Templates by BIGtheme NET
Início » Saúde (Pagina 4)

Saúde

Gouveia associa-se à iniciativa regional “Todos Por Todos”

O concelho de Gouveia, na freguesia de Vila Nova de Tazem, junta-se aos vários concelhos da Região Centro que integram a iniciativa solidária e de voluntariado comunitário “Todos Por Todos”(TpT). O seu objetivo é a sensibilização para a prevenção do cancro e a promoção de estilos de vida saudável. A Caminhada “Todos Por Todos” em Gouveia é assinalada no próximo dia 29 de maio, com início às 09h00, Avenida em Vila Nova de Tazem.

A organização é da responsabilidade do Grupo de Voluntariado Comunitário de Gouveia, da Liga Portuguesa Contra o Cancro, com apoio da Câmara Municipal de Gouveia, Junta de Freguesia e Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Tazem, e ainda a GNR de Vila Nova de Tazem. Através de um trabalho em rede, a LPCC pretende fomentar mecanismos e espaços que possibilitem o envolvimento ativo dos cidadãos no projeto.

As inscrições, com um valor de 5 euros, poderão ser realizadas juntos dos Voluntários Comunitários de Gouveia e conferem acesso à T-shirt TpT.

“Todos Por Todos” pretende, assim, fomentar os valores de inclusão e capacitação (promover conhecimento, despertar, motivar, entusiasmar, reforçar sentidos de pertença); dinamismo (estimular a ação de base local e a participação ativa na criação de dinâmicas de promoção das atividades da campanha); bem como de alegria, felicidade e jovialidade nas comunidades locais.

A iniciativa TpT tem uma grande abrangência geográfica e descentralizada em todos os concelhos da Região Centro, e decorre até final de setembro de 2022.

 

Artigo de Saúde de Sara Morais— Ao Encontro do Desejo e da Necessidade

O longo caminho da vida é ditoso, errante, repleto de dualidades o que implica uma boa dose de perseverança e compreensão sobre os processos do “eu”. Na jornada, o leitor é confrontado por dois importantíssimos atalhos: o Desejo e a Necessidade.

Desejo é, intrinsecamente, algo que lhe é familiar. Não vale a pena negar… Já por diversas vezes, durante a sua caminhada, fechou os olhos e, sim, abandonou a razão, ou qualquer ato consciente e, instintivamente, desejou algo como se estivesse à mercê da roda da fortuna. Essa força instintiva e inconsciente é crescente e perentória à medida que o Ser Humano vai interagindo e experienciado ao longo dos anos. O desejo, designa-se, assim, por uma energia direcionada para satisfazer algo que realmente quer muito, mas que não é imperativa para a sua sobrevivência.

Em termos fisiológicos este processo ocorre quando o centro de recompensa, localizado no cérebro, é submerso pela substância dopamina que cria a sensação de desejo, contudo sem causar um impacto hedônico. Assim, quando o leitor é submetido a uma experiência de superação, como por exemplo: ganhar um concurso ou concluir uma obra de arte; a dopamina é produzida em grandes quantidades e, por conseguinte, leva-o a desejar, através da recordação, a experienciar mais momentos equiparados.

Por vezes, o leitor usa este atalho para suprimir a distância de um caminho mais longo, porque o faz sentir temporariamente mais preenchido ou, simplesmente, porque faz parte da sua natureza. O desejo é um processo que deve ser usado para alavancar o sujeito para ação e para o desenvolvimento do conhecimento através da experimentação. Contudo, se usado de forma imprudente poderá levá-lo a divergir do seu carreiro equilibrado e saudável.

Do outro lado da bifurcação encontra a Necessidade que é tudo o que representa a carência capaz de comprometer a sobrevivência e, por essa razão, quando não colmatada, recebe toda atenção e energia do sujeito, como por exemplo: a fome. No momento em que a concentração de nutrientes (glicose no sangue) está diminuída, o Hipotálamo recebe ordens para procurar a ingestão de alimento para compensar a carência orgânica. Por este motivo, é que o leitor já terá escutado que “a necessidade aguça o engenho”, ou seja, quando uma privação representada pela pirâmide de Maslow é percebida, o individuo é motivado para direcionar a sua energia para satisfazer as suas carências.

