Templates by BIGtheme NET
Início » Ação Social » Carlos Condesso tomou posse em Figueira de Castelo Rodrigo

Carlos Condesso tomou posse em Figueira de Castelo Rodrigo

Teve lugar em Figueira de Castelo Rodrigo, a instalação dos Órgãos Autárquicos, com Carlos Condesso, a tomar posse como novo presidente da câmara desta localidade, tendo depois sido empossados os novos vereadores e Assembleia Municipal.

O novo Presidente Carlos Condesso referiu que:”Hoje é um dia muito especial. Sinto que o é para mim e para os que me têm acompanhado, mas sinto também que o é para o nosso concelho de Figueira de Castelo Rodrigo.
Cumprido que está o acto eleitoral autárquico, é tempo de guardar as bandeiras partidárias e de erguer apenas e bem alto a bandeira do nosso concelho e do nosso território.
Mas, claro está que guardar as bandeiras não significa esquecer as nossas ideologias.
Significa, sobretudo, que o nosso concelho está em primeiro lugar e que, acima dos partidos, estão as pessoas, as nossas gentes.
Espero, muito sinceramente, que a partir de hoje se esqueçam divergências e que se reúnam esforços para rumarmos conjuntamente para um novo tempo. Um tempo em que a mudança dependerá da coesão, da cooperação e da solidariedade.
Nesse sentido, apelo a todos a que contribuam para fazer cumprir tal desígnio de coesão, de cooperação e de solidariedade.
Aproveito também para louvar e render hoje a minha homenagem e reconhecimento, neste dia tão importante, a todos os que serviram a causa pública no nosso concelho ao longo destes últimos 45 anos de Poder Local Democrático – essa grande conquista de Abril.
Refiro-me a todos os Presidentes de Câmara e respetivos vereadores e vereadoras, aos
Presidentes de Assembleia Municipal e restantes membros e a todos os Presidentes e

demais elementos das Juntas de Freguesia que, estou certo, deram o melhor de si a este
concelho.
E, neste dia tão especial, também é dia de manifestar a minha gratidão. Faço-o comovido e de coração cheio a todos os que de braço dado comigo, ajudaram a esta conquista.
Faço-o também à minha família, o meu porto de abrigo, onde encontro forças, amparo, compreensão e muita paciência para fazer frente a todos os obstáculos da vida e onde
encontro a paz, o amor e a vontade para partilhar também as vitórias.
O maior feito de um Homem é viver a vida dando um bom exemplo aos seus filhos. Levo muito a sério este feito e, em tudo o que faço, penso sempre em ser esse bom exemplo para as minhas duas filhas.
Manifesto também a minha gratidão a todos os meus amigos e amigas, aos leais, àqueles que, tantas vezes distantes fisicamente, não deixam de me encorajar, de me aconselhar e de em mim confiarem.
Caros amigos e concidadãos,
A partir de hoje serei o Presidente de TODOS os Figueirenses. De todos mesmo, sem excepção!
• Venho para UNIR e jamais para dividir;
• Venho para CONGREGAR e jamais para desagregar;
• Venho para ERGUER PONTES, mas também para DERRUBAR barreiras, e até
preconceitos, e jamais para fazer crescer muros;
• Venho para garantir FUTURO, respeitando sempre o passado.
• Venho, acompanhado de uma grande equipa, para FAZERMOS DIFERENTE,
FAZERMOS MAIS E MELHOR.
O nosso concelho vive tempos conturbados, é um facto!
• Os flagelos da desertificação e do abandono (o mesmo é dizer o grave problema
demográfico que atormenta o nosso país);
• A falta de jovens;
• A ausência de oportunidades;
• Os parcos rendimentos de grande parte da população;
• As falhas nos cuidados de saúde;

