Templates by BIGtheme NET
Início » Tag Archives: região centro

Tag Archives: região centro

Campanha “Visit Viseu Dão Lafões” lançada para o verão

A Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões (CIM Viseu Dão Lafões) apresentou  a sua nova campanha de promoção turística para este verão. Uma bela aposta na promoção do turismo seguro nos 14 Municípios associados, através de uma campanha de âmbito nacional e do lançamento das páginas “Visit Viseu Dão Lafões”.

Com a retoma das várias atividades económicas no processo de desconfinamento, a CIM Viseu Dão Lafões sugere a região como ponto central para as férias de amantes da natureza, apaixonados da gastronomia e vinhos, público familiar e fãs das propostas de saúde e bem-estar das estâncias termais.

Viseu Dão Lafões é a opção segura para viver o interior de Portugal, este verão, fora dos grandes centros”, declara Rogério Mota Abrantes, Presidente CIM Viseu Dão Lafões. “À semelhança de campanhas anteriores, a CIM afirma a marca Viseu Dão Lafões, naquela que é uma nova era de investimento na promoção turística desta região”, acrescenta.

A campanha, sob o mote “O verão começa aqui”, aposta na diferenciação do destino nas suas vertentes mais fortes e identitárias: “Natureza? É aqui.”, “Sabores? É aqui.” e “Férias em família? É aqui.” são algumas das áreas temáticas que vão viver em simultâneo, em meios físicos, online, na rádio e na imprensa escrita.

Esta é uma campanha muito relevante de afirmação da região Centro do país. Valorizar Viseu Dão Lafões enquanto destino multifacetado e seguro é indispensável no âmbito da nossa estratégia de atração turística e recuperação económica, neste pós-desconfinamento.”, refere Pedro Machado, Presidente do Turismo do Centro de Portugal.

A CIM Viseu Dão Lafões apresenta, também, as páginas criadas especificamente para a promoção turística com o naming “Visit Viseu Dão Lafões”, orientada para a divulgação das atrações no portal que passa a adotar esta designação e que está disponível em www.visitviseudaolafoes.pt, a par de páginas novas nas redes sociais Facebook e Instagram (@visitviseudaolafoes).

Simultaneamente, e como pretexto para desfrutar do ar livre, em oposição aos espaços fechados, a Comunidade Intermunicipal lançou a “Rede de Percursos em Natureza”. O guia reúne as várias propostas de percursos pedestres, centros de BTT, ecopistas, espaços de termalismo, culturais e de gastronomia.

A CIM aposta não só numa campanha de promoção da região e dos seus principais atributos, mas também na organização e comunicação de um produto consolidado e que é particularmente valorizado no contexto pandémico: o Guia de Turismo de Natureza. Neste guia condensar num mesmo produto a oferta rica que existe na região neste domínio”, afirma Nuno Martinho, Secretário Executivo da CIM Viseu Dão Lafões.

Esta campanha turística apresenta especial valor numa altura de retoma para os setores relacionados com o turismo, mas a promoção da região será uma aposta que a CIM manterá ao longo de todo o ano, como forma de afirmar o destino no contexto nacional.

Para o período outono/inverno será preparada uma nova campanha com foco nos atributos mais convidativos para esse período do ano.

Queijarias e produtores lutam para evitar situação crítica e de grande fragilidade 

FILEIRA DO QUEIJO COM DOP DA REGIÃO CENTRO É DAS MAIS AFETADAS COM A PANDEMIA 

“Se nada for feito, vamos ter uma profunda crise no setor dos Queijos na Região Centro”, é assim que a Inovcluster, Associação do Cluster Agro-Industrial do Centro traça o futuro próximo da fileira dos Queijos com DOP da Região Centro. Como se não bastassem os incêndios de 2017 e os períodos de seca por que a Região ciclicamente passa, esta crise de saúde pública provocada pela COVID-19 está a colocar em sério risco uma cadeia de valor que tem vindo a ser testada de ano para ano.

As vendas de Queijos estão a decrescer colocando os agentes numa situação catastrófica. Também as dificuldades no escoamento do produto levaram à sobrelotação das queijarias no que se refere à capacidade de armazenamento do queijo e muitos constrangimentos na continuidade de fornecimento de leite para o fabrico de queijo. As queijarias deixaram de poder manter a compra leite deixando os produtores numa situação de grande fragilidade.