A saúde mental é, também, dependente da busca pela satisfação das necessidades e pelo adorno dos desejos. Por isso é fundamental ter clareza sobre estes processos para ajudá-lo a compreender as necessidades por de trás dos desejos. O desejo não tem que ser um viés negativo, pois faz parte da natureza humana. Contudo é importante desenvolver a autoconsciência e o autoconhecimento para estabelecer um equilíbrio entre estes dois processos.

Ao experienciar a Hipnose Clínica, o leitor terá a possibilidade de entrar em contacto com os seus desejos e carências mais profundas. Tomar consciência das dificuldades e identificar as suas necessidades, libertar-se da condição de refém pelos impulsos. Surge, então, uma consciência trabalhada no sentido de buscar para a sua vida um equilíbrio sustentado na satisfação das suas necessidades pelo meio da alimentação adequada, segurança, educação, lazer, socialização, e auto valorização.

Para concluir, a Hipnose Clínica vincula-se, assim, como a coluna dorsal de um novo mapa mental, uma nova configuração do “eu” nesta sua caminhada em que as várias exigências beliscam, diariamente, o seu trajeto de vida saudável e equilibrado.

No próximo boletim saúde poderá verificar mais sobre por que repetimos os padrões autodestrutivos e o papel da Hipnose Clínica.

 

Sara Morais

Hipnoterapeuta

Consultas 91 63 54 106

sfilipa.morais@gmail.com

MAI aprovou Diretiva Financeira 2022

O Ministério da Administração Interna aprovou hoje a Diretiva Financeira 2022, em articulação com a Liga dos Bombeiros Portugueses.

Este é um instrumento fundamental para a gestão do orçamento público associado aos diferentes dispositivos operacionais da proteção civil, nomeadamente o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR).

Nesta Diretiva destacam-se:

  • – O aumento de 7% nos montantes associados à comparticipação diária efetuada aos Bombeiros integrados nos dispositivos. A comparticipação diária aos Bombeiros passa, assim, de 57€/dia para 61€/dia e, no caso dos elementos de comando, de 67€/dia para 71€/dia.
  • – A atualização em cerca de 15% dos montantes das despesas com alimentação, passando o valor do almoço e do jantar de 8,75€ para 10€
  • – Consagra-se um apoio específico superior a meio milhão de euros, a pagar numa única tranche – em junho – às Associações Humanitárias detentoras de Corpos de Bombeiros que constituam ou acolham equipas DECIR. Este apoio visa comparticipar as despesas logísticas decorrentes do empenhamento operacional, num montante diário de 5€ por cada equipa de combate a incêndios (constituída por 5 bombeiros) e 2€ por equipa de apoio logístico ao combate (constituída por 2 bombeiros).
  • – Formaliza-se um apoio financeiro específico às Associações Humanitárias detentoras de Corpos de Bombeiros que contribuem com veículos para as Brigadas de Reforço Destacadas. Para esta capacidade de reforço passível de ser mobilizada para áreas de maior risco prevê-se o pagamento mensal entre 100€ a 800€ por mês, em função da tipologia de veículos a empenhar.
  • – A atualização das regras e procedimentos associados à reparação e reposição dos veículos integrados nas operações, valorizando a reposição dos veículos que apresentam maior vida útil.

Globalmente, a Diretiva Financeira 2022 representa um reforço ímpar de 3,2 milhões de euros no montante alocado, pela ANEPC, aos dispositivos operacionais, o que traduz a prioridade do Governo no apoio ao esforço desenvolvido pelos Bombeiros e pelas respetivas entidades detentoras no quadro da resposta operacional.

