Templates by BIGtheme NET
Início » Saúde (Pagina 4)

Saúde

Autárquicas 21- Candidatos no Concelho de Pinhel

Já com a campanha eleitoral em andamento, que decorre até dia 24 de setembro, deixamos aqui os candidatos no Concelho de Pinhel, onde deste modo, Rui Ventura surge a liderar novamente a lista pelo PSD, onde o atual presidente da Câmara ,está na corrida para mais um mandato de 4 anos, a fim de potenciar mais os territórios pinhelenses, apresenta como slogan de campanha “Manter o Rumo”.
Depois para a Câmara Municipal leva a seu lado, Daniela Capelo, Irene Fortunato, Luís Boto , Elio Pereira entre outros. Por sua vez, na para presidir a Assembleia Municipal, surge Ângela Guerra que se recandidata.

Por seu turno, o PS, leva na corrida o vereador Francisco Fernandes para a Câmara Municipal, que leva consigo João Costa, Anabela Rocha, Sofia Dias e  Paulo Carrasco.

Depois ,Gonçalo Cruz, vai ser o candidato socialista à assembleia Municipal .
Pela CDU surge na corrida à Câmara Municipal,  António Martins,  já na Assembleia Municipal será a candidata Maria Luísa Avelãs Nunes .

Fornos de Algodres- Votos de Louvor entregues às instituições e Mural inaugurado

Ao fim da tarde , desta sexta-feira, foram entregues os Votos de  louvor, na Biblioteca Municipal Maria Teresa Maia Gonzalez, a todas as instituições que estiveram na linha da frente do combate à pandemia Covid-19, uma iniciativa aprovada em Assembleia Municipal , com o Município de Fornos de Algodres aos Profissionais de Saúde, aos Bombeiros Voluntários de Fornos de Algodres, ao Posto Territorial de Fornos de Algodres da Guarda Nacional Republicana, às IPSS, às Juntas de Freguesia e à Câmara Municipal de Fornos de Algodres

Seguiu-se , a inauguração do Mural de arte urbana  criado pelo artista Odeith, homenageando todas as instituições referidas. Obrigado a todos!
Manuel Fonseca referiu que:”é uma justa homenagem a todos quantos contribuíram para o combate desta pandemia no nosso concelho, foi um grande trabalho por todas esta instituições para que neste período complicado pudessem estar junto das populações, agradeço à Assembleia Municipal por ter este gesto nobre, foi uma época muito complicada, para todos”.
Por sua vez, Carlos Costa, Presidente da Assembleia Municipal, salientou que:este louvor foi votado por unanimidade e tem a ver como a forma grandiosa que todos combateram esta doença. Todas a entidades deram o seu melhor, nesta causa” .
Posteriormente serão entregues pelo Presidente da Câmara Municipal de Fornos de Algodres, Manuel Fonseca,  o Louvor às instituições que não estiveram presentes.

7º Congresso Médico da Beira Interior / 1st International Congress of Beira Interior

Vai realizar-se  em formato online, entre os dias 23 e 24 de setembro de 2021, o 7.º Congresso Médico da Beira Interior (CMBI) / 1st International Congress of Beira Interior (ICBI), uma iniciativa organizada pela Direção do Internato Médico da ULS Guarda, Centro Hospitalar Universitário Cova da Beira, ACES Cova da Beira e ULS de Castelo Branco em parceria com a Associação dos Médicos Internos da Guarda-AMIG e tem como objetivo promover o envolvimento de Médicos e outros profissionais de saúde de várias especialidades hospitalares e dos Cuidados de Saúde Primários.
Este evento de âmbito nacional, que irá contar com a sua primeira edição internacional, reunirá um grande número de congressistas continuando a optar pela abordagem de temas transversais, inovadores e de interesse prático na atualidade e que envolvem as várias especialidades como a Medicina Geral e Familiar, Medicina Interna, Patologia Clínica, Cirurgia, Saúde Pública, Reumatologia, Pediatria, Gastroenterologia, Psiquiatria, Pneumologia, Ortopedia, Nefrologia e Medicina Intensiva. Estarão também representadas as áreas de Enfermagem, Nutrição e Farmácia Hospitalar.
A organização conta com o apoio científico da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior.
Neste congresso pretende-se fomentar um verdadeiro espírito de partilha intergeracional e interdisciplinar pelo que convidamos todos a participar ativamente nesta 7.ª edição!
Mais informações e contactos em: http://www.ulsguarda.min-saude.pt/cmbi2021/