“Temos de facto muita oferta de um produto de qualidade como é o caso dos Queijos da Beira Baixa DOP. São diferentes porque têm um nome e uma tradição de bem-fazer associada a esta região da Beira Baixa. A procura é que está muito fraca”, releva Joaquim Dias da Associação de Produtores de Queijos do distrito de Castelo Branco (APQDCB). “Temos de continuar a trabalhar na valorização do Queijo Beira Baixa com DOP (queijo de Castelo Branco, Amarelo da Beira Baixa e Picante da Beira Baixa). As vendas estão a diminuir de uma forma acentuada o que está a gerar um problema grave de escoamento do queijo”, sustenta o técnico da APQDCB.

No caso do Queijo com DOP Serra da Estrela a situação é mais grave. “Estamos com uma quebra superior de 50% no número de vendas de Queijo face ao período homólogo, isto é dramático para não dizer insustentável, quando falamos da produção de um queijo com as qualidades intrínsecas e produção diferenciadora como é o caso do Queijo com DOP Serra da Estrela”, sustenta Célia Henriques, técnica da Cooperativa dos Produtores de Queijo Serra da Estrela (ESTRELACOOP). “Estamos a entrar numa fase crítica da nossa atividade que, caso não acontecer uma inflexão durante o mês de dezembro com as vendas do Natal, no limite, pode estar em risco todo o circuito associado à produção do Queijo Serra da Estrela DOP!”, desabafa.

Diana Ventura, técnica da AproRabaçal, a Associação de Produtores Rabaçal, traça um cenário igualmente negro para os produtores do famoso Queijo com DOP Rabaçal. “Estamos com quebras de comercialização na ordem dos 80%. Enquanto os consumidores não perceberem que temos de proteger o que é nosso e comprar Queijo com DOP, os produtores e distribuidores de Queijo com DOP da Região Centro vão andar em permanente insegurança. Ao comprarmos produtos certificados estamos a proteger os territórios, a matéria-prima e produtos certificados genuinamente nossos e que obedecem a toda uma cadeia de valorização, tradição, segurança e qualidade”, sustenta. Diana Ventura apela aos consumidores para olharem bem para o Queijo que compram “em especial nas grandes superfícies comerciais”, acentua. “Verifiquem se os Queijos têm certificação e selo da DOP, esta simples ação é já um passo gigante para a valorização e sustentação dos Queijos com DOP a Região Centro”, concretiza a técnica desta Associação.

VALORIZAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA FILEIRA DOS QUEIJOS COM DOP DA REGIÃO CENTRO 

Ainda assim, não obstante a queda acentuada do número de vendas dos Queijos com DOP da Região Centro, há um esforço concertado de dar a volta a uma situação particularmente desafiante. “Estamos na linha da frente e no terreno para ajudar a reerguer toda uma fileira de agentes económicos locais do Queijo com DOP da Região Centro – desde os pastores, produtores de leite, queijeiros/as, distribuidores e fornecedores – na realização de uma verdadeira restruturação e modernização do setor para que possamos, todos, fazer frente aos efeitos devastadores desta crise pandémica”, concretiza Cláudia Soares, Presidente da Inovcluster, Associação do Cluster Agroindustrial do Centro com sede nas instalações do Centro de Apoio Tecnológico Agroalimentar em Castelo Branco. Os desafios são muitos, mas fruto do Projeto da Valorização dos Queijos com DOP da Região Centro há todo um trabalho de campo que já está a ser feito “por forma a reduzir ao máximo o impacto sentido devido às restrições geradas pela pandemia, isto para que os seus efeitos negativos sejam minimizados quer a montante (na produção de leite), quer a jusante (na produção e comercialização de queijos)”, sustenta.

Esta é uma estratégia de rejuvenescimento, valorização e competitividade da fileira dos Queijos com DOP do Centro, que visa encontrar novas soluções para o sector da produção de leite no que se refere ao escoamento da matéria-prima e, consequentemente, dos Queijos em situações extremas; Capacitar as queijarias para novas formas de armazenamento e conservação do queijo; Apostar na sensibilização do consumidor para o consumo de queijo com DOP; Apostar na comercialização do queijo com DOP em novos formatos de modo a que seja mais facilmente colocado no mercado e se torne mais acessível ao consumidor; Apostar em novos meios de comercialização do queijo com DOP, com recurso a plataformas digitais; Associar os queijos com DOP a um setor de inegável potencial na Região Centro – o Turismo (gastronómico e cultural).