Municipio de Figueira de Castelo Rodrigo pretende melhor serviço à população em termos de cuidados de saúde

Teve lugar em Figueira de Castelo Rodrigo, uma reunião sobre saúde , com a presença de Carlos Condesso, Presidente da Câmara Municipal e os representantes do prestador de serviços do Cartão de Saúde Municipal e responsável do Centro de Saúde de Figueira de Castelo Rodrigo.

Desta forma, o objetivo desta reunião será  garantir uma estreita articulação entre todos os profissionais que prestam serviço neste concelho, cujo fim último é unir esforços para melhor servir a população em termos de cuidados de saúde.

Núcleos de Apoio a Crianças e Jovens em Risco da ULSG reuniram

O Núcleo Hospitalar de Apoio a Crianças e Jovens em Risco (NHACJR) e os Núcleos dos Cuidados de Saúde Primários (CSP) da ULS Guarda, estiveram esta terça-feira reunidos no Auditório da ULS Guarda.

Esta Reunião de Trabalho foi organizada pelo Núcleo Hospitalar e insere-se no âmbito de uma das suas atribuições: “fomentar mecanismos de cooperação com outras equipas, nomeadamente os NACJR dos CSP” e teve como objetivos: A partilha de experiências, a partilha das dificuldades sentidas por cada equipa na sua Unidade de Saúde e Contribuir para uma melhor articulação entre estas entidades de saúde, que estão na primeira linha do atendimento a crianças e jovens em risco.
O NHACJR fez uma breve apresentação da equipa e da atividade desenvolvida ao longo da sua existência. Todos os profissionais presentes na Reunião entenderam ter sido este um importante momento de partilha.
Fotos: ULSG

Dose de reforço para Covid-19 no final de agosto para pessoas com mais de 80 anos

O Ministério da Saúde liderado por Marta Temido adiantou que : As pessoas com mais de 80 anos vão receber a dose de reforço da vacina contra a Covid-19, a partir do final de agosto ou início de setembro.

Durante uma visita ao Centro Hospitalar Universitário de São João, no Porto, para presidir à inauguração das instalações remodeladas da unidade de cuidados intensivos, a Ministra disse que a questão «que se coloca neste momento é saber qual o melhor momento para avançarmos com a quarta dose ou dose de reforço»:

«Face às características deste vírus, e estando a situação epidemiológica relativamente controlada, o que parece fazer mais sentido é que esse momento aconteça apenas antes do início do outono/inverno. Portanto, em final de agosto/início de setembro», afirmou  a ministra.

Marta Temido disse ainda que a administração da dose de reforço às pessoas com mais de 80 anos está «em linha com a posição da Agência Europeia do Medicamento», acrescentando que, «em função da situação de imunocomprometimento ou fragilidade imunitária», a quarta dose «já está a ser passada com prescrição médica» e que Portugal está preparado para continuar o processo.

por:GP

Projeto “(S)Em Retaguarda”já arrancou em Celorico da Beira

Assim já teve inicio a intervenção do projeto “(S)Em Retaguarda” no município de Celorico da Beira, um projeto  em colaboração com município de Celorico da Beira, assume-se como uma iniciativa de caráter social e inovador e rege-se pela abordagem da Humanitude, que concerne na promoção do bem-estar nos cuidados.

Tem como principais objetivos: atender às necessidades dos Cuidadores Informais (CI) e da sua família, planificando e concretizando ações interventivas que promovam a autonomia e melhorem a condição de saúde da pessoa cuidada; promover o relacionamento interpessoal no contexto familiar e com as redes de apoio externas; permitir a diminuição da sobrecarga física e mental; criar estruturas de apoio social e psicológico e avaliar o impacto das intervenções dinamizadas na qualidade de vida e bem-estar.