• O marasmo e falta de atividade empreendedora;
• As próprias alterações climáticas e todos os riscos que têm assolado a sociedade
deixam-me em sobressalto, porquanto agora a responsabilidade que assumo é acrescida.
Mas, a minha terra, a nossa terra, precisa de uma reconstrução urgente e, quem me conhece, sabe que não sou de virar costas aos desafios, muito menos a Figueira de Castelo Rodrigo e aos meus conterrâneos.
Sabemos que os desafios da gestão autárquica serão múltiplos, que a capacidade de reivindicação, de forma concertada e intransigente, não nos pode demover.
O desafio é fazer erguer, sempre e sem hesitação, a democracia. Por isso, todos somos parte integrante.
Não podemos deixar espaço à exclusão seja de quem for, e há que rumar em convergência para o progresso.
Da minha parte, da nossa parte, não vamos explorar as fragilidades da democracia, nem entrar em caminhos tortuosos que levam ao engodo de táticas populistas e à demagogia política.
A minha forma de estar na política é encará-la como uma missão para resolver os problemas das pessoas, para as ouvir e para contribuir para o seu bem-estar.
Entendo a política como uma forma de servir o meu concelho, a minha região e o meu país, sempre com responsabilidade, transparência, rigor, dever de cidadania e com sentido de Estado. Não estou na política por calculismo ou qualquer habilidade táctica
orientada para meros ganhos de curto prazo.

Eficácia, transparência e muito trabalho serão sempre o foco que iremos assumir, posso-vos garantir!

Refazer esperanças, renovar sonhos e reconstruir destinos serão a nossa missão!
É, precisamente, em momentos de crise e inquietação, que urge dar espaço à esperança, propondo caminhos de transformação e revigoração e também de reconstrução física e de mentalidades.
Aos jovens de Figueira, dirijo-vos uma especial mensagem num dia como este. Digo-vos que em vez de terem medo, tenham sonhos. Ousem sonhar um mundo melhor, um concelho mais próspero e, acima de tudo, sintam que o futuro depende da qualidade e da
consistência desses Vossos sonhos.

À população menos jovem, também vos dirijo um especial apelo. Confiem naqueles que vos amam, confiem naqueles que hoje são a Vossa descendência e que hão-de saber respeitar o Vosso legado e, acima de tudo, sintam-se o pilar de valores e de conhecimento,
os obreiros do que hoje temos, e que nós havemos de conservar e de valorizar.
Aos figueirenses, de um modo geral, apelo a que assumam cada vez com mais ambição o seu afecto e apego à terra que vos viu nascer ou que vos acolhe. Esse sentimento de pertença e essa noção de bem comum é fulcral para enfrentarmos juntos os desafios que
se avizinham.
Aos colaboradores do Município também quero transmitir uma palavra, que só pode ser de confiança e de espírito de equipa.
É muito importante que haja uma verdadeira disponibilidade para o trabalho em equipa, para vencer barreiras e obstáculos, para superar os limites e trabalhar num objetivo comum – servir com dedicação, respeito e determinação todos os Figueirenses. Conto convosco!
Aos Presidentes e representantes dos municípios que integram a Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela, cumpre-me dizer-vos que serei mais um a defender de forma intransigente, sempre que necessário insistentemente, o nosso território, o intermunicipalismo e o trabalho em rede.
Não me hei-de calar nem cansar, não havemos de desistir e havemos de conseguir vencer as mais duras batalhas, desde que nos mantenhamos unidos e empenhados em potenciar a coesão territorial e até clamar pelas necessárias e urgentes reformas estruturais e de
política territorial de que o nosso país padece.
Este nosso território do interior de Portugal carece de um novo olhar e o próprio país também tem de ser encarado como um todo.
Não há portugueses de primeira nem portugueses de segunda, e todas as regiões importam independentemente da representatividade eleitoral de cada concelho ou das implantações partidárias em cada região.
Para Figueira de Castelo Rodrigo, e tal como tenho vindo a defender e a anunciar, temos um conjunto de pretensões imediatas, de acções estratégicas, devidamente planeadas e
orientadas para o futuro, assumidas com muita responsabilidade.
Refiro-me a projetos concretos de valorização do nosso concelho, do património, dos nossos produtos, das nossas gentes. Mas, como compreenderão, a responsabilidade que ora assumimos também exige prudência e ponderação. Nesse sentido, e porque é sempre bom avançarmos com passos firmes, vou recorrer a um serviço de auditoria, tanto à Câmara Municipal como também à Fundação D.a Ana Paula, como instrumento de gestão e nunca de suspeição.
Como sabem, um dos principais objetivos de uma boa gestão autárquica é o cumprimento das obrigações financeiras. É, claramente, fundamental que as finanças estejam alinhadas com as normas legais e contabilísticas envolvidas. Para garantir esse
alinhamento e o próprio equilíbrio financeiro da autarquia, entendo que é imprescindível fazer uma “radiografia” às contas para minimizar os riscos e procurar soluções.
É absolutamente natural que todos queiramos saber o que temos, o que devemos e o que necessitamos.
Retomando às nossas pretensões, jamais podemos descurar a importância de Figueira de Castelo Rodrigo pertencer à Beira Interior, mas temos de nos abrir mais ao Douro, pois somos a porta de entrada deste Património Mundial.
É neste concelho, mais propriamente em Barca d’Alva, na freguesia de Escalhão, que o Douro começa a falar português. É aqui que inicia e termina o Douro Navegável. É aqui que chegam milhares de turistas, masque é preciso arranjar soluções para que parem,
permaneçam e deixem riqueza.
Também temos o Côa e o Águeda, neste diálogo de três rios num só concelho.
Estamos situados numa região esplendorosa em perfeita simbiose com aquelas que são as novas tendências de consumo no âmbito da atividade turística.
• A nossa aldeia histórica de Castelo Rodrigo,
• O nosso valioso património paisagístico e o edificado,
• A Serra da Marofa, que tem de ser projetada como um local de culto religioso com uma forte capacidade de atração de novos fluxos turísticos,
• O Convento de Santa Maria de Aguiar,
• A Reserva da Faia Brava,
• O Miradouro do Alto da Sapinha e de Santo André, com as suas arribas monumentais,
• A influência de dois importantes parques– o Parque Arqueológico do Vale do Côa e o
Parque Natural do Douro Internacional,
• Também, a influência da raia e de toda essa fronteira de cumplicidades com a vizinha
Espanha.

