Templates by BIGtheme NET
Início » Saúde (Pagina 20)

Saúde

Dia Mundial da Água- H2Off- Feche as torneiras das 22h às 23 h

Em 2019 o Município de Fornos de Algodres atingiu o valor mais baixo de desperdício de água, segundo a Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos.

No seguimento das políticas ambientais que a Câmara Municipal de Fornos de Algodres (CMFA) tem vindo a implementar, este ano, devido à pandemia, não irá efetuar atividades presenciais. Nesse sentido, a CMFA associa-se à iniciativa “da Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas” (APDA).

Esta efeméride proclamada pela Organização das Nações Unidas em 1992, com o intuito de sensibilizar os líderes políticos e a sociedade civil para a conservação deste recurso essencial à vida. 2021 tem como tema “Valorizar a Água”, sendo que a APDA e a respetiva Comissão Especializada de Comunicação e Educação Ambiental desafiaram todos os que vivem em Portugal (e além-fronteiras) a não abrirem as torneiras das 22 às 23 horas.

Com este alerta, o Município de Fornos de Algodres refere que : “é importante que cada um de nós, diariamente, transmita a importância que a água tem para a nossa sobrevivência e que, todos juntos, devemos contribuir para o uso racional da água, independentemente do local e meio onde estamos inseridos. O Futuro da Água, depende de cada um de nós”.

Censos 2021 estão a chegar à sua caixa de correio

Os censos 2021 estão aí a chegar, por isso esteja atento que a partir do próximo dia 5 de abril irá receber na sua caixa do correio uma carta do Instituto Nacional de Estatística (INE) com os códigos necessários para poder responder aos CENSOS 2021 através da Internet. Caso tenha condições para o fazer, responda depois, a partir de 19 de abril e até 3 de maio em censos2021.ine.pt

Caso tenha dificuldades em ter acesso à internet, peça ajuda a um familiar, ou dirija-se à sua junta de freguesia, pode ainda aguardar pela visita de um recenseador ou ligar para a linha de apoio: 210 54 20 21.

Os Censos são a contagem e a caracterização da população e do parque habitacional que decorre de 10 em 10 anos. A informação censitária é determinante para o conhecimento do país. O INE conta com a sua colaboração. Responda pela Internet. A resposta é fácil, segura e rápida para toda a população.

Guarda-Dia Internacional da Árvore e o Dia Mundial da Água vai ser assinalado

Vai ser assinalada nos próximos dias 21 e 22 de março, o Dia Internacional da Árvore e o Dia Mundial da Água. De salientar que as datas são assinaladas de forma simbólica na Guarda, atendendo ao atual Estado de Emergência. Assim, a Câmara da Guarda associa-se às Comemorações Nacionais, em parceria com o Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), que disponibiliza ao Município 200 árvores de espécies autóctones, produzidas nos seus viveiros. Os exemplares atribuídos serão distribuídos pelas 43 freguesias do concelho da Guarda e deverão ser plantadas entre os dias 21 e 22 de março pelas autarquias locais no seu território.

Na cidade da Guarda, a plantação das árvores decorrerá no Parque Urbano do Rio Diz na manhã de 22 de março, às 10h00 e contará com a participação do Executivo da Câmara, do presidente da Junta de Freguesia da Guarda, e de um representante do ICNF.

Segunda fase de vacinação com novidades

A segunda fase, de vacinação vai apresentar algumas novidades como: a criação de postos de vacinação rápida ou massiva, o lançamento de uma nova página de Internet.

Por sua vez, as farmácias ficam reservadas para quando se detetarem limitações no sistema de administração de vacinas perante a maior disponibilidade esperada no segundo trimestre. “O processo de organização está bastante trabalhado e evoluído. Estou convencido de que nós, rapidamente, conseguimos pôr esses postos de vacinação rápida a trabalhar. Tem é de haver vacinas para os colocar a trabalhar. Não faz sentido abrir um posto que pode administrar 500 ou 600 vacinas num dia e depois ter 50 vacinas para administrar“, assim avançou Gouveia e Melo

IPO de Coimbra inicia identificação de variantes do SARS-COV-2 

O IPO de Coimbra iniciou em janeiro deste ano a pesquisa SARS-CoV-2 para diagnóstico da COVID-19. Esta resposta é assegurada pelo recentemente criado Setor de Virologia do Serviço de Patologia Clínica, enquadrado no Plano de Expansão da Capacidade Laboratorial Nacional de SARS-CoV-2.

