Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: mau tempo

Tag Archives: mau tempo

Mau tempo-Trovoadas e chuva por vezes forte até 4ªfeira

Aqui deixamos a Situação Meteorológica que tende agravar-se até 4ªfeira.
De acordo com a informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA),
prevê-se para os próximos dias precipitação, por vezes forte, sobretudo no litoral centro e sul,
estendendo-se para a totalidade do território:
13 SET. – Segunda-feira
– Aguaceiros, por vezes fortes, acompanhados de trovoada, em especial no litoral oeste e Algarve, estendendo-se gradualmente às restantes regiões a partir da tarde;
– Probabilidade de fenómenos extremos de vento;
– Vento fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante sul, soprando moderado a forte (30 a 45
km/h) nas terras altas, em especial do centro e sul, por vezes com rajadas até 80 km/h.
14SET. – Terça-feira
– Aguaceiros, por vezes fortes, acompanhados de trovoada, granizo e rajadas de vento forte;
– Vento fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante sul, soprando moderado a forte (30 a 40 km/h) nas terras altas do Centro e Sul.
– Descida da temperatura máxima.
Face às previsões de precipitação forte e persistente nas regiões acima mencionadas, poderão ocorrer cheias e inundações nas áreas urbanas.
Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pT
EFEITOS EXPECTÁVEIS
Face à situação meteorológica prevista, poderão ocorrer os seguintes efeitos:
– Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água;
– Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências
dos sistemas de drenagem;
– Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;
– Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
– Danos em estruturas montadas ou suspensas;
– Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
– Possibilidade de queda de ramos ou árvores devido ao vento mais forte;
MEDIDAS PREVENTIVAS
– Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
– Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água nas vias;
– Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para
buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
– Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras
estruturas suspensas;
– Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atento para
a possibilidade de queda de ramos e árvores, em virtude de vento mais forte;
– Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais
vulneráveis.
fonte:IPMA

Chuva intensa e vento forte provocam cheias

Assim vai a realidade por todo Portugal, com a muita quantidade de chuva e fortes rajadas de chuva têm provocado muitas cheias, rios e ribeiras a transbordar. Alguns acidentes aconteceram, quedas de muros e árvores um pouco por toda a parte.

Nas fotos em anexo, verifica-se o grande caudal de água na Ribeira da Matança e Rio Mondego em Fornos de Algodres.

Desta forma, os próximos dias são idênticos com muita precipitação, ao que se aconselha precaução aos automobilistas e aos agricultores no amanho das terras dados que tudo vai ficando alagado aos poucos.

fotos:DR

ANEPC- Chuvas e ventos fortes para os próximos dias

Na sequência da decisão do Centro de Coordenação Operacional Nacional de elevar o nível do estado de alerta especial para o Dispositivo Integrado de Operações de Proteção e Socorro (o qual representa um maior nível de prontidão e mobilização das estruturas, forças e unidades de proteção e socorro), a ANEPC emitiu um aviso por SMS destinado a informar os cidadãos acerca das condições meteorológicas adversas (em especial chuva e vento forte) que se irão verificar nos próximos dias.

O recurso a este sistema de aviso está previsto no Decreto-Lei nº 2/2019, de 11 de janeiro, o qual instituiu o Sistema Nacional de Monitorização e Comunicação de Risco, de Alerta Especial e de Aviso à População. A mensagem de aviso é emitida com o remetente AvisoPROCIV e inclui a referência a um número de atendimento da ANEPC (800 246 246, acessível até à meia-noite de hoje), através do qual os cidadãos poderão esclarecer as suas dúvidas, caso necessitem.

GNR alerta para os cuidados com mau tempo

De acordo com a informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), prevê-se para as próximas 48 horas, precipitação por vezes forte, acompanhada de trovoada, vento forte e agitação marítima, com possibilidade de inundações em locais historicamente vulneráveis.

Considerando as alterações do estado do tempo, a GNR aconselha:
– Adote uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água nas vias;
– Não atravesse zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
– Garanta uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas;
– Tenha especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atento para a possibilidade de queda de ramos e árvores, em virtude de vento mais forte;
– Adote cuidados redobrados na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a galgamentos costeiros, evitando se possível a circulação e permanência nestes locais;
– Não pratique atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando ainda o estacionamento de veículos muito próximos da orla marítima.

Esteja atento às informações do IPMA e às indicações da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e Forças de Segurança.

Município de Fornos de Algodres vai solicitar ajuda ao Governo para reabilitar as áreas danificadas pelo mau tempo

Depois das fortes chuvadas que no final de 2019, assolaram a região , no concelho de Fornos de Algodres , foram diversos os estragos em estradas, muros, caminhos, face a isso, segundo o autarca fornense, Manuel Fonseca, revelou recentemente numa estação de rádio do distrito, as remodelações desses danos do mau tempo, orçam os 150 mil euros, uma verba incomportável nesta fase do ano para o Município, dado que apesar de o orçamento prever algo do género, esta verba é muito elevada.