Como atividades a desenvolver destacam-se:

O Descanso do cuidador informal que propõe duas formas de atuação:
a) a estadia do cuidador informal em unidade de alojamento turístico – Hostel

b) para descanso do cuidador informal (a pessoa cuidada pode ser referenciada para a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI), ser temporariamente encaminhada para uma Estrutura Residencial para Idosos (ERPI) e beneficiar de Serviço de Apoio Domiciliário (SAD));

Grupos de Ajuda Mútua que providenciam a partilha de experiências e minimizam o isolamento;
Aconselhamento/acompanhamento e orientação individualizado que pretende assegurar o aconselhamento, acompanhamento e orientação no âmbito da ação social, especificamente do apoio burocrático bem como identificação dos seus direitos/deveres e acesso ao Estatuto do Cuidador Informal;
Grupos Psicoeducativos, que consiste numa equipa multidisciplinar que pretende auxiliar os cuidadores informais a aumentar e desenvolver conhecimentos e competências.
O projeto irá ser implementado em 3 concelhos: Fornos de Algodres, Celorico da Beira e Trancoso e pretende-se que o mesmo detenha um impacto social positivo para a população a que destina e para território onde decorre. Nesse sentido o projeto será alvo de vários momentos de avaliação: inicial/diagnóstica; intercalar e final.A equipa multidisciplinar do (S)Em Retaguarda é constituída por Técnicos de:
Enfermagem que ajudará os Cuidadores Informais na prestação de cuidados ao doente;
Psicologia que irá desenvolver com os CI um conjunto de estratégias e competências sob forma de diminuir a sua sobrecarga emocional;
Serviço Social que ficará responsável pelo acompanhamento, orientação e apoio no âmbito dos processos burocráticos bem como na identificação de necessidades sociais dos mesmos.”

Artigo de Opinião de Sara Morais— Hipnose Clínica à Flor da Pele

Expressões como “A mulher ficou com os nervos à flor da pele” permitem que o seu pensamento crie, automaticamente, a imagem de uma mulher, agitada, que age sob o impulso, à medida que as emoções parecem brotar como suor que lhe sai da pele … Mas o mais interessante desta visualização, não é efetivamente a imagem da mulher em si, mas a reação do próprio leitor que, inconscientemente, alterou o movimento das suas narinas e o próprio batimento cardíaco. Estas pequenas alterações subconscientes comprovam que mesmo quando as palavras são mudas o corpo fala!

Manifestações como o suor, o odor, a temperatura, a irritação ou comichão da pele são alterações causadas, comumente pelos diversos fatores psico emocionais. E porquê? No que respeita ao órgão mais extenso do corpo humano -a pele – constituída pela epiderme e derme, tem como origem embrionária o neuro- ectoderma onde são formados o sistema nervoso e a pele, e por essa mesma razão existe uma relação entre as emoções e as doenças dermatológicas.

A Psoríase é uma, entre inúmeras outras, efemeridades que testemunha este vínculo. Esta, é caracterizada como uma doença crónica e inflamatória, na qual a pele se veste de placas encarnadas e salientes que provocam desconforto e prurido. Este processo inflamatório, proliferado pela epiderme, é reacional, e consequentemente, quanto mais o leitor estiver exposto a níveis de elevado stresse emocional maior será a inflamação.

Os aumentos de produção de cortisol na corrente sanguínea vão ativar as células dendríticas da pele, o que vai desencadear uma maior libertação de neuro mediadores e catecolaminas pelas terminações nervosas contribuindo para piorar a inflamação cutânea e retardar o processo de cicatrização das feridas. Este agravamento vai produzir um impacto psicossocial negativo, pois vai impossibilitar a realização de tarefas, ditas normais e rotineiras, a autoestima baixa, e o isolamento social surge como um mecanismo compensatório para lidar com a incapacidade de exposição do próprio corpo ou com o julgamento alheio sobre as lesões, aparência ou até mesmo um contágio hipotético e irreal.