Apesar das restrições vividas no atual contexto pandémico, o Programa de Valorização da Fileira do Queijo da Região Centro, cofinanciado pelo Centro 20202, Portugal 2020, União Europeia através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, tem primado por manter o bom desenvolvimento das suas atividades, para dinamizar a própria Fileira. São exemplos o Concurso de atribuição de prémios monetários para incentivo à produção de leite com qualidade, instalação na atividade e fornecimento de queijarias produtoras de queijo com DOP (Vale Pastor – 5000 euros e Vale Pastor+ – 2500 euros); a Escola de Pastores e Queijeiros; a criação de Banco de Terras para uso exclusivo em atividades ligadas à fileira do queijo, já com os primeiros terrenos atribuídos na Região DOP Serra da Estrela; Criação de uma marca conjunta agregadora dos queijos das 3 regiões DOP.

“Este é um projeto disruptivo, que com inovação se adaptou devidamente a uma fase crítica de pandemia. Deixa escrita uma história, mas que se posiciona e olha para o futuro como um exemplo a seguir para alavancar outros projetos que lhe deem continuidade”, frisa Cláudia Soares da Inovcluster.

“Outubro Rosa” na Região Centro

No mês de Luta Contra o Cancro da Mama, empresas e diversas instituições da Região Centro são convidadas pela Liga Portuguesa Contra o Cancro a organizar e/ou participar em atividades. A iniciativa tem o objetivo de promover a consciencialização sobre a doença e partilhar informações sobre o cancro da mama.

A Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) desafia a comunidade a juntar-se ao movimento “Outubro Rosa”, propondo iniciativas a desenvolver ao longo de todo o mês de outubro, nomeadamente na Região Centro. A ação promovida pela LPCC – em representação da EUROPA DONNA (Coligação Europeia Contra o Cancro da Mama) – pretende sensibilizar para a doença, incentivando à prevenção e ao diagnóstico precoce do cancro da mama.

Na Região Centro, o Núcleo Regional do Centro da LPCC pretende potenciar o impacto deste movimento, lançando o desafio às mulheres, famílias, entidades da sociedade civil e entidades diversas. Nesse sentido, serão reforçadas, por um lado, as parcerias estabelecidas anteriormente – nomeadamente no âmbito do evento anual “Pequenos Passos, Grandes Gestos”, caminhadas que habitualmente integram o “Outubro Rosa” e que somam 10 edições – mas também procurando novas.

Além da vertente de sensibilização pública, a campanha pode integrar ações de angariação de fundos, a favor do doente oncológico e familiares, existindo para o efeito um conjunto vasto de materiais alusivos à iniciativa, a disponibilizar mediante solicitação dos interessados.

A participação é fácil e está ao alcance de todos que, de forma institucional, individual ou em pequenos grupos, podem organizar uma atividade de angariação de fundos, ou simplesmente divulgando as mensagens desta campanha junto dos que os rodeiam. Todos os materiais de sensibilização e divulgação necessários, assim como merchandising, são disponibilizados pelo Núcleo Regional do Centro da LPCC.

As inscrições para a iniciativa “Outubro Rosa 2020” e toda a informação da campanha encontram-se disponíveis em: https://www.ligacontracancro.pt/outubrorosa/.  Se necessário, os interessados podem contactar o Núcleo Regional do Centro da LPCC através do telefone 239 487 490 ou pelo e-mail outubrorosa.nrc@ligacontracancro.pt.

Neste âmbito, o Núcleo Regional do Centro da LPCC assinalará ainda simbolicamente, a 3 de outubro (sábado), o evento “Pequenos Passos Grandes Gestos”, que em 2020 não se realizará nos moldes habituais, considerando o Estado de Contingência de Covid-19.Este ano a iniciativa contará, sempre que possível, com a presença de voluntárias nos pontos habituais de partida destas caminhadas solidárias (Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Covilhã, Guarda, Leiria e Viseu), locais onde se procederá à informação, sensibilização e disponibilização dos materiais da campanha “Outubro Rosa”.

Recordamos que o cancro da mama é o tipo de tumor mais comum na mulher (apenas 1 em cada 100 cancros se desenvolvem no homem) e o segundo mais frequente em todo o mundo, de acordo com os últimos dados da International Agency for Research on Cancer (GLOBOCAN). Apesar de não ser um dos mais letais, em 2018, registaram-se cerca de 2,1 milhões de novos casos e mais de 625.000 mortes por cancro de mama, a nível mundial. Em Portugal, em 2018, foram identificados mais de 6.900 novos casos e cerca de 1.800 mortes por esta causa em Portugal.