A obra mais urgente para ser feita é a reconstrução do muro e colocação de betão na Estrada Nacional 16, no sentido Fornos-Vila Cova de Tavares, onde o trânsito pesado está proibido face à debilidade do pavimento.

Assim Manuel Fonseca , adiantou que vai reunir em breve com o Secretário de Estado das Autarquias Locais, no sentido de poder ser lhe dado apoio para a elaboração destas obras.

 

Mau tempo com chuva e vento forte

Em comunicado, a Autoridade Nacional de Proteção Civil alerta para um agravamento de tempo com chuva e vento forte.

Devido à aproximação e passagem de um sistema frontal associado a uma depressão centrada a oeste-noroeste das Ilhas Britânicas, prevê-se um agravamento do estado do tempo no território do continente a partir da tarde de hoje, dia 09.

Assim, prevê-se precipitação por vezes forte nas regiões Norte e Centro, em especial no Minho e Douro Litoral, entre a tarde de dia 09 e o final da manhã de dia 10. A partir do início do dia de domingo, a precipitação irá intensificar novamente no litoral Norte e Centro, estendendo-se gradualmente ao restante território. Durante este período, esta precipitação deverá ser persistente, em especial no dia 11, domingo.

O vento irá soprar com mais intensidade no litoral oeste e nas terras altas, com rajadas que podem atingir os 70 km/h e os 85 km/h respectivamente, podendo atingir no final do dia de sexta-feira os 85 km/h no Minho e Douro Litoral e os 100 km/h nas terras altas destas regiões.

A agitação marítima deverá manter-se forte em toda a costa ocidental até final da manhã de sábado, com ondas de noroeste com 4 a 5 metros.

Para mais detalhes sobre a previsão meteorológica para os próximos dias consultar:
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.descritiva/
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev.significativa

Para mais detalhes sobre os avisos meteorológicos emitidos consultar:
http://www.ipma.pt/pt/otempo/prev-sam/

Condições Meteorológicas Adversas !Alerta!!

O mau tempo vai chegar a Portugal Continental
A situação meteorológica que irá condicionar o território continental português é ainda muito incerta, nomeadamente quanto à trajetória da depressão Leslie e aos efeitos que a mesma produzirá em relação a vento, precipitação e agitação marítima. Espera-se que as condições dos estados do tempo e do mar se agravem a partir das 19:00 horas de sábado, 13-10-2018, atingindo-se o pico mais crítico entre as 00:00 horas e as 06:00 horas de domingo, para o vento, as 01:00 horas e as 16:00 horas de domingo para a precipitação, as 03:00 horas e as 12:00 horas de domingo, para a agitação marítima.
O território continental português será afetado muito provavelmente em toda a sua extensão geográfica, não sendo possível ainda indicar com precisão as áreas de maior impacto dos fenómenos meteorológicos.

É essencial recomendar ESPECIAL CUIDADO com o vento, por precaução, na medida em que, podendo soprar forte nalgumas regiões, pode contribuir sobremaneira para a evolução rápida dos incêndios rurais que venham a verificar-se.

?2. EFEITOS EXPECTÁVEIS

Face à situação acima descrita, poderão ocorrer os seguintes efeitos:

➡️· Danos em estruturas montadas ou suspensas;
➡️· Possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte;
➡️· Possíveis acidentes na orla costeira;
➡️· Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
➡️· Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e gelo;
➡️· Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
➡️· Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis;
➡️· Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
➡️· Fenómenos geomorfológicos causados por instabilização de vertentes associados à saturação dos solos, pela perda da sua consistência.

?3. MEDIDAS PREVENTIVAS

A ANPC recorda que o eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados, pelo que, e em particular nas zonas historicamente mais vulneráveis, se recomenda a observação e divulgação das principais medidas de autoproteção para estas situações, nomeadamente:

➡️· Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas;
➡️· Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atento para a possibilidade de queda de ramos e árvores, em virtude de vento mais forte;
➡️· Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a galgamentos costeiros, evitando a circulação e permanência nestes locais;
➡️· Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando ainda o estacionamento de veículos muito próximos da orla marítima;
➡️· Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas;
➡️· Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível acumulação de neve e formação de lençóis de água nas vias;
➡️· Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;

➡️· Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.

Para mais informações consulte:

www.prociv.pt ou
http://www.prociv.pt/…/AP_44_DCS_2018_10_12_Condi%C3%A7%C3%…
Para acompanhamento da situação consulte:
www.ipma.pt ou
https://www.ipma.pt/pt/otempo/prev-sam/timeline.jsp?reg=VIS