✓ Tudo isto, será a motivação para captarmos mais turistas e visitantes ao território.
Atrair com estratégia, no sentido de captar o investimento e de dinamizar a atividade económica, garantindo o retorno positivo dessa passagem de turistas e visitantes.
Como sabem, a ligação a Wissous é muito importante para parte dos nossos conterrâneos. Temos um elo de ligação afetivo e emocional com esse território que acolheu os nossos em tempos idos da emigração, e que acolhe ainda hoje alguns dos nossos amigos e descendentes deste concelho. Por isso, vamos apostar num reforço
estratégico da geminação com Wissous.
✓ Lutaremos pelo desenvolvimento económico;
✓ Implementaremos projetos que acautelem a necessária sustentabilidade económica e
de recursos;
✓ Responderemos atentos e responsáveis aos imperativos de um concelho que tem de estar focado nas soluções face às alterações climáticas;
✓ Estaremos empenhados em corresponder, com formação e recursos humanos qualificados, aos desafios da digitalização e da inovação tecnológica;
✓ Estaremos igualmente empenhados na capacitação do Município e de todos os seus colaboradores, pois queremos um município amigo dos seus munícipes e dos investidores.
É preciso eficácia, eficiência e respostas em tempo útil. E as respostas não têm de ser necessariamente dizer sempre ‘SIM’. Mas, pior do que um ‘NÃO’ é não haver resposta
nenhuma!
✓ Trabalharemos para revitalizar o sector agrícola, que tantas vezes é condenado ao esquecimento. Por isso, avançaremos já com todos os procedimentos necessários para implementar a primeira fase do Regadio;
✓ Ainda, nesta área, para além de todos os apoios em vigor, vamos organizar anualmente uma Feira Agrícola Transfronteiriça, com mostra dos nossos produtos endógenos, fruto do trabalho da terra. Esta feira terá também mostra de maquinaria agrícola e exposição
de gado.
✓ A construção de uma Praia Fluvial para os figueirenses e os nossos visitantes usufruírem, não pode ficar mais tempo adiada.