Diariamente são efetuados entre 120 a 150 testes, que dão resposta às necessidades da instituição para tratamentos de quimioterapia, radioterapia, cirurgias, procedimentos invasivos e internamentos. A recente atualização da norma 19/2020 da DGS não vem trazer grandes alterações à dinâmica institucional, dado que precocemente o   IPO de Coimbra assumiu um rastreio mais alargado, frequente e eficiente de doentes e profissionais.

O IPO de Coimbra prima por uma prestação de cuidados de qualidade e de proximidade, com uma articulação estreita entre os diferentes serviços clínicos, o que leva a uma constante necessidade de atualização de metodologias e de conhecimentos.  Neste sentido, esta semana o Setor de Virologia do Serviço de Patologia Clínica vai iniciar a identificação de variantes SARS-CoV-2. Importa testar e identificar as diferentes variantes para conseguir associar o quadro clínico do doente oncológico à possível gravidade da infeção SARS-CoV-2 pelas respetivas mutações do vírus. 

Foi entendido iniciar a testagem das variantes, pela mais detetada em Portugal em fevereiro 2021, a variante do Reino Unido, com uma amostragem nacional de 58,2% (Fonte INSA); e pela variante Brasileira, que apesar da baixa incidência no país (10%), apresenta graves consequências clínicas. 

Desta forma O IPO de Coimbra irá criar a imagem epidemiológica dos doentes oncológicos com diagnóstico de SARS-CoV-2 e da respetiva associação à mutação, sempre que ela existir.

Artigo de Opinião Sara Morais- Da Pandemia à Violência Doméstica e à Hipnose Clínica

Pandemia, confinamento, distanciamento, isolamento; são palavras, regras que “primeiro estranha-se e depois entranha-se” como dizia Fernando Pessoa. Não são só as perturbações nervosas, psicológicas e emocionais que crescem a par com a pandemia são também os gritos amordaçados e aprisionados daqueles que são vítimas do flagelo de uma outra pandemia, que se alastra paralela e silenciosamente no âmago da nossa sociedade – a violência doméstica.

É importante dissociar a violência doméstica a estereótipos e consciencializar que este flagelo é transversal à condição social e económica, e que é de facto uma realidade atual. A violência doméstica é vulgarmente identificada pela agressão física, e muitas vezes reduzida a essa red flag. Contudo, este género de violência é manifestada inicialmente, e mais frequentemente, através do abuso psicológico, o que torna mais difícil a respetiva sinalização.

Ao refletir sobre esta matéria, vamos encontrar nas diversas faixas etárias, mas mais proeminentemente nas camadas mais jovens, padrões comportamentais que são vulgarmente subavaliados e que deveriam ser tomados como sinais de alertas. As manifestações exageradas e afeto é um dos comportamentos característicos de um relacionamento abusivo. É certo que a manifestação do amor é algo que surge naturalmente e que faz parte de qualquer relacionamento sadio, no entanto, todo o excesso deve ser claramente um aviso, especialmente quando as palavras não refletem a realidade das atitudes do dia-a-dia, mas sim uma manipulação de pormenorizada de circunstância. Um outro indício, é a imposição de mudança de personalidade ou de princípios. Qualquer relacionamento é uma aprendizagem, uma evolução, que se vai construindo com flexibilidade e mudança quando estas reforçam positivamente e construtivamente o “eu” interior. Por conseguinte, quando a mudança implica o carcere da expressão das próprias referências e personalidade torna-se tóxico e abusivo.

