Templates by BIGtheme NET
Início » Aguiar da Beira » Avisos e Liturgia do 29º Domingo do Tempo Comum- ano B

Avisos e Liturgia do 29º Domingo do Tempo Comum- ano B

 

Os textos, propostos pela Liturgia da Igreja para este Domingo, convidam-nos a contemplar Jesus Cristo na sua entrega por amor. Por isso, na nossa oração deveríamos pedir força e coragem para seguir Jesus Cristo na sua entrega. A resposta de Jesus às pretensões de Tiago e de João, “Não sabeis o que pedis”, revela que eles têm de purificar as suas súplicas e dedicarem-se a compreender quem Ele é, alertando-os para a certeza de que o Pai já sabe aquilo que nos faz falta antes de lho pedirmos (cf. Mt 6,8.32). A Deus temos de lhe pedir coisas boas (cf. Mt 7,11), temos de lhe pedir o Espírito Santo (cf. Lc11,13), mas não o poder e a riqueza, como fazem Tiago e João. Que diferença entre o pedido destes irmãos e o pedido do cego Bartimeu que, perante a mesma pergunta de Jesus (“Que quereis que vos faça”), responde: “Mestre, que eu veja!” (Mc 10,51), como veremos no próximo Domingo! Os outros discípulos, como Tiago e João, também não tinha entendido o Mestre, mas “começaram a indignar-se contra eles”, porque se tinham antecipado nos seus desejos e ambições. Escutemos, pois, a advertência de Jesus e peçamos ao Pai o Espírito Santo, na certeza que Ele conhece suficientemente as nossas necessidades.

Jesus faz a seguinte pergunta a Tiago e João: “Podeis beber o cálice que eu vou beber?”. Beber o cálice de Jesus certifica-nos como seus discípulos. Seguir Jesus não é fácil, porque Ele próprio pediu ao Pai para não beber o cálice da cruz, mas obedeceu: “Mas não se faça o que Eu quero, e sim o que Tu queres” (Mc 14,36). Beber o cálice significa passar pelo sofrimento, e o sofrimento gera em nós medo. Na primeira leitura, de Isaías, escutamos um excerto do quarto cântico do Servo de Javé, onde se diz que toda a libertação supõe um sofrimento prévio: “O justo, meu servo, justificará a muitos e tomará sobre si as suas iniquidades”. Beber o cálice, o nosso cálice pessoal de cada dia, é a condição para nos convertermos em discípulos e para nos unirmos à missão salvífica de Jesus. São Paulo sente-se tão unido a Jesus Cristo que afirma claramente: “Agora, alegro-me nos sofrimentos que suporto por vós e completo na minha carne o que falta às tribulações de Cristo, pelo seu Corpo, que é a Igreja” (Col 1,24). Será que S. Paulo gosta de sofrer? Será que nós gostamos de sofrer? Será que os pais gostam de sofrer pelos filhos? Será que os professores gostam de sofrer por causa do mau aproveitamento dos seus alunos mais desleixados? Será que gostamos de sofrer o desemprego ou uma grave doença? Na primeira carta de Pedro é dito: “alegrai-vos, pois assim participais dos padecimentos de Cristo” (1Pe 4,13). Fica bem claro que o discípulo tem de aprender a seguir os passos do Mestre. Quando Pedro lhe pergunta pelo prémio, porque deixaram tudo para O seguir, Jesus promete-lhes cem vezes mais, mas com perseguições (cf. Mt 10,30).

Assim, nada de querer ser dos primeiros, como pretendiam Tiago e João. Se Jesus veio para servir, os seus discípulos também têm de servir. Jesus tinha uma grande experiência de vida e uma consciência política muito clara: “os chefes das nações exercem domínio sobre elas, e os grandes fazem sentir sobre elas o seu poder”. Palavras sempre actuais em todos os tempos, também agora! Ninguém se atreva a contradizer Jesus ou a dizer que Ele se mete na política! Está bem visível aos nossos olhos! Contudo, Jesus diz-nos: “Não deve ser assim entre vós”. Ele chama-nos para servir, como Ele o fez no lava-pés. Recordemos as suas palavras proferidas nesse momento: “dei-vos o exemplo para que, assim como Eu fiz, vós façais também” (Jo 13,15). Que alegria imitar Jesus, viver o serviço como “o Filho do homem”, que oferece a sua vida e se compadece das nossas fragilidades, como nos diz a carta aos Hebreus. Demos graças a Deus pelo seu amor, perdão, paciência e misericórdia.

17-10-2021

LEITURA ESPIRITUAL

Que necessidade havia de que o Filho de Deus sofresse por nós? Uma grande necessidade, que podemos resumir em dois pontos: necessidade de remediar os nossos pecados e necessidade de dar o exemplo para a nossa conduta. A Paixão de Cristo dá-nos um modelo válido para toda a vida. Se procuras um exemplo de caridade: «Ninguém tem mais amor do que quem dá a vida pelos seus amigos» (Jo 15,13). Se buscas paciência, é na cruz que a encontramos no grau máximo: Na cruz, Cristo sofreu grandes tormentos com paciência porque «ao ser insultado não ameaçava» (1Pd 2,23), «não abriu a boca, como um cordeiro que é levado ao matadouro» (Is 53,7). «Corramos com perseverança a prova que nos é proposta, tendo os olhos postos em Jesus, autor e consumador da fé. Ele, renunciando à alegria que lhe fora proposta, sofreu a cruz, desprezando a ignomínia» (Hb 12,1-2).

Se procuras um exemplo de humildade, olha para o Crucificado. Porque Deus quis ser julgado por Pôncio Pilatos e morrer. Se procuras um exemplo de obediência, basta que sigas Aquele que Se fez obediente ao Pai «até à morte» (Fl 2,8). «De fato, tal como pela desobediência de um só homem todos se tornaram pecadores, assim também pela obediência de um só todos se tornarão justos» (Rm 5,19). Se buscas um exemplo de desapego dos bens terrenos, simplesmente segue Aquele que é o «Rei dos reis e Senhor dos senhores», «em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento» (1Tm 6,15; Cl 2,3); Ele está nu na cruz, tornado motivo de escárnio, coberto de escarros, maltratado, coroado de espinhos e, por fim, dessedentado com fel vinagre. (São Tomás de Aquino, 1225-1274, teólogo dominicano, doutor da Igreja, Conferência sobre o Credo, 6).

 

http://www.liturgia.diocesedeviseu.pt/

Ano B - Tempo Comum - 29º Domingo - Boletim Dominical II

Publicidade...