venda, devem ter um só objetivo: ajudar a economia familiar.

MS-Tempos complicados, mas ainda existem muitos pastores a resistir em Fornos de Algodres. Como tem acompanhado esta atividade no nosso concelho?
MF-Tenho acompanhado de muito perto a atividade e, obviamente, os nossos pastores.
Por exemplo, a plataforma “O Bom Sabor da Serra”, felizmente, deu um novo ânimo aos nossos pastores e à sua economia. Esta minha afirmação está assente em dois princípios relevantes: por um lado, pelas conversas que tenho tido com os nossos produtores e, por outro lado, com o aumento do número de produtores, desde 2018 até à presente data. Crescemos 250% em produtores certificados!
Posso afirmar que somos o único Município, da área de intervenção da ESTRELACOOP, que aumentou os produtores certificados (DOP) nos últimos anos. Estamos completamente em contraciclo com os restantes Municípios. Este indicador é demonstrativo que estamos a trabalhar no bom sentido.
Gostaria de destacar o papel fundamental e importante que a ESTRELACOOP tem neste setor. São eles e os nossos técnicos da Câmara Municipal que orientam, ajudam e estruturam os nossos produtores.

MS- Com a pandemia, muitas foram as medidas para apoiar a economia local, estão em prática neste momento as da 2ª fase. Que resenha faz da situação atual neste concelho?
MF- Considerando a situação pandémica vivida no nosso Concelho em virtude do Covid-19 e aos seus impactos negativos na economia local, o Executivo Municipal de Fornos de Algodres aprovou, por unanimidade, em reunião de câmara ordinária de 12/02/2021 o ”Programa “Fornos – Por Todos Nós [2.ª Fase]”.
Este programa estruturado em 28 medidas de apoio, já em execução, e com um pacote financeiro estimado de 360 mil euros, tem por base o apoio às entidades do Concelho, às Juntas de Freguesia, à proteção dos rendimentos das famílias, à educação e ao setor da Solidariedade.
Agora é importante que todas as empresas submetam a candidatura. Simplificámos os procedimentos para uma celeridade de transferências de verbas. Se existirem dúvidas, liguem para a Câmara Municipal que os nossos técnicos iram ajudar de imediato.

MS- A nível ambiental, Fornos de Algodres tem conquistado imensos feitos a nível da água, reciclagem, fruto de um bom trabalho da autarquia, que novidades podemos ter no futuro?
MF- Portugal tem um grande objetivo que será atingir a neutralidade carbónica em 2050. Logo, para o nosso País atingir essa meta, é necessário que cada Município, independentemente da sua dimensão, trabalhe as políticas ambientais. Nós, aqui em Fornos de Algodres, temos tido um trabalho muito focado em diferentes temáticas do setor ambiental, como é reconhecido em diferentes fóruns.
Os resultados já publicados, evidenciam o caminho que estamos a trilhar. Por exemplo: no setor da água em 2020, face a 2017, conseguimos reduzir as perdas de água em 9,6%. Isto equivale a uma elevada poupança financeira para o Município. Aliás, considerando a gestão em baixa, o Município de Fornos de Algodres destacou-se de todos os Municípios da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE), como o Município com perdas mais baixas. Este indicador da entidade reguladora do setor, na minha opinião, é um dos indicadores que revelam bem o caminho que estamos a trilhar.
Relativamente ao futuro, para além das temáticas que mencionou na sua questão, iremos focar-nos na temática dos biorresíduos – em articulação com o setor escolar – e na mobilidade sustentável.

MS-Este ano de 2021, vai ser ano de Eleições, mas também com novos projetos podem surgir e conclusão de outros já lançados?
MF-Relativamente às eleições teremos oportunidade, certamente, para abordar esse tema com maior detalhe.
No que diz respeito a obras para Fornos de Algodres queremos concluir a empreitada de “Requalificação da Escola de Figueiró da Granja”, uma aposta forte no setor na Educação e conforto para as nossas crianças, queremos ainda melhorar as condições do nosso Mercado Municipal, com “a requalificação do Mercado Municipal de Fornos de Algodres”, que se encontra em análise pelo Tribunal de Contas e, requalificar a Rua Dr. Fernando Menano que terá ligação ao Centro Escolar de Fornos de Algodres.
No setor económico queremos iniciar a construção da área de acolhimento empresarial de Juncais, uma obra extremamente estruturante para o nosso Concelho.
Como é habitual, iremos apoiar os Presidentes de Junta em necessidades levantadas por eles. Felizmente, existe uma grande articulação do executivo com os Presidentes de Junta, o que, é um sinal de união pelo bem-estar das nossas populações.

MS- Que mensagem deixa nesta fase do ano a todos os fornenses e comunidade em geral?
MF- Quero transmitir uma palavra amiga e cheia de solidariedade a todos os Fornenses, nesta fase menos positiva. Eu e a minha equipa estaremos sempre ao vosso lado pois, só unidos, faremos a verdadeira diferença.

Entrada da hora de verão- Adiante o relógio 1 hora

Esteja atento que o horário de verão está a chegar, assim deste modo, arranca oficialmente em Portugal no domingo dia 28 de março de 2021 (na madrugada de sábado para domingo).

Os  seus relógios devem ser adiantados uma hora. Podemos referir que vai ser o dia mais curto do ano.