A agressão verbal e psicológica é talvez a manifestação mais fácil de sinalizar, e também a mais comum. Este tipo de ocorrência vai aparecendo e dominando o dia-a-dia, através das frequentes críticas depreciativas, como por exemplo a desvalorização das conquistas e ou a ridicularização de opiniões. É nesta fase que a autoestima é começa a diluir-se numa teia invisível mas muitíssimo traiçoeira. Seguem-se outros comportamentos, como a manipulação emocional através da imputação de culpa sobre os acontecimentos de agressão; as sucessivas violações de privacidade; às diversas tentativas e atos de controlo de rotinas e de estrangulamento da independência financeira e emocional do par. A vítima torna-se refém e carcerada numa sensação de impotência e capacidade de auto gestão emocional. Com este quadro atípico, surgem facilmente os comportamentos agressivos, gritos, ameaças e as diversas chantagens emocionais de abandono e de danos materiais e físicos.

Estas manifestações comportamentais são habitualmente mal interpretadas e desvalorizadas, no entanto, é importante sublinhar que um relacionamento saudável é aquele que acrescenta e promove o crescimento do seu eu interior ao invés de o subtrair.

Neste enquadramento é importante procurar ajuda psicológica e emocional. É, neste contexto que a Hipnose Clínica se assume como uma ferramenta terapêutica de grande auxílio pela sua eficácia e versatilidade. Numa fase inicial, existe uma aposta na libertação emocional da vítima, em que os processos de manifestação de culpa e emoções negativas são trabalhados. Seguidamente, a terapêutica através das várias técnicas associadas à regressão, permite a visualização e a resignificação das memórias traumáticas, promovendo um novo olhar e perceção sobre os vários comportamentos e experiências negativas. Nesta fase são também trabalhados as síndromes de pânico, depressões, resultantes da exposição tóxica.

Numa fase final, a terapêutica assenta no resgate da autoestima, onde o auto conceito é trabalhado com o objetivo da consolidação e da superação das experiências negativas, promovendo, assim, uma nova forma de ser e de estar perante a vida e os acontecimentos futuros.

“O afeto é o amor feito consciência” Carlos Bernardo González Pecotche

 

 