Extensões de Saúde de Santar e Carvalhal Redondo retomam consultas

Na próxima semana os médicos da USF – Coração da Beira do Centro de Saúde de Canas de Senhorim voltam a prestar serviço médico de proximidade à população, nas Extensões de Saúde de Santar a partir de quinta feira dia 17 de Setembro das 09 às 12 horas e em Carvalhal Redondo na respetiva Extensão de Saúde a partir da próxima terça feira, dia 15 de Setembro, das 09 às 12 horas.
O reatar da presença médica nestas Extensões é possível dada a redução do horário do Centro de Vacinação de Nelas a que também estavam afetos os médicos daquela USF e ainda a um maior controlo atual da pandemia COVID-19, pandemia para combate à qual foram mobilizados em primeira linha no último ano e meio, procurando, na medida do possível e até ao limite dos recursos existentes, continuar a prestar os cuidados primários de saúde de que a população carece a merece.
A Câmara Municipal de Nelas e as Juntas das Uniões de Freguesias de Santar e Moreira e de Carvalhal Redondo e Aguieira, em especial os seus Presidentes, manifestam a sua gratidão em nome da comunidade, pelo esforço e dedicação prestados pelos profissionais de saúde à população, neste período tão difícil das nossas vidas e congratulam-se por este esforço do regresso dos cuidados de saúde de proximidade ás suas populações em Santar e Moreira e em Carvalhal Redondo e Aguieira, regresso pelo qual há muito vêm lutando.

Entrega de votos de louvor em Fornos de Algodres

Vai acontecer uma cerimónia de entrega de votos de louvor, aprovados no passado dia 30 de abril de 2021, na Sessão Ordinária da Assembleia Municipal, onde vão entregar aos Bombeiros, Profissionais de Saúde, IPSS, GNR e Municipio de Fornos de Algodres, pela intervenção destas instituições no combate à pandemia Covid-19.

A cerimónia será nesta sexta-feira , dia 10, pelas 17 horas , na Biblioteca Maria Teresa Maia Gonzalez.

Novos médicos especialistas na ULS Guarda

A ULS da Guarda passa a ter pela primeira vez , um especialista em Hematologia.
Ainda assim são mais três contratações efetuadas. Desta vez , chegou um novo médico especialista em hematologia, uma nova reumatologista e uma médica especialista em anestesiologia.
Por sua vez, o Conselho de Administração deu já as boas-vindas com o desejo de que encontrem na nossa instituição tudo o que necessitam para um futuro profissional promissor.
Deste modo, a ULS Guarda refere que :”Estamos assim a reforçar as especialidades de hematologia, reumatologia e anestesiologia!
O caminho faz-se caminhando. Parafraseando o poeta espanhol António Machado numa feliz tradução para português, “o caminho faz-se caminhando”. É isso que o atual Conselho de Administração da ULS da

Guarda tem feito ao longo dos dez meses de comissão de serviço.

Mais dois médicos internos escolheram ficar na ULS da Guarda
Dia de boas notícias para ULS da Guarda. Mais dois médicos internos que fizeram formação na ULS da Guarda quiseram ficar connosco! Acabam de integrar o quadro de pessoal da instituição:
• Dra. Mariana Mina (Médico Especialista em MGF);
• Dr. Marcos Oliveira (Médico Especialista Pneumologia)
Seguimos assim a reforçar o quadro da ULS da Guarda com profissionais jovens, dinâmicos e qualificados“.