Informação : AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL

Proteção Civil emite alerta de mau tempo

No seguimento do contato com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) realizado nesta terça-feira, 13 de Março, pelo Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), prevê-se, para amanhã, 14MAR18, o agravamento das condições meteorológicas, com ocorrência de precipitação, intensificação do vento, queda de neve e agitação marítima (em toda a orla costeira):
  • quarta-feira (14MAR) prevê-se a ocorrência de precipitação, vento forte (ao longo do dia) e queda de neve a partir da cota dos 1800 metros, diminuindo (a partir da tarde) para a cota dos 1000 metros, nas regiões Centro e Norte.
  • A precipitação acumulada poderá atingir 30 mm entre as 00:00 e as 12:00 e 40 mm nas 12 horas seguintes, especialmente a Norte do Tejo.
  • O vento pode atingir rajadas máximas de 100 km/h, podendo ser pontualmente superior nas zonas mais expostas e/ou elevadas.
  • Amanhã (14MAR) espera-se agitação marítima forte, estando previsto que, a partir das 15:00, as ondas sejam de oeste/noroeste e atinjam uma altura de 4 a 5 metros (em toda a costa), situação que se poderá prolongar até à manhã do dia 16MAR (sexta-feira).
Acompanhe as previsões meteorológicas em www.ipma.pt
2. EFEITOS EXPECTÁVEIS
Face à situação descrita, poderão ocorrer os seguintes efeitos:
· Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e gelo;
· Possibilidade de cheias rápidas em meio urbano, devido a acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem;
· Possibilidade de inundação por transbordo de linhas de água nas zonas mais vulneráveis;
· Inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem;
· Danos em estruturas montadas ou suspensas;
· Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais mais vulneráveis;
· Possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte;
· Possíveis acidentes na orla costeira;
· Fenómenos geomorfológicos originados por instabilidade de vertentes devido à perda da consistência por saturação dos solos em água;
· Obstrução de vias de circulação por queda de árvores, deslizamento ou desabamento de terras, pedras ou outras estruturas;
3. MEDIDAS PREVENTIVAS
A ANPC recorda a necessidade de serem adotados comportamentos adequados, designadamente nas zonas mais vulneráveis, pelo que se divulgam as principais medidas de autoproteção para estas situações:
· Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirar inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criarem obstáculos ao livre escoamento das águas;
· Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível acumulação de neve e formação de lençóis de água nas vias;
· Colocar correntes de neve nas viaturas sempre que se circular em áreas cobertas por neve e/ou gelo;
· Evitar atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas e/ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
· Garantir a adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente andaimes, placards e outras estruturas suspensas;
· Ter especial cuidado na circulação e permanência junto a áreas arborizadas, mantendo atenção à possibilidade de queda de ramos e árvores em virtude de vento forte;
· Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas mais vulneráveis a galgamentos costeiros, evitando a circulação e permanência nestes locais;
· Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando o estacionamento de veículos muito próximos da orla marítima;
· Evitar a circulação e permanência nas terras altas onde as rajadas de vento sejam fortes ou muito fortes;
· Manter-se atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.
Por:ANPC

Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alerta para chuva , vento e neve

anpcNo seguimento do contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), realizado hoje pelo Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), de acordo com a informação meteorológica disponibilizada pelo IPMA salienta-se, para os próximos dias, a probabilidade de ocorrência:
  • Aguaceiros pontualmente fortes, podendo ser de granizo, acompanhados de trovoada, que afetarão sobretudo as regiões do Centro e Sul do país, durante o dia de hoje, e o Norte e Centro, durante o dia de amanhã;
  • Vento a soprar forte no litoral e nas terras altas, com rajadas da ordem dos 70 e 90 Km/h, respetivamente. Não são de excluir eventuais fenómenos extremos de vento a acompanharem o agravamento da instabilidade durante o dia de amanhã;
  • Queda de neve acima dos 1000/1400m nas regiões do Norte e Centro.
Para mais informações sobre a evolução da situação meteorológica acompanhe as previsões em: www.ipma.pt
2. EFEITOS EXPECTÁVEIS
Face à situação acima descrita podem ocorrer os seguintes efeitos:
  • Condicionamento e/ou encerramento de vias de circulação devido à queda de neve;
  • Piso rodoviário escorregadio e eventual formação de lençóis de água e de gelo;
  • Danos em estruturas montadas ou suspensas;
  • Possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte;
  • Possíveis acidentes na orla costeira;
3. MEDIDAS PREVENTIVAS
A ANPC recorda que o eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado através da adoção de comportamentos adequados, pelo que, e em particular nas zonas historicamente mais vulneráveis, se recomenda a observação e divulgação das principais medidas de autoproteção para estas situações, nomeadamente:
  • Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tendo especial cuidado com a possível formação de lençóis de água e de gelo nas vias rodoviárias;
  • Transportar e colocar correntes de neve nas viaturas sempre que se circular em áreas atingidas pela queda de neve;
  • Garantir uma adequada fixação de estruturas que possam estar soltas, nomeadamente andaimes, placards e outras estruturas suspensas;
  • Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, prestando atenção para a possibilidade de queda de ramos ou árvores em virtude de vento mais forte;
  • Circular com cuidado junto à orla costeira e não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva e desportos náuticos, além de evitar o estacionamento de veículos na orla marítima;
  • Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da proteção civil e forças de segurança;
  • Seguir escrupulosamente todas as indicações dadas pelas autoridades policiais, nomeadamente no que concerne ao respeito pelos cortes de estrada, percursos alternativos, sinalização viária e outras informações;
  • Evitar comportamentos de risco que possam originar acidentes.

Por: ANPC