Sara Morais

Hipnoterapeuta

Reabertura de forma faseada das escolas, comércios e restantes atividades

Teve lugar nesta quinta-feira o Conselho de Ministros que aprovou o decreto que regulamenta o estado de emergência decretado pelo Presidente da República.
Vão ser introduzidas as seguintes alterações face ao regime atual:
  • retoma, a partir de 15 de março, das atividades educativas e letivas em regime presencial nos estabelecimentos de ensino públicos, particulares e cooperativos e do setor social e solidário, de educação pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, bem como das creches, creches familiares e amas;
  • retoma, a partir de 15 de março, das atividades, em regime presencial, de apoio à família e de enriquecimento curricular, bem como atividades prestadas em centros de atividades de tempos livres e centros de estudo e similares, apenas para as crianças e os alunos que retomam as atividades educativas e letivas;
  • a partir de dia 15 de março, possibilidade de reinício da atividade dos estabelecimentos de bens não essenciais que pretendam manter a respetiva atividade exclusivamente para efeitos de entrega ao domicílio ou disponibilização dos bens à porta do estabelecimento, ao postigo ou através de serviço de recolha de produtos adquiridos previamente através de meios de comunicação à distância (click and collect);
  • a partir de dia 15 de março, determina-se que as atividades de comércio a retalho não alimentar e de prestação de serviços em estabelecimentos em funcionamento encerram às 21:00h durante os dias úteis e às 13:00h aos sábados, domingos e feriados e as atividades de comércio de retalho alimentar encerram às 21:00 h durante os dias úteis e às 19:00 h aos sábados, domingos e feriados;
  • o regime de horário das farmácias é aplicável a estabelecimentos de vendas de medicamentos não sujeitos a receita médica;
  • a partir de dia 15 de março, permite-se, nos restaurantes e similares, a disponibilização de bebidas em take-away;
  • clarifica-se que a proibição de venda de bebidas alcoólicas nos estabelecimentos de comércio a retalho, incluindo supermercados e hipermercados e em take-away (a partir das 20:00 h) é aplicável até às 06:00 h;
  • a partir de dia 15 de março, permite-se o funcionamento, mediante marcação prévia, dos salões de cabeleireiro, barbeiros, institutos de beleza e estabelecimentos similares;
  • a partir de dia 15 de março, permite-se a abertura de estabelecimentos de comércio de livros e suportes musicais; comércio de automóveis e velocípedes; serviços de mediação imobiliária; parques, jardins, espaços verdes e espaços de lazer, assim como de bibliotecas e arquivos;
  • a partir de dia 15 de março, é levantada a proibição das deslocações para fora do território continental, efetuadas por qualquer via, designadamente rodoviária, ferroviária, aérea, fluvial ou marítima, por parte de cidadãos portugueses;
  • determina-se a proibição de circulação entre concelhos, a qual será aplicável no fim-de-semana de 20 e 21 de março, e diariamente a partir do dia 26 de março de 2021.
– Foi aprovada a resolução que estabelece uma estratégia gradual de levantamento de medidas de confinamento no âmbito do combate à pandemia da doença Covid-19 com quatro fases, com um período de 15 dias entre cada uma para que sejam avaliados os impactos das medidas na evolução da pandemia, bem como os níveis de incidência e crescimento.
Determina-se que o calendário previsto para as diferentes fases de desconfinamento pode ser alterado atendendo a determinados critérios epidemiológicos de definição de controle da pandemia e ainda considerando a existência de capacidade de resposta assistencial do Serviço Nacional de Saúde.
Estratégia de levantamento das medidas:
• Regras gerais
– teletrabalho sempre que possível
– horários de funcionamento dos estabelecimentos: 21h durante a semana; 13h aos fins-de-semana e feriados ou 19h para retalho alimentar
– proibição de circulação entre concelhos, a qual será aplicável diariamente entre 26/03 e 5/04 (Páscoa)
A partir de 15 março
– medidas definidas no decreto que regulamenta o estado de emergência decretado pelo Presidente da República
A partir de 5 abril
– 2.º e 3.º ciclo do ensino básico (e ATLs para as mesmas idades)
– equipamentos sociais na área da deficiência
– museus, monumentos, palácios, galerias de arte e similares
– lojas até 200 m2 com porta para a rua
– feiras e mercados não alimentares (decisão municipal)
– esplanadas (max 4 pessoas)
– atividade física e treino de desportos individuais até 4 pessoas e ginásios sem aulas de grupo
A partir de 19 abril
– ensino secundário e superior (e ATLs para as mesmas idades)
– cinemas, teatros, auditórios, salas de espetáculo
– lojas de cidadão com atendimento presencial por marcação
– todas as lojas e centros comerciais
– restaurantes, cafés e pastelarias (max 4 pessoas no interior ou 6 em esplanadas) até às 22h ou 13h ao fim-de-semana e feriados
– atividade física e treino de desportos individuais ao ar livre até 6 pessoas e ginásios sem aulas de grupo
– eventos exteriores com diminuição de lotação
– casamentos e batizados com 25% de lotação
• A partir de 3 maio
– restaurantes, cafés e pastelarias (max 6 pessoas no interior ou 10 em esplanadas) sem limite de horários
– atividade física e treino de desportos individuais e coletivos
– grandes eventos exteriores e eventos interiores com diminuição de lotação
– casamentos e batizados com 50% de lotação
– Foi aprovado o decreto-lei que estabelece medidas de apoio aos trabalhadores e empresas no âmbito da pandemia da doença Covid-19:
  • Reativação do apoio extraordinário à redução da atividade económica de trabalhador independente, empresário em nome individual ou membro de órgão estatutário dos setores do turismo, cultura, eventos e espetáculos, cuja atividade, não estando suspensa ou encerrada, está ainda assim em situação de comprovada paragem total da sua atividade ou da atividade do respetivo setor;
  • Alargamento do “lay-off simplificado” a empresas cuja atividade, não estando suspensa ou encerrada, foi significativamente afetada pela interrupção das cadeias de abastecimento globais, ou da suspensão ou cancelamento de encomendas, e ainda aos sócios-gerentes;
  • Prolongamento do apoio extraordinário à retoma progressiva até 30 de setembro de 2021, estabelecendo um regime especial de isenção e redução contributivas para empresas dos setores do turismo e da cultura;
  • Criação de um novo incentivo extraordinário à normalização da atividade empresarial, no montante de até duas Remunerações Mínimas Mensais Garantidas (RMMG), para trabalhadores que tenham sido abrangidos no primeiro trimestre de 2021 pelo “lay-off simplificado” ou pelo apoio extraordinário à retoma progressiva de atividade.
  • Reforço do apoio às microempresas com quebras de faturação, com a possibilidade de pagamento de mais 1 RMMG no terceiro trimestre de 2021.