DR publicou anúncio do concurso público para reabilitação do Pavilhão Cinco

Foi publicado nesta sexta feira em Diário da República a abertura do Concurso Público para a empreitada de Requalificação do edifício 5 do Hospital Sousa Martins para instalação do Departamento da Criança e da Mulher (DCM).
Está previsto um investimento de cerca de 8 milhões de euros na requalificação do edifício.

Vice-Almirante Henrique Gouveia e Melo condecorado na visita ao Centro de Vacinação

O Centro de Vacinação da Guarda recebeu a visita do Vice-Almirante Henrique Gouveia e Melo, Coordenador da Task Force e a Secretária de Estado da Ação Social, Rita  Mendes  e assinaram livro de honra da ULSG. O município da Guarda associou-se também a esta iniciativa e condecorou com a Medalha de Excelência e Dedicação , “pelo serviço exemplar que tem prestado à nação” o Vice-Almirante Gouveia e Melo. O convite partiu do Conselho de Administração da ULS da Guarda.

Gouveia e Melo também realçou o papel “extraordinário” desempenhado pelo Ministério da Saúde e por “todos os portugueses que, de uma forma ordeira, se apresentaram ao processo de vacinação”.

“Nós já vacinámos mais de 80% da nossa população[72% dos quais já tem a vacinação completa], quando outros países mais ricos, com mais capacidades não o conseguiram fazer”, apontou o coordenador.

fonte:ULSG/Lusa/Fim

Artigo de Saúde – Engasgamento

Vulgarmente chamado de engasgamento, a obstrução da via aérea, é comum acontecer no dia a dia de qualquer cidadão, sendo vulgar em crianças, e pessoas com mais idade devido a dificuldade em engolir.

A obstrução da via aérea na sua generalidade pode ter três causas, sendo que a mais vulgar e aquela que encontramos como mais frequência é a obstrução mecânica, sendo
essa aquela que me irei debruçar.

A obstrução mecânica da via aérea, o vulgar engasgamento acontece quando um corpo estranho, normalmente comida ou bebida ocupa parte da garganta, e canais por onde o ar passa de e para os pulmões impedindo a sua passagem total ou parcialmente, impedindo a vítima de respirar de forma eficaz. Saliente-se que comida ou bebida são os corpos estranhos mais comuns.

Como socorrer uma vítima de engasgamento então?

Antes de correr a ligar para o 112, os presentes podem, e devem fazer algo; a simples chamada para o 112 não impede que algo se faça enquanto o sistema de emergência é acionado, até porque entre a chamada e a chegada de uma ambulância, irá passar algum tempo, tempo esse que pode ser essencial e crucial para a nossa vítima.
Duas situações; a vítima tosse; nesta situação há passagem de ar, ainda que parcialmente, a tosse funciona como uma defesa do nosso corpo obrigando o corpo estranho a sair pela força que provoca ao expulsar o ar. Nesta situação apenas se deve encorajar a vítima a tossir.

A vítima não tosse; a passagem do ar está totalmente bloqueada; nesta situação, e enquanto uma pessoa liga para o 112, outra pessoa aplica 5 pancadas com a palma da mão nas costas da vítima (mesmo abaixo do pescoço) e depois abraçando a vítima por detrás com os braços, pressiona a chamada boca do estômago para dentro e para cima com as mãos fechadas e agarrada uma à outra 5 vezes; e repete este procedimento (pancadas nas costas, apertar a boca do estômago até que a vítima melhore ou chegue socorro.)

De salientar, que mais vale fazer estas duas técnicas simples do que não fazer; o não fazer e esperar por uma ambulância pode implicar a morte da pessoa engasgada.

(Estes procedimentos estão homologados pelo CRP e pelo ERC fazendo parte das técnicas de desobstrução da via aérea ministradas pelo INEM para leigos, população geral e TEHP’s)

Augusto Falcão

Saúde-Herpes labial: sabe mesmo como evitar e tratar?