Maioria das Termas da região Centro já reiniciou a atividade termal

A grande maioria das 20 estâncias termais que integram a rede Termas Centro já reiniciaram as atividades, depois da suspensão originada pela covid-19. Os portugueses têm assim à disposição uma alternativa de férias saudáveis e tranquilas, em destinos longe das multidões e no seio da natureza.

Recorde-se que as estâncias termais tomaram a iniciativa de suspender a atividade em meados de março, no início da fase aguda da pandemia. A Direção-Geral de Saúde autorizou o reinício a 15 de junho e desde então as Termas têm vindo a reabrir, cumprindo protocolos específicos e rigorosos de higienização e segurança.

Nesta altura, já reiniciaram atividade 12 das Termas Centro. A primeira estância a reabrir foi São Pedro do Sul, logo a 15 de junho. Ainda em junho, reabriram as termas de Bicanho (18), Alcafache (22), Monfortinho (27), Piedade (29) e Sangemil (29). Em julho, foi a vez de Caldas da Rainha, Curia, Luso, Vale da Mó (todas no dia 1), Caldas da Felgueira e Unhais de Serra (no dia 4). As termas de Almeida reabrem a 11 de julho e nos próximos dias está previsto o reinício faseado de outras unidades.

Antes de abrirem as portas, as estâncias termais cumprem várias medidas adicionais de segurança, incluindo um rigoroso plano de análise bacteriológica solicitado pela DGS. Uma situação que não é novidade na atividade termal. “As estâncias termais sempre mantiveram o máximo cuidado relativamente às condições de higiene e de segurança das suas instalações. É uma preocupação inerente à atividade termal, que não começou agora. O que as termas agora fizeram foi adaptar os protocolos já existentes à realidade do covid-19. Mais distanciamento entre os aquistas, horários e circuitos que evitem o cruzamento entre pessoas, desinfeção das instalações reforçada e medições constantes de temperatura a clientes e a funcionários são alguns exemplos. Por isso, podemos assegurar a todos os que nos procuram que o poderão fazer com todas as garantias e confiança”, realça Adriano Barreto Ramos, coordenador do consórcio Termas Centro.

Convidamos todos os portugueses a visitar uma das estâncias termais da região Centro neste verão. Vão ficar agradavelmente surpreendidos, não só com os resultados benéficos para a saúde de quem esteve muito tempo confinado em casa, como também com os locais de grande beleza natural e tranquilidade em que as termas estão implantadas. São o destino ideal para umas férias retemperadoras e longe de multidões, que inspiram momentos de relaxamento e de bem-estar”, diz ainda Adriano Barreto Ramos.

Fotos:Termas Centro

Entidades do setor social e solidário recebem 2 milhões de euros no Centro

O Programa Centro 2020 disponibiliza 2 milhões de euros do Fundo Social Europeu (FSE) para assegurar a capacidade de resposta das entidades do setor social e solidário da região Centro, particularmente expostas aos efeitos de sobrecarga de trabalho originados por esta pandemia, no âmbito das medidas de apoio ao reforço de emergência de equipamentos sociais e de saúde, decorrentes da pandemia COVID-19.

Trata-se de uma medida, de caráter extraordinário e temporário, de reforço de recursos humanos em instituições que desenvolvem atividade na área social e da saúde, nomeadamente, serviços de saúde, hospitais, estruturas residenciais ou serviços de apoio domiciliário para pessoas idosas e pessoas com deficiência ou incapacidade.

O objetivo é assegurar a capacidade de resposta destas instituições, através do apoio à contratação de desempregados, trabalhadores com contrato de trabalho suspenso ou horário de trabalho reduzido ou com contratos de trabalho a tempo parcial, bem como estudantes, designadamente do ensino superior, e formandos, preferencialmente de áreas relacionadas com os projetos.

Estes apoios são operacionalizados através do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), introduzindo um regime extraordinário de majoração das bolsas mensais dos «Contrato emprego-inserção» (CEI) e «Contrato emprego-inserção+» (CEI+) em projetos realizados nestas instituições.