Fornos de Algodres- Triplicaram os produtores de queijo com certificação DOP Serra da Estrela

Tem- se assistido a um aumento gradual da qualidade do Queijo Serra da Estrela em Fornos de Algodres, dado que, em dezembro de 2018 ,tinha dois produtores com certificação Serra da Estrela DOP.

Depois da aposta por parte do Município na criação da plataforma “O Bom Sabor da Serra” que pode ser visitada, através de um simples clique, em www.obomsabordaserra.pt., em março de 2019, começou a aumentar o numero de produtores que queriam certificar o seu produto.

O principal objetivo deste mecanismo foi ter uma loja online intuitiva, que conseguisse impulsionar os melhores sabores de Fornos de Algodres em Portugal e, ao mesmo tempo, valorizar a Região e o trabalho dos nossos produtores. 

Com esta alavanca, na época produtiva 2019/2020, no Município de Fornos de Algodres verificou-se um aumento de 250% de produtores de queijo a certificarem o seu produto, como Queijo DOP Serra da Estrela. 

Das 15 queijarias licenciadas à data existentes no Município de Fornos de Algodres, 5 já aderiram ao processo de certificação de queijo DOP Serra da Estrela. Todo o processo de certificação do Queijo Serra da Estrela foi suportado pela Câmara Municipal de Fornos de Algodres. 

Na área geográfica de produção de Queijo Serra da Estrela, que engloba 18 concelhos, e de acordo com os dados da ESTRELACOOP – Cooperativa dos Produtores de Queijo Serra da Estrelao Município de Fornos de Algodres é o único Município que aumentou os produtores certificados (DOP) nos últimos anos, estando em contraciclo com os restantes Municípios. 

Nas  queijarias tradicionais a qualidade e a genuinidade são uma constante, no entanto para quem está longe e não pode visitar e comprovar localmente estas características, adquirir o queijo com certificação DOP Serra da Estrela e garantir a verdadeira qualidade nunca foi tão fácil: basta visitar a plataforma www.obomsabordaserra.pt. 

 

Estrela Geopark é um dos 10 vencedores da 4ªEdição do Programa Tradições da EDP

O Programa Tradições é uma iniciativa, financiada pela EDP, que apoia e acompanha projetos que tenham como objetivo valorizar tradições, regionais ou locais, dos municípios onde a EDP possui centros produtores. Atualmente abrange 81 municípios, que correspondem às áreas em que intervêm os seis centros de produção elétrica da EDP Produção: Cávado Lima, Douro, Lares, Ribatejo, Tejo Mondego e Sines. Este programa pretende valorizar e afirmar a identidade das comunidades, através do apoio às tradições mais genuínas da cultura popular, financiando projetos que visem a recuperarão de costumes em vias de desaparecimento e a transmissão de conhecimentos sobre as tradições de geração em geração, promovendo a valorização da autoestima das populações e a preservação deste património cultural.

No biénio 20/21 realizou-se a 4ª Edição deste programa, à qual se candidataram 68 projetos nas mais diversas áreas, desde o artesanato à gastronomia, passando por cantares, crenças, folclore, entre outros. Destes foram selecionados 10 projetos, não só pela sua relevância histórica e social para as comunidades, mas também pelo impacto que podem ter na criação de emprego, na dinamização da economia local e na própria sustentabilidade das regiões. O projeto Memórias e Tradições do Estrela Geopark Mundial da UNESCO”, promovido pelo Estrela Geopark, foi um dos 10 vencedores da 4ªEdição do Programa Tradições e tem como objetivo promover a preservação e valorização das memórias e das tradições que fazem parte da identidade da Serra da Estrela, contribuindo para a recuperação de práticas ancestrais em desaparecimento e para a sua divulgação não só no território do Estrela Geopark, junto das populações locais, mas também junto de quem visita a Serra da Estrela.

Tendo em consideração que a identidade da Estrela está muito associada às práticas pastoris, à transumância e aos produtos que foram emergindo em torno destas atividades tradicionais, que têm vindo a diminuir progressivamente ao longo do tempo, todas as memórias e tradições que lhes estão associadas correm o risco de se perderem. Neste contexto, no âmbito do projeto Memórias e Tradições do Estrela Geopark Mundial da UNESCO”, serão dinamizadas várias ações pedagógicas e de divulgação deste património cultural, tais como workshops e sessões intergeracionais de partilha da sabedoria popular, direcionados para diferentes públicos, colocando em contacto diferentes gerações, nos quais se dará particular destaque a três importantes tradições do território: a Transumância, a produção do Cobertor de Papa e a produção do Burel. Estas iniciativas contribuirão para perpetuar o saber pelas gerações mais novas, valorizando produtos e tradições singulares, promovendo sentimentos de pertença e de identificação quer com os costumes da cultura popular, quer com a identidade deste território. Será também desenvolvida uma exposição itinerante, que circulará pelas escolas dos diferentes municípios, de modo a divulgar as tradições do Estrela Geopark junto dos grupos mais jovens da população residente. Futuramente, para dar continuidade a este projeto, a Associação Geopark Estrela pretende desenvolver uma plataforma Open Science digital, intitulada “Portal da Memória do Estrela Geopark”. Esta plataforma permitirá a recolha e partilha de tradições e memórias, constituindo um importante projeto de “ciência cidadã” e de “Ciência Aberta”, e funcionará como um grande acervo de informação sobre a Serra da Estrela, que ao ser divulgado contribuirá para salvaguarda ativa deste património.