Artigo de Opinião de Paula Miranda – PRESENTE, não é passado nem futuro

Depressão e Ansiedade,

Vamos lá trazer um pouquinho de clareza sobre estes temas.

Finalmente, cada vez mais estamos alerta para os “perigos” das depressões e estados de ansiedade.

Finalmente, estes temas começam a deixar de ser tabu na nossa sociedade e ainda bem!

Primeiro, seja qual for o estado em que te encontres, não hesites em pedir ajuda. Somos já muitos, em diversas áreas, que podemos dar apoio, levar-te a entender o que está por trás de uma depressão ou crise de ansiedade.

Isto tudo é trabalhado sem julgamento, sem culpa, sem crítica.

Qualquer um de nós, em qualquer situação de vida, pode em qualquer altura precisar de ajuda.

Ninguém está livre, pode é estar mais ou menos consciente.

 

“A nossa Mente pode ser a nossa melhor amiga, ou a nossa pior inimiga.”

 

  • As depressões, normalmente estão associadas a situações do nosso passado, que por vezes nos trazem para o presente significados e sentimentos que não conseguimos gerir, como, tristeza profunda, apatia, sensação de vazio. Maior parte das vezes estes sentimentos vêm acompanhados deste tipo de pensamentos: não sou capaz de… não vou conseguir… porque é que isto não me larga?…
  • Os estados de ansiedade podem ser distinguidos em dois grupos, a ansiedade dita normal, que aparece no dia a dia com situações claras e reais, que nos pode ajudar a elevar a consciência e resolver situações rapidamente. E a ansiedade “crónica”, que nos pode trazer sensações incapacitantes como, falta de ar, tremores, cansaço extremo, apatia, etc. Normalmente estão associados ao futuro, ou seja, a expectativas que criamos na nossa mente em relação ao futuro. Como por exemplo, medo/receio, ou do que pode acontecer, ou até de criamos algo que nem sabemos que vai acontecer, o que nos leva a estados de ansiedade elevados. Se existe ansiedade é porque existe causa. E esta maior parte das vezes é inconsciente.

 

 

Como podemos encontrar soluções e trabalhar?

 

DEPRESSÃO

  • Procurar ajuda, junto de um profissional
  • Através do coaching e da programação neuro linguística (PNL), podemos:
  • Ressignificar acontecimentos passados
  • Trabalhar o perdão e a gratidão
  • Criar novos hábitos/rotinas, etc

ANSIEDADE

  • Procurar ajuda, junto de um profissional
  • Através do coaching e da programação neuro linguística (PNL), podemos:
    • Trabalhar o SPA – síndrome pensamento acelerado
    • Ferramentas específicas para trabalhar o relaxamento, perdão, autoconsciência, autoconfiança e amor próprio
    • Transformação de crenças
    • Comunicação, etc

 

Em qualquer uma das situações, maior parte das vezes o que precisamos é de acolhimento.

 

Espero com este artigo, ter trazido ao teu consciente alguma clareza e consciência sobre o tema.

 

Acima de tudo devemos sempre:

  • ESTAR PRESENTES – ACOLHER
  • OUVIR O OUTRO
  • TER EMPATIA E COMPAIXÃO
  • SER SEM JULGAR

 

Estou disponível para Ti, no meu email treecoach9@gmail.com

 

Com Amor e Gratidão

 

Paula Miranda

 

 

 

 

 

Coach Profissional &Practitioner em PNL

                                                                                                               Somos Criadores/Acredita em Ti

Tlm 932 688 567

treecoach9@gmail.com

Rua S Vicente, 2245

4445-210 Alfena

Município de Fornos de Algodres entregou UMS (viatura elétrica) ao Centro de Saúde