Ardor, comichão, formigueiro, aumento da sensibilidade, aparecimento de uma mancha vermelha, inchaço ou dormência, tudo isto na zona dos lábios. Estes sintomas são-lhe familiares? É muito provável que a resposta seja afirmativa, já que a Organização Mundial de Saúde estima que, em todo o mundo, cerca de 3.700 milhões de pessoas com idade inferior a 50 anos (67%) sejam portadoras do Vírus Herpes Simplex tipo I (HSV1), responsável pelo herpes labial, uma infeção frequente que pode afetar a pele e as mucosas.

De acordo com a médica Letícia Cabral, especialista em Medicina Geral e Familiar no Hospital Lusíadas, em Lisboa, a primeira vez que a pessoa é infetada “ocorre geralmente na infância e é frequentemente assintomática, mas há casos em que pode originar gengivo-estomatite aguda”, isto é, uma infeção muito contagiosa caracterizada por febre alta e presença de pequenas lesões dolorosas nas gengivas, lábios e língua. “O vírus permanece depois latente ao longo da vida, podendo sofrer reativação em determinadas circunstâncias sob a forma de acesso recorrente de herpes labial”, explica.

Na forma mais usual, o herpes labial manifesta-se através de “lesões vesiculares ou úlceras na face externa dos lábios, nas regiões à volta dos lábios ou no nariz”, e “os sintomas e sinais são variáveis”. Segundo a médica, algumas pessoas podem referir sintomas como ardor, prurido, formigueiro, sensibilidade, inchaço ou dormência na área afetada, sendo também possível “observar uma mácula vermelha que pode estar recoberta por vesículas que podem romper e originar exsudado”, diz, referindo-se às pequenas bolhas características desta infeção, que depois de rebentadas dão origem a uma ferida. Além disso, há quem relate “dor ao ingerir alimentos”. Em regra, “as lesões podem cicatrizar em duas a três semanas sem deixar cicatriz”.

Quem está em maior risco?

Toda a gente pode contrair herpes labial, tendo em conta que o vírus “é extremamente contagioso e pode ser adquirido através de proximidade, como ao beijar ou ao partilhar objetos pessoais com quem apresenta lesões ativas”. Ainda assim, há fatores que podem facilitar o aparecimento de herpes labial, nomeadamente, infeções como gripe ou constipação, febre, fadiga, stress intenso, doenças autoimunes, tratamento com antibióticos ou exposição excessiva ao sol.

Apesar de esta ser “uma doença benigna e com um curso autolimitado”, Letícia Cabral adverte que “pode ser mais grave em doentes imunocomprometidos”, ou seja, que tenham o seu sistema imunitário de alguma forma afetado, por exemplo, portadores do vírus da imunodeficiência humana (VIH), doentes que tenham realizado um transplante de órgão ou recebido quimioterapia. Também quem sofre de dermatite atópica está mais suscetível a complicações, pelo que deve manter vigilância.

Evitar o contágio é fundamental

É possível estar-se infetado sem nunca apresentar sinais ou sintomas, mas mesmo nestes casos é possível transmitir o vírus. Ainda assim, este é mais contagioso quando se encontra ativo e as pequenas bolhas são visíveis, porque se propaga de maneira mais rápida através dos fluidos corporais. Para evitar o contágio, há que proceder da seguinte forma:

  • Manter precaução quando a pessoa apresenta as lesões ativas, nomeadamente, evitando beijos ou a partilha de objetos de uso pessoal, como copos, talheres, batons, toalhas ou outros utensílios;
  • Não esfregar os olhos ou pálpebras;
  • Evitar tocar nas lesões, dando especial atenção à higiene das mãos para evitar transmitir o vírus (não só a outras pessoas como também a outras partes do corpo);
  • Depois da aplicação da medicação, as mãos devem ser muito bem lavadas com água e sabão suave, finalizando com uso de antissético.
  • Tratamento do herpes labial

Em muitos casos, o vírus do herpes permanece inativo durante algum tempo, podendo manifestar-se de repente, por exemplo, devido a um quadro de febre, sistema imunitário enfraquecido, excesso de sol ou alterações hormonais.

