Templates by BIGtheme NET
Início » Distrito da Guarda » Legislativas 2022 – PSD da Guarda apresentou candidatos a Deputados

Legislativas 2022 – PSD da Guarda apresentou candidatos a Deputados

O Círculo Eleitoral da Guarda do PSD apresentou, esta segunda-feira, a lista de candidatos do partido à XV Legislatura da Assembleia da República. A cerimónia, com
início às 18h00, realizou-se no Café Concerto do Teatro Municipal da Guarda, na cidade da Guarda.
Presentes estiveram os seis candidatos do PSD, os mandatários concelhios, o mandatário da juventude, o mandatário financeiro e apenas um núcleo restrito de
convidados, em virtude das medidas de segurança sanitária que a situação pandémica que atravessamos exige. A transmissão por streaming através da página de facebook da candidatura permitiu alargar o auditório a todo o distrito e ao mundo.
O Mandatário do PSD pelo Círculo Eleitoral da Guarda, António José Machado, abriu a sessão de discursos, seguido do Presidente da Comissão Política Distrital do PSD da Guarda, Carlos Condesso, e do Presidente da Comissão Política da Distrital da JSD da Guarda e também candidato a deputado, Luís Soares.
O número dois da lista de candidatos do PSD pelo círculo eleitoral da Guarda, João Prata, foi o orador seguinte. “Uma proposta do PSD, encabeçada pelo deputado Carlos Peixoto, para reduzir as portagens na A23 e na A25 em 50 por cento foi seguida por todos os partidos da Assembleia da República, com a exceção do PS, que votou contra.
Depois, demorou seis meses a implementar a medida e ainda por cima a alterou para pior. E agora, passado apenas um ano, o mesmo Partido Socialista vem dizer, em tempo
eleitoral, que quer baixar os preços das portagens na A23 e na A25? É preciso ter lata”, indignou-se o candidato.
“Agora vamos trabalhar para que o engenheiro Gustavo (Duarte) não vá sozinho para Lisboa e possa contar com a minha pessoa. Que o PSD tenha uma vitória expressiva e
que traga uma lufada de ar fresco ao distrito da Guarda, que caiu por duas vezes no engodo do Partido Socialista. A grande tarefa que nos deve irmanar a todos é lutar
contra o facto de cada vez sermos menos. Mas só deixaremos de o ser com a junção de todos os esforços da nossa comunidade. O distrito da Guarda é uma pérola e tem futuro,
com os nossos vizinhos de Espanha e com a nossa grande riqueza. Espero, com o engenheiro Gustavo (Duarte) ajudar a fazer a diferença no Parlamento. Mas seja ou não
seja eleito, o João Prata continuará sempre a lutar pelos interesses da Guarda”, disse a terminar.
Gustavo Duarte, cabeça de lista do PSD na Guarda, encerrou depois a sessão: “As pessoas do distrito da Guarda perguntarão porque é que Gustavo Duarte se candidata, tendo 64 anos e com três mandatos como presidente da Câmara de Vila Nova de Foz Côa, depois de também já ter sido deputado?”
E dá em seguida a resposta: “Não estava nos meus horizontes, mas também entendi que não podia recusar este desafio. Todos temos o imperativo de lutar pelas nossas terras.
Enquanto autarca, dizia que o meu partido não era o PSD, a que eu me orgulho de pertencer, mas Foz Côa. Da mesma forma, depois do dia 30, o meu partido vai ser em primeiro lugar o distrito da Guarda”.
“Estou convencido de que vamos ganhar as eleições, de que o (João) Prata vai ser eleito e de que vamos ser nós cumprir as promessas vãs feitas pelo PS. Não vamos prometer mundos e fundos, mas tudo o que está no nosso programa é para cumprir. Quero sair da AR com a população da Guarda a saber que cumpri o que está no nosso programa
eleitoral”, assegura Gustavo Duarte.
“Queria também dizer-vos com toda a convicção que este distrito da Guarda é riquíssimo. Tem dois patrimónios mundiais, tem a Serra da Estrela, as aldeias históricas e os castelos raianos, da responsabilidade de Cavaco Silva, e ainda a gastronomia. É por esta riqueza cultural que passa uma das alavancas para desenvolver o distrito”,
prossegue o cabeça de lista do PSD pelo círculo da Guarda.
A terminar, lembra outra herança dos seis anos de governo socialista e da ‘geringonça’:
“Hoje, em Foz Côa, se há um SUB (Serviço de Urgência Básica), há porque a câmara teve de se substituir ao governo. Teve de fazer a obra de um milhão e meio de euros e pagá-la para ter saúde no concelho. Agora, o governo está a pagar faseadamente à autarquia esse investimento”.

Publicidade...