✓ A aposta na nossa oferta diferenciada e de qualidade de vinhos e a dinamização de circuitos culturais de enologia e gastronomia, em articulação com os produtores privados e com a Adega Cooperativa de Figueira de Castelo Rodrigo também está na nossa agenda.
✓ Na área da EDUCAÇÃO, temos de avançar, de uma vez por todas, com o Centro Escolar, porque a nossa Escola Primária, da qual todos temos boas recordações, já não tem as condições dignas para receber as nossas crianças e os edifícios do Ciclo há muito que deveriam ter sido reabilitados!
✓ Na ACÇÃO SOCIAL, vamos fazer um levantamento exaustivo em todo o concelho para que se identifiquem todas as pessoas carenciadas, por forma a sermos justos e solidários, ajudando e garantindo soluções para quem verdadeiramente precisa.
✓ A gestão da floresta e dos recursos florestais também terão a nossa merecida e cuidada atenção;
✓ Potenciaremos a cooperação transfronteiriça como estratégia de valorização do território e das boas relações ibéricas que ajudarão a reforçar a centralidade desta região
da raia;
✓ As Juntas de Freguesia, as IPSS, os Lares e as Associações do concelho serão, a partir de agora, tratadas de igual forma e sem qualquer tipo de discriminação;
✓ A atração de investimento privado, a canalização de fundos comunitários para o desenvolvimento de projetos, as medidas de combate ao desemprego, a fixação de jovens, a melhoria das condições de vida e de bem-estar dos figueirenses, bem como a
revitalização e promoção da imagem do concelho também são as nossas prioridades.
✓ A valorização cultural das nossas tradições terá de ser considerada e preservada, com o objetivo de não deixarmos morrer elementos patrimoniais que tanto ajudaram e explicam a nossa identidade territorial.
Estaremos alinhados com as melhores práticas num contexto de uma Europa desenvolvida e evoluída. A nossa base de comparação serão sempre os melhores e o nosso empenho está em convergir rumo ao progresso.
Vamos abrir o concelho ao mundo, dá-lo a conhecer, reforçar laços cooperativos, apostar na internacionalização da nossa base produtiva, estando do lado dos nossos produtores e empresários; vamos contribuir para se elevar a auto-estima coletiva, o que se há-de
repercutir na produtividade e na competitividade do nosso concelho.

Como base de trabalho, vamos criar uma série de critérios que passam desde logo por adquirir na nossa terra o que é produzido e comercializado na nossa terra.
Estou certo que será um relevante contributo para a liquidez do nosso tecido empresarial e, por certo, um estímulo à atividade empreendedora e à criação de negócios.
Sobre a SAÚDE, a dos nossos e a do concelho de um modo geral, vamos melhorar os serviços, garantindo assistência especializada e personalizada a quem dela precisa.
Nenhum figueirense se há-de sentir abandonado no que diz respeito ao acesso aos cuidados de saúde, já que será complementada a assistência do SNS e do Seguro
Municipal de Saúde, através de um Protocolo com a Fundação Álvaro Carvalho, que reforçará os cuidados de saúde à população, nomeadamente em operações gratuitas às
cataratas e consultas de diversas especialidades.
A qualidade de vida no nosso concelho é um imperativo para mim e para esta equipa que hoje se apresenta diante de todos Vós.
Meus senhores e minhas senhoras, Caros concidadãos,
1. AMBIÇÃO de querer mais;
2. ATITUDE para melhorar;
3. OUSADIA para inovar;
4. VONTADE de fazer;
5. UNIÃO para acreditar rumo a um futuro melhor.
Estes são os cinco impulsos que nos moverão (uma mão aberta e cheia de convicção) o corolário de uma equipa determinada e que inicia hoje o mandato para os próximos quatro anos.
Estamos proibidos de baixar os braços e de abdicar dos nossos sonhos! Vamos ao
trabalho!
Figueira vai AVANÇAR – TÊM A MINHA PALAVRA!

Publicidade...