Núcleo Regional do Centro da LPCC suspende rastreios

No cumprimento das orientações da Direção Geral de Saúde, e em articulação com o Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC), o Núcleo Regional do Centro da LPCC suspende as atividades de Rastreio de Cancro de Mama na Região Centro.

 Face ao evoluir da crise epidémica da COVID-19 e considerando a prevenção a melhor forma de lidar com esta situação, o Núcleo Regional o Centro da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC.NRC), em articulação com o Conselho Diretivo da ARSC, deliberou suspender, pelo período de 15 dias, as atividades de Rastreio de Cancro de Mama na Região Centro.

Deste modo, com vista a reduzir os riscos de exposição e contágio epidemiológico por novo coronavírus (Covid-19), e no cumprimento das orientações da Direção Geral de Saúde, a LPCC.NRC desconvocará para rastreio todas as mulheres a quem já foi remetida uma carta convocatória.

Nos concelhos onde o rastreio está a decorrer, este vai ser suspenso já a partir de segunda-feira próxima (16 março). Nos concelhos que aguardam a chegada posterior do rastreio, informa-se que, devido a estas circunstâncias, o mesmo chegará com previsíveis atrasos.

No que se refere às consultas de aferição (nos casos em que se verifica a necessidade de repetição do exame para esclarecer alguma dúvida), a LPCC.NRC deliberou que todas as marcações feitas, até ao momento, serão cumpridas nas semanas mais próximas.

A decisão de suspensão das atividades de Rastreio de Cancro da Mama será avaliada semanalmente pela Direção do Núcleo Regional do Centro, em conjunto com as entidades de saúde competentes.

 

CCDR Centro promoveu concurso sobre Boas Práticas de Envelhecimento Ativo e Saudável

Gamification Supporting Active and Assisted Living”, promovido pela Intellicare — Intelligent Sensing in Healthcare, Lda e pela Universidade de Coimbra, o “Programa abem:”, da Associação Dignitude, e “A Voz do Rock”, apresentado pela Associação Gira Sol Azul, são os três projetos vencedores do concurso de Boas Práticas de Envelhecimento Ativo e Saudável na região Centro, promovido pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), em colaboração com o  consórcio Ageing@Coimbra.

Os vencedores deste concurso, que tem como objetivo aumentar a divulgação e o reconhecimento de projetos e iniciativas que promovem o envelhecimento ativo e saudável na região Centro, foram hoje apresentados em Coimbra, no 7º Congresso do Envelhecimento Ativo e Saudável.

Foi também atribuído o Prémio Empreendedor 50+ da região Centro a Fernando Seabra Santos, Professor Catedrático, Reitor da Universidade de Coimbra de 2003 a 2011 e CEO, desde 2014, da empresa Friday, Ciência e Engenharia do Lazer, Lda. O Prémio Empreendedor 50+ da Região Centro tem como principais objetivos promover o espírito empresarial e o empreendedorismo sénior, reconhecer publicamente os empreendedores que construíram uma carreira de empresário numa fase mais avançada da sua vida e sensibilizar os decisores públicos para a importância do empreendedorismo sénior e para o apoio à criação de incentivos para o estímulo a esta forma de empreendedorismo.

Informação sobre os vencedores:

Vencedor da categoria Conhecimento+, o projeto “Gamification Supporting Active and Assisted Living”, apresentado pelo Intellicare — Intelligent Sensing in Healthcare, Lda e pela Universidade de Coimbra — CIBIT – Coimbra Institute for Biomedical Imaging and Translational Research, pretende desenvolver uma solução baseada em técnicas de gamificação e inteligência artificial, de forma a promover hábitos e comportamentos saudáveis, proporcionando um envelhecimento mais ativo e feliz, ao mesmo tempo que facilita a tarefa, mesmo à distância, da família e dos cuidadores. Propõe-se monitorizar as tarefas diárias com recurso a sensores ambientais e fisiológicos, de forma não intrusiva, e a jogos de estimulação cognitiva, transformando os dados em informações de atividade e comportamento. Combina estas informações com uma forte componente de divulgação cultural e informativa, tudo associado à dinâmica de pontuação que faz do GameAAL um projeto inovador e completo no contexto da vida assistida. O sucesso na utilização continuada ao longo do tempo do GameAAL poderá prevenir ou atrasar a institucionalização dos utilizadores finais, melhorando a sua qualidade de vida, na medida em que é efetuada uma análise contínua do seu padrão de atividade, e, em caso de desvios ao normal, são notificados os cuidadores e fornecida informação para poderem agir, caso necessário.