É importante iniciar o tratamento quanto antes, de preferência, nas primeiras 48 horas após o aparecimento de sintomas. Quanto ao tratamento a administrar, este dependerá de diversos fatores, entre os quais, o estado do sistema imunitário do doente; a localização e a gravidade das lesões; a existência, ou não, de gravidez; o facto de se tratar da primeira vez que se tem a infeção ou se ela é recorrente e ainda a frequência das crises.

Nas palavras de Letícia Cabral, “o objetivo principal é reduzir a frequência e a gravidade do herpes labial, aliviando sintomas e reduzindo a probabilidade de infeções bacterianas secundárias”. Nesse sentido, realça que “os protetores tópicos, como a alantoína, a vaselina e o óxido de zinco, podem aliviar a secura da pele e prevenir as fissuras”, o que minimiza o risco de outras infeções.

É comum o tratamento com antivíricos, nomeadamente com Aciclovir, que “encurta a duração da febre, das lesões labiais e orofaríngeas, assim como reduz as dificuldades de ingestão alimentar e atenua a reprodução do vírus”. A médica sublinha que o Aciclovir, em creme ou pomada, “deve ser usado até cinco vezes por dia até 10 dias, no máximo”. Por outro lado, indica que “os pensos com hidrocoloides mostraram recentemente evidência no tratamento, com uma eficácia semelhante ao Aciclovir em creme e com boa tolerância”. Já os antivíricos orais “podem ser usados em casos graves ou em doentes imunocomprometidos com risco de desenvolvimento de complicações, sendo geralmente bem tolerados”.

Atenção às crises seguintes

Após um primeiro episódio de herpes, o vírus permanece latente e pode voltar a surgir novamente no mesmo local. De acordo com a especialista em Medicina Geral e Familiar, “a recorrência é menos grave do que a infeção primária”, sendo normalmente antecedida por uma sensação de queimadura, que se manifesta antes do aparecimento propriamente dito da lesão.

O tratamento destes novos episódios “deve ser iniciado ao mínimo sinal de recorrência” e “o médico pode aconselhar medicação em casos de infeção com seis ou mais episódios num ano”, esclarece, acrescentando que “os tratamentos com os antivíricos Aciclovir e Valaciclovir provaram reduzir as lesões em um a dois dias”.

O efeito do sol – atenção ao verão

Para algumas pessoas, o sol é um fator que pode desencadear o aparecimento do herpes labial. A médica lembra que quem se encontra nesta situação “deve usar um protetor solar nos lábios e no rosto para diminuir as recorrências”. “O antivírico tópico ou oral iniciado antes da exposição solar pode proporcionar alguma proteção”, salienta ainda.

Quando consultar um médico?

Tendo em conta que o herpes labial é uma doença benigna e, em regra, sem complicações associadas, a necessidade de acompanhamento médico reserva-se para casos especiais. Entre estes, destacam-se os já referidos “doentes imunodeprimidos ou que apresentem formas graves ou frequentes”. Para estes, recomenda-se tratamento precoce, podendo estar também “indicado um tratamento crónico sistémico prescrito por um médico”.

A especialista lembra ainda que o acompanhamento por um clínico é recomendado “se ocorrer um quadro de erupção com febre intensa ou dor com intensidade grave, assim como se as vesículas se expandirem além dos lábios e da face, em especial para os olhos, ou se não houver melhoria dos sintomas após uma semana de tratamento”. Por outro lado, “se as crises de herpes labial forem superiores a seis por ano é aconselhável também uma avaliação médica”.

Conselho cientifico

Conteúdo revisto pelo Conselho Científico da AdvanceCare.