Na envolvência destes constrangimentos, é possível através da Hipnose Clínica, controlar a sintomatologia e diminuir, significativamente, o processo inflamatório de forma natural e sem contraindicações. A dissociação entre a emoção e a razão desencadeia, por si só, a libertação hormonal de dopamina e serotonina que vai, automaticamente, reduzir os níveis de cortisol na corrente sanguínea e, por conseguinte, travar ou diminuir todo o processo inflamatório cutâneo. Para além desta compreensão fisiológica, esta ferramenta terapêutica permite regular outras funções autónomas, como: o fluxo sanguíneo, ou até mesmo a dor, o prurido.  A intervenção abrange, também, os diversos fatores psicossomáticos que influem negativamente nas doenças dermatológicas, devolvendo assim a qualidade de vida ao leitor.

No próximo boletim de saúde poderá saber mais sobre a diferença entre o desejo e a necessidade.

 

 

Sara Morais

Hipnoterapeuta

Consultas 91 63 54 106

sfilipa.morais@gmail.com

Politécnico da Guarda desenvolveu um hidrogel para regeneração do tecido cardíaco

O Politécnico da Guarda está a desenvolver um hidrogel para a regeneração do tecido cardíaco e a produzir estruturas vasculares para substituir vasos sanguíneos através da bioimpressão: uma técnica de impressão 3D aplicada à saúde que permite recriar a estrutura nativa dos tecidos e reestruturar o tecido lesado. A iniciativa surge no âmbito do projeto BioimpACE, o qual junta investigadores portugueses e espanhóis da área da medicina regenerativa e personalizada.

“Em Portugal, as doenças cardiovasculares continuam a ser a principal causa de morte representando um terço da mortalidade de todo o país. Por essa razão, consideramos que é crucial conceber novas técnicas para tratar problemas como o enfarte, a insuficiência cardíaca ou a endocardite”, afirma Paula Coutinho, investigadora e responsável pelo projeto no IPG. “A impressão 3D está a revolucionar o setor da saúde, permitindo desenvolver aplicações inovadoras na área da medicina regenerativa”.

Fórum das Especialidades de Enfermagem debate os cuidados especializados de Enfermagem nas fronteiras da pandemia  

Para assistir,  7 de abril, às 9h00, na Universidade Católica no Porto

Organizado anualmente pelo Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica no Porto, este ano o Fórum das Especialidades de Enfermagem irá promover o debate sobre “Os cuidados especializados de enfermagem nas fronteiras da pandemia” e, em simultâneo, tornar-se-á no I Encontro Internacional das Especialidades de Enfermagem, com a participação de uma especialista em Comunicação em Enfermagem, da Universidade de S. Paulo, Brasil. No dia 7 de abril, enfermeiros, enfermeiros especialistas e docentes de Enfermagem, de referência nacional e internacional irão refletir sobre diferentes domínios, como a formação, a investigação, as políticas e a práxis. 

 Com um programa muito diversificado, o fórum abordará temas como “O Valor dos Cuidados de Enfermagem em Tempo de Pandemia”, os “Contributos da Enfermagem Médico-Cirúrgica”, os “Contributos Enfermagem de Saúde Infantil e Pediátrica”, os “Contributos da Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiátrica e da Enfermagem Comunitária”, áreas de especialidade lecionadas no ICS Porto, e o “Poder da Comunicação em Tempos de Pandemia”. Numa fase pós-pandémica é tempo de refletir sobre as lições aprendidas na área da saúde e como os profissionais se podem preparar para o futuro.

 Constança Festas, coordenadora do Mestrado em Enfermagem no ICS Porto e membro da organização do evento, realça “que este fórum é um espaço de encontro e partilha do conhecimento produzido pelos estudantes das diferentes áreas de especialização do curso de Mestrado em Enfermagem, com base numa sinergia positiva entre academia e contexto real de assistência, capaz de produzir conhecimento que pode ser transferido tanto para a profissão, como para a disciplina de Enfermagem”.

 O fórum que se realiza no dia 7 de abril, terá início às 9h00, e decorrerá presencialmente no Auditório Carvalho Guerra da Universidade Católica no Porto, mas também com a possibilidade de participação via online, assumindo um formato híbrido.