Templates by BIGtheme NET
Início » Celorico da Beira » Conversa com Carlos Ascensão, Presidente do Município de Celorico da Beira

Conversa com Carlos Ascensão, Presidente do Município de Celorico da Beira

                                                                           “Em 2021, foram comercializadas cerca de 70 toneladas de queijo”

Em vésperas do certame que homenageia os pastores e as queijeiras e promove o ex-libris da região, o Queijo da Serra, fomos conversar com o autarca celoricense, Carlos Ascensão que nos deixou uma perspetiva animadora, que vai ser um grande sucesso esta feira.

 

Magazine Serrano (MS) -Depois da pandemia, eis que regressa a Feira de Queijo de forma presencial, como espera que seja?

Carlos Ascensão (CA) -Foi um tempo longo de paragem, até mais que estávamos à espera, agora é de grande importância o regresso da feira em formato físico de forma presencial.

  Depois do confinamento, as pessoas estão motivadas para participar nestes eventos, neste caso da Feira de Celorico e também nas outras, com as devidas precauções que ainda devemos ter, como o uso de máscara , entre outras, o problema não está totalmente erradicado, mas temos a expetativa que o certame vai ser um sucesso, venha muita gente visitar-nos e decorra dentro da normalidade anterior.

 

MS-Celorico é a capital do Queijo Serra da Estrela, muitas toneladas são comercializadas? Quantas queijarias existem licenciadas?

CA-Houve aqui uma fase da pandemia, onde todas as barreiras se colocaram, existiram algumas dificuldades, pelo desconhecimento e o medo que geralmente traz, mas as coisas foram normalizando e como todos precisamos de comer, a vida não para, criamos outros mecanismos de resposta às dificuldades inerentes provocadas pela pandemia, nomeadamente a comercialização digital, tivemos uma plataforma celoricocomgosto.pt e na verdade, os produtores verificaram que o queijo teve saída , aliás a produção até foi pouca para as encomendas, ora em 2021, foram comercializadas cerca de 70 toneladas de queijo, isto através das queijarias DOP e das do queijo curado.

Neste momento, temos 6 queijarias ativas DOP, tem havido uma diminuição do que pretendemos e desejamos, a nível de queijo curado temos 19, que fazem parte do protocolo com o Município, através do Solar do Queijo, ao nível de escoamento e comercialização.

 

MS- A pastorícia é uma atividade que requer muito empenho, como vê os jovens, apesar de ter alguns jovens na atividade como o caso da queijeira Célia Silva?

CA-É um fenómeno transversal a nível da região, mas creio que é a nível do País, até por algum estigma, que existe ao conceito de ser pastor, é verdadeiramente uma atividade digna, mas efetivamente de muito trabalho, lavor, muito esforço e grandes sacrifícios.

  A tendência não tem sido de grande renovação, mas tem havido alguma e acaba por ser um sinal de esperança, como falou no caso de uma jovem queijeira, até com uma formação superior, ligada a esta atividade de produzir o queijo da serra, caso da Célia Silva, mas também temos aqui uma exploração que é das maiores, de ovelhas bordaleiras que tem cerca de 1000 ovelhas, o filho do senhor Júlio Ambrósio que tem o nome do Pai e está seguir as pegadas da família, depois o Paulo Belo, um jovem que tem entre 300 a 400 ovelhas.

  São alguns exemplos de esperança, renovação, não tanto quanto desejaríamos, mas acreditamos que no futuro possa haver renovação, com novos processos, sem perder a característica do produto, agora a renovação pode acontecer se houver reconhecimento e retorno financeiro, social e outros aspetos.

Agora a maior parte dos pastores e queijeiras andam na casa dos 60, 70 anos, são pessoas que gostam do que fazem, com paixão, agora existe o cansaço e o desgaste do tempo.

 

MS-A receção do Presidente da República às queijeiras no dia da Mulher foi importante?

CA-Sempre importante, sobretudo vindo do senhor Presidente da República, uma pessoa muito importante no País, logo à partida foi uma mensagem de motivação para as nossas queijeiras da Serra da Estrela, as Guardiãs da Montanha, veio dar-lhe um alento para continuarem, no fundo, um reconhecimento e uma homenagem justa a toda esta vida de trabalho.

 Depois a visibilidade, reconhecimento, a importância de um produto que é uma iguaria nacional, trata-se de uma referência nacional e faz parte da nossa cultura e tradição.

 Ficamos todos gratos, pelo Presidente da República, neste dia ter tido este gesto e este reconhecimento mais que merecido para com as nossas queijeiras.

 

MS-Que mensagem deixa a todos que possam visitar o certame?

CA- Vale a pena vir, a Celorico, apesar de haver problemas que se acumulam , como foi da pandemia, a seca, uma questão que queria deixar presente, dado que é, uma situação que afeta os nossos produtores, traz dificuldades para a produção do queijo e implica a nossa atenção, aos apoios para quem trabalha e estamos atentos e vamos dar essa resposta, agora para agravar a situação este clima internacional  de guerra , mas como vivemos num Mundo global, também nos diz respeito, dado que pagamos também a fatura, são tudo dificuldades acrescidas para os pastores e produtores, mas neste tempo, para tentar ultrapassar as dificuldades a parte lúdica ajuda, a festa e daí esta feira ser importante para aqueles que são homenageados, mas também para toda a nossa comunidade local, regional.

  As pessoas que venham, vai valer a pena estarmos presentes, é importante o contacto a nível presencial, assim como nas redes sociais, mas nada como a presença, a festa, convívio, a animação para mantermos algum equilíbrio também de vida saudável que se faz a nível de corpo , mas também da mente. São todos bem-vindos, são três dias de grande animação, seja um pouco o retomar da normalidade, vai valer a pena, porque temos ingredientes que vão agradar a todos.

 

Publicidade...