O “Programa abem:“, da Associação Dignitude, foi o vencedor na Categoria Saúde+. O Programa abem: tem como missão garantir que todos os portugueses tenham acesso aos medicamentos de que necessitam, independentemente das condições socioeconómicas. Os beneficiários são referenciados, com base numa metodologia uniformizada, por entidades locais como autarquias, IPSS, misericórdias ou Cáritas. Apesar de ser um programa de âmbito nacional, atualmente possui 55 parceiros locais na região Centro, com profissionais capacitados e conhecimento local. A Rede abem: é suportada por um sistema informático inovador, a Plataforma abem, que liga todas as entidades e simplifica burocracias, com transparência e segurança. Após referenciação do agregado familiar, cada elemento passa a ser beneficiário e recebe um cartão abem:, único e intransmissível. Com esse cartão pode dirigir-se a qualquer farmácia abem: e levantar medicamentos sujeitos a receita médica, comparticipados pelo Estado e prescritos pelo médico. Atualmente está disponível em 216 farmácias no Centro. Os medicamentos são comparticipados pelo Fundo Solidário abem:, constituído por 100% dos donativos angariados para o abem:.

Na categoria Vida+ foi vencedora a boa prática “A Voz do Rock”, da Gira Sol Azul. O projeto foi criado no âmbito do Festival de Artes “Viseu A” em 2014 e tem como meta quebrar as barreiras da idade e demonstrar que com vontade tudo se faz, até concertos de rock. Os resultados têm tido um impacto considerável para o crescimento do grupo ao longo destes cinco anos. É composto na sua maioria por octogenários de Viseu, que optam pelo rock e por canções que geralmente não se fazem ouvir em vozes de pessoas mais idosas. É assim que os “A Voz do Rock” rompem fronteiras entre gerações e excedem os limites da própria condição humana, apresentando uma imagem positiva do envelhecimento que se traduz numa performance encenada que, acima de tudo, celebra o prazer da partilha musical e da própria vida. Este grupo aceitou sem hesitar o desafio lançado a maiores de sessenta anos de cantar algo que lhes poderá ser menos familiar, mas ainda assim “tradicionalmente” português. Partem de uma lista importante de temas indie e rock feitos em Portugal nas últimas décadas.

 

 

Turismo bate recordes na região Centro

A atividade turística no Centro de Portugal iniciou o ano de 2019 a bater recordes absolutos. O mês de janeiro de 2019 foi o melhor mês de janeiro de sempre na região desde que há registos, de acordo com os números publicados pelo INE – Instituto Nacional de Estatística.

O INE indica que, em janeiro de 2019, o total de dormidas na região cresceu 7,2%, em comparação com janeiro de 2018 – um sinal muito promissor para o que será o ano de 2019. No total, contabilizaram-se 294 mil dormidas em janeiro no Centro de Portugal, mais 19,8 mil do que no mesmo mês do ano anterior, que tinha registado 274,2 mil dormidas. Em janeiro de 2017, o total de dormidas tinha sido de 212,1 mil.

Pela primeira vez num mês de janeiro, as dormidas por parte dos visitantes estrangeiros ultrapassaram as 100 mil, totalizando 103 mil. Em janeiro de 2018 tinham sido 90,6 mil, o que significa que houve um aumento de 13,7 por cento. Comparativamente, o crescimento nas dormidas de estrangeiros no global do país foi de 3,1%. Ou seja, em janeiro, as dormidas de estrangeiros cresceram quatro vezes mais no Centro de Portugal do que no total do país!

Por outro lado, a procura do Centro de Portugal pelos visitantes nacionais também continua a crescer. Em janeiro de 2019, assinalaram-se na região 191 mil dormidas de visitantes nacionais, mais 4% que em janeiro de 2018.

O Centro de Portugal regista igualmente números muito positivos nos restantes indicadores registados pelo INE. É o caso do total de hóspedes, que entre janeiro de 2018 e janeiro de 2019 subiu 5,9%, para 190,7 mil, da taxa de ocupação, que subiu 4,5%, e da estadia média, de 1,52 para 1,54.

A nível das receitas, em janeiro de 2019 observou-se um forte crescimento nos proveitos totais da atividade turística no Centro de Portugal. Em comparação com o mesmo mês de 2018, os proveitos totais subiram 9,1%, aproximando-se dos 15,8 milhões de euros. Um indicador que demonstra que a aposta dos empresários da área do turismo na região é cada vez mais rentável.

