Templates by BIGtheme NET
Início » Serra » Guarda quer eliminar barreiras

Guarda quer eliminar barreiras

 

Mobilidade reduzida exige continuidade ao Projeto Rampa.
“O
concelho da Guarda tem cerca de 45 mil habitantes e uma grande parte
com mobilidade reduzida, abrangendo mais de 25 mil pessoas (50 a 60% da
população)” referiu Jorge Gurito da empresa MPT (Mobilidade e
Planeamento do Território),no Seminário Internacional de Encerramento do
Plano Local de Promoção da Acessibilidade da Guarda – RAMPA. Este
Seminário, promovido pela Câmara da Guarda, no dia 25 de setembro,
contou com a presença de representantes de casos de estudo de
referência, apresentando as suas experiências no desenvolvimento de
programas similares. O estudo realizado incidiu sobre espaços públicos,
edifícios e transportes de forma a detetar os problemas existentes e
estudar soluções para criar as condições de acesso para todos. O
programa teve em vista criar um conjunto de medidas com o objetivo de
eliminar as barreiras arquitetónicas, sociais e psicológicas, que
prejudicam a vida das pessoas com mobilidade reduzida. Conhecidas os
problemas e definidas as medidas estratégicas para os resolver, Elsa
Fernandes, vereadora da autarquia, referiu que é “preciso corrigir os
erros que são apontados no diagnóstico”, por isso, é preciso “dar
continuidade ao projeto”. E acrescentou: “Quero acreditar que a Guarda,
daqui a cinco, dez, quinze anos, seja mais acessível para quem nos
visita”. Elsa Fernandes disse também que “ser uma cidade acessível para o
turista é uma vantagem competitiva”. “Pensar um futuro mais amigo de
todos” foi a ideia defendida por Paula Teles, da empresa MPT. Feita a
radiografia do concelho da Guarda disse que “a Câmara da Guarda tem,
hoje, um bebé ao colo e todos têm de ajudar a levar esse bebé” e, por
isso, “temos de estar preparados para o próximo quadro comunitário”.
José Heras, da Columbus European Consulting, que falou sobre “mobilidade
como fator competitivo das cidades” louvou a Câmara da Guarda por ter
optado pela mobilidade e recordou que “a acessibilidade é um direito de
todos”. O seminário terminou com o hastear da bandeira da rede cidades e
vilas de excelência, no edifício da Câmara da Guarda.

Publicidade...



 

Enviar Comentário