Foi entregue a Unidade Móvel de Saúde  ao Centro de Saúde desta localidade fornense, onde marcaram presença
pelo Município de Fornos de Algodres, o Presidente,  Manuel Fonseca e o Vice-presidente, Alexandre Lote, pelo Conselho de Administração da ULS da Guarda, o Presidente,  João Pedro Barranca, o Diretor Clínico de Cuidados de Saúde Primários,  António Serra e a Enfermeira Diretora, Nélia  Faria, pelo Centro de Saúde de Fornos de Algodres, a Coordenadora,   Luísa  Amaral e a Enfermeira Responsável,  Helena Pinheiro.
A viatura foi adquirida no âmbito de uma candidatura da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) ao Programa Operacional do Centro 2020, designada “Unidades Móveis de Saúde para o território CIM-BSE”.
Com o objetivo de proporcionar um melhor acesso à prestação de cuidados de saúde domiciliários e apoio social, a viatura será compartilhada pelos serviços do Centro de Saúde de Fornos de Algodres e pelos serviços de apoio social da Câmara Municipal de Fornos de Algodres.
Após a cerimónia de entrega da viatura foi efetuada uma visita ao Centro de Saúde, onde foram explicadas as medidas realizadas para o procedimento da vacinação à Covid-19, desde a preparação, à administração e à vigilância pós-vacinação.
O Conselho de Administração da ULS da Guarda teve ainda hipótese de verificar o investimento efetuado pelo Município de Fornos de Algodres no equipamento adquirido para o gabinete de saúde oral, que em breve entrará em funcionamento e proporcionará consultas de saúde oral na Unidade Local de Saúde.

Artigo opinião-Combater a obesidade e o excesso de peso com a ajuda do telemóvel

Uma equipa de investigadores do Centro de Investigação em Neuropsicologia e Intervenção Cognitivo-Comportamental (CINEICC) da Universidade de Coimbra (UC), liderada por José Pinto Gouveia, desenvolveu uma aplicação móvel (app) para ajudar no combate à obesidade e excesso de peso.

A app foi desenvolvida no âmbito do projeto eBEfree, que tem como grande objetivo fornecer ferramentas e estratégias de regulação emocional que permitam às pessoas com obesidade ou excesso de peso eliminar ou reduzir significativamente os episódios de ingestão alimentar compulsiva, e aumentar a sua saúde mental e qualidade de vida.

No atual contexto da pandemia Covid-19, «especialmente com o confinamento geral no nosso país, vários estudos sugerem que o isolamento vem acompanhado de uma redução na saúde mental das pessoas. Neste sentido, o projeto eBEfree, nomeadamente pelo seu formato digital, pretende ser um contributo especialmente apropriado à situação atual», explica a equipa do projeto, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

A app eBEfree é constituída por 12 módulos, disponibilizado um por semana, que abordam diversas perspetivas do problema. «Os conteúdos para o tratamento da ingestão alimentar compulsiva, como estratégias de regulação emocional através de exercícios comportamentais e de meditação, foram desenvolvidos com recurso a vídeos de animação explicativos, exercícios áudio e vídeos de psicólogos/as da nossa equipa a abordar os temas relevantes», detalha José Pinto Gouveia, acrescentando que a aplicação inclui também um fórum de discussão, «onde os utilizadores podem colocar questões aos terapeutas (haverá sempre um terapeuta a acompanhar o funcionamento da app)».

Para testar e validar a eficácia da aplicação, a equipa está a solicitar a colaboração de pessoas de todo o país, com idades compreendidas entre os 18 e 55 anos, com excesso de peso e ingestão alimentar compulsiva, e que possuam um smartphone ou tablet com acesso à internet. Os voluntários que pretendam participar no estudo devem contactar a equipa de investigação através do endereço eletrónico: ebefree@uc.pt.

A participação no estudo envolverá uma entrevista inicial, via zoom, para avaliar os critérios de elegibilidade, o preenchimento de uma bateria de questionários online e a utilização da aplicação móvel.

O eBEfree resulta de um estudo anterior cujos resultados evidenciaram que «estas ferramentas de regulação emocional e promoção de saúde mental são eficazes quando implementadas presencialmente em formato grupal. O que pretendemos com o eBEfree é alargar esse estudo para chegar a todo o território nacional, com todas as vantagens de uma aplicação móvel», conclui José Pinto Gouveia.

Mais informação sobre o projeto está disponível em: https://ebefree.uc.pt/.

Por:CP-UC