“Os primeiros números do ano, agora divulgados pelo INE, deixam antever que 2019 vai ser mais um ano histórico para a atividade turística no Centro de Portugal”, comentou Pedro Machado, presidente do Turismo Centro de Portugal. “Registo com muito satisfação que a região subiu em todos os indicadores estatísticos em janeiro, com particular veemência nas dormidas de visitantes de fora do país e nos proveitos totais. São dados que dão grande alento aos empresários que apostam na região”, acrescentou.

Turismo do Centro pode acolher o “Hoteliers European Marketplace”

Otc“HEM – Hoteliers European Marketplace”, evento que anualmente reúne empresários de hotelaria e operadores turísticos de toda a Europa. O encontro aconteceu este ano em Florença, Itália, depois de Paris ter sido o anfitrião em 2016.

A iniciativa, organizada pela Associação Europeia de Operadores Turísticos (ETOA), é uma oportunidade para as empresas hoteleiras se encontrarem com os principais operadores turísticos, de forma a delinearem novas parcerias e oportunidades de negócio. Inclui workshops, conferências, seminários e várias outras iniciativas.

A presença do presidente do Turismo Centro Portugal teve como principal objetivo apresentar aos responsáveis máximos da ETOA a possibilidade de a Região Centro de Portugal receber o evento da HEM em 2018. Apesar de a concorrência ser forte, Pedro Machado acredita no sucesso da aposta, devido ao trabalho que a região tem feito para ser uma escolha preferencial na organização de congressos.

A Região Centro de Portugal assume estar numa competição direta com cidades como Madrid, Alicante e Amesterdão para a realização em 2018 do HEM – Hoteliers European Marketplace. Temos condições ímpares, no que respeita à qualidade das infraestruturas disponíveis, para estarmos na primeira linha no que se refere à captação de eventos e congressos. A essas condições somam-se fatores fundamentais que garantem, à partida, o sucesso retumbante dos eventos: alto nível de qualificação de recursos humanos, segurança, acessibilidades, e o facto de sermos um destino onde a ‘diversidade’ é marca”, sublinhou Pedro Machado.

“Estamos, portanto, muito confiantes quanto ao sucesso desta reunião com a ETOA, e da possibilidade de recebermos em 2018 este importante evento”, acrescentou o presidente do Turismo Centro Portugal.

           Sobre o Turismo Centro de Portugal:

O Turismo Centro de Portugal é a entidade que estrutura e promove o turismo na Região Centro do país. Esta é a maior e mais diversificada área turística nacional, abrangendo 100 municípios, e tem registado um intenso crescimento da procura interna e externa. É a região a escolher para quem pretende experiências diversificadas, pois concilia locais Património da Humanidade com a melhor costa de surf da Europa, termas e spas idílicos, locais de culto de importância mundial e as mais belas aldeias – sem esquecer a gastronomia e os vinhos de eleição.

Por:TC

Carapito acolheu encontro de jovens

IMG_3344   Decorreu no passado,dia 26 de novembro, na localidade de Carapito, mais um Encontro Regional da Juventude Mariana Vicentina/Região Centro, com a presença de meia centena de jovens, oriundos dos diversos centros locais: Carapito, Cucujães, Fornos de Algodres e Orgens.

A concentração dos jovens teve lugar no Clube Cultural e Recreativo de Carapito, seguindo-se a oração da manhãIMG_3325, que antecedeu uma abordagem do tema deste encontro “Com alegria em Missão”, na fase inicial pelo Padre Bruno, complementado pelo debate nas diversas comunidades.

As comunidades apresentaram a conclusão do tema, aconteceu depois a pausa para almoço.

A tarde iniciou-sIMG_3357e com um período mais lúdico, seguido da partilha da experiência em Moçambique, das três missionárias (Cátia, Mariana e Alice) da JMV que de certa forma enriqueceram este encontro.

Ao fim da tarde decorreu a Eucaristia, na Igreja local.

De salientar a presença do Presidente do Conselho Nacional, António José Clemente e do Vogal da Caridade, Francisco Vilhena.

Como habitualmente acontece, este encontro foi proveitoso para todos estes jovens que se prepararam para a fase de Advento e Natal.

Por: Sofia Pacheco